Beato Pe. José de Anchieta será canonizado no dia 2 de abril.

Por José Maria Mayrinqui – O Estado de São Paulo: O padre José de Anchieta será declarado santo, por decreto do papa Francisco, no início do mês de abril, anunciou nesta quinta-feira, 27, o arcebispo de Aparecida, cardeal d. Raymundo Damasceno Assis, em entrevista ao repórter Silvonei José, na Rádio Vaticano. A notícia é surpreendente, porque não se esperava que a cerimônia de canonização fugisse às regras da Congregação para as Causas dos Santos, que vinha trabalhando para acelerar o processo de Anchieta.

Tela de Benedito Calixto, de 1893, retrata Padre José de Anchieta. Pinacoteca do Estado/Reprodução

Tela de Benedito Calixto, de 1893, retrata Padre José de Anchieta. Pinacoteca do Estado/Reprodução

Segundo d. Damasceno, a canonização por decreto, em vez de uma celebração solene na Praça de São Pedro, foi decisão pessoal do papa, que na mesma data, a ser ainda fixada, vai declarar santos dois missionários canadenses. A assinatura do decreto ocorrerá antes da canonização dos papas João XXIII e João Paulo II, marcada para o dia 27 de abril, que deverá atrair mais de dois milhões de pessoas.

“Vamos comemorar de uma maneira simples a canonização do Padre Anchieta a partir da assinatura do decreto, que corresponde a uma forma equivalente à proclamação solene de um santo”, anunciou d. Damasceno. Em seguida, haverá outras comemorações, a começar por uma missa celebrada em conjunto com os canadenses em uma paróquia romana e por outra missa, a ser presidida por Francisco no Colégio Pio Brasileiro, em Roma. A data depende da agenda do papa.

Pio. Dirigido até agora pelos jesuítas, o Pio Brasileiro está comemorando 80 anos de existência e passará a ser administrado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Essa instituição abriga os padres brasileiros enviados a Roma para fazer mestrado e doutorado em Teologia. Seu novo diretor será, provavelmente, padre Lauro Versiani, reitor do Seminário São José, em Mariana (MG).

D. Damasceno, que é também presidente da CNBB, adiantou que haverá celebrações pela canonização de Anchieta durante a assembleia-geral do episcopado em Aparecida, na primeira quinzena de maio, e nas cidades em que ele atuou como missionário: São Paulo, Rio, Vitória e Salvador. O cardeal prevê que haja comemorações também nas Ilhas Canárias, onde José de Anchieta nasceu em 1534, e em Portugal, onde ele se tornou jesuíta e estudou. Morreu em 1597, no Espírito Santo.

Anchieta foi beatificado em 1980 pelo papa João Paulo II. A canonização estava dependendo da aprovação de um milagre, que Francisco dispensou. “O beato Anchieta, Apóstolo do Brasil, é venerado em todas as regiões do País e centenas de graças são atribuídas à sua intercessão”, observou padre César Augusto dos Santos, vice-postulador da causa de canonização.

* * *

Marcada missa para canonização de José de Anchieta

CIDADE DO VATICANO, 19 MAR (ANSA) – No próximo dia 24 de abril, o papa Francisco rezará na igreja de Santo Inácio de Loyola, em Roma, uma missa de agradecimento pela canonização do padre José de Anchieta, religioso fortemente ligado à evangelização no Brasil e que será transformado em santo no dia 2 do mês que vem, por meio de um decreto papal. As informações são do blog vaticano Il Sismografo.

Nascido em Tenerife, nas Ilhas Canárias (Espanha), o jesuíta desembarcou em solo brasileiro no século XVI, onde fundou ao lado do padre Manoel da Nóbrega um colégio em Piratininga, que deu origem à cidade de São Paulo. Assim como Anchieta, o atual Pontífice também é proveniente da Companhia de Jesus, ordem fundada por Inácio de Loyola, não por acaso o nome da igreja onde a canonização será solenizada.

