5 minutos de coragem…

E a tibieza de sempre voltou.

Arquidiocese volta atrás e libera curta de Padilha com Cristo Redentor

UOL – A Arquidiocese do Rio de Janeiro voltou atrás e não vai se opor ao uso da imagem do Cristo Redentor no curta dirigido por José Padilha e com Wagner Moura para o longa “Rio, Eu te Amo”. Em comunicado divulgado nesta segunda-feira (21), a assessoria da produtora Conspiração Filmes avisou que a cúpula religiosa reavaliou o episódio e entendeu que não houve desrespeito.

Há duas semanas, a própria Conspiração havia publicado um texto dizendo que o filme de Padilha, “Inútil Paisagem”, não entraria na versão final do longa porque aArquidiocese do Rio não cedeu os direitos de uso da imagem da estátua do Cristo Redentor, “peça fundamental da história de José Padilha”. Como justificativa ao veto, a Cúria Metropolitana teria dito que considerou o filme “ofensivo” à imagem de Cristo.

Em “Inútil Paisagem”, o personagem de Wagner Moura voa de asa delta em torno da estátua e faz um “desabafo”, usando o Cristo Redentor como interlocutor. Ele reclama, ainda segundo a produtora, de problemas pessoais e também de problemas da cidade, como a pobreza.

No novo comunicado, enviado aos produtores pelo vicariato, os integrantes da Arquidiocese “entenderam que o episódio não visou interesse religioso no trato à imagem do Cristo Redentor, portanto não houve desrespeito ao Cristo ou à religião católica”. Ainda de acordo com o texto, apesar do prazo apertado para a entrega do longa, “os produtores vão trabalhar intensamente e esperam poder incluir o episódio [de Padilha] na versão para os cinemas brasileiros”.

No início do mês, a Conspiração informou ao UOL que a história havia sido vetada em abril pela Arquidiocese do Rio e, desde então, a produtora lutava para que o órgão religioso voltasse atrás. Como o filme tem contrato com distribuidoras internacionais e precisava ser concluído até o final deste mês, os produtores decidiram “jogar a toalha” e resolveram lançar o longa sem “Inútil Paisagem” –o cartaz oficial já excluía a produção.

Parte da série de filmes “Cities of Love” –que já inclui “Paris, Eu te Amo” e “Nova York, Eu te Amo”–, “Rio, Eu te Amo” tem estreia marcada para 11 de setembro. O longa traz no elenco 24 estrelas nacionais e internacionais, entre elas Harvey Keitel, Emily Mortimer, John Turturro, Fernanda Montenegro, Rodrigo Santoro, Wagner Moura, Vincent Cassel, Vanessa Paradis, Ryan Kwanten e Jason Isaacs, entre outros, em histórias curtas dirigidas por renomados diretores de cinema.

Anúncios
Tags:

27 Comentários to “5 minutos de coragem…”

  1. A arquidiocese desistiu de retornar à Igreja Católica e continuou na cnbb. Afinal desrespeitar a figura de Cristo não é nada para os cnbbistas.

  2. “5 minutos de coragem…
    E a tibieza de sempre voltou.

    Arquidiocese volta atrás e libera curta de Padilha com Cristo Redentor”

    Incrível como tudo que vem da “igreja” conciliar não me surpreende mais.

    Um recado para as “autoridades” da “igreja” conciliar, Nosso Senhor Jesus Cristo (O Católico centro de tudo e não o homem) ensinou que os tíbios puxarão a fila para o inferno e os mornos serão vomitados.

    Eis a prova:

    “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!
    Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.”

    Apocalipse III,15-16

    In Corde Jesu, semper,
    Leonardo Santana de Oliveira, o sedevacantista inquisidor.

  3. “Voltemos à programação normal”

  4. Não sei de onde sai a fama de conservador do Dom Orani Tempesta. Ele não faz nada que justifique! É infame essa volta atrás por causa da pressão da mídia. Ele teme a mídia e não teme a Deus? Respeita o cinema e não respeita Jesus Cristo?

  5. Não houve desrespeito para com quem, a maçonaria? A Imagem de N.S. é vilipendiada por uma ofensiva interlocutória e está tudo bem? O sinédrio está de volta, logo logo, outras situações de ofensas liberadas pela “Igreja” estarão autorizadas com livre acesso a debandada geral.
    Adveniat Regnum Tuum, oh Maria!

  6. Ridículo! Para quem achava que nunca se opor ao vilipêndio constante que fazem contra a fé era o pior que poderia acontecer, esse episódio da “coragem de 5 minutos” vem para mostrar que dá para piorar, pois serviu para achincalharem mais a Igreja e passar a ideia (pelo visto, verdadeira) que a Igreja cede a pressões e xingamentos. Um vexame mesmo..

  7. Agora vão dizer que a diocese voltou atrás porque recebeu dinheiro, podem esperar.

  8. “Quando Ele não reina pelos benefícios ligados a sua presença, reina por todas as calamidades inseparáveis de sua ausência”. Cardeal Pie

  9. Cinco minutos de “céu de brigadeiro” no Corcovado e novamente se precipita a “tempesta”.

  10. E eu que cliquei no link na expectativa de ver um vídeo de cinco minutos de algum prelado defendendo a tradição católica e atacando a vergonhosa corrente progressista…

  11. Para o bem do cinema até mesmo desrespeitar a imagem de Jesus é valido, Tudo pela arte nada pela religião. Depois somos chamados de idolatria, parece que desrespeitar tambem o é pois amara somente a teu Deus e aqui poderia ser trocado por amaras somente a Arte.

