Franciscanos da Imaculada: 10 perguntas ao Cardeal João Braz de Aviz.

Por Corrispondenza Romana | Tradução: Fratres in Unum.com – Eminência Reverendíssima,

Gostaríamos de lhe dirigir as perguntas que seguem, em razão das sérias questões levantadas pela instalação de um Comissariado junto aos Frades Franciscanos da Imaculada e da Visita Apostólica às Irmãs Franciscanas da Imaculada Conceição, ambas medidas de sua iniciativa.

downloadTrata-se de questões de relevo universal que emergem, em consciência, do dever de cada um de procurar a verdade, especialmente em matéria de fé e de moral.

Desde que se tornou público o escândalo suscitado em tantos pela instalação do Comissariado junto aos Frades Franciscanos da Imaculada e pela Visita Apostólica às Irmãs Franciscanas da Imaculada, as perguntas dele resultantes devem também ser feitas publicamente.

1) Por que os Frades Franciscanos da Imaculada foram comissariados? No decreto de instituição do Comissariado emitido por V.E. não aparece qualquer motivo. Por quê?

2) Por que V.E. não levou em conta algumas das notas (29 de maio de 2013) enviadas pelo Conselho Geral, em conjunto com a Procuradoria Geral dos Frades Franciscanos da Imaculada, com as quais lhe participavam – no que diz respeito à Visita Apostólica então em curso – alguns fatos gravíssimos, e sem precedentes em toda a história da Igreja, entre os quais (como nele se lê): “a decisão [do Visitador] de proceder SOMENTE através de um questionário escrito, evitando totalmente a visita à comunidade e até mesmo aos seminários […]; o conteúdo do questionário, além da intenção de sugerir uma versão ‘tendenciosa’ da situação do Instituto, estava prenhe de perguntas não facilmente compreensíveis pela maioria dos nossos irmãos […]; Os resultados do questionário, por si sós, sem verificar se o que nele estava escrito corresponde realmente às convicções de cada irmão, não são confiáveis​ pelas razões acima mencionadas”?

3) V.E. está ciente das disposições emitidas pelo Comissário apostólico que designou para conduzir os Franciscanos da Imaculada, com as quais se impõe aos Frades, entre outras coisas, o fechamento do seminário, a suspensão das ordenações, e a proibição de colaborarem em publicações teológicas e de apostolado? Se não foi informado, por que endossou tais medidas, evidentemente destrutivas das atividades fundamentais próprias ao carisma desse Instituto, devidamente aprovado pela Santa Sé?

4) Por que ordenou a Visita Apostólica às Irmãs Franciscanas da Imaculada, ou seja, ao ramo feminino do Instituto religioso já comissariado por V.E.?

5) Por que enviou como Visitadora Apostólica uma religiosa tão distante, por atitudes e por formação – mas sobretudo pelo modo de pensar e de agir –,  das Irmãs Franciscanas da Imaculada?

6) Por que não demonstrou equivalente atenção e severidade em relação àqueles institutos religiosos nos quais um grande número de membros tem claramente se afastado do carisma dos fundadores e da observância de suas respectivas Regras e Constituições?

7) O que V.E. pensa a respeito da Teologia da libertação? Considera compatível com a fé católica a adesão às idéias da Teologia da Libertação, particularmente após a sua explícita condenação pela Instrução da Congregação para a Doutrina da Fé, confirmada por João Paulo II (6 de agosto de 1984), com a qual, entre outras coisas, se denunciam “os graves desvios ideológicos”?

8) O que pensa a respeito da possibilidade sincretista de unificar todas as religiões em uma nova religião planetária? É verdade que V.E. já participou, fazendo o discurso introdutório, do Primeiro Fórum Espiritual Mundial, juntamente com representantes de sociedades espíritas, teosóficas e maçônicas?

9) Não considera que cada projeto da religião planetária contradiz flagrantemente o princípio de que “deve ser […] acreditado firmemente como verdade de fé católica que a vontade salvífica universal de Deus Uno e Trino é oferecida e realizada uma vez para sempre no mistério da encarnação, morte e ressurreição do Filho de Deus” (Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração Dominus Iesus, 14)?

10) O que pensa a respeito da Maçonaria? Considera compatível com a fé cristã a adesão de um católico e, com razão ainda maior de um clérigo, à Maçonaria?

Com respeitosas saudações

Corrispondenza Romana

Riscossa cristiana

Chiesa e postconcilio

Il Cammino dei Tre Sentieri

Vigiliae Alexandrinae

Giudizio cattolico

Conciliovaticanosecondo.it

Una Fides

In Exspectatione

SECRETUM MEUM MIHI

Fratres in Unum.com

Anúncios

21 Responses to “Franciscanos da Imaculada: 10 perguntas ao Cardeal João Braz de Aviz.”

  1. Falô que ele vai responder….

    • Responder ele não vai, mas a ideia nem era que ele respondesse. É uma denúncia que não pode ser chamada de acusação, já que feita como pergunta. Da sétima em diante, então, eu até ri. Quem não sabia, vai ficar sabendo.

  2. Uma boa iniciativa.
    Penso que se deveria dar a conhecer esta carta a todas as Congregações do Vaticano e ao próprio Papa.
    Se não a resposta for o silêncio deve-se divulgar ao máximo esta interpelação recorrendo a todos os meios de comunicação.
    Deve-se inclusive interpor uma acção canónica no Tribunal Eclesiástico sobre o assunto.

  3. “8) O que pensa a respeito da possibilidade sincretista de unificar todas as religiões em uma nova religião planetária? É verdade que V.E. já participou, fazendo o discurso introdutório, do Primeiro Fórum Espiritual Mundial, juntamente com representantes de sociedades espíritas, teosóficas e maçônicas?”

    É sério isso? Se for verdade, é caso para a Doutrina da Fé, e urgente. O Papa precisa saber que há um herege assumido em suas fileiras.

  4. A interpelação foi publicada no dia 7 do mês em curso. Até agora não houve resposta. Provém das poucas vozes que no ambiente católico europeu discordam de decisões emanadas de Roma. O silêncio da parte do Cardeal deixa à vista não só o arbítrio, como também o “animus delendi” – o desejo de destruir uma obra católica. Das 10 perguntas formuladas, as seis primeiras perscrutam esse arbitrário e inconcebível “animus delendi”.
    A partir da sétima, indaga-se sobre o perfil doutrinário do Cardeal Braz de Aviz. O que pensa da Teologia da Libertação? Da unificação sincretista de todas as religiões em uma nova religião planetária? E da Maçonaria? O modo como estão formuladas sugere o envolvimento do Cardeal com essas doutrinas e entidades que se opõem à religião católica. Faz mesmo lembrar a famosa “Lista Pecorelli” estampada na revista italiana OP em setembro de 1978, contendo a lista de 121 altos prelados, no artigo de capa “La Gran Loggia Vaticana”.
    Qual o provável desdobramento deste caso? Seria de esperar que os seus signatários, ante o silêncio do Cardeal Braz de Aviz, não omitam dirigir-se ao Papa Francisco sobre estas questões.

  5. Onde eu assino? Quando vão enviar esta carta para ele?

  6. Também assino a carta ao cardeal brasileiro. Que sabemos não será respondida.

  7. Faltou perguntar de q lado ele está com relação ao lobby GAY na Igreja !

  8. Importantísima ésta carta y su amplia difusión.Especialmente, dejar al descubierto el punto 8. Dudo que Doctrina de la Fé actúe en consecuencia, y menos, Francisco, pero darla a conocer ya es un primer paso.

  9. Não será respondida e até mesmo Bergoglio dará de ombros para a questão. Isso é dar murro em ponta de faca.

    • Ás vezes é preciso que sejam dados murros em ponta de faca para que o óbvio seja percebido.

    • Rodrigo, o erro maior dos leigos agora é se calar.
      Esta letargia de leigos é que dá aos maus prelados o conforto de usarem e abusarem de sua autoridade.
      Pouco importa o que Bergoglio fará. Enquanto o erro continuar sendo propagado, o silêncio dos católicos mais zelosos deve ser encarado como cumplicidade.
      O lobo está mastigando as ovelhas. Não nos cabe dar de ombros sem reagir. Importa que denunciemos.
      Deus vai fazer a parte d’Ele quando for a hora.

  10. Se me permitem uma sugestão, penso que seria interessante elaborar uma carta, paralela a esta carta com as questões, com evidencias da conduta questionável do Cardeal onde nem fosse mencionada a causa dos Franciscanos da Imaculada.
    Vejo que, independentemente da Ordem ou Instituição Católica que for submetida a “investigação”, ela merece ser julgada e “investigada” por um superior verdadeiramente Católico (o que não é o caso do referido Cardeal).

    Esta carta poderia ser enviada a secretaria de estado do Vaticano (talvez, quem sabe, chegue ao Papa)

  11. Tem que apertar mesmo esses infiéis progressistas, destruidores da Fé!

  12. Posso responder por ele?

    1) Por que os Frades Franciscanos da Imaculada foram comissariados? No decreto de instituição do Comissariado emitido por V.E. não aparece qualquer motivo. Por quê?

    Porque o novo Papa não quer saber de pelagianos, restauracionistas contaminando o resto das Congregações com esse espírito pré-Vaticano II. Manda quem pode obedece quem tem juízo.

    2) Por que V.E. não levou em conta algumas das notas (29 de maio de 2013) enviadas pelo Conselho Geral, em conjunto com a Procuradoria Geral dos Frades Franciscanos da Imaculada, com as quais lhe participavam – no que diz respeito à Visita Apostólica então em curso – alguns fatos gravíssimos, e sem precedentes em toda a história da Igreja, entre os quais (como nele se lê): “a decisão [do Visitador] de proceder SOMENTE através de um questionário escrito, evitando totalmente a visita à comunidade e até mesmo aos seminários […]; o conteúdo do questionário, além da intenção de sugerir uma versão ‘tendenciosa’ da situação do Instituto, estava prenhe de perguntas não facilmente compreensíveis pela maioria dos nossos irmãos […]; Os resultados do questionário, por si sós, sem verificar se o que nele estava escrito corresponde realmente às convicções de cada irmão, não são confiáveis​ pelas razões acima mencionadas”?

    Porque isso é irrelevante. Nunca deixe uma crise ser desperdiçada. O novo Papa Francisco não poderia deixar escapar essa oportunidade pra colocar um freio nesses pelagianos que estão sob tutela da Igreja. A reivindicação do grupinho rebelde foi providencial.

    3) V.E. está ciente das disposições emitidas pelo Comissário apostólico que designou para conduzir os Franciscanos da Imaculada, com as quais se impõe aos Frades, entre outras coisas, o fechamento do seminário, a suspensão das ordenações, e a proibição de colaborarem em publicações teológicas e de apostolado? Se não foi informado, por que endossou tais medidas, evidentemente destrutivas das atividades fundamentais próprias ao carisma desse Instituto, devidamente aprovado pela Santa Sé?

    Mais do que ciente. Eu só obedeço ordens do meu Superior e o objetivo dele é destruir mesmo essa tendência restauracionista desse Instituto. A Santa Sé está muito comprometida com o Vaticano II pra aprovar um carisma que vai contra o mesmo.

    4) Por que ordenou a Visita Apostólica às Irmãs Franciscanas da Imaculada, ou seja, ao ramo feminino do Instituto religioso já comissariado por V.E.?

    Porque a ordem superior é colocar toda a Igreja e suas Congregações em total sintonia com o espírito do Vaticano II: manda quem pode obedece quem tem juízo.

    5) Por que enviou como Visitadora Apostólica uma religiosa tão distante, por atitudes e por formação – mas sobretudo pelo modo de pensar e de agir –, das Irmãs Franciscanas da Imaculada?

    Porque como religiosa “aggiornada” sua missão é fazer com que as pelangianas dessa congregação também se “aggiornem”.Manda quem pode obedece quem tem juízo.

    6) Por que não demonstrou equivalente atenção e severidade em relação àqueles institutos religiosos nos quais um grande número de membros tem claramente se afastado do carisma dos fundadores e da observância de suas respectivas Regras e Constituições?

    Porque eles estão fazendo justamente aquilo que a Igreja Conciliar espera deles: mantenham a fachada, o nome e alguma estatuazinha do fundador da Ordem só pra inglês-ver, mas daqui pra frente o carisma deverá ser adaptado ao espírito do Vaticano II.

