Papas João Paulo 2º e João 23 vão se tornar santos, anuncia Vaticano.

Por IG – O Vaticano confirmou nesta sexta-feira a canonização dos papas João Paulo 2º e João 23. Segundo a Santa Sé, papa Francisco, atual pontífice, aprovou um segundo milagre atribuído a João Paulo 2º. Ele liderou a Igreja Católica Romana de 1978 a 2005.

Em uma demonstração de sua autoridade papal, Francisco decidiu também tornar João 23 santo, embora o Vaticano não tenha confirmado um segundo milagre atribuído por sua intervenção. O Vaticano afirmou que Francisco tinha o poder para “dispensar” o processo normal de “santificação” e canonizar João 23 ele mesmo, por seus próprios méritos, sem um milagre.

É esperado que as cerimônias aconteçam no final do ano. A data de 8 de dezembro foi cogitada como uma possibilidade, dia da festa da Imaculada Conceição. A mídia polonesa continua a afirmar que outubro era a data mais provável, para marcar o aniversário da eleição de João Paulo, mas autoridades do Vaticano afirmaram que era muito cedo para organizar um evento tão grandioso.

O porta-voz do Vaticano, o reverendo Federico Lombardi, confirmou que o milagre que tornou João Paulo 2º santo estava relacionado a uma mulher costa riquenha.

O jornal católico espanhol La Razón a identificou como Floribeth Mora, e disse que ela havia sofrido um aneurisma cerebral, que foi inexplicavelmente curado em 1º de maio de 2011 – no dia da beatificação de João Paulo, quando 1,5 milhão de fiéis lotaram a praça São Pedro para honrar o pontífice.

Em uma série de reportagens no final do mês, o La Razón afirmou que Mora acordou com uma dor de cabeça muito forte em 8 de abril e foi para o hospital, onde seu estado de saúde piorou em um ponto que ela foi para a casa com um diagnóstico de um mês de vida. Sua família diz ter rezado para João Paulo 2º e o anerurisma desapareceu.

O La Razón citou seu médico, Alejandro Vargas, que disse: “Surpreendeu-me muito o aneurisma ter desaparecido. Não consigo explicar isso baseado na ciência.”

O pontífice emérito Bento 16 colocou João Paulo 2º, que se tornou papa em 1978, em um acelerado processo para a santificação ao dispensar o tradicional período de cinco anos, permitindo sua beatificação semanas depois da sua morte em 2 de abril de 2005. Bento 16 respondeu aos pedidos de “Santo Subito!” ou “Santidade Imediatamente” feitos pelo público durante o funeral de João Paulo.

Mas restam preocupações de que o processo tenha sido rápido demais. Por isso, a decisão de canonizar João Paulo 2º com João 23 pode ser vista como uma tentativa de equilibrar essas preocupações, beatificando um papa ao lado de outro. Esse foi o caso em 2000, quando João Paulo beatificou João 23 (1958-1963), apelidado de “o bom papa”, ao lado do papa Pio 9º.

*com Reuters e AP

Tags:

60 Comentários to “Papas João Paulo 2º e João 23 vão se tornar santos, anuncia Vaticano.”

  1. Fim do mundo!

  2. Glória a Deus!

  3. Grandes santos!!!!

  4. Fim do mundo. (2)

  5. O que a Igreja liga na Terra, é ligado no Céu!

    Antes que alguém venha falando que a Igreja perdeu a autoridade de proclamar Santos por conta da notável crise que vemos hoje, parece-me claramente que esses mesmos argumentos se assemelham a dos protestantes quando dizem que a Igreja primitiva se desviou do seu caminho e se paganizou, gerando a Igreja Católica com seus ritos pagãos misturado com cristianismo.

    Jesus prometeu as chaves à Pedro! Não me parece que agora Ele desfez essa promessa.

  6. Nem sei se ria, se chore.

    Estas canonizações ‘burocráticas’ deixam-me bastante entristecido!

    Já não falo da canonização de João Paulo II que, apesar do processo ter sido à velocidade da luz, seguiu em linhas gerais, os trâmites normais…

    Agora esta dispensa do Papa Bergoglio para se canonizar João XXIII sem ser necessário o reconhecimento de um segundo milagre… Mostra o que o Papa quer canonizar, no fundo: o Concílio, numa última tentativa de ressuscitar o moribundo e agonizante evento.
    Porque, se o Papa prescindiu de um milagre, é porque não houve nenhum digno de estudo, senão era lógico que fizesse o mesmo com João Paulo II, cujo milagre foi aprovado, seguindo o processo normal.

