Uma voz que clama: intercedam por nós, porque somos filhos da mesma Igreja e professamos a mesma Fé.

“Elaih-i, elaih-i… La-mah sabachthani?[1]” (Evangelho segundo São Mateus Apóstolo, cap. 27, vers. 46)

“Transpassaram as minhas mãos e os meus pés, posso contar todos os meus ossos” (Livro dos Salmos, cap. 21, vers. 16-17)

Por George-François Sassine – Fratres in Unum.com: Na mentalidade ocidental, tão “objetiva e prática”, tão “certa e vaidosa” de sua característica “sintética e pragmática”, certamente as frases em epígrafe passaram a ter muito pouco significado. Já não se vive e nem se entende a gravidade do dito por Nosso Senhor Crucificado e Agonizante ao Pai, quase um protesto de um Filho que O ama infinitamente.

Não tivesse o Ocidente abraçado ideais diabólicos como o iluminismo, a franco-maçonaria e o comunismo, talvez houvesse via por onde resgatar – ao menos – o signficado rememorado anualmente na Sexta-Feira da Paixão.

Mas afinal, o que tem de concreto o dito de Nosso Senhor com a vida de cada um “de nós”, neste tempo brutal de maravilhas tecnológicas e de devoção ao prazer?

A consequência direta disso é ainda mais grave: a mentalidade objetivista e naturalista ocidentais culminam com o esvaziamento do sentido místico da Paixão e Morte de Nosso Senhor, que pode e deve ser observado, pela perspectiva do Santo Sacrifício da Missa, no desdobramento da História.

O primeiro e mais grave ato de esvaziamento – gestado de dentro da Igreja – foi o golpe colocado ao rebanho latino: a dessacralização do rito romano por um novus ordo aggiornato.

Esvaziado o sentido sobrenatural, então não mais conhece mais o homem ocidental médio – em sua carne – a dor insuportável de Deus que se oculta para por à prova aquele que O ama. Por isso, o homem ocidental médio é incapaz de reconhecer esta dor em outrem, esteja onde estiver.

A Igreja trouxe a semente do Oriente, pelas mãos de homens simples e ignorantes do mundo, para ser plantada no Ocidente, para substituir o trono do máximo poder temporal e da falsa glória, para que todos os caminhos culminassem no Único e Possível Poder: a Fé Verdadeira da qual São Pedro é o fiel depositário.

Mas novamente, quem se lembra da Igreja para além das construções e do poder visível que emana de Roma?

Refugiados em um igreja, incerto se Mosul ou Irbil, da página síria “Syrian Christian Resistance”, no Facebook

Refugiados em um igreja, incerto se Mosul ou Irbil, da página síria “Syrian Christian Resistance”, no Facebook

“Ó vós, que passais pelo caminho, atentai e vede se há dor semelhante à minha dor”(Livro das Lamentações. 1, 12)

Eles são filhos de São Pedro e de São Tomé. São siríacos e caldeus. Falam o arábe e o idioma de Nosso Senhor. Têm origem apostólica. Recontam a Tradição sem necessidade de livros. Por alguns séculos estiveram separados do Santo Padre, mas depois retornaram como filhos pródigos.

Hoje, na planície de Nínive (na Mesopotâmia, território do Iraque), naquela mesma onde pregou o profeta Jonas, um pequeno rebanho sofre – além das próprias agruras da perseguição de uma seita demoníaca em doutrina e sua em atitude – o esquecimento daqueles que são, ou, ao menos deveriam, ser e agir como irmãos na Fé Ortodoxa de Nosso Senhor e de Seus Santos Apóstolos.

Fogem apenas com a roupa do corpo, vêem suas igrejas destruídas, as cruzes arrancadas, os altares profanados, os mosteiros queimados. São humilhados, extorquidos, escravizados, decapitados. São chamados de “nazranii” (nazarenos) como se isso fosse sinônimo de “infiel”.

Quem lhes virá em socorro? Até quando?

Santo Padre, esse teu povo clama a tua voz, que ela se erga em sua defesa e cobre – pragmática e objetivamente – aos poderosos deste mundo que ajam contra este massacre covarde. Dai-nos o exemplo, Santo Padre, para que o clero e os fiéis leigos ergam a voz e se indignem com justiça e piedade.

Instigai-nos a – concreta e pragmaticamente – nos esquecermos dos nossos confortos ocidentais e prestarmos nossa ajuda no carregar desta cruz. Provocai-nos os brios, para que não nos calemos e façamos da dor deles também nossa dor. Incitai em nós o desejo de também merecermos o desprezo mundano e de sermos também “nazranii”.

Porque eles são Igreja, Santo Padre, e morrem por amor ao Nome de Nosso Senhor. Eles são a tua Igreja que sofre. O sangue deles molha a terra, o nosso não.

Refugiados em um igreja, incerto se Mosul ou Irbil, da página síria “Syrian Christian Resistance”, no Facebook

Refugiados em um igreja, incerto se Mosul ou Irbil, da página síria “Syrian Christian Resistance”, no Facebook

Nos anos recentes, a onda islamita varreu o Egito, a Síria, agora o Iraque e já chega ao Líbano.

Na sua simplicidad,e meu avô me dizia que o tempo é inimigo nosso na medida em que nos apressa em querer entender, logo, nos levando ao engano da verdade.

Um caro amigo uma vez me lembrou: “O sofrimento que Deus permite é sinal de predileção”.

Nessas duas colocações aparentemente desconexas, reflete-se o que viveu Jó: destituído de tudo, indistintamente do tempo, não se apressou em “concluir e sintetizar”, em ser “pragmático e objetivo”. Mas glorificou a Deus a todo momento, apesar de toda sua dor e secura.

Sacrifício este que foi perfeccionado ao absoluto, conforme ensinou São João Crisóstomo: “… havia dois altares, a Cruz de Nosso Senhor e o Coração de Maria Santíssima…”.

3

Finalizo com uma reflexão a partir da oração preparatória para a Eucaristia na Divina Liturgia (de São João Crisóstomo):

“Recebei-me, hoje, participante da vossa ceia mística, / ó Filho de Deus. / Porque não revelarei vossos mistérios aos vossos inimigos, / nem Vos beijarei como Judas; / mas como o bom ladrão eu Vos digo: / lembrai-Vos de mim, Senhor, em vosso reino”

Nós nos resignamos em nossas misérias e escondemos nossos talentos, ou, vamos em busca de ser sal da terra?

Da nossa parte, em orações e obras, o que falta para que mereçamos a lembrança de Nosso Senhor?

KYRIE ELEISON, KYRIE ELEISON, KYRIE ELEISON.

* * *

[1] Do aramaico transliterado: “ Meu Deus, Meu Deus, por que Me abandonaste?”

Tags:

14 Responses to “Uma voz que clama: intercedam por nós, porque somos filhos da mesma Igreja e professamos a mesma Fé.”

  1. Enquanto o islamismo é a religião do odio, da parte de Cristo manda amar os nossos inimigos, orar por eles, ajudá-los em suas necessidades, porém, Maomé manda matar todos os que não comungam com sua fé à deusa da lua – no topo das mesquitas o quarto crescente, lembrando-a – apesar de pregarem ser o mesmo Senhor Deus de Israel; já o odio aos judeus da Arabia naquele tempo e hoje é por não aceitarem sua religião camisa-de-força, daí tidos como inimigos.
    Mesmo um dessa religião passar para o cristianismo: morte – ou 30 dias de prazo para mudar de ideia – sendo o islamismo a religião do ódio, da intolerância e segundo o Alcorão, Alá ordena que os muçulmanos aterrorizem os não muçulmanos em seu nome:
    “Eu instilarei terror nos corações dos infiéis, golpeai-os acima dos seus pescoços e arrancai todas as pontas dos seus dedos. Não fostes vós quem os matastes; foi Deus” (Sura 8:13-17).
    “Imprimi terror [nos corações dos] inimigos de Deus e vossos inimigos” (Sura 8:60).
    “Combatei-os [os não muçulmanos] e Deus os punirá através das vossas mão, cobri-os de vergonha” (Sura 9:14)
    Segundo o Hadith (ensinamentos, atos de Maomé) Maomé também exige que os Muçulmanos pratiquem a jihad, a guerra santa – lutar contra os infiéis em nome de Alá. Infiel é qualquer pessoa que não confessa os dois credos do Islã: que não há outro Deus além de Alá e que Maomé é o mensageiro de Alá. Certa vez perguntaram a Maomé: “Qual a melhor coisa que um muçulmano pode fazer além de crer em Alá e no seu apóstolo?” Sua resposta foi: “Participar da jihad pela causa de Alá” (Al Bukhari, Vol. 1, p. 25).
    Aqui no Ocidente, os governos comunistas que são amigos dos muçulmanos não estão nem aí para esses massacres!

  2. É dos antigos romanos, mas aprendi esta frase com o Príncipe brasileiro D. Bertrand:

    Si vis pacem, para bellum
    (Se queres a paz, prepara-te para a guerra)

    E meu pai sempre falou:

    Quem pode mais chora menos.

    Creio que os católicos não tem o direito de chorar pois abraçou o ecumenismo e o comunismo.

  3. Republicou isso em Catholic Glassese comentado:
    Jesus, Mercy!
    May their souls rest in peace via the Mercy of God.

  4. Ver essas fotos… Aquela mãe no primeiro banco, as crianças com as idades dos meus filhos… Poderia ser eu aquela mulher e meus filhos poderiam ser eles… Que Deus olhe por eles! Que Ele lhes faça justiça!

  5. “O primeiro e mais grave ato de esvaziamento – gestado de dentro da Igreja – foi o golpe colocado ao rebanho latino: a dessacralização do rito romano por um novus ordo aggiornato.”

    Não. O esvaziamento começou muito antes; não adianta botar a culpa na Liturgia. Meus pais são do tempo em que a missa ainda era em latim e muita gente não estava nem aí pra ela.

  6. Sim, somos filhos da mesma Igreja!!! E eles já começaram a chegar. Os que tiveram a sorte de poder fugir com a ajuda de familiares que vivem no Exterior podem dar graças a Deus!! E os que ficaram? E os que não tem pra onde ir?
    Os que aqui chegaram como refugiados nos dizem:
    _ “They are just waiting for any hope and begging us, don’t leave us alone.”
    “Eles se agarram a qualquer esperança e nos suplicam que não os abandonemos”.
    Oração e mobilização. Não podemos abandoná-los à própria sorte. É necessário fazer muito barulho. Se o seu “areópago” é na internet, mantenha o assunto “refugiados cristãos” sempre atualizado em blogs, redes sociais…etc.
    Quanto aos que defendem a covardia dos “Neville Chamberlains” de batina, eu só tenho uma coisa a dizer:
    “pimenta nos olhos dos outros é refresco”!!
    Eu queria ver esses tais dormindo no chão e em bancos de igrejas abandonadas, sem ter o que comer, fugindo de suas casas só com a roupa do corpo e sem saber se vai amanhecer vivo ou morto.
    Quando a fome e o perigo de morte bate à porta, a papolatria pula pela janela.

  7. Perseguidos, maltratados, humilhados, presos, mortos porque são cristãos, irmãos nossos, católicos: meu Deus, sustentai a fé desses nossos irmãos e inspirai nossas ações para que possamos socorrê-los em suas necessidades!

  8. Do jeito que escreveram parece que o Papa não está nem aí para o que está acontecendo no Iraque, o que não procede. Na catequese na hora do angelus ontem, o mesmo condenou veementemente tudo que está acontecendo com nossos irmãos caudeus.

  9. Quando foi noticiado neste domingo nos portais das redes sociais o apelo do Papa Francisco no Angelus sobre as vítimas do ISIS, apareceram anticatólicos e socialistas querendo desqualificar seu apelo, chamando a igreja da pedofilia…

    Chamei-os de hipócritas, pois nunca escreveram uma palavra condenando e denunciando o ISIS, diferente dese site que há dias chama atenção esse drama.

    “Tudo isto ofende gravemente Deus e a humanidade!” – Papa Francisco ao Angelus, evocando violências no norte do Iraque

    O Papa Francisco recordou ainda que, para melhor assegurar a sua proximidade àquelas caras populações, nomeou seu enviado pessoal ao Iraque o cardeal Fernando Filoni, que já amanhã (11-08-14) (disse) partirá de Roma.

    Leiam o apelo do Papa em: http://www.news.va/pt/news/tudo-isto-ofende-gravemente-a-deus-e-a-humanidade

  10. Onde está a ONU? os grupos de defesa dos direitos humanos?…..e o Papa? que faz de concreto?

  11. O Bispo de Roma está organizando uma partida de futebol com jogadores de fama internacional….talvez com motivação beneficente…pode ser.Enquanto isso,nossos irmãos de cristandade,entregues à sanha assassina dos malucos muçulmanos,aguardam o Martírio de sangue,pela Fé! Quanta contradição!

  12. Sinal dos Tempos!

    Pior: nas terras de nossos patriarcas: Abraão…

  13. Não aguento olhar essas fotografias..abri no berrão..chorei mesmo, de verdade! Que horror! Parece que estamos nos tempos do Império Romano….Cuz credo!
    Além de orarmos, muito, fazermos jejuns, devemos fazer alguma coisa de concreto: passeatas, protestos públicos etc. Quem tem parentes lá, nesses infernos mande-os buscar: aonde come tres, come dez!
    A situação é dramática, horrível pelo que vejo; quem pode, escreva para esse….Bispo de Roma. Esse senhor tem que fazer algo de concreto, (que não seja se jogar lá, claro!), para ajudar essas pessoas!
    Meu Deus! Tenho parentes das idades dessas crianças que estão numa das fotos…tenho sobrinhas casadas com..árabes, que felizmente são cristãos. Sofro em ver isso tudo e pouco posso fazer. Mas, rezarei, jejuarei por meus irmãozinhos Mártires. Com certeza e em VERDADE! Espero que JESUS aceite meus pequeninos esforços.Amém!

    JESUS, por favor….ajude-os! Por MARIA Te suplico, AMORE! Amém!
    MARANATHA!

Trackbacks

%d blogueiros gostam disto: