Uma visão profética do Padre Pio.

Por Cristina Siccardi – Corrispondenza Romana | Tradução: Fratres in Unum.com – Existe na história da Igreja, além da leitura dos acontecimentos, real ou falsa, uma outra leitura, a dos místicos, que têm o privilégio de ser objeto da predileção divina e, portanto, de serem informados diretamente pelo Céu sobre os eventos, fazendo-se de porta-vozes dos anúncios sobrenaturais e das profecias.

Saint_Padre_PioNos tempos atuais de confusão, mistificação, engano e erro da e na Fé, torna-se muito interessante ler o que o Padre Pio de Pietrelcina escreve a seu confessor, Padre Agostinho, em 7 de abril de 1913. Nesse sofrido escrito o santo descreve uma aparição de Cristo agonizante devido ao comportamento dos sacerdotes indignos.

“Na sexta-feira de manhã eu me encontrava ainda na cama, quando Jesus me apareceu. Estava todo maltratado e desfigurado. Ele me mostrou uma grande multidão de sacerdotes regulares e seculares, entre os quais diversos dignitários eclesiásticos; destes, alguns estavam celebrando, outros se desviando, e outros se despindo das vestes sagradas.

“A visão de Jesus angustiado causava-me muita pena, por isso quis Lhe perguntar por que sofria tanto. Não obtive nenhuma resposta. Contudo, seu olhar se dirigiu para aqueles sacerdotes; mas pouco depois, quase horrorizado e como se fosse parar de fitar, retirou o olhar e, quando o voltou para mim, observei com grande horror duas lágrimas que Lhe sulcavam o rosto. Distanciou-se daquela turba de sacerdotes com uma grande expressão de desgosto na face, gritando: ‘Açougueiros!’

“E voltando-se para mim, disse: ‘Meu filho, não acredites que minha agonia foi de três horas, não; Eu estarei, por causa das almas mais beneficiadas, em agonia até o fim do mundo. Durante o tempo da minha agonia, meu filho, não se deve dormir.

“‘Minha alma vai em busca de algumas gotas de compaixão humana, mas infelizmente me deixam sozinho sob o peso da indiferença. A ingratidão e o sono de meus ministros tornam minha agonia mais pesada. Oh, como correspondem mal ao meu amor! O que mais me aflige é que à indiferença essas pessoas juntam o desprezo, a incredulidade.

“‘Quantas vezes Eu estive para fulminá-los, se não tivesse sido contido pelos anjos e pelas almas enamoradas de Mim… Escreve ao teu confessor e narra-lhe o que viste e ouviste de Mim esta manhã. Diz-lhe que mostre a tua carta ao Provincial …’. Jesus ainda continuou, mas o que Ele disse não posso jamais revelar a criatura alguma neste mundo. Essa aparição me causou uma tal dor no corpo, mas ainda mais na alma, que durante todo o dia fiquei prostrado e julguei que fosse morrer, se o dulcíssimo Jesus já não me tivesse revelado… Jesus infelizmente tem razão para lamentar de nossa ingratidão! Quantos desgraçados de nossos irmãos correspondem ao amor de Jesus lançando-se de braços abertos na seita infame da maçonaria!

Rezemos por eles, a fim de que o Senhor ilumine suas mentes e toque seus corações. Encoraje o nosso padre provincial, que receberá do Senhor um copioso socorro de favores celestes. O bem da nossa província mãe deve ser a sua constante aspiração. Para isso devem tender todos os seus esforços. Para esse fim devem ser direcionadas as nossas orações, tudo o que possuímos. Na reorganização da província, não podemos poupar ao provincial as dificuldades, as doenças, as fadigas; contudo, cuidar para não perder o ânimo, o misericordioso Jesus sustentará a empresa. A guerra dos cossacos vai se intensificando cada vez mais, mas não tenha medo, com a ajuda de Deus” (Padre Pio da Pietrelcina, Epistolario I, por Melchiorre da Pobladura e Alessandro da Ripabottoni, San Giovanni Rotondo 2004, pp. 350 e ss., carta no. 123).

Padre Pio, como ele assinava, demonstra com este documento o seguinte: 1) Na Igreja existem ministros que fazem agonizar e irar (desejo de fulminá-los) o Filho de Deus; 2) Esses ministros demonstram sua indiferença e ingratidão para com Quem os chamou a uma tão alta honra; 3) Eles desagradam seriamente o Senhor Jesus, a ponto de O fazerem gritar, referindo-se a eles, “Açougueiros!”, pelo fato de se aproximarem do Santíssimo Sacramento com indiferença, desprezo e descrença; 4) Eles são abertamente acusados de entrar e fazer parte da “seita infame da maçonaria”; 5) A guerra lançada pelos maçons na Igreja é cada vez mais forte (estamos no ano 1913), mas não faz temer o Padre Pio, porque ele confia na ajuda do Onipotente.