    Então e Pio XII, servo fiel de Nosso Senhor e guardião da Fé? Há diplomacia e medos das suscetibilidades a mais. Estes dois Papas eram queridos pelo povo. E o «povo ordena», não é o chavão da demo-cracia?

    E os dois pequenos Pastores de Fátima, cujo segundo milagre (cura de diabetes, algures pela Europa), por ter uma percentagem mínima de ter sido por causas explicáveis, foi rejeitado?
    Por tudo isto, vejo nesta atitude de Francisco uma tentativa de canonizar o Concílio Vaticano II, pois em todas as declarações de hoje se faz questão de mencionar “a alegria de este evento se dar nos 50 anos Concílio…” e por aí fora…

    Outra questão? São as canonizações ato de infalibilidade pela Igreja? Temos de reconhecer João XXIII como santo?

    Pelo que se percebe, não houve milagre confirmatório, que embora não seja preciso, é altamente recomendável!

    É realmente triste que estas confusões sejam lançadas precisamente por aquele que tem o dever de garantir a unidade…

  7. A canonização de João Paulo II já era mais que óbvia há algum tempo. Só achei um tanto quanto estranha a notícia da canonização de João XXIII, ainda mais ao saber que foi dispensada a necessidade de um segundo milagre. Se São Pio X já era esquecido quando era O papa canonizado dos últimos 400 anos, imaginem agora. Aguenta escutar gente falando das conquistas do Vaticano II convocado por São João XXIII.

  8. Como explicar aos devotos a imagem do Santo João Paulo II beijando o alcorão e recenbo benção de sacerdotisa hindu natesta?Ou deixando fotografar com trajes de banho na piscina do Vaticano?
    Como explicar o corpo quimicamente conservado de Santo João XXIII ?
    Só falta Santo Paulo VI !

  9. Nosso coração se rejubila ao ter conhecimento de dois sucessores de Pedro elevados ás honras dos altares.Para os que conviveram com João 23 sabem como era carismático querido e respeitado , até por comunistas em Portugal nessa época .De João Paulo segundo nem se fala.Acho que foi um dos papas mais amados no planeta.

  10. Infelizmente isso pode ser vista como uma má notícia, não pela canonização deles em si, ou seja, a santidade deles em si, algo que me recuso a sequer opinar, não tenho autoridade alguma para isso.

    Pode ser visto como uma má notícia pelo fato de a ala progressista da Igreja, revolucionária, ver neles “modelos de revolucionários”. E a grande mídia certamente vai usar a imagem deles para promover o “relativismo religioso” e o “fim da intolerância religiosa”, no caso, a defesa de que existe uma única Religião verdadeira, um único caminho de salvação.

    Todo mundo sabe que João XXIII ficou conhecido como o “Papa revolucionário”, foi aclamado, juntamente com Paulo VI, pela maçonaria como um “grande liberal”. João Paulo II todos sabem que ficou conhecido como o “Papa peregrino da paz entre as religiões”, o que na prática não poucas vezes significou a rejeição da apologética e da defesa das verdades e dogmas católicos.

    Enfim…

  11. Complementando:

    só faltam também dogmatizar o Vaticano II tornando-o infalível.

  12. “Infelizmente isso pode ser visto como uma má notícia” corrigindo….

    Mas eu não estou colocando em dúvida, repito, a santidade deles em si. Simplesmente me recuso a julgar isso. Abraços.

  13. Desculpem a sinceridade, desculpem se, como este meu comentário, vou ferir a consciência daqueles que consideram que na Igreja tudo é “angelical”, ainda que Nosso Senhor tenha dito justo o contrário, com a parábola do “joio e do trigo”. Desculpem, desculpem…. mas….. eu somente vou acreditar que o clero atual, amplamente dominado por revolucionários, não esteja se deixando guiar por “vozes deste mundo” quando o Vaticano canonizar Pio XII.

    Enquanto Pio XII não for canonizado por favor não venham zombar da minha inteligência pregando uma “igreja angelical”, imune à avalanche revolucionária.

  14. Os atos dos santos são para serem imitados não?
    Então hoje mesmo estarei comprando meu alcorão para beija-lo a noite junto com minha biblia,quiça também, quando for a Terra Santa, deixarei minhas orações escritas num papel enfiado numa fresta do muro das lamentações, a exemplo de João Paulo II, e não me esquecendo de beijar o mesmo também.