  12. Como dizem os operadores do direito, “quem pode mais pode menos”. Se o clero trata os sacramentos da pior maneira possível, autorizar um ator ativista do vício homossexual a falar palavrões sujos junto ao Cristo Redentor é “fichinha”.

  13. Nesse mato tem cachorro.. ninguém volta atrás do nada.

  14. Profundamente lamentável, alguém pressionou e a Arquidiocese agiu politicamente correto.

  15. Quanta COVARDIA Sr. Bispo! Mais uma vez Nosso Senhor foi entregue aos seus algozes. Qual terá sido o preço? 30 MOEDAS DE PRATA?

  16. Retiro o parabéns que dei ao Sr. Bispo na mensagem anterior !!!

  17. Por já, Silas Malafaia faz a defesa da Imagem do Cristo Redentor nesse episódio. Que descalabro.

  18. Se o Próprio Corpo de Cristo foi vilipendiado em copos plásticos na Jornada Mundial da Juventude, sua Santa Imagem não seria tratada de forma melhor…

  19. Não sei porque deste espanto todo! O espantoso foi o contrário a tal proibição de vinculação de imagens e não a sua liberação. Acredito que só foi charme para que fosse liberado!

  20. Sim,
    Provavelmente a Arquidiocese concordou com a afirmação do Teólogo-Titã Tony Bellotto:

    “Cristo não é cristo” (http://oglobo.globo.com/cultura/cristo-nao-cristo-13315382)

    Segundo sua exegese, “Alguém precisa avisar aos padres responsáveis que o Cristo Redentor não é o Jesus Cristo da Bíblia”;

    Sim, e talvez a Igreja Católica não seja mais o Corpo Místico de Cristo…

    O Teólogo-Titã, em poucas linhas, jogou no chão ponto fundamental do Credo Católico: a remissão dos pecados, motivo da Encarnação de Nosso Senhor :

    “Espanta-me que o símbolo principal da religião católica seja um instrumento de tortura romano e que o enviado de Deus tenha vindo ao mundo para redimir os pecados dos homens. Que pecados?”

    O marido da Malu Mader afirma mesmo, de modo claro, que a imagem do Cristo Redentor é outra pessoa, que não o Jesus Cristo bíblico:

    “O Cristo Redentor que nos saúda do alto do Corcovado nada tem a ver com seu xará bíblico…”

    A doutrina desse “Cristo Carioca” se resume na seguinte sentença:

    “’Não julgueis para que não sejais julgados’, sussurra ele entre nuvens, do cume do morro.’”

    E continua, com sua Suma Teológica, de envergonhar a de São Tomás de Aquino:

    “O Cristo Redentor representa também a religiosidade impura e heterogênea desta cidade, em que umbandistas, budistas, católicos, macumbeiros, evangélicos, judeus, muçulmanos, protestantes, ateus, agnósticos, indefinidos e indiferentes misturam suas crenças e descrenças na mais absoluta paz de espírito. Das igrejas, dos p******, dos escritórios, das praias, das escolas de samba, das universidades, dos ônibus lotados, dos jatinhos particulares, das favelas, das mansões, das calçadas imundas, dos terreiros, dos bueiros e dos táxis, de qualquer janela sempre se avista o Cristo Redentor, perene, a nos confirmar que nos encontramos no Rio de Janeiro. Aqui, até do inferno dá para avistar o Cristo”

    Com essa catequese profunda, inspirada pelo espírito (infernal), o exegeta fez voltar atrás um Sucessor dos Apóstolos.

    E fez causar vergonha a nós, que cremos na Encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo, para a remissão dos nossos pecados.

    Nós, que cremos que a imagem do Cristo Redentor simboliza a presença de Cristo…

    Mas, como foi dito acima, o que é a imagem do Cristo Redentor, se nem mesmo o Santíssimo Sacramento, no qual estão ocultos sob a espécie do pão Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Cristo, se nem mesmo esse Augusto Sacramento é tratado com o respeito devido?

    Seria imensamente belo ver nossos pastores defendendo a Verdadeira Religião e seus símbolos, com zelo de mãe ciumenta…

    Mas não é isso que se vê. Se esse é nosso martírio, dai-nos força, Senhor!

  21. O que o diabólico “jeitinho brasileiro” é capaz de fazer: transformar um cardeal de herói para vilão.
    De boas intenções, o inferno já está cheio. “Sede quentes ou frios, morno Eu Vomito” (Apocalipse).
    Reveja a sua decisão enquanto é tempo, D. Orani, sob pena de pagar um preço muito alto na eternidade (seja no Purgatório ou no Inferno).

  22. Poxa, e eu que estava começando a gostar das atitudes da Diocese do Rio de Janeiro, desde as trapalhadas que aconteceram com a vinda do Papa na JMJ.

  23. Primeiro, o demônio ri para você (Sr. Cardeal), depois ri de você.
    Senão, vejamos:

    ‘O Cristo Redentor não é da Igreja’, critica Carlos Saldanha. Diretor de ‘Rio’ lamenta a interferência da Cúria na produção de filmes que mostram o monumento, como ‘Rio, Eu Te Amo’ – vetado e depois liberado.

  24. Retiro os parabéns que tinha dado à coragem anteriormente demonstrada pela Arquidiocese do Rio, e o substituo pelo meu pesar diante da nova e vergonhosa atitude da mesma Arquidiocese. Então, dizer palavrões e dar uma “banana” para a imagem de Jesus Cristo não é desrespeito? É normal agora, em nome da arte?