Nós e os dois Papas. O que está realmente acontecendo na Igreja.

Por Antonio Socci | Tradução: Gercione Lima – No dia 11 de fevereiro passado recordamos a “renúncia” de Bento XVI ao Papado. O dia 28 de fevereiro marcará um ano desde o fim do seu Pontificado. Mas a cada dia que passa se torna cada vez mais misterioso o que acontece no Vaticano e qual a verdadeira natureza da renúncia de Bento XVI.

SEMPRE PAPA

PapasVIDe fato, nos casos anteriores, todos os papas que renunciaram voltaram ao seu status de cardeal ou religioso: o famoso Celestino V, eleito em 1294 reinou apenas cinco meses e depois de ter abdicado voltou a ser simplesmente o eremita Pietro de Morrone.
E tivemos também o Papa legítimo Gregorio XII que, para recompor o grande cisma do Ocidente, retirou-se do ofício papal no dia 4 de julho de 1415 e, logo em seguida, foi reintegrado ao Sacro Colégio com o título de Cardeal Angelo Correr,  tornando-se um “Legado Pontificio” na  região italiana da Marche. (O “Legato do Romano Pontefice” é um enviado do Papa que se torna seu representante junto a uma Igreja local ou autoridade estatal.)

Devido a tal precedente, durante uma conferência com jornalistas no dia 20 de fevereiro do ano passado, o próprio porta-voz de Bento XVI, padre Federico Lombardi, ao ser perguntado: “e se ele decidisse chamar Papa Emérito?”, respondeu textualmente: “Eu excluo tal possibilidade. Emérito é o título que um Bispo mantém como um vínculo mesmo depois de renunciar. No caso do ministério petrino é melhor manter as coisas separadas”.

Famosas palavras, pois apenas uma semana depois, no dia 26 de fevereiro, o mesmíssimo Padre Lombardi teve que anunciar que Bento XVI permaneceria como Papa Emérito ou Romano Pontífice Emérito, conservando o título de Sua Santidade. Ele não usaria mais o anel do pescador, mas continuaria vestindo a batina branca.

Além disso, naqueles mesmos dias, Bento XVI recusou a mudar seu escudo eclesiástico rejeitando seja o retorno ao brasão cardinalício, seja o emblema de Papa Emérito. Conservou o mesmo brasão de Papa com as chaves de Pedro. As duas chaves “decussadas”, uma de ouro e a outra de prata são símbolos do poder espiritual e do poder temporal. E são uma referência do poder máximo do Sucessor de Pedro.

O que significa tudo isso? Obviamente que excluindo qualquer vaidade pessoal da parte de um homem que deu provas de total desapego a cargos terrenos, o resto que trataremos aqui diz respeito a questões teológicas e não de bens mundanos.

Então, só pode haver uma razão ponderada, histórica e eclesial provavelmente ligada aos motivos de sua renúncia. Mas, qual seria esse motivo que se tornou alvo de tantas conjecturas indevidas?

PAPA PRA SEMPRE

A única explicação oficial encontra-se em seu discurso do dia 27 de fevereiro de 2013, na qual ele esclarece os limites de sua decisão:

“Aqui gostaria de voltar mais uma vez ao dia 19 de abril de 2005. A gravidade da decisão estava precisamente no fato de que, a partir daquele momento, eu estaria comprometido sempre e para sempre com o Senhor”.

Atenção! Enfatizo a expressão “sempre e pra sempre” porque o Papa a explicou da seguinte maneira:

“Sempre – quem assume o ministério petrino não tem mais nenhuma privacidade. Ele pertencerá sempre e totalmente a todos, a toda a Igreja”.

Em seguida ele acrescenta de modo claro:

“‘Sempre’ significa também ‘para sempre’ – não há mais como voltar à vida privada. Minha decisão de renunciar ao exercício ativo do ministério não revoga isto.”

É incrível como uma frase como essa tenha passado despercebida. Se essas palavras tem algum significado, esse é que Bento XVI afirma estar renunciando ao “exercício ativo do ministério”, mas no que diz respeito ao ministério petrino, esse é para sempre e não pode ser revogado. Nesse sentido, sua renúncia se aplica somente ao exercício ativo e não ao ministério ou ofício petrino.

Que significado diferente pode haver naquelas palavras? Eu não consigo ver. Por isso devemos perguntar que tipo de “renúncia” foi essa de Bento XVI.

Ainda no discurso do dia 27 de fevereiro ele explicava a diferença entre “exercício ativo” e “exercício passivo”  do ministério petrino:

 “Não abandonarei a cruz, mas permanecerei de uma maneira nova perto do Senhor Crucificado. Não carregarei mais o poder do ofício no governo da Igreja, mas no serviço da oração permanecerei, por assim dizer, no recinto de São Pedro. São Bento, cujo nome carrego como Papa, me servirá de grande exemplo nisto”.

“Ele nos mostrou o caminho para uma vida, que, ativa ou passiva, pertence totalmente à obra de Deus.”

 Na verdade, as palavras “para sempre” e “ofício ou ministério não revogado” se somaram aos atos dos quais havíamos falado antes, ou seja, a permanência do nome Bento XVI, a veste talar branca, o título de “Sua Santidade” e o brasão pontifício.

EM COMUNHÃO COM FRANCISCO

Por outro lado, esse fato é tão perfeitamente reconhecido pelo Papa Francisco que no dia 11 de fevereiro passado ele divulgava esse tweet: “Eu hoje os convido a rezar por Sua Santidade, o Papa Bento XVI, um homem de grande coragem e humildade”.

Trata-se de uma situação totalmente nova na história da Igreja. De fato, nos séculos passados muitas vezes houve conflitos entre papas e anti-papas, até três de cada vez.

Mas jamais houve o caso de “dois Papas” em comunhão um com o outro, que se reconheciam entre si como “Papas”. Eu digo “dois papas”, considerando que um dos dois é o Papa anterior que se tornou “Papa Emérito”, o que é uma figura inédita na história da Igreja.

Qual seria de fato seu estado teológico? E o que faz da “renúncia ao exercício ativo do ofício petrino” uma situação única?

Bento XVI, falando aos cardeais antes do conclave, antecipou sua reverência e obediência ao sucessor. Este é, com efeito, o comportamento de Bento em relação a Francisco. Se tornou visível a comunhão entre os dois quando eles escreveram a quatro mãos a encíclica ” Lumen fidei”.

Todavia, o que mais nos surpreende é o fato de que nas filmagens em que se mostra o encontro dos dois em Castelgandolfo e também na cerimônia nos jardins do Vaticano para abençoar a estátua de São Miguel, os dois homens se abraçam como irmãos e não há da parte de nenhum deles o gesto do beijo ao anel do pescador. O que nos leva a perguntar: qual dos dois é o Papa?

UM SEGREDO ENTRE ELES

Será que existe entre eles um segredo que o mundo ignora? Ou deveríamos considerá-los num mesmo nível? Sabemos que tal situação é impossível, porque pela sua divina constituição a Igreja só pode ter um único Papa. Mas, e então?

