Jovens rezam o terço e interrompem cerimônia inter-religiosa na Catedral de Buenos Aires. Papa Francisco lamenta “fanatismo”.

Um grupo de jovens católicos argentinos, formado principalmente por fiéis da Fraternidade São Pio X, repetiu o ato ocorrido em 2010 na Catedral de Paris e interrompeu, no último dia 12, uma liturgia inter-religiosa entre católicos e judeus na Catedral Buenos Aires. A cerimônia recordava a Kristallnacht e ocorre há mais de uma década na capital argentina, sendo, até o ano passado, organizada sob o então Cardeal Jorge Mario Bergoglio. As informações são de Página Católica – tradução de Fratres in Unum.com

Anúncio da cerimônia de 2012.

Anúncio da cerimônia de 2012.

Quando o padre Fernando Gianetti, guru e executor há quinze anos do projeto que agora chega ao seu cume, dirigia as palavras de início da liturgia comemorativa da Kristallnacht, começou-se a ouvir suave, mas firmemente, o desfiar das contas do Santo Rosário nas vozes de cinquenta jovens situados na parte central da Catedral da Santíssima Trindade.

Dois quase garotos se dirigiram até o presbitério, onde oito líderes religiosos (dois a mais do que no ano passado), estavam de pé, à direita e à esquerda do arcebispo de Buenos Aires, D. Mario Aurelio Poli.

Após fazer uma genuflexão, um deles deles lhe entregou um papel e ambos fizeram que o mesmo chegasse aos demais.

Os gestos de agradável surpresa que ao receber o escrito tomavam as faces, foram se transformando em sorriso nervoso na medida que o sentido da visão informava ao cérebro o conteúdo da missiva. 

Nesse instante, uma pessoa subiu ao presbitério e, colocando-se próximo aos microfones, dirigiu a seguinte mensagem:

“Pedimos a todos, por favor, que tenham em consideração que este é um tempo católico e que este é um ato de profanação que deve ser evitado. Não temos problemas com as recordações históricas que se realizam em locais históricos. No templo santo de Deus, onde vive o Santíssimo, não pode haver uma profanação; e os que conhecem (aqui o microfone foi cortado) as religiões sabem que as profanações ofendem o mundo e a Deus… Diante do Nazareno e diante do Crucificado. Vão [embora] e acabem com esta profanação. Não é possível. Rezem o rosário e honrem a Deus”.

O arcebispo pediu, através do padre Gianetti, que os jovens que estavam rezando o Rosário se retirassem. O que gerou um aplauso, a partir do qual o ruído intenso se instalou dentro da catedral e que durou quase meia hora. Era o ruído das repreensões e diatribes dirigidas aos jovens que rezavam sem revidar.

Algumas pessoas encostavam nos jovens orantes, alguns para tentar convencê-los a ceder em seu empenho, outros para insultá-los com os mais duros epítetos: loucos, fundamentalistas, reacionários, nazistas.

Outro chegando à agressão física, como um devoto de quipá que hostilizou longamente pelas costas a um dos sacerdotes que acompanhavam o grupo:

Mas pareceu particularmente surpreendente o furor demonstrado pelo deputado Eduardo Amadeo, que dizem ser pertencente à Comunidade de Santo Egídio, que realizou atos que podem ser considerados intimidatórios, como tirar repetidas fotografias a poucos centímetros de cada rosto, gritar com uma criança, ao mais caro estilo dos serviços de inteligência: “De que colégio são, de que colégio são?”, ou gritar a alguns adolescentes: “Miseráveis nazistas”. Como é possível que um homem que ocupa tão elevado cargo chegue a esse extremo?

[…]

Pois é necessário advertir aqui que os convidados, tanto cristãos dissidentes como judeus, caíram sem querer no meio de uma discussão interna da Igreja. Debate tão intenso e agudo que está chegando à configuração de dois “partidos”, com doutrinas e liturgias diferentes, que são cada vez mais estranhos um ao outro. Um é o da Igreja das promessas, e outro é o da “igreja” da publicidade, como as chamou há muitos anos o padre Meinvielle, mestre do atual arcebispo de Buenos Aires.

Uma acredita, como acreditou invariavelmente desde o início, que o único caminho de salvação é o Batismo; pois o mesmo Mestre o ensinou infalivelmente: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a todos os homens. Quem crer e for batizado será salvo, quem não crer se condenará” (Mt: 16, 15).

Apesar destas palavras, contra as quais nada há a fazer, e do dogma antes referido, “fora da Igreja não há salvação”, a igreja da publicidade desenvolveu nos fatos a doutrina não escrita das múltiplas vias de salvação. Cada um se salva em sua religião e ainda, por que não, sem crer em Deus. O que é absolutamente condenado pela doutrina católica.

Os convidados do Arcebispo de Buenos Aires mereciam ser recebidos com respeito e cordialidade; mas o erro consistiu em convidá-los para a realização de uma liturgia acatólica, que de modo algum pode ser celebrada em uma Igreja, a não ser que pertença… à igreja da publicidade.

É certo que um judeu ortodoxo compreenderia muito bem que um católico não aceite uma liturgia inter-religiosa, pois ele tampouco a aceitaria. Mas a maioria dos convidados do sr. Arcebispo pertenciam ao reformismo judeu, que pensa diferente.

Seria conveniente desculpar-se junto a eles pelo mal pedaço, tentando fazer-lhes compreender que, in extremis, o respeito aos direitos de Deus está acima dos respeitos humanos.

Continuando a nossa crônica, os jovens da Catedral terminaram o Santo Rosário, apesar da pressão ao seu redor, e depois, se retiraram por iniciativa própria, e não pela força policial, como disseram alguns meios.

Ocorreu inclusive o milagre de que o Pe. Gianetti, pedindo a paz aos presentes desde o ambão da catedral, rezasse algumas Ave Marias no microfone, o que não estava previsto na Liturgia de Comemoração.

Esta liturgia, já o dissemos, é evidentemente religiosa, com o acréscimo de que nela subjaz a idéia herética de que o holocausto pode ser equiparado ao Sacrifício da Cruz, um para a salvação dos judeus e outro para a dos cristãos; por isso alguns pensadores a chamam de heresia Judaico-Cristã.

Idéia que se evidencia na análise dos textos empregados, mas que nem todos podem captar. Não nos equivocaríamos demais se pensássemos que a maioria das pessoas que estavam na Catedral não são conscientes desta realidade, que torna totalmente inaceitável essa realização litúrgica no lugar santo.

Ao retomar a cerimônia, após a oração do Rosário rebelde, o Arcebispo de Buenos Aires disse que a celebração da liturgia “é o que quer o Papa”. 

Em declarações divulgadas hoje pelo diário argentino La NacionClaudio Epelman, diretor executivo do Congresso Judeu Latino-americano, relatou as palavras do Papa Francisco em encontro do qual participou, ontem, no Vaticano, juntamente com líderes das principais religiões na América Latina. Segundo Epelman, o Papa “citou o ocorrido na Catedral como um ato de fanatismo. Disse que a agressão não pode ser um ato de fé e que a pregação da intolerância é uma forma de militância que deve ser desterrada”. O líder judeu contou que, após a apresentação de cada um, “o Papa tomou a palavra e se referiu à importância do trabalho inter-religioso e logo ao fundamentalismo religioso, e recordou o episódio da Catedral Metropolitana”. E relatou as seguintes palavras do Papa: “A única coisa com que devemos ser intolerantes é com a cultura do paganismo em termos de modernidade”, e citou o valor que se dá ao dinheiro. Esteve presente também no encontro o Cardeal brasileiro Dom Raymundo Damasceno Assis.

116 Responses to “Jovens rezam o terço e interrompem cerimônia inter-religiosa na Catedral de Buenos Aires. Papa Francisco lamenta “fanatismo”.”

  1. agora rezar o Rosário é fanatismo? eu pedi para entrar na sinagoga aqui em Portugal e pediram-me dinheiro e um católico agora não pode rezar o Rosário para o seu prórpio Papa o considerar fanático?

    • Parabéns a estes tão bravos jovens. Se mais católicos se manifestassem, as autoridades não abusariam de seus poderes.

    • Amados Pedro Leitão, não considero rezar rosário um fanatismo, porém ir contra o Chefe da Igreja e querer invadir um templo desrespeitosamente no meio de uma celebração, é sim fanatismo, não era um momento propício para a reza do rosário, esses jovens banalizaram o terço, e o pior são fanáticos pelo padre que conduzia esse movimento contra sua própria Igreja, não podemos engolir a espiritualidade tridentina já que o Sacro Sancto Concilium aprova outro rito, e isso não vai contra o rito Pio V, que também é belíssimo, porém satanizar outros ritos é fanatismo sim da parte tridentina, ou não creem que o Espírito Santo conduz a Igreja, Jesus mesmo disse: estarei convosco todos os dias até o final dos tempos.
      lamento que existam pessoas como vocês que desunem a Igreja. uma pena mesmo. ir até contra o papa, isso realmente é fanatismo.

    • Quem desune a Igreja é quem considera que rezar o terço numa Igreja Católica, ofende membros de outras religiões que negam essa mesma Igreja Católica.
      Se os judeus tinham direito de estar lá (relembro que nós Católicos não podemos assistir a um culto ou se quisermos entrar temos de pagar) os católicos tinham todo o direito de rezar o seu rosário.

  2. Quando será que convidarão ATEUS para participarem de uma cerimônia inter-religiosa?

  3. Concordo com o Papa desta vez. Desta vez, discordo do Fratres (das poucas!) mas esta foi uma atitude que devia ser evitada e foi, na verdade, lamentável.

    • André, a matéria é de um site argentino, e não uma opinião do Fratres.

    • André, os mornos serão vomitados…………..

    • querido André acabei de ler o seu comentário e o comentário infeliz dessa senhora Maria logo abaixo do seu dizendo que os mornos serão vomitados. infelizmente ela não conhece Nosso Senhor Jesus que era rico em misericórdia, que é outra palavra que ela não conhece, alias um reino dividido entre si não pode haver a presença de Deus.
      Infelizmente atitudes como a desses jovens são de um puro fanatismo que beira a loucura. estão indo contra o papa, contra a Igreja Católica, para ~mim não são católicos e sim protestantes que se dizem católicos.

    • Eles alertaram os fiéis e o próprio bispo de seu erro: celebrar uma liturgia não católica num templo católico.

  4. Meu Senhor, a Igreja está ruindo! Os Fiéis querem fazer alguma coisa e são chamados de fanáticos, pelo próprio papa? Onde iremos parar?! Misericórdia!

  5. Louvado seja Nosso Senhor Jesus, Deus e homem verdadeiro, segunda pessoa da Santíssima Trindade, Deus verdadeiro, O Verbo Encarnado, do qual devem se dobrar todos os joelhos, fundador da única religião verdadeira, fora da qual nenhum homem pode se salvar.

    Por calar, por calar, o mundo está como está.

    Se nos envergonharmos de NOSSO SENHOR Jesus Cristo Ele se envergonhará de nós diante do Pai.

  6. Maria Auxiliadora, bem-vinda ao universo da crise da Igreja. As autoridades estão assim a uns 50 anos. Já ouviu falar no livro “Carta aberta aos católicos perplexos?”.

  7. Bem, eu discordo das pessoas que falaram que foi um ato que poderia ter sido evitado e fanático. Não era exatamente isso que os profetas faziam no antigo testamento quando os hebreus se rendiam aos ídolos e ao pecado? Os jovens só recitaram o rosário, não agrediram ninguém, e se manifestaram pacificamente contra o ecumenismo religioso condenado por tantos Papas. As autoridades clericais agem como se a antiga aliança não tivesse sido revogada pela nova e tudo fosse um arco-íris.

  8. Um verdadeiro ato de heroísmo, coragem, bravura destemor e intrepidez.. Quisera a juventude brasileira viesse a seguir este grande exemplo. Um forte voto de apoio e incentivo a estes valorosos jovens argentinos. E se isso for considerado fanatismo, grande honra será sê-lo !!!

    VINDE, NOSSA SENHORA DE FÁTIMA, NÃO TARDEIS…

  9. Certo, Fratres…

    De qualquer maneira, quem quer respeito, dá-se ao respeito…

    Sinceramente, discordo completamente de alguns comentários que vêem nisto um (bom?!) exemplo.

    Nem percebo como poderá sê-lo!!!!!

    • Sr. André,

      “De qualquer maneira, quem quer respeito, dá-se ao respeito…”

      Esta ‘liturgia’ dentro da Catedral é um ato de tremendo desrespeito. Em que tempos estamos em que é preciso que se escreva isso com todas as letras pois as pessoas já não percebem… Ha, são os tempos da tolerância, nos quais os únicos que não são tolerados são os que teimam em ser católicos, e isso dentro de uma catedral.

    • É um excelente exemplo! Todos os Santos Católicos Apostólicos Romanos fariam isso! Todos eles, sem excessão, todos os anjos, arcanjos, santos, profetas, pessoas do céu fariam isso! Eu faria isso! Missa? Isso não foi uma missa mas um culto maléfico! Somente o mal introduz ecumenismo dentro da Igreja, é o que nós deveríamos fazer e afastar todo tipo de mal da igreja! Assim são os guerreiros da imaculada que lutam pelo bem e sem ter medo! Se ficamos quietos eles conseguem o querem, então não, não ao mal! E não devemos respeitar isso na nossa Igreja, porque não faz dela e sim dos modernistas! E como eu falei antes, o Papa não está nem aí para o Catolicismo, é a máscara que cai aos poucos.

    • O primeiro respeito se deve a Deus e à sua santa morada e não a politicoides de clergyman ou a judeus que acusam catòlicos de cooperar com a shoah. Aliàs, o extermìnio de judeus na Alemanha de Hitler jamais poderà ser chamado ou comparado a um holocausto, isso é propaganda mais que enganosa. Exterminio houve, mas nunca holocausto: isso é fato!

  10. “Sereis acusados e chamados aos tribunais dos homens e, então, tereis oportunidade de testemunhar vossa fé”. O que nos pede o Apocalipse? Nada mais do que o Testemunho de Cristo até o fim. “Aquele que perseverar até o fim, este será salvo”. Testemunhem a Cristo sem medo. Apenas evitem a própria iniciativa de provocação para não tentar a Deus! Mas teria Cristo provocado ao ir ao templo chicotear os vendilhões? O templo carrega consigo sua destinação e seus destinatários, entre estes o específico culto a Deus. Ora, ir contra este culto destinado ao templo é o mesmo do que ir contra sua razão de ser e de se manter. Um culto estranho e contrário, que inclusive condenou o cultuado, não pode invadir o templo e mais ainda não querer dentro dele o testemunho do cultuado. A provocação pode ser por palavras e por atos. Creio que o arcebispo provocou primeiro e teve uma reação digna de “o zelo por sua casa me devora”.

  11. Parabéns jovens pelo ato! “Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes e a palavra de Deus permanece em vós e vencestes o maligno.” (I Jo 2,14b) Coragem!

  12. Se ir encontra e opor-se aquilo que é errado é “fanatismo”… realmente o que dizer? Só nos resta rezar, rezar e rezar muito.

  13. Nossa Senhora de Fátima, S. Miguel Arcanjo, Anjos de Deus, protegei este Sacerdote e estes jovens pela sua Fé, viva. Senhor, Jesus Cristo, Rei do Universo, amparai a Vossa Igreja. Amen.

