A FSSPX reconhecida oficialmente na Argentina como parte da Igreja Católica.

Por Adelante la Fe | Tradução: Irmandade dos Defensores da Sagrada Cruz: Em Boletim Oficial da Republica Argentina encontramos a seguinte informação: A pedido do Arcebispo de Buenos Aires, Cardeal Poli, é concedido a Fraternidade Sacerdotal São Pio X, FSSPX, fundada pelo Arcebispo Marcel Lefebvre, o estatuto de “Associação de Direito Diocesano. Sociedade de Vida Apostólica” e se reconhece “que a dita fraternidade, encontra-se credenciada com caráter de pessoa jurídica pública DENTRO DA IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA, conforme a norma do Código de Direito Canônico”.

Cardeal Poli

Com toda a prudência por não ter maiores informações para avaliar com precisão o alcance exato desta noticia, além das formalidades jurídicas, não se parece temerário para interpretar este importante gesto do Cardeal Poli como um grande movimento de aproximação, talvez a ponta do iceberg, que nos permite esperar com otimismo um desenlace feliz a curto prazo a nível global.

Reproduzimos a resolução oficial:

 Resolução 25/2015

Bs. As., 17/03/2015

VISTO o Arquivo No. 9028/2015 do registro do MINISTÉRIO DE RELAÇÕES EXTERIORES E CULTO, a Lei nº 24.483 e seu Decreto Regulamentar n.º 491 de 21 de setembro de 1995, e CONSIDERANDO:

Que, conforme o Protocolo nº 084/15 datado de 23 de fevereiro de 2015, o Arcebispo de Buenos Aires, Mario Aurelio Cardeal POLI solicita que a “FRATERNIDADE DOS APÓSTOLOS DE JESUS E DE MARIA” (Fraternidade Sacerdotal São Pio X) seja tida, até encontrar um definitivo enquadramento jurídico na Igreja Universal, como uma associação de direito diocesano, conforme regulamentado pelo cânone 298 do Código de Direito Canônico, in fieri de ser uma Sociedade de Vida Apostólica, com todos os benefícios que esta lhe corresponde e dando cumprimento com todas as obrigações a que a mesma refere, assumindo também as responsabilidades que competem ao bispo diocesano.

Que tal fraternidade é credenciada com caráter de pessoa jurídica pública dentro da IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA, conforme as normas do Código de Direito Canônico.

Que segundo seus estatutos, aprovados pela autoridade eclesiástica competente, a fraternidade é uma sociedade de vida sacerdotal comum sem votos, em imitação de sociedades para as Missões Estrangeiras (conf. Capítulo I, artigo 1º, Estatutos da Fraternidade dos Apóstolos Jesus e Maria).

Que o artigo 3º, inciso f do Decreto nº 491/95 que autoriza a inscrição no Registro criado pela Lei nº 24.483, as pessoas jurídicas reconhecidas pela autoridade eclesiástica, que guardam semelhanças ou analogia com os Institutos de Vida Consagrada e sociedades de vida apostólica.

Que a instituição requerente cumpriu todas as exigências da legislação em vigor, que acompanhando os seus estatutos, decreto de ereção e memória, de acordo com as disposições da Lei nº 24.483.

Correspondendo fazer lugar a presente inscrição todas as vezes que a requerente se enquadra nas condições previstas na Regra 3, inciso f) do Decreto nº 491/95.

Que a presente medida é emitida no exercício dos poderes conferidos pelo artigo 17 do Decreto nº 491/95.

Portanto,

O SECRETÁRIO

DE CULTO

RESOLVE:

ARTIGO 1 – reconhecido como uma pessoa jurídica a “FRATERNIDADE DOS APÓSTOLOS DE JESUS E DE MARIA” (Fraternidade sacerdotal São Pio X), Associação de direito diocesano, com sede legal e domicílio especial na rua Venezuela N° 1318, CIDADE AUTÔNOMA DE BUENOS AIRES, que está registrado sob o número de trezentos e oitenta e um (381) do Registro de Institutos de Vida Consagrada.

ARTIGO 2º – outorga-se a dita entidade o caráter de entidade de bom público para todos os efeitos, que correspondam.

ARTIGO 3º – Que seja sabido que a referida pessoa jurídica se encontra beneficiada pelo tratamento previsto pelo artigo 20, da Lei do Imposto de Renda (texto encomendado em 1997).

ARTIGO 4º – Comunique-se, publique-se, transmitindo a Direção Nacional de Registro Oficial e arquive-se. – Emb. GUILLERMO R. OLIVERI, Secretário de Adoração.

[Você pode verificar esta informação, entrando no site do Boletim Oficial Argentino indicando em seu navegador a resolução 25 de 2015]

* * *

Nota do Fratres: Procurado por Vatican Insider, Dom Guido Pozzo, secretário da Pontifícia Comissão Ecclesia Dei, declarou: “Fico contente que na Argentina foi possível encontrar esta solução que, sejamos precisos, não envolve a Santa Sé. Não se trata de um reconhecimento jurídico da Fraternidade São Pio X como sociedade clerical, permanecendo em aberto a questão da legitimidade do exercício do ministério sacerdotal de seus padres. Mas, certamente, é um sinal adicional de benevolência em relação a esta realidade por parte da Igreja Católica”.

Continua Pozzo: “Com sua decisão, o ordinário de Buenos Aires reconhece que os membros da Fraternidade são católicos, mesmo que ainda não estejam na plena comunhão com Roma. Nós continuamos a trabalhar para que se chegue à plena comunhão e ao enquadramento jurídico da Fraternidade na Igreja Católica”.

34 Comentários to “A FSSPX reconhecida oficialmente na Argentina como parte da Igreja Católica.”

  1. “Continua Pozzo: “Com sua decisão, o ordinário de Buenos Aires reconhece que os membros da Fraternidade são católicos,”

    Roma precisa dizer que os membros da FSSPX são católicos? Católicos de acordo com o quê? Com o catolicismo pós-conciliar? Com o catolicismo de Assis I, II, e III? Com o catolicismo de Francisco?

    “mesmo que ainda não estejam na plena comunhão com Roma. Nós continuamos a trabalhar para que se chegue à plena comunhão e ao enquadramento jurídico da Fraternidade na Igreja Católica”.”

    Enquadramento jurídico de acordo com o quê? Com o CDC de 1983?

    • A FSSPX já teve que se subordinar à isso no passado naquele país. Inclusive quando Dom Nelson era superior do Seminário de La Reja… acho que ele também não vê problema nisso…

      E, pelo que entendi, isso não significa que ela se tornou uma Ecclesia Dei da vida aí..

  2. Laus tibi, Christe!

    Um passo de cada vez, foi um grande gesto do Cardeal Poli fazer tal solicitação e do Secretário de Culto atendê-la.

    Intensifiquemos nossas orações pela Igreja e pela regularização da FSSPX.
    S. Pius X, ora por nobis!

    • Sério, queria entender os votos negativos ao meu comentário que superam os positivos.
      Fruto de mentes doentes e de um falso tradicionalismo? Que chega muito próximo a um “sedevacantismo prático”, onde até aceita que o Papa é Papa, mas na prática e no pensamento, trata-o apenas como Bergoglio e acha que a Igreja morreu no controverso CV II.

      Se você está vendo a aproximação da FSSPX com Roma e as ações da mesma para favorecer a comunhão como algo ruim e errado, vomitando as mesmas coisas de sempre “roma modernista”, “roma herege” entre outros, acho melhor você fazer um profundo exame de consciência e buscar na luz do Espírito Santo, guia da Igreja há 2000 anos, um retorno ao bom caminho (Roma locuta, causa finita est).