Surgem problemas novos e surpreendentes à luz dos quais alguns poderiam atribuir significados inesperados para alguns atos de Francisco, como o fato dele ter se apresentado no balcão do Palácio Papal apenas como “Bispo de Roma”, sem os paramentos de Pontífice, ou a ausência do pálio no seu brasão papal. (O pálio é uma estola confeccionada com lã de cordeiro que simboliza o pastor que cuida das suas ovelhas. Ele é hoje um símbolo da coroação pontifícia em substituição à tiara papal).

É óbvio que aqueles que tentam colocar um contra o outro cometem um ato arbitrário. Por outro lado, alguns lefebvristas e sedevacantistas que contestam a autoridade de Francisco são igualmente hostis a Bento XVI.

A oração constante de Bento por Francisco e pela Igreja é talvez o grande sinal profético desse momento histórico.

Todavia não dá pra fingir que tudo é normal porque a situação é quase apocalíptica. E é inevitável questionar os motivos da renúncia de Bento XVI, ou sobre aqueles que assim desejaram, as pressões que eles provocaram e o seu estado atual.

UMA ÉPOCA JAMAIS VISTA

Nos dias que se seguiram ao anúncio de sua renúncia, antes mesmo que ele houvesse especificado qual era a sua nova situação, tanto a  revista “Civiltà Cattolica” como o Padre Lombardi cometeram duas gafes.

Foi publicado um ensaio do canonista Gianfranco Ghirlanda em que ele afirmava: “É evidente que o papa que pediu demissão não é mais papa, e não tem mais nenhum poder na Igreja e nem pode interferir em qualquer assunto de governo. Podemos perguntar que título manterá Bento XVI. Achamos que a ele deveria ser atribuído o título de Bispo Emérito de Roma como é dado a qualquer outro Bispo Diocesano em fim de carreira. “

Em todo caso, jamais “Papa Emérito”. Mas ao invés, Bento escolheu continuar como “Papa Emérito”. Deve haver uma razão pela qual ele escolheu permanecer assim. E as consequências são evidentes. Seus sinais são muito importantes para aqueles que são capazes de compreendê-los e para toda a Igreja.

Esse é um sinal de que ele continua a defender o tesouro da Igreja, ainda que de uma maneira nova. E pelo que parece, ele continua a repetir aquilo que disse em sua Missa inaugural: “Rezem por mim, para que eu não fuja por medo dos lobos”.

Anúncios
Tags: ,

41 Responses to “Nós e os dois Papas. O que está realmente acontecendo na Igreja.”

  1. Não tenho mais dúvidas de que o Papa Bento XVI é o “bispo vestido de branco” da profecia de Fátima. O saudoso professor Fedeli foi o primeiro a perceber isso em 2010. O tempo lhe deu razão. No dia 13 de maio de 2010, quando voava para Fátima, Bento XVI disse que, no centenário da aparição (2017), o terceiro segredo será finalmente compreendido. A nós, católicos, nos cabe rezar por Sua Santidade. Agora, o papel que o Papa Francisco irá desempenhar nessa história, eu ignoro por completo.

    • Mas qual foi a base que o OF usou para afirmar tal coisa?

    • Aqui vai uma opinião e que é muito “opinião” mesmo: com esse Sínodo de outubro as autoridades da Igreja vão conseguir atrair tanto a ira de Deus (estímulo a comunhão sacrílega por conta dos divorciados e amasiados, algum tipo de apoio ao movimento homossexual etc), que como resultado gera maior escandalização ainda para as crianças e a institucionalização da iniquidade emanada da suprema autoridade. Quem se lembra do catecismo, estamos tocando em pontos que atraem a santa Ira de Deus. Depois do castigo e devastação do Vaticano com o Papa e os cardeais, sobrará quem? Bento XVI vestido de branco, que provavelmente vai estar em Castel Gandolgo. E ele subirá o calvário da Santa Missa e fará o tão esperado retorno à Tradição. Sofrerá tremenda pressão das forças modernas (flechas) e acabará finalmente martirizado junto com os santos, por ver o caminho errado tomado pela nova igreja.
      Não precisam acreditar, mas é uma possibilidade para as visões de Fátima. E precisa acontecer rápido, pois Bento XVI já está bem velhinho.

  2. Obrigada Georgione Lima pela tradução, estava com muita vontade de ler este texto. Há realmente um mistério em tudo isto. Isto é uma boa notícia. Deus guarde a sua igreja.

  3. Me permitam colocar um opinião a respeito deste assunto tão controvertido, e muito, em meio a mídia. Claro que é normal questionarmos os acontecimentos e as situações que nos rodeiam. Mas é necessário, sempre, fazer uma leitura dos acontecimentos que antecedem, ou melhor da historia. Gostaria de recordar a situação de João paulo II, durante o final de seu pontificado, que estava claro a impossibilidade humana para governar a Igreja, e ao que parece era uma situação que se prolongava por um bom período, sua doença e idade que se avançava o fazia dependente por um complexo regime de seus colaboradores. Tal situação deixa a instituição sob um governo delicado que depende de um “grupo” que levem adiante a situação e não foi a primeira vez que isso ocorreu na Igreja. Não é necessário nomear os perigos desta situação. Ratzinger viveu tudo isso, compreendeu o perigo do limite humano diante de uma responsabilidade sobre toda a Igreja, e tinha consciência das “ovelhas e dos lobos que o circundavam”. Talvez ele mesmo durante seu pontificado, com seu modo reservado foi acertando os destraves da situação anterior. Isso tudo faz parte da realidade humana e é profundo ato de humildade reconhecer a própria situação e penso que por amor a Igreja, sentimento que sempre o impulsionou em sua vocação, tomou a sábia medida de renunciar. As vezes somos tomados por uma visão piedosa de que o Nosso Senhor governa a Igreja sob mão férrea e os papas e bispos seriam como robôs que basta um aplicar de botão todos seguem cegamente sua divina vontade, mas pela experiência sabemos que isso não sucede assim, e não deixa de ser uma visão simplista da Igreja e da realidade. Mas o Senhor continua em sua Igreja, mesmo diante do limite humano, Ele está sempre presente, pois disse isso: “eu estarei convosco todos os dias…” ” as portas do inferno não prevalecerão…” as vezes esquecemos de sua promessa e pensamos demasiadamente conforme a situação.
    De fato é uma grande novidade de dois Papas coexistirem juntos, mas isso está bem claro que o governo é de um só. O sumo Pontífice reinante é sua santidade o papa Francisco. A questão da nomenclatura “papa emérito” não parece contraditória é uma questão mais de disciplina eclesiástica que argumento teológico em si.
    Por vivermos um período conturbado também nossos sentimentos ficam conturbados. Mas acima de tudo isso o Senhor continua governando sua Igreja da mesma forma misteriosa que sempre o fez. Façamos a nossa parte e no céu poderemos viver de fato a Igreja que sempre sonhamos,

  4. Uma coisa é certa. Nossos olhos já viram e nossos ouvidos já ouviram coisas que nunca tinham acontecido em dois mil anos de História da Igreja.

