“Haverá uma Congregação para os Leigos”, afirma Maradiaga.

IHU – O cardeal Óscar Rodríguez Maradiaga, arcebispo de Tegucigalpa (Honduras) e coordenador do grupo dos oito cardeais conselheiros do Papa, volta a falar sobre a reforma da cúria. Isso aconteceu em Logroño (Espanha), onde fez uma conferência.

A reportagem é de Andrea Tornielli e publicada no sítio Vatican Insider, 28-10-2013. A tradução é de André Langer.

O cardeal explicou que “os ministérios dentro do Vaticano deverão sofrer readequações”. Há “apenas um conselho de leigos, mas há uma congregação para bispos, outra para sacerdotes e outra para religiosos, e não há uma congregação para os leigos, quando são os mais numerosos”.

Não é nenhum mistério que uma das vias da reforma da cúria passa justamente por uma revalorização dos leigos, pela criação de uma Congregação dedicada a eles, para a qual poderiam confluir vários pontifícios conselhos (desde o da família até o dos agentes da pastoral da saúde).

O Papa Francisco considera o clericalismo como uma das doenças da Igreja. Por este motivo, seria absurdo imaginar que a insistência no valor dos leigos e das mulheres nas comunidades cristãs e também nas estruturas da Igreja se realize mediante uma “clericalização” (como dava a entender o caso sobre as “mulheres cardeais”).

Bergoglio confirmou em seus postos até que se cumpra o mandato dos cinco anos tanto o presidente como o secretário do Pontifício Conselho para os Leigos (o cardeal Stanislaw Rylko e o bispo Jozef Clemens), mas o final do seu mandato deverá se dar de qualquer maneira em 2014.

22 Comentários to ““Haverá uma Congregação para os Leigos”, afirma Maradiaga.”

  1. Agora eu me pergunto: os leigos precisam da burocracia Vaticana? Como que o laicato poderá ser submetido à autoridade da Cúria? Haveria uma “hierarquização democrática” eleita pelos batizados como “representantes do povo” na Cúria?

    Preocupado estou caros amigos… Realmente preocupado estou…

  2. O Papa tem obrigação moral de vir a público explicar o que ele entende por “clericalismo” e no que em seu entender “é um insulto”. Estou farto dessas indiretas que são mais que diretas!

  3. “Haverá um folguista para o Papa” – comunica o Cardeal Janjão. “Toda vez que o Papa se retirar para as férias na Argentina, terá um substituto usando suas vestimentas de papa, governando no seu lugar” e continua o Cardeal, enfatizando a correta interpretação do concílio -” poderá ser qualquer um, leigo ou leiga de qualquer religião, conforme ensinou o Concílio Vaticano II”. (fonte Modernistnews)

    Nota: esta é um obra de ficção, por enquanto. Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência.

  4. Muito boa noite!
    Lamento, meus amigos, mas o papa tem todo o direito, como soberano do Vaticano a fazer as alterações que ele julgar necessárias.
    E, como este caso não implica matéria de fé ou moral, trata-se de uma decisão suprema, sem direito a que qualquer um de nós desobedeça.
    Ele manda, os súditos obedecem, quer queiram, quer não!
    Ah, mas o papa está fazendo tudo errado… Bom, isso é entre ele e o Superior dele.

    • Maçom detectado! Malware!

      Só obedeceremos aos nossos superiores se eles não abusarem de seus mandatos estabelecendo regras incompatíveis com as estabelecidas por seus mandantes (a Santíssima Trindade). Fora disso, desobedeceremos.

  5. Apenas complementando: quando eu disse “como este caso não implica matéria de fé ou moral…” eu quis dizer “como neste caso ele não está mudando a fé e a moral…”
    Resumindo: são atos de governo, que Francisco detém soberanamente.
    A nós cabe olharmos, gostarmos ou não e… obedecermos.

