Prossegue a operação “Canonizando o Concílio”.

D. Aviz: beatificação de Paulo VI será positiva para AL

Por José Maria Mayrink – Agência Estado: O papa Paulo VI, que morreu em 1978, será o próximo pontífice a ser declarado santo. Sua beatificação ocorrerá até o fim do ano e será feita em Milão, onde ele foi arcebispo e cardeal com o nome de Giovanni Battista Montini, antes de ser eleito para a sucessão de São João XXIII no conclave de 1963. A cerimônia deverá ser presidida pelo arcebispo da arquidiocese, cardeal Angelo Scola, ou pelo prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, cardeal Angelo Amato.

Os teólogos e os peritos médicos da Congregação reconheceram como milagre necessário para a beatificação a cura de um nascituro da Califórnia, nos Estados Unidos, no início dos anos 1990. Segundo os médicos que acompanhavam a gravidez, a mãe teria de fazer aborto para sobreviver, porque o feto apresentava graves problemas no cérebro. Ela se recusou e recorreu à intercessão de Paulo VI, que escreveu em a encíclica Humanae Vitae (a Vida Humana) em 1968. A criança nasceu sadia. 

A beatificação e posterior canonização de Paulo VI será importante para a Igreja e especialmente importante para a América Latina, por causa de sua atuação no Concílio Vaticano II, ao qual deu continuidade após a morte de João XXIII”, declarou ao Estado o cardeal brasileiro d. João Brás Aviz, prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, mais conhecida como Congregação para os Religiosos. 

O cardeal lembrou também o apoio que Paulo VI deu com sua presença à Conferência do Episcopado da América Latina de Medellín, realizada na Colômbia, em 1968. Para o cardeal Aviz, a beatificação de Paulo VI dará novo impulso aos documentos aprovados pelo Concílio Vaticano II. “Já se passaram 50 anos e, no entanto, metade das conclusões do Concílio ainda não foram postas em prática, o que significa que falta fazer muita coisa”, disse o cardeal. Ele citou como exemplo o que pode ser atualizado, à luz do Vaticano II, na área dos religiosos. “Precisamos de mais diálogo, porque não funciona mais o autoritarismo de tempos passados [ndr – dislexia cardinalícia I: pelo contrário, são 50 anos de demonstrações claríssimas de que o tal diálogo está levando a vida religiosa para o abismo], afirmou. 

A Congregação para os Religiosos tem cerca de 1,5 milhão de padres e freiras nos cinco continentes. “O número de religiosos tem caído na Europa, mas há um crescimento em outras partes, como na África e na América Latina[ndr – dislexia cardinalícia II – crescimento na América Latina? Em que planeta o purpurado vive?], informou o cardeal Aviz. Catarinense da cidade de Mafra, onde nasceu em 1947, ele foi cardeal arcebispo de Brasília de 2004 a 2011, quando o papa Bento VI o chamou para a Cúria Romana, O papa Francisco o confirmou no cargo em 16 de março último.

23 Comentários to “Prossegue a operação “Canonizando o Concílio”.”

  1. (Nunca é demais lembrar) Prezados, segue o link para um extraordinário livro escrito e documentado pelo Pe. Luigi Villa a respeito do Papa Paulo VI (vale muito a pena…) http://www.chiesaviva.com/441%20mensile%20port.pdf

  2. Cada vez mais vão se confessando maçônicos, só não vê quem não quer. Só podem piorar porque tudo de bom era apenas católico e nada liberal presta nem diz algo de Deus.

  3. Calma, gente, ele quis dizer o número de religiosos apóstatas tem aumentado na AL e o número de religiosos assassinados na África também.

    Realmente, que lógica é essa desse Cardeal (Paulo VI importante para a AL)?

    Pior se a outra metade do Vaticano II for colocada em prática sob o Papa Francisco. A mão de Deus descerá com força!

  4. João XXIII é o padroeiro dos maçons?Paulo VI o padroeiro dos alcaguete ,os padres mandados para os gulags que o digam.já que a imagem de buda ficou em cima do altar em Assis e a imagem da Virgem De Fátima não pôde entrar para não constranger os de outras seitas ,João Paulo II é o padroeiro dos ecumenistas.Eu não sou melhor que ninguém mas também não sou uma boba que aceita tudo que vem de um Papa.O concílio vaticano II foi um golpe ,alguém já disse que foi a revolução francesa dentro da IGREJA CATÓLICA ROMANA.