A beatificação do jesuíta espanhol ocorreu em 1980, por ordem de João Paulo II. Francisco também confirmou a alguns bispos espanhóis que vai assinar decretos para transformar em santos dois beatos franceses que promoveram a evangelização no Canadá: François de Montmorency-Laval e Maria da Encarnação Guyart.

Tags:

38 Comentários to “Beato Pe. José de Anchieta será canonizado no dia 2 de abril.”

  1. Até a imprensa italiana se mostra surpreendida com essas canetadas bergoglianas: em poucos meses seis novos santos canonizados fora das regras. Isto é sem nenhum milagre comprovado depois da beatificação. É um procedimento excepcional usado raríssimas vezes na história. Mas Papa Francisco o está usando com uma frequência sem precedentes.
    http://chiesa.espresso.repubblica.it/articolo/1350746

  2. Muito embora possa ser questionado o modus operandi concernente à sua canonização (canetada bergogliana), conforme afirmado pela Sra. Gercione Lima, indubitavelmente o Pe. José de Anchieta S.J., é um grande santo. Infelizmente já não se faz mais jesuítas como ele. Eu penso que não foi canonizado há muito tempo, por causa de interesses politicamente corretos, os quais questionavam seu modo de proceder para com os índios. De qualquer, forma ganha a Igreja instituição, bem como todos os fiéis, com a elevação do Apóstolo do Brasil à glória dos altares.

  3. GERCIONE!
    O Beato JOSE DE ANCHIETA penso ,realmente é um Santo…enfrentar o que ele enfrentou…, não deve ter sido fácil!

    Quanto ao famosíssimo Bispo de Roma….ele,…… é………muiiiiiiiiiiiiiiito “diferente”!!!!!!! Realmente surpreendente! Que os SANTOS roguem pela IGREJA CATOLICA! Amém!

    A sua….”normalidade” e…”informalidade” espanta……………..!!! é extraordinária, mesmo!
    JESUS nos abençôe! SALVE MARIA! SAO JOSE rogai por nós!

  4. Estamos, atualmente, entre a….CRUZ E A ESPADA!!!! !!!!!!!!!!!!!!

    Todos devemos ter bastante cuidado….A situação é realmente EXTRAORDINARIA!!!!!!!!!!!!!!!!

    Se criticamos “alguém” muiiiito importante …..que mora em Roma….podemos pecar gravemente, conforme os Textos Sagrados nos dizem…..

    Se o seguirmos, aplaudindo suas……atitudes….podemos cair no Erro, grave também, que segundo as PROFECIAS dizem…..pode-se “ir, para looooooonge de JESUS DE NAZARÉ!!!! Então……que devemos fazer?…………..???????????????????….!!!!

    Não sei! ……..Não sei,…mesmo!!!!!!!!……… Penso, que silenciar, procurar não saber de suas atitudes, e orar….Como NOSSA SENHORA diz em MEDJUGORJE: ” REZEM,REZEM,REZEM!!!!”

    MÃE!!!!!!!!!!!!!….A g o r a,…………entendo! Amém! Vou tentar VOS obedecer….Ajude-me! Amém!

    MARANATHA!

    • Mariana…você…ainda…crê…nas…aparições…de MEDJUGORJE? Cuidaaaaaaado!!!!!!! Muitos padres e bispos acreditam que sejam falsas!!!!!!!!!!!! Amém??????

      Mas concordo com você: o Pe. Anchieta é um santo, ainda que o seja declarado assim. Uma pessoa admirável. Conheço gente (antiga) que pedia sua intercessão e conseguiu graças através dele.

      Viva o Beato Pe. Anchieta!

  5. Francisco, o “humilde”, reina… “ABSOLUTO”. Sobre o episódio do Monsenhor Luca Lorusso, o “Bispo de Roma” decretou que o “caso estava sendo estudado a fim de que a pessoa fosse condenada.” Percebam que no curso do inquérito Francisco já manifestou sua intenção de condená-lo, enquanto deveria dizer que as investigações, ao contrário, visam descobrir a verdade dos fatos.

