Por que a Missa Tradicional?

Um check-list de 12 itens

Por Padre Michael Rodriguez * | Tradução: T.M. Freixinho, Fratres in Unum.com – (1) A venerável e imemorial Missa Romana, incluindo seus ricos detalhes rituais, é teocêntrica – centrada e direcionada a Deus Todo-Poderoso. Ela dá glória constante ao Deus Trino: um sacrifício de adoração, ação de graças, propiciação e impetração, direcionado a Deus, tanto teológica quanto ritualmente.

(2) A venerável Missa Romana (Missa Tradicional) é a “Missa de Sempre”; é a Missa que sempre foi oferecida pela Igreja una, santa e católica. Assim, ela é a verdadeira e autêntica Missa Católica. Ela é a Missa que foi transmitida pela tradição de Roma, a cidade consagrada pelo sangue de dois príncipes, os santos apóstolos São Pedro e São Paulo. Ela é a obra prima de dois mil anos da Tradição, vida e culto católicos.

A única missa celebrada por Pe. Pio.

A única missa celebrada por Pe. Pio.

(3) Através da Missa Tradicional podemos ser supremamente fiéis a nossa religião católica, isto é, fiéis (exatamente à mesma) lei da fé (lex credendi) e (exatamente à mesma) lei da oração (lex orandi) que foram professadas por todos os nossos ancestrais na Fé, remontando aos próprios Apóstolos.

(4) A venerável Missa Romana, incluindo seus ricos detalhes, professa, manifesta e honra o inefável Mistério que acontece: Jesus Cristo, o único Sumo Sacerdote, oferece a Sua vida, através do ministério de Seus sacerdotes, de maneira incruenta. Nosso Redentor volta a morrer por nós de maneira mística.

(5) A venerável Missa Romana, incluindo seus ricos detalhes rituais, professa, manifesta, reverencia e adora o inefável Mistério que acontece: o Corpo e Sangue de Jesus Cristo, junto com a Sua alma e Divindade, se tornam realmente presentes através do Milagre da Transubstanciação no momento da Consagração.

(6) É Dogma da Fé Católica que o culto de Adoração (latria) deve ser dado a Cristo presente na Eucaristia. A venerável Missa Romana, incluindo seus ricos detalhes rituais, realiza esse culto de maneira perfeita.

(7) A venerável Missa Romana realça o fato de que a Santa Missa é o próprio sacrifício de Cristo, santo, perfeito e completo em cada aspecto, através do qual cada fiel honra a Deus de maneira nobre, confessando ao mesmo tempo o seu próprio nada e o supremo domínio que Deus tem sobre ele.

(8) A venerável Missa Romana é imutável. Ela se caracteriza por uma santa permanência e estabilidade. Ela é extremamente importante, porque reflete a lex credendi (a Fé), que não muda. Deus é imutável, as santas verdades da Fé Católica são imutáveis, a Sagrada Escritura é imutável. . . A Santa Missa é imutável.

(9) A Missa Romana clássica é universal. Ela nos une não somente a todos os católicos do mundo (espaço), mas também a todos os nossos ancestrais católicos ao longo dos séculos (tempo), especialmente, às multidões de santos, cujas almas foram nutridas e fortalecidas pela mesma Liturgia celeste.

(10) O nosso Rito Antigo expressa a Fé Católica Romana de maneira clara e completa, com beleza sublime e nobre precisão, como, por exemplo, os mistérios da Santíssima Trindade e da Encarnação, a santidade e grandeza de Deus Todo-Poderoso, o mistério da graça e a realidade do pecado, a veneração da Santíssima Virgem Maria, os anjos e os santos, a Missa como o Sacrifício de Cristo oferecido ao Pai Eterno para a nossa salvação, o sacerdócio como uma perpetuação do próprio Sacerdócio de Cristo, a natureza hierárquica da Igreja, morte, juízo, céu e inferno.

(11) A venerável Missa Romana professa, manifesta e exalta os seguintes efeitos do Santo Sacrifício da Missa: a Santíssima Trindade é adorada, honrada e glorificada, Jesus Cristo renova [misticamente] a Sua Morte na Cruz, Jesus Cristo intercede pela Igreja, a Virgem Maria e os santos são honrados, a Igreja é auxiliada na batalha contra o demônio e em seu esforço para alcançar o céu, as santas almas são libertadas do purgatório.