  14. Também….o Papa foi radical em seu twitter:

    “15/11/2013

    Queridos jovens, sede missionários do Evangelho, sempre, todos os dias e em todos os lugares.”

    Ordem dada, ordem acatada.

    Viva sua Santidade!

  15. E por essa e outras, de o Santo Padre “condenar” o “fanatismo” por rezarem o Terço, quero saber qual ortodoxo desejaria retornar à Comunhão Plena…

    Sim, porque eles não toleram ecumenismo com protestantes, judeus, muçulmanos (SIC!), macumbeiros, budistas, etc…

    Parabéns ao jovens que tiveram a coragem de enfrentar a turba e as “opiniões”.

  16. Nosso Senhor Jesus Cristo falou em Mateus 5,11-12: Bem-aventurados sois, quando vos insultarem e vos perseguirem, e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque é grande a vossa recompensa nos céus, pois assim perseguiram os profetas, que existiram antes de vós.

    Felizes os que rezaram o Santo Rosário e resistiram a essa profanação da casa de Deus. São chamados de fanáticos por isso, mas o que os que os chamam assim diriam de Jesus, que segundo relato de João 2,13-17: Encontrou no templo vendedores de bois, ovelhas e pombas, e os cambistas sentados (às suas mesas). E, tendo feito um como azorrague de cordas, expulsou-os a todos do templo, e com eles as ovelhas e os bois, deitou por terra o dinheiro dos cambistas e derrubou as mesas. Aos que vendiam pombas, disse: Tirai daqui isto, não façais da casa de meu Pai casa de negócio. Então lembraram-se seus discípulos do que está escrito: “O zelo da tua casa devorou-me”.

    O que faria Jesus ao ver a casa de Deus sendo feita como museu em muitos lugares, ou servindo de encontro de confraternização de pessoas de religiões falsas, e do que chamariam Nosso Senhor?

  17. Lamentável ler uma coisa dessa. O Santo Padre defendendo judeus contra católicos.

  18. Que o exemplo desses jovens valorosos se multiplique! “A juventude não foi feita para o prazer, mas para o sacrifìcio.” Estamos numa época de tantas aberrações que poucos são os que compreendem o que està se passando realmente num ato como esses!!! Por que esse arcebispo não honra os màrtires atuais do Oriente Médio e China ou os milhões de catòlicos exterminados por Stalin?

  19. Querer comparar o Sacrifício Santo da Cruz ao holocausto é um absurdo ! Lamentamos o holocausto como um crime contra a humanidade mas a Igreja Católica não é lugar para essa cerimônia, JAMAIS ! Como disse o homem que foi interrompido em sua fala : ” Não temos problemas com as recordações históricas que se realizam em locais históricos. No templo santo de Deus, onde vive o Santíssimo, não pode haver uma profanação (…) ” Em nenhuma sinagoga haveria uma homenagem aos cristãos mortos pela perseguição a eles, que se espalha pela história até os dias de hoje. Parabéns a esses rapazes e aos sacerdotes ! Aguentaram a violência e pressão absurda de que foram vitimas, quando pacificamente faziam um desagravo compungente ! Parabéns ! Parabéns !

  20. É claro que rezar o Rosário não é fanatismo. Achar que o Papa falaria isso é de uma má-fé impressionante. E interromper uma Missa, em especial com um bispo celebrando, não é atitude de católico. Onde já se viu?

    Falta de educação é o mínimo. E a Virgem Santíssima a quem rezavam certamente estaria ali, ajoelhada do lado do altar da catedral, em adoração à imolação de Seu Filho.

    E, bem, havia judeus ali, e o que mais encontramos são histórias de hostilidades da FSSPX para com os judeus. Na Argentina, então, parece que o negócio é muito brabo.

    Se os tradicionalistas que o papa conhece são os fiéis da FSSPX argentina, não espanta que faça cara feia…

    • Não foi Missa, Machado, mas uma para-liturgia inventada. Aqui há imagens do folheto da celebração:




    • Machado, Machado…qual o filme o senhor assistiu?

      Eu assisti a: uma mulher tentando tirar o chapéu de jovens que insistiam em rezar com a cabeça coberta. Que jovens mais modernistas! Como pode? Rezar com a cabeça coberta! Os judeus não estavam com as cabeças cobertas? Tá bom. Porém não fazem jus mesmo. Acho que o Papa está certo. Deve mandar trucidar esses jovens.

  21. Eis a falsa humildade do Papa Francisco: a humildade dos fariseus que davam a esmolam e tocavam a trombeta: “Oh, o Sacerdote deu uma esmola”; dos fariseus que jejuam e faziam cara de coitadinhos para o povo ver: “Oh, o Sacerdote está jejuando”.. Que diria São Pio de Pietrelcina? Que diria Sâo Francisco de Assis? Que diria Santo Inácio de Loyola? Que diria Nosso Senhor Jesus Cristo?

  22. “A única coisa com que devemos ser intolerantes é com a cultura do paganismo em termos de modernidade” – como sempre, a frase do Papa, imagino que fora de contexto, prima pela ambiguidade a ponto de poder significar o oposto do que sabemos que significa. Explico-me: a própria celebração paralitúrgica na Catedral de Buenos Aires poderia ser alvo dessa sentença, ou que mais se pode equiparar à “cultura do paganismo em termos de modernidade” do que a mentalidade que está por trás de quase tudo o que hoje se entende como diálogo inter-religioso: “Todas as religiões são caminhos de salvação” etc.? Ora, de que lado está o Papa? O novo Arcebispo declarou: “O Papa quer a celebração”. Para os fiéis católicos, o que resta? Confusão em cima de confusão.

  23. E tem lá o dedinho da Iniciativa das Religiões Unidas, órgão da ONU criado para gerar uma pan-religião global.
    E a Igreja Católica foi instrumentalizada para dar origem a essa pan-religião, os sinais disso são mais do que evidentes, o clero católico cada vez mais se comporta como se fosse um “meta-clero” para todas as religiões e ao mesmo tempo um clero para os católicos (e nós é claro temos que ser obedientes a eles incondicionalmente), e todos podem vir e grudar sua religião debaixo das asas do “meta-clero” ecumênico, afinal, segundo o Pontífice atual, até os ateus se salvam mesmo se morrerem sem fé, não existe Deus Católico e o Ramadan dá até frutos espirituais!
    Já os Católicos “de sempre” são fanáticos!, além de obcecados pelos temas do aborto, contracepção e homossexualismo…
    Fica aqui o meu conselho para os membros de todas as religiões: fujam do meta-clero ecumênico! com eles as perdição é 100% certa!

    Mas existe mais uma consideração a ser feita…
    Porque a FSSPX parece sempre estar envolvida em eventos relacionados ao holocausto dos Judeus durante a II Guerra Mundial?
    Primeiro, em 2008 tivemos a infeliz negação da realidade histórica do holocausto feita pelo Bispo Williamsom na TV Sueca, que tantos problemas causou para Bento XVI.
    Segundo, já em 2013 tivemos também o estranho caso do funeral do enterro de Erich Priebke, criminoso nazista, na cidade italiana de Albano que ia ser celebrado pela FSSPX e que foi impedido por cerca de 500 manifestantes enfurecidos.
    Terceiro, agora temos esse caso dos membros da FSSPX impedirem uma cerimônia em recordação aos horríveis eventos da Kristallnacht ou “Noite dos Cristais” (para quem não sabe, em 1938 os nazistas atacaram e destruíram muitas residências judaicas, lojas, sinagogas etc. na Alemanha e na Áustria, cerca de 91 judeus foram mortos e cerca de 30000 foram levados para campos de concentração, a quantidade de vidro quebrado vista no raiar do dia seguinte deu origem ao nome “Noite dos Cristais”).
    Embora eu concorde em que ninguém deveria participar dessas cerimônias ecumênicas que servem apenas para destruir a verdadeira religião de Nosso Senhor Jesus Cristo (e que não servem para nada mesmo!), será que já não está aparecendo um padrão? será a FSSPX antissemita?
    Tenho observado um esforço crescente por parte dos meios midiáticos para identificar a Igreja Católica bi-milenar com a Alemanha Nazista e esses acontecimentos apenas servem a agenda deles para satanizar a nossa religião aos olhos das pessoas (isso é, pelo menos aquelas que ainda acreditam na mídia manipuladora).

    O que tem o antissemitismo a ver conosco? NADA, será que é preciso dizer que o holocausto é um fato histórico e que não tem nenhuma relação com o desejo dos Católicos de professarem a sua religião como nos foi ensinada à dois mil anos? porque esses constantes envolvimentos com eventos ligados ao holocausto?

    Esses eventos me parecem estranhamente orquestrados…
    Não tem como não considerar esse incidente como não perturbador!

  24. Uma correção de pontuação no cartaz:

    PORQUE HAS DE RENDIR CUENTAS A DIOS, UNO Y TRINO. EL JUIZ ES EL HIJO DE LA INMACULADA.

    Vi um comentário a respeito desta pequena modificaçãozinha.

  25. ” Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.”(Joao 1,11)
    Acredito que para as “convenções” sociais, houve sim uma falta de delicadeza por parte desses jovens, afinal estamos em um mundo onde Deus Nosso Senhor não tem lugar. Por que ainda celebrar no último domingo do ano litúrgico a festa de Cristo Rei? Se seu reino é uma utopia, uma estoria da bíblia? Vou mais longe, para que Igreja Católica,papado, clero, fiéis, se Deus ama a todos, e todas as religiões, filosofias, culturas,etc, são boas? É complicado dizer que para alguns Cristo, o Messias, o Emmanuel, o Salvodor já veio a dois mil anos atrás; enquanto para outros o messias ainda não veio? Creio que se há essa dúvida, não temos motivos para sermos cristãos. Que Deus Nosso Senhor me perdoe, mas é inconcebível, professar algo, e negá-lo ao mesmo tempo. Uma coisa é eu ir até uma Sinagoga, entrar e lá professar minha Fé, nesse caso, seria uma fanático radical, etc. Agora, dentro de um templo Cristão, no qual, a Cruz está no centro, assim espero, sobre o Altar, trazer pessoas que negam categoricamente que Cristo não veio ao Mundo? Perdoe-me Santo Padre, mas importa antes desagradar aos homens, do que a Deus.

  26. Eles deveriam ter rezado o rosario em honra ao martirio de São Maximiliano Maria Kolbe que morreu martirizado no campo de concentração de Auchwitz.

    São Kolbe morreu porque criou a milicia da imaculada para combater a maçonaria que em 1917 desfulou com um estandarte em que São miguel era pisoteador por lucifer.

    São Kolbe entregava aos judeus a medalha milagrosa como também aos maus católicos e pegava a leitura dos livros de São Luis Maria Grignon de Montfort.

  27. Por mais que me ferva o sangue em ver as falsas religiões confraternizando em uma catedral, por inspiração do atual papa e com seu consentimento, devo dizer que para mim é confuso saber até onde termina o zelo pela casa do Senhor e onde começa a imprudência.
    Digo isso porque uma coisa é estar numa catedral e presenciar uma profanação, e outra diferente é ir de encontro a ela. O que insisto não é em relação a coragem de sair de suas poltronas e peitar os heterodoxos, o que não deixou de ser uma demonstração de coragem, ainda mais diante das consequências… Colocaram-se diretamente sobre o “olho de Sauron”.
    O que ainda não terminei de ponderar é sobre a eficácia de tal ato. A Igreja conciliar já provou que é outra religião, saída do modernismo liberal com as bênçãos da maçonaria. Com isso não estou acusando quem nela está de heresia automática, mesmo porque o liberalismo é caracterizado exatamente por rejeitar qualquer verdade objetiva. Não nega nada frontalmente, mas sempre tenta conciliar a verdade com a mentira.
    São tantas perguntas que me vêm à mente: será que aquele lugar (a catedral) ainda é uma catedral católica? Será que as missas novas rezadas ali ainda são válidas?
    Uma vez aprendi algo num… Filme. No filme “O homem que não vendeu sua alma”, em uma dado momento, Thomas Morus (agora santo canonizado) disse algo no sentido que por nossa natureza, devemos obedecê-la e fazer de tudo para fugir do martírio, a menos que Deus nos colocasse numa situação que não nos deixasse escolha além de por Ele morrer.
    Em outras palavras: o martírio não pode ser procurado pelo cristão, mas deve vir até ele. Ou seja: as coisas devem acontecer de tal maneira que as pessoas não tenham escapatória além de confessar a Deus ou negá-Lo.

    Ir ao encontro dos maus na catedral (? será que ainda é uma catedral?) pode ser entendido como zelo, mas afinal de contas, antes das falsas religiões, com muita probablidade a catedral de Buenos Aires já havia sido profanada… Pelo próprio clero moderno…

    E lembremo-nos que um lugar consagrado pela fé deve ser preservado de tudo. Até mesmo de nosso zelo. Até mesmo para chamar alguém para a briga, melhor que seja no lado de fora, exatamente por consideração ao lugar.

    Quando Moisés desceu do Monte e encontrou o povo imerso na idolatria, Deus ordenou que ele juntasse os homens fiéis, e naquele dia dez mil foram passados a fio de espada. Mas oremos uns pelos outros. Oremos por todos, especialmente pelos que não sabem o que fazem. A vingança pertence ao Senhor, e só a Ele, que um dia enxugará dos justos toda lágrima.

    • Ainda vale a pena ler os comentários no Fratres in Unum…

      Parabéns Bruno Luís Santana!

    • “Será que ainda é uma catedral?”
      Que isso, Bruno Santana, voce não disse que não é sedevacantista?

    • O sedevacantismo é a postura de quem crê que o papa perdeu o cargo em virtude de ter caído em heresia, deixando a igreja sem cabeça visível. Eu não disse nada sobre o papa, Teresa. E acho que ele é um papa legítimo, e não perdeu o cargo nem a autoridade de papa dada por Deus. Se a dúvida for essa, eu não sou sedevacantista.

  28. Que confusão, meu Deus!
    Cadê o “vejam como eles se amam”?
    Que guerra horrorosa há na Igreja!

  29. Os jovens tiveram uma atitude altaneira. Porém, discordo do acontecido. Infelizmente pululam no mundo cerimônias divergentes aos ritos católicos. A começar a própria missa chamada de ordinária. Se tivermos que protestar (o ato foi um protesto e não mero recitar de rosário) contra todas essas cerimônias faltarão pessoas. Menos ainda devemos entrar, como Católicos, nessa seara tumultuosa do holocausto. Olho vivo porque cavalo não desce escada. Não aprendemos ainda com o evento envolvendo Dom Willianson? Devemos protestar por acontecimentos que têm uma abrangência ampla, como os efeitos do Concílio Vaticano II, e não assuntos pontuais. Esse protesto feito em uma cerimônia envolvendo judeus por uma série de fatores traz-me desconforto. Sempre gostei da FSPX pela sua sobriedade. Mas nesse caso creio que errou.