    Até que ponto as “canetadas bergoglianas” têm força de lei?

  6. Simões,
    A canonização de José de Anchieta já deveria ter acontecido a muito tempo, mas só não foi feita pela perseguição do Marques de Pombal aos jesuítas no Império português. Isso atrasou muito o processo, visto que toda documentação da época foi destruída. A supressão dos jesuítas pelo papa Clemente XIV também atrapalhou o processo.
    Independente a forma que a canonização procederá é fato que o Pe josé de Anchieta é um santo. Devemos e muito nossa fé ele. Entretanto é bom esclarecer que esta forma de canonização é possível e não é “invenção” do atual papa. O próprio Bento XVI realizou canonização desta forma (exemplo de santa Hildergard de Bingen). Esta forma de canonização foi muito comum no século XVIII no reinado de Bento XIV que realizou inúmeras canonizações desta forma. (Ex: São Pedro Nolasco, São Raimundo Nonato e São Bruno e grande São Gregório VII)

  7. O problema é justamente canonizar por ‘achismo’. “Ah, o povo acha que ele é santo”. Eu concordo que houve em casos precedentes, sobretudo com os mártires e padres dos primeiros tempos, mas corre-se o risco atualmente de fazer da exceção a regra: ‘vocês gostam de um padre que morreu? De um frei? Pronto! Agora ele é Santo’. Eu conheço muitos devotos de Pe. Cícero, mas não de Pe. Anchieta. Nunca é demais lembrar o caso de Clemente de Alexandria, que foi retirado do Cânon dos Santos pelo Papa Clemente VIII cuja decisão foi mantida por Bento XIV. As canonizações expressas via decreto durarão por quanto tempo?

  8. Eu apenas observo as notícias e tiro minhas próprias conclusões. Certa vez traduzi um dos sermões do meu querido Santo Cura D’Árs, entitulado: “Eu venho em nome de Deus” onde ele faz uma longa exposição sobre o Purgatório.
    Nesse Sermão o Santo Cura d’Ars diz:

    “Meus irmãos, Deus é justo em tudo que Ele faz. Quando Ele recompensa-nos até pela menor boa ação que fazemos, Ele nos dá muito mais do que qualquer um de nós merecemos. Um bom pensamento, uma boa ação, um bom desejo, ou seja, o desejo de fazer uma boa obra, mesmo quando não somos capazes de fazê-la, Ele nunca nos deixa sem uma recompensa. Mas também, quando se trata de uma matéria de punição, isto é feito com o maior rigor e ainda que tenhamos a menor falta seremos enviados para o Purgatório. Isto é verdade absoluta e nós comprovamos isto pela vida dos santos. Muitos deles não chegaram ao Céu, sem antes terem passado pelas chamas do Purgatório.
    São Pedro Damião conta-nos que sua irmã permaneceu vários anos no Purgatório porque ela ouviu com prazer certos tipos de músicas. Conta-se também que dois religiosos fizeram um pacto um com o outro, acertando que quem morresse primeiro viria contar ao sobrevivente em que estado ele se encontrava. Deus permitiu que isso acontecesse e quando um deles morreu, apareceu ao seu amigo.
    Ele contou ao seu amigo que tinha permanecido 15 anos no Purgatório por seu orgulho de sempre querer fazer as coisas a seu modo. Então seu amigo o cumprimentou por ter permanecido lá por tão pouco tempo! O morto então respondeu: – Eu teria preferido ser queimado vivo por 10 mil anos ininterruptos nessa terra, pois esse sofrimento nem poderia ser comparado com o que eu sofri 15 anos naquelas chamas! Um sacerdote contou a um de seus amigos que Deus o havia condenado a permanecer no Purgatório por vários meses, por ter segurado a execução de uma boa-obra que era Vontade de Deus que fosse feita. Coitados de nós, meus irmãos! Quantos de nós não temos faltas semelhantes? Quantos de nós recebemos a tarefa de nossos parentes e amigos de mandarmos celebrar Missas e dar esmolas e simplesmente fazemo-nos de esquecidos! Quantos de nós evitamos fazer boas-obras apenas por respeito humano?
    E todas essas almas presas nas chamas, porque não temos coragem de satisfazer seus desejos! Pobres pais e pobres mães, vocês agora estão sendo sacrificados pela felicidade de seus filhos e parentes! Vocês talvez tenham negligenciado sua própria salvação para construírem suas fortunas. E agora vocês estão sendo traídos pelas boas-obras que vocês deixaram de fazer enquanto ainda estavam vivos! Pobres pais! Quanta cegueira é esquecer de nossa própria salvação!
    Você talvez me dirá: -Nossos pais eram pessoas boas e honestas. Eles não fizeram nada de tão grave para merecerem essas chamas! Ah! Se vocês soubesses que eles precisavam de muito menos do que eles fizeram para cair nessas chamas! Vejam o que disse a esse respeito, Alberto, o Grande, um homem cujas virtudes brilharam de modo extraordinário! Ele revelou a um de seus amigos, que Deus o havia levado ao Purgatório por ter se orgulhado de um pensamento sobre seu próprio conhecimento. A coisa mais surpreendente foi que ali haviam verdadeiros santos, muitos que inclusive já tinham sido canonizados pela Igreja e que estavam passando pelas chamas do Purgatório.
    São Severino, Arcebispo de Colônia, apareceu a um de seus amigos muito tempo depois de sua morte e disse-lhe que ele havia passado um longo tempo no Purgatório por ter adiado pra de noite, as orações do breviário que ele devia ter recitado pela manhã”. ( São João Vianney)