O que estamos testemunhando hoje nas nossas paróquias, nas nossas dioceses, na nossa Roma só pode confirmar o que o santo de Pietrelcina escreveu um século atrás.

Tags:

20 Comentários to “Uma visão profética do Padre Pio.”

  1. A esta profecia, somam-se outras dezenas. Ainda ontem as li. Qual o futuro da Igreja? Qual o futuro do povo cristão? Qual o futuro do Papa e do Papado? No horizonte estende-se apenas maus augúrios… Pensar no futuro da Igreja, causa dor, medo e calafrios. Maus são os Homens da Igreja, seculares e regulares.

  2. Em 1917 São Maximiliano Maria Kolbe viu em Roma os carbonários maçons que desfilavam com um estandarte em que Lucifer esmagava São Miguel, mas Shalon e Canção Nova quando falam da biografia do santo polonês omite tal informação:

    http://escritosdesaomaximilianomariakolbe.blogspot.com.br/2014/05/falsificacao-historica-da-vida-de-sao.html

  3. Bem, se as coisas eram assim no Ano da Graça de 1.913 (quando ao menos os sinais externos de peidade eram visíveis em nossas liturgias), imaginem os sofrimentos de Nosso Senhor e a ira de Deus Pai quando a Eles sobem toda a infâmia das Missas modernas, nas quais até mesmo tais sinais externos desapareceram.

    Se as coisas eram assim há cem anos, imaginem hoje, quando o Sacratíssimo Corpo de Cristo é literalmente jogados aos porcos.

    Se as coisas eram assim àquela época, com cantos gregorianos, com incensos, com modéstia no vestir dos fiéis, imaginem hoje, com músicas sofriveis, com gracejos cada vez mais ultrajantes e com pessoas que vão à Igreja vestindo-se como se vestem para ir ao parque (e, às vezes, como se vestem para ir à praia…)

    Sendo leigo já fico muito preocupado com minha postura nas Missas ao ver o quanto Nosso Senhor se ofende com nossas negligências. Mas, se eu fosse um padre, ao ler estas linhas teria dificuldades de dormir, tamanho o temor que sentiria por minha salvação.

    Que Deus se apiede de todos nós.

  4. Não entendi esta parte da visão:

    “Meu filho, não acredites que minha agonia foi de três horas, não; Eu estarei, por causa das almas mais beneficiadas, em agonia até o fim do mundo. Durante o tempo da minha agonia, meu filho, não se deve dormir.”

    Isso não é herético? Nosso Senhor deixou de sofrer e padecer, pois fez isso “de uma vez por todas” (vejam a Epístola aos Hebreus, capítulos 9 e 10).

    • Não é herético, pois vemos, à luz da doutrina do Corpo Místico, que Jesus continua a sofrer nos seus membros. Afinal, Ele próprio perguntou ao então perseguidor da Igreja Saulo de Tarso: “por que me persegues?”, no capítulo 9 dos Atos. Perguntou: “por que me persegues” e não “por que persegues os cristãos” ou “porque persegues a minha Igreja”, que fosse, mas assumiu os efeitos daquela perseguição sobre Si mesmo, não porque sofra no céu, mas porque o sofrimento infligido à Sua Igreja é infligido a Ele em virtude do Corpo Místico.

    • Não entendi sua colocação, quem é herético, a quem você se refere? Em várias aparições de Nosso Senhor aos místicos, aos grandes santos e almas simples também, Nosso Senhor na maioria das vezes aparece flagelado, sofrendo, etc, pois se fosse assim, ele apareceria ressurrecto, pois já sofreu, morreu e ressuscitou. Enquanto momento histórico da humanidade, Nosso Senhor já redimiu nossos pecados com seu sofrimento e sua morte. Agora ao meu pobre intelecto, creio que misticamente Ele pode aparecer sofrendo, para quem Ele desejar, certamente vc sabe que ele é Onipotente, Onipresente e Oniciente, e assim sendo não se insere em nosso tempo (dos homens) , o tempo de Deus não é o nosso.

    • Luciano, obrigado pela resposta. Mas parece que você tomou considerável liberdade de interpretação, pois a visão não diz (ou insinua) que este sofrimento refere-se ao sofrimento da Igreja como corpo de Cristo. É o próprio Jesus dizendo que sofre, agoniza, etc., inclusive referindo-se à sua própria “alma” que sofre com o desprezo dos homens. Entendo seu esforço de interpretar a visão de maneira ortodoxa, mas a interpretação me pareceu forçada.