  5. Caros fraternos, paz e bem!
    Agradeço a sempre gentil Gercione Lima e ao blog pela divulgação desse útil, oportuno e necessário artigo que sinaliza os SINAIS DOS TEMPOS de nossa era. Parabéns!
    Inicio o meu comentário com a seguinte passagem bíblica: Jesus disse a Pedro: “Simão, Simão! Satanás pediu permissão para peneirar-vos,como se faz com o trigo” (Lc 22, 31). Pedro aprendeu a lição e a repassou a nós em sua primeira epístola: “Sede sóbrios e vigilantes. O vosso adversário, o diabo, anda em derredor como um leão que ruge, procurando a quem devorar. Resisti-lhe firmes na fé” (I Pd 5, 8-9).
    Todavia, as três negações de Pedro (1º papa) mostram que é possível até um Papa renegar a Fé. E na história da Igreja confirma isso, pois já existiram 37 antipapas (Hipólito, Novaciano, Félix II, Ursino, Eulálio, Lourenço, dentre outros), de um total de 267 (incluindo Francisco), ou seja, mais de 10% de “Suas Santidades” foram consideradas falsos pastores. Aliás, Jesus nos garantiu que a ovelha reconhece o “Bom PASTOR”. E pelos “frutos se conhece a árvore”?

    Penso que está na hora dos católicos intensificarem suas orações em prol do papa Francisco, que se encontra entre a cruz e a espada. Seus altos e baixos, suas posições contraditórias e quebra de tradições (lava-pés, escolha do brasão, não venham a minha posse, encontro com o secretário da ONU…) são provas cabais dessas malditas tentações. E o próprio Deus alertou a todos:“Sede quentes ou frios, Morno Eu vomito” (Ap 3, 16). Vamos rezar à Nossa Senhora de Fátima a fim de que a Sua Santidade Francisco seja protegido debaixo do seu manto sagrado. A imagem da “Galinha que recolhe os seus pintinhos debaixo das suas asas, sob pena da Casa ficar abandonada” (Mt 23, 37 e Lc 13,34), trata-se da bondade divina que com as asas estendidas protege Jerusalém (Is 31,5), dirige-se ao Livre-arbítrio dos pintinhos e estes podem ou não aceitar tal proteção. “Á desgraça daí resultante alude Jesus, de modo misterioso mas inequívoco, com uma palavra que retoma uma antiga tradição profética, Jeremias, em face da grave situação do Templo, comunicara um oráculo de Deus: “Abandonei a minha casa, rejeitei a minha herança” (12,7). É precisamente o mesmo que anuncia Jesus: “Eis que a vossa casa vos ficará abandonada” (Mt 23,38). Deus abandona-a. O Templo já não é o lugar onde Ele pôs o seu nome. Ficará vazio; agora é apenas a “vossa casa” (papa Bento XVI, na obra: “Jesus de Nazaré, da entrada em Jerusalém até a Ressurreição”). A propósito, a renúncia de Bento XVI nos deixou a todos muito tristes. O fato é que temos hoje duas “Suas Santidades” e ele se mantém um bispo vestido de branco (e o terceiro segredo de Fátima), exilado. Precisamos orar por ele, que certamente sua presença entre nós tem um porquê no plano de Deus. Penso que sua missão não está concluída. Aconselho a todos a leitura de sua trilogia sobre JESUS DE NAZARÉ. É o que estou fazendo. O capítulo segundo, do 2º volume, “O Discurso escatológico de Jesus”, de modo especial a parte 1. O Fim do Templo, é de grande atualidade. Bento XVI parece falar do que está acontecendo (e do que está para acontecer) nos dias de hoje, a partir do que ocorreu com o Templo de Jerusalém, antes de sua destruição para posterior purificação. Vale a pena ler atentamente este capítulo. Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!
    Cumpre ressaltar a todos que papa não é infalível em tudo o que fala, diz ou escreve. A infalibilidade papal é o dogma da teologia católica, que afirma que o Sumo Pontífice em comunhão com o Magistério autêntico da Igreja, quando delibera e define solenemente algo em matéria de fé ou moral (os costumes), ex cathedra, está sempre correto. Isto porque, na clarificação solene e definitiva destas matérias, o Papa goza de assistência sobrenatural do Espírito Santo, que o preserva de todo o erro. E ponto final. O que passa disso vem do Maligno.
    Em virtude desse acontecimento “sui generis” da história da Igreja (renúncia de Bento XVI), situação quase apocalíptica, pois nas renúncias dos papas anteriores verificamos que:
    – Caso do famoso Celestino V (eleito em 1294), ele retornou à sua condição de eremita Pietro da Morrone, cinco meses depois de se abdicar do trono de Deus.
    – Caso do papa Gregório XII, que para por fim e recompor o grande cisma do Ocidente, se aposentou do papado em 1415, sendo, portanto, reintegrado ao colégio Sagrado com o título de Cardeal Angelo Correr
    Mas com o papa Bento XVI foi totalmente diferente. Senão, vejamos:
    – Bento XVI recusou-se a mudar o seu casaco papal de armas, rejeitou retornar ao seu “status quo ante” de cardeal, manteve seu brasão de armas dos Estados Pontifícios, com as CHAVES DE PEDRO, manteve o título de SUA SANTIDADE, continua vestindo a sua batina BRANCA (mas simples), permaneceu com o seu nome de papa: Bento XVI (e não Joseph Alois Ratzinger)…
    E até o papa Francisco propagou no seu tweet: “Hoje eu os convido a rezar por Sua Santidade o papa Bento XVI, um homem de grande coragem e humildade” (11/02/2014).
    Essa é uma situação, digamos: totalmente nova na história da Igreja. Nos séculos passados, de fato houve conflitos de papas e antipapas, até três de uma só vez. Jamais tinha havido comunhão,
    entre DOIS PAPAS, que se reconhecem mutualmente. Repito: digo “DOIS PAPAS”, considerando que um dos dois papas é o papa anterior que se tornou “papa emérito”. Esta comunhão visível entre os dois papa é visível até na publicação da encíclica “Lumen Fidei”, escrita a quatro mãos. E como interpretar na cerimônia realizada nos jardins do Vaticano para abençoar a estátua de São Miguel Arcanjo? Como vc vê os dois homens de Deus se abraçando um ao outro como irmãos, sem o famoso gesto de beijar o anel de pescador.
    Diante disso tudo, faço-lhes uma simples pergunta: quem é o Papa?
    Antes de responder, sugiro-lhes que reflitam bastante, não ajam como os incautos na fé. Portanto, parem, rezem, respirem, façam um momento de silêncio, leiam a bíblia e depois de algum tempo respondam-me com firmeza e sem vacilações, combinado?!?

