Religiosos (da TL) se encontram com seu ídolo-mor. Fiéis lamentam presença de bispo de Mogi das Cruzes, que se justifica.

Em encontro com religiosos, Lula faz duras críticas a Dilma e a sua gestão: ‘ela está no volume morto’

Ex-presidente admitiu ainda que é ‘um sacrifício’ convencer sua sucessora a viajar pelo país e defender sua gestão

O Globo – Como se estivesse em um confessionário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva abriu o coração a um seleto grupo de padres e dirigentes de entidades religiosas no auditório de seu instituto, anteontem, em São Paulo. Em tom de desabafo, criticou duramente a presidente Dilma Rousseff e creditou ao governo dela, sobretudo no segundo mandato, a crise vivida pelos petistas. Para Lula, a taxa de aprovação da companheira está no “volume morto”, numa referência à situação hídrica paulista, e, com o silêncio do Planalto, o “governo parece um governo de mudos”. O ex-presidente admitiu ainda que é “um sacrifício” convencer sua sucessora a viajar pelo país e defender sua gestão.

Dom Pedro Luiz Stringhini discursa alegremente em encontro com o bezerro de ouro da Teologia da Libertação.

Dom Pedro Luiz Stringhini discursa alegremente em encontro com o bezerro de ouro da Teologia da Libertação.

— Dilma está no volume morto, o PT está abaixo do volume morto, e eu estou no volume morto. Todos estão numa situação muito ruim. E olha que o PT ainda é o melhor partido. Estamos perdendo para nós mesmos — disse Lula.

Para ilustrar a profundidade do poço em que se meteu o PT, Lula citou uma pesquisa interna do partido, que revela que a crise se instalou no coração da legenda, o ABC Paulista. Muito rouco, o ex-presidente dizia coisas como “o momento não está bom” e “o momento é difícil”.

— Acabamos de fazer uma pesquisa em Santo André e São Bernardo, e a nossa rejeição chega a 75%. Entreguei a pesquisa para Dilma, em que nós só temos 7% de bom e ótimo — disse Lula aos religiosos.

Ele afirmou ter dito à presidente: “Isso não é para você desanimar, não. Isso é para você saber que a gente tem de mudar, que a gente pode se recuperar. E entre o PT, entre eu e você, quem tem mais capacidade de se recuperar é o governo, porque tem iniciativa, tem recurso, tem uma máquina poderosa para poder falar, executar, inaugurar”.Na mesa, os mais de 30 participantes do encontro, entre eles o bispo dom Pedro Luiz Stringhini, não deram trégua ao ex-presidente. Sobraram críticas para o PT, o governo, o próprio Lula e seu pupilo, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. Os religiosos defenderam que o partido volte à antiga liturgia e se aproxime mais dos trabalhadores.

Lula concordou com a tese, dizendo que os petistas trocaram a discussão da política pela do mandato.

A reunião faz parte da estratégia do partido de tentar se reaproximar de sua base social. O interlocutor da ala religiosa é o ex-ministro Gilberto Carvalho, mencionado diversas vezes por Lula, em seu discurso de mais de 50 minutos, para exemplificar como o governo Dilma perdeu o contato com os movimentos sociais. Lula cobrou da presidente, e tem feito isso em outras reuniões reservadas, uma agenda positiva e mais exposição pública. Para o petista, Dilma deixou o governo mais distante dos mais pobres.

— Na falta de dinheiro, tem de entrar a política. Nesses últimos cinco anos, fizemos muito menos atividade política com o povo do que fizemos no outro período — disse ele, citando as conferências nacionais com grupos sociais:

— Isso acabou, Gilberto!

Lula reclamou que Dilma tem dificuldade de ouvir até mesmo os conselhos dados por ele:

— Gilberto sabe do sacrifício que é a gente pedir para a companheira Dilma viajar e falar. Porque na hora que a gente abraça, pega na mão, é outra coisa. Política é isso, o olhar no olho, o passar a mão na cabeça, o beijo.

Nesse ponto da conversa, o ex-presidente fez questão de ressaltar: falar com a população não é “agendar para falar na televisão”.

Durante a reunião, Gilberto Carvalho, que saiu do núcleo central do governo Dilma depois de muitas críticas à atuação da equipe da presidente, concordava com Lula, completava frases e assentia com a cabeça enquanto o ex-presidente subia o tom:

— Aquele gabinete (presidencial) é uma desgraça. Não entra ninguém para dar notícia boa. Os caras só entram para pedir alguma coisa. E como a maioria que vai lá é gente grã-fina… Só entrou hanseniano porque eu tava no governo, só entrou catador de papel porque eu tava no governo — disse Lula, que completou:

— Essa coisa se perdeu.

