Quando a Santa Sé se apresenta diante do “tribunal” dos homens.

Mas apenas para um “esclarecimento”, não julgamento. Ainda? A nova orientação do Vaticano abriria um precedente para tal?

Vaticano diz que não há desculpa para abuso sexual de crianças

Folha de São Paulo – Na primeira vez em que o Vaticano foi confrontado em sessão pública sobre acusações de abuso sexual cometido por sacerdotes contra menores, representantes da Santa Sé disseram que não há desculpas para o crime , e negaram obstruir as investigações policiais.

A sessão ocorreu em Genebra (Suíça), na primeira reunião que o Comitê da ONU para os Direitos da Criança fez para a discussão do assunto.

A participação do Vaticano sinaliza a nova diretriz do papa Francisco, que defendeu “atuação decisiva” contra escândalos e mudou leis penais do Vaticano para tornar crime as ofensas sexuais.

A igreja é acusada, principalmente desde o início dos anos 2000, de encobrir escândalos de abuso. Com isso, a ONU abriu inquérito sobre a suspeita de violação, pelo clero, da Declaração Universal dos Direitos da Criança –da qual o Vaticano é signatário.

Na sessão desta quinta-feira, o representante do Vaticano na ONU, monsenhor Silvano Tomasi, disse que há abusadores em todas as profissões, incluindo o clero, e que esse crime nunca deve ser justificado, seja onde for –”em casa, nas escolas, no esporte ou nas organizações religiosas”.

Tomasi prometeu a ajuda da Santa Sé –que, segundo ele, se dispõe a receber sugestões de como coibir a prática–, mas criticou a comissão da ONU por ter acusado a igreja de obstruir a investigação: “Ao contrário, queremos que haja transparência e que a igreja siga seu curso”.

Em 2013, a Santa Sé se negou a dar mais informações à ONU sobre seus procedimentos canônicos para punir padres acusados. O Vaticano diz fazer isso devido às diferenças entre os direitos laico e canônico e defende que os casos sejam julgados nos países onde os abusos ocorreram.

Para a responsável pela comissão da ONU, Sara Oviedo, a Igreja Católica tem de dar o exemplo. “Os castigos aplicados nunca parecem refletir a gravidade dos fatos”, disse.

Os primeiros casos de sacerdotes que abusaram de menores foram denunciados nos EUA, no início da década passada; em 2003, após 500 processos, a Arquidiocese de Boston aceitou indenizar as vítimas em US$ 85 milhões.

Em seguida, escândalos atingiram igrejas de vários países da Europa. Na Irlanda, relatório acusou líderes eclesiásticos de proteger abusadores por mais de três décadas; na Alemanha, centenas acusaram padres de abuso sexual ou físico desde 2010.

Houve denúncias também na América Latina. O acusado mais notório foi o fundador mexicano do movimento Legionários de Cristo, Marcial Maciel, morto em 2008.

PAPA

Em missa ontem pela manhã, o papa Francisco disse que os escândalos da igreja são “tantos” que não podem ser citados individualmente e são a “vergonha” da instituição, sem mencionar explicitamente as acusações de pedofilia. “Essas pessoas não têm uma ligação com Deus. Tinham apenas uma posição na igreja, uma posição de poder”, afirmou ele, referindo-se aos acusados.

Atenção: blog em recesso – comentários demorarão mais do que o habitual para serem liberados.

Tags:

14 Comentários to “Quando a Santa Sé se apresenta diante do “tribunal” dos homens.”

  1. Leiam: “Pedofilia, processando a Igreja mas promovendo o sexo entre crianças” do blog renitencia.

    http://www.renitencia.com/2014/01/pedofilia-processando-igreja-mas.html

  2. Não quero parecer obcecado com isso, mas coloco 90% da culpa disso no famigerado concílio Vaticano II. Por causa desse concílio, os seminários se encheram de pederastas e sodomitas, Até o tempo de
    S.S. Pio XII, qualquer seminarista que faltasse no que diz respeito á doutrina ou conduta era automaticamente eliminado e expulso dos seminários. Já nos tempos de João XXIII e de Paulo VI, começou-se a pregar a “tolerância” o “amor” a esse tipo de gente. Sendo assim, os seminários e universidades católicas abriram as portas pra toda essa corja entrar livremente.
    Os outros 10% de culpa, são dos homens pecadores, que sempre existiram e sempre existirão, o que não significa que a Igreja de Cristo, que é imaculada, tenha que pagar o preço, por causa desses abomináveis e infames profanadores do sacerdócio. E digo mais, posso parecer paranoico com teorias de conspiração, mas acredito sim, que isso seja fruto de infiltração satânica e maçônica nos seminários e na Cúria romana, para que a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo comece a ser demolida por dentro.