(12) As orações da Missa Tradicional expressam, transmitem e exaltam a doutrina católica, como, por exemplo, o ensinamento católico sobre o inferno, o juízo divino, a ira de Deus, a punição pelo pecado, a maldade do pecado como o mal maior, o desapego do mundo, o purgatório, as almas dos falecidos, o reinado de Cristo na terra, a Igreja Militante, o triunfo da Fé Católica, os males da heresia, cisma e erro, a conversão de não católicos, os méritos dos santos e os milagres.

Padre Michael Rodriguez é sacerdote da diocese de El Paso, Estados Unidos. Nosso blog já teve a honra de entrevistá-lo por duas vezes [aqui e aqui], além de publicar diversos artigos de sua autoria.

37 Comentários to “Por que a Missa Tradicional?”

  1. Tenho dó dos Católicos que n tem a Missa!

    • Mais dó eu tenho daqueles que pensam que tem a Missa.

    • Prezada Ana Maria,

      Não precisa ter pena.
      Basta que, nas Missas que assistir,
      no momento da Elevação,
      peça a Deus que ela seja celebrada em
      Cuiabá-MT e, o quanto antes,
      em todo o mundo.

      É o que sempre faço.

      Não vai esquecer…!

    • Pozé Ana, e o quê exatamente podemos fazer além de rezar? Em minha diocese pedi uma única vez a sua Eminência Reverendíssima Dom Antonio Carlos Rossi Keller (por sinal, ótimo bispo – fervoroso, piedoso, caridoso) que celebrasse a Tridentina. Sua reação foi a pior possível, afirmando veementemente que não a celebraria. Então, nos resta a ordinária, e esperar, confiantemente que Nosso Senhor restaure a Sua Igreja plenamente.

    • Duarte, já faço isso que vc me disse faz tempo! Tenho muitos amigos sem a Missa e já estive nessa situação, abraço

      *********************************
      Fernando:
      Pozé Ana, e o quê exatamente podemos fazer além de rezar?
      Se organizar! Coisa que, confesso, perdi a esperança que nosso faça!!

  2. É triste a situação dos Católicos que ainda nem sabem desse Rito. Que não conhecem esse tesouro. E que nem saberão se irão conhecê-lo.

  3. Eu não tenho missa porque é missa protestante e não comungo porque na consagração diz palavras que não estão no missal e o missal que usa está mal traduzido, ex.: multis = muitos e no missal diz “todos” ainda pior ele acrescenta: por todos e por todo o mundo.
    Ainda hoje me disse que a igreja católica não é celebrar a missa mas sim ajudar a comunidade no conviver com ela. Defacto ele o faz. Jantares, jogar cartas, mais envolvido nos jantares do que na igreja. Vasos Sagrados e Missal ficam no altar toda a semana na página da oração final.
    Espero poder assistir à Sancta Missa antes de morrer. Quero ver e poder ter aquele abraço eterno que Jesus nos dà da Santa Cruz quando o celebrante eleva o Corpo e o Sangue do Senhor. Que bom poder morrer com Jesus para o mundo e estarmos com Ele presente no meio de nós.
    Obrigado Fr. Michael Rodriguez.
    Chega-nos a informação, via o Rorate Caeli, que o bispo emérito do Funchal, Mons. Teodoro de Faria, irá celebrar uma Missa Pontifical na Forma Extraordinária, em honra do Beato Carlos da Áustria em Washington D.C.

  4. Foi em outubro passado, desculpem.

  5. Alguém ajuda um ignorante aqui por favor?
    Li no livro de Luigi Peroni, “Os meus encontros com Padre Pio”, que “desde o fim de 1966, Padre Pio celebra sentado e voltado para o povo”. Peroni náo foi um qualquer, mas um dos principais biógrafos e a principal testemunha a depor no processo de canonização de Padre Pio, depois de ter sido filho espiritual do Padre por 22 anos.
    Não entendi a questáo do “voltado para o povo”, pois ele mesmo tinha pedido permissão ao Papa Paulo VI para nunca celebrar a missa nova. Acho que vou fazer uma pergunta imbecil, mas lá vai: É possível celebrar a missa tridentina voltado para o povo? Se não, o Padre Pio celebrou a missa nova?