      FSSPX regularizada e em plena comunhão da Igreja seria um baita incentivo para sua expansão e aumento de vocações, isso chamaria a atenção das mídias, dos fiéis e das autoridades eclesiais. É fato que muito seminaristas e vocacionados que sentem atração pela Missa de Sempre e pela Tradição deixam de ir para a SSPX por não ter a situação canônica regularizada. Como defensora ferrenha da tradição e pela história de Dom Lefebvre, ela chama mais atenção até do que a FSSP, IBP, entre outros.

      Termino o comentário com a mesma frase, intensifiquemos nossas orações pela Igreja e pela regularização da FSSPX!

    • Cardeal Poli deve ser o próximo a sofrer represálias.

  3. “Nós continuamos a trabalhar para que se chegue à plena comunhão e ao enquadramento jurídico da Fraternidade na Igreja Católica.” Mons Pozzo.
    Mons Pozzo, quem precisa se enquadrar a Igreja Católica são os senhores, junto com todo o magistério atual que aderiu aos erros do C. Vat II!
    A FSSPX não precisa se enquadrar em nada, ela permanece Católica, dede a sua fundação. E se ela pensa em se enquadrar nesta massa denominada “igreja conciliar”, é porque o liberalismo já entrou nela.

  4. Interessante alguns comentários dos fiéis de Dom Williamson, mas ai eu indago:

    A resistência pra agir legalmente na Argentina, está disposta a não se dizer arte da Igreja?
    A dizer formalmente q não tem nada, NADA, com Roma? e que não reconhece o papa?

  5. Boa notícia!

  6. D. Richard Williamson deve estar rindo.

  7. “Nós continuamos a trabalhar para que se chegue à plena comunhão e ao enquadramento jurídico da Fraternidade na Igreja Católica”.

    Se isso acontecer sem amordaçar a Fraternidade, glória a Deus…

    Se for para acontecer com o que aconteceu com Campos, que a Fraternidade continue sem o tal enquadramento jurídico…

    Duvido muito de qualquer avanço no relacionamento entre Roma e a Fraternidade sob Francisco.

    Fico só imaginando os membros da Fraternidade, especialmente os 3 Bispos, vendo Francisco lavar os pés de um travecão e depois essa mesma pessoa recendo a comunhão, sem nenhum sinal de conversão e abandono de seu modo gravemente pecaminoso e escandaloso de viver…

    Mas, por pequeno que seja o sinal, na crise assustadora que devasta a Igreja, sobretudo, depois de 2013, ano horroroso e horripilante para a História da Igreja, não podemos deixar de agradecer a Deus por mais esse ato…

  8. Ora se você tem uma empresa filial que não concorda com a matriz,nada melhor do que infiltrar um espião da matriz na empresa filial.Se a FSSPX aceitar ser reconhecida por uma arquidiocese totalmente mundana,foi para o lixo todos os anos que, piedosamente,pediu com razão ao sucessores de São Pedro,que avaliassem o Modernismo (Heresias pós-conciliar).É como o semeador do evangelho,Veio o Inimigo a noite e plantou junto ao trigo a semente de joio. Ao mesmo tempo,o ato de reconhecer a FSSPX,é confirmar o estado critico,que se encontra a Arquidiocese de Buenos Aires,e a incapacidade do Cardeal Poli de regê-la.

  9. Engraçado! Vocês celebram o reconhecimento da FSSPX pela mesma hierarquia que vocês vivem amaldiçoando. Decidam-se!

    Já pensaram que essa medida não teve outro objetivo senão o de evitar impostos?

  10. Acho que D. Williamson não riria da desgraça alheia. Se a igreja de Bergoglio, a igreja de Assis I, II e III, da missa nova, do ecumenismo, do modernismo, liberdade de religião e colegialidade episcopal consegue aglutinar também a FSSPX junto a sua parafernália de movimentos exóticos de doutrina duvidosa, seria de se lamentar pela FSSPX, porque a Hierarquia praticamente apostatou em bloco, e processa um liberalismo catolicizante de matizes que vão do conservadorismo ao liberalismo radical, bem semelhantes à low church, a broad church e a high church que repartem o anglicanismo. Se alguém tivesse autoridade na Terra para exigir do papa uma profissão completa da Fé Católica, talvez desta forma muitos se convencessem de que não estariam tratando com um católico. Não me critiquem. Eu não diria tamanha ousadia se as obras deste papa que costumam ser públicas e muito bem divulgadas por toda a blogosfera e meios de comunicação me levassem a pensar o contrário. E o que eu leio a respeito deles é praticamente a mesma coisa que vocês lêem aqui mesmo no Fratres. E suas obras que além de públicas são fartas, são as obras da maçonaria. Seus preceitos são a repetição da revolução de 1789. Aliás neste aspecto ele tem respaldo em seus últimos antecessores, que criaram um neo-magistério desde João XXIII, e não se cansaram de justificar tudo o que fizeram de grotesco com base no Concílio. A diferença de Francisco em relação aos outros é acidental, e jamais essencial. Em essência, é igual a Bento XVI, João Paulo II, etc até João XXIII. No que se trata de governo da Igreja, é mais radical em promover o liberalismo, e menos escrupuloso em conservar exterioridades catolicizantes de uma religião cujos fundamentos são o concílio Vaticano II e não os Apóstolos. Foi o papa Francisco quem inventou os encontros de Assis? O ecumenismo não é precisamente uma pauta maçônica? Pois então? O que o difere em substância de Bento XVI e João Paulo II? Mesma agenda maçônica, divergências apenas nas ênfases e nas táticas de governo. É papa, ninguém pode negar. Mas promove tudo que é anticatólico e combate tudo que seja católico. É papa, mas seus atos sugerem que não seja católico.
    Não existe meio-católico. Existem maus católicos que não seguem o que crêem, mas católico self-service, que crê nas partes que quer e rejeita as demais, isso não existe. Não se pode ser católico e crer na Santíssima Trindade, mas negar a Imaculada Conceição, por exemplo. Não existe meia-virgindade, meia-paternidade, meia-maternidade. Uma pessoa é virgem ou deixou de sê-lo(a). É pai ou não é, é mãe ou não, mas não existe meio-pai nem meia-mãe. E nem meio-católico. Existem bons e maus pais, boas e más mães e bons e maus católicos.
    Pobre de quem se coligar com a igreja conciliar antes que a mesma um dia retorne aos caminhos de outrora e abjure dos erros conciliares e seus desdobramentos. Quem assim o fizer ganhará a Sé e perderá a Fé. Melhor estar à margem da legalidade e preservar pura a Fé recebida pelos antigos, já que está escrito que sem a Fé é impossível agradar a Deus, do que cair no Inferno com o Código de Direito Canônico debaixo do braço (o CDC de 1983, óbvio, pois a igreja conciliar não pode conceder um direito da Igreja Católica, assim como ninguém pode presentear outrem com algo que não lhe pertença). Queremos apenas a Fé tal como sempre foi ensinada e nos foi transmitida, sem os acréscimos que desmentem de forma gritante o Magistério constante de todos os papas católicos.Queremos apenas isso, para nós e para todos os que se dizem católicos, ou ao menos que queiram ser católicos. Sem a Unidade na Fé, todas as demais unidades não passarão de pedras de tropeço. Uniões materiais e políticas, desprovidas da Caridade e do sentire cum Ecclesia, e com risco real de danação eterna para as almas! Por isso me pergunto se as comunidades Ecclesia Dei são realmente fiéis ao que seus superiores modernistas ordenam. A igreja conciliar e a própria Comissão Ecclesia Dei jamais autorizaram a rejeição de um só jota do Concílio! Portanto, se as comunidades “assentadas” crêem na totalidade do Concílio Vaticano II e seus frutos, sem nenhuma restrição, incluindo a Missa Nova, podemos dizer que são liberais-conservadoras, assim como a High Church é o ramo ritualista do mesmo anglicanismo… Mas se dissimulam obediência irrestrita à Hierarquia atual, mas intimamente repudiam parte das coisas que lhe são imputadas, como o Catecismo de 1983, a santidade e eficácia da missa nova, os textos ambíguos do concílio, etc, valendo-se com isso de artifícios para manter-se na união jurídica, então agem com malícia e dissimulação. Enganam os modernistas para terem lugares de culto. Alguém imaginaria Nosso Senhor sequer aconselhando a tapear os opositores ao invés de sofrer suas injustiças em silêncio e anunciar-lhes a Boa Nova para convertê-los? Alguém imaginaria Nosso Senhor aprovando que se diga SIM em público e Não no íntimo do coração?
    Seja vossa palavra Sim, Sim, Não, Não. O que passar disso vem do Maligno. As coisas de Deus devem ser proclamadas, e não subentendidas. Os fins NÃO justificam os meios. Finalizo pedindo uma preçe pela FSSPX, para que a mesma jamais permita que a Verdade de Cristo seja alvo de barganha, e a conversão total da igreja conciliar e de seus incrédulos seja condição sine qua non para a União dos batizados, única união possível e agradável a Deus que possa existir: a união em torno da Santa e imutável Fé Católica, e do Santo Sacrifício da Missa, o verdadeiro, o inspirado pelo Espírito Santo através dos séculos, ao invés do culto sacrílego forjado pela maçonaria, com apoio dos hereges protestantes.

