Enquanto islâmicos destroem igrejas em Mosul…

A sociedade laicista faz sua parte no Ocidente.

O que está acontecendo com as igrejas de Montreal? Quebec encontra novas maneiras de preservar seu patrimônio em uma época secular.

Por Graeme Hamilton – National Post | Tradução: Teresa Maria Freixinho – Fratres in Unum.com – MONTREAL — Aparelhos de pesos ocupam o espaço onde antes havia bancos de igreja, e os visitantes bebericam sucos verdes nutritivos, em vez do vinho da comunhão. Porém, apesar de sua transformação dramática em uma academia de ginástica privada e SPA, o outrora Santuário dominicano de São Judas, na Rua St. Denis, em Montreal, continua sendo um tipo de templo.

Quando o piedoso pai de Sonya Audrey Bonin soube que ela estava envolvida em um projeto para transformar uma igreja em academia de ginástica, a princípio, ele ficou horrorizado, mas “no final, ficou muito orgulhoso,” ela diz.

“Ele se torna quase uma religião para algumas pessoas,” disse Sonya Audrey Bonin, gerente geral da academia de ginástica Saint-Jude Espace Tonus, nesta semana. “Eu considero isso como fazer yoga, cuidar de si, cuidar do que você come, ter um estilo de vida saudável.” E em uma época secular, quando as pessoas estão mais propensas a frequentar a academia do que ir à missa no domingo de manhã, as instalações de luxo estão sendo elogiadas como modelo de preservação de prédios religiosos que constituem uma parte importante do patrimônio arquitetônico de Quebec.

A Igreja de Santo Eugênio é agora um centro comunitário.

O Conselho de Patrimônio Religioso de Quebec foi criado, em 1995, com fundos provinciais e com a missão de reparar as minguadas igrejas da província. As congregações em decadência pensavam que as paróquias estavam tendo dificuldade em pagar os reparos. Assim, o conselho identificou os prédios com o maior valor patrimonial e subsidiou a manutenção deles.

Porém, após 18 anos e $371 milhões investidos pelo governo, o conselho reconheceu que faz pouco sentido reparar prédios simplesmente para mantê-los de pé. Eles precisam ser ocupados, e as igrejas estão tendo bastante dificuldade em fazê-lo. “A questão mudou,” disse Denis Boucher, gerente de projetos do conselho de patrimônio. “Hoje em dia, falamos muito mais em encontrar usos para igrejas.” No passado, as verbas do conselho eram reservadas a igrejas ainda utilizadas como lugares de culto. No ano passado isso mudou, e agora o conselho pode ajudar organizações sem fins lucrativos, prefeituras e até mesmo proprietários particulares que estão tentando transformar igrejas antigas.

Quando o conselho fez um inventário, em 2003, identificou 2.751 igrejas na província, a grande maioria delas católicas. Desde então, cerca de 400 fecharam, e o Sr. Boucher disse que o ritmo está crescendo rapidamente. “Uma igreja fecha a cada semana. É um enorme fenômeno,” ele disse. “Todo mundo precisa fazer uma concessão, para que os prédios encontrem uma vida útil na sociedade e continuem transmitindo o seu significado histórico.”

Uma nova publicação do conselho de patrimônio ressalta exemplos em Montreal de “vidas úteis” encontradas para antigas igrejas, incluindo a academia de ginástica São Judas, que está sendo elogiada pelas “soluções arquitetônicas originais, que criaram um diálogo com o passado do local, e não separado dele.” Os arquitetos preservaram as paredes externas da igreja e a maior parte das janelas em arco, impedindo que se esqueça a antiga função do prédio. No bairro de Rosemont, em Montreal, a antiga Igreja de Santo Eugênio agora é um centro comunitário para novas unidades residenciais subsidiadas, construídas ao redor da igreja para cidadãos idosos. “A igreja continua desempenhando o seu papel de local de encontro,” escreveu o conselho de patrimônio.

St. Jude’s, acima, antes de sua transformação, e abaixo, depois dela.

Outra transformação bem-sucedida foi o Théatre Paradoxe no sudeste de Montreal, que assumiu a quase centenária Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro depois que ela fechou, em 2009. Ao custo de $2,7 milhões, o projeto conservou o exterior da igreja e muito do seu interior, incluindo a madeira dos confessionários, que foi utilizada para fazer o bar. Mas agora a nave é o cenário de concertos e conferências, enquanto uma organização que ajuda alunos egressos a encontrar trabalho usa parte do prédio para treiná-los como técnicos de vídeo e palco. Embora espetáculos de danceterias tenham substituído os hinos dominicais, Gérald St-Georges, gerente geral do teatro, disse que há uma continuidade na nova finalidade do prédio. “Antigos paroquianos sentem orgulho de que a igreja tenha permanecido um local de encontro,” ele disse. “Ela está diretamente relacionado ao que acontecia antes.”