    • concordo com vc , aquilo nao foi simplesmente querer rezar o rosario, mas protestar,acabaram arrumando o maior circo, e em vez de fazer reparacao, fizeram foi confusao.eu tambem nao aceito o ecumenismo, pricipalmente se for verdade que aquela cerimonia considera o holocausto dos judeus no nivel do sacrificio de nosso senhor, nunca vi tamanha besteira tal comparacao.mas tal atitude so serve para a hierarquia sentir mais raiva da tradicao, com isso os senhores bispos, vai ser dificel aceitar o rosario, a missa tradicional… eu acho que o rosario e a salvacao da igreja, quem dera se muitos catolicos o rezassem, ele expulsa o pecado da alma, e nos incorpora a cristo e sua igreja, mas daquela forma , provocativa nao gostei.tomara que tais jovens nos outros dias continuem rezando esta oracao, que como se diz o beato joao paulo2, oracao maravillhosa, maravilhosa na sua simplicidade e profundidade( ROSARIUM VIRGINUS MARIAM).

  30. COMUNICADO DA SSPX

    http://sspx.org/en/news-events/news/buenos-aires-rosary-protest-facts-2799

    Em resposta a algumas informações imprecisas divulgadas pela Associated Press com relação a uma demonstração durante um evento inter- religioso ecumênico na Catedral Católica de Buenos Aires, na Argentina, a SSPX.ORG entrevistou padre . Christian Bouchacourt , Superior do Distrito da América do Sul, para que pudéssemos oferecer alguns esclarecimentos sobre o assunto , o que nós iremos disponibilizar aqui:

    A comunidade judaica tem desempenhado um papel importante em Buenos Aires desde a fundação daquela cidade. Em 2012 , o Cardeal Bergoglio ( agora Papa Francis ) , hospedou na Catedral de Buenos Aires uma cerimônia de oração inter- religiosa, que incluia representantes da comunidade judaica , bem como Metodista, Luterana e Presbiteriana , para comemorar o 1938 Kristallnacht, evento que culminou com a deportação dos judeus para os campos de concentração. Durante a primeira cerimônia realizada na catedral Católica e organizado pelo grupo maçônico judeu , B’nai , B’rith , o rabino Alejandro Avruj se juntou à cerimônia acendendo o candelabro religiosos judaico, a menorah juntamente com o então Arcebispo Bergoglio que se apresentou com um siddur .

    A catedral Argentina mais uma vez sediou a cerimônia inter- religiosa na última terça-feira 12 de novembro, durante o qual um pequeno grupo de cerca de 50 católicos se reuniu para rezar o Rosário bem antes da realização do evento ecumênico daquela noite. Um dos membros do grupo também teve a oportunidade de usar um microfone aberto para denunciar o ato inter- religioso em uma Catedral católica.

    Em reação, alguns membros da platéia se levantaram e repudiaram a reza do rosário feita pelos católicos, chegando a cuspir-lhes na cara.
    O Arcebispo Mario Poli tentou apelar para a calma na catedral dizendo : “Haja paz Shalom, “. Enquanto exortava todos a retomar seus lugares para a cerimônia inter- religiosa, que seria liderada pelo rabino Abraham Skorka .

    A polícia finalmente chegou, momento em que os manifestantes calmamente deixaram a catedral enquanto cantavam a Salve Regina . Arcebispo Poli também disse:

    Queridos irmãos judeus , sintam-se em casa , por favor , porque essa é a forma como os cristãos querem, apesar destes sinais de intolerância . A sua presença aqui não profana o templo de Deus. Vamos continuar em paz neste encontro que o Papa Francis sempre promoveu , valorizou e tanto apreciou.

    Em resposta a algumas questões levantadas durante as entrevistas com Radio La Red e com cn23tv , Pe. . Bouchacourt fez algumas observações muito pertinentes sobre o motivo Católico por trás do protesto na catedral :

    Os manifestantes têm o direito de se sentirem ultrajados quando rabinos presidem uma cerimônia judaica em uma catedral católica .

    Nós reconhecemos a autoridade do Papa , mas ele não é infalível [ em tudo o que faz ] e, neste caso , ele faz coisas que não podemos aceitar.

    Este não era um desejo de fazer uma rebelião , mas para demonstrar o nosso amor por uma Igreja Católica que foi construída para a Fé e culto católico.

    A Santa Missa não é celebrada numa sinagoga nem em uma mesquita. Os muçulmanos não aceitam isso. Da mesma forma, nós católicos não podem aceitar a presença de outra fé [ sendo praticada ] em nossa igreja .

    As igrejas são construídas para o culto católico e historicamente a Igreja sempre condenou aqueles que permitiram que outras religiões celebrassem em igrejas católicas . … Esta foi uma reação de fiéis que se sentem escandalizados . …. Os papas , no passado, sempre condenaram esse tipo de encontro [ inter- religioso ]. Isto é uma violação de uma igreja católica.

    Fr . Bouchacourt mais tarde publicou um comunicado de imprensa no site da América do Sul Distrito que reproduzimos abaixo.

    http://www.fsspx-sudamerica.org/fraternidad/comunicado13nov.php.

  31. Jesus, quando expulsou os vendilhões, fê-lo do lado de fora do templo. Imitemos as ações de Jesus.

  32. A mim não me escandalizou a atitude do atual papa. Sua cabeça está poluída dos erros modernistas que não enxerga mais a verdadeira doutrina, deixada por Nosso Senhor Jesus Cristo. São tantos os maus exemplos que ele fez e continua fazendo, que todos nós, devemos agarrar a doutrina da Santa Igreja. Para não sermos “engolidos” pela enxurrada de heresias que este vigário de Cristo, está esfacelando a doutrina infalível da Esposa de Cristo. Nossos dias são caóticos. O erro avança com tal rapidez, que só as forças do inferno seria capaz de causar tantos danos. Nossa Senhora de Salete nos advertiu, que Roma será a sede do anticristo. Ou seja: De Roma sairá os erros que contaminará o mundo. Hoje, nós estamos vendo de uma maneira clara e transparente na prática. Isto é por pouco tempo. Dias virão que teremos de volta uma Roma eterna. De lá, partirá a doutrina infalível de todos os tempos. Quando? não sabemos, o certo que a vitória da Santa Igreja, sairá de Roma. Quando tivermos um papa 100% católico.
    Joelson Ribeiro Ramos.

  33. Pessoal, tem algumas coisas que eu li aqui que, creio eu, estão erradas. Vou expor minha opinião, e se falei alguma besteira, por favor me corrijam.

    1) Acredito que é perfeitamente possível o diálogo interreligioso com os judeus, diferentemente do diálogo com protestantes, espíritas, islâmicos e etc.

    2) A Aliança de Deus com o povo judeu não foi revogada.
    a) Para eles o messias salvador ainda não veio, para nós este é Jesus Cristo.
    b) Se eles estiverem vivendo de acordo com as leis judaicas irão para o Limbo e lá receberão a oportunidade de salvação, assim como aqueles justos que Jesus resgatou logo após a sua morte.
    c) O ideal seria que eles se convertessem ao catolicismo. Mas vou tratar disto quando chegar no ponto 3

    3) Os judeus possuem algum tipo de importância em um evento futuro da humanidade que nós não sabemos e não devemos interferir tanto em sua história.

    4) Já nos foi revelado que irá ocorrer uma conversão em massa dos judeus para a Igreja Católica no Fim dos Tempos.

    • Sinceramente, até agora não consegui entender o que aconteceu.
      Alguém disse que não era uma cerimônia eucarística, mas estão falando aqui em alteração da liturgia.
      Se foi uma cerimônia litúrgica onde estava sendo promovido um sincretismo religioso, então eu acho que os jovens agiram de maneira correta.
      Só gostaria de entender melhor o que aconteceu.

    • “Os manifestantes têm o direito de se sentirem ultrajados quando rabinos presidem uma cerimônia judaica em uma catedral católica .”

      Agora sim eu entendi o motivo da manifestação. Era uma cerimonia judaica.
      Atitude correta dos católicos.

  34. “Não podemos amar mais aos homens do que a Deus”, logo, não podemos respeitar mais aos homens do que a Deus. Tudo isso ainda depende da posição em que se encontram Deus e os homens numa relação ou num ambiente. Casa de Deus e homens mais culpados de terem entregado Deus a Pilatos como Ele disse. Casa de Deus com Presença Real de Deus e os que O entregaram a Pilatos vão até lá negando Sua divina presença? Todo respeito ao arcebispo se, antes, ele respeita Deus, pois, se não, no seu pecado não merece mais que ser tratado como um pecador que ainda peca e se torna inimigo de Deus. Sabemos o tanto que ensinaram a usar as minorias para fazerem conflito e, portanto, devemos evitar tais provocações para não sermos imprudentes. Mas chega o momento em que não reagir a um conflito em face de uma grave ofensa a Deus passa a ser pecado de omissão que nega a contrariedade necessária em razão da superioridade do direito divino. Jesus disse em João, capítulo seis, que “os que comem a minha carne e bebem do meu sangue viverão de mim como eu vivo do meu pai”, ora, o seu zelo pela casa de Deus não foi mais do que seu dever de amor ao Pai e não temos de testemunhar o mesmo amor por Ele diante do Santíssimo profanado e desrespeitado, no mínimo, com flagrante indiferença? A moral do caso parece ser a mesma da legítima defesa: requer que seja reação e não iniciativa e equilibrada e pacífica. Se eles se colocassem de costas para o arcebispo e rezassem em tom natural sem gritar, talvez, mostrariam maior equilíbrio, mas teriam de reagir, sim, ou deixaríamos que a catedral virasse uma sinagoga sem ninguém falar nada ou nem sequer demonstrar uma postura contrária? Não foi assim que os católicos foram postos em muitos castigos? Se não quisermos a cruz que nossa fé implica, abandonemos a fé, mas não sejamos hipócritas, invocando um respeito humano contra o respeito divino! Paz e equilíbrio, mas reação pelo testemunho! Lembremos que Nossa Senhora anunciou o tempo que os católicos reagiriam com ela e pediu para que não nos calássemos. A fuga também é falta de confiança!

  35. “Queridos jovens, sede missionários do Evangelho, sempre, todos os dias e em todos os lugares.”
    Ordem dada, ordem acatada.
    Viva sua Santidade!”
    Pois é, sua Santidade mandou os jovens revolucionarem. Só não imaginava que essa palavra serve pro bem e pro mal, depende de que lado se está, e contra quê se luta.
    Em nossos tempos de relativismo e, como diz o Bruno, de não se confrontar o erro mas tentar conciliar verdade e mentira, ser revolucionário pode ser qualquer coisa. Nosso papa provavelmente perceberá que precisa ser mais objetivo.
    Bem, avaliando e opinando sobre o caso, eu fiquei sonhando uma atitude semelhante contra tanta coisa, tanta coisa, tanta coisa, tanta profanação, tanta missa insultada, tanta palestra herética, tanta coisa, meu Deus! Seria bom que os católicos se manifestassem mesmo, e sempre, mas de uma maneira mais inteligente (me desculpe os jovens e corajosos a quem não quero tirar mérito). Mas fazer isso justo com os judeus foi mal… foi dar munição pro inimigo. Muita gente ainda não sabe realmente qual é a luta da Tradição (as vezes acho que nem o papa sabe).
    A primeira coisa a dizer bem claro devia ter sido que não era especificamente contra eles, mas a favor do templo santo de Cristo e Sua Igreja, em face dos não crentes, não crentes Nele ou Nela, judeus ou protestantes, budistas, muçulmanos ou hare krishnas.
    Isso ficou pouco claro. Todos eles são bem-vindos em nossos templos, mas não pra serem homenageados ou de qualquer forma enaltecida sua presença, não enquanto rejeitam a Cristo ou a Igreja de Cristo. Também acho que folhetos mais suscitos e claros distribuídos a todos os presentes por todos os jovens espalhados e em silêncio, antes de iniciarem a oração em comum, teria sido muito bom. Por fim fico pensando… porque só 50 pessoas? se tivessem sido aqui, na catedral da minha cidade, mesmo que quizesse ir, eu não teria ido, pois provavelmente não saberia. E lá? todos que apoiam a Tradição, sabiam? pelo numero, acho que não.
    Mais organização, mais união da Tradição, mais manifestação consciente dos leigos insatisfeitos por meios mais bem planejados e cristãmente postos em prática, me parece muito necessário. Os filhos das trevas são tão organizadinhos, porque os filhos da luz não são?
    É meio difícil saber o que é atitude cristã nesses casos, eu sei, mas acho que mais união e menos brigas ajudariam a definir e agir melhor, e a ter resultados mais expressivos também.

  36. Se alguém vem a vós, e não traz esta doutrina, não o recebais em vossa casa, nem o saudeis. Porque quem o saúda, participa (em certo modo) das suas obras más. II Jo 1,10. Esta passagem é citada, por Pio XI, na Mortalium Animos, Encicla que condena o falso ecomenismo e proíbe parcitipar de assembléias com falsas religiões para não dar-lhe credibilidade.

  37. N sabia que tinha diferença de pensamento do povo que frequenta as Capelas da FSSPX do Brasil e o resto do mundo: os brasileiros que tive contato acham que NÃO há presença real em toda missa nova.
    Aí eu te pergunto: como vai ter O Santíssimo lá se n vale a consagração?

    • Ana Maria Nunes pode haver a Presença Real de Nosso Senhor na consagração em uma missa celebrada no rito moderno. (Missa de Paulo VI). Fica difícil saber quando ha intenção pois isso só o sacerdote pode saber. Por muitas missas serem celebradas por padres que não mais acreditam na Presença Real de Nosso Senhor na Eucaristia é que muitos estão nas missas comendo pão sem fermento; e só. A questão aqui é a profanação do templo católico. Já vi missas doidas com dançarinos fazendo roda vestidos com resto de fantasias de escola de samba aqui no bairro da Glória Rio – Rj. Nosso Senhor se faz presente em uma “missa macabra” como aquela? Não creio! De fato não ha Presença Real de Nosso Senhor em todas as missas modernas exceto quando há intenção. Como saber???. Perguntou um jornalista a São Pio de Pieltrecina como deveria ser uma Missa e como deveria ser assistida e ele respondeu que a Missa é e deve ser assistida como foi assistida por Nossa Senhora e as Santas e Santos que la no calvário estavam. Basta lembrar que todos choravam em profundo silêncio e dor; exceto os soldados romanos e os judeus que la estavam zombando e vendo morrer o meu Deus. A catedral de Buenos Aires com essa celebração profana de certo modo lembra o escarnio no calvário para com aqueles que são verdadeiramente Católicos. Quando São Bento chegou a “Monte Cassino” ele destruiu o ídolo, exorcizou e ocupou o templo dedicado ao deus Apolo. Como essa atitude de São Bento seria encarada hoje em dia por Roma???

  38. Sr. Bruno Santana, com todo respeito, li sua intervenção como a de São Pedro pedindo a Cristo para não descer a Jerusalém, pois lá seriam maltratados. Tentar a Deus seria suicidar como homem-bomba, mas a Missão tem seu preço e depois de caminhar tanto na fé, quem está na água é para se molhar. As circunstâncias nos levam a um testemunho persistente ou “colocamos a mão no arado e olhamos para trás”!

  39. Não pude conter as lágrimas tamanha tristeza que senti!
    O que estão querendo transformar nossa SANTA MADRE IGREJA? Numa “prostituta” que é obrigada a aceita a todos? Sem princípio algum? Por que essa cerimônia não foi realizada em alguma sinagoga então?
    KYRIE ELEISON!

