Arcebispo, reitor e beijoqueiro.

Por Catapulta-Argentina | Tradução: Fratres in Unum.com – Victor Manuel Fernández, amigo pessoal de Bergoglio desde os tempos de Buenos Aires, não fora confirmado pela Congregação para a Educação Católica, em tempos de Bento XVI, como reitor da Universidade Católica da Argentina, por sua inexpressividade acadêmica e por alguma qualquer outra incerteza… Logo que foi eleito, Bergoglio confirmou-o na mesma Universidade, elevando-lhe à dignidade de arcebispo e também de seu ghost-writer, sendo o principal autor da Encíclica Evangelii Gaudium“Tucho” é o apelido com o qual é chamado por Francisco.

Um furibundo leitor me noticia, em termos bastante soezes, um livro do Arcebispo “Tucho” Fernández, reitor da ex-Universidade, ex-Católica e ex-Argentina, “Cura-me com a tua boca – A arte de beijar” (original: Sáname con tu boca – El arte de besar), publicado em 1996 e apresentado pela Editora nestes termos:

“Nestas páginas, o autor destaca a importância do beijo como sustento das relações, tanto amorosas como afetivas, ao mesmo tempo que ensina o leitor a beijar melhor”, acrescentando um comentário do próprio “Tucho”:

“Deixo claro que este livro não está escrito tanto a partir de minha própria experiência, mas a partir da vida das pessoas que beijam. E, nestas páginas, quero sintetizar o sentimento popular que as pessoas sentem quando pensam num beijo, o que experimentam os mortais quando beijam. Para isso, falei longamente com muitas pessoas que têm abundante experiência no tema e também com muitos jovens que aprendem a beijar de seu próprio modo. Além disso, consultei muitos livros, e quis morar como os poetas falam sobre o beijo. Deste modo, tentando sintetizar a imensa riqueza da vida, vieram à luz estas páginas a favor do beijo. Espero que lhe ajudem a beijar melhor, que lhe motivem a liberar o melhor do seu ser em um beijo”.

Como o licencioso livro está esgota, sugiro ao Arcebispo, Reitor e Osculador uma segunda edição, na qual:

1) Nos transmita “a sua própria experiência”;

2) Nos relate se em alguma delas recitou ao ouvido versos sobre beijos, e que classe de beijos recebeu e de quem;

3) nos detalhe se alguns beijos foram “liberadores” do “melhor do seu ser”;

4) e, o mais importante, o que aconteceu depois da liberação.

Pergunto-me o que esperam os professores da ex-Universidade Católica da Argentina — os poucos bons, que ainda sobrevivem —, para dar um golpe e mandar este perturbado ao esgoto. Em Roma, seu padrinho, Francisco, lhe brindará com um seguro refúgio.

Tags:

17 Comentários to “Arcebispo, reitor e beijoqueiro.”

  1. Misericórdia Senhor!

  2. AFF. Ele precisa refletir sobre o beijo de Judas…

  3. Quem me garante que o próximo livro não seja sobre o beijo gay, vulgo sodomita? Daí a experiência pessoal dele talvez conte. De repente, com padrinho tão poderoso, tal livro pudesse ser lançado pela Editrice Vaticana durante o Sínodo, junto com o novo ordus para o casamento “entre iguais” !

  4. 1-) Que ele distribua seus ‘beijos” ao povo venezuelano cujo socialismo não combatido pelos católicos está levando este rico país para miseria total.

    2-) Nada de novo no front: os modernistas seguindo a revolução de maio de 68 e seus lemas: “sexo, drogas e rock roll”, “é proibido proibir” e “não faça guerra faça amor”.

  5. Os varios libertinos modernistas infiltrados no Vaticano II e daí para cá tomaram seus lugares de comando, estão à vontade e, infiltrar a Igreja é algo fácil como nos relatou os ex agentes arrependidos de Lênin, como Bella Dodd e Yuri Bezmenov, operação que foi iniciada na década de 30 via maçons, comunistas e os relativistas protestantes como coadjuvantes e o artioso “Tuchito”, melhor que “Tucho”, pertenceria ao “apostolado”, prosseguiria no esquema como sedutor, apresentaria um papel lascivo, devasso e erotizador gratuito, ao invés do S Evangelho, corruptor pela volupia, quem sabe, ao estilo “homô” ou de um boemio…
    Dessa forma, cada qual tinha sua “missão” dentro da Igreja no processo de implosão e ele, como um da legião, agiria numa determinada trincheira para desacreditar e vilipendiar a Igreja.
    Todos conhecem bem acerca do Magistério ordinário universal, expresso pela Tradição eclesial segundo a conhecida fórmula de Vicente de Lerins: “Quod semper et quod ubique et quod ab omnibus” e, quando aparecerem “profetas” desse naipe, cartão vermelho nele ou em alguém que deseje nos doutrinar desconforme os ensinamentos anteriores dos S Padres e da imensa multidão de santos que sempre o corroborou.
    Assim, os que se associarem às invencionices lúbricas ou heresias, descumprir a fórmula acima mencionada já não merecem credibilidade alguma e, para tal caso, refutação, descarte, aterro sanitário já!