  6. Congregação para os leigos? Beleza, que selecionem os colabores entre os amigos do Fratres!

    Falando sério, penso que a participação dos leigos pode ser um componente positivo dentro da Igreja. Vejo por aqui mesmo, alguns dos colegas que deixam suas contribuições na caixa de comentários do Fratres são profundos conhecedores da Igreja. E nos últimos tempos, muitas vezes a voz da razão tem saído da garganta dos leigos, e não do clero. O professor De Mattei, então, é mais sábio do que maioria dos cardeais da Igreja, certamente.

    O “clericalismo” dos leigos nada mais é do que uma reação à “desclerização” do clero, problema este simplesmente ignorado não só por Francisco, mas pela alta hierarquia da Igreja como um todo. Apenas os tradicionalistas têm dado o peso exato ao problema de um clero “desclerizado”, que se nega aos sinais externos do sacerdócio, bem como à própria missão delineada pelos votos realizados na ordenação. E, novamente repito, quem tem chamado a atenção para este problema são, em sua maioria, os leigos.

  7. Bem, o que vejo é que agora a Cúria vai assumir sua cota na doutrinação anticatólica ao velho-novo estilo do Vaticano II. De uma vez por todas. Tudo para que os divorciados, parceiros gays, apóstatas tenham sua vez de opinar e, quem sabe, propor mudanças na Igreja.

    Pelo argumento do Maradiaga (seu Madruga da Igreja), como os leigos perfazem a maioria, merecem direitos iguais numa futura democracia vaticana. Poderão até eleger o Primeiro-Ministro no lugar do Secretário de Estado do Vaticano.

    Os Direitos Humanos serão elevados, em nome da “caridade”, a um patamar mais importante que o Magistério. O Código de Direito Canônico e o Catecismo serão conjuntos de leis que servirão apenas para serem burladas e quebradas, matéria de barganha e de chantagem contra opositores.

  8. Do jeito que as coisas vão, não tardará e os bispos serão escolhidos por eleição direta. Quem há de duvidar?

  9. Isso faz parte da grande reforma prometida? Quando já existe um Conselho Pontifício para Leigos? Uma “promoção”, para ficar ao nível do clero e dos religiosos, que têm Congregações? Que bondade! “Teologia do Laicato”, cursos “para leigos”, isso nada mais é do que uma expressão de clericalismo, porque divide a Igreja em duas castas, os clérigos, superiores, e os leigos, ignorantes, inferiores. É uma coisa “deles” (cúria, clero) em benefício de nós, “leigos” (estou falando do ponto de vista de um). Os leigos é que deveriam criar uma Congregação para tratar do Clero! Essa grande inovação proposta pelo Cardeal Maradiaga é apenas uma maquiagem. O buraco é muito mais embaixo, enquanto não repensarem a própria concepção, o modelo de Igreja, nada vai sair do lugar.

  10. Acho que o O cardeal Óscar Rodríguez Maradiaga veio aspergir a mídia com o néctar da víbora. O Papa Francisco não diz nada e parece dizer tudo. Seu silêncio mete medo para os que amam a tradição. A culpa cai em cima dele porque mantem no silêncio a sua posição sabendo que, embora seja uma pessoa muito inteligente hà-os muito mais do que ele. Infelizmente ainda não demonstrou ser um intelectual, definitivamente pouco religioso.
    Se estou errado, por favor, ajudem-me.

  11. O Papa quando era cardeal disse:

    Nós, os padres tendemos a clericalizar os leigos. Não nos damos conta, mas é como contagiá-los com o nosso estilo. E os leigos, não todos, mas muitos, nos pedem de joelhos para clericalizá-los, porque é mais cômodo ser coroinha do que ser protagonista de um caminho leigo. Não podemos cair nessa armadilha, é uma cumplicidade pecadora. Nem clericalizar, nem pedir para ser clericalizado. O leigo é leigo e tem que viver como leigo com a força do batismo, que o habita para ser fermento do amor de Deus na própria sociedade, para criar e semear esperança, para proclamar a fé, não de cima de um púlpito, mas a partir da vida cotidiana. E carregando sua cruz de cada dia, como todo mundo.
    E a cruz do leigo, não a do padre. A do padre, o padre que carregue, que Deus deu ombro suficiente para o padre carregá-la.

