Pedimos a demissão de Pe. Volpi, comissário dos Franciscanos da Imaculada.

Por Roberto de Mattei – Corrispondenza Romana | Tradução: Fratres in Unum.com – Um grupo de associações e sites católicos iniciaram uma coleta de assinaturas para pedir a demissão do Padre Fidenzio Volpi de seu cargo de comissário dos Franciscanos da Imaculada. Todos aqueles que quiserem aderir a esse apelo podem fazê-lo clicando aqui.

Franciscanos da ImaculadaPedimos a demissão do Padre Fidenzio Volpi de seu cargo de comissário político dos Franciscanos da Imaculada. No espaço de cinco meses, o padre Volpi destruiu o Instituto, provocando caos e sofrimento em seu interior, escândalo nos fieis, críticas na imprensa, desconforto e perplexidade no mundo eclesiástico. Pouco importa saber se o padre Volpi é o artífice ou o executor do plano de destruição. O certo é que se o plano não for contido, as consequências serão desastrosas, e é para evitar que se acrescente desastre ao desastre que o Padre Volpi deve ser demitido.

Após o decreto de comissionamento do Instituto, de 11 de julho passado, o padre Volpi, com a ajuda de um manípulo de subcomissários sem restrições, entre os quais o padre  Alfonso de Bruno e o prof. Mario Castellano, começou a golpear com seu machado o Instituto. Proibiu a celebração da Santa Missa e da Liturgia das Horas na forma extraordinária, prevista no Motu Proprio Summorum Pontificum; depôs todo o governo geral da ordem a partir de seu fundador, o padre Stefano Maria Manelli, que se encontra em prisão domiciliar, mesmo sem saber os motivos; privou de autoridade e transferiu, um após o outro, os colaboradores mais fiéis do padre Manelli, todas elas pessoas de relevo intelectual e moral, dando seus cargos a Frades dissidentes, muitas vezes sem cultura e privadas de experiência no governo; ameaçou e puniu os Frades que enviaram uma petição à Santa Sé, e que se recusaram a retirá-la; e, por último, com um diktak datado de 8 de dezembro de 2013, fechou o seminário, suspendeu as ordenações sacerdotais e diaconais; atingiu as publicações da Casa Mariana com um interdito, proibindo sua distribuição nas igrejas e santuários confiados aos religiosos; ampliou sua guerra pessoal aos terciários e leigos que sustentam o Instituto, suspendendo todas as atividades da MIM ( Missão da Imaculada Medianeira ) e do Tofi (Ordem Terceira Franciscana da Imaculada); ameaçou de comissionamento as Irmãs Franciscanas da Imaculada e tirou-lhes, bem como das Clarissas da Imaculada, a assistência espiritual dos Frades; finalmente quer impor aos Frades um “juramento modernista” de fidelidade ao Novus Ordo Missae e do Concílio Vaticano II (para ler a carta clique aqui).

O padre Volpi acusa quem o critica de ser contra o Papa, mas este regime tirânico, além de ser desconhecido na história da Igreja, não está em contraste direto com o Papa Francisco, que recomendou evitar toda espécie de autoritarismo e de usar misericórdia e ternura para com os amigos e inimigos? Notou-o um vaticanista objetivo, Marco Tosatti, escrevendo em lastampa.it de 4 de dezembro: “mas o que alguma vez fizeram esses pobres religiosos? Especularam, abusaram de menores, levaram uma vida imoral? Nada disso”. A verdade é que o padre Volpi, por iniciativa própria, ou por conta de terceiros, quer normalizar os Franciscanos da Imaculada tornando-os semelhantes às outras ordens religiosas à deriva. Para obtê-lo, é necessário transformar sua doutrina espiritual e moral, destruir a disciplina interna, acabar com a reconquista da liturgia tradicional, abrir-se à corrupção do mundo, como o fizeram, com resultados catastróficos, ele e sua ordem dos capuchinhos.

Na Exortação apostólica Evangelica Testificatio, de 29 de junho de 1971, dirigida aos religiosos, Paulo VI lembra que se deve obedecer aos superiores, “exceção feita de uma ordem que fosse manifestamente contrária às leis de Deus ou às constituições do instituto, ou que implicasse um mal grave e certo – em cujo caso, de fato, a obrigação de obedecer não existe”. Se o padre Volpi não for demitido, abrir-se-á inevitavelmente um conflito de consciência nos religiosos e nas religiosas que quiserem conservar o carisma dos Franciscanos da Imaculada e a fidelidade à Tradição da Igreja.

