Diácono Católico: Epidemia de bebês jogados em latas de lixo revive o costume pagão do “abandono”.

Por Life Site News | Tradução: T. M. Freixinho – Fratres in Unum.com – Segundo um famoso diácono católico, a onda de bebês lançados em vasos sanitários, abandonados em lixões ou jogados em latas de lixo sinaliza o retorno de uma antiga prática pagã completamente compatível com a nossa cultura do aborto.

“Essa situação equivale ao ressurgimento moderno da antiga prática pagã chamada abandono”, escreveu o Diácono Keith Fournier em um artigo recente. “Bebês indesejados eram deixados em rochas para serem comidos por pássaros predadores ou levados por comerciantes de escravos.”

Essa brutal indiferença cultural chegou ao fim com o surgimento de uma nova fé. Foram os cristãos que salvaram [esses bebês] e transformaram essas culturas, de culturas da morte em culturas da vida,” escreveu Fournier.

Agora, o paganismo ressurge, e junto com ele a sua ética anti-vida.

O artigo do Diácono Fournier foi inspirado na história de um bebê prematuro, com tecidos enfiados em seu nariz, que fora encontrado em uma caçamba de lixo fora de um prédio residencial de New Jersey na tarde de sábado.

Esse bebê do sexo masculino foi encontrado a tempo e atualmente passa bem em um hospital da cidade de Jersey. Muitas vítimas de abandono nos dias de hoje não têm essa sorte.

No sábado, um gari encontrou o corpo de um bebê que fora jogado fora em uma caçamba de lixo em Phuket, Tailândia.

No mês passado, bebês mortos foram descartados da Grécia para os Emirados Árabes, e domesticamente de Louisville, Kentucky, para uma cidade da Pensilvânia chamada Bethlehem.

“Esses exemplos contemporâneos substituem a rocha pela lata ou caçamba de lixo”, escreveu Fournier.

Só neste verão [norte-americano], o fenômeno tem sido visto da Califórnia à Virgínia, na Inglaterra e Espanha.

O renascimento da cultura da morte é visto mais claramente não no abandono, mas no aborto, ele disse.

“É hora de sermos brutalmente honestos. Todo aborto intencional mata uma criança, seja por injeção de veneno, queimaduras por substância salina e esmigalhamento de seu cérebro ou dilaceramento de seus membros – e não ouvimos falar disso”, escreveu o Diácono Keith Fournier. “Fechamos os nossos olhos para a verdade do que está se passando em nossa nação.”

“Bebês são tratados como lixo” nas clínicas de aborto do país inteiro, ele disse.

Trabalhadores do aborto foram flagrados em vídeo secreto dizendo às mulheres que se elas derem à luz a um bebê antes de seu aborto agendado, elas deveriam “jogá-los no vaso sanitário e dar a descarga.”

O diácono Fournier espera que uma crueldade ultrajante como essa choque a consciência nacional e motive uma ação por parte dos americanos.

“Histórias como aquela ocorrida fora da Cidade de Jersey nos convidam a examinar o que estamos recebendo em consequência disso”, ele escreveu. “Estamos matando as nossas crianças com base em critérios exclusivos de conveniência e se elas são desejadas. Esse é o efeito verdadeiro do aborto legal à disposição.”

“Precisamos assumir a tarefa de resgatar” todos os bebês “neste momento”, ele escreve. “Eles não estão apenas perdendo suas vidas, nós é que estamos perdendo a nossa alma nacional.”

Tags:

4 Comentários to “Diácono Católico: Epidemia de bebês jogados em latas de lixo revive o costume pagão do “abandono”.”

  1. O infanticídio era uma prática comum aprovada e incentivada na antiga Grécia e Roma, e também na Índia, China e Japão. Era praticado abertamente, justificado por leis, e defendido por filósofos como Cícero, Platão e Aristóteles que recomendaram como política legítima de Estado, além de Tácito e Seneca. Os pagãos praticavam o infanticídio quase universalmente e isso nada tinha a ver com o preservar alguns recursos, pois era praticado por ricos e pobres.

    Foi quando entrou em cena o Cristianismo. Para os cristãos, as crianças tinham valor eram seres humanos. Os cristãos viam o infanticídio como assassinato de um ser humano, e não como uma ferramenta conveniente para livrar a sociedade do excesso de fêmeas ou de crianças debilitadas. O bebê, fosse masculino, feminino, perfeito ou imperfeito, era uma criação à imagem de Deus e, portanto, tinha valor.

    Foi o cristianismo que alterou fundamentalmente as sociedades, que eliminou a promoção e o incentivo de infanticídio.

    Hoje as crianças são jogadas no lixo, no vazo sanitário, deixadas para os cães, justamente porque as pessoas estão se distanciando de Cristo. Retornando ao paganismo.

  2. O direito do mais forte sobre o mais fraco e indefeso , impera não só no Brasil, mas também no mundo.

    Fechem os tribunais.

  3. O aborto é o crime mais horrendo que há sobre a Terra! Pois é absoluta confissão de falta de humanidade. Onde, se pune com a perda da vida, portanto é contraditório ser contra a pena de morte e a favor do aborto. Todas as Constituições, Leis e Tradições, são defensores da Vida; embora haja algumas peculiaridades sobre punição de crimes(pena de morte), outras como seleção(onde uma criança deficiente é sacrificada ao nascer), temos que em tudo e sempre fazer valer a Lei Natural que é pela Vida. Para os Cristãos é inconcebível justificar o infanticídio, uma vez que atentar contra o próprio Deus:”E ele responderá: – Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que deixastes de fazer isso a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer. (São Mateus 25, 45). Peçamos a Deus que tenha misericórdia dos que atentam contra as crianças, desde sua concepção até sua idade adulta, pois esse tipo de pecado brada ao Céu vingança.