CNBB e MST: união indissolúvel.

Divulgação

Por CNBB – Com a finalidade de promover o debate político, apontar desafios e formular propostas para enfrentar a questão agrária brasileira na atualidade, acontece dias 10 e 11 de dezembro o seminário “Questão Agrária e Desigualdades”.

O evento será realizado no Hotel Nacional, com início previsto às 9h. Na conferência de abertura estarão o bispo de Ipameri (GO) e presidente da Comissão para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Guilherme Werlang, e o representante do Movimento dos Trabalhos Rurais sem Terra (MST), Alexandre Conceição.

Na quarta-feira, 10, haverá três painéis, sendo um sobre “Movimento social por terra, trabalho e teto”, com a participação do bispo auxiliar de Brasília e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, do coordenador nacional do MST, João Pedro Stedile, e do ministro da secretaria geral da presidência da república, Gilberto Carvalho. Na sequência, será debatido o tema “Estado e as políticas agrárias recentes” e, em outro painel, “Clamores sociais e questões territoriais”.

Desafios e propostas

No dia 11, serão discutidas, no painel 4,  as dimensões da questão agrária brasileira e seus desdobramentos políticos. No período da tarde, terá exposição sobre a atualidade brasileira e perspectivas. Haverá, ainda, o painel sobre “Os desafios e propostas para o enfrentamento da problemática agrária”. As entidades e organizações indicaram três representantes que irão participar dos grupos para apontar os principais desafios e ações de trabalho.

São esperados para o evento pesquisadores, lideranças religiosas e políticas, docentes, representantes de movimentos afins, entre outros interessados na temática. O Seminário é uma promoção da CNBB, MST e Associação Brasileira de Reforma Agrária (ABRA).

O encerramento do Seminário está previsto para às 17h30, com a solenidade e apresentação das ações encaminhadas para às políticas agrárias.

Confira o folder do evento

Tags:

14 Comentários to “CNBB e MST: união indissolúvel.”

  1. São inseparáveis mesmo! Unha e carne!

  2. “A principal missão da Igreja é a santificação das almas e não as reformas sociais.” (Gustavo Corção)

  3. Não sou contra a CNBB ouvir o MST, mesmo porque são eles que tanto defendem o dialogo, por que então não convidar para um debate o Príncipe brasileiro e o movimento encabeçado por ele que prega a paz no campo:

    http://www.paznocampo.org.br/

    • Essa hipótese, louvável, aliás, diga-se de passagem, dar-se-ia caso o diálogo que a CNBB diz querer promover fosse realmente honesto.

  4. “Bem-aventurados os MANSOS, porque eles herdarão a terra” (Mateus 5:5)

    Indago-lhes: será que o MST é manso, pacífico e ordeiro?
    Caso contrário, não possuirá o Reino de Deus!

    Realmente, o joio está misturado com o trigo, portanto, há ervas daninhas infiltradas na seara cristã: movimentos sociais (MST…), sacerdotes, bispos, TdL, seminários e até cardeais…

    O MST e a CPT (sua irmã gêmea) promovem a luta de classes marxista, levando a cabo uma guerra Civil no Brasil (MST invade fazendas, fecha rodovias, tentou invadir o STF com faixas contrárias ao julgamento dos Mensaleiros e intimidando certos ministros (Joaquim Barbosa…) do órgão máximo do Poder Judiciário brasileiro).

    Para finalizar, deixo o testemunho do frei Clodovis Boff sobre o fracasso da TdL e CPT:

    “Para ilustrar esse encurtamento da ideia de pobre na TdL e na pastoral que nela se inspira, permito-me relatar duas experiências. A primeira se refere a uma ocupação dos sem-terra na região Centro-oeste do Brasil. A igreja local interveio aí, dando aos lavradores cobertura moral e social, e oferecendo os serviços jurídicos da “pastoral da terra”. Três meses depois da legalização do assentamento, vem-se a saber que todo o mundo, ou quase, se tornara “evangélico”. Por que? Simplesmente porque a Igreja católica garantira o social, mas não o religioso. Este, deixado vazio, fora ocupado pelos pentecostais. Menos mal, dir-se-ia com São Paulo, “contanto que de todas as maneiras… Cristo seja anunciado” (Fl 2,18), mas não o foi pela “Igreja da libertação”, o que depõe em seu desfavor”
    (frei Clodovis Boff).

