Relatório sobre as irmãs norte-americanas enfatiza a “gratidão” e reflete mudanças no Vaticano.

IHU – O relatório do Vaticano dessa terça-feira sobre a investigação das ordens religiosas femininas dos Estados Unidos (disponível aqui, em inglês) foi amplamente positivo no tom, em contraste com as declarações emitidas quando a investigação começou em 2009.

A nota é de John Thavis, publicada no seu blog, 16-12-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

B5CAIzGCEAAj6Kv

Naquela época, o cardeal Franc Rodé, que dirigia a Congregação vaticana para as ordens religiosas, disse que o estudo tinha como objetivo identificar atitudes “seculares” e “feministas” que tinham se infiltrado nas ordens das freiras e ajudaram a provocar um drástico declínio no número de membros.

O relatório dessa terça-feira não vai nesse sentido. Em vez disso, delineia desafios reais enfrentados pelas ordens religiosas, ao mesmo tempo em que agradece repetidamente as irmãs pelo seu serviço ao Evangelho.

Essa abordagem equilibrada reflete uma mudança de guarda no Vaticano – mas é uma mudança que começou com o Papa Bento XVI. Em 2011, Bento XVI nomeou o cardeal brasileiro João Braz de Aviz para substituir o cardeal Rodé. O cardeal brasileiro assumiu a investigação das religiosas, mas adotou uma abordagem muito mais conciliatória.

Eu acho que o relatório equilibrado dessa terça-feira foi praticamente uma conclusão antecipada, tendo em vista a liderança continuada do cardeal Braz de Aviz na Congregação vaticana para as ordens religiosas e dado que o Papa Francisco claramente quer a paz com as irmãs norte-americanas.

No entanto, parece haver uma dinâmica do “bom policial, mau policial” que ainda perdura no Vaticano. Uma investigação separada do Vaticano sobre a Leadership Conference of Women Religious (LCWR), a maior associação de irmãs norte-americanas, foi realizada pela Congregação doutrinal e tem sido muito mais crítica.

Em 2012, a Congregação doutrinal emitiu uma “avaliação doutrinal” e insistiu em grandes mudanças na LCWR para garantir que a organização se alinhe com o ensinamento católico em áreas como a ordenação de mulheres, a homossexualidade, o aborto e a eutanásia.

1345131581053.cached

O cabo de guerra sobre a implementação dessas mudanças continua. No ano passado, em uma rara demonstração de pontos de vista divergentes nos níveis mais altos do Vaticano, o cardeal Braz de Aviz criticou a forma como a revisão da LCWR foi conduzida. Isso levou a uma rápida declaração do Vaticano, que tentou minimizar qualquer desacordo entre Braz de Aviz e o cardinal Gerhard Müller, presidente da Congregação doutrinal.

O cardeal Müller não afrouxou, no entanto. Alguns meses atrás, ele repreendeu a LCWR por ter adotado ideias que ele disse que levam a “erros fundamentais” sobre “a onipotência de Deus, a encarnação de Cristo, a realidade do pecado original, a necessidade de salvação e o caráter definitivo da ação salvífica de Cristo”.

A LCWR está trabalhando com o arcebispo de Seattle, J. Peter Sartain, que foi nomeado em 2012 para implementar a avaliação doutrinal. Depois de se encontrar com o arcebispo em agosto passado, a LCWR emitiu um comunicado que dizia em parte: “Continuaremos a conversa com o arcebispo Sartain como uma expressão de esperança de que novas formas possam ser criadas dentro da Igreja para uma discussão saudável das diferenças”.

17 Comentários to “Relatório sobre as irmãs norte-americanas enfatiza a “gratidão” e reflete mudanças no Vaticano.”

  1. Eu já achava que a tolerância do Vaticano com as freiras “modernas” era algo escandaloso e bizarro. Agora vem os elogios e a conciliação final? Inacreditável. Estamos presenciando um momento histórico: a Igreja Católica Romana percorrendo o mesmo caminho que a Igreja Anglicana percorreu (em direção ao programa completo do liberalismo teológico). A questão é: tem volta?