  15. Elísio,

    «Para os que conviveram com João 23 sabem como era carismático querido e respeitado , até por comunistas em Portugal nessa época .De João Paulo segundo nem se fala.Acho que foi um dos papas mais amados no planeta».

    Cada vez menos, ser popular e amado é sinónimo de santidade, ou pelo menos de modelo de santidade.

    Mas eu admiro João Paulo II e acredito que esteja no Céu. E não nego que João XXIII também esteja. Mas o facto de ser admirado e respeitado pela Ala Comunista, deixa qualquer um de pé atrás.

    O que considero imprudente, errado mesmo, é a atitude de dispensa de milagres para se apressar publicamente e apenas por desejo do Papa uma canonização…

    Lê-se no site de uma emissora católica:

    “A surpresa em relação a João XXIII é que não há um segundo milagre atribuído à sua intercessão, mas, ainda assim, o Papa do Concílio Vaticano II deve ser canonizado, por iniciativa do Papa Francisco.”

    A mim faz-me confusão. Como a mim, muitos, mas muita gente não vai ‘protestar’ porque ‘o Papa é que sabe’.

    Se Francisco tivesse essa decisão para com Pio XII, por exemplo, gostava de ouvir os mesmos elogios!

    Mas sei que não os iria ouvir. Pelo menos da parte dos mesmos.

  16. A canonização é um ato de Magistério infalível, não resta dúvida. O problema, a meu ver, é a abertura de um precedente de dispensa do processo ordinário, conhecidamente rigoroso na Igreja. Bento XVI dispensou o processo do Beato João Paulo II apenas do prazo de início, não dos milagres. Com todo o processo e os dois milagres confirmados, ainda há gente que questione, por exemplo, a canonização de São Josemaria Escrivá. No Brasil, o Beato Anchieta parece “carecer” de um milagre até hoje.
    Imagino o que aconteceria se o Papa dispensasse de milagre o processo do Beato Pio IX, beatificado junto a João XXIII, alvo que é tanto da maçonaria que promoveu a unificação italiana, como dos progressistas que não engolem a definição da infalibilidade por ele declarada solenemente no Concílio Vaticano I, ou mesmo se dispensasse de milagre o processo do Venerável Pio XII. Seria um bombardeio da imprensa, da mesma imprensa que vê como “normal” a canonização do Beato João XXIII. Substituiu-se, por acaso, o sensus fidelium pelo sensus mediorum – o “sentido dos meios de comunicação”?
    O Apóstolo São Paulo expressou de modo lapidar o que penso ser um grande problema na Igreja de hoje: Si adhuc hominibus placerem, Christi servus non essem – “Se quisesse ainda agradar aos homens, não seria servo de Cristo” (Gl 1, 10).

  17. “Nosso coração se rejubila ao ter conhecimento de dois sucessores de Pedro elevados ás honras dos altares.Para os que conviveram com João 23 sabem como era carismático querido e respeitado , até por comunistas em Portugal nessa época .De João Paulo segundo nem se fala.Acho que foi um dos papas mais amados no planeta”.

    Esse comentário do sr. Elísio fala por si. Como pode comunistas gostarem de um Papa?

    Como pode um Papa ser “amado por todo o planeta”, ou seja, “pelo mundo”?

    O sr. Elísio é o protótipo de nossa juventude atual, totalmente doutrinada no marxismo cultural, a ponto de ele considerar como positivo o fato de comunistas terem gostado de um Papa! Segundo ele, isso é um ponto altamente positivo a favor de João XXIII! heheehehehe

  18. João Paulo II é um santo, haja má vontade para não ver que o sofrimento extremo dos últimos anos de seu pontificado foram uma verdadeira confissão de fé para toda a humanidade. É santo e os milagres pululam aos olhos de todos. Ademais, o homem que foi responsável pela demolição do comunismo real na Europa Oriental (e isso eu ouvi da boca de um comunista da velha guarda) não é menos do que um dos mais diletos filhos de Deus e da Igreja.

    Agora, João XXIII, veja bem, eu até gosto do velho Roncalli, apesar de a sua iniciativa, genuinamente ingênua, ter desenrolado a pior crise da história recente da Igreja. Mas a verdade que milagre mesmo ele só intercedeu um e, até onde eu sei para ser declarado santo um milagre não basta. Estaria Francisco abrindo um novo precedente para o reconhecimento da santidade? Complicado isso… Poder-se-ia, doravante, cogitar que todos os beatos no mesmo “status” de João XXIII seriam santos também? Afinal, não se canoniza ninguém por simpatia, mas por critérios objetivos, aferidos em um procedimento. Se João XXIII é santo, o padre José de Anchieta também o é, a jovem Clara Badano idem, os protomártires do Brasil também e por aí vai… Vamos ver o que o Vaticano dirá nos próximos dias.