  11. O novo jeito do Fratres in Unum de defender a Igreja católica é a censura de comentários contrários a FSSPX, ou de qualquer comentário, para não criar “polêmicas” e prejudicar a gangue de Dom Fellay…rsrsrsrs Apenas 3 comentários até agora???? Não podemos levar este blog a sério…

    • Sr. Patrício, vamos pensar em terceirizar o trabalho de moderação dos comentários ao senhor e à “sua gangue”, pois devem ter tempo sobrando. Por nossa vez, temos muito trabalho e há ainda, infelizmente, 60 comentários aguardando moderação. Graças a Deus, não temos prazo a cumprir nem satisfação a dar a leitores mal educados como o senhor.

  12. Patrício deveria lavar a boca antes de referir a outros sacerdotes, Bispos e fiéis Católicos como “gangue”. Pelo visto, o veneno luciferino do cisma está entranhado até os capilares nos sectários da chamada “resistência”.
    E eu sei exatamente de que peçonha saiu esse veneno, porque tive oportunidade de ouvir a viva voz, Dom Williamson se referindo em suas conferencias ao seu antigo Superior como “bandido” ao convocar uma falida rebelião para depô-lo do cargo de Superior Geral da FSSPX. Quanto aos padres que escolheram deixar a Sociedade para se integrar à plena comunhão com Roma, ele os compara com lixo. Como já dizia Santa Catarina de Siena: “Como é doloroso ver aqueles que tem sede de vingança! Eles matam a si próprios bem antes de matar seus inimigos’!
    O mais interessante é que alguns agora parecem estar mais versados em anglicanismo do que em Catolicismo: low church, high church! Comparações de um ex-anglicano repetidas à exaustão por papagaios insensatos.
    Aliás, eu já percebi o ardil desse pessoal que se sente a última barca da salvação fugindo de Roma. De fato pra eles “não se pode levar a sério este blog”, o qual é excelente fonte de informação Católica para um número considerável de Católicos, afinal esse é um blog que reconhece a “Igreja Conciliar”.
    Mas se formos olhar o número de acessos: 10,937,848 visitas, podemos dizer que pra eles esse é um “areópago” a se considerar quando o objetivo é disseminar uma causa. O “proselitismo” dos resistentes precisa ocupar todas as áreas!
    Eu leio certos silogismos e me pergunto se a pessoa tem mesmo noção do que está dizendo:

    “Não existe meio-católico. Existem maus católicos que não seguem o que crêem, mas católico self-service, que crê nas partes que quer e rejeita as demais, isso não existe. Não se pode ser católico e crer na Santíssima Trindade, mas negar a Imaculada Conceição, por exemplo. Não existe meia-virgindade, meia-paternidade, meia-maternidade. Uma pessoa é virgem ou deixou de sê-lo(a). É pai ou não é, é mãe ou não, mas não existe meio-pai nem meia-mãe. E nem meio-católico. Existem bons e maus pais, boas e más mães e bons e maus católicos”.

    O que ele falha em perceber é que não existe “católico” é de jeito nenhum FORA dessa estrutura visível chamada IGREJA. Quer ela esteja tomada por impostores ou traidores, quer ela esteja infiltrada por hereges como em todos os tempos houveram, essa é a única Igreja fundada sobre Pedro e fora dela não existe salvação. Você pode acreditar em todas as verdades que a Igreja ensina, como o próprio Satanás acredita, e no entanto não se submeter a nenhuma delas ou escolher mui convenientemente aquelas que lhe convém.
    Muitos dos fariseus também não eram meio-judeus, cumpriam todos os preceitos ou mishnás, eram bons pais, boas mães e no entanto prostitutas e publicanos os precederam no Reino dos Céus. Quem não se lembra do rapaz rico? Aquele tinha muitas riquezas e se recusava a abandoná-las, outros tem como riqueza o orgulho e amor próprio e a menos que se tornem humildes e pequenos como crianças, também não herdarão o Reino dos Céus.
    Porque a mesma cegueira que atinge os HEREGES atinge em igual proporção aos que tem espírito de CISMA, pois enquanto Deus permite a uns a cegueira como castigo por não cultivarem o amor à verdade, em outros Ele a permite por não cultivarem a virtude da caridade.
    No mais, esse reconhecimento da Fraternidade de São Pio X como “Associação de Direito Diocesano. Sociedade de Vida Apostólica” é algo que o próprio Arcebispo Lefebvre lutou para manter muito depois do Concílio. Qualquer um que tem conhecimento do recurso impetrado por Dom Lefebvre em Roma para a manutenção do status da Fraternidade, sabe muito bem disso.
    Pessoalmente eu não sei quais serão as consequências desse reconhecimento parcial por parte da Igreja na Argentina. Se isso significa que a SSPX poderá celebrar missas em Santuários com Lujan, comprar igrejas ou capelas, abrir escolas em que seus alunos terão seus diplomas reconhecidos…etc, então que seja bemvindo. Mas se lá de Roma continuarão as mesmas proibições, esse é um reconhecimento que tem pouco ou valor nenhum.

