“O diabo existe também no século XXI. Aprendamos do Evangelho a combatê-lo”.

Cidade do Vaticano (RV) – Como todas as manhãs, o Papa Francisco presidiu à Santa Missa na capela da Casa Santa Marta.

A homilia desta sexta-feira foi toda dedicada à luta contra o demônio. “A vida de Jesus foi uma luta. Ele veio para vencer o mal”, disse o Pontífice, que advertiu: trata-se, porém, de uma luta que todo cristão deve enfrentar. 

Também nós somos tentados, também nós somos objeto do ataque do demônio, porque o espírito do Mal não quer a nossa santidade, não quer o testemunho cristão, não quer que sejamos discípulos de Jesus. E como faz o espírito do Mal para nos afastar da estrada de Jesus com a sua tentação? A tentação do demônio tem três características e nós devemos conhecê-las para não cair nas ciladas. A tentação começa levemente, mas cresce: cresce sempre. Depois, cresce e contagia outra pessoa, passa a outro, tenta ser comunitária. E, no final, para tranquilizar a alma, se justifica. Cresce, contagia e se justifica”.

A tentação, observou o Papa, parece uma sedução. Quando é rejeitada, cresce e se torna mais forte, envolvendo outras pessoas. Assim aconteceu com Jesus, o demônio envolveu os seus inimigos. Quando Ele fala na Sinagoga, seus inimigos tentam menosprezá-lo, dizendo: “Mas este é o filho de José, o carpinteiro, o filho de Maria! Nunca foi à Universidade! Mas com qual a autoridade fala? Não estudou!”. A tentação, disse, “envolveu todos contra Jesus”. E o momento “mais forte da justificação é o do sacerdote”, quando diz: “Não sabem que é melhor que um homem morra para salvar o seu povo?”: 

“Temos uma tentação que cresce: cresce e contagia os outros. Pensemos numa intriga, por exemplo: sinto inveja de uma pessoa. Primeiro é um sentimento pessoal, mas depois tenho que compartilhá-lo com o outro. Cresce e vai contagiando… Mas este é o mecanismo das intrigas e todos nós somos tentados a fazê-las! Talvez alguns de vocês não, se são santos, mas também eu sinto esta tentação! É uma tentação cotidiana. Mas começa assim, suavemente. Depois cresce e, no fim, se justifica”.

Estejamos atentos, disse ainda o Pontífice. “Quando no nosso coração sentirmos algo que acabará por destruir as pessoas, se não pararmos a tempo, esse sentimento crescerá e nos restará justificar: 

“Todos somos tentados, porque a lei da vida espiritual, a nossa vida cristã, é uma luta: uma luta. Porque o príncipe deste mundo – o diabo – não quer a nossa santidade, não quer que sigamos Cristo. Alguém de vocês, talvez, poderá dizer: ‘Mas, Padre, como o senhor é antigo, falar do diabo no século XXI!’. Mas, olhem que o diabo existe. Existe. Inclusive no século XXI! E não devemos ser ingênuos, eh? Devemos aprender do Evangelho como se faz a luta contra ele”.

Tags:

17 Comentários to ““O diabo existe também no século XXI. Aprendamos do Evangelho a combatê-lo”.”

  1. As homilias do Papa Francisco são muito simples e diretas, o que permite que cheguem até às pessoas menos doutas e ilumine as que se acham mais sábias para que creiam nesta verdade básica do Cristianismo que é contantemente negada no nosso século: o diabo existe e está mais ativo do que nunca.
    Mas se fossemos a descrever todas as situações onde ele atua na sociedade, daria uma encíclica :)

    • Hoje foi bem, fez uma homilia que pode ser usada para instruir. O problema é que nem sempre é assim, aliás, raramente é assim… na maioria das vezes Francisco é ambíguo e fala dos tradicionalistas e “casuísticos”. Veja esta outra e quantas interpretações são possíveis:

      O Pontífice iniciou relatando que no Evangelho de Marcos, os fariseus vão a Jesus e lhes apresentam o problema do divórcio, questionando se era lícito ou não.

      “Jesus respondeu explicando aos fariseus porque Moisés havia feito aquela lei. Deixando a casuística de lado, ele vai ao centro do problema e chega aos dias da Criação. A casuística é uma armadilha: “por detrás da mentalidade de reduzir tudo a casos, existe sempre uma armadilha contra as pessoas e contra Deus, sempre!”.

