Ocidentais juntam-se a milícias cristãs do Iraque para combater Estado Islâmico.

Por Jihad Watch | Tradução: Alexandre Oliveira – Fratres in Unum.com

Essas pessoas estão fazendo o que os governos do Ocidente pós-cristão não mostraram interesse em fazer: proteger os cristãos perseguidos pelo Estado Islâmico. Mas, uma vez que eles se identificam como cristãos, prepare-se para vê-los difamados e demonizados pela grande mídia e mostrados como o equivalente do Estado Islâmico: cristãos que cometem violência em nome de sua religião de um lado, e os muçulmanos que a cometem em nome de sua própria religião do outro. Que estes homens tenham ido lá para impedir atrocidades ao invés de cometê-las será algo encoberto e ignorado.

“Ocidentais se juntam a uma milícia cristã do Iraque para lutar contra Estado islâmico”, por Isabel Coles, Reuters, 15 de fevereiro de 2015:

 

 

(Reuters) – São Miguel, o arcanjo da batalha, está tatuado nas costas de um veterano do exército dos EUA, que recentemente voltou ao Iraque e se juntou a uma milícia cristã em luta contra Estado Islâmico, no que ele vê uma guerra bíblica entre o bem e o mal.

Brett, 28, carrega a mesma Bíblia de bolso desgastada de quando foi enviado ao Iraque em 2006 – uma imagem da Virgem Maria dobrada dentro de suas páginas e seus versos favoritos destacados.

‘Agora é muito diferente’, disse ele, questionado sobre até que ponto ambas experiências se comparam. ‘Aqui eu estou lutando por um povo e por uma fé, sendo que o inimigo é muito maior e mais brutal.’

Milhares de estrangeiros afluíram ao Iraque e à Síria nos últimos dois anos, principalmente para se juntarem Estado islâmico, mas um punhado de ocidentais idealistas estão igualmente se recrutando, citando a frustração de que seus governos não estão fazendo mais para combater os islamitas ultrarradicais ou para impedir a sofrimento de inocentes.

A milícia a que eles se juntaram é chamada DwekhNawsha – ou seja, ‘sacrifício de si’ no antigo idioma aramaico falado por Cristo e ainda usado por cristãos assírios, que se consideram como povos indígenas do Iraque.

Um mapa na parede no escritório do partido político assírio afiliado à DwekhNawsha marca as cidades cristãs no norte do Iraque, que se desdobram em torno da cidade de Mosul.

A maioria destas cidades agora está sob o controle do Estado Islâmico, que invadiu Mosul no verão passado e emitiu um ultimato aos cristãos: pagarem um imposto, converterem-se ao islamismo ou morrerem pela espada. A maioria fugiu.

DwekhNawsha opera ao lado das forças curdas Peshmerga para proteger aldeias cristãs na linha da frente na província de Nínive.

‘Estas são algumas das únicas cidades em Nínive, onde os sinos das igrejas ainda tocam. Em todas as outras cidades, eles se silenciaram, e isso é inaceitável’, disse Brett, que tem “O Rei de Nínive”, escrito em árabe na parte da frente de seu colete de exército…

Tim encerrou seu negócio de construção na Grã-Bretanha no ano passado, vendeu sua casa e comprou dois bilhetes de avião para o Iraque: um para si e outro para um engenheiro de software americano, com 44 anos de idade, que ele conheceu através da internet.

Os dois se encontraram no aeroporto de Dubai, voaram para a cidade curda de Suleimaniyah e pegaram um táxi para Duhok, onde chegaram na semana passada.

‘Eu estou aqui para fazer a diferença e, quem sabe, colocar um fim a estas atrocidades’, disse Tim de 38 anos, que já trabalhou no serviço de prisão. ‘Eu sou apenas um cara normal da Inglaterra realmente.’

 

14 comentários sobre “Ocidentais juntam-se a milícias cristãs do Iraque para combater Estado Islâmico.

  1. DwekhNawsha = cruzados modernos? Rezo para que consigam seus intentos, pois se o Papa não quer, tenho certeza que Deus o quer!

    Curtir

  2. Eis aqui uma ótima oportunidade aos católicos DE FATO, sem “ismos” ou “istas”. Especialmente aos amantes e admiradores das Cruzadas, Cristiadas e tantos momentos emblemáticos de nossa fé. Eis uma ótima oportunidade, que logo logo também baterá á porta dos que hoje por desculpas idiomáticas ou econômicas se furtariam a também imitar aos seus santos prediletos!

    Curtir

  3. Sancte Michael Archangele

    Sancte Michael Archangele, defende nos in prælio; contra nequitiam et insidias diaboli esto præsidium.Imperet illi Deus, supplices deprecamur: tuque, Princeps militiæ cælestis, Satanam aliosque spiritus malignos, qui ad perditionem animarum pervagantur in mundo, divina virtute in infernum detrude. Amen.

    Que sejam vitoriosos nessa empreitada e os exemplo dado suscite muitos outros defensores da fé cristã.