  40. Olha, não sei se entendi errado, mas em nenhum momento está informando se se tratava de uma celebração da Santa Missa ou de uma simples confraternização. Se foi o último caso, a atitude desses membros da SSPX foi sim errada e uma demonstração mesquinha de fanatismo e farisaísmo.

  41. “Papa Francisco lamenta fanatismo.” Pura inversão de valores por parte do Papa. Lamentável posição. O herege Nestório foi repreendido em público na catedral de Constantinopla quando subiu ao púlpito para declarar que Nossa Senhora não era Mãe de DEUS.

  42. Esses caras são muito MACHOS para nadar contra a corrente do bom-mocismo vigarista que parece ter alçado níveis insuportáveis sob o pontificado de Bergoglio. Que enquanto haja esse evento herético, que hajam tantos jovens para rezar um rosário dentro da Catedral de Buenos Aires, como um ato de desagravo por tamanha desonra diante do altar do Senhor.

  43. Não querendo julgar os participantes dessa manifestação, mas esse ato foi um desserviço à causa e á imagem da FSSPX.

    Jesus expulsou os vendilhões que profanavam o Templo porque era uma profanação em conluio com os gestores do próprio Templo. A manifestação/reclamação deveria ser dirigida ao sacerdote e ao bispo, gestores do templo, não aos judeus e hereges que foram CONVIDADOS a estar na igreja e muitos certamente estavam de boa-fé e respeitosamente (ainda que em sua ignorância) e não poderiam ser constrangidos pela insolência dos ímpios que os acompanhavam. Aqueles poderiam ter saído do evento com uma imagem negativa do Catolicismo ou ao menos da FSSPX.

    Certas atitudes demandam prudência e o Divino Mestre o atesta em Seu exemplo, como nas diferenças de tratamento dispesadas aos sacerdotes judeus (verdade e críticas abertas), Pilatos (didática visando vencer a ignorância do pagão e esclarecê-lo acerca do crime que cometeria) e Herodes Antipas (não lhe dirigiu a palavra por conta da total impiedade deste).

    Creio que o melhor seria a recitação do Rosário em reparação à profanação realizada APÓS a cerimônia para evitar o tumulto. Jesus nunca incitou os judeus contra os romanos, por pior que aquele império fosse (paganismo, brutalidade para com os povos conquistatos, escravidão etc.), porque seria pior para a Igreja então nascente.

    Nosso apostolado contra a heresia deve ser prudente quando estamos em menor número, como o de São Francisco de Sales que instruía a minoria católica com cartas por debaixo das portas para evitar conflito físico com os calvinistas.

  44. Foi imprudente a tal iniciativa, pois se houvesse confusão, os excessos não faltariam. Seria medonho, por exemplo, que os judeus tivessem sido agredidos. Pois isso não é coisa decente, não edifica e não persuade ninguém a aderir ao Cristianismo e teria sido motivo de *outro* escândalo.

    Melhor seria que se fizesse, depois, um público e ruidoso ato de reparação.

    Errados estão os que promovem tais encontros. Pelo fato de eles serem muitos – e tão poderosos – resta-nos amaldiçoar tais iniciativas a fim de que não prosperem.

    Lembro-me de uma estória contada por um amigo sacerdote, já falecido. Disse-me ele que, ainda leigo, levava a Sagrada Comunhão aos enfermos num Hospital e, não raro, tinha que enfrentar um porteiro protestante que lhe impedia ou dificultava a entrada. Tendo ele consultado um Bispo amigo seu, disse-lhe o Bispo, velho e seguro na doutrina, que amaldiçoasse a situação (se alguém tem dúvida acerca licitude desse recurso, que vá estudar o assunto!).

    O recurso deu certo! Contei essa mesma estória a outro amigo sacerdote que se irritava com a presença de igrejolas protestantes no território de sua paróquia. Resolveu-se ele a amaldiçoar esses lugares. Não sobrou nenhuma: todas fecharam as portas. Todas.

  45. “Durante a primeira cerimônia realizada na catedral Católica e organizado pelo grupo maçônico judeu , B’nai , B’rith , o rabino Alejandro Avruj se juntou à cerimônia acendendo o candelabro religiosos judaico, a menorah juntamente com o então Arcebispo Bergoglio que se apresentou com um siddur .” O Deus dos maçons judeus seguidores do Talmud, diferentemente dos judeus seguidores da Torah (Antigo Testamento) , segundo o livro da Maçonaria “Moral e Dogma” do Soberano Pontífice da Maçonaria Albert Pike, na página 321 deste livro é: “Lúcifer, o portador da Luz. Não duvide”. O Talmud é um livro cabalista Sudo, que foi escrito ao longo do tempo pelos “70 anciões de Israel” desde a deportação dos judeus à Babilônia. Onde os judeus proeminentes foram iluminados pela “gnose” que deu origem a seita da Força Misteriosa da qual Herodes Agripa e muitos fariseus, chamados de raça de víboras pelo Cristo, já eram membros. A Força misteriosa ressurgiu no começo dos anos 1700 na Inglaterra com o nome de Francomaçonaria iniciada por judeus cabalistas seguidores do Talmud, imigrantes vindos da Rússia. Os quais tinham o conhecimento oculto, iluminados por Lúcifer, para adquirir riquezas e dominar os povos. E na verdade é o que eles conseguiram. Conseguiram dominar até altos prelados da Igreja. Que não sei se por ingenuidade ou má fé, caíram no conto do vigário da dialética de Heguel: provocar conflitos entre a tese e a antítese para se chegar na síntese da solução, que é sempre a dominação e o poder dos iluminados sobre os demais. Assim Albert Pike e também o italiano Mazini criaram o plano das 3 grandes guerras mundiais que deveriam acontecer antes da “solução” do Governo Mundial Maçônico e da religião luciferiana ser imposta aos seres que restarem. Está tudo nos seus livros. Recomendo o Livro Mistério da Iniquidade do Padre Paul Kramer que em suas notas traz o número da páginas e detalhes dos planos dos grandes chefes da maçonaria. Planos estes desconhecidos pelos inocentes úteis que pensam que ingressam em uma fraternidade filantrópica, quando estão ingressando na própria “Sinagoga de Satanás”, palavras do Papa Leão XIII.

  46. Eita… se fosse o Papa Leão XIII….

  47. Pelo que vi tal cerimônia já é uma tradição na catedral (me corrijam se eu estiver errado)… Mas ao meu ver tal cerimônia Ecumênica deveria ter sido realizada em algum auditório , que creio que a Arquidiocese em questão deva ter . Existe coisas que devemos evitar e seguir um bom senso. Nisso o arcebispo em questão errou.

  48. Leonardo, fiz o comentário em tom de questionamento. Como católico e como admirador de Santo Tomás de Aquino, procuro ver as coisas da maneira mais equilibrada possível. Mas num caso destes confesso que tardaria um pouco a ter um juízo definitivo. À primeira vista PARECE algo de exagerado. E a virtude da Prudência está exatamente entre os vícios extremos da tibieza que não reage a nada por princípio, e a audácia que ousa de maneira pecaminosamente irresponsável. Claro que cada uma destas cerimônias, só pelo fato de contarem com a presença de pessoas que dizem representar nossa santa fé já é em si um escândalo. E dentro de um templo construido com a intenção de realizar o culto católico, ainda mais escandaloso. De forma que há várias coisas a se considerar: o escândalo público do ato ecumênico; a omissão de quem deveria se manifestar e no entanto se cala; o sacrilégio; o mau exemplo;
    Por outro lado, temos que considerar que a guerra de alguns católicos instruidos contra uma hierarquia liberal e inimigos jurados da nossa fé (no caso, os judeus e protestantes presentes) pode fazer o efeito oposto entre pessoas ignorantes, pois cheira a rebelião, a fanatismo, a excentricidade. E os inimigos da fé sabem como criar estigmas nos cristãos devotos.
    Fora isso, em um evento deste porte, a mídia estaria presente, e a mídia é dos inimigos. É um prato cheio para detonar qualquer aparência de catolicismo minimamente conservador. As pessoas hoje são programadas de berço a fugir de extremismos, e é como extremistas que estes cristãos serão bombardeados por muito tempo. Buenos Aires é abarrotada de judeus, eu mesmo os vi aos montes pelas ruas, parecia que eu andava em Tel Aviv… Dentre este mundo de gente está a maçonaria judaica B’nai Birth, dentre todos eles estão os pérfidos que têm mais de dois mil anos de experiência em minar o cristianismo.
    Mas não se trata de ter medo deles. Se trata de andar com todo o cuidado possível, porque há minas por todo lado. Acho que seria mais interessante que os católicos antes de tudo fizessem o protesto fora do templo, porque chamaria a atenção dos transeuntes, e muitos talvez concordassem que é um absurdo um ato desses dentro de um lugar sagrado para católicos. Talvez se pudessem até mesmo parar o trânsito da frente da catedral… Mas se colocar na boca do leão… Não tenho certeza se o equilíbrio da prudência deu lugar à audácia ou não…

  49. Paraben’s aos jovens.Isso não é fanatismo .Muito estranho judeus em uma Igreja;fazendo o que se não aceitam Jesus Cristo?Não deveriam estar lá,ficou sem sentido essa cerimônia.

  50. “Somos igualmente culpados tanto ao querer vingar as injúrias que nos são feitas, quanto ao não nos sentirmos tocados por aquelas que se fazem a Deus. Se se trata de nós, muito bem: usemos de mansidão e indulgência quando nos ofendem; mas quando Deus é o ultrajado, não o convém absolutamente suportar. É preciso externar nossa indignação pelo fato.” Santo Isidoro

  51. Compreendo Sr. Bruno. Lembro que São Tomás ensinava que o bem (e não o dom) mais precioso é a fé. Mais preciosa do que a vida e de que entre a vida e a fé, temos de ficar com a fé, pois sem fé temos a segunda morte que é muito pior do que a primeira. Assim, considerando que o ecumenismo faz pecar contra Deus e contra a fé, em primeiro lugar contra o primeiro mandamento (porque temos de “amar a Deus com todo entendimento, de todo o coração e com todas as nossas forças”), podemos muito bem dizer que o que o estupro é para o corpo, o ecumenismo é para a alma. Forte, mas é verdade. Imagine agora um estupro da sua mãe em sua casa e você sem fazer nada… Sei que para as coisas da alma entram as virtudes e a paciência e a prudência e a humildade e, o mais importante que é não tentar a Deus e manter sua mansidão que nos levam à Cruz, mas não deixa de ser uma violação e podemos imitar Nossa Senhora que foi para o pé da Cruz sem temer ser xingada, chicoteada com seu Filho nem empurrada por um guarda montado, mas ela foi com as próprias pernas e aceitou o risco e a dor em silêncio e por certo não reagiria com violência, mas não deixou de reagir por amor e por fé.

  52. Que absurdo. Olha a que ponto o fanatismo e fundamentalismo leva. Daqui há pouco se cria uma “guerra santa” em nome de Deus. E Deus certamente observará esse fanatismo e fundamentalismo que gera guerra e dirá: “Pai, perdoai, porque eles não sabem o que fazem! Rezemos pelo diálogo religioso e ecumenismo: “Pai nosso que estais nos céus, santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino. Seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje. Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.” Pois é sempre vosso o poder, a honra e a glória para sempre. Estamos com o papa Francisco, na busca do diálogo, da misericórida, da paz, nos passos de Jesus Cristo.

  53. Fiz o comentário abaixo, na data abaixo, porque não saiu? Também fiz um outro em outro artigo que também não saiu. Pode omitir essa parte, Ferreti, só tô falando porque não sei se é problema daqui ou daí, até porque não creia que haja nada de impublicável no meu comentário. Abçs

    Seu comentário está aguardando aprovação.
    Teresa
    20 novembro, 2013 às 11:17 pm
    “Queridos jovens, sede missionários do Evangelho, sempre, todos os dias e em todos os lugares.”
    Ordem dada, ordem acatada.
    Viva sua Santidade!”
    Pois é, sua Santidade mandou os jovens revolucionarem. Só não imaginava que essa palavra serve pro bem e pro mal, depende de que lado se está, e contra quê se luta.
    Em nossos tempos de relativismo e, como diz o Bruno, de não se confrontar o erro mas tentar conciliar verdade e mentira, ser revolucionário pode ser qualquer coisa. Nosso papa provavelmente perceberá que precisa ser mais objetivo.
    Bem, avaliando e opinando sobre o caso, eu fiquei sonhando uma atitude semelhante contra tanta coisa, tanta coisa, tanta coisa, tanta profanação, tanta missa insultada, tanta palestra herética, tanta coisa, meu Deus! Seria bom que os católicos se manifestassem mesmo, e sempre, mas de uma maneira mais inteligente (me desculpe os jovens e corajosos a quem não quero tirar mérito). Mas fazer isso justo com os judeus foi mal… foi dar munição pro inimigo. Muita gente ainda não sabe realmente qual é a luta da Tradição (as vezes acho que nem o papa sabe).
    A primeira coisa a dizer bem claro devia ter sido que não era especificamente contra eles, mas a favor do templo santo de Cristo e Sua Igreja, em face dos não crentes, não crentes Nele ou Nela, judeus ou protestantes, budistas, muçulmanos ou hare krishnas.
    Isso ficou pouco claro. Todos eles são bem-vindos em nossos templos, mas não pra serem homenageados ou de qualquer forma enaltecida sua presença, não enquanto rejeitam a Cristo ou a Igreja de Cristo. Também acho que folhetos mais suscitos e claros distribuídos a todos os presentes por todos os jovens espalhados e em silêncio, antes de iniciarem a oração em comum, teria sido muito bom. Por fim fico pensando… porque só 50 pessoas? se tivessem sido aqui, na catedral da minha cidade, mesmo que quizesse ir, eu não teria ido, pois provavelmente não saberia. E lá? todos que apoiam a Tradição, sabiam? pelo numero, acho que não.
    Mais organização, mais união da Tradição, mais manifestação consciente dos leigos insatisfeitos por meios mais bem planejados e cristãmente postos em prática, me parece muito necessário. Os filhos das trevas são tão organizadinhos, porque os filhos da luz não são?
    É meio difícil saber o que é atitude cristã nesses casos, eu sei, mas acho que mais união e menos brigas ajudariam a definir e agir melhor, e a ter resultados mais expressivos também.

    • Teresa, o blog está em recesso até segunda feira, conforme avisado. Há mais de duzentos comentários aguardando liberação…

    • Jovem Teresa,

      Sendo assim, retiro minhas “vivas” ao Papa Francisco e as dou à piedade do grupo de jovens católicos argentinos.

      Viva a piedade dos jovens católicos da Santa Igreja militante!

  54. Apenas nunca mais diga o nome de Santo Tomás de Aquino nem diga que crê no Magistério Infalível que apenas existe quando, primeiro, o próprio papa nele crê e nada declara em contrário. Veja como Santo Tomás pega direitinho um herege. Não falha! Saiba que todas as obras da nova teologia consideram Santo Tomás ou um pessimista ou um fanático, porque não aceitam que a fé tenha maior valor do que a vida. Repito também com São João de Ávila: “aquele que diz que crê mas não está pronto para morrer por Cristo, nunca poderá ser um católico”! Fundamentalismo católico é obedecer os dez mandamentos (ou fundamentos) e ir morrer na Cruz com Nosso Senhor. Então, não tenho medo de ser católico fundamentalista e se sou fanático com Santo Tomás de Aquino, também morro feliz e realizado. Aliás, os primeiros escritos romanos sobre os cristãos nos chamavam todos de “fanáticos” porque morríamos tranquilamente por Cristo. Mas, o mais engraçado que ninguém chamou de fanáticos os judeus que xingaram os católicos dentro de uma igreja católica como “convidados” xingando os anfitriões em sua própria casa! Deixe a comidinha para criancinhas e crie dentes para comer a comida de adultos na fé, da qual, assim, falou São Paulo!