Lula revelou o quem tem conversado com Dilma nos encontros privados. Os dois têm feito reuniões em São Paulo, e a presidente só as informa na agenda oficial depois que são realizadas. Ele disse que fala para a presidente que a hora é de “ ir para a rua, viajar por esse país, botar o pé na estrada”. Diz ainda que os petistas não podem temer as vaias. Uma das armas para recuperar a combalida gestão, segundo ele, é investir na execução do Plano Nacional de Educação. O problema seria, de acordo com ele mesmo, que o próprio PT desconhece o conteúdo do plano.

“OS MINISTROS TÊM DE FALAR”

O petista, que não falou com os padres sobre uma possível candidatura à Presidência em 2018, mas não esconde que pode concorrer ao terceiro mandato, disparou fortemente contra os ministros, sobretudo os do PT.

— Os ministros têm de falar. Parece um governo de mudos. Os ministros que viajam são os que não são do PT. Kassab já visitou 23 estados, não sei quem já visitou 40 estados —exagerou.

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, preside o PSD e quer recriar o Partido Liberal. Foi citado mais uma vez, para criticar o desânimo dos líderes petistas:— Aí não dá. Kassab já tá criando outro partido e a gente não tá defendendo nem o da gente!

Lula disse que também tem chamado a atenção do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, dizendo que ele deveria fazer mais discursos públicos.

— Pelo amor de Deus, Aloizio, você é um tremendo orador — disse ele, que emendou, arrancando risos dos religiosos: — É certo que é pouco simpático.

O ex-presidente ressaltou ainda que “inaugura-se (obra do) Minha Casa Minha Vida todos os dias”, mas que os políticos locais não destacam o papel do governo nas obras.

Para criticar o empenho de Dilma na aprovação do ajuste fiscal, Lula afirmou:

— Falar é uma arma sagrada. Estamos há seis meses discutindo ajuste. Ajuste não é programa de governo. Em vez de falar de ajuste… Depois de ajuste vem o quê? — criticou Lula, apontando que é preciso “fazer as pessoas acreditarem que o que vem pela frente é muito bom”. Segundo o petista, “agora parece que acabou o (assunto) do ajuste”.

A VACA TOSSIU

Lula disse que o governo não dá boas notícias ao país.

— Nós tivemos as eleições no dia 26 de outubro. De lá pra cá, Gilberto, nós temos que dizer para vocês, porque vocês são companheiros, depois de nossa vitória, qual é a noticia boa que nós demos para este país? Essa pergunta eu fiz para a companheira Dilma no dia 16 de março, na casa dela.

Segundo Lula, nesse encontro estavam os ministros Mercadante, Jacques Wagner (Defesa) e Miguel Rossetto (Secretaria Geral da Presidência), além de Rui Falcão, presidente nacional do PT.

—Eu fiz essa pergunta para Dilma: “Companheira, você lembra qual foi a última notícia boa que demos ao Brasil?” E ela não lembrava. Como nenhum ministro lembrava. Como eu tinha estado com seis senadores, e eles não lembravam. Como eu tinha estado com 16 deputados federais, e eles não lembravam. Como eu estive com a CUT, e ninguém lembrava.

Para os religiosos — que foram recebidos no Instituto Lula com café, refrigerantes, sanduíches e docinhos como brigadeiro e olho de sogra — Lula continuou a “confissão”, elencando as más notícias dadas pelo governo:

— Primeiro: inflação. Segundo: aumento da conta de água, que dobrou. Terceiro: aumento da conta de luz, que para algumas pessoas triplicou. Quarto: aumento da gasolina, do diesel, aumento do dólar, aumento das denúncias de corrupção da Lava-Jato, aquela confusão desgraçada que nós fizemos com o Fies (Financiamento Estudantil), que era uma coisa tranquila e que foram mexer e virou uma desgraceira que não tem precedente. E o anúncio do que ia mexer na pensão, na aposentadoria dos trabalhadores.

Nesse momento, Lula resgatou as promessas não cumpridas por Dilma durante a última campanha eleitoral.