    Porém, porém, o santo do séc. XX se chama PIO XII. Enquanto o Vaticano não tiver a ombridade de ignorar a imensidão de mentiras que acobertaram a imagem de um dos maiores papas do séc. XX (ao lado de Leão XIII e São Pio X), sempre penderá uma sombra de covardia sobre Roma, que em nada atina à coragem, esse atributo tão caro à cristandade. Pio XII é um tapa na cara da modernidade, por isso é difamado e odiado até hoje por “esse mundo”.

    Se Francisco quer de fato “romper com o príncipe desse mundo”, colocar a Igreja em estado de guerra permanente contra o diabo, que canonize afinal um dos seus maiores inimigos: Eugênio Pacelli!

  19. Como um clero progressista – o que inclui a alta hierarquia – irá canonizar Pio XII? Os senhores estão brincando neh?

    Pio XII já foi canonizado, meus caros, por Nosso Senhor no Paraíso. Este mundo é da ala revolucionária, esqueçam algo diferente disso.

  20. Vejo frequentemente acusarem qualquer crítica à Cúria Romana ou ao
    Papa como semelhança ao protestantismo.

    Pois bem. Se isso é pra ser um argumento, pensem os senhores que
    a Igreja sempre deu resposta clara, objetiva e direta aos protestantes,
    e sempre com muita Sabedoria e Lógica.

    Assim, se os argumentos apresentados contra certas práticas
    pós-conciliares são, na opinião de alguns, críticas com gosto protestante,
    por que então os senhores não respondem a essas críticas objetivamente
    (e sem subterfúgios) como a Igreja sempre fez?

    Outra coisa:
    Se críticas protestantes são tão ruins,
    pq depois do CVII muitos Sacerdotes foram implorar-lhes perdão
    e ajoelhar-se para ser abençoados por eles?

  21. Já não se fazem mais santos como antigamente…

  22. Fim do mundo. (3)
    Só faltam também dogmatizar o Vaticano II tornando-o infalível. (2)

  23. Quero vê-los sendo canonizados “Padrão Trento”… isso eu quero ver…

  24. Pessoal, não se esqueçam de que quem anunciou foi o Padre Frederico Lombardi. Então, existe a grande chance de não ser verdade.

  25. “Já não se faz mais Santos como antigamente”…

    Todos os Santos sempre foram luzeiros da fé para o seu tempo, bem como sempre o serão por pregarem a verdade Católica universal, eterna e imutável. João XXIII apenas abriu o concílio, não tinha como adivinhar o que iria acontecer, apesar de posturas inovadoras. Beato João Paulo II já recebeu a Igreja em crise e por isso teve que “conquistar o mundo”, pois dentro de casa ele não podia fazer muito. A restauração começou mesmo com Bento XVI em restaurar a missa Tridentina e a liturgia- pontos cruciais da crise-, e rezamos para que o Francisco continue esse processo. Não duvido que daqui a pouco seja a vez de Paulo VI.

    Mas sem dúvida, essas canonizações serão a coroação do Concílio Vaticano II. João Paulo II levou à termo o Concílio. A FSSPX e todos os tradicionalistas ficarão cada vez mais sozinhos.

    Tristes tempos o que vivemos…

  26. A canonização é fruto do magistério pontifício. Impossível ser católico e duvidar.
    Aliás, nunca duvidei de que estes dois estariam no céu.
    O que não impede de dizer que eles tiveram erros.

  27. Essas canonizações, pelo visto, não terão o padrão FIFA.

  28. Deixar o segundo milagre de lado só pode significar, das duas, uma: ou mudou o padrão de canonização da Igreja e agora basta um milagre, ou o beato não fez nenhum segundo milagre que pudesse ser utilizado (o que seria estranhíssimo). O tempo não quer dizer nada, Santo Antônio foi canonizado muito rapidamente e milagres não faltavam, e se é de interesse pela canonização (e é óbvio que sim nos casos em questão), basta apressar os trâmites, ao invés de suplantá-los. Se há interesse em unidade, como afirmam que há, pra que dar margens a dúvidas?