    • Será que Jesus está então feliz agora que a Igreja que Ele edificou abraça obsequiosamente o pecado? Pedro churrasqueando alegremente com islâmicos, maçons, homossexuais, comunistas…
      Meu Padre Pio!!! Quem ler uma só passagem de sua vida tribulada e tão combatida pelo demônio todas as noites e por alguns dentro da Igreja todos os dias se inflama com o que é FÉ em comparação com as nossos mornos sentimentos!
      Sim! João Renato, de heresia si tentou muito acusa-lo mas o que dói e pesa contra essas pessoas é que, junto com São Francisco, Padre Pio é um dos maiores taumaturgos de nossa Igreja!
      MEU PADRE PIO!!!

    • Também achei estranho. Vejam essa parte: “Minha alma vai em busca de algumas gotas de compaixão humana, mas infelizmente me deixam sozinho sob o peso da indiferença […]. Quantas vezes Eu estive para fulminá-los, se não tivesse sido contido pelos anjos e pelas almas enamoradas de Mim”.

      Parece um Jesus dominado pelas emoções… ora agonizando e “buscando a compaixão humana”, ora irado e sendo “contido” (!) pelos anjos. Isso não soa estranho pra vocês?

    • Essa colocação é tipicamente protestante, mesmo que tenha sido recebida em um ambiente ‘católico’.

  5. A maçonaria eclesiástica já chegou ao topo da hierarquia Católica vejam este artigo e pensem no que a igreja se tornará dentro de pouco tempo (infelizmente o artigo está em Inglês). Pelos vistos a teologia católica não passa de uma bagunça. Estamos no começo da nova religião mundial. Já não há uma Verdade todos tem razão.
    “É uma loucura ter este tesouro e ainda preferem imitações desse tesouro – as
    imitações são as nossas diferenças. No que devemos preocupar é o tesouro: Pai, Filho e
    Espírito Santo, a vocação à santidade, a chamada para pregar o Evangelho em todos os cantos do
    terra, com a certeza de que Ele está connosco – ele não está comigo, porque eu sou católico, ele não é
    comigo porque eu sou luterano, Ele não é comigo, porque eu sou ortodoxo. A teológica
    bagunça!” Papa Francisco
    http://remnantnewspaper.com/web/index.php/fetzen-fliegen/item/1230-would-pope-francis-canonize-a-non-catholic

  6. “‘Quantas vezes Eu estive para fulminá-los, se não tivesse sido contido pelos anjos e pelas almas enamoradas de Mim…”

    E Ele tem me dito isso espiritualmente, todos os dias quando reclamo diante do Santíssimo por causa da devassidão que engolfa o mundo, do abismo moral que nos circunda, dos sacrilégios cometidos todos os dias, da apostasia em toda a Igreja e de toda a maldade humana.
    Várias vezes durante minhas meditações me veio aquela passagem da intercessão de Abraão por Sodoma e a resposta de Deus:
    _”Se eu encontrar cinquenta justos em Sodoma, pouparei a cidade toda por amor a eles”.
    Então tenho procurado viver minha fé me concentrando nos motivos pelos quais Deus ainda tem paciência com esse mundo: os bons sacerdotes que ainda crêem nos divinos mistérios, as almas enamoradas por Ele como duas freiras da SSPX que nos deixarão na próxima semana pra se transferir para o Quebec.
    Nunca vou me esquecer do carinho e o rigor que tiveram por minha filha ao prepará-la para a Primeira Comunhão e Crisma e todos os anos de dedicação ao Divino Esposo.
    É a intercessão dessas almas que ainda nos salva do castigo merecido.

  7. Sob a visão do Pe Pio, imagine o quanto desagradam a Deus ver povos como o argentino, brasileiro, venezuelano, mesmo o cubano que nasceram e foram criados sob o cristianismo, e agora se tornarem potencias satânicas, mesmo o Brasil que ainda não caiu definitivamente no comunismo, ainda ensaia, com riscos de não se tornar, mas de qualquer forma está se orientando(?) sob o politicamente correto há mais de uma década!
    E os sacerdotes pouco ou nada têm orientado o povo acerca dos maleficios do marxismo, a não ser apenas a 1/2 duzia de sempre, a começar da esquerdista CNBB que parece ter se avermelhado há muito, por sinal é que teria direcionado as milicias marxistas vulgo movimentos sociais para versar acerca dos “pobres” no Vaticano no recente Sínodo das Familias, e ai dele se não fossem os heróis como o cardeal D Burke, D Gadecki etc que se insurgiram contra o relatorio final dos Kasper & Cia que tiveram que o retificar!
    Aliás, os comunistas e associados, sendo pobristas profissionais, entendem do assunto, inclusive recebem jagunços como Stédile e o cocaleiro como Evo Morales!
    E esses povos têm se insurgido contra isso? Não; se esses governos lhes proporcionassem tudo de bom da barriga para baixo seria ótimos regimes, pouco ou nada se importando com o resto, salvo as raras exceções de sempre.
    Até ao fim dos tempos Jesus será vergastado pelos pecados que se cometem, pior mais ainda dos hierárquicos no topo, alguns dos quais seriam “religiosos” da régua e compasso, como os Kasper e associados, permitindo que seu rebanho seja direcionado para Sodoma e Gomorra!
    São os omissos os tais “canes non valentes latrare”!