31 Comentários to “Pedimos a demissão de Pe. Volpi, comissário dos Franciscanos da Imaculada.”

  1. Obviamente, por esses motivos, o Papa Francisco é tão aplaudido pela imprensa.
    O nome Volpi me lembra “raposa”…tomando conta do galinheiro.
    Eis os frutos do Vaticano II: o desmantelamento da Igreja e suas queridas ordens religiosas.

  2. Não há como não pensar em Ap 12, 15: “E a serpente lançou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, para que pela corrente a fizesse arrebatar”.

    E de Mt 5, 10-12: “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós”

    Que Deus ajude os Franciscanos da Imaculada nesta ora de provação.

  3. Penso que não se deva exigir que os frades abandonem nem a forma ordinária e nem a extraordinária. O certo seria que, de comum acordo, celebrassem, segundo as normas atinentes, de modo a atender às necessidades tanto da comunidade religiosa, como dos fiéis que dão assistência.

    Penso que seja tirânico e falso, a título de defesa do Concílio Vaticano II, proibir a forma extraordinária de celebração. O Vaticano II não o proibiu, pelo contrário, o confirmou.

  4. Tudo isto é muito triste e revela as verdadeiras intenções do Papa Francisco em relação à Igreja.

    Na exortação apostólica fala de tolerância, mas pelos visto é só para quem pensa como ele.

    Na exortação apostólica fala de paz, mas o que ele quer é rendição incondicional.

    Todo o mundo sabe quais são os institutos e ordens onde reina a anarquia doutrinal (para não falar de outras áreas), mas essas não são intervencionadas.

  5. Se deixar um pouco mais vai chegar ao nível da perseguição de Dom Navarro na Diocese de Campos nos anos 80.

  6. Já assinei a petição e agora estou repassando aos meus contatos.

    Aí se vê o ódio que se tem por quem preserva a sacralidade das liturgias. Como diz o catecismo católico que existe a Igreja Triunfante que é formada pela pessoas que estão no paraíso, a Igreja Padecente que são as pessoas que estão penando no purgatório e a Igreja Militante que são as pessoas que fazem parte da Igreja e tem o dever de assinar esta petição, de militar na defesa da Igreja Católica.

  7. Meu Deus… Se o padre Volpi fez tudo isso e não foi com intenção destrutiva, por qual motivo o fez então?
    Isso é perseguição, para dizer o mínimo.
    O que esta pequena ordem fez de errado? “Preferiram” a Missa de São Pio V.
    E desde quando isso seria problema?
    Ab

  8. Esse relato me fez lembrar da biografia da Santa Madre Mareiana de Jesus Torres. As Concepcionistas passaram pela mesma perseguição; fora o fato que Nossa Senhora também predisse que isso aconteceria – a perseguição dos religiosos fiéis à Tradição.

    O resultado dessa perseguição para estes religiosos, se forem perseverantes e fortes, creio eu, será a sua santificação, tal como ocorreu com a Reverendíssima Madre Mariana; Deus será mais glorificado, pois sempre consegue tirar o bem de situações como essa.

    Os grandes santos sempre foram perseguidos. Como Deus nunca muda, penso que as coisas não poderiam ser diferentes.

    É claro que, para quem pode fazer algo para ajudar, deve fazê-lo, mas é fato que os Santos serão perseguidos até o final. Cabe a nós ter um olhar sobrenatural da situação e quem tem meios concretos de ajudá-los, que os auxilie neste combate.

    Que Maria Santíssima esteja com eles nestes momentos de sofrimentos, e lhes dê a confiança da vitória em Cristo!! Amém.

  9. Pelo visto o único Francisco a quem os frades da Imaculada podem recorrer é ao Santo de Assis. Todo mundo é digno da misericórdia do Papa, até ateus jornalistas, menos quem é ainda católico apostólico romano de verdade. Cadê a medicina da misericórdia do pós Concílio e a postura dialogante e “fofa” de Francisco?

  10. Eu havia dito, quanto estourou o escândalo da perseguição aos Franciscanos da Imaculada, e vou repetir: “Os Franciscanos da Imaculada deveriam oferecer, a este interventor, a porta pra rua como a serventia da casa”.