    Seguem algumas pistas para responder a minha indagação:
    Francisco apresentou-se ao mundo como simples “bispo de Roma”, sem vestes pontifícias ou a falta do pálio na sua vestimenta papal de armas (o pálio constitui o símbolo da coroação papal, que substituiu a tiara papal). Não reside nos aposentos papais. Não utiliza o passaporte da Santa Sé (mas o seu argentino), ao invés de emitir suas opiniões através de Encíclicas, discursos… prefere conceder EXCLUSIVAMENTE uma entrevista POLÊMICA, IMPRÓPRIA E INCAUTA ao jornalista da Rede Globo, que teve um repercussão negativa (para os fieis da Igreja, minoria) e positiva (para a Ideologia de Gênero, gay power, abortistas, homofobia…), tendo recebido o Prêmio de personalidade do Ano (revista Time). Será que Jesus receberia tal premiação nos dias de hoje?

    Que tal a gente atender o pedido de Joseph Alois Ratzinger no seu discurso de posse como papa Bento XVI:

    “Ore por mim, para que eu não fuja dos lobos”

  6. Não há nada oculto que não venha a ser revelado.

  7. Pergunto-me se a imagem que os pastorinhos viram, apresentada por Nossa Senhora em Fátima, de um Bispo vestido de branco a caminhar como num reflexo de espelho não se trata exatamente do que estamos vivendo nesse momento na história viva da Igreja… Nossa Senhora não iria apresentar uma imagem alegórica ou superficial…! O que quer dizer o espelho? Qual deve ser o caminho de uma meditação sobre esta imagem? Para começar, o espelho possui em sua essência o “reflexo” de algo temporal… O que será esse “reflexo”? Em meu coração, Bento XVI é este Papa da imagem do segredo de Fátima.

  8. Rezemos por Bento XVI, que reza e sofre hoje por amor à verdade, em silêncio e oração.

  9. Fui pesquisar um pouco sobre o assunto e caí na seguinte página, onde há excertos que me deixaram, literalmente, com calafrios: http://roberto-cavalcanti.blogspot.com.br/2012/10/profecia-da-apostasia-da-igreja-catolica.html

    Sobre o assunto do post:

    “A Igreja será eclipsada. Em primeiro lugar, nós não saberemos QUAL É O VERDADEIRO PAPA.” (Melanie Calvet, vidente de La Sallete)

    Peço ao Fratres e demais comentaristas, especialmente aos sacerdotes, com os quais aprendo muito, que explanem sobre essa questão, pois fiquei bastante perplexo com isso.

  10. Adriana, tenho uma ideia semelhante a sua. De fato, os pastorzinhos disseram ter visto um homem de branco, um bispo. E Francisco se designou como Bispo de Roma e não papa. Os pastorzinhos disseram que identificaram como sendo o Papa. A diferença é que penso que seja mesmo Francisco e não Bento XVI quem será perfurado por setas e balas. Mas a sua observação quanto ao espelho é impressionante. Oremos.

    • Olá Rogério,
      Salve Maria!
      Sim, a sua leitura também tem coerência, porém como eu disse acima, tenho certeza de que a chave da interpretação sobre a imagem que Nossa Senhora apresentou aos pastorinhas e a nós está em meditarmos sobre o significado do espelho. Eu compreendo que no espelho existe o reflexo de algo material, o reflexo remete à idéia de simulacro e também, paradoxalmente à idéia de alguém que não vive no mundo material… E quem é esse alguém hoje? Quem é o Emérito, reflexo do Papa real?… Aguardarei suas ponderações. Sinto-me feliz em compartilhar esta meditação que me faz muito sofrer. Forte abraço.

    • Rogério, ainda irei além…
      Se eu tivesse tempo disponível, escreveria um artigo intitulado “O reflexo e o Emérito, uma meditação”… O que estamos assistindo no mundo todo atualmente? Avisos de possíveis guerras atômicas, destruição e guerras civis em diversas nações ao mesmo tempo, morte em grande número de cristãos, igrejas profanadas, altares assaltados e profanados por terroristas anti-cristãos, encontros sistemáticos entre o Papa Francisco e todas as lideranças comunistas do planeta, todos esses fatos gritantes e confirmatórios do que está escrito com todas as letras no Catecismo da Igreja a respeito dos “equívocos” que levarão à Igreja ao seu pior momento antes da vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo.
      Quando eu ouço ou assisto aos defensores de “mudanças radicais” na Doutrina da Igreja e do Sagrado Magistério, penso apenas nas inúmeras cartas exortativas de São Paulo, como a claríssima “Carta aos Tessalonicenses” abaixo copiada. Salve Maria!

      II Tessalonicenses, 2
      1. Agora, irmãos, quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e ao nosso encontro com Ele, pedimo-vos o seguinte:
      2. não vos deixeis perturbar tão facilmente! Nem vos assusteis, como se o Dia do Senhor estivesse para chegar em breve, mesmo que isso esteja a ser veiculado por alguma suposta inspiração, palavra, ou carta atribuída a nós.
      3. Não vos deixeis enganar de nenhum modo! Primeiro deverá chegar a apostasia. Depois aparecerá o homem ímpio, o filho da perdição:
      4. ele é o adversário que se opõe e se levanta contra todo o ser que se chama Deus ou é adorado, chegando até mesmo a sentar-se no templo de Deus e a proclamar-se Deus.
      5. Não vos recordais de que eu já dizia essas coisas quando estava convosco?
      6. E agora vós já sabeis o que impede a manifestação do adversário, que acontecerá a seu tempo.
      7. O mistério da impiedade já está em acção. Falta apenas desaparecer aquele que o segura até agora.
      8. Só então se manifestará o ímpio. O Senhor Jesus destruí-lo-á com o sopro da sua boca e aniquilá-lo-á com o esplendor da sua vinda.
      9. A vinda do ímpio vai acontecer graças ao poder de Satanás, com toda a espécie de falsos milagres, sinais e prodígios,
      10. e com toda a sedução que a injustiça exerce sobre os que se perdem, por não se terem aberto ao amor da verdade, amor que os teria salvo.
      11. Por isso Deus manda agir neles o poder da sedução, para que acreditem na mentira.
      12. Deste modo serão condenados todos os que não acreditaram na verdade, mas preferiram permanecer na injustiça.
      13. Nós, porém, devemos sempre agradecer a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, porque, desde o início, Deus vos escolheu para serdes salvos pelo Espírito que santifica e pela fé na verdade.
      14. Para isso é que Ele vos chamou por meio do nosso Evangelho, a fim de possuirdes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo.
      15. Por isso, irmãos, permanecei firmes e conservai as tradições que vos ensinámos de viva voz ou por meio da nossa carta.
      16. O próprio nosso Senhor Jesus Cristo e Deus nosso Pai, que nos amou e por sua graça nos dá consolo eterno e esperança feliz,
      17. consolem os vossos corações e os fortaleçam para que façam e digam tudo o que é bom.

  11. Rezo pelo amado e digníssimo Bento XVl. E que Deus oriente Francisco para que siga no caminho certo como pastor da Igreja.

  12. Tambem compartilho dessa mesma opinião, pra mim o bispo vestido de branco é mesmo o Papa Francisco, pois o mesmo se apresenta como “bispo de Roma” em vez de Papa.

