Os bispos de Francisco na perspectiva de um TL.

Artigo de Unisinos insinua um suposto descompasso entre o Núncio Apostólico no Brasil e o Papa Francisco… com o propósito de queimar o Núncio, óbvio.

Os “novos” bispos de Francisco no Brasil: mudar para que as coisas continuem as mesmas 

IHU – Analisando as 41 nomeações episcopais para o Brasil, podem significar “a continuidade do “espírito wojtyliano-ratzingeriano”: pouca preocupação pastoral-missionária de uma “Igreja acidentada” e mais a preocupação com as dimensões administrativa, disciplinar e moral típicas de uma “Igreja autorreferencial”, constata Sérgio Ricardo Coutinho, professor de História da Igreja no Instituto São Boaventura de Brasília e de “Serviço Social, Religião e Movimentos Sociais” no curso de Serviço Social do Centro Universitário IESB de Brasília.

Segundo ele, “se tomarmos as indicações do Papa Francisco aos bispos do CELAM, durante encontro realizado no último dia da Jornada Mundial da Juventude de 2013, parece que, com estas nomeações-remoções, o lugar do Bispo continua o mesmo de sempre: “à frente”, com sua “psicologia de príncipe” e fortalecendo o fenômeno do “bispo-polígamo” (termo usado pelo Papa Francisco), ou seja, vivendo na expectativa de ser esposo de “outra Igreja”. Sem dúvida que já existem alguns destes que se colocaram ou que querem se colocar “no meio” do seu povo “para mantê-lo unido e neutralizar as debandadas”, mas levará ainda algum tempo para que se coloquem também, e fundamentalmente, “atrás” “porque o próprio rebanho tem seu faro para encontrar novos caminhos”.

Eis o artigo.

No momento em que o Papa Francisco realiza um novo Consistório com a nomeação de 16 novos cardeais com direito a voto e que procura mudar e universalizar radicalmente a configuração da geopolítica eclesiástica da Cúria Romana, talvez já seria o momento de verificarmos qual é o rosto dos novos bispos nomeados, e também a configuração geopolítica eclesiástica, da Igreja no Brasil nestes quase dois anos de pontificado.

Desde maio de 2013, até o mês de janeiro deste ano, Papa Francisco fez 41 novas nomeações episcopais para o Brasil, sendo que 85% delas (36) foram de remoções (seja de uma diocese para outra, seja da condição de bispo-auxiliar ou prelado nullius para a condição de [arce]bispo titular da diocese).

Dos 17 novos bispos ordenados, 9 foram nomeados para as grandes Arquidioceses do Brasil na condição de bispos-auxiliares, atendendo, assim, aos pedidos dos arcebispos de São Paulo, Salvador, Olinda e Recife, Belém do Pará, Brasília e Goiânia. Só para a Arquidiocese de São Paulo foram nomeados 4 novos bispos-auxiliares, revelando bem a influência do cardeal D. Odilo Scherer.

Os 36 remanejados, em sua grande maioria, foram feitos bispos por Bento XVI durante o período de D. Lourenzo Baldissieri como Núncio Apostólico, e agora cardeal e secretário-geral do Sínodo dos Bispos. Talvez esteja aqui um sinal da velha e boa estratégia do mote: “plus ça change, plus c’est la même chose” (“mais que se mude, mais as coisas continuam as mesmas”). Isto pode significar a continuidade do “espírito wojtyliano-ratzingeriano”: pouca preocupação pastoral-missionária de uma “Igreja acidentada” e mais a preocupação com as dimensões administrativa, disciplinar e moral típicas de uma “Igreja autorreferencial”.

Então vejamos. Destes remanejamentos, alguns chamam atenção para uma espécie de “promoção”, ou seja, saindo de dioceses “pouco significantes” para uma (arqui)diocese de maior tradição e valor simbólico-político.

Por exemplo, as nomeações de D. Jaime Spengler, OFM para a Arquidiocese de Porto Alegre (deixando de ser bispo-auxiliar); de D. José Valmor César de Bom Jesus da Lapa (BA) para São José dos Campos (SP), ou seja, do “sertão” da Bahia para a “Via Dutra”; de D. Edmilson Amador Caetano, O. Cist. de Barretos (SP) para Guarulhos (SP), da terra do “pião-boiadeiro” para a terra do “pião-operário”; de D. Fernando José Monteiro Guimarães de Garanhuns (PE) para o Ordinariato Militar (Brasília), da “diocese” de Lula para a “diocese” dos Militares.