    • Rodrigo, o Novus Ordo Missae foi imposto à Igreja em novembro de 1969; até esta data, havia a Missa Tridentina com algumas adaptações, uma delas a celebração “versus populum”; mas ainda assim era o Missal de 1962.

  6. Um excelente texto do então Padre Rifan a respeito da Missa Tridentina:

    http://ipsa-conteret.blogspot.com.br/2012/01/missa-nova-ou-missa-tradicional.html

  7. As 62 razões para não assistir à Missa Nova

    http://www.fsspx.com.br/as-62-razoes-para-nao-assistir-a-missa-nova/

    Baseado nas sessenta razões expostas por 25 padres diocesanos da diocese de Campos, Brasil.

  8. Afinal, por que digo SIM à Missa Tradicional e por que digo NÃO á Missa Nova:

    angueth.blogspot.com/2013/08/afinal-por-que-digo-nao-missa-de-paulo.html‎

  9. Missa tradicional. Incomparável e sempre eterna. Faça-me o bom Deus vê-la no céu sem o véu, tal qual o é entre os anjos e santos que nos precedem.

  10. FERRETTI,

    Acrescentando o que o Rodrigo disse: Haveria algum problema de ordem teológica se Missa de Sempre fosse celebrada no vernáculo? Pergunto porque a Missa de Sempre não dá espaço para baderna.

  11. O Padre Paulo Ricardo reconheceu que a missa nova, com a ambiguidade de suas palavras, pode ser rezada de maneira católica ou protestante, dependendo da intenção e interpretação que se dá as palavras da nova liturgia. Ainda sim ele defende que a missa nova rezada segundo a hermenêutica da continuidade do Papa Bento XVI é plenamente válida. Pessoalmente eu preferiria ir a missa tridentina aos domingos. Mas como não posso na região onde vivo, não deixa de ser um consolo também o esclarecedor ensinamento do Padre Paulo Ricardo: http://padrepauloricardo.org/episodios/o-missal-de-paulo-vi-e-a-reforma-da-reforma-liturgica-de-bento-xvi

  12. Sumamente importante e oportuna a publicação dessa verdadeira catequese sobre a Missa Romana. É necessário que seja restabelecida integralmente. Fica bem claro que foram os sacerdotes, bispos, cardeais, que seguiam (e seguem ainda) o caminho da perdição e, consigo, já levaram e continuam levando muitas outras almas, espantosamente denunciados por Nossa Senhora nas aparições de La Salette e confirmadas pelas de Garabandal, os responsáveis pela crise geral na Igreja, a começar pela Santa Missa.Que Jesus use da sua Misericórdia para restaurar a sua Igreja, nem que seja reduzida a um pequeno resto fiel.

  13. Palavras de São Tomas de Aquino: “O martírio não é nada em comparação com a Santa Missa. Pelo martírio, o homem oferece a Deus a sua vida; na Santa Missa, porém, Deus dá o seu Corpo e o seu Sangue em sacrifício para os homens. Se o homem reconhecesse devidamente esse mistério, morreria de amor. A Eucaristia é o milagre supremo do SALVADOR; é o dom soberano do Seu amor”. Pena que segundo o padre Paulo Ricardo, no link do video do comentário anterior, na atualidade 80% dos padres, segundo pesquisas de opinião, não acreditam mais na presença real do Senhor na Eucaristia. Exemplo do estrago feito pela Novus Ordo.

  14. Recomendo vivamente a todos a preciosa leitura do livro “O TESOURO OCULTO” (AS EXCELÊNCIAS DA SANTA MISSA). Uma obra de referência escrita por São Leonardo de Porto Maurício (1676-1751). Acessível gratuitamente aqui:

    http://padretenoriopdf.files.wordpress.com/2011/10/as-excelencias-missa3.pdf

  15. Prezado Ferretti,

    Peço que subsitua o link que coloque em meu comentário:
    “Afinal, por que digo SIM à Missa Tradicional e por que digo NÃO á Missa Nova:

    Peço que substitua pelo link abaixo (que agora sim, está correto):
    http://angueth.blogspot.com.br/2013/08/afinal-por-que-digo-nao-missa-de-paulo.html

    MUITO OBRIGADO!