    Acho que o problema é que de tanto os inimigos da Igreja buscarem anunciar que todos os atos da Igreja são políticos e movidos por interesse, muita gente dentro da Igreja se convenceu disso e resolveu realmente agir apenas por política.

    Não posso deixar de estranhar que pessoas que simpatizam com os tradicionalistas ou que se considerem conservadoras e saibam dos abalos ocorridos no pós-concílio VII façam um enorme esforço para negar que essas canonizações tem caráter político vindo da ala progressista. João XXIII não sabia o que aconteceria, João Paulo II já recebeu a crise pronta. O que dirão quando vier Paulo VI?

  29. Não dá para aproveitar a cerimônia de canonização e incluir Dom Marcel Lefebvre e Dom Antônio de Castro Mayer, dispensando milagres (não vamos considerar o milagre de ainda hoje podermos assistir a Missa Tridentina)?

  30. Se a Santa Madre Igreja assim quis resta-nos a obediência plena, até porque a canonização é um ato infalível, logo a partir de agora reconhecemos o Beato João Paulo II e o Beato João XXIII como santos.
    JOÃO PAULO II E JOÃO XXIII ORA PRO NOBIS

  31. FernandoNF,

    Excelente o seu comentário! Faço das suas as minhas palavras. É óbvia a canonização de João Paulo II, porque seguiu os procedimentos normais estabelecidos. A ser verdade, canonizar João XXIII pelo método da “simpatia pessoal” é um precedente muito perigoso! Já Pio XII, um grande santo na minha opinião, não pode ser canonizado porque prejudicaria o ecumenismo com os Judeus e não é assim tão popular que valha tanto risco.. Parece que os senhores que estão na Igreja querem agradar aos homens, nem que para isso tenham de fechar os olhos às evidências (ou falta delas).
    Que o Senhor tenha piedade de nós!

  32. Conheci pessoalmente o Papa João Paulo II, recebi de suas mãos a sagrada comunhão na Missa de Natal de 1993, na Basílica de São Pedro, e me senti tocado pela sua força irradiante. Um homem santo, “santo subito”, clamou o povo na Praça de São Pedro, em abril de 2005. Penso que foi mesmo um homem magno e santo!

  33. Falta canonizar o ultraortodoxo Paulo VI e o infalibilíssimo concilio vaticano II … piada de mal-gosto!

  34. Qto ao saudoso papa João Paulo II, o GRANDE, nenhuma surpresa. É santo!

    Mas, porém, todavia, entretanto com relação ao Papa João XXII, tenho inúmeras críticas, a seguir mencionadas:

    Vejam os indícios de que o João XXIII, embora seja considerado beato pela Igreja, tinha fortes vínculos da maçonaria, tais como:

    Primeiro,
    No seu discurso de abertura do Concílio Vaticano II, ele afirmou: “Mas parece-nos que devemos discordar desses profetas da desventura, que anunciam acontecimentos sempre infaustos, como se estivesse iminente o fim do mundo”.
    Paul, tente adivinhar de quem ele estava se referindo??? Aos pobres pastorinhos de Fátima, para ele considerado: “profetas das desgraças”, segundo confidenciou a alguns assessores dele.

    Segundo,
    Colocou a ir. Lúcia (de Fátima) incomunicável;

    Terceiro,
    Incluiu no índex* da Igreja: santa Faustina (Jesus Misericordioso), o Santo Padre Pio de Pieltrecina (proibindo inclusive de celebrar a santa missa), a mística italiana (Maria Voltorta, cuja obra: O Evangelho como me foi revelado é fantástica), dentre outros santos e profetas de Deus.
    • Detalhe: O Index Librorum Prohibitorum, em tradução livre o Índice dos Livros Proibidos, foi uma lista de publicações literárias que eram proibidas pela Igreja Católica e as regras para que um livro entrasse nessa lista. A primeira versão do Index foi promulgada pelo Papa Paulo IV em 1559 e uma versão revista desse foi autorizada pelo Concílio de Trento. A última edição do índice foi publicada em 1948 e o Index só foi abolido pela Igreja Católica em 1966 pelo Papa Paulo VI.

    Quarto,
    Recebeu o barrete cardinalício, das mãos do então presidente da República Francesa e seu amigo pessoal, Vincent Auriol, alto grau na maçonaria.

    São apenas fortes indícios, nada mais de indícios…

    Por fim, penso que é bastante temeroso colocar nas honras dos altares um suposto santo (João XXIII) sem a comprovação de milagres (mínimo dois, para se declarar santo, pelas normas atuais da Igreja).