Além deles, também D. José Luiz Majella Delgado de Jataí (GO) para a Arquidiocese de Pouso Alegre (MG); de D.Zanoni Demettino Castro de São Mateus (ES) para coadjutor da Arquidiocese de Feira de Santana (BA); de D. João José da Costa de Iguatu (CE) para coadjutor da Arquidiocese de Aracajú (SE) e de D. José Antonio Peruzzo de Palmas-Francisco Beltrão (PR) para a Arquidiocese de Curitiba (PR).

O Regional da CNBB que mais se privilegiou das nomeações (remanejamentos) foi o Sul 1 (que corresponde ao Estado de São Paulo), maior “colégio eleitoral-episcopal” do Brasil e que sempre tem um peso importantíssimo quando das eleições para a Presidência e Comissões Pastorais da CNBB. Só para dentro deste Regional foram conduzidos 13 dos 14 nomeados (somente D. Fernando Brochini saiu de Jaboticabal e foi transferido para Itumbiara-GO).

Geograficamente, continua a concentração Centro-Sul com 26 nomeações, enquanto Norte e Nordeste tiveram 10. Depois do Sul 1, foram os Regionais Centro-Oeste (Brasília e Goiás), com 6 nomeações, e Nordeste 3 (Bahia e Sergipe), com 4 nomeações, respectivamente, que mais foram contemplados. No NE 3 há um caso de remoção, a partir de informações levantadas, feita por pressão dos fiéis diocesanos devido à suspeitas de mal comportamento moral de seu bispo.

Apesar disso, algumas destas parecem ser interessantes no sentido de fortalecer ou de manter opções pastorais importantes. Este é o caso, a nosso ver, da diocese de Chapecó (SC). A saída de D. Manoel João Francisco (atual presidente do CONIC) para Cornélio Procópio (PR) pode ajudar muito o Regional Sul 2 (Paraná), que irá acolher o 14º Intereclesial das CEBs em Londrina, no fortalecimento de uma caminhada ecumênica e de participação dos leigos nas bases dentro de uma perspectiva bergogliana (“periferias existenciais”). Por outro lado, a chegada à Chapecó de D. Odelir José Magri, vindo de Sobral (CE), pode dar continuidade e fortalecer ainda mais a caminhada já feita nos últimos anos.

O perfil pastoral dos 17 novos bispos é o seguinte:

a)  Clero: diocesano: 8; religioso: 9;

b)  Famílias Religiosas:

Opus Dei (2), Josefinos (2), Franciscanos (1), Missionários do Sagrado Coração (1), Congregação da Missão (1), Oblatos (1) e Congregação da Santa Cruz (1);

c)  Formação Teológica predominante:

Direito Canônico (5), Teologia Espiritual (3) e Dogmática (2);

d)  Atividades Pastorais predominantes antes da nomeação:

Formador/Reitor/Provincial/Diretor Espiritual (11), Párocos (9), Coordenação de Pastoral/Vigário Geral (5), Ação Social [Fazenda Esperança e Cáritas] (2) e Cúria Romana [Conselho para os Textos Legislativos] (1).

e)  Geografia: Centro-Sul: 10; Norte-Nordeste: 7.

Apesar da diversidade das famílias religiosas de cunho missionário, podendo indicar assim um princípio para uma “Igreja em saída”, o que se pode ver é a força de uma “pastoral de conservação” que tanto a Conferência e oDocumento de Aparecida alertavam para a sua superação se se queria, de fato, uma “conversão pastoral”. A formação predominantemente em Direito Canônico e Dogmática, mais a experiência burocrático-administrativa em funções diretivas, onde a “virtude da obediência” é a atitude mais praticada, são sinais evidentes de continuísmos.

Além disso, a presença de 3 bispos-auxiliares (São Paulo, Brasília e Goiânia) vinculados efetivamente (e afetivamente) com o Opus Dei (o auxiliar de Brasília, D. José Aparecido Gonçalves de Almeida fez sua Pós-graduação em Direito Canônico na Universidade Santa Cruz de Roma, dirigida pela Opus Dei) seria mais um indício desta tendência.

Por outro lado, podemos também enxergar algumas possibilidades interessantes e inovadoras para um possível “efeito Francisco”: D. Irineu Roman, josefino, nomeado bispo-auxiliar de Belém, um pároco de “periferia” e com “cheiro de ovelhas”; D. Ailton Menegussi, formado em território de CEBs de São Mateus (ES), indo para a Crateús (CE) do saudoso D. Antônio Fragoso; D. Onécimo Alberton, foi Coordenador de Pastoral, presidente da Cáritas de Criciúma (SC) e com forte sensibilidade social nomeado para a diocese de Rio do Sul (SC); e do franciscano D. João Inácio Müller nomeado para Lorena (SP), território da Canção Nova, onde estava o conservador D. Benedito Beni dos Santos.