    Fonte: A Guerra dos Cristeros, página19.

  12. Os leigos têm obrigação de vir a público vestidos de saco e com cinzas na cabeça, jejuar e rezar pelo seu Papa: se é que temos um Papa, se é que somos uma Igreja, se é que Deus existe, se é que somos Católicos ou somente fiéis virtuais … Ou será só imaginação! Será que é tudo isso em vão?!

  13. Não vejo razão alguma para a existência de uma “Congregação para os Leigos”.

  14. Desde pequeno, aprendi com meu pároco, que Nosso Senhor ao fundar SUA Igreja, criou duas classes dentro dela; a parte docente e a parte discente; a parte que ensina e a parte que é ensinada. Com o passar dos tempos houve uma burocratização dos membros da Igreja. Talvez por questões operacionais, tenha tido essa necessidade, mas a essência da igreja de Cristo, não pode ser rotulada, fichada, classificada como uma organização profana. Existe uma hierarquia? Sim, existe, mas não é uma corporação secular, mundana ou empresarial. Há o clero, parte docente; e os leigos, parte discente. Os que ensinam, e os que são ensinados. E todos estão abaixo da Fé. da Revelação, do Magistério e da Tradição. Nada mais é necessário para a perfeita sujeição a vontade de Deus. O Espirito Santo, inspirou modelos de vida em comunidades para fazer com que os leigos e clérigos pudessem se consagrar de maneira mais perfeita a Deus; temos as Ordens religiosas,Congregações, Associações e tantas outras. Tanto para clérigos, quanto leigos. Não há rixa, competição, mas sim todas concorrem para servir a Deus. Para nós leigos há, talvez hoje bem e “humanizada” as congregações e associações religiosas, cujo ideal é aperfeiçoar a prática cristão no mundo. Um Congregado Mariano, uma Filha de Maria, têm por devoção a Maria Santíssima, seu escudo, sua espada contra as tentações do mundo, do Demônio e da carne. Infelizmente quando vemos a podridão da nossa mocidade, juventude, já sabemos de onde vem. Falta dessas congregações. A Cruzada Eucarística, o Apostolado da Oração para as crianças, que tinha por ideal a devoção a Cristo Rei, a Santíssima Eucaristia. Desde pequeno plantava nas crianças amor a Deus, a N.Senhora a Comunhão frequente, etc. Tantas outras associações.Congregações, que um Santo Padre falou certa vez que essas associações religiosas eram os braços da igreja na sociedade. Afinal, o membro dessa congregações procurava sempre levar sua vida no trabalho, na escola, em casa, na rua; na presença de Deus. Hoje, quando vemos as misérias que afundam nossa sociedade, inclusive os membros da Igreja, vemos que não sabemos a quem recorrer, e continuamos a inventar paliativos, enquanto o remédio está na nossa frente.

  15. Na minha opinião o santo padre é ligado a TL… sim, impossível não ver isso, só observarmos o que ele diz aos ateus. porém, nós não podemos fazer nada há não ser rezar. NOSSO SENHOR JESUS CRISTO DEIXOU QUE ELE FOSSE ELEITO, então temos que ser fieis a doutrina, a fé, e lembrar-nos que no fim o coração da mãe triunfará. CREIO que em breve reformas bruscas ocorrerão na IGREJA, inclusive na área litúrgica, porém, temos que orar e vigiar, porque querendo ou não BERGOGLIO foi eleito pelo conclave válido e DEUS agiu ali, porém, o que DEUS quer mostrar é que não tá claro ainda..temos que aguardar. e rezar. CREIO QUE É BOM TAMBÉM NOS LIGARMOS AS MENSAGENS DE NOSSA SENHORA, gostaria de aconselhar as do movimento sacerdotal mariano, que falam muitas coisas destes momentos que a fé e a moral seriam atacadas.