      “Quando Paulo deve explicar o mistério de Cristo, se refere à sua Esposa, porque Cristo é casado, casado com a Igreja, seu povo. Como o Pai havia se casado com o Povo de Israel, Cristo se casou com o seu povo. Esta é a história do amor, e diante deste caminho de amor, deste ícone, a casuística decai e se transforma em dor. “Quando deixar o pai e a mãe e unir-se numa só carne se transforma num fracasso – e isso pode acontecer – devemos acompanhar as pessoas que sofrem por terem fracassado no próprio amor. Não condenar, mas caminhar com eles e não fazer casuística com eles”.

      http://www.news.va/pt/news/papa-acopanhar-e-nao-condenar-casais-que-fracassam

      Não fazer casuística com os recasados, é não observar completamente a Lei de Cristo. Os fariseus eram casuísticos, mas com a lei de Moisés, lei que não era eterna. A Lei de Cristo, ao invés, é eterna e diz claramente que o adultério é pecado e quem o comete não pode comungar. E mais, os fariseus eram a favor do divórcio, por isso obedeciam à lei de Moisés sem pensar. Cristo voltava até à Criação e justificava a indissolubilidade do matrimônio, e revelou plenamente a Lei de Deus, ao contrário de Moisés, ao que ser casuístico como os fariseus com as leis do mundo é errado, mas seguir sem questionar a Lei de Cristo é o certo.

      Muitos – a maioria, é óbvio – dos padres viram nessa homilia que não devem condenar os recasados e não devem ser casuísticos. Essa homilia veio logo depois daquele consistório em que o cardeal Kasper falou e enquanto era questionado por muitos cardeais conservadores, era aplaudido por Bergoglio e pelos progressistas.

      Eis o problema de se encantar quando Francisco fala alguma coisa boa e propagá-lo: depois ele sempre fala coisas ruins e os que se encantaram com suas falas certas, são expostos ao perigo de aprenderem o que é errado.

    • Fábio,

      1. a primeira impressão que tive foi que o papa deu uma personificação as fofocas e cizânias, contrario a doutrina católica que afirma a verdade de que o demônio é um anjo, lúcifer, ente real espiritual, dotado de inteligência e vontade.

      2. Outro aspecto pode também ser considerado, o fator psicologia, o papa sabe bem como funciona: “Mas este é o mecanismo das intrigas e todos nós somos tentados a fazê-las!” essa conceito é ensinado nos bancos acadêmicos de psicologia.

      3. Se talvez houvesse um anglicano por lá, não disse nada que estes hereges protestante sempre dizem. No Brasil os vigaristas descendentes dos protestantes tradicionais sempre o fazem: silas malafaia, edir Macedo e cia.

      4. Mas ocorre que o papa outra vez usou métodos comunistas de instrumentalizar a Igreja para fazer propaganda comunista pró revolução: “Porque o príncipe deste mundo – o diabo – não quer a nossa santidade, não quer que sigamos Cristo.” o diabo aí tem sentido de discórdia e desigualdade social, sendo santificação, o igualitarismo e Jesus o revolucionário: “Não sabem que é melhor que um homem morra para salvar o seu povo?”:

      5. O papa superou gutierrez e todos os seus filhotes, boff, beto:

      “Mas este é o filho de José, o carpinteiro, o filho de Maria! Nunca foi à Universidade!” UNIVERSIDADE?!

      […]é uma luta: uma luta.

      Perceba quantos vocábulos há no texto que são motes dos revolucionários comunas.

      “Devemos aprender do Evangelho como se faz a luta contra ele”.(ele: o capitalismo?).

      “Quando Paulo deve explicar o mistério de Cristo, se refere à sua Esposa, porque Cristo é casado, casado com a Igreja, seu povo.”

      “Quando deixar o pai e a mãe e unir-se numa só carne se transforma num fracasso – e isso pode acontecer – devemos acompanhar as pessoas que sofrem por terem fracassado no próprio amor. Não condenar, mas caminhar com eles e não fazer casuística com eles.”

      Nesses dois últimos, ver abaixo, no comentário de José Carneiro.

  2. “Porque o príncipe deste mundo – o diabo – não quer a nossa santidade, não quer que sigamos Cristo. Alguém de vocês, talvez, poderá dizer: ‘Mas, Padre, como o senhor é antigo, falar do diabo no século XXI!’. Mas, olhem que o diabo existe. Existe. Inclusive no século XXI! E não devemos ser ingênuos, eh? Devemos aprender do Evangelho como se faz a luta contra ele”.