    • A ridícula e maçônica seita anglicana não é e nunca foi depositária das promessas do Salvador de que “as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. Não é a Igreja católica que está percorrendo um caminho sem volta, mas aqueles que, por culpa própria, põem-se fora d´Ela ao cometerem delito de heresia e apostasia da fé.

  2. Este é o site da organização que está recebendo toda essa aclamação: https://lcwr.org/

    Ela representa a maioria das religiosas norte-americanas (cerca de 80% delas).

    Existe também esta outra organização, mais conservadora, porém minoritária: http://cmswr.org/

    Dá pra notar a diferença até pelas fotos…

  3. Tem volta sim, João Augusto. Mas primeiro é preciso que a Apostasia se revele ainda mais, bem como ocorra o “aniquilamento de nações” previsto em Fátima, assim como a Consagração da Rússia à Virgem Santíssima… Só depois disso, com o Triunfo do Imaculado Coração de Nossa Senhora, é que haverá o retorno da Igreja de Sempre… Infelizmente, o preço a ser pago será altíssimo em almas!

  4. Lá se vai mais uma oportunidade de limpar a casa. Para todos os envolvidos, e em múltiplos sentidos.

    Religiosas que há muito coexistem como leigas — ou, mais propriamente, [neo]pagãs — e mais bem fariam se reduzidas oficialmente ao estado em que vivem, cuidando de seus afazeres particulares, onde não fossem razão de escândalo, engano e perdição aos circundantes que as buscam. Eis uma infeliz praga que compartilhamos, no Brasil, para com os norte-americanos. São, aliás, lugar-comum em todos os estabelecimentos de ensino originários de ordens religiosas femininas. Não por acaso, são estes os locais ideais para a perda da fé das gerações mais jovens, mais até do que a rede escolar estatal.

    Dada sua relevância social e educadora, restaurar a vida vocacionada feminina poderia representar o primeiro passo à restauração de toda a Igreja, bem como da civilização. Evidentemente, a completude de um tal projeto seria intolerável para muitos no mundo, e tantos mais que, na Igreja, continuam a ver no mundo a autoridade preferencial.

  5. Minha gente, a Igreja só está fazendo o que Jesus mandou, dando a outra face e amando seus inimigos…

  6. Hoje, dia 17 de dezembro, o Papa Francisco completa 78 anos de idade. Unamo-nos em oração pelo sucessor de São Pedro, para que o Senhor “lhe dê vida e o torne feliz na terra, e não o entregue em poder dos seus inimigos.”

  7. Nesses tempos realmente horríveis, é preciso afirmar com toda clareza que é IMPOSSÍVEL que a Igreja Católica ensine algo errado em matéria de fé e de costumes. A verdadeira questão é saber em que medida estamos ainda obrigados a nos submeter aos que publicamente abandonaram a fé e atentam contra ela, sem que, assim o fazendo, incorramos em cisma. Situação muito difícil. Pelo jeito, vamos ter que suportar situações cada vez mais vexatórias até que se manifeste abertamente quem deve se manifestar.