  3. A Igreja dá a mão e eles querem o braço.
    Depois virão com exigências abusivas.

  4. O maior escândalo é a heresia institucionalizada, a apostasia oficial. O liberalismo imperante é que levou à impunidade.

  5. Em uma hora como essas dá vontade de mirar e “taca bem no meio da cara” dessa gente da Onu o livro: “goodbye, good man de Michael Rose”. E dizer: nas comunidades fofas que vivem sob a “tota pulchra ( ou tota imunda)” bandeira do Arco-íris tem escândalos e acobertamentos bem piores. ONU pedindo explicação para a Santa Sé. Parece o sujo se achando mais limpo que o mal lavado. Daqui a pouco vão voltar com aquela satânica ideia de levar Bento XVI para o tribunal de Haia.

  6. Caros fraternos, paz e bem!
    A carta que o papa Bento 16 escreveu aos fiéis irlandeses sobre as centenas de denúncias de abuso sexual de crianças contra padres do país, constitui a “mea culpa’ da Igreja. Leitura indispensável para todos os cristãos, principalmente para os nossos pastores. No documento, o papa diz se sentir envergonhado pelo escândalo, pede que os padres culpados se entreguem à Justiça e condena os graves erros de julgamento dos bispos que ocultaram por décadas as denúncias.

    As causas do escândalo da PEDOFILIA:
    “Certamente, entre os fatores que para ela contribuíram podemos enumerar: procedimentos inadequados para determinar a idoneidade dos candidatos ao sacerdócio e à vida religiosa; insuficiente formação humana, moral, intelectual e espiritual nos seminários e nos noviciados; uma tendência na sociedade a favorecer o clero e outras figuras com autoridade e uma preocupação inoportuna pelo bom nome da igreja e para evitar os escândalos, que levaram como resultado à malograda aplicação das penas canônicas em vigor e à falta da tutela da dignidade de cada pessoa.”

    Às vítimas de abuso e às suas famílias
    “Sofrestes tremendamente e por isto sinto profundo desgosto. Sei que nada pode cancelar o mal que suportastes… Ao mesmo tempo peço-vos que não percais a esperança. É na comunhão da Igreja que encontramos a pessoa de Jesus Cristo, ele mesmo vítima de injustiça e de pecado. Como vós, ele ainda tem as feridas do seu injusto padecer.”

    Aos sacerdotes e aos religiosos que abusaram dos jovens
    “Traístes a confiança que os jovens inocentes e os seus pais tinham em vós. Por isto deveis responder diante de Deus onipotente, assim como diante de tribunais devidamente constituídos. Perdestes a estima do povo da Irlanda e lançastes vergonha e desonra sobre os vossos irmãos. Quantos de vós sacerdotes violastes a santidade do sacramento da Ordem Sagrada, no qual Cristo se torna presente em nós e nas nossas ações. Juntamente com o enorme dano causado às vítimas, foi perpetrado um grande dano à igreja e à percepção pública do sacerdócio e da vida religiosa. Exorto-vos a examinar a vossa consciência, a assumir a vossa responsabilidade dos pecados que cometestes e a expressar com humildade o vosso pesar. O arrependimento sincero abre a porta ao perdão de Deus e à graça do verdadeiro emendamento. Oferecendo orações e penitências por quantos ofendestes, deveis procurar reparar pessoalmente as vossas ações. O sacrifício redentor de Cristo tem o poder de perdoar até o pecado mais grave e de obter o bem até do mais terrível dos males. Ao mesmo tempo, a justiça de Deus exige que prestemos contas das nossas ações sem nada esconder. Reconhecei abertamente a vossa culpa, submetei-vos às exigências da justiça, mas não desespereis da misericórdia de Deus.

    Pedido aos bispos da Irlanda:
    “Peço-vos que ofereçais o vosso jejum, a vossa oração, a vossa leitura da Sagrada Escritura e as vossas obras de misericórdia para obter a graça da cura e da renovação para a Igreja na Irlanda. Encorajo-vos a redescobrir o sacramento da Reconciliação.”

    O enfrentamento do tema:
    “que estabelecessem a verdade de quanto aconteceu no passado, tomassem todas as medidas adequadas para evitar que se repita no futuro, garantissem que os princípios de justiça sejam plenamente respeitados e, sobretudo, curassem as vítimas e quantos são atingidos por estes crimes abnormes” (Discurso aos Bispos da Irlanda, 28 de Outubro de 2006).