  11. E Dom Fellay que saiu em defesa dos Franciscanos da Imaculada é vítima de críticas de “tradicionalista” desocupado na internet, que tem por único ofício semear a discórdia e fez da “tradição” com “t” uma ideologia e não uma regra da fé, são tão fanáticos quantos os chamados neocons e rccistas. A Tradição com “T” sobrevive apesar desses parasitas. Entreguem hoje a cabeça dos Franciscanos da Imaculada que amanhã as forças modernistas de Roma pedirão as nossas.

  12. Será que vocês poderiam traduzir para nós o “juramento modernista”?

  13. Como é essa história de transferência da disponibilidade dos bens móveis e imóveis do Instituto, como acusa o Pe. Volpi na carta em italiano? Alguém me explica?

  14. Essa intervenção é muito sem sentido… não dá para explicá-la apenas de uma perspectiva humana. Assinemos e oremos por essa ordem.

    • Senhor André,

      Como disse antes, penso que Deus não gosta da missa customizada( vários ritos reivindicados por homens) do Papa Paulo VI, mas com certeza o demonio odeia a missa compendiada(os vários ritos verdadeiramente inspirados) do Papa São Pio V.

      É fator sobrenatural mesmo.

  15. Na realidade ele é pau mandado. NÃO FARIA TUDO ISSO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA.

  16. Eu não sei se essas pessoas que comentam são inocentes ou fazem questão de não ver a verdade.
    Quem crucificá-lo, mas esquecem que ele age com plenos poderes dados pelo “bom e misericordioso” Francisco I. Na própria carta de proibição de celebrar a Missa de sempre se fala que por ordem do Papa é que se faz isso.
    Não percebem que esse Papa segue o princípio dos modernistas: Ser bom e paciente até que não o contrariem, se o contrariarem aí vem a intolerância.
    Só a Ssma. Virgem pra salvar a Santa Madre Igreja desses péssimos governantes. :(

  17. Se vocês puderem ler a carta dessa “raposa” traidora ( volpi em italiano significa raposa) verão a desfaçatez, a malícia desses prelados modernistas. Usurpam a autoridade que lhes foi dada pela Igreja pra submeter aos seus desvarios aqueles que querem se manter fiéis à Igreja.
    Essa é a estratégia de Satanás: usar a obediência aos seus asseclas como meio de submeter os fiéis Católicos à desobediência a Cristo.
    O energúmeno impõe uma lista de sanções e ameaças:

    “O STIM está suspenso até segunda ordem, isto é estão interrompidos os estudos…Permanecerão suspensas por um ano as ordenações diaconais e sacerdotais. Além do mais os candidatos que estão agora em formação deverão subscrever pessoalmente uma aceitação formal do Novus Ordo como expressão autêntica da tradição litúrgica da Igreja e da tradição franciscana…quem não aceitar essa disposição sera imediatamente demitido do Instituto”.

    E depois usa o Santo Nome de Deus e Nossa Senhora, pra legitimar seu famigerado decreto:

    Caros confraternos, a docilidade amorosa à Vontade de Deus, da Virgem Imaculada e do seu casto esposo São José sirvam pra todos nós como exemplo. A humildade, a obediência, o desapego demonstrado pelo Filho de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo…bla bla blá…

    Me poupe!! Fora com esse impostor e já!

  18. Assinei a petição para tornar mais difícil o trabalho dos radicais modernistas. Não me alegra saber que estas razões fazem com que os franciscanos da Imaculada sejam perseguidos. Preferiria mesmo que eles estivessem conosco, mas sem nenhum ecumenismo tradicionalista, me solidarizo com o que os mesmos passam, porque afinal de contas eles demonstravam boa vontade em fazer o que lhes parecia correto. Mas se a provação os agraciar com discernimento, compreenderão que a Fé vem antes da obediência, e não entregarão a Missa QUE É DIREITO GARANTIDO POR TODOS OS PADRES LATINOS DESDE SÃO PIO V em troca de uma obediência cega e burra a uma ordem sem base na Fé.
    Cega, porque Deus nunca ordena algo irracional. E burra, porque obedecer sem saber o que pode conduzir a um buraco de onde nunca mais se sai. Se o papa mandar alguém jogar a mãe pela janela, alguém vai ter o descaramento de cumprir uma ordem destas?

