Morre Ignacio Larrañaga, o fundador das Oficinas de Oração e Vida.

IHU – Os capuchinhos do Chile informaram que o conhecido sacerdote franciscano Ignacio Larrañaga faleceu ontem [dia 28/10/13] no México, após uma longa vida marcada por uma experiência pastoral profunda como pregador, escritor, diretor espiritual, organizador de conferências, cursos e retiros. Um de seus maiores apostolados foi o das Oficinas de Oração e Vida.

Fonte: http://goo.gl/QKjFw4

A reportagem é publicada no sítio Religión Digital, 29-10-2013. A tradução é do Cepat.

Através do Facebook, os capuchinhos do Chile destacaram que “nesta manhã partiu para a casa do Pai nosso irmão Ignacio Larrañaga, conhecido por seus livros espirituais e a fundação das Oficinas de Oração e Vida”. O sacerdote, explicam, “encontrava-se no México, dando retiros e conferências, quando na madrugada de hoje foi encontrado sem vida”. “Quando tivermos mais detalhes de seus funerais, informaremos por este meio. Encomendamos a sua oração para nosso irmão que tanto bem fez à Igreja”, concluem.

O padre Ignacio Larrañaga, sacerdote franciscano, capuchinho de origem espanhola, nasceu em Loyola, no dia 4 de maio de 1928. Foi ordenado sacerdote em Pamplona e, por alguns anos, desenvolveu seu ministério sacerdotal em seu país de origem.

Enviado ao Chile, desde muito jovem, desenvolveu uma obra pastoral imensa, como pregador, escritor e organizador de conferências, cursos, retiros.

Em 1965, fundou o Centro de Estudos Franciscanos e Pastorais para a América Latina (CEFEPAL), desenvolvendo ao longo de uma década uma intensa atividade animadora, na linha franciscana e na renovação conciliar, em diversos países da América Latina e Espanha.

Em 1974, no Brasil, iniciou um método de evangelização chamado “Encontro de Experiência de Deus”, de seis dias de duração, que realizou durante 23 anos, contando com a participação de dezenas de milhares de pessoas, delegando depois esta tarefa evangelizadora para os casados de diferentes países, que hoje em dia prosseguem.

Desde o ano de 1984, iniciou a obra considerada a mais importante de sua vida: as Oficinas de Oração e Vida, cuja fundação e consolidação dedicou aproximadamente dez anos, escrevendo dois livros fundamentais para o seu eficaz funcionamento: o ‘Manual do Guia das Oficinas de Oração e Vida’ e ‘Estilo e Vida dos Guias’, e gravando sete cassetes com a mesma finalidade.

O padre Larrañaga também é autor de 16 livros que alcançaram numerosas edições e que foram traduzidos para 10 idiomas. Entre seus escritos destacam-se: “Mostra-me o teu rosto”, “O irmão de Assis”, “O pobre de Nazaré”, “Salmos para a vida”, “O silêncio de Maria”, “Do sofrimento à paz”, “O casamento feliz”.

Tags:

20 Comentários to “Morre Ignacio Larrañaga, o fundador das Oficinas de Oração e Vida.”

  1. Filo-feminista, idéias modernistas, simpatizante da “Nova Era”. Espero que tenha abandonado essas simpatias e possa descansar em paz.

    • Não falemos mal dos mortos, sobretudo no dia de hoje. Antes de tudo, ele era um filho da Igreja, de São Francisco, consagrado e sacerdote, que se esforçou para ajudar muita gente com seu ministério. E deixemos o julgamento Àquele a quem compete julgar todo homem, quando chegar seu momento.

    • Apenas fiz um resumo de suas orientações.

      Não o julguei, nem o condenei, inclusive desejei-lhe um bom fim.

      Não canonizemos os mortos, porém, sejam eles o que tiverem sido na terra. Se não nos compete condenar, compete-nos tampouco absolver pois sou tão juiz quanto você, Sarto.

    • Cuidado com as obras do Frei!

      Em “O Casamento Feliz”, ele sugere que uma ditadura feminista seja a solução para a felicidade doméstica, já que considera o homem um “opressor” (dialética marxista e feminismo).

      Seus “Salmos” são poemas, às vezes nada religiosos.

      Falta profundidade de espiritualidade genuinamente católica em seus livros (intimismo subjetivo estéril do modernismo e da “Nova Era”).

      Confiram por si mesmos.

      Espero que tenha mudado de idéia e que possa descansar na paz do Senhor (2).

