Cardeal Rodé: “O Papa é muito de esquerda”.

O ex-prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada, de origem eslovena, deu uma entrevista em que criticou Francisco por sua opinião sobre o capitalismo e a justiça social.

Março de 2009. Cardeal Rodé ordena seis novos para o Instituto Cristo Rei, na Itália.

Março de 2009. Cardeal Rodé ordena seis novos sacerdotes para o Instituto Cristo Rei, na Itália.

Por Andrea Tornielli | Tradução: Fratres in Unum.com –  O Cardeal Franc Rodé, que acaba de completar 80 anos e foi prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada, deu uma entrevista à agência de imprensa nacional da Eslovênia na qual criticou o Papa Francisco. Nada relacionado ao Sínodo sobre a família ou a questões doutrinais. Antes, o que ele colocou em discussão foi outra doutrina, a social, que parece cada vez mais esquecida no mundo católico, conforme demonstrado por algumas páginas da “Evangelii gaudium”. De acordo com o cardeal esloveno, o Papa é “muito de esquerda”.

“Sem dúvida, disse Rodé -, o Papa é um gênio da comunicação. Comunica-se bem com o público, com a mídia, com fiéis”. “Uma grande vantagem – acrescentou – é que ele sempre se mostra simpático. Além disso, as suas opiniões sobre o capitalismo e a justiça social são excessivamente de esquerda. Vemos que o Papa é marcado pelo seu ambiente de origem. Na América do Sul existem grandes diferenças sociais e grandes debates sobre o assunto todos os dias. Mas essa gente fala muito e resolve poucos problemas.”

O artigo do jornal “Piccolo”, de Trieste, que reproduziu a informação da agência eslovena, recordou que o Cardeal (que viveu muitos anos na Argentina durante o regime de Tito), quando era arcebispo de Lubaina, dirigiu “a Igreja eslovena em direção a um claro modelo capitalista”. E, como todos sabem, a diocese de seu país, Maribor, sofreu uma derrocada financeira devido a investimentos muito arriscados.

11 Comentários to “Cardeal Rodé: “O Papa é muito de esquerda”.”

  1. “Mas essa gente fala muito e resolve poucos problemas.” É isso ai!!!

  2. Me fez lembrar de uma nota de rodapé do livro do prof. de Mattei sobre a eleição do Papa paulo VI, em que os religiosos de um instituo estavam “alegres” com sua eleição, ao que o superior disse em italiano que ele era de “sinistra” (esquerda), aí o monge disse mas como dizer isto de um Papa, mas em que sentido retrucou o monge, ao que foi lhe dito: “nel senso di sinistra e sinistro”, ou seja, no sentido de esquerdista e sinistro.

  3. Na Folha: “Papa Francisco quer conversa franca com bispos sobre comunidade gay”.

    Alguém está surpreso?

  4. Infelizmente, na América do Sul as conferencias episcopais pareceriam se aliarem aos comunistas, se forem como a do Brasil; seduzem o povo com suas ideologias e ainda perseguem os hierárquicos fieis à Igreja, os conservadores – Brasil, caso D Luiz Bergonzini, D José Cardoso e Paraguai, D Livieres.
    Daí, o crescimento de idem governos que espoliam as nações, pois onde entram estão garantidos o atraso, o igualitarismo da miséria, excessiva violencia, destruição e uma feroz e particular perseguição á doutrina da Igreja católica por meio de sua parodia, a TL.
    Na Argentina, Brasil e Uruguai por ex., a agenda da NWO do “politicamente correto” – todos do FORO DE S PAULO – está fortemente implantada e o relativismo está na ordem do dia, bastando ver de como sacerdotes pouco ou nunca interpelam duramente no tocante à miséria ético-moral em que a sociedade se chafurda, salvas as exceções, parecendo se conformarem.
    Tais fatos devem ser conferidos de quando em tempo à luz das predições de N Senhora em Quito, Fátima, La Salette pois esses graves desvios na fé têm tudo a ver com elas.

  5. Não estão só demolindo, mas implodindo a Igreja e o único problema é que; “o Papa é muito a esquerda”

  6. É verdade Tamara é uma entrevista La nacion, “O mundo mudou e a Igreja não se pode fechar em supostas interpretações do dogma.” P.F.

    “¿Qué le importa sacar como conclusión del sínodo?
    “¡La familia es un tema tan valioso, tan caro para la sociedad y para la Iglesia!”, dice, y agrega: “Se ha puesto mucho énfasis sobre el tema de los divorciados. Un aspecto que, sin duda, será debatido. Pero, para mí, un problema también muy importante son las nuevas costumbres actuales de la juventud. La juventud no se casa. Es una cultura de la época. Muchísimos jóvenes prefieren convivir sin casarse. ¿Qué debe hacer la Iglesia? ¿Expulsarlos de su seno? ¿O, en cambio, acercarse a ellos, contenerlos y tratar de llevarles la palabra de Dios? Yo estoy con esta última posición”, puntualiza.
    “El mundo ha cambiado y la Iglesia no puede encerrarse en supuestas interpretaciones del dogma. Tenemos que acercarnos a los conflictos sociales, a los nuevos y a los viejos, y tratar de dar una mano de consuelo, no de estigmatización y no sólo de impugnación”, señala.”*

    *http://www.lanacion.com.ar/1733084-poder-politica-y-reforma-a-solas-con-francisco

  7. “Sem dúvida, disse Rodé -, o Papa é um gênio da comunicação. Comunica-se bem com o público, com a mídia, com fiéis”

    Ele comunica-se bem com o público, com a mídia, com “fiéis” porque fala aquilo que eles querem ouvir.