— Tem uma frase da companheira Dilma que é sagrada: “Eu não mexo no direito dos trabalhadores nem que a vaca tussa”. E mexeu. Tem outra frase, Gilberto, que é marcante, que é a frase que diz o seguinte: “Eu não vou fazer ajuste, ajuste é coisa de tucano”. E fez. E os tucanos sabiamente colocaram Dilma falando isso (no programa de TV do partido) e dizendo que ela mente. Era uma coisa muito forte. E fiquei muito preocupado.

O ex-presidente ainda disse aos religiosos — entre eles o padre Julio Lancelotti, dirigentes de pastorais católicas e um pastor evangélico — não acreditar na existência do mensalão.

Não acredito que tenha havido mensalão. Não acredito. Pode ter havido qualquer outra coisa, mas eu duvido que tenha havido compra de voto — disse ele, mencionando que o ex-deputado Luizinho, do PT de Santo André, não poderia ter voto comprado no mensalão porque era, na época do escândalo, em 2005, líder do governo.

Lula repetiu a crítica que tem feito desde o início do ano nas reuniões do partido: a de que os petistas saíram derrotados do caso do mensalão porque trataram do caso “juridicamente”, quando a discussão, segundo ele, é política. Os petistas têm se desdobrado para defender, desta vez, o ex-tesoureiro João Vaccari Neto, acusado de integrar o esquema descoberto pela Operação Lava-Jato, numa mudança em relação à postura adotada sobre o ex-tesoureiro Delúbio Soares.

Durante as investigações do mensalão, a direção do PT expulsou Delúbio, que só voltou a ser defendido pelos principais nomes da legenda quando começou o julgamento no Supremo.

— Nós começamos a quebrar a cara ao tratar do mensalão juridicamente. Então, cada um contratou um advogado. Advogado muito sabido, esperto, famoso, desfilando por aí, falando que a gente ia ganhar na Justiça. E a imprensa condenando. Todo dia tinha uma sentença. Quando chegou o dia do julgamento, o pessoal já estava condenado — disse Lula.

* * *
Após divulgar fotos do encontro em seu perfil no Facebook e receber uma avalanche de críticas, o bispo diocesano de Mogi das Cruzes se pronunciou:
stringhini

18 Comentários to “Religiosos (da TL) se encontram com seu ídolo-mor. Fiéis lamentam presença de bispo de Mogi das Cruzes, que se justifica.”

  1. O reverendíssimo Bispo pode e deve continuar ajudando os outros, o que ele não pode é associar ao capeta para fazer isso.

  2. Bastam 5 minutos diante do seu “salvador” que os religiosos da TL deixam a máscara cair. É um diálogo de “cumadres e cumpadres”, todos farinha do mesmo saco.

    O problema do PT é a diabólica doutrina do Socialismo já condenada pela Igreja. Ficar patinando em cima de temas sociais e não mexer na ferida deles é fazer papel de bobo. Vejam a loucura: O Lula, Padrinho da Dona Dilma, critica o PT e a própria Dilma e se coloca numa posição neutra, impoluta, parecendo que ele mesmo não é o chefão do pior esquema de corrução da história moderna das democracias do Ocidente!

    E o Bispo está na frente dele o critica no máximo politicamente uma figura desprezível como esse!

  3. Ou seja,Lula já está em plena campanha eleitoral .E seu mote é :”Se não tem verba,use o verbo!”.

    E tem religiosos,como esse bispo,que acha q trabalhar pelo social é servir de escadinha para o Molusco

    dar seu recado.

  4. Curioso esse post do Bispo Pedro Luis no FB: Se a *principal* vocação dele é mesmo a promoção social, então por que ele não fez um curso de “Serviço Social”. Ainda dá tempo! E a Prefeitura ganharia com isso! Pelo menos assim, trabalhando com as próprias mãos, ganhando seu próprio dinheiro, ele não viveria das ESMOLAS da Igreja, destinadas ao auxílio dos pobres, é verdade, mas também e sobretudo à pregação do evangelho e edificação da Igreja. Foi essa, aliás, a pregação, a “opção preferencial” dos Apóstolos de quem Pedro Luis seria um sucessor:

    «Não convém que deixemos de pregar a palavra de Deus, para servirmos às mesas. 3Escolhei entre vós, irmãos, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, para lhes confiarmos esse cargo. 4Quanto a nós, vamos dedicar-nos totalmente à oração e ao ministério da palavra». (At 6, 2b-5)

    Aliás, quantos pobres a promoção social do Bispo Pedro Luis atraiu pra Igreja de Deus? Ou eles foram ser tosquiados e mortos pela aflita devoradora protestante Elísia Malasaias?