    7) O que V.E. pensa a respeito da Teologia da libertação? Considera compatível com a fé católica a adesão às idéias da Teologia da Libertação, particularmente após a sua explícita condenação pela Instrução da Congregação para a Doutrina da Fé, confirmada por João Paulo II (6 de agosto de 1984), com a qual, entre outras coisas, se denunciam “os graves desvios ideológicos”?

    Perguntem ao Muller que é Prefeito da Congregação pra Doutrina da Fé. Se o Papa recebeu até Gustavo Gutierrez, quem sou eu pra julgar? Eu só obedeço ordens superiores. Manda quem pode obedece quem tem juízo.

    8) O que pensa a respeito da possibilidade sincretista de unificar todas as religiões em uma nova religião planetária? É verdade que V.E. já participou, fazendo o discurso introdutório, do Primeiro Fórum Espiritual Mundial, juntamente com representantes de sociedades espíritas, teológicas e maçônicas?

    Que todos sejam um! Esse é o moto desse Pontificado. Só estou seguindo o exemplo do Papa e cumprindo ordens.

    9) Não considera que cada projeto da religião planetária contradiz flagrantemente o princípio de que “deve ser […] acreditado firmemente como verdade de fé católica que a vontade salvífica universal de Deus Uno e Trino é oferecida e realizada uma vez para sempre no mistério da encarnação, morte e ressurreição do Filho de Deus” (Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração Dominus Iesus, 14)?

    Perguntem ao Papa que está reunindo líderes de outras religiões anti-trinitárias pra rezar juntos. Se ele faz, eu como simples subordinado não faço outra coisa senão seguir o exemplo e cumprir ordens.

    10) O que pensa a respeito da Maçonaria? Considera compatível com a fé cristã a adesão de um católico e, com razão ainda maior de um clérigo, à Maçonaria?

    Não estamos mais vivendo nos tempos de Leão XIII. A Igreja do Concílio Vaticano II proclamou o primado do homem e nisso estamos de mãos dadas com a Maçonaria: liberdade, igualdade e fraternidade.

    Eu não duvido que o Cardeal João Braz de Aviz tenha essas mesmas respostas na ponta da língua. Só duvido que aqueles que enviaram-lhe esse questionário teriam a coragem de enviar o mesmo ao Papa Francisco que é o Superior desse Cardeal e endossa todas as suas decisões.

  13. Ah! Sim, pois, pois…já vou responder, antes, preciso saber como vou aparecer na foto…se eu estive em lugar reservado e fosse “concelebrar a missa com os irmãos separados em cristo eu usaria um calção e uma camiseta, que chatice! Tanto faz, mesmo, sejam separados ou não, vamos todos para o céu. Céu? ora o céu é aqui mesmo, depende do estado de espírito…mas pera ai é pra sair na foto? Meu barrete! Meu anel de ouro! Meu solidéu..mozeta, batina, hummm…é pra foto…minha Cruz peitoral, minha sobrepeliz…precisa né, é pra foto.

    1. É….primeiro, no que diz de Decreto de Instituição do Comissariado, não se trata bem disso, quem assistiu a meu vídeo de noite de oração pela paz, sabe que sou pacifista. Sabe né? Então! Eu tenho um amor muito grande pelos meus “confrades”, os Franciscanos da Imaculada, unidos…são unidos a mim, a minha Excelência? Não são? Na verdade foi uma intervenção pela paz mundial…para que nosso irmãos Franciscanos possam sair do convento e irem fazerem Noites da Paz com os nossos confrades separados mulçumanos, meus manos, esse negocio de ficar rezando, que adianta? Agora, nem pensar nos FRATES! FIQUEM LONGE DELES.

    2. Penso…penso que o Conselho Geral fez um ótimo trabalho com perguntas objetivas, dais quais…sabe? Não havia como errar. Pois elas eram muito fáceis…rezam no Novo Ordinário da Missa ou não? Na verdade foi essa a uma única pergunta, qual o problema? Penso que esse exagero de ter um questionário é invenção. Eu não li. Quis apenas saber a resposta da única questão.