  5. Pois eu não reconheço nenhum deles como “santos” e eu tenho certeza absoluta de que a mão de Deus descerá pesada sobre essa hierarquia por brincarem com as coisas santas dessa maneira tão acintosa. Estão jogando na latrina toda a credibilidade da Igreja Católica. Quem viver verá.

  6. A quem interessa essas canonizações a toque de Caixa?
    Enquanto isso, a vidente de Fátima, ir. Lúcia fica no limbo (correção: segundo o Vaticano, não existe mais, bem como o Purgatório, conf. declaração do porta-voz na polêmica canonização do suposto S. João XXIII).
    Outros também aguardam a fila: Pio XII, João Paulo I (morto ou falecido misteriosamente nos recintos do Vaticano)…
    Será que agora as canonizações serão tão-somente por critérios políticos?!?
    Com a palavra as autoridades eclesiásticas…

  7. Na boa: eu também começo a desejar que apliquem a segunda parte do Concílio e que, com essas apostasia generalizada, apresse Deus em agir na sua Igreja.

    De Deus não se zomba.Aquilo que o homem planta, isso mesmo colherá.

  8. Se for neste ritmo, vou pleitear a canonização da minha querida avó, que me instruiu na fé católica e sempre foi um exemplo de virtude para toda a família. Ora, se se dispensou de vez o critério das virtudes heroicas, qualquer bom católico pode subir aos altares.

    Enquanto isso, Pio XII, com os vários milagres que lhe são atribuídos, está engavetado…

  9. “Já se passaram 50 anos e, no entanto, metade das conclusões do Concílio ainda não foram postas em prática, o que significa que falta fazer muita coisa”, disse o cardeal.
    Fratres, me ajudem.
    Metade das conclusões do concílio ainda não foram postas em prática?
    Quais conclusões? Como ele mensurou isso?
    Esse cardeal só fala bobagem.
    Realmente Francisco colocou em execução a operação “blindagem Vaticano II”.
    Houveram tantas falhas nesses pontificados… Como eles podem ser encarados como “modelo”?
    João XXIII com Metz, a não denúncia do comunismo….
    João Paulo II com o caso da pedofilia, a desgovernança da cúria… e pensar que quem “pagou o pato” foi Bento XVI…
    Realmente eles estão brincando com os processos de beatificação.

  10. Li recentemente um artigo muito bom sobre o papa Paulo VI no site da montfort, veja um trecho:

    dia 30 de setembro, recebi de um amigo algumas frases sobre a Missa Nova pronunciadas, na véspera de sua implantação, por um respeitável membro do clero:

    Em relação ao abandono do latim ele afirmou: “será certamente um grande sacrifício para aqueles que conhecem a beleza, a força e a expressiva sacralidade do latim” (…) “temos realmente razões para nos lamentarmos, razões que praticamente acarretam uma consternação pela sua perda” (…) “estamos renunciando a algo de valor incalculável”.

    Continuava este membro do clero afirmando que, com este abandono “ocorria um afastamento do modo de falar dos séculos cristãos [e os católicos estavam] se convertendo em intrusos profanos nos recintos literários da expressão sagrada”

    E mais, sobre as alterações estabelecidas na Missa Nova:

    “A mudança é algo que afeta nosso patrimônio religioso hereditário, o qual parecia trazer aos nossos lábios as orações de nossos antepassados e de nossos santos, e nos dava o conforto do sentimento de fidelidade ao nosso passado espiritual, que nós mantivemos vivo para transmiti-lo às gerações futuras”.

    O leitor poderá pensar que essas afirmações foram feitas por Dom Mayer, ou Dom Lefebvre. Alguns acreditarão que elas foram pronunciadas pelos Cardeais Otaviani e Bacci, autores do famoso “Breve Exame Critico” do Novus Ordus. Existiriam ainda outros candidatos a autores de tal texto, como por exemplo, alguns padres da Fraternidade São Pio X, o Padre Rifan, vejam que me referi ao padre Rifan, ou alguns dos chamados clérigos tradicionalistas.

    Entretanto, quem arriscou qualquer um dos palpites acima errou. O autor destas frases é o Papa Paulo VI. O texto foi publicado no L´Osservatore Romano de 4 de dezembro 1969, p.12, e transcreve as palavras do Papa na audiência realizada na quarta-feira, 26 de novembro de 1969.