    Salve Maria

  16. Clericalismo? O número de homens que optam pelo estado clerical diminui a cada dia. E encontrar um sacerdote que se porta de modo clerical é ainda mais raro. Eu prefiro os sacerdotes e bispos clericais; que em todos os seus pensamentos, sentimentos, ações e gestos são condignos com seu sagrado ministério.

  17. Se houverem representantes da América Latina, estes chegarão de camisa vermelha e com TL na ponta da língua…

  18. A “presidenta” dessa congregação provavelmente será a “marroquina sexy” amiga do Papa… O circo está pegando fogo…Claro, sob o conselho de maçons, budistas, islâmicos, babalorixás, judeus, protestantes, etc.

  19. Para quem afirmou que o Papa Francisco iria reduzir drasticamente o número de escritórios vaticanos, que se admire de ver a burocracia crescer. A não ser que Francisco feche a Comissão Ecclesia Dei, aí não precisará aumentar a folha de pagamento, bastando remanejar os operadores de telemarketing para com os “cismáticos lefebvristas” para nunciaturas distantes na selva ou no gelo.

  20. Evidentemente a razão que me leva a falar do Papa são as profecias. Olhamos para o mundo, para a moral da humanidade, fé, as espatifarias que padres fazem no altar, as igrejas passaram a ser em alguns locais show’s profanos, a juventude desesperada e sem futuro, a população baixando enquando o povo do islão aumenta por todo o mundo, vocações a desaparecerem. Após o CVII esperavamos igrejas cheias, leigos a evangelizar e fé mais viva, porém por onde passei tudo tende a desaparecer.
    Apocalipse de S. João, S. Francisco de Assis, Bispo Fulton Sheen e outros faz pensar. Fora da Igreja Católica não ha salvação, mas de acordo com Sua Santidade hà.
    Respondendo ao caso de obedecer ao Santo Padre.
    Se o Papa apoia o casamento do mesmo sexo e o aborto, terei eu de concordar com ele? Se diz que pedras são pão, terei eu de concordar? Disse à juventude para se revolucionarem… mas contra o quê? Contra o pecado, contra os governos, contra a maçonaria ou comunismo? Papa Francisco disse que quando alguem morre por uma causa aí está um mártir, um santo.
    Rezar, sim, rezar sempre. Que Nossa Senhora de Fátima nos abençoe e proteja.

  21. Congregação dos leigos? Oba! Estou dentro!
    Seguem abaixo minhas determinações que devem ser tratadas de igual para igual com as demais congregações da Cúria:
    1- Estabelecimento obrigatório da Missa Tridentina em todo as paróquias do mundo;
    2- comunhão na boca e de joelhos obrigatória para todos que não estejam impossibilitados fisicamente;
    3- obediência a alteração do cânon da Missa por Bento XVI empregando o termo “pro multis” no lugar de por “todos”;
    4- extinção das Campanhas da Fraternidade substituídas por exercícios espirituais de Santo Inácio de Loyola conduzidas em cada paróquia;
    5- extinção da Comissão Pastoral da Terra;
    6-convocação de um concílio ecumênico para condenar formalmente o comunismo, a TL, o liberalismo e modernismo;
    7-criação de uma comissão teológica para estudar a definição do Reinado Social de Nosso Senhor Jesus Cristo como dogma de fé;
    8- retirada das excomunhões de D. Lefbvre e D. Mayer e elevação da FSSPX à condição de prelazia pessoal com poderes de intervenção sobre a Congregação para a Doutrina da Fé.
    O Papa quer dar poder aos leigos? Queremos ser ouvidos!