Artigo sobre homossexualismo e Aids faz MP abrir investigação no RN.

Revista publicou artigo ‘Propagar o homossexualismo é disseminar AIDS’. Morador do Rio Grande do Norte denunciou editora por dano moral coletivo.

Artigo foi publicado na revista Catolicismo em fevereiro de 2012 (Foto: Reprodução/Internet)

G1 – O Ministério Público do Rio Grande do Norte instaurou um inquérito civil para apurar a denúncia de um possível caso de dano moral coletivo aos homossexuais por parte da Editora Padre Belchior de Pontes Ltda. De acordo com o MP, o artigo “Propagar o homossexualismo é disseminar Aids”, veiculado na revista mensal Catolicismo, na edição de fevereiro de 2012, “associou automaticamente a homossexualidade à Aids, como se todo homossexual fosse, pelo fato de ser homossexual, um propagador da referida síndrome e um risco para a saúde pública”.

O inquérito foi instaurado a partir da denúncia de uma pessoa que mora no Rio Grande do Norte e que prefere manter-se no anonimato. A abertura da investigação foi publicada na edição desta quinta-feira (31) no Diário Oficial do Estado. O G1tentou falar com a Editora Padre Belchior, que fica em São Paulo, mas os telefones que constam no site respondem como inexistentes.

O MP considerou que ao longo do artigo são feitas referências a estatísticas envolvendo quantidades e percentuais de proliferação da Aids entre homossexuais e concluiu que “se quisesse combater de fato e eficazmente a proliferação da Aids, o alertar à população sobre esses dados constituiria a primeira e mais urgente medida”. O MP avaliou ainda que as colocações existentes no artigo são ofensivas aos homossexuais e levanta preconceitos contra eles “que assim ficam atingidos em sua imagem, honra e vida privada”.

Tags:

17 Responses to “Artigo sobre homossexualismo e Aids faz MP abrir investigação no RN.”

  1. Acabo de ler um artigo de Lênio Streck sobre a ação civil pública movida pelo MPF para retirada da frase “Deus seja louvado” das notas de dinheiro, porque “ofensivas” aos “não-crentes”. Alguns de seus argumentos serviriam também para esse caso. A quem for da área jurídica, proponho sua leitura. http://www.conjur.com.br/2012-nov-22/senso-incomum-assim-inconstitucionalidade-deus

  2. Ofendeu? Que tal refutar os dados? Impossível, pois contra fatos documentados fica difícil. Os imprudentes do mundo moderno são assim, se a realidade ofende, proíbem seu anúncio. E é essa gentalha quem dá as cartas. Tristes tempos onde os dados factuais não dizem mais nada a não ser que a propaganda oficial se beneficie e dê sua permissão.

  3. Recentemente foram divulgadas pesquisas que apontam que entre os homossexuais brasileiros a incidência de HIV é maior que entre os heterossexuais. O sexo anal, dado a condição vascularizada do reto, bem como o fato de ser uma área contaminada pelas fezes, nas quais o vírus do HIV permanece, oferece muito mais riscos de contágio do que numa relação vaginal. A Aids propagou-se entre as comunidades gays, nos Estados Unidos chegou a ser apontada como “Câncer Gay” e as autoridades sanitárias interditaram as saunas gays por esse motivo. Querem o quê, negar a história? Negar os fatos? Ao que me parece há gente dentro do MP que está apenas utilizando a instituição para promover ações persecutórias a uma publicação católica, se fosse publicado num jornal de judeus teriam a mesma iniciativa? Basta, será que chegamos a um ponto em que a simples manifestação de uma opinião franca sobre o comportamento homossexual agora influi em ter de responder à Justiça? Está demais essa histeria gayzista que varre o país, inclusive colocando nossas instituições ao capricho de grupos organizados, isso precisa parar ou não teremos mais liberdade de expressão e opinião no Brasil.

  4. Ditadura da Safadeza!!!

  5. “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus” (Mateus 5.10)

    Preparemo-nos, irmãos, para a perseguição religiosa.
    Uma dúvida cruel: será que o arcebispo local ou mesmo a CNBB ou os cristãos portiguases serão solidários à Revista Catolicismo?
    Com a palavra, as autoridades religiosas acima…

  6. Calma. AIgreja nunca esteve tão bem… Lembram-se?

  7. Sodomitas sofrem desse complexo de vítima e adoram rasgar as vestes diante do que eles consideram “discriminação”. Lugar comum!!
    O que o artigo disse que já não estamos carecas de saber? Não diz por exemplo que tanto a Cruz Vermelha como a FDA ( U.S. Food and Drug Administration) proíbem sodomitas de doarem sangue por considerá-los grupos de risco em transmissão de AIDS e outras doenças:

    http://www.fda.gov/biologicsbloodvaccines/bloodbloodproducts/questionsaboutblood/ucm108186.htm

  8. Esta é uma ocasião para uma reação INTELIGENTE E EFICAZ, liderada por este site, Fratres in Unum. Pode Ferretti publicar repetidos apelos para que católicos destacados e verdadeiros dirijam protestos ao Ministério Público e expressões claras de apoio à Editora Belchior, TANTO COM ARGUMENTOS POLÍTICOS DE LIBERDADE DE PENSAMENTO, QUANTO CIENTÍFICOS, DE SAÚDE PÚBLICA, ETC, E AINDA RELIGIOSOS. O mesmo deve ser solicitado a pessoas jurídicas católicas e outras, favoráveis à divulgação da verdade, ao interesse na saúde pública, na liberdade de expressão do pensamento, na ( mal) chamada Democracia Cristã, e assim por diante. Uma supervisão seria feita, facilitada pelo pedido ue será feito a todos, ou seja, que informem o F. in Unum de suas iniciativas. Uma explosão de correspondências, telefonemas e outras manifestações poderá inverter o processo, tornando-o favorável a nós. Em Recife, tentou-se utilizar o Ministério Público para encurralar um verdadeiro católico que se pronunciou, em anúncios de jornais e manifestações públicas, contra a homossexualização imperialista do Estado e o MP, ou melhor, o militante homossexual Promotor que tentava utiliza-lo para a ” causa” da depravação e da submissão ignóbil acabou derrotado, retirando-se da lide sorrateiramente, após um início ” arrogante e glorioso “, sem conseguir fazer nada contra o católico coerente e corajoso Dr.Márcio Borba, Presidente do Pro Vida. Ou podemos, mais uma vez, ficarmos escondidos debaixo da cama e dizendo que estamos rezando.

  9. O que efetivamente mais me chateia nem é a perseguição religiosa, pois essa é sabida e notória, especialmente por parte destes discípulos de satanás que estão no governo. O que mais me chateia é que o MP tem infindos problemas bem, mas bem mais relevantes do que esta picuinha. Só um exemplo: o MP deveria ser o responsável pela homologação de todas as rescisões de contratos de trabalho (e recebe para isso). Pergunta se ele faz? Repassa este serviço, de extrema importância, para os juízes de paz, não togados, e que não recebem remuneração por isto. É um país que coa mosquitos e engole camelos.

    • Rafael, a assistência às rescisões dos contratos de trabalho de empregados com mais de um ano de serviço deve dar-se perante o sindicato representativo da categoria profissional ou o Ministério do Trabalho e Emprego (artigo 477, § 1.º, Consolidação das Leis do Trabalho. Onde não houver, a assistência será prestada pelo Ministério Público, pela Defensoria Pública ou pelo juiz de Paz (§ 3.º).

      No mais, não há nada de ofensivo ou violador da ordem jurídica ao se noticiarem fatos e dados estatísticos, agradem ou não a quem os lê.

  10. Rafael e Ricardo : parabéns pelos escritos; concordo com vocês. E acrescento, que os praticantes de atos físicos antinaturais,devem arcar com as consequências de seus atos , na saúde corporal. .. Não deveriam condenar o artigo que apresentou a pesquisa…

  11. Nestes casos o MP é tão eficiente…

  12. Os homossexuais se colocam como vitima. As estatísticas mostram que não.

    Os homossexuais também são proibidos de doar sangue por uma questão biológica.

    Então, o MP também deveria entrar com uma ação contra a Lei da Gravidade, não é?

  13. Uma única pessoa que se faz de “ofendida” se incomoda com um artigo, que se baseia em estatísticas e dados concretos para emitir uma opinião razoável, e o Ministério Público, a partir de uma chorumela isolada, desenvolve uma acusação pífia e MENTIROSA para buscar impor censura e perseguição gayzista.

    O que, aliás, nem é novidade mais, já que atuar como “polícia do pensamento” a serviço da militância gayzista, atacando a liberdade de expressão e de religião, tem sido uma das principais e vergonhosas atribuições do MP nos últimos tempos.

    Pode-se ler o artigo da Revista Catolicismo aqui https://fratresinunum.com/2014/08/02/o-artigo-que-enfureceu-a-ditadura-gayzista/ e constatar que não há absolutamente nada que tenha a ver com a acusação feita pelo MP.

Trackbacks