  55. Si quieren completar todo lo referente a esta celebración ecuménica en nuestra Catedral de Buenos Aires, pueden leer la web argentina “página católica”.

  56. Que valentia destes jovens. Realmente inacreditável!!!! Parabéns a esses católicos defensores da fé que lutam contra aqueles que querem transformar a Igreja de Cristo num clube de amigos!!!

  57. Hoje, 24/11/13, no Rito Extraordinário da Missa, o Intróito traz uma exortação, de modo especial, aos
    tradicionalistas, chamado-os a paz.
    Trata-se de um trecho de Jeremias, no qual Deus revela que Seus pensamentos são de paz e não de aflição.
    Neste artigo vemos que jovens da FSSPX interromperam uma Cerimônia Religiosa de caráter Ecumênico na Catedral de Buenos Aires.
    Essa infeliz ação desses jovens, se bem analisada, vai de encontro com as palavras do Intróito do último Domingo do Ano Litúrgico celebrado por todos os Tradicionalistas no mundo inteiro.
    As ações deles não foram de paz, mas de aflição, foram atos contra a paz. Qual a diferença dessa ação deles com a dos shiitas, com a jirad islâmica?
    Essa infeliz ação os identificam com os muçulmanos mais radicais, os identificam com os terroristas, pois violência gera violência, já que todo efeito, como diz a sã filosofia, é proporcional à sua causa.
    Não foi, portanto, uma ação movida pelo bom Espírito de Deus, pois de acordo com as palavras deste Intróito, os pensamentos de Deus, que são inspirados por Deus, são de paz, não de ódio.
    As palavras de Jeremias pedem para depor as armas, e eles empunham as armas do ódio contra o próximo.
    Poderão dizer que estavam cheios de zelo por Deus e pela Casa de Deus, mas Aquele que não poupou Seu próprio Filho por acaso iria poupar um Templo, que é menor que Seu Filho?!
    Dentro daquele templo estava acontecendo uma celebração religiosa por duas religiões de credos diferentes: judeus e católicos.
    Estava sendo celebrado ali exatamente o que ensinam as palavras de Jeremias no Intróito do último Domingo Depois de Pentecostes: a paz entre as religiões e entre os povos.
    A paz é fruto da Caridade, como escreve São Paulo Apóstolo.
    Portanto, os pensamentos de Deus são pensamentos de Amor, não de ódio, de zelo pelas almas, não de zelo por um Cristo idealizado, pois Jesus entregou-se para nos salvar, profanou-se para nos salvar, e as coisas não são mais importantes que as almas.
    O maior zelo a Cristo é permanecer no Seu Amor, que gera a paz, a paz que estava acontecendo ali no Templo.
    Lembro que um dos maiores milagres Eucarísticos é fruto de uma profanação; a mulher rouba a Eucaristia para praticar rituais de feitiçaria, e a Eucaristia se transforma em carne e sangue: Jesus responde com Misericórdia ao sacrilégio.
    Não houve profanação do Templo, mas houve sim a profanação do Sacratíssimo Rosário da Bem-aventurada e sempre Virgem Maria, pois devemos rezar pelos outros, e não contra os outros.
    Assim como podemos usar a buzina de nossos carros para xingar ou para cumprimentar alguém, os tradicionalistas usaram o Rosário, coisa santíssima, para xingar as pessoas que estavam fazendo uma celebração dentro da Catedral de Buenos Aires.
    Isso é um sacrilégio, não é motivado por Deus.
    Devemos rezar pela salvação das pessoas, e eles usaram de coisas santíssimas para condenar as pessoas, ação totalmente contra o espírito de Jesus Cristo que podemos ver claramente nas palavras da oração do Anjo, ensinada às crianças de Fátima: “Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos; peço-Vos PERDÃO para os que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam. Amém.”
    Pedir a Deus o PERDÃO, não a condenação…

    • Gerson, faço-lhe ver palavras de Quem é maior que Jeremias, Jesus Cristo: Não julgueis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer a paz, mas a espada. Porque vim separar “o filho de seu pai, e a filha de sua mãe, e a nora de sua sogra. E os inimigos do homem (serão) os seus próprios domésticos”. O que ama o pai ou a mãe mais do que a mim, não é digno de mim; o que ama o filho ou a filha mais do que a mim, não é digno de mim. O que toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. O que se prende à sua vida, perdê-la-á; e o que perder a sua vida por meu amor, achá-la-á. (Mateus 10, 34-39)

      A Doutrina de Cristo é dura e muitos são os que não a aceitam, seja por não suportarem a ela (como os seguidores do demônio), seja por não a compreenderem (como os preguiçosos que não se importam de entender o que Jesus diz por parábolas).

      No trecho do Evangelho que o fiz ler, Jesus não manda odiar os nossos pais ou os nossos filhos, mas ordena que se compreenda que as coisas de Deus são mais importantes que as coisas do mundo, e se estas coisas quiserem impedir o cumprimento do que é de Deus, se deve lutar e vencê-las nem que seja em casos extremos como o martírio, ou no exemplo desses jovens que só foram difamados pelos fariseus de hoje, estes lamentáveis até para a própria classe.

      Concordo com a Teresa, os jovens se organizaram mal, porém creio que fizeram o certo, defenderam o que é de Deus e lutaram com a arma dos cristãos, o Santo Rosário, contra o que é do maligno. Porque é escandaloso alguém que se considera católico (que é filho da livre segundo São Paulo na epístola aos gálatas) se mostrar condescendente com uma profanação do templo visível de Deus pelos que são filhos da escrava, dos judeus (e de todos de outras religiões, pois todas as religiões, a não ser a de Cristo, são falsas) e dos seus incentivadores.

    • São Domingos usou o rosário ao redor do pescoço de albingenses possuídos e até santos pós-conciliares como S. Escrivá se referem a ele como arma. Nossa Senhora determinou a disseminação de seu uhttp://www.bnai-brith.com.br/content/mail/press_especial.asp?cod=393o.IIgreja do Imaculado Coração de Maria greja do Imaculado Coração de Maria greja do Imaculado Coração de Maria Uma atitude tipicamente fagtrad seria é uma reunião secreta, no subterrâneo de um templo de motu missa, em que ele seria recitado, talvez em sua variante ao SDP, talvez ao Filho da Lua, apenas com a presença de iniciados.
      Nao sei o que é jirad islâmica, talvez um carrosel onde moslemes girem, mas a Jihad é a guerra para tomar territórios daqueles tidos por infiéis para o Islã. Exatamente a guerra cultural que a civilização ocidental está perdendo e em publicação oficial da FSSPX já se reconheceu que no mundo islâmico o ambiente chega a ser mais propício a uma vida cristã do que aqui.
      E tanto Igrejas foram destruídas como na Reconquista os cristãos fizeram o terrorismo de aproveitar mesquitas, a ponto daquele estilo arquitetônico ter sido aproveitado no ultramar, como no caso da Igreja do Imaculado Coração de Maria, no Meier, zona norte do Rio de Janeiro.
      Então, se esses santos, essa Igreja e Nossa Senhora são terroristas, espero sua colaboração para que o próximo encontro seja no Largo da (des)Ordem, onde o véu (costume islâmico) já foi banido: http://www.bnai-brith.com.br/content/mail/press_especial.asp?cod=393

    • Gerson, talvez você pense que Nosso Senhor, ao expulsar os vendilhões do templo, tenha cometido um ato típico da jihad islâmica… Ou que ao dizer ter vindo para trazer não a paz, mas a espada, possa ser considerado terrorista… Ora, comparar esses jovens com terroristas demonstra uma total falta do sentido da realidade. Que eu saiba, esses jovens não mataram ninguém, não colocaram bombas na Catedral, sequer minimamente agrediram quem quer que seja, simplesmente rezaram (e foram insultados e agredidos, é claro, mas isso está incluído no pacote). Concordo que o efeito dessa ação num mundo dessacralizado e neopagão seja como o de mil bombas atômicas, e oxalá fossem duas mil.
      Saiba que os cristãos foram a única religião perseguida pelo Império romano, antes do século IV, justamente por isso: eram considerados intolerantes. Os demais cultos, mesmo desprezados como os judeus (que ficavam na deles e não queriam converter ninguém), eram aceitos. Os cristãos, porém, não tinham o direito de existir. É o que o neopaganismo em que vivemos insiste em dizer-nos: “Vocês não têm o direito de existir”, “vocês nos incomodam”. Contra o neopaganismo? A nova Evangelização. Muito falada… inclusive por gente que pensa que será um mar de rosas. Ledo engano.

  58. Gerson, também não havia paz ali, porque o que tinha na catedral era a imposição de cerimônias ecumênicas que convêm aos judeus de hoje e aos relativistas que se dizem cristãos e que no entanto envergonham-se da catolicidade da Igreja, o que é uma afronta a qualquer cristão. Teria paz se os judeus, como os católicos de verdade, estivessem glorificando e dando graças a Deus por Jesus Cristo, que salvou todos os homens de boa vontade, obedientes ao chamado de Deus, da morte, numa catedral construída para a Missa de sempre e outras cerimônias lícitas ao cristianismo de Nosso Senhor Jesus Cristo, e não para convenção de falsas religiões, e isto aplica-se também a esses judeus, porque os de hoje não são o povo escolhido por Deus, porquanto tendo eles, hoje, uma religião falsa. O povo escolhido por Deus é aquele que ouviu os profetas e conheceu e creu em Jesus Cristo, enquanto os judeus de hoje são simplesmente adoradores da lei mosaica, não da Lei e do Testamento de Deus que se cumpre em Jesus Cristo.

    Logo desista de procurar a paz de Cristo neste mundo, porque não teve santo que encontrou. Essa paz que você, Gerson, tanto sonha é aquela que o anticristo vai trazer para enganar.

    Nossa Senhora, a Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, em suas aparições verdadeiras, nunca prometeu felicidade a ninguém neste mundo, pelo contrário. Tudo do mundo jaz no maligno, tudo foi corrompido por ele e tudo que parece alegria dele, é passageiro, diferentemente da paz e felicidade de Cristo, que por serem de Deus são eternas. Eu estaria tão grandemente mentindo se dissesse que sou santo e que encontrei a paz de Cristo; muito pelo contrário, sou um fraco de pouca fé e nem devo ter moral para lhe falar estas coisas, pois a cada vento mais forte caio no desespero de forma incomparável mais rápida que São Pedro quando quis caminhar no mar e veio o vento e ele temeu e começou a afundar, mas Cristo disse que quem perseverar até o fim, terá a verdadeira paz e a recompensa será o Reino de Deus. Portanto confie mais em Jesus, em Maria e na Igreja que não se contradiz, não nas promessas e covardices do mundo.

    • Para corrigir: os judeus de hoje são simplesmente adoradores da lei mosaica e doutras leis do mundo, não da Lei e do Testamente de Deus, que se cumprem em Jesus Cristo.

  59. Caro José Carneiro, agradeço pelas colocações, mas permita-me fazer vê-lo o que está no primeiro mistério doloroso do Santo Rosário, que você com certeza deve rezá-lo todos os dias. No Horto das Oliveiras, depois que Jesus orou ao pai e suou um suor de sangue, Judas aproxima-se com os soldados para prender Jesus e o que é que faz Pedro? Saca de uma espada e corta a orelha de Malco, um dos soldados Romanos. Que é que faz Jesus então? Diz para Pedro guardar a espada, pois quem com a espada fere, com a espada será ferido, e cura a orelha de Malco. Se Jesus veio trazer a espada, porque manda Pedro guardá-la?

    • Gerson, o comentário do Leonardo tem razão. É duro mas é verdadeiro. Perceba que eu disse “se estas coisas [do mundo] quiserem impedir o cumprimento do que é de Deus, se deve lutar e vencê-las nem que seja em casos extremos como o martírio, ou no exemplo desses jovens que só foram difamados pelos fariseus de hoje”. Somente quando as coisas do mundo quiserem dificultar, impedir que aconteça o que Deus quer que aconteça, que se deve resistir; e foi o que fizerem os jovens em Buenos Aires e o que fez Nosso Senhor Jesus Cristo ao expulsar os vendilhões do templo e mais de uma vez repreendendo São Pedro.

      Zelosos com a casa de Deus, os jovens de Buenos Aires mostraram bravura ao resistir, recitando o Santo Rosário, à profanação dela pelos judeus e por quem incentivava o encontro de judeus lá. Os jovens foram movidos pelo mesmo zelo e espírito que Jesus Cristo quando agiu de forma muito mais violenta ao ver o Templo de Jerusalém ser profanado por cambistas, que ao invés de irem prestar culto a Deus, lucravam com quem ia. A fidelidade ao cumprir a vontade de Deus também fez Jesus repreender Pedro: com boa intenção, Pedro fez a vontade do demônio quando pediu a Deus que Jesus não fosse a Jerusalém, para que Ele não sofresse tanto como disse; também animado por defender Jesus dos que queriam prendê-Lo, Pedro fez o que satanás queria ao levantar a espada naquele momento, que Jesus não morresse na Cruz e que a Escritura não se cumprisse, impossibilitando a salvação dos homens. Reflita, meu amigo: satanás quer ver a casa de Deus destruída ou pelo menos desrespeitada, queria mais do que tudo que Jesus não cumprisse o que o Filho de Deus deveria realizar para a salvação de muitos, e para obter êxito, tenta quem for, até cristãos santos e Apóstolos.

      Devemos discernir e saber qual é a vontade de Deus e qual é a do inimigo: para defender e cumprir a vontade do Pai, devemos entrar na maior das batalhas se for preciso, e para arruinar o intento diabólico também devemos lutar com coragem e Fé. Mas, Gerson, você quer paz – e quem não quer? –, só que precisa saber que uma coisa é a paz do mundo, efêmera e falsa, outra a paz de Cristo que é verdadeira e perpétua. E se desfazendo e se envergonhando da Fé Católica para não ferir o sentimento dos seguidores de religiões falsas, nunca alguém irá encontrar a paz de Cristo.

    • Pedro fazia a vontade do demônio naquele momento ao se desesperar. Pedro muitas vezes fez o desejo do maligno, e certa vez até de satanás foi chamado por isso.

      Se Pedro lutasse naquele instante para livrar Jesus, como o Cordeiro de Deus seria imolado e como nós poderíamos ser salvos sem o sacrifício da cruz? Era o que o inimigo queria que Pedro, que agia de boa vontade, fizesse para impedir o triunfo de Cristo sobre a morte.