  8. É sempre muito salutar recordar que foi no pontificado de Bento XVI que Brás de Avis foi nomeado cardeal, e encarregado de uma das congregações vaticanas. Brás de Avis é um liberal típico, e foi nomeado por Bento XVI, e ainda durante o pontificado do mesmo, inaugurou essa política apaziguadora, contrariando o antigo cardeal que pretendia pôr alguma ordem na casa.
    Aí depois se lamuria saudades de Bento XVI, ou se diz – contra todos os fatos – que Bento XVI era um restaurador da fé.
    Jamais.
    Sempre foi um liberal como todos os demais. Só que era um liberal conservador, ao passo que o atual papa é um liberal progressista. Mas ambos compartilham do mesmo amor pela igreja conciliar, a Igreja que renega o ensinamento constante do catolicismo a respeito da colegialidade, da liberdade religiosa e do ecumenismo. Amam o rito bugniniano que em essência se distancia da concepção católica de missa (e não venham dizer que altar com seis castiçais, latim e ad orientem são suficientes, porque os teólogos que fizeram o exame crítico da Missa Nova partiram do seu texto e não de seus abusos).
    As paredes da casa não param de cair. Espero que o desastroso pontificado franciscano sirva ao menos para sacudir os que dizem querer ser católicos no sentido de assumir a Fé Católica em sua PUREZA e sem nenhum dos horrendos enxertos que tentam fazer dela. Em qualquer momento da história da Igreja essas mulheres já teriam sido excomungadas com grande vigor há muuuuito tempo, esta opereta, esta farsa barata só é possível porque tudo acontece num falso catolicismo, numa igreja de fachada, num cenário digno de ópera bufa.

  9. Só depois da Purificação da Terra,com o Despertar das Consciencias,…poderemos ver o fim do..”liberalismo teológico”…, do egoísmo, das violências, da Apostasia, das imoralidades, dos roubos,da corrupção institucionalizada, da ganância e outros males, mas infelizmente ,ocorrerá perda de Almas…
    CONCORDO com o que escreveu o DIONISIO LISBOA. Será assim mesmo. A Humanidade escolhe assim…fazer o quê?!…

  10. Prefiro nem dizer o que falta a essas velhas desocupadas. Se eu dissesse, com certeza não seria aprovada a publicação.

  11. Parafraseando um conhecido meu…

    “Bem, é claro que pessoas, apesar de serem católicos e representarem a Igreja Católica, detestam tudo que representa a Igreja Católica, desde a Tradição ao catecismo até a história da Igreja. Esses pseudos-católicos são inimigos dos princípios católicos dentro da Igreja Católica e dentro do Vaticano.”

    Prezados amigos sejamos firmes na fé!!!

    Viva Cristo Rei !!!

    Viva Nossa Senhora de Fátima !!

  12. Parece que estamos vivendo aqueles tempos de tribulação previstos no Apocalipse em que a fera do Comunismo se curou da sua ferida mortal e quando todos pensavam que havia morrido, foi-lhe dado também, fazer guerra aos santos e vencê-los.
    Bergoglio que não pode levantar um dedo pra salvar os cristãos trucidados no Iraque, Síria e Nigéria está negociando o fim do embargo americano a Cuba com Obama, está intercedendo pelos terroristas em Guantánamo, está levantando excomunhões de padres comunistas, recebendo teólogos esquerdistas no Vaticano e agora estendendo o abraço da “paz” às freiras aborteiras do USA que estão em guerra contra a Doutrina da Igreja!
    Mas tenhamos fé e paciência porque pelo rítimo que a locomotiva da destruição está correndo, tudo leva a crer que esse tempo será muito breve.
    Dados revelados pelo jornal italiano Il Timone, mostram que em 1965, o número de religiosas no USA era 179 mil e agora caiu pra 49 mil.
    http://www.iltimone.org/32538,News.html
    As congregações religiosas femininas no USA reúnem-se em dois grupos: o primeiro, a Leadership Conference of Women Religious (LCWMR), que representa cerca de 80% das freiras americanas; e é aquele que ainda no Pontificado de Bento XVI deu origem à investigação por causa de problemas disciplinares generalizados, morais e teológicos e que foram alvo de um outro inquérito paralelo feito pela Congregação para a Doutrina da Fé.
    São instituições que adotaram a “modernidade”, a abertura ao mundo, o estilo bergogliano de se conformar à mentalidade do mundo, de tal maneira que passaram até a defender o aborto e o homossexualismo.
    A média de idade das irmãs da LCWR é de 74 anos, e apenas 9% das instituições pode gabar-se, de ter pelo menos, 5 noviças em formação. Enfim, um mundo graças a Deus, condenado à extinção, pois essas “esposas adúlteras”, essas sobras da feira do Vaticano II estão todas com o pé na cova e seus institutos fechando as portas por falta de vocações.
    O outro grupo de freiras fundada como uma alternativa à “secularização” da LCWR é o Council of Major Superiors of Women Religious (CMSWR), que representa 20% do número total de religiosas americanas. Dentro das 125 comunidades que formam a CMSWR, quase 20% das irmãs (ou cerca de 1.000) estão ainda em fase de formação (ainda não fizeram os votos perpétuos).
    A idade média entre elas é de 53 anos de idade, “bem abaixo da tendência geral e esta é uma fonte de admiração e gratidão”, como explicou ontem, em conferência de imprensa, no Vaticano, a sua presidente, madre Inês Maria Donovan.
    Madre Donovan não coincidentemente também é a superiora das “Sisters of Life” que é uma entidade Pro-vida no USA, que luta contra o aborto e acolhe mães solteiras e provê ajuda para mães em risco.
    Uma outra face dessa moeda que não está sendo abordada é o grande número de institutos religiosos femininos no USA que abraçaram a Tradição Católica, sem falar que devido a facilidade de se obter informação sobre a vida religiosa, muitas que entraram para alguma comunidade da CMSWR e estavam em busca do carisma original de seus institutos, acabaram por procurar algum que segue à risca a Tradição Católica.
    E o contraste principal que se observa entre elas e as “modernistas”, além da fé é a idade: são bem jovens.