    Que lição de vida para todos, ao enfrentar o grave problema e, ao mesmo tempo, ofereceu as pistas para uma solução definitiva para o futuro da Igreja.

  7. Na verdade e por inteira justiça, merecem a pena de morte. Não é só o abuso, é um conjunto de fraudes e de fraudados que vai além do abusado e do abuso, o qual não é apenas violência contra o corpo e a mente, mas também à alma. Não é só a afetividade para as relações humanas que são afetadas, mas também o canal para a saúde do amor humano a Deus e à Igreja. Um pedófilo já merece a pena de morte, imagine um pedófilo que se aproveita da inocência no maior ato de pureza possível que é uma alma deixar-se ser seduzida pelo amor a Deus na via espiritual que equilibra e torna justos todos os afetos. São indiretamente culpados também os bispos e os seminários que perceberam o desequilíbrio, o vício e o desvio de conduta ou de personalidade nos candidatos a padres e nos “padres” e permitiram que se arrastassem suas expulsões diante da falta de resultado positivo no tratamento, se este ocorreu. Se nem ocorreu, maior ainda a culpa de todos. E, hoje, é culpada toda a institucionalização da psicologia moderna que acredita que não há mais desvio nessas aberrações. Também, por isso, a hipocrisia é geral a respeito, o que denota que por trás de tal alarde possa haver uma tentativa de acomodação maior ainda no mundo inteiro com intuito da parte humana, que se diz igreja, de desgastar a Igreja naquilo que é divina e separada das infiltrações que sofreu. É nauseabundo e quando Jesus diz que merecem ter amarrada uma pedra no pescoço para serem atirados no mar, nada mais diz que é caso para a pena de morte, patenteada a culpa e a recusa de correção já pela inclinação.

  8. O monsenhor Silvano Tomasi disse que há abusadores em todas as profissões, incluindo o clero, e que esse crime nunca deve ser justificado, seja onde for –”em casa, nas escolas, no esporte ou nas organizações religiosas”. Só que isso é o mesmo que justificar que tem padre pedófilo porque tem pedófilo em toda profissão. Mostra que foi realmente numa profissão que o sacerdócio católico moderno virou, como nas seitas protestantes. E como exemplo cito a minha cidade, onde só tem missa, e cheia de abusos insuportáveis, no domingo e na quarta-feira e na primeira sexta-feira do mês. Nos outros dias ninguém nem vê o padre; entra padre e sai padre, é sempre assim, não tem missa diária, nem uma boa catequese, nem nada que se faça que honre o nome de sacerdote da Santa Igreja Católica, e não só na minha cidade mas certamente em muitas outras: os padres rezam duas missas por semana e recebem o salário por isso, como numa profissão bem fácil qualquer.

    Se o sacerdócio católico moderno virou profissão mundana, é lógico que os males que afligem as outras profissões mundanas também assolariam os profissionais da igreja moderna. Portanto se há casos de pedofilia entre os homens que têm profissão mundana, também há entre os padres profissionais mundanos.

    Sinceramente, faço a mesma pergunta que os ignorantes: por que padre profissional mundano não pode se casar, se todo profissional mundano pode? (Mas eu sei perfeitamente que o celibato nada tem a ver com pedofilia, mas faço a pergunta para saber o porquê de manterem o celibato, se o sacerdócio virou uma profissão como outra qualquer.)

    O santo celibato é mais uma consequência de quem entrega a vida inteira para Deus, a anunciar a Palavra de Deus, para ajudar as almas a se salvarem, do que uma imposição aos padres. Mas se padres só rezam duas missas por semana e ficam o resto do tempo fazendo coisas que não são de padres (os que são professores em universidades até que não se mancham tanto se não forem marxistas, mas e os que são cantores e que propagam heresias envergonhando a Igreja que formou tantos santos no passado?) para quê o celibato ainda ser obrigatório nesse sacerdócio-profissão mundana da igreja moderna? Só pra constranger os padres que ainda são fiéis ao encargo a eles confiado e pra esconder, na melhor das hipóteses, gente que quer ganhar dinheiro com o nome da Igreja trabalhando pouco ou se promovendo com o mesmo nome da Igreja para lançar músicas ou pensamentos heréticos.