  13. Só e somente a Fé única, verdadeira e vinda de Deus ,permite situações aparentemente contraditórias ou que se negam. Os dois são Papas Legítimos: um exerce o ofício de Pastorear e ou outro de maneira análoga, mas sem a autoridade oficial. De maneira grosseira, seria como um diretor aposentado ( Bento VXI) e um que assumiu o cargo máximo na empresa no lugar dele ( Francisco). Mas a Igreja continua firme e forte.

    Viva! Viva! Viva a Igreja Católica Apóstólica Romana! Viva o Corpo Místico de Cristo que é sempre um mistério para nós! Viva as contradições na Igreja, mas que o tempo a torna harmoniosa e íntegra! Viva a verdade – Cristo, Nosso Senhor! -, vivo e presente na sua Igreja! Viva o Papa!

  14. Quando os jornalistas perguntaram, na viagem de volta para Roma, ao Papa Francisco por que ele se apresentara como bispo de Roma, e se isto tinha algum sentido teológico, se esta escolha significava uma nova concepção de Papa, ele negou. Disse que era o Bispo de Roma e que, portanto, era o Papa. Nada mais do que isto. E já mostrou claramente que assume o papel de Papa. Ouve a todo mundo, mas a decisão final será sempre sua. Todo mundo sabe que o Bispo de Roma é o Papa. Ou não? Não
    é isto o que a tradição nos diz? Nossa fé diz que o Bispo de Roma é o sucessor de Pedro na diocese de Roma e, portanto, herda o ministério petrino.

    Acho toda esta discussão que está ocorrendo aqui sobre a existência de dois papas um verdadeiro delírio. Existiu uma renúncia, e isto é definitivo. Como o Cardeal Ratzinger preferiu ser chamado de Papa Emérito, assim como os cardeais são chamados quando se aposentam, ok, é um título coerente, afinal foi Papa. E isto é tudo. Só existe um Papa, o resto é delírio que quem está descontente com o que o Sucessor de Pedro está fazendo.

  15. O único delírio aqui é o dos “neo-negacionistas” que se negam a encarar a realidade de que Cristo instituiu a Sua Igreja com apenas uma cabeça visível, sobre uma pedra única que é Pedro e não dois. Cristo não fundou uma empresa em que seus superintendentes simplesmente penduram o chapéu quando se cansam do ofício.
    De fato não há como negar que vivemos tempos apocalípticos, tempos de confusão. Temos que rezar e muito não só para que o Pastor não fuja por medo dos lobos, mas também pelas ovelhas pra que não sejam devoradas por não saberem mais discernir entre o lobo e o pastor.

  16. Se Francisco não se vê como o Pontífice Romano, não se pronuncia como tal para o bem da Igreja, não usa as insígnias papais e humilha o ministério petrino e toda a Tradição apostólica em suas falas notáveis, é porque ele quer agir assim, é porque ele não gosta da Tradição, de como a Igreja sempre foi! Será que é tão difícil reconhecer o óbvio? Se fosse porque Bento XVI ainda é o Papa, então nenhum bispo que assume uma diocese depois da renúncia do antecessor pode usar o báculo, a mitra ou o poder jurisdicional enquanto o bispo emérito ainda for vivo. É isso? e enquanto isso os católicos ficam sem pastor, com os lobos devorando os mais indefesos? Não consigo imaginar isso como bom!

    Como Francisco recusa tudo que é do Papa porque o Papa Bento XVI ainda está vivo, e se sente à vontade para contrariar em tantos atos, como é evidente, o que todos os Papas sempre disseram, e não fazer nada mudar as conclusões que as pessoas tiram de suas falas, inclusive a da mídia que o chama de revolucionário? Que reverência é essa de Francisco ao Papa Bento XVI, que faz cair por terra, praticamente, tudo que o antecessor fez para o bem da Igreja e não faz nada para desmentir os que o louvam como personalidade do ano justamente por contrariar o antecessor? Como é papa para falar o que o mundo quer ouvir, e não é papa para dar uma palavra de conforto aos que são fiéis ao que Cristo sempre disse?

    Diz o segundo salmo:
    “Por que tumultuam as nações? Por que tramam os povos vãs conspirações?
    Erguem-se, juntos, os reis da terra, e os príncipes se unem para conspirar contra o Senhor e contra seu Cristo.
    Quebremos seu jugo, disseram eles, e sacudamos para longe de nós as suas cadeias!
    Aquele, porém, que mora nos céus, se ri, o Senhor os reduz ao ridículo.
    Dirigindo-se a eles em cólera, ele os aterra com o seu furor:
    Sou eu, diz, quem me sagrei um rei em Sião, minha montanha santa.
    Vou publicar o decreto do Senhor. Disse-me o Senhor: Tu és meu filho, eu hoje te gerei.
    Pede-me; dar-te-ei por herança todas as nações; tu possuirás os confins do mundo.
    Tu as governarás com cetro de ferro, tu as pulverizarás como um vaso de argila.
    Agora, ó reis, compreendei isto; instruí-vos, ó juízes da terra.
    Servi ao Senhor com respeito e exultai em sua presença; prestai-lhe homenagem com tremor, para que não se irrite e não pereçais quando, em breve, se acender sua cólera. Felizes, entretanto, todos os que nele confiam.

    Diz também São Paulo em II Tessalonicenses 2:
    “No que diz respeito à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e nossa reunião com ele, vos rogamos, irmãos, não vos deixeis facilmente perturbar o espírito e alarmar-vos, nem por alguma pretensa revelação nem por palavra ou carta tidas como procedentes de nós e que vos afirmassem estar iminente o dia do Senhor.

    Ninguém de modo algum vos engane. Porque primeiro deve vir a apostasia, e deve manifestar-se o homem da iniquidade, o filho da perdição, o adversário, aquele que se levanta contra tudo o que é divino e sagrado, a ponto de tomar lugar no templo de Deus, e apresentar-se como se fosse Deus. Não vos lembrais de que vos dizia estas coisas, quando estava ainda convosco? Agora, sabeis perfeitamente que algo o detém, de modo que ele só se manifestará a seu tempo. Porque o mistério da iniquidade já está em ação, apenas esperando o desaparecimento daquele que o detém.

    Então o tal ímpio se manifestará. Mas o Senhor Jesus o destruirá com o sopro de sua boca e o aniquilará com o resplendor da sua vinda. A manifestação do ímpio será acompanhada, graças ao poder de Satanás, de toda a sorte de portentos, sinais e prodígios enganadores. Ele usará de todas as seduções do mal com aqueles que se perdem, por não terem cultivado o amor à verdade que os teria podido salvar.Por isso, Deus lhes enviará um poder que os enganará e os induzirá a acreditar no erro. Desse modo, serão julgados e condenados todos os que não deram crédito à verdade, mas consentiram no mal.

    Nós, porém, sentimo-nos na obrigação de incessantemente dar graças a Deus a respeito de vós, irmãos queridos de Deus, porque desde o princípio vos escolheu Deus para vos dar a salvação, pela santificação do Espírito e pela fé na verdade. E pelo anúncio do nosso Evangelho vos chamou para tomardes parte na glória de nosso Senhor Jesus Cristo.

