Quando a autoridade está a serviço da impiedade.

Por Padre Rodrigo Maria

À medida em que o relativismo revolucionário avança no mundo e dentro da Igreja, podemos constatar o crescente distanciamento entre o que se prega em boa parte de nossas paróquias e dioceses e o que a Igreja sempre ensinou em seu magistério infalível.

A situação é verdadeira gritante, escandalosa, indignante…

É muito entristecedor ver leigos bons, que querem ser santos, que desejam viver a verdade do Evangelho tal como ensina a santa Igreja, serem rechaçados, humilhados e isolados por seus padres ou bispos, tratados como excêntricos, exagerados, radicais, como gente a ser evitada… é indignante ver como muitos desses padres e bispos usurpam de sua autoridade para massacrar suas ovelhas mais pequenas, execrando-as e pondo-as em ridículo publicamente pelo fato de estas quererem receber a S.S. Eucaristia de joelhos e/ou na boca.

Muitos desses senhores estufam o peito e vociferam enraivecidos mandando que se levantem os que se ajoelham para receber a Sagrada Comunhão e/ou insistem que devem receber a Sagrada Hóstia na mão. Alguns apelam para o argumento da unidade com resto da assembléia para justificar a atitude autoritária, outros acusam estes fieis de estarem ”querendo aparecer” como se fossem deuses que conhecem o íntimo dos corações… tem sido frequente muitas dessas autoridades demostrarem aversão e combater o uso do véu por parte de senhoras e jovens nas santas missas… mesmo a modéstia à qual tem aderido um número sempre maior de pessoas passou a ser alvo das críticas e oposições por parte de muitos pastores de almas. E assim tem sido com várias outras práticas de piedade às quais tem aderido nosso povo, que cada vez mais tem rejeitado esse catolicismo superficial, desfigurado pelo relativismo reinante, que desorienta e causa confusão.

O que é desconcertante nessas autoridades que combatem a piedade é a atitude conivente, quando não incentivadora, de ideias e práticas completamente incompatíveis com a Verdade do Evangelho e com o ensinamento da Igreja.

Eles não aceitam um fiel comungar de joelhos e na boca, mas dão a comunhão para mulheres com vestes imorais e sensuais, com as pernas de fora, costas peladas, parte dos peitos aparecendo… sem dizer das roupas coladas e transparentes…

São estes mesmos senhores que negam aos fiéis o direto de se ajoelharem para receber Jesus Eucarístico, mas que, desobedecendo a doutrina católica, dão a comunhão a maçons, amasiados, macumbeiros, espíritas, marxistas-comunistas, etc…

São estes que querem oprimir os fiéis sob o peso de uma autoridade esmagante para impor caprichos pessoais ou ideais contrárias ao ensinamento da Igreja , mas que não querem obedecer a mesma Igreja em matérias graves.

São esses valentes que a pretexto da ”unidade” humilham e perseguem aqueles que querem ter uma vida cristã ancorada na rica tradição católica, mas que evocando a ”diversidade” defendem um ecumenismo sem pé e sem cabeça e relativizam a doutrina católica, deturpando-a e reduzindo-a de tal forma que qualquer herege se sinta à vontade perto dela.

O povo católico que já possui ou está adquirindo um conhecimento básico de sua fé, vai percebendo a distância enorme entre a verdadeira doutrina católica ensinada pelo Magistério da Igreja e o que eles têm visto e ouvido em muitas de suas paróquias e dioceses.

Esse povo tem se sentido defraudado, negligenciado e muitas vezes combatido pelos seus próprios pastores. E na mesma proporção em que cresce neles o conhecimento da verdadeira doutrina católica cresce também o sentimento de desalento e profunda insatisfação com esse estado de coisas… mas, a opressora ”ditadura do relativismo” está tão generalizada dentro da Igreja, que parecem não terem a quem recorrer.