    Leiam essas palavras, larvas da “teologia” da maldição, saiam de uma vez da Igreja e fundem a vossa igrejola latino americana libertadora inferneira, raça de víboras…..
    Vosso “papa” pode ser o tal “frei beto” que insiste em sugar a IGREJA CATÓLICA e se beneficiar de tudo o que ela lhe proporciona materialmente $$$$$$$$ falando, porque a ESPIRITUALIDADE dela vc jogou fora há tempo, descarado, faça como seu amiguíssimo Genésio bofado…

  3. Marcelo, o que o seu comentário tem a ver com trecho que você citou?

  4. Com o novo adiamento, surge novamente a necessidade de participação e mobilização dos cristãos em prol da família tradicional. Como os cristãos e defensores dos princípios da família, não podemos deixar de agir. As nossas ações deverão ser as seguintes:
    a) Dar publicidade aos fatos: se você tem blog ou é participante de redes sociais e meios de comunicação não deixe de apresentar esta situação, além disso, devemos deixar claro aos nossos leitores as implicações da aprovação deste plano e suas consequências.
    b) Pedir para que os deputados votem contra a ideologia de Gênero: Sabe-se que o projeto encontra -se em fase de análise e aprovação por uma comissão especial que trata do plano nacional de educação. A ligação é gratuita no 0800 619619, dígito “9”, basta pedir que seja enviada uma mensagem ao deputado do seu estado que participa desta comissão especial para que este vote contra o substitutivo do relator no que condiz a questão do gênero e orientação sexual. Se preferir ligue diretamente para o gabinete do Deputado.
    c) Assinar urgentemente a petição o link a seguir :www.citizengo.org/pt-pt/5312-ideologia-genero-na-educacao-nao-obrigado.
    d)Oração: Rezar intensamente pedido a Jesus misericordioso e Maria Santíssima para que este projeto não seja aprovado na forma que se pretende (com aceite do substitutivo).

    No dia 20 de Abril celebramos a Páscoa de Nosso Senhor Jesus Cristo e sua vitória sobre a morte, devemos nos esforçar também para no dia 22 celebrar esta vitória sobre a vida.

  5. Parabenizamos a Sua Santidade o papa Francisco por reafirmar a existência do diabo em pleno século XXI, fato esquecido para muitos padres e religiosos no Brasil. Estamos, pois, diante de:
    “uma luta. Porque o príncipe deste mundo – o diabo – não quer a nossa santidade, não quer que sigamos Cristo. Alguém de vocês, talvez, poderá dizer: ‘Mas, Padre, como o senhor é antigo, falar do diabo no século XXI!’. Mas, olhem que o diabo existe. Existe. Inclusive no século XXI! E não devemos ser ingênuos, eh? Devemos aprender do Evangelho como se faz a luta contra ele”, concluiu o papa Francisco.

    Na batalha final entre o bem e o mal, entre os ‘Filhos da Mulher” e o poderoso exército da “Antiga Serpente – Satanás – Diabo” sob às ordens do Dragão Vermelho e da Pantera negra. Devemos nos revestir da armadura do cristão, e resistir aos dias maus.
    Precisamos conhecer:
    – as táticas do inimigo (as ciladas e seduções de Satanás);
    – o terreno da batalha (o mundo);
    – os pontos fracos e fortes do nosso exército (o espírito é forte, mas a carne é fraca);
    – quando usar de nossas armas (oração, jejum, ação e o rosário);
    – sendo a Bíblia e as tradições cristãs a bússola deste exército de Maria em ordem de batalha.

    Portar-nos, enfim, como um soldado bastante preparado para não perder a guerra; que se percam até algumas batalhas, mas não a guerra. E ter em mente as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Coragem, Eu venci o mundo” (Jo 16, 33).
    Eis, em síntese, o plano de batalha que a Providência reservou para os eleitos e que os escolhidos devem seguir sem vacilar.
    Feliz a nação cujo Deus é o Senhor dos Exércitos!

    • Corrigindo:

      Renato, não é bem assim não. Procure um padre ortodoxo, que saiba bem teologia espiritual e ele lhe dirá como se combate o demônio. A doutrina católica ensinada por Nosso Senhor aos apóstolos e transmitida fielmente por dois milênios não diz que a resposta esta na leitura das Sagradas Escrituras, quem afirmou isso foi Lutero.