    Assim, pois, irmãos, ficai firmes e conservai os ensinamentos que de nós aprendestes, seja por palavras, seja por carta nossa. Nosso Senhor Jesus Cristo e Deus, nosso Pai, que nos amou e nos deu consolação eterna e boa esperança pela sua graça, consolem os vossos corações e os confirmem para toda boa obra e palavra!”

    E também São Paulo, na carta aos Gálatas, adverte:
    “Admiro-me de que, assim tão depressa, passeis daquele que vos chamou a graça de Cristo, para outro Evangelho. Evidentemente que não há outro Evangelho, mas há alguns que vos perturbam e querem inverter o Evangelho de Cristo. Mas, ainda que um de nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie um Evangelho diferente daquele que vos temos anunciado, seja anátema. Como já vo-lo dissemos, agora de novo o digo: Se alguém vos anunciar um Evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema.”

    Não se deve crer e seguir ensinamentos novos, diferentes daqueles que a Igreja sempre anunciou, porque Cristo não muda, a Palavra de Cristo não muda e a Igreja de Cristo não muda! Felizes serão os que perseverarem até ao fim, como disse Jesus e os seus discípulos fiéis, não os que mudarem a Doutrina na direção do vento!

    Fico impressionado, entretanto, por tão poucos serem os que vejo e que não mudaram o que a Igreja sempre disse, até mesmo entre os tradicionalistas, que todos deveriam ser o sal e a luz deste mundo tão insípido e tenebroso, há os que se deixam fermentar pela hipocrisia e só firmam-se no partido, na letra, e não na graça de Cristo. Há os que só falam em sacrifício, em dor, os que só apontam o erro do outro, sem que mostrem da forma mais clara a graça de Deus em suportar o sacrifício e a dor para vencê-los, e esquecem-se de que nem todos são como os grandes santos, que não têm, por força própria, a capacidade de vencerem o mal. Os que agem desse modo não agem como a Igreja sempre agiu, mas agem como os fariseus, talvez até pior que os fariseus, pois esses tradicionalistas transforam a Lei de Deus em um fardo insuportável para os pequenos.

    São Pio X não só condenou o modernismo, também lutou contra este mal e, propagando cada vez mais a Eucaristia, até para as crianças, deu força aos pequenos para que também eles vençam o inimigo. Porque nem todos são como Santo Atanásio, como São João Crisóstomo, como o próprio São Pio X, mas muitos são pequenos e necessitam de pastores que lhes mostrem a graça que abundou nos grandes santos; só dizer o que está escrito e que a Missa Tradicional é a única certa, não vai atrair os pequenos, não irá fazê-los lutar, porque é como colocar um grande tesouro numa montanha tão alta que quase ninguém pode contemplar.

    Vendo o site da FSSPX – Brasil, é evidente que muitos correm o risco de cair no farisaísmo, de só se apegar à lei e não na graça de Deus. Só tem ataques, ainda que todos justos, à igreja moderna, mas não tem caminhos que levam as pequenas almas a se interessarem pela Verdade, porque não veem como se aproximar e como suportar a Verdade. Agem justamente como os modernistas, defendendo só o partido e não a Igreja inteira.

    Os modernistas, quase unânimes na igreja do Vaticano II, mostram uma fé vazia, ilusória, baseada em esperanças e alegrias vãs, que só cria bobos que nada têm de santos, e os frutos disso são claros. Contudo os tradicionalistas são muito tentados a só mostrarem uma lei que é dificílima e não a graça que faz com que se siga esta lei. E se cria as caras de vinagre, que muito se contrastam com o rosto da Igreja de sempre, tanto quanto as caras dos idiotas modernos.

    Eu mostro o exemplo do Padre Paulo Ricardo, que embora hoje tristemente tenha se calado contra as aberrações que vêm da Roma moderna, tem um bom apostolado, que mostra a Igreja tal como ela é, cheia de santos, grandes e pequenos mas com vidas fundamentais, e isso nos faz ver a verdadeira Igreja e tesouro da Tradição, e atrai os pequeninos, não numa lei somente escrita e que é insuportável para muitos, mas na Lei de Cristo, no jugo de Cristo que é suave. Mas nunca se deve calar!

    Eu não estou criticando arbitrariamente os tradicionalistas por denunciarem os erros da igreja do papa Francisco. Que eles nunca deixem de denunciar os absurdos que são tolerados e até incentivados pela impostura religiosa que hoje é propagada por Roma, porém que eles não se tornem reféns de uma lei que sem a graça divina é transformada em pura lei humana! Que os tradicionalistas, além de denunciar os erros, mostrem a via correta de vencê-los, que é, sim, a Missa Tradicional, a Doutrina, o amor aos Sacramentos, sobretudo a adoração devida à Eucaristia, o próprio Cristo que nunca abanou a Igreja, o exemplo dos santos, a certeza de que depois da dor do sacrifício, há não a recompensa mas a consequência da grandeza resultante da confiança em Deus, o que sempre encheu a Igreja de verdadeira esperança e de santos.

    As pessoas criadas ignorantes na igreja vazia de Deus, a do Vaticano II, não irão se interessar por apenas acusações e ataques à igreja que as criou; pelo contrário, os ataques vão afastá-las ainda mais. O que vai atrair as pessoas é a Igreja verdadeira, sem bobagens sendo ensinadas e sem leis que sozinhas não podem ser seguidas. Por isso peço a Deus que os tradicionalistas conciliem sadiamente a esperança e alegria evangélicas, com o sacrifício também do Evangelho, e não ajam como os fariseus modernistas, para que a Tradição Católica volte a animar também a vida dos mais simples.

    Não se trata de defender hermenêutica de continuidade, porque isso não funciona, não resolve nada. Trata-se de transmitir a Tradição da Igreja Católica em sua integralidade, não só uma parte como Vaticano II fez, dividindo o Corpo de Cristo!

    • A hermenêutica da continuidade não funcionou, porque a árvore ruim, o Vaticano II, continua dando maus frutos e envenenando quem os encontra. E como disse nosso Senhor, a árvore que não dá bons frutos deve ser arrancada fora e lançada ao fogo (Mateus 7,19).

      Bento XVI trouxe muita esperança para Igreja. Foi, sem úvida, o melhor dos últimos papas, mas sem a inteira Fé Católica, tal como é transmitida desde os apóstolos, a Igreja fica exposta a agentes externos que podem fazer muitos se perderem, como acontece às nossas vistas!

    • Sem a Tradição, sem a Doutrina integral e um pastor forte que defenda o rebanho, nada detém o mal de agir também entre os filhos da Igreja.

  17. Podem não acreditar…..pois, não é Dogma de Fé………..(espero que não “moderem” meu comentário…..!!!!),…….

    Eu, livremente…..a c r e d i t o !!!