    É a minha opinião, salvo melhor juízo.

  35. Servo de Deus Pio XII – Eugenio Pacelli – Santo Subito!

  36. Ambos, junto com Paulo VI, fizeram um milagre: quase destruíram a Igreja e suas tradições. “Haverá um tempo em que até os escolhidos serão enganados…”

    Papas queridos e amados pelos judeus, maçons, comunistas, liberais, etc: aplausos do mundo, vaias a Cristo.

    Gostaria de aplaudir de pé a canonização de dois mártires: D. Marcel Lefebvre e D. Antônio de Castro Mayer.

  37. É discutível até que ponto as canonizações segundo as novas regras (estabelecidas pelo Beato João Paulo II) são realmente infalíveis. A infalibilidade, por si mesma, requer todo rigor por parte do Magistério da Igreja. Isso acontece, por exemplo, na consulta que o Santo Padre faz ao Episcopado Católico do mundo inteiro antes de proclamar um dogma de Fé (ato do Magistério Extraordinário). Grande rigor também acontecia nas antigas regras de canonização: o escupuloso exame de todos os escritos do candidato aos altares, para ver se havia algum erro doutrinário e um padre era encarregado de investigar toda a vida e os escritos do candidato para ver se encontrava alguma palavra ou ato que depusesse contra a santidade do mesmo. Encontrado algum ato ou palavra contrários à Fé, o processo parava. Vencidas essas etapas, ao que se sabe, eram necessários dois milagres para a beatificação; três para a canonização.
    Sobretudo, não havia pressa. Não havia a preocupação de “correr” nem de “fabricar santos”. Por isso, normalmente um santo só era canonizado séculos depois de ter vivido (houve exceções, é claro, como São Francisco e Santo Antônio de Pádua).
    Salvo engano, Pio IX no seu longo pontificado de quase 32 anos, canonizou poucos santos.
    Esse rigor, esse cuidado estava, por si mesmo, dizendo que se estava tratando de matéria importantíssima, séria e delicada, relacionada intimamente à Fé, que requer a máxima exatidão e nenhuma mínima margem de erro (pois é preciso certeza de que a pessoa está no céu para pedir a intercessão dela diante de Deus).
    A ausência do antigo rigor, ao contrário, como nas novas regras para as canonizações (e mais ainda, como no caso presente do Beato João XXIII, dispensando um milagre necessário), supõe que não haja mais como antes o mesmo engajamento da infalibilidade na proclamação dos novos santos.
    O resultado, como se vê é: fabricação de santos “em série”. João Paulo II canonizou mais santos do que todos os seus antecessores. Mas, a quantidade normalmente vem em detrimento da qualidade.
    Agora, para complicar, um ato de Paulo VI pareceu depor contra a infalibilidade de canonizações anteriores às novas regras. Pois esse Papa retirou do calendário litúrgico santos já canonizados e festejados há muito tempo (como o mártir São Simão de Trento – dizem que para não ofender os judeus – e São Jorge – que o Coríntians e o Cardeal Arns salvaram aqui no Brasil).

  38. Francisco acabou de inventar a “Minha Canonização, Minha Vida”. Fácil, rápido e sem burocracia!
    Se preparem para os novos santos que virão — Paulo VI, Oscar Romero, Helder Camara, Dom Luciano, Dom Arns (ooopss…esse tá vivo ainda! Mas com Francisco isso não é problema!).
    A canonização de João XXIII explica a conversa que Francisco teve com Dom Capovilla, antigo secretário pessoal de Roncalli. Significa ainda que tal canonização foi pensada ainda com Bento XVI, uma vez que tal encontro ocorreu em março, duas ou três semanas depois da sua eleição. É pouco provável que Francisco, com menos de um mês de papado, pudesse ter tanta “iniciativa” para avançar um processo de canonização parado desde 2000 e que suscita tanta controvérsia.
    Sem dúvida o próximo é Dom Romero, esse sim um passo pessoal e significativo para o papa portenho. A escusa do segundo milagre poderá ser aplicada ao bispo de salvadorenho, inclusive fala-se até em eximir o bispo de um milagre, tornando-o mártir.
    Será que viveremos para ver ainda Santa Mártir Dorothy Stang? Com esse tipo de precedente tudo é possível.

    Um padre aqui da cidade diz que santo novo gosta de fazer milagre pra mostrar serviço, então peçamos aos neo-canonizados pelo Papa Francisco, para que ele conduza com prudência e sabedoria seu pontificado, sempre para a maior glória de Deus!