  5. Diálogo.. ah, o famoso “diálogo”.. essa é a nova desculpa do século para defender comunistas, terroristas e toda classe de bandidos e enganadores. Vamos dialogar, blá blá blá.

    Jesus no Evangelho não ficou dialogando com o diabo nem cedendo às suas promessas, Ele retrucou com as Sagradas Escrituras!

  6. Caríssimos,

    Conheço pessoalmente D. Pedro. Ainda que possamos lamentar sua participação neste evento (e eu pessoalmente lamento), temos de ter o cuidado para não o pintar como um inimigo da Igreja ou da Tradição.

    D. Pedro é um bom bispo. Tem sim um lado voltado ao social (e até ao socialismo), mas é um pastor de almas que REALMENTE se preocupa com seu rebanho. O discurso dele não é hipócrita.

    Dos bispos que passaram em Franca desde que restauramos a Missa Tridentina em nossa diocese, ele foi o único que não somente não opôs qualquer obstáculo ao crescimento da Missa mas que, igualmente, atuou para que ela se tornasse uma realidade e para que crescesse. Se não cresceu, a culpa foi apenas dos leigos, que amam a Tradição pela internet mas que são incapazes de sacrificar o que quer que seja para o triunfo da Igreja de Sempre e que não se animaram para vencer dificuldades tolas que acabaram por se apresentar.

    Dos bispos que passaram por aqui, foi o que mais soube entender as necessidades de nossas almas e o único que nos tratou sem desconfianças e sem nos ver ou como ETs ou como saudosistas.

    Então, critiquemos o que deve ser criticado. Mas não percamos de vista estarmos diante de um verdadeiro bispo com verdadeiras preocupações com seu rebanho.

  7. Pessoal, segue e-mail que enviei para o Bispo dom Pedro Luiz Stringhini,

    “de: renato assis assis
    para: curiadiocesanamogi@uol.com.br
    data: 22 de junho de 2015 11:27
    assunto: Instituto Lula – comparecimento lamentável
    enviado por: oi.com.br

    Senhor bispo,

    In Verbo Autem Tuo (“Em resposta a tua Palavra” – Lc 5,5)

    Temos a honra de cumprimentá-lo ao tempo em que lamentamos profundamente o seu comparecimento no Instituto Lula recentemente. Como ainda há “joio misturado no trigo” infiltrado no seio da Igreja, profetizou Jesus há dois mil anos.

    Como pastor, Vossa Excelência Reverendíssima deve Anunciar o Evangelho da Vida (detalhe: o estatuto do PT defende o aborto, inclusive expulsou dois deputados federais (BA e AC) e Denunciar os Sinais de Morte na sociedade (corrupção, alcoolismo, invasão de terras, lavagem de dinheiro, sonegação, enriquecimento ilícito, evasão de divisas …).

    Senhor bispo, aceito o seu desafio de visitar os presos (no seu perfil no Facebook). Aliás, informo que participava da pastoral carcerária de Brasília-DF, bem como atuei na Vara de Execuções criminais, conseguindo muitos direitos para os presos pobres sem advogados(diferentemente dos Mensaleiros Petistas que contrataram os melhores e mais caros advogados do Brasil).

    Vamos marcar sim, embora resida em Belo Horizonte. Sou católico apostólico romano e auditor fiscal de profissão (ameaçado de morte por políticos corruptos).

    Saudações cristãs,

    Renato e família.

    Seguem meus contatos:
    Renato Aguiar de Assis
    Rua Gentios, 50 apto 1101 – Coração de Jesus
    30380-490 Belo Horizonte –MG
    Tel: (31) 2515-3464 ou 9209-4467″

  8. A Igreja no Brasil só se emendará quando se livrar da sombra petista. Creio que, talvez, seja necessário, para se contrapor à sedição da Teologia da Libertação e seu compromisso orgânico com o petismo a criação de um partido católico, semelhante ao que foi o Zentrum na Alemanha, ainda que em contexto absolutamente distinto. Se na Alemanha a criação de um partido católico se deu como uma exigência para se proteger das investidas anti-católicas da Kulturkampf de Bismarck, entre nós tal empenho seria necessário para delinear um perímetro fundamental para a atuação dos leigos e do clero na vida pública nacional. Não é admissível que, a essa altura do desastre do lulismo, haja bispos que ainda têm a cara de pau de publicamente se imiscuir com essa gente. Para tanto, seria muito necessário que se instituísse uma confederação dos leigos católicos, forte o suficiente para tolher a sanha petista dos bispos vermelhos e dar ressonância à voz dos bispos fieis. Aí quem sabe o catolicismo brasileiro poderia deixar de se prestar a tão sórdido serviço, o de apoiar essa laia imunda que parasita o país há mais de 12 anos.

