Universidade oferece curso para difundir comunismo.

Folha de São Paulo, 9 de julho de 2013 – Um plano para propagar o comunismo está em curso na região de Ouro Preto, berço da Inconfidência Mineira –movimento que há 224 anos se rebelou contra a opressão de Portugal à colônia.

Ali a doutrina avança sem guerras nem luta de classes, mas por um programa de extensão da Universidade Federal de Ouro Preto, que propaga ideias comunistas a estudantes e moradores do interior mineiro desde 2012.

O programa do chamado Centro de Difusão do Comunismo da Ufop tem cunho abertamente ideológico, porém, deixa de lado a apologia da revolução contra o Estado.

O perfil dos alunos tampouco lembra o de revolucionários engajados. A maioria é composta por moças de classe média baixa e estudantes de serviço social de olho no mercado: esperam que a teoria marxista tenha valia na profissão que escolheram.

No último dia 29, em Mariana (MG), o centro oferecia o curso “Relações Sociais na Ordem do Capital”. Ligado à escola de serviço social, o professor Alexandre Arbia criticava a “avalanche neoliberal” e as centrais sindicais.

Estudante de segurança do trabalho, Ana Flávia Carvalho, 17, dizia estar lá para “interagir melhor com as pessoas”. Acabou deixando a sala antes do fim da aula.

Já a servidora pública Lucília Oliveira, 50, queria subsídios para lecionar filosofia após a aposentadoria.

Dos 20 alunos, apenas três eram homens. Todas as atividades do centro são gratuitas. O programa consome R$ 60 mil por ano em bolsas mensais de R$ 250, segundo o pró-reitor de Extensão da universidade, Rogério Santos.

Coordenador do Centro de Difusão do Comunismo, André Mayer, filiado ao PCB, diz que a iniciativa permite aos participantes “colocar a sociedade em xeque”.

“É uma proposta muito clara de buscar as contradições dessa sociedade e transformá-la”, afirma.

Tags:

3 Comentários to “Universidade oferece curso para difundir comunismo.”

  1. Na verdade, o Serviço Social está dominado pelo marxismo desde 1979, quando uma vertente chamada “Intenção de ruptura” se instalou no Seso, significando a ruptura com o conservadorismo (as bases teóricas clássicas do Serviço Social, sendo uma delas a filosofia Tomista. A crítica é toda baseada no marxismo, e os alunos são formados tendo por base a doutrina de Marx). Daí em diante, os grandes teóricos do Serviço Social, que vendem livros a rodo, são marxistas; alguns, militantes do PCB, PSOL, PSTU etc.

    Digo isso porque sou assistente social formada pela UFRJ e isso (para nós, é claro) não é uma novidade, é só um desdobramento da ação de comunistas no interior da profissão.

    Felizmente, apesar de também ter me tornado uma maxista-leninista, busquei a Verdade e A encontrei. Sou católica e anticomunista, graças a Deus.

    Na verdade, desde a década de 1970 a esquerda se “apoderou” das Universidades, revistas, editoras, jornais, etc. sem haver nenhuma oposição dos militares, pois eles se preocupavam somente com a guerrilha.

    Para maiores informações sobre este processo, sugiro buscarem os videos do Olavo de Carvalho. Ele analisa muito bem essa questão.

    A intenção era somente esclarecer que, infelizmente, isso é fruto de 40 anos de militância da esquerda no Brasil. Eles escolheram agir pela via gramsciana e agora colhem os frutos de seu trabalho.

  2. Nunca vou entender porque as democracias ocidentais permitem a existência oficial de Partidos Comunistas, e que participem das eleições. Estes partidos são, em última análise, ANTIDEMOCRÁTICOS. Se vencerem as eleições, e alcançarem o predomínio político, poderão implantar normas que subverterão os princípios de liberdade que permitiram que fossem eleitos…

  3. A opressão portuguesa era de 20% de tributação sobre o ouro. A tributação brasileira chega a 30 % do valor dos alimentos. Saudades da coroa portuguesa…

    Sem financiamento, o marxismo nunca iria a lugar nenhum. financiar golpistas anti- patrióticos e niilistas com o dinheiro público é demais.