    • A TL apoia qualquer coisa que se pareça com religião que seja alienante, no caso o pentecostalismo protestante é muito bem vindo aos assentamentos, pois os comunistas aceitam todas as religiões relativistas! Com ajudinha da CNBB!

  5. A CNBB chegou ao fundo do poço. Não satisfeita, prosseguiu.

  6. Esses vagabundos só pegam em enxada para posar para fotos mesmo! No restante do tempo é só comendo e bebendo às custas de verbas públicas cedidas pelo estado que eles dizem enfrentar, que por sua vez foram tiradas dos impostos da “elite burguesa” que eles tanto odeiam. E quanto a esses bispos e padres que apóiam esta corja de assassinos saqueadores, a doutrina da Igreja sobre católico que apóia comunista é de que ele está excomungado, não é mesmo? Ah, mas esses aí estão em comunhão com Roma! Em comunhão com Roma pode tudo, só não ouse denunciar as heresias do Concílio Vaticano II e da missa nova!

  7. Sabemos que existe uma união indissolúvel da CNBB-TL-MST e mais movimentos esquerdistas; estranho seria se divergissem; o proprio Lula já admitiu que, se o PT está no poder, agradeça aos (vermelhos) religiosos, como da CNBB!
    A própria Campanha da “Reforma Política” nas paroquias de dioceses incautas de ajudarem o PT são apenas apoiadas por grupos esquerdistas como PT, PC do B, CUT, UNE, CONTAG, MST, apoio da OAB etc., e tem o aval evidente da esquerdista CNBB!
    Aliás, assinar nessa lista a favor da “Reforma Política” é dar apoio e uma sustentação ainda maior para os comunistas!
    De acordo com o site Ford Foundation a organização que mais recebeu dinheiro deles foi a Comissão Pastoral da Terra (CPT), organismo ligado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O site registra que, só em 2010, a pastoral católica recebeu a bolada de US$450 mil dólares.
    Além da CPT, a Cáritas Brasileira, outra organização ligada à CNBB, recebeu, em 2010, o montante de US$200 mil dólares. Juntas, essas duas organizações católicas recebem da Fundação Ford três vezes mais que a organização pró-aborto Centro Feminista de Estudos e Assessoria (CFEMEA).
    Estranho uma fundação pró legalização do aborto no Brasil invista tanto dinheiro em organismos católicos ligados à CNBB, sendo que certas amizades, como dela pela TL, D Claudio Hummes com Lula etc. dão ideia dos conluios.
    Pelo visto, a CNBB estaria simplesmente aparelhada pelo PT!

  8. Enquanto os senhores Bispos se preocupa com as coisas do mundo, milhares de almas são perdidas!

  9. A foto e o texto remetem a uma realidade concreta: a da cegueira espiritual.
    Aqueles que lavram a terra, que tiram delas o seu sustento, deveriam ser os primeiros a nunca perder de vista aquele decreto de Deus:
    _ “Lembra-te homem que és pó e ao pó retornarás”.
    Brigam tanto por terra e se esquecem que a sete palmos debaixo dela está o destino de todos nós: ricos e pobres, crentes e ateus, fiéis e infiéis.
    E assim, de que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma?
    Mas a Igreja agora vive seu momento de trevas, governada por cegos que se tornaram guias de cegos, “cujo deus é o ventre; e cuja glória assenta no que é vergonhoso; eles se preocupam apenas com o que é terreno… orgulhosos, mais amigos dos prazeres do que amigos de Deus” ( Filipense3.9).
    Pérfidos, pois não possuem mais a fé dos Apóstolos e aqueles que se dizem “conservadores”, só brigam mesmo pra conservar seus cargos e salários.

  10. O evento ainda conta com o apoio da ONG abortista OXFAM

  11. Confesso que às vezes minha fé na Igreja Católica desaba diante de notícias assim, principalmente quando o próprio Papa Francisco se aproxima dessa gente. Sei que não deveria perder a fé com isso, mas há momentos em que passo a duvidar das coisas…. É desanimador…