  9. O ilustre Bispo deve estar ocupadíssimo, ultimamente, visitando seus correligionários petistas presos. E, já que tudo indica que o número de presos vai aumentar, ele deve mesmo precisar de auxílio.

  10. A leitura atilada do evento é simples. O noticiário informa a dramática situação do governo de Dilma e o temor de Lula ser preso por ordem do juiz Moro. Nessas circunstâncias Lula bate no peito e pede o apoio dos bispos da Igreja Católica para si e para a Dilma. A história se repete.
    __
    De fato, uma semana antes do glorioso “31 de Março”, o então presidente João Goulart pediu apoio à cúpula da CNBB. Convidou para um almoço no Palácio das Laranjeiras o Cardeal de São Paulo, D. Motta, e o secretário-geral D. Helder Câmara. Mas a canoa estava mesmo furada e o artifício não deu certo. Restou ao Jango, no histórico discurso no Automóvel Clube em 30 de março, reclamar dos católicos que se opunham ao comunismo e atrapalhavam seu governo, e que denunciavam o apoio que o Cardeal Motta dava ao governo e recusavam as falácias da esquerda católica quando esta, através da Ação Católica de Minas e de São Paulo, investia contra o grupo do jornal Catolicismo, a TFP, Plinio Corrêa de Oliveira, e os bispos D. Antônio de Castro Mayer e D. Geraldo de Proença Sigaud, todos estes empenhados na luta contra a reforma agrária socialista e anticristã.
    __
    Os governos socialo-comunistas dependem do apoio da Igreja nas nações cristãs. É o que vemos se repetir no Brasil atual. Não quero dizer que estamos às vésperas de outra intervenção das Forças Armadas. Simplesmente destaco a gravíssima responsabilidade desses bispos que dão suporte ao neocomunismo, aos governos que apóiam o aborto e a agenda homossexual. Reproduzo a seguir o trecho do histórico discurso de Jango em que critica os católicos que não seguiam os prelados esquerdistas.
    __
    “Vimos, de repente, os políticos que mais pregaram o ódio neste país estenderem a mão para os políticos mais corruptos da história brasileira e juntos terem o cinismo de falar em nome dos sentimentos católicos do povo. Passaram a acusar de anticatólicos, não apenas ao Presidente da República, mas ao próprio Cardeal de São Paulo. Na hora em que ainda ressonam as Encíclicas Sociais de João XXIII, é demasiada audácia a desses aventureiros se atreverem a falar em nome da Igreja. Não me cabe, porém, combater essa usurpação, pois a Ação Católica de Minas e de São Paulo já tomou essa iniciativa.
    *
    “E a maior resposta a esses fariseus foi dada por aquele prelado brasileiro que, a 2 de fevereiro de 1963, afirmava que os ricos da América Latina falam muito em reformas de base, mas chamam de comunistas aqueles que se decidem a levá-las à prática. Ele explicava: “É fácil de entender: os ricos da América Latina continuam a deter o Parlamento e tem o grande idealismo da fé no futuro”. Dizia por fim: “O egoísmo de muitos ricos, sua cegueira, é um problema muito mais grave do que o próprio comunismo”. Esse sacerdote, Dom Hélder Câmara, acaba de ser designado pelo papa para ser Arcebispo de Recife, uma das cidades que mais refletem a crise social do nosso país.
    *
    “Reconheço que há muitos iludidos de boa-fé. Venho adverti-los de que estão sendo manipulados em seus sentimentos por grupos de facções políticas, agências de publicidade e órgãos de cúpula das classes empresariais. Aconselho, portanto, a todo brasileiro que hoje esteja envolvido, por motivos religiosos, em comícios políticos, que medite um pouco se está realmente defendendo a doutrina daquele que pela salvação da humanidade morreu na cruz, ou apenas os interesses de alguns grupos financeiros ou eleitorais. Recorde-se da palavra de Pio XI que, tomando consciência de que a Igreja se estava transformando em escudo de privilégios injustificáveis, reconheceu que “o grande escândalo do nosso tempo foi a Igreja ter perdido contato com a classe operária”.
    ***