    Quem sabe esses “muitos santos, que o Santo Cura d’Ars diz que já tinham sido canonizados pela Igreja e que estavam passando pelas chamas do Purgatório” eram exatamente aqueles das chamadas “”canonizzazione equipollente”?
    Para esse tipo de canonização, de acordo com a doutrina de Bento XIV, são necessários três elementos: “a posse do antigo culto, o atestado constante e comum de confiável histórico sobre as virtudes ou martírio e fama ininterrupta de prodígios.”
    Papa Bergoglio ao receber em audiência o Monsenhor Bernardo Álvarez Afonso, Bispo de San Cristóbal de la Laguna em Tenerife, Ilhas Canárias, anunciou que no próximo dia 2 de abril proclamará como Santo um filho ilustre daquela ilha e que ele será definido como o Apóstolo do Brasil. A noticia já havia sido antecipada desde fevereiro ao Cardeal Raimundo Damasceno.
    Dom Alvarez então divulgou a noticia no site da sua Diocese explicando que junto a José de Anchieta, seriam proclamados santos dois beatos franceses que desempenharam papel importante na evangelização do Canadá.
    Como diz a matéria do Diário de Sandro Magister:

    “Tudo normal? Não. O Bispo de Tenerife revelou que os três beatos serão proclamados santos não com o procedimento ordinário que exige o reconhecimento canônico de pelo menos um milagre atribuído à sua intercessão, mas através de um canal extraordinário definido historicamente como “canonização equivalente”.

    O que eu posso afirmar da Doutrina do Purgatório é o que diz São Tomás de Aquino na Summa Teológica:

    ” Os que se encontram no Purgatório, ainda que sejam superiores a nós por sua impecabilidade, são todavia inferiores levando em conta as penas que padecem. Portanto, não estão em estado de interceder por nós, mas sim num estado em que necessitam de que rezemos por eles ”(S. Th., II-II, q.83, a.11, ad.3)

    Já no tocante aos Bem-Aventurados e Santos, São Tomás diz o seguinte:

    ” Mas aos bem-aventurados,como diz São Gregório em XII Moral., se lhes manifesta no Verbo o que lhe convém conhecer de nossas coisas, e inclusive de quando se refere aos movimentos internos do coração. Contudo, o que encaixa melhor com sua excelência é que conhecem as petições a eles dirigidas de palavra ou mentalmente. E por isso se inteiram, porque Deus se lhes dá a conhecer, das petições que lhes fazemos.”(S. Th, IIaIIae, q.83, q.4, ad.2)

    Então o reconhecimento de um milagre atribuído a um Bem-Aventurado sempre foi a prova que a Igreja precisava para proclamar que um dos seus filhos já desfruta da visão beatífica e se encontra em estado unitivo, isto é, em união especial com a Pessoa do Verbo.
    Sem a prova canônica desse milagre eu diria…devagar com o andor porque o santo é de barro.