  39. Na realidade, e vocês podem me corrigir se eu estiver errado, a questão da infalibilidade das canonizações não possui ainda um juízo definitivo do Magistério da Igreja, sendo que existem, neste caso, posições teológicas. Eu penso que não é um ato infalível, os atos infalíveis da Igreja se referem somente à fé e a moral reveladas por Deus. O juízo subjetivo de santidade não é uma revelação divina, que se encerrou com o último apóstolo morto, mas um juízo eclesiástico, pautado em testemunhos humanos. Claro que o juízo de um processo de canonização é seríssimo e digno de fé, fé eclesiástica, não divina, mas, recentemente, sabe-se que este mesmo processo foi tornado menos burocrático, parece que nem existe mais a figura do “advogado do diabo”. Para mim, canonizações são atos do Magistérios dignos de fé, que exige do fiel apenas fé eclesiástica, até que exista uma razão mais grave para resistir em consciência.

  40. E os 42 mártires da Revolução Espanhola, esses sim grandes santos, ficaram de lado, com os 5 últimos segundos da notícia…

  41. Fiz uma pergunta às 15h08,
    fui “negativado” por algumas pessoas
    (provavelmente ‘bravos’ defensores
    do pós-concílio), mas nada de resposta!

    Senhores,
    eu não estava brincando…
    Vamos lá, onde estão seus argumentos?

    Judeus cegos de Jerusalém, obedientes a Caifás,
    também cantaram louvores ao Deicídio, lembram-se?
    Pelo que quero dizer:
    ‘obediência’ cega tem limites…
    E por obediência cega chamo o cantar louvores e aplaudir
    tudo que vem dos homens da Igreja. Ora, pq vem
    de homens da Igreja não quer dizer, necessarimente,
    que vem da Santa Madre Igreja!

    “Antes errar com o Papa que acertar sem ele” foi um
    mero exageiro piedoso de uma Santa, que com certeza,
    não concordaria com essa bagunça pós-conciliar…

    Canonizar dois Papas pós-conciliares e
    Beatificar o outro são duros golpes desferidos
    contra o inevitável processo de Restauração da Igreja.
    Não estou dizendo que eles não estão no Céu!
    Mas canonizá-los é colocar suas ações (muitas delas
    escandolosas – sim!) como modelo a ser seguido
    e louvado pelos católicos!

  42. Estou vivendo um autismo espiritual desde a renúncia de Bento XVI. Agora já não me agasto. Estou começando a ver estas barbaridades com uma indiferença que beira à resignação. Se abolirem a Missa de Sempre, se canonizarem Satanás, se permitirem o casamento gay, o aborto, se negarem os dogmas, nada, acho que mais nada repercutirá em mim.
    E não temos sequer seis meses deste pontificado que afinal de contas é uma continuidade com os anteriores. Afinal de contas a base liberal é a mesma…
    Realmente, temo em perder a fé como um perigo real, o que me põe de pé é que isso havia sido previsto pelo próprio Cristo (achará ainda fé sobre a Terra?), e o Imaculado Coração triunfará.

  43. Penso que agora é hora somente de pedir perdão a Deus e fazer reparação. Tirar os olhos dos absurdos, e fixá-los apenas na alma, e rezar, e reparar, e fazer grandes austeridades.

  44. Simples: ao querer canonizar João XXIII, o papa Francisco quer na verdade, canonizar o Vaticano II, ou seja, tornar o CVII “infalível”.

  45. Papa Bergoglio pode canonizar quem ele quiser. Eu é que não vou gastar minhas velas com nenhum deles!

  46. São João Paulo II e São João XXIII, Rogai Por nós! O que a Igreja liga na terra é ligado no céu

  47. E ainda tem gente que se admira? Como a Ssma. Virgem disse em La Salete: Roma perderá a Fé e torna-se-á a sede do anticristo!!!
    O que mais esperavam?

  48. A infalibilidade do Papa em canonizações não está no processo, mas no ato. Quem o dizem são os teólogos. Os rad-trads que negam a infalibilidade dessas canonizações (que é a simples aplicação dos princípios que levam à posição rad-trad), caminham de passo em passo para o cisma declarado.

  49. Cisma pra lá, cisma pra cá! Isso cansa!

  50. Não gostei…

  51. Fico assombrado com a atitude de vocês. Lamentando a canonização de dois Papas. Todos erram incluindo os santos. Nem João Paulo II, nem João XXIII acertaram em tudo, mas não duvido da santidade de nenhum deles.