  11. Se juntarem esses “religiosos” todos aí, o máximo que dá pra fazer é um centro de macumba.

  12. Para mim, D Luís está dialogando e se ajuntando justamente com o promotor-mor e cupinchas no Brasil de três misérias, componentes onde entra a bandeira vermelha do martelo e foice: a ética, a moral e a financeira.
    Não acha o sr. bispo que coligar-se aos comunistas, seja por quais motivos forem – asseclas de Satã – é ajuntar-se às hostes infernais para, sob seu patrocínio, promoverem uma falsaria paz e solucionarem supostos problemas, justamente eles que são naturalmente caóticos, aportando onde se instalam todos tipos de desgraças?
    Não são os vampiros comunistas que destroem no Brasil a família, odeiam a Cristo a a Igreja, relativizam a sociedade, e acaso haveria algum motivo pelo qual se necessitaria se reunir a eles para solucionarem pendencias, se são iluminados pela estrela de 5 pontas, o pentagrama satãnico, sendo piores que praga de gafanhotos?
    E os decretos dos S Padres anteriores, em realce a DIVINI REDEMPTORIS contra a peste comunista, mesmo Leão XIII na QUOD APOSTOLICI MUNERIS, das penas canônicas a quem se associe a eles, máxime um religioso do porte de um bispo?
    “Os comunistas. socialistas e niilistas são uma peste mortal que como a serpente se introduzem por entre as articulações mais íntimas dos membros da sociedade humana, e a coloca num perigo extremo” Leão XIII – QAM.
    Creio que, ao se ajuntar a comunistas para solucionar algo, o fracasso sob todos aspectos está garantido, é pedir a Satã sua ajuda, que tal?

  13. A misericórdia não é para ser propagandeada. A menos que ela seja do modelo comunista petista.

  14. O povo sangra enquanto a tática fabiana do petismo dos porcos sobrevive.

    Esse instituto? Suspeito por receber dinheiro sujo. Será pecado contra a mãe gaia?

    Volume morto é nome para o socialismo fabiano. Enquanto os bravos pró-vidas lutam no Congresso Nacional, o bispo aparece na foto para sofregar o combate.

    O bispo empresta sua reputação de socialista limpo – artilharia pesada do molusco – para quê? Chover na reserva e encher a reserva técnica do petismo.

    Pois saibam que o capital do socialismo fabiano é o pobre. E pobre sempre tereis!

    São porcos exploradores da pobreza alheia em favor de seus luxos ideários.

    O bispo deveria saber que moral altruísta não é moral católica.

    Sociedade se sustenta apenas se se balizar no decálogo. No mais, é volume mórbido.

    Ah! Um são Leão Magno. Se bem que esses ai, nem de perto estão para um Atila, senão na maldade.

  15. “Fica tranquilo que o baiano tem consciência social”.

  16. Lula é PT. Lula é FSP. Lula é ditadura comunista.
    Lula elegeu Dilma e agora quer ser o “salvador da pátria” passando por cima do esqueleto de Dilma, de olho nas próximas eleições.
    Essa igreja que apoia o PT e a ditadura é a igreja de Jesus?
    Igreja (CNBB) apoia o PT/FSP e depois grita contra ideologia de gênero. Impossível acreditar.
    O comunismo é ateu e depois vai se voltar contra as igrejas. O comunismo em cem anos matou mais de cem milhões de seres humanos.
    A igreja é favorável aos pobres. A ditadura comunista torna a maioria da população pobre e miserável. Veja Cuba. Estão acabando com a Venezuela. Portanto, a igreja é favorável a que todos se tornem miseráveis. Quem vai manter essa igreja rica?

  17. Já pararam para pensar, que só a linha da esquerda que sobressai na Igreja. Todos os demais que não concorda com a tirania comunista ou o socialismo dentro da Igreja. Estão calado ou ficam com medo de receber represália dos avançados, que estão na “crista da onda”. Hoje os ímpios, estão esfacelando o Corpo Místico de Cristo. Será qual a causa de avançarem tanto? A resposta é muito simples: Cinquenta anos de desmando na Igreja. Os lobos aproveitaram, enquanto o rebanho dormia. Apossaram dos cargos mais relevantes da hierarquia. Agora estamos esperando um novo São Pio X. Para reduzi-los ao nada os seus cargos. Para aí começar a restauração da Santa Igreja. Só uma força sobrenatural é capaz de impedir esta máfia continue avançando tanto.
    Joelson Ribeiro Ramos.