      Há muitas alegorias na Bíblia, tanto no Antigo como no Novo Testamento. Pegar-se somente no que está escrito, sem pensar e sem refletir o contexto, é ser um preguiçoso espiritual, porque quem é de Deus, se não entender alguma coisa (pois muitas das coisas escritas na Bíblia são incoerentes se pensamos que são literais), procura saber de todo jeito o que é na verdade que o Senhor quer nos dizer. Quando Jesus diz que trouxe a espada, quer que nós lutemos contra o que tenta corromper as vias de Deus; não quer dizer literalmente que peguemos a espada – só se for necessário mesmo!

      Pedro pegou sua verdadeira espada quando largou a que empunhava contra o soldado e permitiu que Jesus fosse preso e crucificado para se cumprir a Escritura e o desejo de Deus de que os homens, pelo sacrifício de Cristo, fossem salvos. Nisto Pedro lutou contra seu pensamento que era o mesmo que o do inimigo.

  60. Gente de coração duro e que encobre as orelhas para não ouvir: Há duas paz, a paz do mundo e a Paz da Cruz. Em relação à paz do mundo, Jesus disse claramente que não é a dEle e para esta paz trouxe a divisão e a espada. A Paz que Cristo trouxe é a da Cruz que enfrenta o pecado como pacífico e não como pacifista, porque se trata de um combate, de uma luta e de uma reposição de propriedade em favor de Deus com adesão ao Sangue de Cristo. A São Pedro “prudente” para não descer a Jerusalém disse: “afasta-se de Mim, Satanás”. Mas depois disse “dou-vos minha paz, não como o mundo dá sua paz”. Não há condição de vencer o príncipe deste mundo autorizado pelo pecado, se não aderimos à Cruz e ao Sangue e à Missão de Cristo. Por isto, São Paulo disse que abandonou todo outro discurso para pregar a Cruz e que a Sabedoria da Cruz, loucura de Deus, vence toda a sabedoria humana. Ora, Santo Antônio quis ser franciscano só para ser mártir. Santo Inácio da Antioquia pediu aos seus fiéis que parassem de rezar para que não fosse mártir e foi dançando morrer por Cristo. E a Igreja sempre ensinou que toda as vezes que a Igreja se afasta da Cruz recai em heresias. 250 anos bastaram para fazer de uma tropa de cruzados um amontoado de mingau. Pensem em São Luíz, Rei de França! Pensem em São Francisco que foi a Jerusalém enfrentar o califado e o desafiou na fé! Lembrem que São Paulo disse que completava na sua carne o que faltou à Paixão de Cristo e que, segundo a Tradição, Nossa Senhora repetiu todos os dias os Passos da Paixão depois que Cristo ascendeu ao Céu e antes de sua própria Assunção. Cristãos frouxos que se agarram à comidinha de nenês! Como testemunharão nos tempos mais difíceis que virão? Que vergonha teriam Santa Teresa, Santa Catarina e Santa Joana DArc! Ninguém pede para provocar, Deus nos pede para não fugirmos! E mesmo assim velou para que Dom Lefebvre fosse de novo o seu único apóstolo debaixo de Sua Cruz! Se não as mulheres cristãs superariam de novo todos os homens cristãos! Frouxou e meios-termos! Ao menos dêem as costas para os hereges e defraudadores da Fé e depois, na hora da morte, aceitem algum sofrimento por Deus que por nós aceitou de tudo! Ou foram ensinados pelos teólogos de Tel-Aviv de Discovery Channel que sempre disseram que Cristo buscou suma morte e quis morrer para impactar? O Testemunho de Cristo está casado com Sua Missão que nos leva à Cruz. Não querem a Cruz, desistam antes de envergonhar a Deus e contra-testemunharem a Fé e a Verdade!

  61. Gerson,
    Que com certeza não pode ser confundido com o leitor Gederson Falcometta, que sempre frequenta este blog e costuma ser impecável em seus comentários,
    Li atentamente seu comentário, e devo confessar: há muito tempo não vejo uma retórica tão hábil em torcer completamente uma situação. Seria até mesmo instigante… Se não fosse tão trágico…
    Inicialmente você iniciou sua missiva citando o intróito da Missa, o que certamente amaciou quase todos os que se dedicaram a ler o que você escreveu. Mas o vestígio de sua orientação ficou nítido na primeira linha. Quem está firme na Tradição jamais repetiria a infeliz terminologia “forma extraordinária” para a Missa Verdadeira, a que foi inspirada por Deus desde imemoriáveis tempos.
    E a partir de uma crítica que a primeira vista poderia ser entendida por alguns dos leitores como algo voltado à tática dos jovens, pois a FORMA da reação (e não o JUSTO MOTIVO) não encontrou consenso entre os próprios católicos tradicionais, você deforma toda a situação de maneira traiçoeira, lançando na melhor maneira protestante uma passagem do profeta Jeremias, e alterando O CONTEÚDO do problema; pois então o pecado foi a reação dos católicos, e não o ato ecumênico.
    VADE RETRO SATANA.
    Esta é a mentira central de toda a carta, que por sinal transborda delas.
    A primeira de todas é a de insinuar um pseudo-pacifismo atribuido ao profeta Jeremias:
    disse você:
    “As palavras de Jeremias pedem para depor as armas, e eles empunham as armas do ódio contra o próximo”.

    Pois saibam todos: A PAZ FUNDADA NA INJUSTIÇA JAMAIS SERÁ VERDADEIRA PAZ.
    A Paz, segundo Santo Tomás de Aquino é a Tranquilidade da Ordem.
    E a Ordem é a correta disposição das coisas em seus devidos lugares.
    Pois bem: os judeus atuais não são sequer seguidores fidedignos do Antigo Testamento, pois adotaram o Talmud, assim como a Kaballah e outras supertições gnósticas, mas o muro intransponível que os separa dos católicos é a sua negação do Messias que É NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, Deus de Deus, Novo Adão, o Leão da Tribo de Judá, cujo Reino não terá fim.
    A própria existência do judaísmo constitui uma blasfêmia contínua, porque Deus estabeleceu ao seu povo o Messias como sendo seu próprio Filho, e os seus O rejeitaram.
    Portanto, o judaísmo não pode ser encarado como uma bobagem, mas como um meio onde infelizmente milhões de almas se precipitam ao Inferno, porque está escrito de maneira clara e absoluta no Evangelho: “Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.” (S. Marcos, XVI, 16).

    E Gerson prossegue com mais uma insensatez: “Poderão dizer que estavam cheios de zelo por Deus e pela Casa de Deus, mas Aquele que não poupou Seu próprio Filho por acaso iria poupar um Templo, que é menor que Seu Filho?!”
    Com a mesma lógica, disse Satanás a Jesus: “Se és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo(…).” (S. Mateus IV, 6).
    Para um ignorante, uma igreja, uma sinagoga, uma mesquita, um pagode chinês ou um terreiro de candomblé são apenas lugares de culto.
    Mas para um católico que conhece a sua Mãe, o que difere uma igreja de uma sinagoga é fundamentalmente a PRESENÇA REAL de Nosso Senhor Jesus Cristo totalmente presente em Corpo, Sangue, Alma e Divindade, sob as espécies de comida e bebida.
    O templo católico é como a manjedoura de Belém. No templo está a Virgem Santa Maria, São José, que velava por sua família assim como hoje vela pela Igreja, e sobretudo, Nosso Senhor Jesus Cristo.
    E naquele estábulo, como é de se esperar, haviam os animais também, cumprindo o previsto pelo profeta Isaías: “O boi conhecerá o seu dono, e o burro conhecerá o presépio de seu Senhor” (Is. 1, 3).
    Afinal de contas, o boi era o judeu acostumado a arrastar o arado da Lei, e o burro era o pagão que ignorava as coisas de Deus. Mas NA IGREJA ambos se irmanariam em Cristo, ou seja, sob sua doutrina, o que de maneira alguma constituiu a abominação portenha! Não foi para pedir o batismo que os judeus se deslocaram para lá, e muito menos para convertê-los que os liberais os convidaram, tudo isso diante de Nosso Senhor, sob as espécies de pão e de vinho…
    No estábulo os animais comem e deixam o esterco. Na Igreja os homens se alimentam do Evangelho, e sobretudo de Cristo Eucarístico, e deixam no confessionário a imundície do pecado. Então não venha você reduzir um templo consagrado para o culto católico, e onde se ministram os Sacramentos a um problema material!

    E você prossegue: “Dentro daquele templo estava acontecendo uma celebração religiosa por duas religiões de credos diferentes: judeus e católicos”.
    Credos antagônicos, entre judas e o Sinédrio de um lado, e algumas dezenas de pessoas inflamadas de zelo, pois deles não questiono a intenção, só não tenho certeza quanto aos modos.
    Por isso volto a repetir a afirmação acima: a paz fundada na injustiça jamais será verdadeira paz.
    O ecumenismo liberal é obra DIABÓLICA, SATÂNICA. O ecumenismo destruiu as missões católicas. O fundo doutrinário do ecumenismo é que fora de Jesus Cristo e da Igreja pode-se salvar. O ecumenismo é a doutrina que põe o homem como o Deus absoluto e as religiões – incluindo a Única Verdadeira – como suas servas. O ecumenismo, assim como tudo o que é inspirado pelo Diabo, têm em sua gênese um princípio de contradição que demonstra a sua mentira: ele prega o diálogo e a tolerância. Ora: em nome do diálogo e da tolerância os liberais e os judeus aquartelados na Igreja rebateram a intransigência de um grupo de crianças e adolescentes com as mesmas armas que dizem odiar: a falta de diálogo e a intolerância. O ecumênico arcebispo disse aos católicos que SAÍSSEM da catedral!!!!
    Em que mundo estamos! Os católicos outrora expulsos das Sinagogas são agora expulsos das igrejas… E os infiéis são convidados a celebrar sua infidelidade – com direito a colocarem até um menorah – um candelabro de 7 velas – no espaço sagrado!
    Pois então.
    Suspendamos qualquer juizo de valor sobre quem está certo ou errado apenas por alguns segundos, e foquemos no gesto. Se os tolerantes não toleram (sic) quem não seja tolerante (sic!!), então estão baseados em princípios falsos, pois de todas as tolerâncias, existe ao menos UMA intolerância.
    E o mesmo para o famoso diálogo. Agora os católicos expulsos podem dizer em bom som: não fomos tolerados pelos que se apresentam como tolerantes!
    Eis a contradição.
    Eis a mentira.
    Eis Satanás, pois é ele o Pai da Mentira.
    Pois estes católicos foram para Gerson, para os liberais e para os judeus sinais de contradição, pois involuntariamente demostraram que a tolerância religiosa e o diálogo são impraticáveis, visto serem instrumentos de Satanás para a danação dos homens.
    Benditos sejam os que fizeram cair a farsa destes homens. Assim foi a inteira vida de Nosso Senhor!
    Quando Ele foi apresentado no Templo, quarenta dias após o seu nascimento, o profeta Simeão disse a Nossa Senhora: “Eis que este menino está posto para ruína e ressurreição de muitos em Israel, e para ser ALVO DE CONTRADIÇÃO” (Luc. II, 34).

    ***

    Para os judeus não pedimos o desprezo e o ódio. E muito menos para os verdadeiros responsáveis desta celeuma: o clero liberal, pois foram eles – e não os judeus – quem fomentaram este escândalo, convidando-os para esta abominação. Se há maior pecado, em primeiro lugar são dos liberais que se autodenominam católicos, para a desgraça de muitos.
    Para os judeus desejamos a verdadeira Caridade.

    Mais uma farsa de Gerson: “Estava sendo celebrado ali exatamente o que ensinam as palavras de Jeremias no Intróito do último Domingo Depois de Pentecostes: a paz entre as religiões e entre os povos.
    A paz é fruto da Caridade, como escreve São Paulo Apóstolo”

    QUE CARIDADE É ESTA?
    Onde está a caridade em esconder dos judeus a VERDADE que fora da Igreja não há Salvação? Onde está a caridade em agir de maneira que os judeus permaneçam judeus, sabendo que se condenarão caso não creiam e não sejam batizados?
    Deus nos livre da caridade de quem prefere que nos danemos a nos dizer uma palavra desagradável. Não existe caridade nisso, existe cumplicidade no mal. Que Deus os repreenda nesta vida!
    Não há caridade, porque não há justiça, porque não há paz.
    Já que se utilizou o profeta Jeremias para se falar retoricamente em paz, a ponto de se inverter a situação e colocar não o ecumenismo liberal, mas a indignação dos católicos que se colocaram contra este absurdo, lembremos que o mesmo profeta Jeremias dizia dos maus sacerdotes de seu tempo, que causaram a guerra e a destruição de Jerusalém:

    “Eles curavam as chagas das filhas de meu povo com IGNOMÍNIA, dizendo: Paz, paz, quando não havia paz” (Jer. VI, 14).
    Assim como os sacerdotes de outrora tapeavam o povo com promessas de falsa paz, os de agora – em tudo piores que os antigos – fazem exatamente a mesma coisa, e dizem PAZ, quando não há paz. Dizem paz quando não há tranquilidade na ORDEM.
    Se havia verdadeira paz ao menos no corpo da igreja, então porque houve este levante em plena catedral? Onde está a paz?
    Não me lembro de ter visto missiva tão ardilosa em todos esses anos como leitor do Fratres. A ponto de se mencionar até um milagre eucarístico para demonstrar como a mentira do pacifismo deve ser engolida pelo povo-boi que não estuda doutrina e se deixa levar por balelas deste naipe.
    Gerson quis dar a entender que Cristo é um bonachão com possíveis doses de sadomasoquismo, pois quase estimularia sacrilégios com Misericórdia.
    Mas Gerson omite a razão de qualquer autêntico milagre: ao contrário do que muitos pensam, milagres não acontecem para demonstrar poder, dar audiência ou para se ocupar na falta do que fazer. Todos os verdadeiros milagres registrados têm como fruto principal não o prodígio em si, mas A CONVERSÃO DOS PECADORES.
    A mulher superticiosa depois de cometer sacrilégio, e diante do prodígio, CONVERTEU-SE. Assim como todos os milagres que Cristo operou em Sua vida pública atraíram as almas para o seguimento de sua doutrina.
    O único milagre no Sacrilégio de Buenos Aires foi o daquela Catedral não cair sob as cabeças daqueles malfeitores, isso sim!
    O Rosário da Santíssima Virgem é a arma de todo verdadeiro católico. E todo verdadeiro católico é militante. Cristo estabeleceu a Igreja MILITANTE, e não a falsa igreja pacifista.
    Cristo instituiu um sacramento, o Crisma – que nos torna seus soldados. Para os que compreendem que o crisma deve ser vivido na luta pela defesa da Fé que Cristo deixou a espada. E a espada que Ele nos deixou não é para fazer tricô. É para combater.
    Porque só o combate para estabelecer a verdade e a justiça IMPÕE a ordem, e só com a ordem e a justiça existe a paz. A paz é obra da justiça. Opus justitiae, pax . Justiça e paz se beijaram (Sl.LXXXIV, 11) por que uma não existe sem a outra. E a justiça só se estabelece, muitas vezes, com o uso da espada. A espada da verdade.

    “Agora, quem não tem uma espada, venda o manto e compre uma” (S.Lucas XXII, 36).

    E citando o próprio Jeremias, tão desgraçadamente distorcido neste post: “Maldito aquele que não ensangüentar a sua espada” (Jer. XLVIII, 10).

    Porque “Não há paz para os ímpios, diz o Senhor Deus” (Isaias, XXII, 57, 21).