  16. Muitíssimo interessante este artigo.

    Sou novo neste blog e estou aprendendo muito, mas esse muito ainda é muito pouco perto do conhecimentos dos irmãos aqui do Fratres. Queria ter mais tempo para estudar, e as vezes chego a dormir na frente do computador…

    Fiz uma pergunta num post já passado: haverá em minha cidade (São José do Rio Preto – SP) uma “missa afro” (misericórdia Senhor!) em comemoração ao dia da consciência negra e, ainda pior, será no próximo domingo, dia de Cristo Rei. É provável que haja muita profanação e uma “desacralização” do sagrado, como já disse o Pe Paulo Ricardo sobre esse tipo de missa.

    Gostaria de saber se vocês poderiam me orientar o que posso fazer tentar esclarecer as autoridades eclesiais locais sobre este grave problema que, ainda mais, irá perverter e confundir a cabeça de muitos católicos “meia-boca”, ou seja, grande maioria. Talvez panfletar alguma orientação na comunidade…

    Desde já muito obrigado e que Deus nos abençoe.

  17. Artigo que chegou em boa hora. A Missa Verdadeira deve ser conhecida por todos, e o fratres é um blog muito visitado, então é bom que de vez em quando os objetos mais caros de nossa fé sejam trazidos à baila, para ajudar as pessoas a se darem conta das décadas de embuste que infelizmente a maior parte dos que deveriam nos pastorear nos fizeram. Um tesouro destes foi arrancado dos fiéis pelos próprios sacerdotes. Que crime! Que decepção constatar que hoje em dia se conhece a fé católica não mais com a ajuda dos padres (com exceções), mas APESAR deles. Vemos a profundidade e o grau de sacralidade da nossa tradicional liturgia, olhamos para os progressos dos cismáticos russos, e ficamos com água na boca, por assim dizer, porque enquanto vemos até nos heterodoxos pastores protestantes alguma seriedade ou convicção, os sacerdotes católicos que deveriam ser nossos líderes e nos abrasar na fé apostólica parecem uns pobres coitados no modo de falar, no conteúdo, na aparência e na forma de se apresentar, e na profunda ignorância ou na vida dissipada, repetindo os mesmos slogans do mundo… Pena…

  18. sem duvida, e de um esplendor imcomparavel a missa tradicional.e a mudanca, trouxe graves consequencias para a piedade eucaristica, como falta de consciencia e respeito em torno de jesus sacramentado.rezemos, e rezemos muito , para ter mais sacerdotes que se interessem por ela, para a gente ter essa graca mais vezes.uma critica apenas, eu acho a missa tradicional em si,muito superior a missa nova, sem comparacoes, mas ha aqueles sacerdotes que a celebram rapido demais( 30 min), eu acho que tambem e uma forma de abuso, e o papa bento deu autorizacao para celebrar esta missa, para aqueles que etendem o que pronunciam( doc-como usar o moto proprio).o papa bento tambem ressalta no moto proprio, que seria poucos. que teria sensibilidade suficiente para acolher a missa tridentina.

  19. Aqui em Palmas não tem, mas tem muita missa com padre pop star…cai cai no “espirito”, oração em línguas nas missas SHalom..só heresia…..

  20. Na verdade, eu acho que antes de 1969 tinha aquele missal provisório de 1965 que ainda não era o Novus Ordo mas que também tinha eliminado muitos ritos do Antiquus Ordo.

  21. Aos que estiverem interessados e,
    especialmente, aos que, como eu, ainda não podem
    assistir presencialmente à Missa Antiga,
    segue abaixo link de um sítio onde se pode
    assisti-la online, diariamente:

  22. O ritual da Missa tradicional explicada e demonstrada.

  23. Interessante é que grande parte dos argumentos podem ser usados para o novo rito, que é, também ele, teocêntrico, universal, honra o mistério que acontece, centraliza a adoração eucarística e apresenta o sacrifício de Cristo de forma bela.
    Quanto à descrição do ritual romano como sendo «de sempre» e «imutável», só pode ser um eufemismo. A cristalização do ritual romano aconteceu na história do cristianismo e levou séculos a maturar teológica e liturgicamente.
    Que o ritual romano esteja ao dispor para a celebração, de acordo. Que seja devida a reverência necessária na Eucaristia, precisamente porque é teocêntrica e, assim sendo, a nossa resposta não pode senão ser teologal, de acordo. Será, no entanto, necessário precisar que a forma do ritual é, em si, uma construção da Igreja. Defendê-lo ao ponto de o tornar meio exclusivo é um desvirtuamento da fé cristã, porque o que é meio exclusivo é Jesus Cristo e o seu dom sacrificial. O ritual é tão somente a re-apresentação (tornando real) desse sacrifício e, como prova a história, vai sofrendo ajustes na formulação dessa reapresentação (que, repito, torna real: transubstanciação). Em nada isto afeta a lex credendi, porque o credo está em Jesus Cristo, e não na fórmula ritual com que ele é apresentado.