    Em Suas Aparições, num certo País….para uma certa pessoa……NOSSA SENHORA, a MÃE DE JESUS DE NAZARÉ, revelou, que é ainda o BENTO XVI, o verdadeiro PAPA de nossa IGREJA CATOLICA………., e que devemos seguir a sua Doutrina e a de SS JOAO PAULO II.

    Meia Palavra Celestial,…..para quem tem Ouvidos……..basta.

    Revelou também, que uma das partes do famoso Segredo de FATIMA……era a ocorrencia de d o i s Papas, no TRONO de SAO PEDRO!!!!!!!…..algo fora do comum!!!! com várias implicações espirituais………..

    MARANATHA!

  18. A m o SUAS SANTIDADES JOAO PAULO II ( de saudosa memória), e meu amado BENTO XVI !!!!

    Estou lendo, com atenção, o que eles escreveram…….. t u d o!!!! Um verdadeiro CURSO CELESTIAL DE TEOLOGIA!

    Que Santos Teologos!!!!!! M a r a v i l h a !!!! Glorias a JESUS!!! ALELUIA! Amém!

  19. Isso não passa de polêmica jornalista. Não tem nada de misterioso.

    Papa emérito é como bispo emérito, não tem poder algum mas de certa forma continua ligado ao exercício anterior, pois as pessoas continuam a respeitar o bispo emérito, as pessoas continuam tentando aprender e observar o bispo emérito.

  20. mt bom texto e estremamente pertinente todas as interrogações que coloca!
    agradeço desde já a tradução, que está excelente, e a partilha do mesmo!
    um bem haja pelo vosso trabalho!

  21. Urgente: Bento XVI surpreendeu novamente a Igreja e compareceu neste sábado (22/02/14) na Basílica de São Pedro para o consistório que oficializou 19 novos cardeais, dentre eles, o brasileiro D. Orani -RJ (que comandou a JMJ-13).

    Eis os SINAIS DOS TEMPOS!

  22. O mesmo Antonio Socci escreveu um outro artigo, quatro antes dias deste que foi traduzido aqui no Fratres. No artigo, ele levanta questões sobre se a eleição de Francisco teria sido canonicamente válida, tendo em vista que Bento XVI poderia ter sido forçado a renunciar.
    http://www.fatima.org/news/newsviews/newsviews180214.asp

    De fato, a ameaça a Bento XVI, de que morrreria em um ano, foi amplamente anunciada não só pelos jornais italianos, mas inclusive pelo Globo em 11/02/2012.
    http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/02/jornal-italiano-revela-suposto-complo-para-matar-o-papa-bento-xvi.html

    Parece-me significativo que Bento XVI tenha feito o anúncio da renúncia exato um ano depois de a notícia da ameaça ter sido publicada. Ou melhor 1 ano e 1 dia, talvez para mostrar seu destemor. E me parece ainda mais significativo que O Globo nem ninguém da mídia tenha se “lembrado” da reportagem que eles mesmo produziram um ano antes. A mídia anticatólica sabe ficar calada quando lhe interessa.

    Se, de fato, a renúncia foi forçada, poderemos antever a realização da profecia de São Francisco de Assis acerca do papa não canonicamente eleito, constante na página 248 do livro a seguir, mas também disponibilizada em vários sites:
    https://archive.org/details/worksseraphicfa00frangoog

    Em relação à questão do espelho na descrição de Lúcia, eu nunca tinha pensado no fato de que pode ter a ver com a existência de dois papas. Já a afirmação de Pedro acerca das palavras de Melanie, não a encontrei no livro que tenho (A aparição de La Salette e suas profecias”, de Luis Eduardo Dufaur), na versão que foi tida pela própria Melanie com a mais completa. Porém, sabemos que houve várias versões escritas pela vidente.

    Rezo muito pelos dois papas.

  23. Um será o Papa a caminhar e a sofrer (profecia de N. Sra de Fátima)..
    O outro será o Papa a cumprir a profecia de S. Malaquias.
    Saberemos depois, inclusive se será o mesmo a passar por ambas situações.

  24. “O que nos leva a perguntar: qual dos dois é o Papa?”

    Em termos de governo, o reinante – óbvio – Francisco.

  25. “Uma coisa é certa. Nossos olhos já viram e nossos ouvidos já ouviram coisas que nunca tinham acontecido em dois mil anos de História da Igreja.” (2) Tem razão, caro Expedito Carneiro. Rezemos nos preparando para mais novidades, mudanças e reformas que ainda virão nestes tempos pós-CVII. Deus salve sua Igreja!

  26. Sempre continuei a ver,sem dificuldade alguma,Bento XVI como Papa.Para mim ele será sempre Papa e creio que recebeu o título por vontade divina e é a coluna mais forte que temos em oração na Igreja,sem menosprezar é claro o Papa Francisco.Mas o papel do Papa Francisco acho que ainda não dá para ser definido,só o tempo dirá.

  27. alguém pode indicar um site que tenha todas as aparições de Maria reconhecidas pela Igreja? Gostaria de estuda-las profundamente, e não encontro uma única fonte de estudo, senão várias e várias “versões” de uma mesma aparição ou somente partes de uma aparição.

  28. José Carneiro, pelo que li de seus comentários percebe-se que você não conhece a FSSPX tampouco os escritos de Dom Antônio de Castro Mayer.

    Nem Dom Lefebvre tampouco Dom Antônio oferecem “caminhos” porque a Igreja jáo fez. Leia pelo menos a “Carta aberta aos Católicos perplexos” para ter uma noção do que critica de forma impensada.

    http://www.permanencia.org.br/drupal/node/1336

    • Não foi bem uma crítica à FSSPX e muito menos a Dom Lefebvre ou a Dom Antônio de Castro Mayer, Pedro Rocha. Critico a apologética na internet da FSSPX, que muitas vezes omite a graça de Deus e o exemplo dos Santos (o que ajudaria muitos dos que não têm a Missa Tradicional a cumprirem aquilo que a Igreja Tradicional pede), para simplesmente declarar guerra a tudo que vem de Roma. Quero dizer que só atacar a igreja do Vaticano II nas redes sociais não é o caminho da Igreja, não é o caminho que os tradicionalistas devem seguir. Deus nos livre de a FSSPX se calar e se aliar com a Roma moderna, mas Deus também livre os tradicionalistas de perseguições porque alguns tradicionalistas, na ânsia de vencer o mal com a Lei de Deus, esquecem-se da Lei de Deus e a transformam em lei humana, dando munição aos hipócritas chamarem os tradicionalistas de fariseus.

      Os ataques à igreja moderna, sem as grandes obras que a Tradição, a verdadeira Fé Católica, traz, não vai atrair os que não percebem o que está acontecendo hoje, antes irá afastá-los ainda mais. Não adianta só apontar o erro sem mostrar o verdadeiro caminho da Igreja, porque se a FSSPX realmente oferece o caminho da Igreja de sempre, o faz só entre os que frequentam suas capelas e priorados, e não aos que veem sua apologética e se escandalizam somente com a Lei da Igreja escrita, sem o que pode ajudar as pessoas a cumprirem a Lei.