O impulso de preservar igrejas, atribuindo-lhes uma nova missão, encontrou um obstáculo com a chegada de Christian Lépine, arcebispo católico romano de Montreal, em 2012. Logo após sua nomeação, ele declarou uma moratória à venda de igrejas, por receio de que os fiéis perdessem sua igreja de bairro. Os projetos para instalar creches e centros comunitários em igrejas fechadas foram subitamente suspensos.

O Théatre Paradoxe de Montreal preservou grande parte do interior original, incluindo a madeira dos confessionários, que foi utilizada para fazer um bar.

Alain Walhin, assistente do vigário geral na arquidiocese de Montreal, disse que após dois anos na moratória, não há indícios de quando ela será levantada. Primeiro a arquidiocese quer identificar as necessidades de seus paroquianos e avaliar o estado de seus quase 200 prédios, ele disse. “Se levar três anos, quatro anos, esse é o tempo que levará,” ele disse.

Ele também insinuou que as pessoas têm sido muito precipitadas ao declarar que a Igreja Católica perdeu influência em Quebec. “É claro que há muitas igrejas para o número de pessoas que as frequentam, mas isso não é motivo para fechar tudo,” ele disse. “Sim, as pessoas não vão, mas isso não significa que elas nunca vão. Há altos e baixos. Isso não quer dizer que sempre haverá um declínio.” Ele deu o exemplo de uma antiga igreja franco-canadense em Montreal, que no ano passado foi transferida para o controle de uma congregação católica de origem africana e renomeada de Nossa Senhora da África.

19 Comentários to “Enquanto islâmicos destroem igrejas em Mosul…”

  1. Esse mundo vai acabar logo, descei fogo dos céus…Misericórdia e sobretudo Justiça,

  2. Ano passado vi uma reportagem dizendo que no mesmo Canadá um templo católico foi vendido para ninguém menos que a “igreja” universal… Essa notícia trazida pelo Fratres não me surpreende mais. Na França e na Inglaterra isso já se tornou comum também. Já vi casos de igrejas que viraram baladas. Até antigas basílicas estão sendo fechadas para virar salão de festas (http://manchesterhistory.net/manchester/outside/corpus.html). Eu me pergunto, como os bispos diocesanos autorizam a venda de suas igrejas? Como isso pode não doer na alma de um sacerdote?

  3. Quebec, laboratório da modernidade?

    A Igreja no Quebec encontra-se hoje em um estado de grande fragilidade. Muitos batizados, embora motivados a viver a sua fé sinceramente, encontram-se desamparados. Os lugares onde poderiam se reencontrar se tornam raros. E a Instituição parece muitas vezes mais ocupada em “gerir o decrescimento” do que em abrir a porta para a esperança.

    A análise é de Jean-François Bouchard, editor da Librairie Pauline canadense, em artigo publicado no sítio Baptises.fr, 16-10-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

    http://www.ihu.unisinos.br/…/501968-quebec-laboratorio-da-modernidade

  4. Estamos cercados…e sozinhos…

  5. Ou essa situação no Quebec e a perseguição nos países muçulmanos são mera excessão, ou então não deve ser coisa ruim, afinal “a Igreja nunca esteve tão bem”.

  6. É de partir o coração! um verdadeiro descalabro!! ISSO É APENAS O COMEÇO DO QUE ESTÁ POR VIR.

  7. A muitas décadas conventos e seminários diocesanos na Europa, por conta da falta de vocações por anos seguidos, optaram em transformar as antigas “celas” e dormitórios dos seminaristas em quartos de hotel ou pousada. Mantendo as missas nas capelas para a comunidade. Vejo como uma boa estratégia do que vender o imóvel para virar academia de ginastica, teatro ou boate.

    Os países latinos, principalmente o Brasil, é responsável pela maioria dos alunos nos ditos seminários internacionais de Roma, depois vem os Tailandeses. E as igrejas católicas orientais , principalmente da Índia.

    Igreja vendida é o mesmo que dizer que na região não existe mais católicos para frequenta-las e pagar dízimo. conheço uma igreja secular que virou museu de arte sacra (em Goiana-PE).