    • Segundo disse o Revmo. Padre Vice-Postulador da causa do Beato José de Anchieta, há vários milagres atribuídos à sua intercessão que estavam sendo investigados, quando se mudou o rumo do processo de canonização.

  9. GERCIONE!
    Que bom ter você nos COMENTARIOS! Aprende-se muito com seus escritos! Obrigada!

    Sei que meu AMADO JESUS de NAZARÉ é o MESSIAS, MISERICORDIOSO, mas que também é……JUIZ!

    SUPREMO JUIZ DIVINAL!!!!…… e, que o tempo da MISERICORDIA é agora, quando vivos, podemos orar, nos arrepender,….confessar, interceder…! Do “outro lado” há a JUSTIÇA DIVINA…o JULGAMENTO INDIVIDUAL, aonde…… n ad a , nadinha mesmo, passa despercebido aos OLHOS DO SENHOR!!!………

    Já li o TESTEMUNHO DE GLORIA POLO!!!!

    Há na INTERNET no YOU TUBE… e, ela já veio à CACHOEIRA PAULISTA aonde testemunhou uma Experiencia MISTICA Verdadeira,….. muiiiiiito instrutiva!!! INSTRUTIIIIIVA demais…….!!!

    Há seu livro em livrarias….é muiiiito interessante, e todos deveriamos lê-lo, como eu já li….e, releio, de vez em quando, para…….. “refrescar” minha memoria…..!!! e , me precaver, além da LEITURA ORANTE DA PALAVRA, MISSA DIARIA etc etc etc é claro!!! Tarefas- do- ofício….do REBANHO CELESTE!!!..é óbvio!………..TAREFAS MUIIIIITO AMADAS, por mim, graças à DEUS! Amém!

    Claríisimo!!! Ovelha prudente………NÂO deixa e nem perde,o AMADO !!!!!…é óbvio!!! agarra NELE,”gruda”,…. noite, e dia, ano após ano! Um vero “XODÓ” eterno! Graças à DEUS! apesar de tudo! Amém!
    VIVA JESUS AMORE! SALVE REGINA MARIA!

  10. O que me preocupa são os reais motivos de sua canonização – a exemplo de Madre Tereza de Calcutá, acusada de proibir que fossem batizados, em seus hospitais, as crianças em perigo de morte – delas serem bem politicas.

    Coisa que ocorre também com as canonizações de João XXIII e João Paulo II, quando tornados santos, a Igreja quer dizer que também serão modelos a serem seguidos e, nesses casos – sei que nem mesmo eles querem, agora, diante da relidade que os cercam -, modelos nada exemplar, ante seus pecados publicos irrefragáveis.

    Inversamente, ocorre com José de Anchieta, que pode servir de instrumento-cnbb das missões Roraima pro defesa da cultura indigina, maculando a verdadeira biografia do beato – pecado contra o segundo mandamento, blasfêmia.

    Penso que José de Anchieta figura entre os maiores santos confessares da fé da gloria da Igreja, chegando à mesma altura de São Francisco Xavier, se bem examinada sua vida, com o devido processo tradicional de canonização.

    E é com pesar que não será de forma tradicional a declaração de santo do beato José de Anchieta, pois, nesse ínterim, o beato intensifica nossos pedidos a Deus para dar provas de sua real santidade, concedendo-nos muitas graças e milagres.

    São José de Anchieta, dai-nos santos confessores!