    Um homem que de verdade for um sacerdote da Igreja de Deus, não deve levar o celibato como uma “obrigação disciplinar”, mas como uma consequência natural de uma vida consagrada somente para servir a Deus, como disse acima, como antigamente quando havia ofícios sagrados que os padres realizavam todos os dias, o celibato era obrigatório por isso, porque só quem realmente queria realizar tão grandes e sublimes deveres para proteger o povo de Deus se aproximava do santo sacerdócio e aceitava o celibato. Mas se hoje não se vê mais cobrança para que os padres realizem tais ofícios e se os padres por própria iniciativa não os cumprem, não vejo motivo para manter o celibato, porque este tão honroso modo de vida dos santos passou a ser usado só pra acobertar gente sem vocação que envergonha a Igreja.

    Digo para que se acabe com o celibato e se permita que padres se casem? Não. Digo para que a Igreja volte a cobrar fidelidade ao santo sacerdócio como era antes do concílio Vaticano II, quando tantos santos sacerdotes a Igreja formou! Assim não teria justificativa de que pedofilia é coisa de toda profissão e não teria nem padre pedófilo nem padre cantor que espalha heresia e enriquece usando o nome da Igreja, porque padre católico deixaria de ser profissão mundana.

  9. E acrescentando ao meu comentário anterior, não somente os carreiristas se aproveitam da conivência da igreja modernista com o mau comportamento dos padres, mas também os homossexuais, que são eles mesmos a maior parte dos pedófilos que se escondem atrás do celibato. Ou a Igreja pune exemplarmente os abusos de padres profissionais mundanos e restaura a ordem tradicional, ou a situação só irá piorar!

  10. Há muito me irritava a cumplicidade de certa parte do clero com os membros criminosos. A velha prática de mudar o padre de paróquia e fingir que nada ocorreu… Quero mais é que sejam todos presos e entregues ao poder público.

  11. São tristes notícias, mas se são verdadeiras, nem há como lamentá-las. Jesus já havia prevenido aos apóstolos que no final a Verdade apareceria, publicada por cima dos telhados. Nosso consolo, porém, é a promessa de Nossa Senhora em Fátima: ” Por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará.”

  12. Os reis da terra alinharam-se em campanha
    os magistrados se coligaram de comum acordo
    contra o Senhor e seu Ungido. At 4,27.
    É discriminatório a ONU interpelar a Igreja por indevidos procedimentos de seus sacerdotes, levando-se em contra que, ao contrario da ONU, jamais apoiou ou patrocinou aborto, pedofilia etc.,
    Porque a ONU nesse mesmo tempo não procede igualmente com as seitas protestantes mais incidentes nesses casos que a Igreja? Ah, sim, sendo relativistas, são de casa, né?
    E os EUA do marxi islamita Obama impondo pedofilia, aborto, gayzismo, mesmo outros governos, como o do Brasil, estarão a salvo?
    Este é mais um sinal dos tempos, quando se visa destruir apenas a Igreja Católica – o diabo servindo-se dessa instituição para impor-se – abrindo espaço para a Nova Era e falsa igreja do anticristo, que surge aos poucos alavancada por falsas acusações como estas. De fato, eis a esperteza do diabo: acusar nos outros, exatamente os procedimentos próprios, ou aquilo que ele desejam fazer.
    Por que é mesmo que a ONU não investiga as redes de pedófilos do mundo, por que promove a causa gay e o aborto, ideologia do gênero se estes são hoje o maiores atentados contra a vida humana?
    A Igreja tem que aceitar tudo o que o demônio manda fazer?
    A JUSTIÇA SELETIVA É A FORMA MAIS RADICAL DA PRÁTICA DA INJUSTIÇA!

  13. A posição do representante da Santa Sé é claríssima. Basta estarmos atentos a ver que este mal da pedofilia grassa todo o tecido social. Mas como esta sociedade pós-moderna é anti-clerical, explica-se o porquê desta “convocação” à Santa Sé em detrimento as orgias que ocorrem nas seitas protestantes nunca veiculadas com igual ardor.
    Sobre o Papa Francisco, cito D. Bernard Fellay:” um homem sem doutrina, pragmático(sem vida interior), fala demais, sem credibilidade”. Estereótipo do modernismo.

  14. Está havendo uma clara campanha no sentido de expulsar a Santa Sé da ONU, de modo a facilitar a introdução da cultura da morte nas nações.
    O ataque se dá em culpar toda a instituição pela ação dos padres pedófilos, seria algo semelhante a querer acabar com a instituição da medicina devido aos atos de alguns médicos e enfermeiros que praticassem a eutanásia (coisa que infelizmente aparece de vez em quando), um óbvio absurdo.
    Existe uma petição do C-Fam (Catholic Family & Human Rights Institute), na internet, para defender a Santa Sé desses ataques e seria bom se ela fosse assinada e divulgada por todos:

    http://www.defendtheholysee.org