  8. Nunca é demais relembrar:

    “Os sacerdotes, ministros de meu Filho, pela sua má vida, sua irreverência e impiedade na celebração dos santos mistérios, pelo amor do dinheiro, das honrarias e dos prazeres, tornaram-se cloacas de impureza.” (Nossa Senhora de La Salette)

  9. “Essa colocação é tipicamente protestante, mesmo que tenha sido recebida em um ambiente ‘católico’”: referia-me ao seguinte comentário do João Renato “Isso não é herético? Nosso Senhor deixou de sofrer e padecer, pois fez isso “de uma vez por todas””

  10. Prezado José Renato, tampouco Cristo nos Atos dos Apóstolos diz ou insinua que Paulo perseguia a Igreja, mas coloca as coisas em primeira pessoa (“me”). Quanto ao que você pondera acerca de ser “forçada” a minha interpretação num sentido ortodoxo, não poderia ser de outra maneira e lhe dou duas razões:
    1. Uma visão mística não é um tratado científico, ou seja, não tem a precisão terminológica de um Santo Tomás, muito menos a de uma definição dogmática. É uma experiência vital que tem de ser entendida no conjunto da fé revelada. Esse é um requisito básico para que a experiência em si seja tida em conta como cristã. Não é que a minha interpretação seja forçada: a Igreja não pode entendê-la de outra maneira. E por quê?
    2. Aí vai a segunda razão: porque o sujeito de dita experiência foi canonizado. Sua vida foi estudada por teólogos e cardeais – inclusive seus escritos – e estes deram o parecer favorável a suas virtudes heroicas (inclusive, naturalmente, a virtude de fé, portanto, sem qualquer lugar à heresia), coisa que Deus confirmou com inúmeros milagres.
    Admitir que Cristo sofre nos Seus membros é escandaloso, sim, especialmente para a heresia protestante, que prega um Cristo abstrato, no céu e no “coração” (?) de quem o aceita, mas que não assume, de verdade, a humanidade, mas a resgatando, por assim dizer, de palavra, mantendo o homem eternamente e essencialmente pecador. Não é essa a fé católica, em cujo centro está a Encarnação em todas as suas consequências, entre as quais a fundamental: a doutrina do Corpo Místico (tirada do magistério de São Paulo, que os protestantes, tão apegados à Bíblia, fingem ignorar).

  11. Padre Pio foi uma dos santos mais intrinsicamente unidos a Nosso Senhor! Carregou consigo os estigmas de Cristo e participou de forma íntima e mística da Paixão do Mestre! Sua vida terrena foi repleta de amor a Deus, a Nossa Senhora e ao próximo! Imaginem: um sujeito que confessava até quase 17 horas por dia, não rezava menos que 05 rosários diários, alimentava-se frugalmente e falava face a face com Nosso Senhor e com a Virgem Santíssima não pode ser um padre qualquer! A vida extraordinária deste homem, plena do testemunho de milagres, curas estrondosas, bilocações, oração e penitência testemunha com voz profética contra a situação calamitosa em que se encontram os filhoa da Igreja Militantes em nossos dias! Apesar de existirem miríades e miríades de santos no Céu, estou certo que poucos chegaram ao nível deste homem! Padre Pio, Rogai por nós!

    • Lindas palavras Dionísio, que deixam claro o exemplo de fé e humildade que Padre Pio testemunha, faltou falar que, na confissão, ele sabia de todos os pecados sem que as pessoas abrissem a boca e principalmente o quanto esse Santo foi combatido dentro da Curia de Roma por invejosos (alguns) e perversos (muitos) que, para machuca-lo, tentaram afasta-lo da missa e do contato com os fieis causando mais dor no seu coração já tanto sofrido. E não tenho noticias de pedidos de desculpa pela persecução feroz!!!
      Quem for em San Giovanni Rotondo, em Puglia na Italia pode, ainda hoje, ter noção da força desse Santo!

  12. Creio que a maior lição que podemos tirar deste santo para os dias de hoje era a sua obediência e reverência para com os homens da hierarquia. Foi perseguido, caluniado e da sua santa boca não se ouviu uma única palavra de crítica publica face ás injustiças que foi alvo. Creio que devemos aprender com os Grandes. S. Pio de Pietrelcina rogai por nós!