    • Sotero Sales,
      Pode me dizer onde eu poderia ler sobre essas acusações contra Madre Teresa? Obrigado.

    • Oh, André, realmente queria dar uma fonte confiável, vou trazer-lhe assim que encontrar novamente. Se puder me ajudar neste ponto, por favor, considero fato grave, se confirmado, o que reforça minha tese de que grande parte das canonizações são de linha politicas-ideologicas.

      Que me lembro da celeuma da época foi o fato de aventaram que Santa Madre Tereza não permitira dar o batismo as crianças de outro credo, mesmo estando elas em de perigo de morte.

    • Irei procurar também.

    • André,

      A ponta do barbante começou a ser puxada quando do processo de canonização de Madre Teresa:

      […]Referindo-se ao crescente nacionalismo religioso na Índia, aos recentes ataques de extremistas hinduístas a cristãos e às leis anticonversão, Ir. Nirmala Joshi declarou à agência AsiaNews, que “Madre Teresa respeitava as pessoas de todas as crenças, e a devoção ao tratar com elas, superava sua identidade religiosa”.

      “Essa atitude de Madre Teresa é um chamado a cada um de nós, para que possamos redescobrir a nossa dignidade de seres humanos, como filhos de Deus” _ concluiu Ir. Nirmala. (JK)[…]

      fonte: http://pt.radiovaticana.va/storico/2006/09/06/%C3%ADndia_recorda_nove_anos_da_morte_de_madre_teresa/bra-93935

  11. O mal da questão não é canonizar fora das normas um Santo que todos, desde os tempos em que a Sã Doutrina era seguida, sabem que é Santo. O problema é canonizar quem ninguém conhece por decreto, não porque se sabe que é santo mas por uma autoridade que não é isenta de falhas como a de Bergoglio.

    Se canonizações por decreto eram feitas nos séculos passados, naqueles tempos a verdade era afirmada sem medo algum de escandalizar a mentira, esta que não prosperava dentro da Igreja, porque os Papas usavam sua autoridade para o bem dos fiéis, com raras exceções, diferente do que faz Francisco, que usa sua autoridade não para combater erros ou dizer somente verdades, e sim ao contrário, para favorecer heresias e destruir o domínio da Sã Doutrina Católica, como é evidente.

    Acho, apesar da alegria de poder chamar o Padre José de Anchieta de Santo, que seria melhor se ele permanecesse um Santo que só Deus e quem o conhece sabem que é Santo, para seus feitos não serem manipulados pelas loucuras da teologia da libertação ou doutro movimento herético, como São Francisco de Assis, porque já vi entrevistas onde o cardeal Damasceno diz que José de Anchieta é o defensor dos índios… e sabemos que a maioria das pessoas hoje é ociosa em buscar saber a verdade, e acredita no que os mal-intencionados dizem. Por isso pensam em São Francisco como num ecologista hippie que só se preocupava com a natureza, e pensarão que José de Anchieta era somente um defensor dos índios e não o evangelizador dos índios, quem tirou muitos índios da escravidão do paganismo sem abrir mão da Missa ou da Doutrina Católicas. O que não evangeliza ninguém, antes faz com que as pessoas não conheçam e não tenham devoção por grandes Santos, mas sigam erros, e o resultado todos podem ver que não é bom!

    Em algum lugar que tem um bom Padre que não siga heresias, com certeza a canonização do grande José de Anchieta fará muito bem, embora, lamentavelmente, sejam poucos esses lugares. Porém, onde desgraçadamente o padre é herege ou ignorante, um José de Anchieta distorcido e defensor dos erros dos índios será mostrado e sua canonização fora das normas será tida como uma mensagem de que o papa não segue as normas da Igreja e que às vezes ou com frequência devemos fazer o mesmo não dando muito valor ao que é regra.

  12. A canonização é ato do magisterio extraordinario e infalivel do papa. Ele pode fazer como preferir, com processo ou sem processo, Jesus Cristo não permite que seu vigario erre neste ato. Quanto à hipotese de santos canonizados passarem pelo purgatorio, isso é bem possivel antes de sua canonização. Todavia, se o papa canoniza um santo, isto é, propõe-no como intercessor para a Igreja universal, ele não pode errar e, por isso, o santo em questão não pode estar mais no purgatorio. Do contrario seria admitir que o papa pudesse errar em seu magisterio extraordinario, propondo como intercessor de toda a Igreja alguém que não pudesse interceder.

    • E desde quando as almas no Purgatório não podem interceder por nós? Isso é catecismo básico, dr. Rodrigo Pedroso…

    • A questão não é só de interceder, santo também é modelo a ser seguido. Tem dia de festa e tudo.

  13. Acho que estão abrindo caminho para canonizações de:
    – Pe. Oscar Romero, Chico Mendes, Irmã Dorothy, Teilhard de Chardin, Karl Rahner etc…
    No futuro, como disse para mim (com muita raíva) um padre: o Leonardo Boff será canonizado quando morrer!

  14. Coitado, vai ser canonizado bem agora que o trabalho dele de evangelização dos selvagens foi por água a baixo. E olha que eu sou tataraneto de índia, hein? A moda hoje é voltar a mostrar os glúteos com pena na cabeça, ao som do mc berimbau da camaradagem, da rapaziada que solta rojão. E olh que eu sou tetraneto de escravos, hein? Seu osso além de roubado só pode estar revirado na urna, de vontade de volta pra mostrar pro betinho cuméquisifaiz.

  15. Bem, falamos de um santo que já deveria ter sido investigado o seu caso de canonização muito antes. Uma pena que ele pode ter sua imagem deturpada pela maldita TL.

  16. Alegro-me com a canonização de Padre José de Anchieta. Conheci pessoalmente, em 1995, o padre Viotti, que tanto desejou chegar este dia. Cabe lembrar que a princesa Isabel também apoiou a beatificação de Anchieta, solicitando-a ao Papa Leão XIII. Mais feliz ainda ficaríamos com uma celebração solene em Roma, como a que tive a alegria de presenciar com a beatificação de Frei Galvão, em Roma, e a sua canonização em São Paulo.

  17. O Papa Francisco está popularizando essa forma de canonização para que, após a sua morte, também possa ser canonizado como “São Francisco, o Papa da Humildade”.

  18. Gente, por favor, vamos conhecer o procedimento e não ficar por aí dizendo que o papa está canonizando a canetadas. Vamos descer um pouco de nossos pedestais e nos dispor a aprender mais sem nos acharmos donos da verdade. O procedimento utilizado pelo papa se chama “canonização equipolente” e não é uma invenção de Francisco, mas é utilizada na Igreja desde o pontificado de Bento XIV, inclusive Pio XII e Bento XVI realizaram esse tipo de canonização. Esse procedimento consiste em apenas expandir para toda a Igreja o culto de um beato que na verdade já não há mais dúvidas sobre suas virtudes heróicas e, em alguns casos, que já possui até uma veneração consolidada em determinado local, mas que por determinados motivos não se consegue a confirmação somente do 2º milagre. Isso ocorre por exemplo com beatos que viveram há muitos séculos (caso de Anchieta), ou em casos onde a diocese possui dificuldades financeiras para prosseguir o processo (sim, um processo de beatificação/canonização não é barato. As traduções dos processos para o italiano são caras).
    O Sumo Pontífice Romano, como sucessor de Pedro e detentor do poder dado pelo próprio Cristo, tem autoridade suficiente para liberar um beato do 2º milagre. E quando isso ocorre, o mais comum é que não seja feita uma cerimônia pública de canonização, mas sim só a assinatura do decreto (João XXIII é a única exceção que conheço, que será feita cerimônia pública).
    O beato Anchieta já tinha fama de santidade em vida, o seu processo foi aberto não muito tempo depois de sua morte, mas ele foi interrompido por conta da expulsão dos jesuítas do Brasil e posterior supressão da Companhia (como bem lembrou um irmão acima). Penso que esse deveria ser um momento de alegria para nós e não de indagações.
    E podem reparar, todas as vezes que essa canonização foi utilizada, se trata de beatos que morreram há muitos séculos (João XXIII é das poucas exceções). Pensem bem, o povo não faz novena pedindo graças para beatos dos séculos XVII, XVIII, XV… Para santos até que vai, agora beatos cujo culto só é local fica difícil mesmo conseguir os milagres.
    Quem quiser se conhecer o assunto e tiver uma noção de latim, consulte a obra “De Servorum Dei beatificatione et de Beatorum canonizatione” (tem no Google Books), do papa Bento XIV. Lá estão as regras que regulam este procedimento.