    Que sirva de alarme a todos: não existe porto seguro neste mundo, nem ambiente que cedo ou tarde não seja alvo das legiões. Nisso exatamente consiste a doutrina liberal. Hoje firmes, amanhã não tanto, e sob viés conservador, depois de amanhã um liberal que se julga católico.
    Alguns estranham a “invasão” do fratres por tanta gente heterodoxa? Pois em tudo isso sou forçado a admitir: depois desta mensagem serpentina, reconheço que estão se aperfeiçoando…

    Libera nos Domine, que a Virgem Maria e São José nos protejam!

  62. “De quem não der testemunho de Mim também não darei testemunho diante do Pai”
    “Seja a Cruz a minha guia, não seja o dragão o meu guia”

  63. Caro Bruno Luiz Santana, já que você reza pra que Deus te livre dos que não querem te dizer palavras desagradáveis, atendendo ao teu pedido, então te diremos palavras desagradáveis.
    Teus comentários estão cheios de vitupérios e de deprecações, o que lembra o que disse Jesus no Evangelho do Último Domingo depois de Pentecostes, que com o Intróito que citamos acima, compõe a Divina Liturgia da Forma Extraordinária de Domingo passado, que com certeza os Tradicionalistas devem ter dado a máxima atenção possível, esforçando-se por não deixar escapar nenhuma palavra do que Deus tinha para dizer pra eles. No Evangelho desse último Domingo do Ano Litúrgico Jesus Cristo abordou uma das profecias de Daniel, exortando a quem lê para que entenda o que Ele tem pra nos dizer. Entre outras coisas Jesus disse: “Quando, pois, virdes a ABOMINAÇÃO DAS ABOMINAÇÕES, posta no lugar Santo…, etc. “.
    Que é ABOMINAÇÃO?
    Abominação é o máximo esforço para desprezar e rejeitar. Diríamos que é um esforço extraordinário para rejeitar alguma coisa, doutrina ou pessoa. Essa abominação é motivada, no caso, por erros, defeitos ou males que são encontrados nas coisas, nas doutrina ou nas pessoas que, por causa de tudo isso, sofrem a abominação. Jesus Cristo foi abominado pelos Judeus. Pois bem, esse mau que era no coração dos Fariseus da época, é também nos corações de hoje. Assim como os Fariseus abominaram Jesus Cristo, também hoje nós, muitas vezes, ou quase sempre, abominamos as outras pessoas. A Jesus Cristo abominaram sem motivo, mas aos nossos irmãos (hoje) abominamos com motivos. Jesus Cristo foi abominado sem motivo porque era e é imaculado, inocente; e nossos irmãos na fé e os outros que o são na existência são abominados e também abominam porque todos são pecadores ou culpados. Vivemos hoje uma tremenda crise de fé, essa crise de fé está instalada dentro da Igreja e é causa de muitos atos que causam indignação em certas pessoas que no fundo têm boa intenção. Mas ter boa intenção não significa que são boas todas as ações que fazemos. Muitas vezes somos obrigados a dizer com São Paulo: “Desejo fazer o bem, mas faço o mau que não quero”.
    Quando vemos os outros errando ou praticando iniquidades ou pecando, essas ações dos outros causam, naturalmente, em nós, a ABOMINAÇÃO, nos enche de abominação, e assim rejeitamos as pessoas que a nossos olhos estão fazendo o mau.
    Portanto, a ABOMINAÇÃO DAS ABOMINAÇÕES ou DAS DESOLAÇÕES, como queiram alguns, é o pecado contra a CARIDADE, é a apostasia ( ou rompimento das relações) do irmão. É a rejeição do Magistério Vivo da Igreja, só para dar um exemplo específico, se bem que a questão é bem ampla.
    Enfim, para nos livrar do espírito de ABOMINAÇÃO ou REJEIÇÃO, que nos faz falar, agir e pensar de forma deprecatória e com vitupérios, temos que aderir com alma e coração aos ensinamentos do Papa Francisco e do Papa Emérito Bento XVI, para que eles nos ajudem a tirar a trave que está em nosso olho, que é a lâmpada de nosso corpo, como disse Jesus no Evangelho.

    • Meu julgamento:

      Gerson-cover-analista de Sagradas Escrituras que pretende ser teologo-exegeta-angelical, por que não vai se unir definitivamente com seus irmãos deicidas ou com os protestantes de carteirinha?

      Vá ABOMINAR as pessoas com suas heresias do lado de lá!

    • Que contorcionismo essa sua definição de Abominação e de Apostasia! Eu, sinceramente não entendi nada.
      Mas quando vejo a crise litúrgica e os escândalos na Igreja, fico pensando como será que os modernistas e seguidores da Teologia da Libertação interpretam a profecia bíblica da “Abominação da Desolação posta no lugar santo”, já que eles acham que tá tudo bom. Não sei como eles interpretam mas deve ser meio parecido com o que voce falou.
      Gerson: pense bem. Não precisa tanto esforço pra ver quem tem razão. É muito claro. Desarme-se dessas explicações complicadas e vc vai ver. Arme-se com a simplicidade da fé e lutará melhor.

  64. A Fé (na Sã Doutrina) antes da obediência, pois “não podemos obedecer mais aos homens do que a Deus”, logo, um papa deve ser obedecido se, antes, obedece a Deus, pois um papa é para a Doutrina e não a Doutrina para o papa. Magistério Vivo é pelo uso do próprio termo e pela interpretação dada como “presente” ou “atual”, em si mesmo, contrário ao Magistério Infalível, porque, se Deus é o único infalível e quem dita o Magistério, logo, como Deus é infinito também infinito é Seu Magistério, ou seja, tão revelador quanto o Evangelho ou Sua Palavra que não passará, mesmo tendo passados céus e terra. “Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre” e “se outro apóstolo ou até um anjo vos derem doutrina diferente desta que vos dei, seja anátema”, ensinou São Paulo, mas os liberais, contrários ao seguimento integral, insistem em armar armadilhas com frações da Revelação. Não mudamos e não mudaremos porque Deus não muda!

  65. Infelizmente no tablet não é possível redigir bem os textos. Segue abaixo o link das fotos da Basílica do Imaculado Coração de Maria, em estilo mourisco: https://pt.foursquare.com/v/bas%C3%ADlica-imaculado-cora%C3%A7%C3%A3o-de-maria/4c952e7a94a0236a00e49312

  66. Naturalmente todos entenderam que estou atacando idéias e doutrinas falsas, e não é porque fulano é bonito ou feio, alto ou magro, idoso ou jovem, mas por sua má doutrina. Talvez você não entenda bem o que significa Caridade, meu caro. A Caridade antes de tudo só existe com a FÉ.

    “Sem fé é impossível agradar a Deus” (Heb. XI,6).

    “Tudo aquilo que não procede da Fé, é pecado” (Rom. XIV, 23).

    Quer ver uma obra de Caridade vinda de São Paulo, o Apóstolo? Eis o conselho que o mesmo deu a Tito, visando o bem dos cristãos que andavam em erro:
    “Repreende-os duramente a fim de que sejam sãos na Fé” (Tito I, 13).

    Vou trocar em miúdos: se o OBJETIVO de qualquer gesto ecumênico não for o de incutir nos heterodoxos a FÉ, ou seja, a conversão à Igreja Católica Apostólica Romana, fora da qual não há salvação, segundo reza a Bula Unam Sanctam do Senhor Papa Bonifácio VIII e o IV Concílio Lateranense de 1215, então tudo fora deste objetivo é PECADO.

    Não buscar nestes encontros a conversão dos judeus é pecado. E não aceitamos esta terminologia modernista de Magistério Vivo. O magistério, o ensinamento da Igreja existe ou não existe, palavra de Deus não morre, Deus não muda, o que era bom no passado é bom agora e será bom no futuro. Pio XI – em consonância com o magistério constante da Igreja, já definiu que é terminantemente proibido qualquer tipo de ecumenismo entre católicos e não católicos. E quanto ao magistério dos papas atuais, mostre-me qual o ensino constante que os mesmos transmitiram, e que faça eco com o que sempre foi ensinado, porque ao menos o atual papa, até agora só manifestou opiniões infelizes, estamos ansiosamente atentos para vê-lo confirmar a verdade constante da Igreja, mas infelizmente até agora só ouvimos Bergoglio, e não Francisco…

  67. O Evangelho e as Epístolas não podem ser citadas de forma fracionada, como bem lembrou Leonardo. Antes de tudo é preciso lembrar que Fé e Obediência se identificam e são indissolúveis. Aliás, temos Fé, Obediência e Caridade, que identificam-se de tal forma que uma sem a outra desvirtua e descaracteriza todo o resto.
    Por um lado está escrito que “sem fé é impossível agradar a Deus”, mas por outro lado também está escrito “Quem Me ama, guarda os meus Mandamentos”.
    Também está escrito “Quem vos ouve, a Mim ouve; quem vos rejeita (abomina) a Mim rejeita (abomina).”
    Se “tudo aquilo que não procede da fé é pecado”, então a desobediência ao Papa Francisco, que não procede da Fé que devemos ter nele é …..
    Mas por outro lado no relato do Juízo Final aparece Jesus salvando os pagãos, que não tinham, fé, mas que sem saber deram de comer, beber e vestir a Jesus presente nos mais pequeninos.
    Por um lado aparece São Paulo dizendo “Repreende-os duramente a fim de que sejam sãos na fé”, mas de um outro lado aparece o mesmo Apóstolo escrevendo para pregar insistentemente o Evangelho “com toda a paciência e doutrina”.
    Portanto: repreender duramente e repreender com toda a paciência e doutrina, como conciliar as palavras do mesmo Apóstolo e inspiradas pelo mesmo Deus?
    Voltamos às palavras de Jeremias do Intróito citado:
    INTROITUS (Jer. XXVI, 11, 12 et 14 – Ps. LXXXIV, 2)
    “Assim diz o Senhor: Meus pensamentos são de paz e não de aflição. Clamais por mim e eu vos ouvirei. Reconduzir-vos-ei de vosso cativeiro, de todos os lugares. Ps. Abençoastes, Senhor, a vossa terra; livrastes Jacó do cativeiro.”
    Então teremos que dar para os termos “repreender duramente” o sentido de “esclarecer com o máximo esforço ou entusiasmo”, ou coisa parecida, só assim, nessa perspectiva haverá conciliação com o repreender “com toda a paciência e doutrina”. Porque senão colocaremos Paulo X Paulo, Deus X Deus, o que é um absurdo.
    Como exemplo de Pessoas que repreendem com toda a paciência e doutrina cito o Papa Emérito Bento XVI e o atual Sumo Pontífice nosso o Papa Francisco.
    Poderão conferir o que dizemos aqui lendo a Exortação “Evangelii Gaudium” , onde ele, o Papa Francisco, com toda a paciência e doutrina, repreende duramente, ou melhor dizendo, esclarece admiravelmente, sobre o perigo da “nova idolatria”, o “culto ao dinheiro”.

    • Minha Nossa Senhora!

      Você distorce tudo, Gerson… Porque a repreensão dura deve se sujeitar a com paciência? Ora, nem é questão de esforços de interpretação, mas de pura observância. É óbvio que para converter alguém se deve usar de toda a paciência e DOUTRINA, como Bento XVI, que conseguiu me converter com seus escritos simples, mansos e doutrinadores; não só de Bento XVI mas escritos de Pio XII e de santos. Também é evidente que a repreensão dura é para quem foi catequizado e desobedece deliberadamente à doutrina.

      Agora você repete palavras de Nosso Senhor como: “Quem Me ama, guarda os meus Mandamentos” e “Quem vos (os apóstolos) ouve, a Mim ouve; quem vos rejeita (abomina) a Mim rejeita (abomina)”. Gerson, você e o papa Francisco, que você defende tanto mesmo estando fora do discutido neste post, obedecem aos mandamentos e ouvem o que os apóstolos e os seus sucessores por aproximadamente 1933 anos pregaram, ou os rejeitam e só seguem os mandamentos modernos e os que se dizem também no protestantismo e até no budismo e noutras religiões?

      Poderá conferir o que dizemos contra o modernismo e suas perniciosíssimas consequências lendo a Encíclica “Pascendi Dominici Gregis”, onde o Papa São Pio X, com toda paciência e doutrina, repreende duramente, ou melhor, esclarece admiravelmente, sobre o perigo do modernismo, síntese de todas as heresias, idolatrias e culto ao que é do maligno no mundo.

  68. Gerson, isso que você disse é pura heresia do relativismo. Ao cristão não importa o que é abominável aos olhos dos gentios, importa somente o que é abominável aos olhos e à verdade de Deus! Devemos temer causar abominação a Deus. Ai de nós se causarmos ofensas a Deus!

    Você acaba abominando o que motivou a ação justa dos jovens argentinos, sem, ao que parece levando em conta que você é cristão, se dar conta que Deus abomina na verdade o que acontecia na catedral e motivou a ação dos jovens. Perceba: você mesmo diz que os judeus abominam Jesus, então que fazem judeus numa catedral católica e que faz você ficando do lado de quem abomina Jesus? você está sendo cristão agindo assim?

    Afinal, Gerson, o que você abomina, os judeus, Jesus, os católicos? Os judeus não estavam na catedral para louvar Jesus Cristo, pois eles O abominam, querem permanecer seguindo algumas leis mosaicas que lhes convém e outras do mundo que também são úteis a eles e não irão se converter.

    Não seja idiota porque ninguém com um mínimo de formação cristã vai cair nessa história de que os judeus são vítimas dos tradicionais: se você é cristão não ficará indignado com gestos justos de cristãos contra os infiéis, mas com afrontas que ofendem a Deus, aos santos mártires que deram a vida pela Igreja e aos que, movidos por zelo, defendem a Madre Igreja dos ataques à fé.

  69. Depois da “pobrelogia” ou “pauperlogia”, conforme Clodovis Boff e Francisco, agora, a “respeitologia” ou teologia dos direitos humanos de Gerson e da ONU. Está cansando… Temos de entender uma coisa: não é só nossa salvação, antes, a honra e a glória de Deus, mas exatamente nisto está a viabilidade de nossa vida e de todo nosso esforço. Deus é a própria simplicidade, portanto, é a mais pura humildade e, por isso, respeita a prova que conseguiu manter aos homens, precisamente, para que possamos participar de Sua glória. Agora, os caras vêm e perdem na prova e ainda querem detonar o sentido da prova e desconhecendo que Deus não invade porque é humilde e não quer estragar tudo para nós. Sempre que Jesus ofereceu a Cruz aos santos, ofereceu como opção a uma coroa de glória, a eles, que já tinham enormes méritos. Portanto, a Cruz é um tesouro um tanto escondido e é com ela que se supera o sofrimento ou, ao menos, o medo e a angústia diante do sofrimento, já que Cristo já proporciona o gosto da vitória de quem segue para a Cruz com Ele. Mudar tanta Sabedoria que já é difícil de garimpar por coisas de medida humana e tão efêmeras como nossa vida na terra? Tenha dó… Me poupe! A abominação é a contra a Fé, Gerson! Não tem nada a ver com o homem ou com o respeito ao homem! “O que é o homem, para que nele penseis?” “É erva cambiante, de manhã, viçosa e verdejante, de tarde, fenece e fica seca”! Não caia na conversa de comunistas e humanistas, Gerson! Pelo amor de Deus! Os hereges conseguem colocar qualquer coisa no lugar de Deus, até a Barbie!