  24. O mais triste de tudo é o seguinte: Conhecer perfeitamente toda a beleza e santidade do Rito Tridentino e, com aprovação da Santa Sé, ter como exclusivo esta Santa Missa Tradicional, e, no entanto, justamente através deste santo rito, promover uma baldeação ideológica inadvertida, para levar os fiéis que lutaram tantos anos unidos em defesa da fé e desta Santa Missa de Sempre, a aceitar aos pouquinhos também a missa nova, feita com a assistência benévola e sorridente de seis pastores protestantes, inimigos de Nossa Senhora, Santíssima Mãe de Deus. E nada mais sintomático do que, por um lado, o ódio que os protestantes sempre tiveram da Missa Tradicional, e, por outro lado os encômios mais calorosos que fazem a Missa Nova.

  25. Paz e bem a todos os irmãos em Cristo, noto a muito tempo a pobreza nas homilias e falta de espiritualidade em muitos sacerdotes, longe de mim critica-los, pelo contrario rezo muito por todos eles, e por isso gostaria muito de que tudo voltasse ao que era antes, que todos os padres fossem realmente pobres para os homens mas ricos em Deus, e vejo minha grande infelicidade pois não tenho por perto uma só paróquia em se celebra a Santa Missa no rito tridentino, peço aos caríssimos irmãos postarem endereços de paróquias em São Paulo e no ABC que celebram assim, agradeço a todos.

  26. Um dia esses impostores que impuseram aos fiéis essa versão modernista da Missa Católica prestarão conta ao Senhor da messe por tanto mal que causaram não apenas à Fé mas às almas.
    É de partir o coração ler o que sofreram aqueles que tiveram que provar em primeira mão do amargor da novidade.

    “In the last years of his life, Tolkien became greatly disappointed by some of the liturgical reforms and changes implemented after the Second Vatican Council,[96] as his grandson Simon Tolkien recalls:
    I vividly remember going to church with him in Bournemouth. He was a devout Roman Catholic and it was soon after the Church had changed the liturgy from Latin to English. My grandfather obviously didn’t agree with this and made all the responses very loudly in Latin while the rest of the congregation answered in English. I found the whole experience quite excruciating, but my grandfather was oblivious. He simply had to do what he believed to be right.[97].
    http://en.wikipedia.org/wiki/J._R._R._Tolkien#cite_note-99

    Tradução: Em seus últimos dias de vida, Tolkien ( autor do Senhor dos Anéis) se tornou imensamente desapontado com as reformas e mudanças implementadas pelo Concilio Vaticano II, como narra seu neto Simon Tolkien:
    -Eu vivamente recordo dos tempos que ia à Igreja com ele em Bournemouth. Ele era um Católico Romano devoto e foi pouco tempo depois que a Igreja mudou a liturgia do latim para o inglês. Meu avô obviamente não concordava com isso e fazia questão de dar todas as respostas alto e em bom som em latim enquanto o resto da congregação respondia na nova versão em inglês. Pra mim toda a experiência era excruciante, mas meu avô permanecia impassível. Ele simplesmente tinha que fazer o que acreditava ser o correto”.

    Hoje esses mesmos impostores vem com essa carinha de santo- do-pau oco falar em caridade, fraternidade, amor ao irmão enquanto passam sem dó o rolo compressor sobre aqueles que não concordam com seu modernismo e descarado mundanismo. Sepulcros caiados…todos engomadinhos por fora mas por dentro cheios de toda sorte de podridão e imundice.
    Atualmente, qualquer um que se atrever a fazer o mesmo que Tolkien fazia durante a missa moderna será expulso da congregação ou ser agredido e chamado de extremista, nazista ou fanático como foram aqueles Católicos na Catedral de Buenos Aires.