  6. Caramba! Que livro infeliz….!!! Como pode? “Baseado nas experiências de outrem….” Simplesmente ridículo.

  7. Este livro é um verdadeiro beijo de Judas na Igreja.

  8. Mas…..maaaas…..mas o quê?!!!!!!….?!😞

    Será que li errado?!…um Arcebispo ensinando a…a…beijar?!!!!!! Xiiiiii….!!! Ih!…que “diferente”!!!!!…….eu….hein?!…Hum..!!! Tááá….!
    Só faltava essa!!!
    Porque ele não escreveu um livro,ensinando a oração mental contemplativa?!….algo assim…à la SANTA TERESA D’ÁVILA???????…? Hein?…Hum…!
    Soube de um Padre numa Capital,que era Médico,formou-se depois em Psicologia,e após a morte dos pais,cursou TEOLOGIA e era um ótimo Sacerdote!Escreveu um livro,até hoje bem lido: “A VIDA SEXUAL DE SOLTEIROS E CASADOS” aonde ele explica ,à luz do Cristianismo, e científicamente/sériamente, sobre esses assuntos ,como médico,psicólogo e Padre, profissões que ele exerceu mesmo,competentemente ,em diversos períodos de sua longa existência.
    Mas ele era….Médico e também Psicólogo,alêm de Sacerdote!! Clinicou etc e tal…estudou na Europa, nos States..era um estudioso e bom Confessor.Excelente Pregador! Que DEUS o tenha Consigo!Amém.

    Agora….esse argentino….sei não….Hum!!!
    DEUS nos acuda!!!!!
    MARANATHA!!!

  9. Lembrei-me de um “ditado” popular,que minha mãe querida me dizia: “dize-me com quem andas…e,eu te direi quem tu és!”
    E havia um outro ditado: “quem com porcos anda…farelos come!!”
    Auto-explicativos.
    Nossa!… que amizades esquisitas tem BERGOGLIO!
    Coitadinho!!!

  10. “Ensaios sobre o beijo!” Que tratado de teologia maravilhoso! E a Igreja nunca esteve tão bem!

  11. Será que vão beatificar também a Francesca da Rimini, retratada no inferno por Dante, na Divina Comédia, por causa de um beijo?
    Ela poderia ser designada a Padroeira dos Beijoqueiros.

  12. Fico imaginando o coitado fiel que, depois de um “liberador” beijo em sua namorada, procurar seconfessar porque não resistiu a tentação, e cair nas mãos desse infame sujeito. Seria quase uma “highway to hell”, ou nos ” Tempos Modernos” ( que cada vez mais se parecem com o caos das fabricas do filme) elevado aos altares mesa como “santo de calça jeans”

  13. Beijar na boca, a esmo, faltando com o pudor, trocando cuspis pra lá e pra cá – como ocorre em festas dos tais trios elétricos – pode, receber o Corpo de Cristo na boca, não.

    Quando se trata das coisas sagradas, toda oposição falsa, como alegações de epidemias transmissíveis, é usada a pretexto.

    São verdadeiros satanistas esse clero aparente. “Vade retro Satana” – para o inferno, desgraçados traidores!

    Vinde Santíssima Mãe de Deus, pisar a cabeça da serpente!

  14. “Deixo claro que este livro não está escrito tanto a partir de minha própria experiência, mas a partir da vida das pessoas que beijam”.
    Que maravilha hem? É como um enólogo escrevendo um longo livro ou assinando uma coluna em algum jornal ou revista sobre a arte de beber vinho e quais os melhores vinhos produzidos sem jamais ter colocado uma gota de álcool na boca.
    Ou quem sabe uma virgem escrevendo um livro sobre as maravilhas do sexo?
    Eu não sei o que me cansa mais, os pervertidos que bradam dos telhados suas taras e licensiosidade, ou os hipócritas que fazem e vivem exatamente o mesmo mas tentam se ocultar sob um verniz de virtude.

  15. Teria ele notícia de um poeta tupiniquim, e ateu, Augusto dos Anjos (Versos Íntimos), para quem “o beijo, amigo, é a véspera do escarro” ? Como artista do beijo, o amável Bispo deve, nas próximas edições de sua preciosa obra, considerar todas as nuances do ósculo. Depois disso feito, ele terá tempo para rezar pela libertação de Asia Bibi, condenada à morte, no Paquistão, simplesmente por ser católica!

  16. Reginaldo, até onde sei Augusto dos Anjos não era ateu. O poema “A meu pai morto” é um dos mais bonitos que já li:

    A meu pai morto

    Madrugada de Treze de janeiro.
    Rezo, sonhando, o ofício da agonia.
    Meu Pai nessa hora junto a mim morria
    Sem um gemido, assim como um cordeiro!

    E eu nem lhe ouvi o alento derradeiro!
    Quando acordei, cuidei que ele dormia,
    E disse à minha Mãe que me dizia:
    “Acorda-o”! deixa-o, Mãe, dormir primeiro!

    E saí para ver a Natureza!
    Em tudo o mesmo abismo de beleza,
    Nem uma névoa no estrelado véu…

    Mas pareceu-me, entre as estrelas flóreas,
    Como Elias, num carro azul de glórias,
    Ver a alma de meu Pai subindo ao Céu!

  17. Há alguns meses, um dos cardeais do dito “G9”, disse em uma entrevista que bispos não podem ser “burocratas de escritório, mas devem sim ser pastores”. Ele disse para protestar contra uma coisa que para ele era um grande incômodo: os indicados para alguns cargos curiais serem ordenados bispos. Agora eu pergunto: o que é o arcebispo-reitor-beijoqueiro senão um “burocrata de escritório”? Qual a necessidade do reitor da Universidade Católica da Argentina ser um bispo? Isso é um caso único no mundo e pior, esse caso me pareceu a ressurreição uma antiga prática que havia sido abandonada entre o final do pontificado de Pio XII e o de João XXIII: usar do episcopado como mero título honorífico, sem que o bispo fosse desempenhar trabalho em diocese ou na cúria romana! Tantos bons costumes para recuperar e foram trazer de novo logo este?!