    Curtir

  4. Assim como existe a Jihad que luta por um ideal vazio, embora não o aparente, esforça-se por erguer um reino em que as raízes estão desalicerçadas devido os muçulmanos serem extremamente divididos entre si; aliás, permanecem em infindas guerras entre facções rivais desde seu começo dessa “religião”, de qual nada possui, sendo uma ideologia totalitarista, opressora e intolerante com quem discorde de seus principios..
    Dessa forma, nessa “religião politicamente correta”, bem aos estilo dos comunistas, dos quais são aliados, temos recorrentes sublevações internas recíprocas muito conhecidas, como entre os xiitas e sunitas com muitos milhões de mortos, tudo em nome da deusa da lua Alah; ao contrario, os cristãos que formarem a anti jihad, seriam os neo cruzados e combaterão em nome da fé cristã do Senhor Deus verdadeiro que não se equipara a essa deusa pagã dos maometanos, além de serem movidos pelo ódio até entre si, comportamentos satanistas!
    Que muitos se associem a eles e ajudem também os curdos a se livrarem da peste maometana!

    Curtir

  5. O Ocidente, Europa e Estados Unidos não têm interesse em destruir o Estado Islâmico, somente contra-ataques esporádicos.
    A organização terrorista muito provavelmente é patrocinada pela Turquia, ou pelo menos, dá livre acesso aos terroristas, como recrutamentos, compra e contrabando de equipamentos. Vale lembrar que a Turquia é um importante aliado dos americanos.
    O mais importante é a total incapacidade da Europa em enxergar o que é a realidade desse conflito, uma guerra religiosa.
    O Ocidente não aceita isso, não aceita não porque não quer aceitar, mas porque não consegue compreender algo que não acredita, não entende porque é ateu.
    Ao contrário do ocidente, que deixou de submeter o estado à religião já desde a Revolução Francesa, o Oriente Médio não mudou, é o mesmo desde a Idade Média, o deus maometano, assim como Maomé são o centro da vida social e espiritual de todo um povo, esse horror que vemos nada mais é que a prática de algo que nunca foi esquecido, negado ou mesmo posto em dúvida, que são as Guerras das Cruzadas. No Ocidente, principalmente com o surgimento do Novus Ordo, a ideia e o espírito de luta religiosa que tem a Cruzada como principal representante foi apagada da fé católica, alguns desses “novos sacerdotes” chegam até mesmo a pedir desculpas e apontar o período como um erro da Igreja.
    Hoje vivemos o resultado disso, resultado que bate à porta de uma Europa radical, radical porque ela foi parar no outro extremo do radicalismo, uma Europa ateia, gay, liberal, covarde, naturalista e pacifista. Na outra ponta temos toda uma brutalidade; cruel, impiedosa e diabólica.
    O pior é que quem deveria comandar e guiar o Ocidente, está desgraçadamente, aqui na terra, nas mãos de verdadeiros traidores da Fé Católica.
    Hoje, o ISIS entrando em Roma é algo até possível de acontecer, mas seria coisa totalmente sem sangue, nenhuma cabeça iria rolar, nem corpo iria ser queimado vivo, esses terroristas iriam encontrar uma cidade completamente vazia, uma Roma Cidade Aberta, não de Rossellini, mas uma Roma Cidade Aberta de Bergoglio, de medo e covardia.

    Curtir

  6. Segundo os politicamente corretos,
    pode sim haver guerra contra os terroristas,
    desde que seja “de acordo com o que dispuser a ONU”.

    Portanto,
    para esses hipócritas não pode existir,
    em hipótese alguma, guerra justa em nome de Deus (Cruzadas),
    mas poderia eventualmente ser feita uma “guerra justa” em nome da ONU…

    Curtir

    1. Boa! Essa ONU, a cloaca do mundo infestado de tudo quanto é comunista e esquerdistas não tem moral nenhum para dispor sobre nada. Só o Francisco I é que quer dar apoio a essa corja que de nada serve. Aliás serve para sorver milhões e milhões de recursos dos países para benefícios de uns tantos países amiguinhos dela. Vá para o lixo como foi a Liga das Nações.

      Curtir

  7. São os verdadeiros heróis dos tempos pós-modernos. Serão difamados por toda a canalha que apóia (diga-se mídia) de modo velado o EI. Os EUA e a UE são capazes de tomar providências contra esses neo cruzados sob o argumento de que “fomentam a violência, embora defenda os cristão” .
    Lamentavelmente, o Papa Francisco, o cardeal Kasper, muitos bispos etc serão os primeiros a levantar as vozes, dessa vez com energia, contra esses defensores de inocentes contra a covardia dos inimigos da Santa Cruz. Bem, faz sentido, pois esses são os fautores da “autodemolição; a fumaça de Satanás” de que falava o Paulo VI. Uma reação católica?! Para os acima referidos isso é inaceitável. Capitulação vergonhosa, apostatar e virar muçulmano? Isso é ser “moderno, ecumênico etc. e tal”.
    Que Deus Nosso Senhor e Nossa Senhora da Nicopéia, padroeira das cruzadas, os acompanhem e protejam até a vitória final contra esse paganismo.

    Curtir

  8. Também gostaria de estar fisicamente lá . Como não posso , me desloco em espírito de oração e combato à favor desses heróis !

    Curtir

Os comentários estão desativados.