Se tomarmos as indicações do Papa Francisco aos bispos do CELAM, durante encontro realizado no último dia daJornada Mundial da Juventude de 2013, parece que, com estas nomeações-remoções, o lugar do Bispo continua o mesmo de sempre: “à frente”, com sua “psicologia de príncipe” e fortalecendo o fenômeno do “bispo-polígamo” (termo usado pelo Papa Francisco), ou seja, vivendo na expectativa de ser esposo de “outra Igreja”. Sem dúvida que já existem alguns destes que se colocaram ou que querem se colocar “no meio” do seu povo “para mantê-lo unido e neutralizar as debandadas”, mas levará ainda algum tempo para que se coloquem também, e fundamentalmente, “atrás” “porque o próprio rebanho tem seu faro para encontrar novos caminhos”.

Não sabemos se o atual Núncio Apostólico no Brasil, D. Giovanni D’Aniello, está a par deste critério eclesiológico de Francisco.

Tags:

12 Comentários to “Os bispos de Francisco na perspectiva de um TL.”

  1. Se a Igreja não deve ser “autorreferencial”, isto é, ter a si própria, enquanto Corpo Místico de Cristo, cuja Cabeça é o próprio Cristo, como referência, então, qual deveria ser a sua referência? O mundo? A mídia secular? São apenas perguntas…

  2. Eu ia escrever um comentário, mas … péraí, preciso vomitar.

  3. Que bom que o efeito ratzinger está se propagando. Muita esperança nos novos sacerdotes.

  4. A T.L. é uma seita; toda seita tem uma doutrina e essa doutrina não deve ser discutida, mas apenas obedecida cegamente. Os eventuais dissidentes ou os críticos da seita devem ser eliminados. Já o filme: “Vaticano Dois, Povo de Deus a Caminho”? Um grande sucesso de bilheteria…(no inferno).

  5. A Unisinos é a sucursal do Inferno no Brasil.

  6. Esse é o tipo acabado do historiador-engenheiro de sua própria agenda ideológica. Seus títulos “niversitários” o revelam.

  7. Esse Instituto Humanitas da Unisinos é simplesmente um lixo e reflete bem a atual espírito da Companhia de Jesus atual, aquela que começou com Arrupe: modernização forçada, “aggiornamento” e uma grande repugnância a tudo que pertence à “igreja pré-conciliar”. Não é de se estranhar que os jesuítas no Brasil estejam definhando a cada dia. No ano passado houve a fusão das 4 províncias em uma. A província única está dividida em umas tais de “plataformas apostólicas”, algo criado na cabeça dos jesuítas atuais e que não está nas constituições de Santo Inácio. Atualmente há 537 jesuítas no Brasil, sendo que 203 tem mais de 71 anos (vejam dados no próprio informativo deles: http://issuu.com/noticiassj/docs/8___edi____o_do_informativo_em_comp). E ainda se perguntam por que não têm vocações!
    Desde Arrupe essa Companhia não é mais de Jesus, infelizmente.

  8. Existe um ódio claro nesses pensadores progressistas no que significa a Igreja. Eles odeiam a Igreja Católica! Vejam o modo como ele avalia Bispos -que são sucessores dos apóstolos! -, parece mais candidatos para eleição de um cargo de prefeitura.

    É hipócrita esse discurso de “cheiro do povo”, pois na prática, o cheiro aceito é apenas do relativismo, do liberarismo e socialismo. Ora, o apóstolo São Paulo, quando descia o cassetete no povo de Corintho, em Tessalónia, nos Gálatas, etc, ele usava a “psicologia do Príncipe” ou agia segundo o cheiro do pecado do povo?

    É hipocrisia e ódio a igreja o que ele cidadão escreve, apenas isso.

  9. Atenção: Ler o artigo causa náuseas. Alguém tem que avisar o cidadão que a Igreja existe há 2 mil anos, não ha 50, muito menos há 3…

    Bom era fazer um desafio e ver os frutos de uma diocese conduzida por um bispo fiel a Igreja e conservador e com outro TL, liberal (pleonasmo), seguindo esse espírito progressista destacado pelo autor do artigo.

    Oremos pela Santa Igreja e pelo Papa, ambos precisam de muita, mas muita oração!

  10. Excelente texto!
    Nos tira da zona de conforto e nos leva a reflexão.
    A universalidade da Igreja está justamente nisso: na pluralidade.
    E como cristãos católicos precisamos respeitar o próximo, mesmo que pensemos de forma diferente.
    Encantada com o Papa Francisco. Não pensei que teria a alegria de conviver com alguém tão parecido com Jesus.

  11. Que texto bagunçado… Vai jogando informações e misturando com suposições…

    Ora, o perfil episcopal com o Papa Francisco mudou nitidamente! Basta comparar os recém-nomeados com os da época de Bento XVI: outro perfil…

%d blogueiros gostam disto: