“Estarei espiritualmente com vocês”.

São as palavras do Papa emérito Bento XVI aos participantes da Peregrinação Summorum Pontificum, concluída ontem, em Roma, festa de Cristo Rei no calendário tradicional. Convidado para estar presente na Santa Missa Pontifical celebrada na Basílica de São Pedro pelo eminentíssimo Cardeal Raymond Leo Burke, Bento XVI respondeu aos organizadores por carta:

Benedictus XVI

Papa emeritus

Città del Vaticano

10-10-2014

Ilustríssimo Delegado-General,

Finalmente encontrei um tempo para agradecer-lhe pela sua carta do último dia 21 de agosto. Estou muito contente que o Usus antiquus agora viva em plena paz dentro da Igreja, também entre os jovens, apoiado e celebrado por grandes cardeais.

Estarei espiritualmente com vocês. Minha condição de “monge enclausurado” não me permite uma presença que também é exterior. Deixo o meu claustro somente em casos particulares, [quando] pessoalmente convidado pelo Papa.

Em comunhão de oração e amizade.

No Senhor,

Bento XVI

Não deixa de ser significativa, como que um aparente ato de reconhecimento em quase desagravo, a menção a “grandes cardeais” que hoje celebram a Missa Tradicional. Desgraçacadamente, eles têm sido as maiores vítimas do pontificado bergogliano. Burke, que nas últimas semanas despontou como a grande liderança da “ala conservadora”, realmente, parece dar adeus a Roma, e recebeu também o apoio do ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal William Levada, que declarou ter ido à Missa em São Pedro “em amizade ao Cardeal Burke”.

Anúncios

11 Comentários to ““Estarei espiritualmente com vocês”.”

  1. Bento está tão ‘enclausurado’ quanto Napoleão em Stª Helena.

  2. Caro frater,

    Não sei dizer se o Sr. conhece, mas “Os Jesuítas, A Companhia de Jesus e a Traição à Igreja católica” de Malachi Martin (trad., Ed. Record, 1989) é interessantíssimo. O último capítulo explica muita coisa do q tem acontecido. Saudações!

    • Conheço, sim, caro Santiago e, inclusive lhe pergunto: não é curioso que hoje justamente um jesuíta esteja sentado na Sé Apostólica e seja tão bem quisto por meios maçônicos e para-maçônicos, os mesmos Jesuítas que tanto combateram a maçonaria e seus asseclas?!

      A ironia tempera a vingança…

      Um grande abraço

  3. Hoje estou de luto e minha visão está cinzenta, mas não consigo deixar de ver algo de muito esquisito no trecho “Minha condição de “monge enclausurado” não me permite uma presença que também é exterior. Deixo o meu claustro somente em casos particulares, [quando] pessoalmente convidado pelo Papa.”

  4. É o que eu disse antes: só tiram o “vovô interditado” da clausura, quando é pra fazer foto passando a idéia de que tudo está em perfeita harmonia.
    Enquanto Ratzinger se alegra pelo fato de que os Católicos tradicionais continuam podendo celebrar a Missa Tridentina, Bergoglio não perde oportunidade pra espezinhá-los:

    “Em meio à selva densa de preceitos e prescrições, aos legalismos de ontem e hoje, Jesus emite um raio de luz que nos permite vislumbrar apenas dois rostos: o rosto do Pai e do irmão. O Evangelho nos recorda que toda a lei divina se resume no amor a Deus e ao próximo. A novidade dessa mensagem consiste propriamente em se colocar junto a esses dois mandamentos, o amor por Deus e pelo próximo, revelando que são inseparáveis e complementares, são as duas faces de uma mesma medalha”.
    http://vaticaninsider.lastampa.it/vaticano/dettaglio-articolo/articolo/francesco-francis-francisco-angelus-37157/

    Esse papo de TL cansa! É o memo jargão em tudo quanto é lugar! Só esquecem de dizer que quem ama o irmão segue à risca os 10 Mandamentos. Quem ama o irmão não rouba, não mata, não comete adultério, não levanta falso testemunho, não peca contra a castidade corrompendo e dando mal exemplo…etc. Todo esse amor ao irmão só é possível pela graça do Espirito Santo porque como disse o próprio Jesus: sem mim nada podeis fazer.
    Eis porque quando esses modernistas falam tanto de amor, amor, amor, me cheira à hipocrisia dos fariseus. Sem uma vida de oração e profunda intimidade com o Pai das luzes de onde provém todo o bem, tudo o que chamam de “amor” não passa de paixões desordenadas, interesses próprios e afetos passageiros.
    Basta ver com qual “amor” trataram e continuam tratando tanto Bento XVI como os Cardeais e todos os fiéis da Tradição.

  5. “monge enclausurado”? é perfeitamente compreensível. Vem entre aspas, pois Bento não é um monge propriamente pertencente a uma Ordem monástica, mas é “emérito”. O bom emérito só vai a eventos públicos se convidado pelo bispo atual. No caso da diocese de Roma se dá isso, Francisco é o Bispo e Bento retirou-se, mas sai quando convidado por Francisco. É normal isso sempre que o emérito sabe o que é ser emérito

  6. Can. 185. Renuntiatio ex metu gravi, iniuste incusso,dolo aut errore substantiali vel simoniace facta irrita est ipso iure.

    (C.I.C. 1917)

    Canon 188. Renuntiatio ex metu gravi, iniuste incusso, dolo vel errore substantiali aut simoniace facta, ipso iure irrita est.

    (C.I.C. 1983)

    É nula, por força do próprio direito, a renúncia feita por medo grave injustamente infligido, dolo ou erro substancial ou simonia.

  7. Esta carta fala muito mais do que aparenta!

  8. E o Papa?… “Deixo o meu claustro somente em casos particulares [quando] pessoalmente convidado pelo Papa”. Logo…

  9. Salvo engano de minha parte, Bento nunca tomou parte presencialmente de um evento como esse quando estava na ativa…