    • Gercione Lima
      É realmente impressionante observar o seu ódio, o seu desprezo e a sua falta de respeito para com Sua Excelência Reverendíssima Monsenhor Richard Williamson.
      Para responder um breve comentário de três linhas, não foi suficiente somente destilar o seu veneno luciferino, você foi muito além e, pois “palavras na boca” de Monsenhor Williamson, o caluniou e o difamou.
      A Senhora poderia ser mais específica e nos dizer exatamente quando foi que Sua Excelência chamou o superior da EX-FSSPX de “bandido”? A Senhora pode provar que o Digníssimo Bispo comparou algum sacerdote que tenha se desligado da Fraternidade com o Lixo? Creio eu que não pode.
      A sede de vingança penetrou o seu coração orgulhoso, e Santa Catarina de Siena em 1378 já nos alertava sobre os perigos da falta de humildade, caridade e discernimento: “Homem sem humildade é homem sem discernimento. Seu agir baseia-se no orgulho, da mesma forma como todo discernimento vem da humildade” (O Diálogo, 2.9). Então é a Senhora que deve lavar a boca antes de pronunciar o nome de qualquer um dos dois últimos Bispos verdadeiramente Católicos, a saber, Dom Richard Williamson e Dom Jean-Michel Faure, pois foi pela humildade e discernimento que a Senhora provou não possuir, que o nosso valente Bispo disse NÃO ao CVII com o seu espírito novo que lançou suspeita sobre dois mil anos de vida eclesiástica, de ensino e de princípios de vida. Que disse NÃO ao novo Sacrifício da Missa, ou melhor, da “Refeição Memorial” que a Senhora “legalmente reconhecida”, certamente faz proveito todos os domingos. Que disse NÃO aos novos Sacramentos sacrílegos. Que disse NÃO aos privilégios de uma confortável vida em algum dos seminários da FSSPX, onde ele precisaria simplesmente continuar…continuar… continuar… Pois está tudo muito bem: “Ouso dizer: a igreja nunca esteve tão bem como hoje” (Papa Francisco). Então não venha a Senhora dizer que somos nós que escolhemos convenientemente as Verdades ensinadas pela Igreja, pois é muito fácil “Reconhecer a Igreja Conciliar” (como faz questão de dizer) e praticar gostosamente esse Catolicismo folgadão, sem muito compromisso com as Verdades Universais de dezenove séculos, que foi a preciosa Fonte de Fé às quais os maiores santos e os papas recorreram.
      Caríssima Irmã, se defender a autentica fé dos mártires é parecer estar fora da “Estrutura Visível chamada IGREJA”, então aos olhos dos “Conservadores Romanos” a Resistência é CISMÁTICA, embora nós não sejamos, pois “Nós temos que ser corretos, e não parecer que somos corretos” (Dom Williamson, Sermão da Sagração 19-03-15).
      Termino com um trecho da famosa Declaração de Sua Excelência Reverendíssima Dom Marcel Lefebvre em 1974. Eis o espirito da Resistencia, que é tão combatida por vós:

      “Nós aderimos de todo o coração e com toda a nossa alma à Roma católica, guardiã da fé católica e das tradições necessárias para a manutenção dessa fé, à Roma eterna, mestra de sabedoria e de verdade.
      Pelo contrário, negamo-nos e sempre nos temos negado a seguir a Roma de tendência neomodernista e neoprotestante que se manifestou claramente no Concílio Vaticano II, e depois do Concílio em todas as reformas que dele surgiram.
      Todas estas reformas, com efeito, contribuíram, e continuam contribuindo, para a demolição da Igreja, a ruína do sacerdócio, a destruição do Sacrifício e dos Sacramentos, a desaparição da vida religiosa, e a implantação de um ensino naturalista e teilhardiano nas universidades, nos seminários e na catequese, um ensino surgido do liberalismo e do protestantismo, condenados múltiplas vezes pelo magistério solene da Igreja.”

      Senhor tende piedade de nós!

    • “Patrício deveria lavar a boca antes de referir a outros sacerdotes, Bispos e fiéis Católicos como “gangue”.”

      Interessante… Na opinião da autora da frase, o Sacramento da Ordem, que confere mudança ontológica a uma pessoa, não é critério para se abster de ofender um eclesiástico, mas sim a fidelidade, que é algo inteiramente subjetivo – uma vez que não se pode declarar que alguém é fiel apenas por vê-lo procedendo como tal.

      Padres, bispos e leigos “infiéis” podem ser ultrajados. Mas não toquem nos que achamos serem “fiéis”…

  13. Primo/Cousin,

    Ainda que o reconhecimento da FSSPX como associação de direito diocesano tenha manifestamente motivações administrativas devido à legislação civil argentina, tal reconhecimento não deixa de ser um sinal de boa-vontade de Francisco para com a FSSPX. Sua Santidade poderia simplesmente ordenar ao Cardeal Poli que não desse esse reconhecimento à SSPX, criando dificuldades e acirrando os ânimos.

  14. Acho curioso o fato de se tratar da Arquidiocese de origem do Papa e de seu Cardeal Arcebispo ser alguém bem próximo a ele, alguém que já foi seu Bispo auxiliar. Pergunto-me se não estaria o próprio Papa por trás disso.

  15. Prezado Sr. Bruno Luís Santana, gostaria de parabenizá-lo pelo excelente comentário, excelência que, aliás, é a sua marca em todas as intervenções aqui. Seus textos (e de outros comentaristas também) são exemplos de sanidade.

    Primo/Cousin, não se trata só de isenção tributária, a Constituição Argentina determina que o Estado deve sustentar a Igreja:

    “Art. 2º.- El Gobierno federal sostiene el culto católico apostólico romano”.

    Assim, não só a Igreja tem isenção tributária, como também recebe dinheiros públicos, por exemplo, os bispos recebem do Estado um subsídio equivalente a 80% do subsídio devidos aos juízes federais de Primeira Instância:

    LEY 21950 (asignación para los obispos)

    ARTÍCULO.1.- Los arzobispos y obispos con jurisdicción sobre arquidiócesis, diócesis, prelaturas, eparquías y exarcados del Culto Católico Apostólico Romano gozarán de una asignación mensual equivalente al 80% de la remuneración fijada para el cargo de Juez Nacional de Primera Instancia, hasta que cesen en dichos cargos.

    LEY 21540 (Jubilación de obispos por edad avanzada o invalidez)

    ARTÍCULO 1.- Los Arzobispos y Obispos con jurisdicción sobre Arquidiócesis, Diócesis, Prelaturas o Exarcados del Culto Católico, Apostólico, Romano, y el Vicario Castrense para las Fuerzas Armadas, que cesen endichos cargos por razones de edad o de invalidez, gozarán de una asignación mensual vitalicia equivalente al setenta por ciento (70%) de la remuneración fijada al cargo de Presidente de la Nación excluidos los gastos de representación en el Presupuesto General de la Administración Pública Nacional.

    LEY 22162 (subsidio por zona desfavorable)

    ARTÍCULO 1.- Facultase al Poder Ejecutivo Nacional a otorgar a los curas párrocos o vicarios ecónomos de parroquias situadas en Zonas de Frontera, (…) o de aquéllas ubicadas en otras zonas que, por sus características, también requieran la promoción de su desarrollo, una asignación mensual (…) equivalente a la que corresponda a la categoría 16 del Escalafón del Personal Civil de la Administración Pública Nacional.

    LEY 22430 (jubilación sin aportes con 5 años de servicio acumulativo con otras)

    ARTÍCULO 1.- Los sacerdotes seculares del culto católico, apostólico, romano, que tuvieran cumplida la edad de sesenta y cinco (65) años o se hallarenincapacitados y que hubieran desempeñado su ministerio en el país por un lapso no inferior a cinco (5) años, no amparados por un régimen oficial deprevisión o de prestación no contributiva, tendrán derecho a una asignación mensual vitalicia equivalente al haber mínimo de jubilación del régimen nacional de jubilaciones y pensiones para trabajadores en relación de dependencia.

    ARTÍCULO 2.- Esta asignación será compatible con cualesquiera otrosingresos que mensualmente no excedan del doble del haber mínimo de jubilación (…)

    LEY 22950 (becas estatales a seminaristas)

    ARTÍCULO 1.- El Gobierno Nacional contribuirá a la formación del Clero Diocesano, para lo cual los Señores Obispos residenciales o quienes hagan canónicamente sus veces percibirán en concepto de sostenimiento mensual por cada alumno de nacionalidad argentina del Seminario Mayor perteneciente a la propia jurisdicción eclesiástica, el equivalente al montoque corresponda a la Categoría 10 del Escalafón del Personal Civil de la Administración Pública Nacional.

    Ley 22552 (si no hay obispo, cobra el obispado)

    ARTÍCULO 1. – En los casos de vacancia de la titularidad producida en las Arquidiócesis, Diócesis, Prelaturas, Eparquías y Exarcados del Culto Católico Apostólico Romano y hasta tanto se designe nuevo diocesano, los Vicarios Capitulares o los Administradores Apostólicos con jurisdicción en las mismas, recibirán la asignación mensual a que se refiere el artículo 1 de la Ley 21.950.

    Giovanna Machado, a Resistência não precisa se dizer fora da Igreja para atuar legalmente na Argentina, mas tem que ir implorar aos bispos da “Igreja Mainstream” um reconhecimento igual ao que foi dado à N-FSSPX, para receber os benefícios mencionados. E, obviamente, acreditar que a “Igreja Mainstream” fará isso sem exigir contrapartidas é tão verossímil quanto acreditar que o PT vai batalhar pelo direito à livre manifestação daqueles que querem o impeachment de Dilma. Ademais, por que um grupo Católico quer ser reconhecido e receber o dinheiro sujo de um regime socialista e assassino como aquele que vigora na Argentina atualmente?

  16. Helga Dalla Líbera Oliveira, sua observação está errada, a FSSPX não tinha esse enquadramento até a decisão de 17.03.2015. Até então, a FSSPX tinha o tratamento de uma sociedade civil comum, sem benefícios e sem isenções.

  17. É certo que existem pessoas sensatas dentro da FSSPX,
    como também dentro da “Resistência”, ou dentro
    dos grupos EC, ou até mesmo, pasmem,
    fora de qualquer desses grupos…

    Mesmo nos tempos de Cristo existiam “tradicionalistas”.
    Estes eram conhecidos como “zelotas”. Eles repeliam
    com força certas novidades introduzidas e flertes com o
    paganismo perpetrados pelos fariseus e mestres da lei.

    Assim, Simão Pedro (futuro São Pedro) era “zelota”.
    Mas Judas Iscariotes também o era…

    Vejo frequentemente pessoas bastante apegadas
    e apaixonadas por certos rótulos que surgiram
    ao longo do inverno conciliar…
    Mas é sempre bom lembrar que “rótulo”, per si,
    não salva ninguém.

    Dito isso,
    alguém poderia, por obséquio,
    tirar-me as seguintes dúvidas
    (por favor, cite suas fontes):

    1. Dom Fellay já fez alguma manifestação, expressa ou tácita,
    mas inequívoca, de adesão ao Modernismo e de concordância
    com as sandices do clero conciliar? Ou se trata apenas de
    temor que isso aconteça?

    2. Ele sustenta ou já sustentou alguma heresia?

    3. Existe alguma informação não pública
    que justifique que ele (e outros dois Bispos,
    e toda sua “sua gangue”) sejam tratados como bandidos
    e hereges?

    4. Existe alguma informação que permita
    que algumas pessoas suponham que o interesse
    da FSSPX nesse tipo de regularização seja movido
    pela ganância? Ou é mera maledicência mesmo?

    Do contrário,
    em que se fundamentam essas pessoas
    que se referem a ele como traidor?

    Será LÍCITO tratar e taxar alguém de traidor
    por PRESUMIR- seja com boa ou má vontade –
    que um dia ele, quiçá, possa trair?

    Será LÍCITO não pedir autorização a um superior
    por simplesmente PRESUMIR que ele não irá
    concedê-la, ou que só irá concede-la mediante
    uma condição que a Lei de Deus não me
    permitiria cumprir?

    Será ÍLICITO receber dinheiro de um governo
    não-cristão?
    Mas o dinheiro é do governante ou é do
    Estado?
    Isso quer dizer que todo e qualquer servidor
    público argentino incorre em pecado por receber
    recursos do Estado?
    Nesse caso, o que dizer de Santos que não só
    recebiam seu salário de Impérios pagãos
    como, muitas vezes, foram militares
    desses governos?

    Ainda, será ILÍCITO receber ou aceitar
    qualquer tipo de favor que provenha
    de governos ou autoridades não-cristãs?
    Nesse caso, o que dizer
    dos primeiros cristãos, que não só
    recebiam de bom grado a benevolência
    de imperadores pagãos (aqueles que proibiam que
    os cristãos fossem perseguidos, por exemplo),
    como ainda se mostravam agradecidos
    pelos favores recebidos?

    Não tenho a intenção de criar polêmicas,
    mas para se tirar conclusões e consequências
    sensatas, é preciso que nossas premissas
    sejam coerentes e bem fundamentadas.
    Do contrário, ainda que de boa vontade
    e por motivos nobres, podemos incorrer
    em grande erro.

  18. Um fato: A FSSPX JÁ era reconhecida na Argentina quando Dom Williamson ainda era superior do seminário de La Reja, mas prefere manter uma posição desonesta colocando soldadinhos de chumbo para não somente difamar Dom Fellay como fazer o triste e astuto trabalho de desconstrução de uma obra feita pelo Bispo que ele traiu com a mentira.

    ”É com muita consternação que eu fiquei sabendo que você cavou sua expulsão da Fraternidade por desobediência. Você é um bispo, mas se comporta como um jornalista. Eu não lhe farei mais nenhuma censura, mas devo dizer-lhe que o Arcebispo pensou estar fazendo um grande bem ao lhe consagrar
    bispo e você o retribuiu com uma mentira.”

    (Dom Tissier de Mallerais em resposta a Dom Richard Williamson)

    Paz e Bem!

    A árvore está carregada de frutos e os ladrões lhe tacam pedras para colhe-los antes de do jardineiro.

    “Traidor à verdade, importa sabê-lo, não é só quem, em lugar dela, sustenta o erro; também o é aquele que, podendo, não a prega livremente, não a defende abertamente, quando urge fazê-lo”

    (Dom Frei Vital Maria).

  19. Gercione Lima, não ataquei a FSSPX, meus comentários mais severos se dirigiram sem prazer algum aos papas e a hierarquia pós-conciliar e às comunidades Ecclesia Dei.
    A senhora é dada a chiliques, e isso é problema seu, mas não escrevo indiretas. Se tivesse que dizer algo contra a FSSPX, teria dito. Portanto, não compreendi o porquê do seu faniquito.
    Me parece que o catecismo aqui é comum a todos: e lá está escrito que para ser católico, deve-se 1 – Ser batizado, 2 – Crer em todas as verdades de Fé, 3 – Reconhecer o papa como chefe supremo da Igreja e 4 – o não estar excomungado.
    Que a Igreja é a sociedade de fiéis, cujo chefe supremo é o papa, isso ninguém questiona. Agora se a senhora numa altura dessas descobre que não se sente católica por estar vinculada a uma fraternidade que a própria Santa Sé declara oficialmente à margem da Igreja, porque não segue sua consciência e se integra com o papa Bergoglio e todo o seu clero?
    Eles deixam de observar a Sã Doutrina e se atiram às fábulas, passam a admitir preceitos condenados pelo Magistério Ordinário e pelas encíclicas dos próprios predecessores, e quem não os segue no mesmo abismo é que deixa de ser católico?
    Ninguém aqui nega a Igreja Visível e Invisível. Se a senhora sente-se desconfortável, assim como se sentiram Campos, o Le Barroux e etc, então talvez agora eu entenda a razão dos seus arroubos. A carapuça parece que serviu… Só espero que não seja tendência na FSSPX, a qual perdi a confiança, mas evito acusar, por esperar que esteja enganado a respeito da mesma.
    Se fizéssemos uma enquete neste blog para saber quem mais cita D. Williamson, certamente a senhora estaria no topo do pódio, pois nenhum dos simpáticos à Resistência certamente o têm tão fixado à mente quanto a senhora, que não perde a oportunidade de recordá-lo com seu costumeiro ódio, parece até idéia fixa..
    Não é a primeira vez que percebo suas mentiras proferidas no afã de destruir o que toma por inimigos. Certa feita a senhora, em suas azedas diatribes contra todas as comunidades religiosas brasileiras que se afastaram da FSSPX, afirmou fraudulentamente que as mesmas jamais se importaram em fazer apostolado, o que rebati neste sítio com meu próprio testemunho, pois eu mesmo ouvia os relatos do padre Jahir acerca das comunidades distantes que o mesmo ia visitar, dizer missa, confessar e ministrar a Extrema Unção. E isso muito antes da crise que rachou a FSSPX. Do mesmo modo estão aí as comunidades de Vitória/ES, Maringá/PR, Teixeira de Freitas/BA, Anagé/BA, Serrinha/BA etc, atendidas tanto pelos padres da FBMV como por D. Tomás de Aquino O.S.B, tudo isso esquecido ou ignorado pela senhora, em seu afã de combatê-las pelo crime de “alta traição” contra os rumos de Écône.
    E agora venho lhe perguntar de onde tirou a conclusão de que, pelo fato de eu conhecer com algum detalhe as divisões do anglicanismo, isso significaria que li D. Williamson e lhe copiei as palavras?
    Se a senhora, que me chama de papagaio insensato, se a senhora não tivesse atribuído esta analogia a algo escrito por D. Williamson, eu jamais saberia de tal coincidência. Se eu leio História da Igreja e aspectos de outras denominações cristãs, isso não me faz um papagaio insensato de D. Williamson, mas lhe faz uma mulher leviana e mentirosa.
    O que disse a respeito da hierarquia atual vai de encontro com uma afirmação atribuída a D. Antônio de Castro Mayer, que teria afirmado que a aceitação do Concílio sem nenhuma reserva leva diretamente à perda da Fé Católica. O que os papas atuais demonstram não apenas por palavras, mas por gestos, como os encontros ecumênicos e outras atitudes. E o que eu disse a respeito da busca pela unidade prescindida da adesão comum à mesma Fé foi de maneira geral, aplicada para todos e não específica a grupo algum. Pra cima de mim…

  20. BRUNO LUIS SANTANA DISSE:
    Gercione Lima, não ataquei a FSSPX, meus comentários mais severos se dirigiram sem prazer algum aos papas e a hierarquia pós-conciliar e às comunidades Ecclesia Dei.
    A senhora é dada a chiliques, e isso é problema seu, mas não escrevo indiretas. Se tivesse que dizer algo contra a FSSPX, teria dito. Portanto, não compreendi o porquê do seu faniquito.

    RESPOSTA:
    Faniquito e chiliques é coisa de viado e você não está falando com um, portanto poupe-me do seu “ad homnes” porque eu ataco falácias e não pessoas. Eu tenho idade pra ser sua mãe, portanto respeito é bom e eu o exijo de quem quer que seja! Se você fez um comentário num post cujo tema é SSPX é obvio que seu ataque tinha, como sempre tem, o alvo certo.
    Você pode não me conhecer pessoalmente, mas eu já te vi sim lá na Capela do Padre Jahir, tenho até foto sua que meu marido tirou e posso te dizer que quando eu comecei a trilhar meu caminho de volta à Tradição da Igreja ( fui batizada antes do fechamento do Concílio) você ainda não havia saído dos cueiros. Você poderia ter lido toda a Summa Teológica de São Tomás de Aquino, poderia ter sido aluno de Dom Williamson em um dos seminários da SSPX e ainda assim lhe faltaria algo que é importante na formação do discernimento: experiência de vida.
    São Paulo diz em I Coríntios 13:11: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino”. Pois pra você ainda falta muito pra falar como homem.

    BRUNO LUIS SANTANA DISSE:
    Me parece que o catecismo aqui é comum a todos: e lá está escrito que para ser católico, deve-se 1 – Ser batizado, 2 – Crer em todas as verdades de Fé, 3 – Reconhecer o papa como chefe supremo da Igreja e 4 – o não estar excomungado.
    Que a Igreja é a sociedade de fiéis, cujo chefe supremo é o papa, isso ninguém questiona. Agora se a senhora numa altura dessas descobre que não se sente católica por estar vinculada a uma fraternidade que a própria Santa Sé declara oficialmente à margem da Igreja, porque não segue sua consciência e se integra com o papa Bergoglio e todo o seu clero?

    RESPOSTA:
    Em primeiro lugar, quem não se cansa de vir aqui dizer que se orgulha de “não fazer parte” dessa estrutura visível chamada “igreja conciliar” é você e não eu. Em segundo lugar, quando pisei pela primeira vez numa capela da SSPX, a primeira coisa que procurei saber do padre que me recebeu era se eles eram cismáticos. Foram anos de chumbo sendo martelada por Carlos Ramalhete e Orlando Fedeli que chamavam a Fraternidade de cismática enquanto Dom Tissier me provava por A + B que não eram.
    Naquela época, graças à Divina Providência, não cheguei a ter contacto com Dom Williamson, porque alguns padres que conviveram com ele revelaram mais tarde em vários blogs pela internet que desde seus primeiros anos em Econe, sua posição era claramente sedevacantista e que frequentemente o ouviam declarar: “Estamos sem Papa”, mas por causa da controvérsia que esse assunto causa, preferimos negar essa posição ao público.
    Que Dom Lefebvre manteve todos os canais abertos com as autoridades de Roma até as vésperas do episódio das Consagrações Episcopais, isso é fato. Foi Roma que fechou esse canal com o Ecclesia Dei Aflicta numa tentativa de dissolver a Fraternidade ao oferecer prelazias e outras comodidades aos egressos. Eu vivi aqueles anos e sei do que estou falando. Enquanto você pegou o bonde andando e já quer sentar na janelinha.
    Certa vez, lendo o livro Igreja Popular de Dom Boaventura Klopenburg, vi uma declaração do teólogo da libertação Pablo Richard que dizia: “nós não sairemos da Igreja, mas far-lhe-emos a vida impossível para que saiam eles”. E isso me alertou pra algo importante: é sim parte do plano dos impostores modernistas que saiam os “pelagianos, os restauracionistas” para que a fortaleza assaltada fique à mercê dos lobos que dizimam as ovelhas sem piedade.
    Então burrice é ficar fora do curral das ovelhas latindo enquanto os lobos fazem a chacina. A gente resiste a uma situação enquanto está dentro dela, quando se saiu fora não tem mais o que resistir. Jesus já nos alertava que os filhos das trevas são mais espertos que os filhos da luz, portanto com Bergoglio ou sem Bergoglio ( cuja eleição pra mim é pra lá de questionável) eu sou parte dessa Igreja, porque fui batizada e confirmada nela, me casei dentro dela, ela é parte da minha história. Se hoje dou jurisdição pessoal aos padres e Bispos da SSPX pra que cuidem da salvação da minha alma é porque os acho mais capacitados e me são acessíveis, mas na falta deles seriam os padres do Oratório de São Felipe Neri, da FSP, do IBP ou até qualquer padre sério que celebra segundo o Summorum Pontificum.

    BRUNO LUIS SANTANA DISSE:
    Eles deixam de observar a Sã Doutrina e se atiram às fábulas, passam a admitir preceitos condenados pelo Magistério Ordinário e pelas encíclicas dos próprios predecessores, e quem não os segue no mesmo abismo é que deixa de ser católico?
    Ninguém aqui nega a Igreja Visível e Invisível. Se a senhora sente-se desconfortável, assim como se sentiram Campos, o Le Barroux e etc, então talvez agora eu entenda a razão dos seus arroubos. A carapuça parece que serviu… Só espero que não seja tendência na FSSPX, a qual perdi a confiança, mas evito acusar, por esperar que esteja enganado a respeito da mesma.

    RESPOSTA:
    Eles quem? Todos os membros da hierarquia? Uma alcatéia que tomou postos chaves ou se trata da Igreja como um todo? Nem Satanás meu caro, nega a realidade da Igreja Visível e Invisível. O simples fato é que para Dom Williamson e seu séquito de seguidores qualquer tentativa de diálogo com as autoridades em Roma são erradas. De modo que até um almoço com um Cardeal do Vaticano é tido por ele como conduta inapropriada ou uma traição a Dom Lefebvre. Como se Dom Lefebvre não tivesse tido vários encontros dessa natureza no passado!
    É óbvio que Dom Williamson vê Roma como um lugar pernicioso a ser evitado como a lepra, ao invés do centro do Catolicismo e a Sé Apostólica. A posição que ele defende não fica nada a dever aos seguidores do Bispo Donato, que se alguém da outra facção entrasse em uma de suas igrejas eles o expulsavam e lavavam com sal o chão onde pisara. Ao se apossarem de uma igreja lavavam o chão, raspavam as paredes, queimavam o altar (geralmente de madeira), fundiam o metal dos objetos sagrados e jogavam as hóstias para os cachorros.
    Com todos os erros que possa ter…com toda a corrupção que possa existir, alguém que se diz Católico não pode recusar a admitir a realidade da Igreja visivel. Aqueles pisos de mármore tem história…de Bellini a Michelangelo é tudo Igreja e história da Igreja. Infelizmente, essa posição nem é mais sedevacantista e sim “ecclesiavacantista”. Ou seja, para pessoas como você a Igreja como realidade concreta deixou de existir…e só “a resistência” agora é igreja ou os remanescentes da verdadeira igreja visivel. E depois ainda falam em heresia!
    Santo Agostinho em resposta à carta chamada “Do Fundamento 4”, diz:

    “Mesmo deixando de lado, repito, esta sabedoria que você não acredita que está na Igreja Católica, há muitas outras coisas que me mantêm em seu ventre. Eu tenho o consenso dos povos e nações; me sujeita a sua autoridade apresentada por milagres, alimentada com a esperança, aumentada com amor, e estabelecida com a antiguidade. Me sujeita a sucessão de sacerdotes da mesma cátedra do apóstolo Pedro, a quem o Senhor confiou, depois da sua ressurreição, o pastoreio de suas ovelhas até o presente episcopado. Me sujeita finalmente o mesmo nome de “Católica” que não sem motivo só esta Igreja obteve entre tantas as heresias.”(Réplica a carta chamada «Do Fundamento», 4 )

    Essa posição de Dom Williamson é fruto do seu ranço anglicano, do qual ele nunca se libertou. Eu li certa feita uma reportagem onde citavam Bento XVI declarando que dos quarto Bispos da SSPX, Williamson não era Católico no verdadeiro sentido da palavra, porque embora tenha se convertido ao Catolicismo numa época de muita confusão na Igreja (1973) ele viu no movimento de Monsenhor Lefebvre muito mais um movimento de resistência contra Roma do que uma busca pela fé da Roma Eterna.
    Quanto a você e sua perda de confiança na SSPX, lamento informaar-lhe que não se pode perder aquilo que nunca se teve. Você segue padre Jahir como seu guru particular e enquanto ele endossava a FSSPX você também a apoiava, no momento em que ele resolveu cuspir no prato em que comeu, você fez o mesmo.
    Conheço muitos daquela comunidade que preferiram ficar encima do muro por medo de perder o único lugar de acesso à missa tridentina, porque me disseram que receiam tomar posição e serem banidos de lá como Padre Jahir fez com vários que não comungam do seu sectarismo.
    Então nesse sentido não vejo nenhuma diferença entre ele e os sacrílegos modernistas que usam a Santa Missa como instrumento de controle de adeptos.

    BRUNO LUIS SANTANA DISSE:
    Se fizéssemos uma enquete neste blog para saber quem mais cita D. Williamson, certamente a senhora estaria no topo do pódio, pois nenhum dos simpáticos à Resistência certamente o têm tão fixado à mente quanto a senhora, que não perde a oportunidade de recordá-lo com seu costumeiro ódio, parece até idéia fixa..
    Não é a primeira vez que percebo suas mentiras proferidas no afã de destruir o que toma por inimigos.

    RESPOSTA:
    E vou citar sempre que vierem aqui os arautos da pseudo-resistencia espalhar mentiras sobre a FSSPX. Se você percebeu que eu disse algo que não corresponde à realidade, porque não rebateu claramente e apresentou fatos contrarios?
    Eu posso apresentar-lhe provas e citar claramente as fontes de tudo o que postei. Aliás, muitas das asneiras que Bispo Williamson diz, estão fartamente documentadas em suas entrevistas e conferências no Youtube.
    Ele vive tão obsecado com teorias de conspiração que parece ter se esquecido completamente de seu ofício de ensinar a sã doutrina da salvação! A última teoria de conspiração é viajar, ele e o consagrado Faure em aviões separados por medo que algum atentado prive a “Resistência” de sucessão apostólica! A esse ponto deveríamos analisar se em algum momento Jesus minou sua própria credibilidade falando de coisas que não diziam respeito à sua missão.
    Muito pelo contrário! Todas vezes que os fariseus armavam-lhe ciladas para envolvê-lo em controvérsias temporais Ele sabiamente se esquivou oferecendo-lhes parábolas que desmascaravam não somente a hipocrisia deles como suas pérfidas intenções. Que falta nos faz um Bispo sábio que com palavras de autoridade sabe colocar jornalistas em seu devido lugar, levando muitos deles à conversão ao invés de se tornar objeto de manipulação e escárnio da mídia!
    O fato é que Bispo Williamson fez de si mesmo um espetáculo e objeto de escárnio ao sair propagando suas infantis teorias de conspiração na mesma mídia que ele considera demoníaca. Se era pra brincar com o demônio, esse último se mostrou bem mais esperto do que ele. E ele sabia bem que suas ações seriam motivo de constrangimento para o Papa, para a SSPX e todos seus membros. Ele colocou seu hobby, seu orgulho intelectual e sua vaidade acima dos interesses da Igreja e da Fraternidade a qual ele foi consagrado Bispo para servir.
    Novamente, o que ele acredita a respeito do Holocausto, dos atentados de 11 de Setembro…etc é problema pessoal dele. O grande problema é ele sair por ai promovendo essas teorias para os incautos com a desculpa de alimentar e santificar os fiéis de acordo com a Sã Doutrina. Usar a Sã Doutrina e a Missa Tradicional como veículo para transmitir juntamente lixo intelectual ou atacar seus irmãos no Episcopado, se não for sacrilégio é no mínimo desonestidade intelectual e ruptura moral.
    A essa altura, creio que alguns de seus seguidores deveriam, por dever de caridade, adverti-lo para medir melhor suas palavras e deixar seu escárnio e criticas maldosas restritas a ambientes privados. Poupe-nos desse espetáculo deprimente. Parece que Dom Williamson se esqueceu por completo (ou nunca ligou para) os princípios mais elementares da correção fraterna, segundo a qual as queixas que porventura se tenha contra um irmão no episcopado devem ser tratadas em privado.
    E se você realmente se preocupa com aqueles que tem idéia fixa e que não perdem a oportunidade de recordá-la com seu costumeiro ódio, será que terá o mesmo desplante e a desfaçatez, de acusar Dom Williamson de fazer o mesmo com relação à SSPX?
    Eu pelo menos como leiga tenho liberdade de me expresser livremente sobre esses assuntos, pessoalmente ou pela internet, mas o que dizer de um Bispo que se aproveita da celebração de um sacramento como Crisma ou Santa Missa pra envenenar os fiéis com suas calúnias? Ou vai dizer que ele não fez isso na homilia da Missa de Páscoa celebrada recentemente no Mosteiro de Padre Jahir? Sei de pessoas que se sentiram profundamente constrangidas e sairam dali com um sabor amargo em pleno domingo da Ressurreição porque ao invés de ouvir a boa nova da Ressurreição tiveram que ouvir que o poder das trevas triunfou sobre a SSPX!
    E você sabe disso, mas como pau que dá em Chico não dá em Francisco, a mesma severidade que você usa ao vir aqui de dedo em riste contra os papas e a hierarquia pós-conciliar ou às comunidades Ecclesia Dei, simplesmente desaparece quando se vê algo bem pior naqueles a quem você jurou aliança e vassalagem.

