Frutos da benção?

Você se lembra, caro leitor, da exemplar punição dada em 2010 pela Arquidiocese de Aracaju ao famoso Padre Antonio Maria por simulação de sacramento? O padre, que mais tarde se retratou, abençoou a união de um político e uma senhora impedidos de se casarem, pois um deles já havia contraído matrimônio validamente na Igreja. Pois bem: o casal foi preso no início desta semana por lavagem do dinheiro (clique aqui e veja o vídeo).

12 Comentários to “Frutos da benção?”

  1. Frutos da Benção?

    rsrs…

    Só rindo…que Deus socorra a Sua Igreja.

  2. Rindo? O negócio é triste do começo ao fim e o sujeito ri?

    • Roger,

      Tem hora que de tão triste, só rindo.

      “O lead” provoca o riso.

      Mas sei que realmente é triste. Queria que fosse como?

  3. Sem dúvida frutos da benção, ué. Sem zoeira. Qual pai que, se o filho lhe pedisse um escorpião, não ensinaria ao pequeno a insensatez desse pedido? Da mesma forma o Pai no Céu, ao ver que seus filhos pedem para se afundarem mais no abismo, não tentaria fazê-los compreender o seu erro? Acho que foi providencial, que nesse episódio o sujeito tenha capacidade de repensar sua vida.

  4. Mas esse não foi o mesmo padre que simulou o casamento do jogador Ronaldo? Quantas vezes ele fez isso?

  5. Cada um colhe o que planta. O caso é risível sim.

  6. É historicamente comum aqui, termos padres ligados a velhas alianças políticas e às depravações morais e éticas de seus apadrinhados políticos. Não que seja o caso do clérigo midiático citado, que provavelmente ignorava os escândalos associados à gestão de Sukita na prefeitura de Capela. Se há, no entanto, algum padre – isto eu asseguro – que denuncia abertamente a má gestão e corrupção dos políticos em Sergipe, é o padre Isaías, que eu conheço, e que apesar de ter sofrido diversas ameaças de morte, mantém-se ativo na defesa dos povos do sertão sergipano, afligidos por diversas mazelas sociais e esquecido tanto por gestores públicos quanto por nossos padres.

    PS.: Quem acompanhou o funeral de Marcelo Déda, percebeu que nosso arcebispo, Dom José Palmeira Lessa, quase canonizava o finado em sua missa exequial…

  7. De fato senhor Pedro, infelizmente o episcopado brasileiro não se importa com os Padres que exercem santamente suas funções sacerdotais – também tenho o testemunho de um Padre que está sendo injustamente perseguido por tão somente fazer sua obrigação para com Deus.
    Mas se é alguém do alto escalão do PT e afins, toda a deferência lhes é dada. Quando nem se deveria rezar missa de corpo presente desse tipo de gente.

    Decreto do Santo Ofício contra o comunismo de 28 de junho (1 de julho) de 1949.