    Quem poderia imaginar que algum dia o Papa Paulo VI tivesse feito afirmações, sobre a mudança da Missa, com as quais muitos tradicionalistas estariam plenamente de acordo?

    Entretanto, antes que a “turma da TL” da Unisinos ou os “tradis”do falecido Fórum FECIT venham me acusar de deturpar as palavras do Papa, esclareço que a alocução Papal não é uma defesa intransigente da Missa Antiga. De fato, Paulo VI faz em suas palavras lamenta a mudança ocorrida, mas de forma alguma estava disposto a voltar no caminho que ele havia traçado. E para justificar porque as alterações eram necessárias ele afirma:

    “Mas por quê? O que é mais precioso do que estes mais altos valores da nossa Igreja?

    A resposta parece banal e prosaica. No entanto, é uma resposta válida: porque é humana, porque é apostólica”.

    Ou seja, a Igreja abria mão de seu patrimônio e de sua história para atingir o homem e fazer apostolado.

    Não é necessário dizer que a afirmação de Paulo VI não continha o caráter de infalível.

    A história mostrou quanto otimista e equivocada foi a alteração realizada na Missa. Quem a executou, se esteve de boa vontade, certamente não conhecia a natureza humana, nem sabia fazer apostolado. A Igreja abriu mão do patrimônio que havia acumulado durante séculos e que seria transmitido às gerações futuras, reduzindo tudo praticamente a zero, e nada ganhou em matéria de apostolado. As igrejas se esvaziaram e os seminários quase desapareceram. Ficamos sem o patrimônio e sem as pessoas.

    Entretanto, apesar da atitude equivocada de Paulo VI, a Igreja certamente vencerá mais esta crise, pois ela tem a promessa de Cristo de que que as portas do inferno não prevalecerão.

    No link: http://www.montfort.org.br/o-que-ha-de-comum-entre-o-papa-paulo-vi-e-eike-batista/

    • Olá Caríssimo,
      Em uma série de exorcismos realizados sob o pontificado de Paulo IV e publicados sob o nome de “Confissões do Inferno”, os demônios, ordenados pelos Céus, revelaram bastantes coisas interessantes sobre esse Papa.
      Ele foi sempre extremamente bem intencionado e sofreu muito. Tomo a liberdade de citar alguns trechos (E são os exorcistas e J é o demônio”:

      “E – Em nome de JESUS, continua, continua em Nome (…); em nome dos santos cujas relíquias estão sobre tua fronte, que não foram traidores, continua!
      J – Qualquer homem foge quando o lobo chega. Agora, é o tempo dos lobos! Muitos Bispos transformaram-se em lobos devoradores, que já nem sabem o que dizem; a esses, não se deve obedecer. O próprio Céu já não exige obediência nestes casos.

      E – Judas, em Nome da Santíssima virgem, continua!
      J – Só se deve confiar no Papa.

      E – Continua agora em Nome de JESUS!
      J – O Papa Paulo VI, não pode mandar publicar os seus documentos, porque serão desmentidos e falsificados. ”

      Outro trecho:
      “E – Continua a falar a verdade, em nome da Santíssima Virgem. Em nome (…) nós te proibimos de mentir!

      J – Fazia parte dos planos de Deus a eleição de um Papa humilde, submisso, abnegado, agora que as coisas estão assim. É preciso que se cumpram as Escrituras. Por isso é que era preciso que viesse agora o Papa Paulo VI. Ele foi realmente o escolhido. Só Eles (aponta para o alto) têm compaixão dele. Mas esta situação não se irá manter durante muito tempo.* O seu martírio em breve terá fim. Mas, para ele, já dura há muito tempo. É que para ele os dias são como semanas, como meses. É preciso rezar por ele, rezar muito mais. É-lhe imensamente penoso ver como a Igreja descarrila e como tudo fica sem consistência. Podeis ter a certeza de que ele prefiriria que tudo se fizesse segundo o antigo estilo. Ele desejaria que este Concílio nunca tivesse sido convocado. Ele bem se apercebe que tem conseqüências terríveis, devastadoras, catastróficas, que já não poderão ser eliminadas. Nem a oração poderá deter os seus efeitos funestos.”