  2. De fato, há uma coisa meio hippie em suas obras, e até me cheira à Teologia da Libertação, entretanto, já li o Irmão de Assis, e foi através deste livro que conheci a vida do Santo, cujo qual tem me ajudado muito desde então. Que descanse em paz…

  3. A ortodoxia deste frade era altamente questionável, se nos basearmos nos estudos da Associação Montfort sobre alguns de seus textos. Que as almas dos FIÉIS defuntos descansem em paz, seja lá quem forem esses fiéis que padeçam no Purgatório, que desconhecemos, mas que Deus certamente de quem se tratam.

  4. Fim do mundo esse treco de descansar em paz: fez o que fez, morre e vai descansar? Tem que penar pelo que deixou escrito e perverteu a Fé Católica.

    • Ana Maria, o Justo Juiz chamou a Judas de “amigo”. Deixemos isso para a Justiça Divina, embora o pouco que li das obras desse sacerdote tenham me deixado triste por conta das heterodoxias por ele escritas.

    • Ana Maria Nunes, eu tenho um cérebro, não sei se você sabe… eu não defendi suas bobagens escritas, mas sim o bem que elas me fizeram por tornar-me devoto de São Francisco. Com o cérebro que eu tenho, sei muito bem diferenciar heresia de herege, apóstata de apostasia, pecado de pecador. Se ele perverteu a fé, disse bobagens, a sentença é para a CABEÇA dele, e não minha, até porque eu tenho miolo mole para deixar-me levar com a onda. Pelo bem que ele me fez, por me apresentar o livro, eu digo: que descanse em paz. Agora se ele vai pro inferno, não me interessa, porque já é tarde demais.

  5. Como sempre, foi preciso que outras pessoas corroborassem uma suspeita de heterodoxia antes que alguém fosse canonizado santo pelo simples fato de ter sido padre e religioso, principalmente franciscano (se vissem como os filhos de S. Francisco hoje, em sua maioria, nada se parecem com os primeiros franciscanos do século XIII…).

    No Brasil, uma andorinha só não faz verão – ou uma voz solitária nada vale, ainda que diga a verdade, já que o que vale nesta terra é o número de bocas e o volume do berreiro.

    R.I.P. de qualquer maneira, é o que lhe desejo após seu encontro com seu Redentor.

  6. Julgar não compete a nós…Sim ao nosso Criador!

  7. Disse um tremendo engano: Eu NÃO tenho miolo mole. Sacou?

  8. Conheci o Frei Ignacio Larranaga. Grande pregador e profundissimo escritor cristao de alta espiritualidade. Arrastou e vai continuar arrastando muita gente para o caminho de Deus. Ele vai agora, na comunhao dos santos, interceder por nos.

  9. Com a mesma medida com que julgares sereis julgado. Esta é a fé católica.

  10. Alexandre, quando escrevi meu comentário, só tinha publicado aqui no post os dois primeiros comentários. Portanto, nem tinha lido seu comentário e muito menos comento comentário alheio. Caso quisesse falar algo pra vc, citaria seu nome.
    Alexandre, mas uma coisa me chamou a atenção no seu comentário dirigido a mim: vc diz que tem cérebro e no meio da fala diz que tem miolo mole. Enfim …

  11. A Doutrina dos Novíssimos É CLARA!!!! Só quem n leu ou leu e n entendeu usa esse argumento de julgar.
    E só para avisar para os que n sabem: n haverá change de discussão com Deus. Morreu, recebeu a sentença e se vire! Diz o amarelão:
    1022 Cada homem recebe, na sua alma imortal, a retribuição eterna logo depois da sua morte, num juízo particular que põe a sua vida na referência de Cristo, quer através duma purificação, quer para entrar imediatamente na felicidade do Céu, quer para se condenar imediatamente para sempre.

    Ou seja cunpanerus, repetir dogma N É julgar.

  12. Pedro Rocha, alguém tinha que fazer o trabalho sujo, no caso foi Judas. Mas entra na sua cabeça uma alma estar no céu e seus escritos na terra perverter a Fé Católica?

  13. Frei Ignácio Larranaga, realmente um homem doado as coisas espirituais, contemplativo, sério, pontual e ajudou a milhões de pessoas neste mundo de Meu Deus, com sua rica experiência do ser humano em suas fragilidades e sofrimentos. EU, Gedeilda, Guia de Oficina de Oração em João Pessoa/PB, mudei meu rumo de vida ouvindo as ricas mensagens do Frei Ignácio. Sou feliz. Fique com Deus .

  14. Se este homem tão simples; sábio e humano não tivesse fundado as oficinas de oração e vida, o destino de muitos seria uma tragédia, hoje reflito imensamente em uma de suas expressões sobre a grande viagem nas asas brancas da luz, tenho certeza que esta o levou e nos levara nos guias das oficinas de oração ate o pai celestial.