    Todavia compartilho do fato de achar imprudente a decisão do Papa Francisco de dispensar o Papa Roncalli do segundo milagre. Francisco deseja encerrar o Ano da Fé canonizando o Papa do Concílio. Compreendo a intenção mas ela é precipitada.

  52. Canoniza um Papa que silenciou Fátima.

    A seguir vai prostrar-se diante de uma imagem da Virgem e assumir-se muito mariano.

    Chama-se coerência moderna…

  53. Canonização de João Paulo II, critério de julgamento: aclamação popular e “dois milagres”! Canonização de João XXIII, critério de julgamento: a “bondade” do Papa Roncalli. Uau! Quanto rigor! Por favor alguém me beslique que estou tendo um pesadelo!

  54. Ambos, junto com Paulo VI, fizeram um milagre: quase destruíram a Igreja e suas tradições. “Haverá um tempo em que até os escolhidos serão enganados…”

    Papas queridos e amados pelos judeus, maçons, comunistas, liberais, etc: aplausos do mundo, vaias a Cristo.

    Gostaria de aplaudir de pé a canonização de dois mártires: D. Marcel Lefebvre e D. Antônio de Castro Mayer.
    Assino em baixo: Ana Maria Nunes.

  55. Bruno Santana,

    Faço meus os seus sentimentos!

    “Estou vivendo um autismo espiritual desde a renúncia de Bento XVI. Temo perder a Fé”.

    Como te percebo, como te percebo e partilho dos teus medos!

  56. Para horror dos excelentíssimos integrantes do Magistério Leigo da Igreja, eleitos por sabe-se lá quem.

  57. Hoje, devido ao estado atual das coisas, só existe um tipo de catolicismo viável: o catolicismo crítico.

  58. Bruno Santana: Entendo seus sentimentos e também os partilho mas quando voce fala de “temer perder a fé” eu fico pensando: Esse temor já é penhor de fé. É desejo profundo de não perdê-la. É saber que não há mais meios humanos (seus ou dos outros) para mantê-la. Essa fé já depende unicamente de Deus.
    Vê porque esse temor é garantia de não poder perder a fé? o que só depende de Deus está garantido, meu amigo.

  59. “Magisterio Leigo da Igreja”? Essa ironia e’ extremamente infeliz. Ninguem aqui esta’ inventando nada e nem e’ fonte de ensinamento algum. E nao existe nenhum “Magisterio Leigo”. O que existem sao clerigos e leigos apegados ao Magisterio de Sempre da Santa Igreja. Eles o estudam com amor e o divulgam a quem podem. Magisterio de Concilios Infaliveis ao longo de 2000 anos (que repetem sempre as mesmas verdades sem modifica-las; e fulminam os erros sem hesitar), e Magisterio de Papas anteriores ao Vaticano II (como o Syllabus de Pio IX e a Pascendi de Sao Pio X, alem da Mortalium Animos de Pio XI), que apontam como erros graves coisas que sao feitas e ensinadas hoje, na maior naturalidade, por padres, Bispos e ate’ pelo Papa. Um desses erros e’ o famigerado ecumenismo. Isso para a ruina da fe’ de muitos. Quem nao ve a autodemolicao da Igreja em acao a todo vapor?
    Que esse movimento de auto-demolicao tenha comecado por iniciativa de dois Papas, um dos quais vai ser proclamado santo (Joao XXIII) e o outro, beato (Paulo VI) e’ evidente. E e’ muitissimo estranho que eles se venham a tornar santo e beato, respectivamente, por terem comecado esse pernicioso processo, visto positivamente pelos seus defensores como “abertura” e como “conciliacao” para com o mundo moderno.
    Em aberta contradicao com o Syllabus.
    Nao importa o que digam os “conservadores” de plantao.
    Mas… do que nos admiramos? Afinal, a Bem Aventurada Virgem Maria, em La Sallette (numa revelacao privada aprovada pela Santa Igreja), predisse que Roma perderia a Fe’; e em Fatima ela declarou que a grande apostasia comecaria no topo da Igreja. Essa frase foi dita – salvo engano – pelo Cardeal Ciappi, que leu o Terceiro Segredo e a tornou publica. Ninguem esta’ inventando nada.
    Agora, insinuar que tudo isso e’ invencao de leigo, ou usar de ironia, dizendo que e’ um “Magisterio Leigo”…
    Haja paciencia…