      O sr pode ler o livro completo nesse site: http://www.derradeirasgracas.com/2.%20Segunda%20P%C3%A1gina/Escritos%20de%20Padre%20Gabriele%20amorth/CONFISS%C3%95ES%20DO%20INFERNO/1.%20MENU%20DE%20CONFISS%C3%95ES%20DO%20INFERNO.htm

      Paz e Bem

  11. “A beatificação e posterior canonização de Paulo VI será importante para a Igreja e especialmente importante para a América Latina, por causa de sua atuação no Concílio Vaticano II, ao qual deu continuidade após a morte de João XXIII”

    Sou apenas eu, ou mais alguém vê no trecho um “non sequitur” sublinhado, negritado e circulado por néon? E o salto quântico entre as premissas do cardeal avoluma-se ainda mais no decorrer do texto, conforme afirma que o modelo anterior, “autoritário”, não mais funcionaria segundo a experiência, ao mesmo passo em que constata o esvaziamento da vida religiosa durante a implantação do novo modelo (este que, segundo diz, sequer haveria atingido sua plenipotência).

    Gómez Dávila dizia que o mais impressionante nas atitudes do clero moderno era o modo como tomavam-nas, mesmo as mais desastrosas, com aires inegáveis de boa intenção. Pois as boas intenções fizeram-nos herdar um inferno em terra. Não se pode admitir que continuem a dirigir-nos naquele sentido sem o intento deliberado e consciente de mergulhar o mundo na escuridão.

  12. Sabe, o JPII eu até ficaria um tanto constrangido em dizer que ele não seria santo embora não tenha proibido, censurou a marxista teologia da libertação e é segundo a midia mundial o Papa que acabou com o comunismo na russia – embora não seja verdade pois Karol Wojtyla foi junto com ratzinger os ideologos de centro esquerda do CVII, mas João XXIII proibiu a divulgação da Divina Misericórdia como desejou Santa Faustina como também a perseguição a padre Pio de Pietrelcina.

    Paulo VI recebeu inúmeros ditadores comunistas.

    Ou seja,como bem disse o Prof. de Mattei estão querendo canonizar o Concilio e os papas que participaram dele e neste ponto o Cardeal Aviz escorregou.

  13. A fabricação de mais um “santo” conciliar.”Santo” Montini que tinha sido afastado pelo Papa Pio XII ( héroi dos judeus) por suas relações com os ateus comunistas.

    “São” Roncalli e “são” Montini padroeiros dos ateus comunistas e dos maçôns.

    Os papolatras para comemorar mais essa aberração, vão participar de um “missa” rock com a participação de hereges prostestantes, ops, perdão, com a participação dos irmãos separados de outras comunidades cristãs.

    Só falta canonizar os hereges Lutero, Calvino,Henrique VIII, Chico Xavier,Alan Kardec,Leonardo Boff,O abortista e comunista Mandela, e tudo em nome da “paz” mundial (a Paz de Cristo não interessa a esses hereges modernistas).

    Santo Ezequiel Moreno:
    “…muitos dos que se dizem católicos ajudam os «revolucionários». São esses, sempre «moderados», que estimam a «tranquilidade pública» como o bem supremo. ‹‹Esses católicos tolerantes, condescendentes, brandos, doces, amáveis ao extremo com os maçons e furiosos inimigos de Jesus Cristo, guardam todo seu mal humor para os que gritam «Viva a Religião!» e a defendem sofrendo contínuas penalidades e expondo suas vidas. Para eles, esses últimos são «exagerados e imprudentes, que tudo comprometem com prejuízo dos interesses da Igreja»”

    “Só aquele que se enraivece sem motivo se torna culpado; quem se enraivecer por um motivo justo não tem culpa alguma. Pois, se faltasse a ira, a ciência de Deus não progrediria, os julgamentos não teriam consistência e os crimes não seriam reprimidos. Mais ainda: aquele que não se encoleriza quando a razão o exige, comete um pecado grave, pois a paciência não regulada pela razão propaga os vícios, favorece as negligências e leva ao mal não somente os maus, mas sobretudo os bons” (São João Crisóstomo, Homilia XI, in Math.)

    Aí de vós hereges modernistas!!Aí de vós papolatras!!