  19. A canonização equipolente sempre foi utilizada pelos papas, não é uma “novidade” deste pontificado:
    Urbano VIII, realizou duas canonizações equipolentes.
    Alexandre VII, três canonizações equipolentes.
    Inocêncio XII, duas ( uma delas, a de Santa Zita, a padroeira das domésticas).
    Clemente XI, três.
    Bento XIII, uma.
    Bento XIV, uma.
    Pio VIII, uma.
    Gregório XVI, quatro.
    Pio IX, onze.
    Leão XIII, a incrível cifra de 78!!!
    Pio X, vinte e sete.
    Pio XI, duas.
    João XXIII, uma.
    Paulo VI, duas.
    João Paulo II, uma.
    Bento XVI, uma ( a mística do Reno, Santa Hildegarda)
    Francisco, até agora duas.

    • E alguém tá dizendo coisa contraria senhores, equipolentes ou a canetadas, não foi esse o mérito. A questão está no mau uso delas.

  20. Gercione Lima de fato escreve muito bem mas eu gostei muito da simplicidade e de como foi direto o comentário do Leonardo. Bergoglio quem sabe está fazendo seu “investimento”; as avessas mas está tentando. “Vai que cola”… Ôh!!!

  21. O Pe. Anchieta não fez como o CIMI. Ele catequizou os índios e aprendeu seu idioma para lidar com eles. Ele, como os demais jesuítas, livrou os índios do paganismo e da impiedade dos caçadores de escravos. Qualquer invencionice de um Pe. Anchieta no estilo FUNAI ou CIMI precisa ser desmascarada por ser uma fraude marxista – uma mentira, e de pernas curtas.

  22. A Gazeta, de Vitória-ES, tem publicado reportagens a respeito.

    No domingo, publicou uma entrevista com o vice-postulador da causa.

    Há material aqui, que, confesso, ainda não li: http://gazetaonline.globo.com/novo/index.php?id=/especiais/santo_anchieta/index.php .

  23. Pe Anchieta. Esse dispensa comentário!!!

  24. Penso que há santos que nunca foram e nem serão canonizados. Esse “tipo de canonização” penso eu, poderia até atrapalhar a memória do santo. “Pelo andar da carruagem” até eu posso ser “canonizado” fora das regras. “Ninguém merece”… kkkkk

  25. Catecismo basico, sr. Arnaldo sem sobrenome? As almas do purgatorio não podem ajudar-se sequer a si mesmas, por isso precisamos rezar por elas. Santo Tomás também não conhecia o seu “catecismo basico”: «Os que se encontram no Purgatório, ainda que sejam superiores a nós por sua impecabilidade, são todavia inferiores levando em conta as penas que padecem. Portanto, não estão em estado de interceder por nós, mas sim num estado em que necessitam de que rezemos por eles» (S. Th., II-II, q.83, a.11, ad.3). Aproveite, sr. Arnaldo, depois de terminar de ler o “catecismo basico”, estudar o que Santo Afonso de Ligorio diz da intercessão das almas do purgatorio em seu opusculo sobre A Oração, para ver que a coisa não é tão certa assim como você pensa. Ou será que o senhor segue o “catecismo basico das treze almas benditas”? (distribua treze copias desta corrente e aguarde treze dias, hehehe)