  6. Infelizmente, creio que as palavras do Papa na homilia de hoje não encontrarão eco nos meios (de)formadores de opinião. Encontrariam, sem dúvida, se contivessem alguma declaração ambígua que servisse de esteio por exemplo para uma das bandeiras da chamada nova ordem mundial (tais como casamento gay e companhia, vide o “quem sou eu para julgar?”) ou para acirrar uma polêmica qualquer que desse audiência (como o apoio a movimentos ditos populares, de mera agitação social e finalidade revolucionária). Quando o Papa fala diretamente da doutrina da fé, da espiritualidade (lembremos que o combate ao demônio é um dos pontos centrais da espiritualidade jesuíta dos Exercícios), não interessa à imprensa. Por quê? Porque desconstrói a imagem falsa – tristemente, a meu ver, difundida até entre alguns católicos – que a própria imprensa forjou dele, de oposto a Bento XVI (doutrinário era Bento XVI, Francisco não).

    • Luciano,

      Quanto a “da doutrina da fé, da espiritualidade”, a etapa premeditada, planejada de desinformar os católicos foi executada no período de 50 anos de VII, agora é outra etapa, nova evangelização, note que está se incutindo na mentalidade dos membros da Igreja uma luta de classes pró igualitarismo. A manipulação é constante, considerando o popularismo de Francisco e as atitudes demagógicas dele, com o apoio dos meios de comunicação amorais(estes estão poucos se importando se comunismo ou capitalismo, querem mesmo toda sorte de imoralidades, para isso, um papa relapso), esta acontecendo de forma bem acelerada. Tudo isso está nas entrelinhas, nos atos dele. É aí que o demônio verdadeiramente está dominando.

  7. A “tentação do demônio” para Bergoglio é sempre a intriga, a fofoca, falar mal do outro, a inveja que cresce e contagia os outros, o sentimento de mal-estar que às vezes tenho que compartilhar com o outro..que cresce e vai contagiando…
    Eu aprendi que tais coisas são fruto de nossa natureza humana decaída, da nossa falta de ascese, de nossa tibieza na oração, defeitos pessoais e às vezes até são frutos de uma justa indignação, embora os meios pra expressá-la não sejam sempre os mais convenientes.
    Agora, a verdadeira ação do demônio que são padres sodomitas abusando de menores, celebrando missas pra Maçonaria, fazendo simulação de Sacramentos, cometendo os piores tipos de sacrilégio dentro da Igreja, privando os fiéis dos Sacramentos verdadeiros, perseguindo Ordens inteiras como a dos Franciscanos da Imaculada, disso ninguém fala e nem levanta um dedo pra combater!!

  8. O Padre Pio de Pietrelcina ao atender uma senhora no confessionário, esta disse que não acreditava na existência do inferno – ao que o Padre Pio respondeu: “a sra. vai acreditar quando chegar lá.”

    A maior tentação de hoje é acreditar que o inferno não existe (vá e pergunte a qualquer paroquiano em qualquer paróquia no Brasil). O maior trunfo do demônio foi convencer que o inferno não existe.

    E Santa Faustina disse que a maior quantidade de almas que caia no inferno era justamente aquelas que não acreditavam em sua existência: http://devotosdamisericordiadivina.blogspot.com.br/2012/07/o-inferno-existe-e-como-e-grande-sua.html

  9. Muito oportuna a insistência do Papa Francisco sobre a realidade da existência do diabo. A propósito desse nome, dizem os teólogos que ele é mais apropriado do que demônio. Cito um excerto de uma antigo livro de um padre verbita:

    Etimologia da palavra Diabo

    Diabo. Tradução verbal do hebraico satán. No NT sinônimo de Satanás, empregado alternadamente no mesmo contexto. A forma original diábolos deriva do verbo diabállein que significa “caluniar, insultar, acusar, iludir, seduzir, confundir, perverter.”
    No texto latino lemos sempre diabolus; as versões modernas, não raramente confundem com “demônio” – (…). p.45-46

    Dattler, Frederico. O mistério do Satanás: Diabo e inferno na Bíblia e na literatura universal. São Paulo: Ed. Paulinas, 1977. 189 pp.

    • demônio é mais apropriado, satanás nessa acepção diz respeito as suas ações nos homens. demônio ao ser real.

  10. O Papa viu o diabo quando Frei Beto foi até ele na praça de São Pedro. Tentações…

  11. O Mal apresenta-se, de fato, sob muitas facetas. Mas é uma existência pessoal. Seja lá sob qualquer denominação, mais ou menos apropriada, que se apresente, é uma realidade terrível. O próprio Jesus advertiu São Pedro a respeito do desejo do Demônio de joeirá-lo. Por isso é que temos o dever de rezar pelos servos consagrados a Deus, que são os mais assediados pelas potências satânicas.