  14. Essas precipitadas canonizações e beatificações levam a uma conclusão.O Concílio Vaticano II esteve em risco. As águas plácidas dos otimistas anos 60 já não fluem mais. As águas estão agitadas com tantas denúncias (e a internet nesse aspecto foi bem vinda). Os “concilistas” receiam o naufrágio e lançam-se em medidas ao menos polêmicas. Restam aos defensores da Tradição retomar os ataques. Porém, a flotilha tem que estar mais unida.

  15. Repito mais ou menos neste o que eu comentei em outro post: Pelagianismo e presunção é desobedecer publicamente à Igreja e canonizar arbitrariamente alguém para favorecer a sua inclinação pessoal, como a de querer tornar infalível um concílio que destruiu a Igreja em tantos lugares do mundo, abrindo mão do que a Igreja sempre exigiu para canonizar alguém, confiando apenas no juízo próprio ou das multidões formadas alheias à Fé Católica integral. É pelagianismo e presunção achar que desobedecendo ao que a Igreja sempre ordenou e mostrou ser o caminho da salvação, pode alguém se salvar sem ser inocente: são erros e heresias condenadas pela Igreja desde o começo mas que colocam em prática, talvez muitos inconscientemente, os idealizadores e defensores do concílio Vaticano II.

  16. FRATRES;
    Cada um tem o santo que pode, ou melhor que consegue…
    Enquanto temos os Grandes Santos e Doutores da Igreja, que deram a vida e testemunharam a Grandeza da Fé Católica, a neo-igreja tem seus modelos…
    Portanto, FRATRES, não nos escandalizemos, apenas olhemos para a neo-igreja e seus modelos…
    Enfim, cada um tem aquilo que pode ter, ou melhor, que consegue ter…
    Afinal, já que essa gente tanto aprecia a “inculturação, o que lhes resta é agir como dizia um samba enredo: “sonhar, não custa nada…”

  17. “Precisamos de mais diálogo, porque não funciona mais o autoritarismo de tempos passados“

    Então por que o cardeal Braz de Aviz, com a autorização do papa Francisco, colocou sobre os Franciscanos da Imaculada um comissário que autoritariamente proibiu a Missa Tradicional, se não estamos mais no tempo do autoritarismo do passado? Será que diálogo é só com os hereges, mas com os mais tradicionais é o autoritarismo? A resposta é bastante clara…

    Enquanto eles dialogam com os hereges, defensores do sacerdócio feminino, do fim do celibato e da Doutrina Sagrada imutável, os Franciscanos da Imaculada são constrangidos a não poderem celebrar a Missa que a Igreja sempre celebrou. E ao mesmo tempo, os hereges continuam hereges, e os Franciscanos da Imaculada obedecem ao que lhes foi injustamente imposto.

  18. Tentando entender (entender; não justificar) o raciocínio de quem enxerga as canonizações como ferramenta política, pensemos: se você tivesse uma posição chave dentro de uma organização religiosa, mas não acreditasse nessa religião (ou talvez apenas em partes dela), e não tivesse a coragem de assumir isso ou mesmo estivesse ali propositalmente para transformar essa religião em que você não acredita em algo parecido com aquilo que você secretamente acredita, faz todo sentido que você use o que é sagrado nessa mesma fé (como as canonizações) para obter resultados políticos. De fato, o que lhe impediria, já que não acredita naquilo mesmo? Resta a nós, que acreditamos que por trás das canonizações e da santidade há a ação de Deus, que esperemos que Ele dê a melhor resposta para isso tudo.

  19. Quanto às palavras de D. Aviz, nada mais incômodo de alguém que busca lhe fazer de idiota. Quando alguém chega e diz que a Igreja está no seu melhor momento, ou que os problemas são mínimos, fica a dúvida: essa pessoa não sabe nada daquilo? Estaria tentando lhe enganar? Ou para ela aquele estado de coisa é o que é bom? Seja como, é aflitivo.

  20. FRATRES;
    Mas para que tanto escândalo?
    Cada um tem o santo que pode!
    Nós temos todos os Santos da Igreja, eles têm os santos da sua neo-igreja.
    Basta ver os exemplos e o testemunho de cada um…
    Bom final de semana a todos!

  21. Reparei que apesar de o milagre ter ocorrido de forma belíssima, especialmente vista dos dias atuais, essas pessoas em nenhum momento a aproveitam para reforçar o ensinamento da dignidade da vida humana desde a concepção, mas sim para promover uma agenda quase política.

  22. Juan Pablo I ¿ que acontece ?