  70. Gerson, vou finalizar na paz, filho. Agradeço a atenção e a paciência de todos. Você levanta a tese do irrestrito respeito humano, faça o homem o que fizer diante de Deus. Mas, se o respeito ao homem está dentro do respeito a Deus, quando não se respeita a Deus, não se respeita ao homem. E mais, impossibilita-se Deus ao homem! Se você aprendeu tal coisa na “loja”, diga na “loja” que uma coisa está dentro da outra ou a menor (ao homem) na maior (a Deus) e se disserem a você que Jesus não era Deus, responda que se Deus não interveio pessoalmente na história nunca poderá ser o Amor e muito menos interessado num homem entregue pelo pecado a um inimigo muito mais poderoso! Deus é tão mais inteligente que, na mais perfeita pacificação e consolação, soube exigir do homem na sua hora a sua opção definitiva, como está escrito: “O Senhor sabe salvar”, “temei mais ao que pode salvar ou perder”, “aproveita, pois, o momento que Deus reservou para sua salvação”!

  71. Caros José Carneiro, Tereza e Leonardo, a “ABOMINAÇÃO DA DESOLAÇÃO POSTA NO LUGAR SANTO”, bem como todas as outras passagens da Escritura Bíblica e eclesiástica devem ser entendidas a partir do seguinte princípio: o AMOR, que apóia-se na definição que São João, inspirado por Deus, dá sobre Deus, em sua primeira Epístola, dizendo:”DEUS CARITAS EST”, ou seja: “DEUS É AMOR”.
    Deus é Essencialmente, Substancialmente, AMOR. Em Deus não existe, de per si, nem pode existir, a ABOMINAÇÃO. Assim como é impossível existir PECADO em DEUS, do mesmo modo é impossível existir ABOMINAÇÃO em DEUS, que é o mesmo que pecado. DEUS não sente nem pode sentir ou ter ABOMINAÇÃO, quanto a isso a Sagrada Escritura nunca afirma isso, pois sempre diz que isso ou aquilo é “ABOMINÁVEL DIANTE DE DEUS”, “AOS OLHOS DE DEUS”. A Escritura é clara: “diante de Deus”, não EM Deus, porque EM DEUS é impossível existir o pecado da abominação, pois ELE É AMOR: “DEUS CARITAS EST!”
    Assim como o pecado que não existe em Deus só pode existir em nós, também a abominação que não pode existir em Deus só pode existir em nós.
    Somos nós que pecamos e somos nós que abominamos, que temos ou sentimos abominação.
    Como disse a Tereza que essa citação lembra a ela a crise e os escândalos litúrgicos, diria que essa crise e escândalos seriam apenas um dos motivos causadores do sentimento de ABOMINAÇÃO (rejeição) no coração dos tradicionalistas.
    Creio que devemos superar essas abominações e não cair na apostasia do irmão por causa delas, ou seja, Deus não quer que abandonemos ou que rejeitemos o Papa Francisco por causa disso, pois ELE mesmo as supera com Seu imenso ou infinito AMOR, pois é absolutamente impossível que DEUS cesse de AMAR por qualquer pecado ou abominação que possa ser cometida pelas pessoas.
    DEUS, com Seu AMOR e com Seu PERDÃO supera tudo isso e muito mais.
    Essa crise e todos os pecados abomináveis só deixarão de existir em nós e no mundo inteiro, assim como não existe em Deus, se pelo Magistério de Bergoglio nós nos deixarmos converter pelo AMOR de DEUS, se formos e apresentarmos a FACE BOA de DEUS.
    Deus nunca deixa, aliás, é impossível a ELE deixar de AMAR, mesmo quando estamos pecando. E é nisso que o Papa Bergoglio quer que nos deixemos transformar: iguais a Deus no Amor.
    Portanto, se devemos deixar que Deus nos faça iguais a ELE no AMOR pelo próximo, então devemos amar nossos irmãos até mesmo quando eles são abomináveis diante de nós, pois só o AMOR transforma e glorifica a Deus.
    Quando rompemos com o Novo Testamento, então colocamos a “abominação da desolação no lugar santo”.
    O “lugar Santo”, ou o “Sancta Sanctorum”, é o Sacratíssimo Coração de Jesus Cristo, como muito bem foi interpretado por Santa Gertrudes em sua Revelações.
    Portanto, concluir que Jesus, que é Deus de Amor, tem abominação por alguém, por pior que seja, é colocar no lugar santo, no Divino Coração, o pecado do ódio contra o irmão, coisa que em Jesus é absolutamente impossível.
    Portanto, não precisamos romper com a Igreja, com o Papa, para agradar a Deus, mas precisamos sim nos converter, como pede o Papa, no Coração de Jesus para que Ele possa, através de nosso amor, tirar os pecados do mundo.
    “Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós!”
    “Jesus, manso e humilde de Coração, fazei nosso coração semelhante ao Vosso!”
    Portanto, o que Bergoglio pede, nos ensina, nos propõe, está também nossas Ladainhas, ou será que nossas ladainhas são só pra bonito???!!!

  72. Eu também jogo a toalha, quando Gerson responde, parece que fala grego, acho que nem ele mesmo entende a própria argumentação…

    • Meu caro Bruno, ele tá em transe e no mínimo falando o chará lá lá….É o tipo que faz leitura das Sagradas Escrituras e tem seus momentos de “inspiração”. Pra quê perder tempo? Deixe que seu diretor espiritual o faça. Esperemos e rezemos que ele o ajude verdadeiramente.

  73. Gerson, você tem razão quando diz que Deus é amor. Se você olhar para as coisas que sabemos que existem que são boas, poderá ver que elas só existem por amor de Deus que as nos deu gratuitamente, verá que o sol nasce para ímpios, pecadores e justos porque Deus não faz acepção de pessoas e isto é o amor de Deus, que nos dá quantas chances precisemos para nos salvar como os justos. É o que Jesus mais ensinou ao pregar sua doutrina.

    Atenção porque tudo que está escrito neste comentário não sou eu quem digo, mas um resumo da doutrina!

    Mas se alguma coisa se tornou ruim, causa de perdição e ruína física(um acidente, uma fatalidade) e espiritual(desespero que faz blasfemar) para certa pessoa, como pode Deus permitir tal desgraça? A resposta é simples: Deus não permite que nada de mau aconteça, porque Deus criou tudo bom e estas coisas más acontecem por culpa nossa, dos pecados cometidos, seja por nós seja por nossos pais, avós, bisavós, até Adão e Eva. O pecado gera consequências em todos os âmbitos que se possa conhecer, é mau, é contrário a toda a harmonia e inteligência da criação de Deus, macula o que Deus criou bom, perverte a ordem, desequilibra todas as coisas que foram feitas primariamente para serem boas e perfeitas como Deus que as criou.

    Essas consequências, tanto para nós como para os nossos próximos e ainda para os distantes, no mundo, duram enquanto o mundo existir. Porém o mundo não é eterno e um dia terá seu fim. Nós, todavia, feitos à imagem e semelhança de Deus, mesmo que tenhamos perdido tais dádivas quando pecamos, temos uma alma imortal, que contém tudo quanto nós somos, e os problemas que o mundo adquiriu pelo pecado do homem serão contados e os culpados, punidos – não por Deus propriamente mas pela consequência de se ter afastado de Deus. Eis o que você, Gerson, esqueceu de lembrar ou de dizer: o inferno, para onde os que se opuseram à ordem das coisas de Deus padecem eternamente.

    Deus não criou nada de mau, tudo foi feito bom, já diz o relato do Gênesis: e Deus viu que tudo que criou é bom. Logo o inferno não é criação de Deus, mas consequência terrível que o homem consegue por si.

    Atenção, Gerson, sua concepção do amor de Deus é melosa, é preguiçosa, é humana, é limitada e fraca. É uma blasfêmia, (portanto tenha cuidado!) porque o que você diz é que Deus, por “amor” se rendeu à fraqueza e imperfeição humanas, a ponto de desconsiderar a inteligência e justiça divinas, o que é uma ignorância monumental de sua parte, Gerson, para eu não dizer que trata-se de uma enorme e perversa mentira, que distorce algo tão sublime como o amor verdadeiro de Deus, que você quer passar a seu interlocutor.

    Deus não se mede com critérios humanos limitados. A definição de amor que você deu é humana e equivocada, passiva, permissiva, rendida e injusta, o que obviamente a definição de Deus, que ninguém pode descrever, não é. Nem o amor humano você descreve dizendo o que disse, porque o amor que podemos sentir é presente de Deus, vem da imagem de Deus à qual fomos criados. Quem ama, faz de tudo para tirar seu amor de prisões e de erros, é o que Deus faz mandando seu único Filho Jesus Cristo para nos salvar, nos libertar dos pecados.

    Se um pai vê seu filho mergulhado no mundo das drogas, por exemplo, num mundo de ilusão em efeitos psicológicos e físicos, se vê seu filho preso nesse mundo, por amor não vai permitir que isto continue acontecendo, não vai dizer “continue usando drogas – e diz por fraqueza e rendido diante da situação — porque eu te amo e as drogas não vão mudar meu sentimento, elas fazem bem se eu não pensar que farão mal, porque o mal está de acordo com a visão que temos dele, então drogas são boas se eu não pensar que são más”. Se Deus não se ofendesse perante as maldades de suas criaturas e começasse a fazer o que você, Gerson, disse que por amor Ele faz, passar a mão na cabeça dos errados e permitir que eles continuem errando, Deus não seria Deus, Onipotente e Onisciente, mas sim um boboca fraco que não tem poder sobre o que criou. Tem ideia da heresia e impiedade que é pensar assim?

    Temos liberdade junto à razão para nos diferenciarmos dos animais e das coisas inertes. Esta é a dignidade do homem, ser livremente perfeito, amar verdadeiramente e gratuitamente a Deus, nosso criador e dador de tamanho gozo que é existir e se deleitar com as coisas que Deus criou para nós. Quando Deus criou tudo, Ele criou já com uma razão para sermos e existirmos, nossa alforria daquilo que nos aprisiona no mundo, daquilo que nega nossa dignidade e liberdade e santidade, daquilo que faz-nos parecer animais ou inertes à ação má do demônio, Jesus Cristo, Verbo divino, Deus que revela-Se a Si mesmo para nos salvar das prisões do mundo, para que, quando o mundo perecer, nós não pereçamos para Deus junto com ele.

    Esta é a misericórdia de Deus: Jesus Cristo, que revelando a razão pela qual Deus criou todas as coisas, na observância da sua doutrina, salva os que se condenariam para sempre no inferno. A misericórdia de Deus é coerente com seu amor e com sua justiça. Deus é sumamente Bom e nunca é mau, e a injustiça é má, portanto Deus é sempre Justo e para fazer valer seu amor por tudo que criou, especialmente pelos homens, pelo que quando um homem peca e fica no pecado, este já não é um homem mas um animal que não segue aquilo que lhe é lícito mas aquilo que a concupiscência lhe dita.

    Quando Jesus usava publicamente sua misericórdia, dizia aos pecadores: Vá e não peques mais. A Igreja é continuadora desta misericórdia divina, é de fato esta misericórdia sendo Cristo a Cabeça de seus membros. Por isso, se a Igreja é Igreja, quando encontra o pecado, diz em alta voz para que se fuja dele, e se cair nele, que recorra imediatamente à reconciliação e que não peque mais. Portanto a Igreja jamais pode ter a concupiscência dos homens como medida do que é certo, isto quem tem é o mundo do maligno. O exemplo de saber o que é certo é Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, doutra sorte, se formos medir o certo pela concupiscência de cada um, não seríamos homens, mas animais aprisionados no mundo, e Deus diria-nos: apartais-vos de Mim, pois não vos conheço.

  74. Talvez meu último comentário não tenha ficado harmonioso. Resumo do que quis dizer ao Gerson:

    Deus nos criou por um motivo, para sermos felizes, para que buscássemos a felicidade que só em Deus se encontra em plenitude. Depois de cairmos no pecado e perdermos a imagem e semelhança com Deus que fomos, nós homens pecadores ainda fomos agraciados com a piedade divina em Jesus Cristo, Verbo de Deus, que nos mostrou sua doutrina de verdades que devemos seguir para que consigamos encontrar a salvação que Deus oferece. Por amor Deus revelou-Se a Si mesmo para que não permanecêssemos no pecado e para que déssemos conta da dignidade de ser um filho adotivo de Deus por Jesus Cristo.

    Por isso é ilusão e heresia, uma perversidade pensar que Deus não se ofende com os pecados, pensar que Deus não se importa com o que é abominável. Deus criou-nos livres mas nossa liberdade está justamente na observância dos Mandamentos inscritos pelo dedo do próprio Deus na nossa consciência e nas tábuas da Lei divina, não nas coisas do mundo do maligno tentador.

    O amor de Deus se expressa em plenitude na justiça d’Ele mesmo, porque Deus é misericordioso com todos os que buscam o perdão compromissados em não mais pecar e em não mais ofendê-Lo. Mas quem não procura Deus com o coração contrito, não é digno de Deus, não quer ser digno de Deus, não faz por onde ser digno de Deus, mas do maligno. Portanto não confunda o amor e misericórdia de Deus com rendição e fraqueza em não vencer o mal. Quem não crer que Deus é bom e revelou sua verdade em Jesus Cristo e estabeleceu uma Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica (de Tradição perene) que ministra os sacramentos de redenção, não será salvo mas será jogado fora, no fogo, no inferno.

    Existe a cizânia, e Jesus diz para que se a deixe crescer junto do trigo, porque no dia certo virá o segador e a ceifará e a separará para a fornalha, por isso é melhor eu encerrar a discussão.

  75. Apenas uma retificação: no meu post disse “meu amigo,..” na resposta ao OBREIRO GERSON quis dizer “meus amigos:” para me referir a todos que estavam aqui comentando de boa fé.

  76. O que deve fazer o pastor com a ovelha desgarrada? Esquecê-la? Rejeitá-la? Ou agir na esperança da volta até fazendo uma busca? Se o sistema judaico pode ter sido prejudicial o mesmo não se pode falar do indivíduo judeu. Não podemos esquecer que os primeiros cristãos eram judeus. Portanto, não nos cabe entrar nessa seara antiquíssima de críticas aos judeus que culminou com um dos maiores absurdos da história (que sequer tinha uma origem cristã). Quanto mais viramos as costas para os judeus (enquanto indivíduos) mais demorada a conversão. Aliás, é interessante cogitar o que aconteceu com eles que abraçaram o cristianismo e depois dele se afastaram. Perversos não teriam lançado naqueles tempos sementes da discórdia que fizeram as ovelhas se afastarem do redil? Católicos. Não nos lancemos nesse terreno de areia movediça. Para esse tipo de divergência há de se acautelar. Percebam que tal tema teve neste tópico o condão de esquentar os corações a ponto de haver uma acalorada discórdia. Bem disse aquele que sublinhou que se poderia fazer uma manifestação após a cerimônia. Mas durante a cerimônia a manifestação foi imprudente. Certos assuntos começam com uma explicação até lógica mas aos poucos convergem para o erro resultando em entendimento que dificulta posteriormente uma justificativa. E a causa fica comprometida.

Trackbacks