  13. Ler esse tipo de mensagem e comparar o tratamento dado pelos mesmos aos Franciscanos da Imaculada é – para se dizer o mínimo – escandaloso!

    CANALHAS!

  14. A expressão facial do Pe. Federico Lombardi, na foto, pode ter sido só coincidência de instante, mas está muito engraçada, quase a pedir um balãozinho do tipo: “Não acredito no que estou vendo!” ou coisa análoga.

  15. Por vezes tenho a impressão que estamos entrando na fase “é isso e tá acabado”. Em outras palavras, estamos entrando na fase do cinismo afim de se obter conquistas. Antes a luta parecia ter ter um certo pudor, embora soldados defendiam o indefensável. Tenho percebido essa situação nas defesas dos corruptores. Parece-me que dizem, para quem tem ouvidos, que “é isso e tá acabado”, que se não molhassem as mãos dos corruptos eles não ganhariam as obras. Parece que de Curitiba repercute um grande brado: E daí! E no Mensalão também teve “é isso e tá acabado”, porque era preciso molhar a mão dos políticos se não o governo não tinha maioria. Tenho percebido que uma categoria, antes muito respeitada, tem conseguido impressionantes conquistas, mas por vezes não muito lícitas. E a resposta de seus componentes é “isso e tá acabado”. Em Roma parece que o “é isso e tá acabado” está em proeminência. Do jeito que vai acabará em dogma. Francisco favorece críticas aos Franciscanos da Imaculada, pois a diretriz faz com que o julgamento a esses seja mais rigoroso. Mas as madres americanas, algumas portadoras de escândalos, o julgamento é atenuado. “É assim e tá acabado”. O mau sabor da constituição das famílias alternativas foi sentido por aqueles que negavam engolir goela abaixo a proposição do Sínodo. Mas Francisco era favor e tá acabado. Talvez estivesse estribado nos altos conhecimentos teológicos de Elton John que considerou, contra as suas convicções, o Papa santo. É santo e tá acabado. Os modernistas consideram que na Igreja até o advento do Concílio II Deus estava nos céus como um ser inalcançável, e que livrou-se das amarras para também estar na terra com os homens pelo grito de independência dado pelo Concílio. A Oração da Ruptura nos revela esse enfoque. Essa aberração é nos dada sem qualquer explicação, sem qualquer pudor. É isso e tá acabado!