    • Ué, mas sendo assim o pessoal modernista da Teologia da Libertação também está autorizado a não seguir mais as ordens do Papa.Desse jeito, ninguém mais seguirá ordem alguma, diretriz alguma e será cada um por si, transformando a Igreja Católica Apostólica Romana numa bagunça generalizada, na qual cada um, cada denominação fará o que der na cabeça.

    • Carlos Henrique,

      Você não a parte que o Bruno Santana escreveu sobre a Missa? “Missa QUE É DIREITO GARANTIDO POR TODOS OS PADRES LATINOS DESDE SÃO PIO V em troca de uma obediência cega e burra a uma ordem sem base na Fé.”
      Desde quando a teologia da libertação baseia seus atos no Magistério e na Tradição da Igreja para você fazer essa comparação?

  19. “Notou-o um vaticanista objetivo, Marco Tosatti, escrevendo em lastampa.it de 4 de dezembro: “mas o que alguma vez fizeram esses pobres religiosos? Especularam, abusaram de menores, levaram uma vida imoral? Nada disso”.

    Se tivessem feito não teriam sofrido intervenção! Que o digam os fiéis escandalizados com paróquias gays no USA que se cansaram de escrever para o Papa pedindo providencia!
    Os sodomitas não apenas não sofreram intervenção como até foram promovidos. Basta ver o exemplo de Monsenhor Ricca.
    O crime desses religiosos foi querer se assemelhar a Cristo em tudo. Pilatos também disse o mesmo sobre Jesus:

    —Vocês me trouxeram este homem, acusando-o de estar enganando o povo. Eu o interroguei na presença de vocês e não encontrei nenhum motivo para as acusações que têm contra ele.

    Mas eles continuaram a gritar e a exigir que ele fosse crucificado. Os gritos deles prevaleceram e Pilatos decidiu fazer o que eles queriam. Pilatos soltou o homem que tinha sido preso por arruaça e por assassinato—que era o que eles queriam. E lhes entregou a Jesus para fazerem com ele o que quisessem.
    Bergoglio está lavando suas mãos como fez Pilatos. Deixando os arruaceiros, pervertidos e criminosos destruir a Igreja de Cristo e entregando os fiéis nas mãos desses impostores para fazerem com eles o que quiserem.

  20. Em 26-06-1972, disse Paulo VI: “Por alguma brecha, a fumaça de Satanás entrou no Templo de Deus: existe a dúvida, a incerteza, a problemática, a inquietação, O CONFRONTO.” Apocalípse 13, 7: Foi-lhe dado, também, fazer guerra aos santos e vencê-los. Recebeu autoridade sobre toda tribo, povo, língua e nação.” – É necessário que se cumpram as Escrituras. Isto é: A purificação da Igreja e a salvação da humanidade por um desígnio de Deus incompreensível à nossa limitada inteligência humana. Rezemos, pois: “seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu.”

  21. Já imaginaram isto acontecendo com o IBP ou com A FSSP??? Ponham suas barbas de molho!

  22. Alguém percebeu a pergunta que o frater Luís Augusto Rodrigues Domingues postou (12 dezembro, 2013 às 1:01 pm)? Ei-la: “Como é essa história de transferência da disponibilidade dos bens móveis e imóveis do Instituto, como acusa o Pe. Volpi na carta em italiano? Alguém me explica?”
    Talvez a resposta a esta pergunta ajudasse a perceber outros aspectos da questão. Se é que interessam

  23. Caríssimos,
    Isso é apenas o começo …
    Creio que nenhum de nós estava em pleno uso da razão em fins dos anos 60 e início dos anos 70.
    Foi em nome da obediência que tudo foi implantado. Foi o golpe de mestre de satanás, na feliz expressão de Dom Lefebvre.
    Onde estão as vozes das eminências e excelências contra tamanho abuso e desrespeito …
    Uma vergonhosa subserviência de bispos e cardeais.

  24. Como pode estar o superior em prisão domiciliar? Ele cometeu algum crime? Não pode processar o Pe. Volpi por isso?

    Alguém saberia explicar isso?

  25. Devo retificar a data do pronunciamento feito pelo Papa`Paulo VI, no meu comentário de 13-12-13, cujo dia foi 29- 06-1972, conforme hoje li na Revista Catolicismo (número antigo). Havia transcrito aquele texto de um site católico, no qual há também alguma diferença de tradução, mas com a mesma significação. Desculpem-me.