    3. Estou muito ciente. Claro! É meu dever cuidar do meu rebanho. Afinal ele é meu mesmo!

    4. Pausa para o café…

  14. 4…foi chimarrão, bem…as irmãs franciscanas da Imaculada tem que pensar mais nas mulheres, mandei uma emissária muito leal a elas, as mulheres tem que consagrar o feminismo. Já assistiram ao meu programa tamujunto? As franciscanas tem que evangelizar no tamujunto. Vejam como é santo: http://www.youtube.com/watch?v=lHDZMCrV5-w

    Ou chimarrão…uf! Vocês me cansam!

    • 5. …Já falei…respondi! A Visitadora Apostólica é pessoa da paz. Tenho confiança nela. Seu modo de pensar e agir são leais ao Novo Ordinário da Missa.

      6. Olha…Sabem, né? Ocorre o contrario, eles tem se achegado a minha luz, em vez de terem se afastado. Estão mais próximos a mim. É o próximo que importa.

      7. Na verdade respondi isso a entrevistadora Rosana Lamosa(http://www.youtube.com/watch?v=DtGEuFFMZSA), que me chamou de um santo homem, eu sei que sou, mas não precisava…isso.. os nossos irmãos da teologia da libertação… é um trabalho para o santo colorado Aviz, Sabe…respondo processo aqui no vaticano por celebrar a missa, a ceia da mesa, de bermuda e camiseta…então disse aos meus irmãos da libertação que tragam mais alimentos nessa hora, na celebração da mesa. Tragam tudo que tiverem em casa. Não guardem os alimentos nos armários. Eles têm que evoluírem. Quando disse isso aos meus irmãos da liberdade, fizeram cara feia, mas pensaram em pedir das dispensas dos seus vizinhos…afinal moram em Rodeo Drive, Avenue Montaigne, Regent Street… Ou na Park Avenue…que inveja..ops! corta!…Mas eles não tem costume de guardar alimentos…foi um problemão de ideologia: eles levam alimentos ou não? Ninguém quis.

      8. uff…olha já existe o novo ordinário da missa, então tá muito fácil é só fazer o “Novus Ordo Seclorum” …sabe meus irmãos do templo da boa vontade, acharam, no começo que iriam perder seus filhos, mais depois viram que a concorrência leal, não iria atrapalhar os negócios. Outro trabalho para o colorado AVIZ!

      9. Mas o que eu respondi no numero oito do seu longo questionário, já engloba isso, tá todo mundo no meio. Nenhuma “Pessoa” ficará fora (minha nota: melhor fazer o sinal da cruz).

      10. Ora… a maçonaria é a fé de todas as gentes…é a religião universal. Então que mal faz. Veja que estou com a nova evangelização. Então estou fazendo tudo certo. Penso que todo mundo sai ganhando, inclusive a FIFA. Futebol é religião universal.

      Saudações: Injeção, não! Despedida do Colorado Aviz aos insuportáveis, jamais, irmãos:

      Corrispondenza Romana
      Riscossa cristiana
      Chiesa e postconcilio
      Il Cammino dei Tre Sentieri
      Vigiliae Alexandrinae
      Giudizio cattolico
      Conciliovaticanosecondo.it
      Una Fides
      In Exspectatione
      SECRETUM MEUM MIHI
      Fratres in Unum.com

      Colorado AVIZ>>>Se aproveitam da minha nobreza!

  15. Papa Bento XVI permitiu as comunidades que quisessem a missa tradicional poderiam fazer. Quem ordenou Papa Francisco que fosse contra os Frades Franciscanos da Imaculada?
    O comunistas da Teoria da Libertação ou o grande Rabino de Buenos Aires ou o Imam da Arábia Saudita?…ou a comunidade Gay que Papa Francisco …. “nao quer nem julgar” ( ele fez esta declaração em uma das 1 as. viagens que fez de avião durante seu pontificado esta registrado em youtube etc )

    Ele nem julga os homossexuais porém é extremamente agressivo contra esta Ordem.
    Papa Francisco tem que se decidir se ele é à favor da Igreja Católica ou é mais um agente infiltrado com objetivo de destruir a Igreja Católica por dentro!

    Nao se pode mentir para as pessoas todo o tempo! O mundo nao é só constituído por débeis mentais e histéricos que nao conseguem ver a realidade!

Trackbacks