      Deus se fez homem para pagar pelo nosso terrível pecado e para nos mostrar o único caminho de salvação, nos deu a graça de alcançar a salvação na Igreja. Se Deus não tivesse enviado Seu único Filho para que tenhamos Vida, o homem, por si, nunca conseguiria a salvação, jamais poderia agradar a Deus com sacrifícios imperfeitos e caindo desgraçadamente em pecado. Basta ver que no tempo de Jesus, os judeus haviam se tornado hipócritas e já não honravam sinceramente Aquele que os tirou da escravidão no Egito, porque a lei sozinha não salva, não liberta, mas aprisiona! Jesus não foi perseguido pelos fariseus por dizer mentiras! Jesus veio tornar a Lei plena e dar a graça para que cumpramos as grandes exigências da Lei de Deus, pois sem a graça, a Lei seria impossível de suportar, como faziam os fariseus, que não cumpriam a Lei mas a defendiam hipocritamente para serem aplaudidos.

      Não digo que a FSSPX faça como os fariseus, porém, pela apologética de seus sites, os modernistas podem concluir isso e vacinar as pessoas contra a Tradição da Igreja!

      Jesus não aboliu a Lei. Nosso Senhor a cumpriu e nos deu a graça, através do Espírito Santo que foi enviado aos apóstolos e a toda a Igreja, para que cumpramos a Lei de Deus como Ele cumpriu. Os grandes Santos da Igreja, fiéis ao que o Espírito Santo revelou, prova esta graça, a dependência que temos do Pai. Que seria dos Santos sem a graça de Deus, se o Deus Onipotente os tivesse abandonado à própria sorte? Não seriam tão grandes Santos. E o que aconteceria com os Santos que não ficaram tão conhecidos, os que não tiveram a força dos grandes Santos e Mártires da Igreja mas que na Igreja doméstica foram exemplo para seus próximos, que seria deles sem a graça de Deus e sem que a Igreja os ajudasse a vencer o mundo?

      Não estou criticando a FSSPX por sua obra que certamente ajuda muitos a se salvarem, muito menos por suas denúncias ao flagelo do modernismo. Porém, o que me preocupa é ver somente críticas ao modernismo nos sites da FSSPX, ou somente críticas à FSSPX, como nos sites da “Resistência”, e pouco da graça de Deus, do exemplo dos santos que os tradicionalistas tanto usam como inspiração, para os que são menos esclarecidos sobre o que acontece também se encantarem pela verdadeira Igreja e não se afastarem dela por medo de parecerem hipócritas ou por mentiras dos modernistas.

      Se falo besteira, por favor, não ache que sou contra a Tradição ou contra a FSSPX. É verdade que eu não conheço muito a Fraternidade, pois aqui no Nordeste ela não está presente e se eu não procurasse sobre a Igreja na internet, eu não saberia nada. Entretanto, muitos que também não conhecem a FSSPX e a Tradição da Igreja, vendo só os ataques, por mais que justos, da FSSPX à igreja moderna e com as mentiras que os modernistas espalham, esses muitos simplesmente seriam vacinados contra a Tradição e presas fáceis dos lobos.

      A Igreja, como Cristo, denuncia os erros do mundo, mas também mostra o caminho da salvação, não fica só atacando e deixando os que não têm conhecimento da Igreja nem a Missa Tradicional se perderem nas mãos dos inimigos.

    • Eu concordo com tudo que Dom Lefebvre e Dom Antônio de Castro Mayer escreveram. Eles foram os grandes defensores da Igreja Católica e não deixaram-se levar pelo espírito do maligno que tanto contamina o mundo. Porém nem todos têm conhecimento do que eles fizeram para o bem da Igreja e os que poderiam saber, vendo somente críticas à igreja moderna e vacinados contra a Tradição, não tomam conhecimento e se afastam da verdade, também porque dentro da FSSPX há brigas e divisões, sinal de tentação maligna, e pouco da demonstração da graça divina.

      O problema definitivamente não é o que a FSSPX defende, pois isto é o que a Igreja Católica fundada por Jesus Cristo defende. O problema está em como a FSSPX defende a Igreja, aparentemente só para os que estão em seu interior, enquanto que os que poderiam se salvar da contaminação do mundo vendo a apologética cristã tradicional, aquela que converteu todo o continente americano um dia e levou o Evangelho de Cristo a todos os continentes, veem hoje somente divisões e brigas, por mais justas que sejam, repito, e sucumbem ao espírito mundo, contaminam-se nas mentiras do mundo. É o que o satanás quer, não o que Deus quer!

      Deus quer Sua Igreja, não um reino divido! Se Roma moderna apostatou e caiu no mesmo erro dos luteranos, anglicanos, dos judeus, etc., com seus “tradicionais” e liberais, é um dever da Igreja verdadeira, seguindo o exemplo de 2 mil anos de Tradição, não se contaminar por esse erro e não se dividir, não se perder apenas na palavra da lei, mas em Cristo, no poder do Espírito Santo que tudo revelou para a Igreja, como a real Igreja Triunfante sempre fez!

  29. Sr. Rodrigo Luz, primeiramente agradeço por pesquisar o assunto. Conforme o site cujo endereço postei, as palavras da vidente de La Sallete constam no livro “The Secret of Melanie and the Actual Crisis”, pelo Abade Combe em 1909.

    Há bastantes referências a esse livro na internet, mas não o achei para ler propriamente.

  30. A nossa missão como leigos, não interfere muito em entrar nestes pormenores, que só a história da Igreja um dia, nos dirá. Quem realmente é o Papa verdadeiro. Na época que houve três papas na Igreja. Só um era o verdadeiro. Houve santos que seguiram os falsos papas como São Felipe Neli. No entanto, não toldou a sua santidade. Este, pensava que estava seguindo o verdadeiro papa. No entanto não era. Nossa missão; nos dias de hoje. É muito árdua e fatigante, em caminhar nestes tortuosos e duvidosos caminhos.Vejamos o exemplo dos velhos marinheiros: Quando as águas do mar estão revoltas. Não lançam as suas frágeis embarcações no mesmo. Podem afundar e morrer todo mundo. Nesta tormenta que estamos atravessando, vamos seguir o exemplos dos marinheiros acima. Vamos permanecer em terra firme. Vendo o exemplo dos cristãos do passados: Vendo o que a Santa Igreja sempre ensinou, conferindo o que Ela ensinou no passado se está de acordo com os dias de hoje. Caso contrário, isso não é católico. Vejamos o exemplo da Irmã Lúcia de Fátima. Dizendo, não precisamos esperar que Roma toma as medidas para solucionar a crise atual. Vamos cada um de nós, empenhar na nossa santificação. O que a Santa Igreja sempre ensinou, vai continuar ensinando sem contradizer com o passado. Deus só está permitindo esta crise horrível na Sua Igreja. Depois de longos anos de TRADIÇÃO. Aí temos como “agarrar” para chegarmos o porto da nossa salvação.
    Joelson Ribeiro Ramos.

Trackbacks