    Nos países desenvolvidos onde os jovens tem facilidade de cursar um nível superior , ter bons estudos os seminários são vazios em sua maioria. #FATO

  8. Esta é uma dura realidade, mas tem que ser analisada com o devido cuidado. Para manter uma Catedral há um determinado custo, e caso ninguém a frequente não haverá fundos para mantê-la. Sem contar a escassez de sacerdotes. Portanto, vale mais a pena concentrar o clero e as catedrais em lugares onde ainda tenha Católicos assíduos. Tal fato não acorre apenas no Canadá. Em vários países europeus tais como Holanda, Bélgica, França, Alemanha e Áustria da-se o mesmo, pela absoluta falta de interessados em comparecer as missas.

  9. “Enquanto islâmicos destroem igrejas em Mosul…A sociedade laicista faz sua parte no Ocidente.” mas no ocidente é pior enquanto em Mosul destroem igrejas e matam o corpo dos cristãos (aumentado o número dos santos do Céu), no ocidente para alem de transformarem as igrejas contribuem para a perdição das almas dos católicos…

  10. Que tristeza!

  11. Porque a Igreja, afinal, nunca esteve tão bem.

  12. Nossa Senhora… que Deus tenha misericórdia de nós e abrevie estes tempos tão tenebrosos!

  13. O Canadá francês há muito deixou de ter qualquer vestígio de Católico. Sobraram os edifícios das igrejas e até mesmos esses tem que ter uma finalidade “multicultural”. É inconcebível que uma igreja Católica continue sendo lugar destinado ao “culto católico”. Daí que quando não está sendo utilizada pode ser vendida pra ser transformada em qualquer coisa menos lugar de culto católico.
    E quando eu digo isso é porque fui testemunha em 1910, das manobras que a SSPX teve que fazer pra comprar a propriedade que veio se tornar a sede do Distrito-Canada.

    http://sspx.ca/en/media/photos/saint-joseph-center-chapel-722

    O Saint Joseph Center e o Priorado para a região de Montreal abriu suas portas no dia 19 de março de 2011. A Igreja compreende também um antigo convento das Irmãs da Apresentação que se transformou em um centro para Retiros.
    Foi necessário o uso de um “laranja” pra que a SSPX conseguisse comprar essa propriedade. Foi tudo feito às escondidas porque apesar da Diocese ter colocado a propriedade à venda, qualquer um que tivesse a quantia pedida poderia ter comprado até pra transformá-la em pousada…menos os pelagianos, restauracionistas da SSPX.
    Quando o Bispo menos esperava, St Cesaire estava aberta e celebrando missa…rs. Bem no estilo das “fundações” de Santa Teresa de Avila.

    • Como assim foi testemunha em 1910? Você já estava vivo nesta data? Ou melhor, a SSPX já existia nesse ano?

  14. O que me deixou mais impressionado – porque as profanações em igrejas acontecem há tanto tempo e com tanta frequência quanto podemos lamentar, que não podemos mais nos escandalizar como deveríamos –, é que essas pessoas não notam diferença entre uma igreja, uma academia, um centro comunitário e um teatro… Elas acham que tudo é local de encontro, como antes, quando as coisas novas eram igrejas, e que assim a igreja continua sendo o que era. Eis o que virou de fato muitas igrejas nos tempos modernos, pelos padres, bispos e até papas que abraçaram o jeito do mundo largando o correto proceder de antes: coisa mundana: como que academia, ou centro comunitário, ou asilo, ou teatro.

    Mas tem gente que diz tudo está uma maravilha desde o Vaticano II e ai de quem mexer nele!

  15. Eles poderiam pelo menos demolir os prédios. ..para depois no terreno fazer o que o demônio lhes ordena. ..seria menos ofensivo e menos desrespeitoso a construção de um novo prédio para suas futilidades …

  16. errata: Carlos…erro de digitação 2010. As negociações se deram em 2010 e um ano depois, 2011… St Joseph Centre foi aberto. Obrigada pela observação.

  17. Mas para Francisco, a Igreja nunca esteve tão bem…

  18. Será que poderiam pelo menos doar a mobília e objetos litúrgicos para lugares onde ainda há muita fé e poucos recursos? Na minha Paróquia, por exemplo, existe necessidade extrema nalgumas igrejas em construção. Conhecendo bem o meu pároco, tenho certeza de que ele faria um exorcismo sobre essas coisas, para ter certeza de que nenhum demônio viria agarrado!!!