    BRUNO LUIS SANTANA DISSE:
    Certa feita a senhora, em suas azedas diatribes contra todas as comunidades religiosas brasileiras que se afastaram da FSSPX, afirmou fraudulentamente que as mesmas jamais se importaram em fazer apostolado, o que rebati neste sítio com meu próprio testemunho, pois eu mesmo ouvia os relatos do padre Jahir acerca das comunidades distantes que o mesmo ia visitar, dizer missa, confessar e ministrar a Extrema Unção. E isso muito antes da crise que rachou a FSSPX. Do mesmo modo estão aí as comunidades de Vitória/ES, Maringá/PR, Teixeira de Freitas/BA, Anagé/BA, Serrinha/BA etc, atendidas tanto pelos padres da FBMV como por D. Tomás de Aquino O.S.B, tudo isso esquecido ou ignorado pela senhora, em seu afã de combatê-las pelo crime de “alta traição” contra os rumos de Écône.

    RESPOSTA:
    Se você tiver um pingo de honestidade ( prefiro acreditar que é cegueira mesmo) terá que admitir que o próprio Padre Jahir em suas palestras, inclusive a que está gravada no Youtube, já disse várias vezes que a sua comunidade deveria ser uma comunidade fechada, mas ele foi obrigado a abri-la por causa da procura dos fiéis. Quando eu morava em Salvador, cheguei a ficar chateada com o Padre Angelo da paróquia do Rio Vermelho porque ele sabia do famoso padre que rezava a Missa Tridentina em Candeias mas disse que não podia nos informar porque Padre Jahir não queria. Eu só vim a saber através de Dom Lourenço ( que na época era seu amigo) e assim informei a um pequeno grupo de Salvador ( que não vou citar aqui nomes por razões óbvias, mas que te conhecem muito bem) que começou a frequenter lá e até hoje me mantém informada do que se passa por lá.
    E eu reitero o que eu disse: ambas as comunidades MONÁSTICAS jamais se engajarem no apostolado missionário típico de comunidades paroquiais. Podem ter prestado assistencia esporádica aqui e ali a alguns de seus benfeitores e colaboradores, mas Missa Tridentina só começou a se espalhar por cidades pelo Brasil afora graças ao Summorum Pontificum. Até mesmo o apostolado dos Padres de Campos por muitos anos ficou restrito àquela diocese, ao passo que no USA e Canadá a presença da FSSPX, IBP. FSP…etc é fato consumado em quase toda grande cidade.
    Espero que esse apostolado cresça também no Brasil de modo independente, mediante a abertura de priorados e reconhecimento por parte das autoridades seculares, como Associação de direito diocesano, com sede legal e domicílio especial, pois os recentes episódios provaram que a SSPX não pode ficar a mercê de “comunidades mui amigas” e que tampouco os fiéis que buscam a Missa Tridentina podem ficar à mercê de bispos e padres tradicionalistas sectários que usam os Sacramentos como meio de chantagem espiritual.

    BRUNO LUIS SANTANA DISSE:
    E agora venho lhe perguntar de onde tirou a conclusão de que, pelo fato de eu conhecer com algum detalhe as divisões do anglicanismo, isso significaria que li D. Williamson e lhe copiei as palavras?
    Se a senhora, que me chama de papagaio insensato, se a senhora não tivesse atribuído esta analogia a algo escrito por D. Williamson, eu jamais saberia de tal coincidência. Se eu leio História da Igreja e aspectos de outras denominações cristãs, isso não me faz um papagaio insensato de D. Williamson, mas lhe faz uma mulher leviana e mentirosa.
    O que disse a respeito da hierarquia atual vai de encontro com uma afirmação atribuída a D. Antônio de Castro Mayer, que teria afirmado que a aceitação do Concílio sem nenhuma reserva leva diretamente à perda da Fé Católica. O que os papas atuais demonstram não apenas por palavras, mas por gestos, como os encontros ecumênicos e outras atitudes. E o que eu disse a respeito da busca pela unidade prescindida da adesão comum à mesma Fé foi de maneira geral, aplicada para todos e não específica a grupo algum. Pra cima de mim…

    RESPOSTA:
    Eu já disse que enquanto você vem com o fubá, eu já to voltando com o bolo. Muito do que você escreve pra combater a FSSPX, é cópia ad verbatim do que Dom Williamson diz em suas palestras e em seu blog na internet, portanto quem não conhece a ambos, que comprem suas falácias.
    Finalizando, peço-lhe que não guarde rancor em seu coração, estarei rezando por você porque não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares. “Não sabeis de que espírito sois animados”.

  21. O pessoal da desistência pra agir legalmente na Argentina vai preferir se dizer outra religião? Não Católica? Desligada formalmente de Roma?

  22. Meu Deus! as duas pessoas mais brilhantes que comentam no Fratres, numa acirrada briga cheia de ódio não disfarçado. Quer dizer, a parte do Bruno Santana, nem tanto, mas da Gercione – apesar de seus argumentos me convencerem mais que o Bruno – usa de uma ferocidade terrível, inadmissível entre discípulos de Jesus.
    Porque não combate apenas os fatos e as opiniões, sem ataques nem defesas pessoais? Quem os lê, os admira e quer aprender, mas, como filhos que observam uma briga rancorosa entre os pais, perdem toda segurança e confiança. E quem continua em profundas dúvidas como eu, mergulha ainda mais fundo nelas. Não é a discussão, o debate que é ruim, pelo contrário, é elucidativo, construtivo. Mas o desafeto hostil e intolerante, a incapacidade de acreditar na retidão da busca do que pensa e julga diferente, isso é muito preocupante.
    Continuo admirando a ambos, a Gercione, corajosa, aguda, conhecedora de tudo, cujos argumentos me parecem quase sempre, quase perfeitos. E o Bruno Santana, que demonstra uma profunda e retíssima inteligência espiritual e humildade verdadeiras. Mas por favor, se reconciliem e confiem não só na busca sincera que ambos fazem, de servir e ser fiel ao Senhor, mas até na busca sincera daqueles de quem falam (D. Fellay, d. Williamson, pe. Jahir etc), pois cada qual do seu jeito tá tentando acertar, mesmo se estiverem errando, tão tentando no meio da tempestade e da escuridão do momento atual, não deixar a barca afundar. Mesmo que algum deles sem perceber, esteja botando mais água pra dentro.

    • Teresa, concordo com você. Bruno e Gercione, embora discordantes, mais respeito e caridade um pelo outro, por favor. Vamos elevar o nível nos debates entre tradicionais.

  23. Ridícula a posição do pessoal da chamada “resistência”. Querem tirar proveito de um ato meramente administrativo para enganarem os leitores menos avisados como se fosse uma questão de fé. O próprio Bergolio já havia feito a mesma coisa quando era arcebispo de Buenos Aires.