Corredores romanos sussurram…

… aos ouvidos do sempre bem informado Francisco José Fernández de la Cigoña. Na apresentação ocorrida há poucos dias, no Angelicum, das atas do III Congresso Summorum Pontificum, enquanto o abalizado vaticanista Sandro Magister discursava, apresentando praticamente os mesmos argumentos de suas últimas colunas, ocorreu algo que chamou a atenção dos presentes. Conta a fonte de Francisco de la Cigoña: “Segundo Magister, este Papa está sendo muito suave com todos, menos com os tradicionalistas, e tem dado uma interpretação restritiva ao uso da liturgia antiga, ao considerá-la novamente como algo para grupos que “têm essa sensibilidade”, e que contém o perigo da ideologização. Em suma, disse Magister, a liturgia já não é obra de Deus, mas serviço ao povo e releitura à luz de nossos tempos. O mútuo enriquecimento que augurava Bento XVI não parece que ocorrerá, por ora, com Francisco. E agora vem o mais chamativo do ato: o Cardeal Burke e Mons. Pozzo saíram na metade da intervenção de Magister, não sei se porque tinham que ir ou se por prudência, dada a crítica, serena mas dura, de Magister a Francisco. A saída de um cardeal de um evento é chamativa. E cabem todas as interpretações.”

Também segundo Francisco de la Cigoña, Monsenhor Guido Marini poderia ser nomeado bispo da pequena diocese italiana de Ventimiglia-San Remo. Seria o típico promoveatur ut amoveatur.

9 Comentários to “Corredores romanos sussurram…”

  1. esperemos que o que se augura não se venha a verificar!!

  2. Como católicos acreditamos que o Espírito Santo assiste à Igreja, conforme promessa de Nosso Senhor Jesus Cristo. Das duas uma, ou o Papa Francisco I se converterá ou seu Pontificado será brevíssimo. Para abril do ano que vem está prevista a Canonização de João XXIII, sem comprovação e de João Paulo II que, beijou o Corão, fez Assis, jogou incenso para árvores sagradas, e tantas bobagens mais.
    Tenho a impressão que o Espirito Santo vai agir antes em defesa da Igreja.

    • Sebastian Baldi, penso que não nos cabe julgar a ninguém.
      A primeira carta de S. João afirma que se dissermos que não temos pecado, somos mentirosos, consequentemente somos todos pecadores. Temos nossos erros e também nossos acertos. Assim também ocorreu com todos os santos.
      Falar que houve um Papa que nunca errou é mentira.
      Somos todos humanos e passíveis de erro.
      João Paulo II também errou e acertou, mas creio que a balança pendeu para seus acertos.
      Acredito que ele tinha Jesus por único Senhor e Salvador de sua vida, portanto, ele está salvo.
      Não vamos denegrir o pontificado de JP II devido aos dois encontros de Assis.
      Somente a Deus cabe julgar, pois Ele é o único juiz justo.

  3. Toda vez que ouço frases do tipo “releitura à luz de nossos tempo”, sinto um frio na espinha, e o estômago começa a embrulhar.

  4. Tempestade avizinhando-se! Recolham as velas!

  5. Não é fácil ficar esperando um papa de bom nível, que tenha uma biografia na Tradição Católica, que organize a Igreja. Não nos (eu) desesperemos.

  6. Eu sei que é desgosto e, em certa medida, duro reconhecer, mas o pontificado de Francisco só reatou laços de condescendência no mundo não-católico. Na Igreja, o que mais se ouve e vê são sinais de fissura, o aflorar visível dos ressentimentos, a desconfiança… Claro, a maioria dos fieis não se dão conta disso, porque estão entorpecidos pelo catolicismo aguado, que os permitem sair da folhinha que a CNBB distribui para as missas. Mas a Igreja militante, a que põe a cara na rua e se diz católica, está ferida e sem sutura. É triste, mas é a pura verdade.

  7. Se nossa Fé, a verdadeira Fé, é ideologia, o comunismo se confessa como religião, porque o que será ele, afinal? Sabemos que o demônio nada mais faz do que imitar Deus. Temos apenas substituições e, se o Reinado de Cristo nos trouxe uma ideologia, do outro lado, está o demônio com a dele. Pedro não pode conciliar as nações, mas no lugar de Pedro temos…? Responda você ou a Síria. Igreja e Estado não podem trabalhar juntos, mas o laicismo como religião tem substituído a Fé na escola por um conjunto de crenças que usando o naturalismo vão contra a natureza e, assim, da Igreja chegaram à família e à vida e até à chance de vingar a vida já iniciada. E somos nós que temos meramente uma ideologia. “Acusam do que fazem”, mas chumbo trocado, eles mesmos se desmascaram, porque Deus não tem a quem imitar, só Ele É. Deus gosta assim, de fazer o Faraó cair na própria sepultura que cavou.

  8. Estes que saíram desta intervenção estão de parabéns, eu também faria o mesmo.