Os poucos padres e bispos que têm a coragem de pregar e defender a verdadeira fé católica são logo estigmatizados e rotulados de radicais, rebeldes, desobedientes, etc… pessoas contrárias à unidade. Sua honra e sua moral são atacados de todas as formas para que, uma vez desacreditados, a mensagem da qual são portadores possa também perder a credibilidade.

A situação atual é tão inusitada que aqueles revolucionários horizontalistas que sempre desprezaram a hierarquia evocam agora com voz forte a força da obediência para submeter aqueles que sempre nela acreditaram. Muitas autoridades estão usando sua posição dentro da Igreja para implodir a Igreja bem como para calar a voz e paralisar a atuação daqueles que não se alinham a esse projeto demolidor.

E antes que alguma alma imbecilizada pelo ”politicamente correto’ possa ver nessas linhas qualquer expressão de rebeldia contra a hierarquia ou incentivo ao desrespeito ou desobediência, é importante esclarecer que essas pessoas que querem viver um cristianismo autêntico são pela ordem e pela obediência e amam seus pastores e sua santa Igreja e por isso mesmo gostariam de ver seus bispos usando sua autoridade não para combater a piedade e a sadia tradição, mas sim para fazer o que a Igreja lhes manda fazer, como por exemplo: acabar com a influência e infiltração maçônica em suas dioceses e nas paróquias que as compõem; acabar com as aberrações e abusos litúrgicos (missas shows, missas de cura, missas sertanejas, missas crioulas, baterias e instrumentos de percussão nas missas, teatros, ”danças litúrgicas”, auto comunhão, etc…), suspender ou corrigir os diversos padres que têm ensinados heresias, cometido escândalos comprovados e praticado abusos na sagrada liturgia; proibir bebidas alcoólicas e shows mundanos nas festas de padroeiros e outros eventos das Igrejas.

O povo que vai se esclarecendo gostaria imensamente de ver seus padres usar sua autoridade para pregar a verdade integral do Evangelho, sem mutilação ou falsificação… gostaria de ver seus sacerdotes usar sua autoridade para impor o respeito e o decoro na casa de Deus cobrando de mulheres e homens vestes e posturas decentes que condigam com a sacralidade da casa de Deus.

Esse povo gostaria de ver e ouvir padres e bispos, que a exemplo de Cristo, falassem com autoridade, sem medo… que tivessem a coragem de pregar a verdade e sofrer as consequências de seu profetismo.

O que esse povo quer ver são padres que os conduza no estreito caminho da salvação, que antes de tudo busquem a glória de Deus e o bem eterno do rebanho que lhes foi confiado.

O que verdadeiros católicos querem ver são bispos e padres que não se acovardem diante dos lobos que buscam devorar e destruir o rebanho; que levem as pessoas a viver na graça de Deus e na santidade, que por amor ao rebanho denunciem o pecado e as situações de pecado. Que exortem as famílias a ter vida de oração, a viver na graça, a rejeitar as novelas imundas e pervertedoras, que denunciem os programas e ambientes que fazem perder a amizade e a comunhão com Deus.

Verdadeiros católicos querem ver seus pastores guiá-los na verdadeira fé, ajudando-os a perceber a coerência entre o que se professa e o que se deve viver.

Querem ver seus padres e bispos lutando pela vida contra o aborto, pela família contra a ideologia gay e de gênero, contra o petismo-comunismo-marxismo, etc…

Verdadeiros católicos querem o fim dessa absurda inversão de valores dentro da Igreja onde quem quer viver uma devota piedade e a sã doutrina tem sofrido perseguição e execração e quem adere ao relativismo revolucionário é aplaudido e premiado.

Por fim, nos resta a esperança nas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo que disse que as portas inferno não prevalecerão contra a sua Igreja.

Existem padres e bispos que querem ser fiéis a sua missão, mas em sua maior parte se sentem muito acuados, isolados e desamparados… são esses poucos padres e bispos que alimentam espiritual e doutrinariamente essas pequenas ovelhas de Deus, por isso é preciso rezar muito por estes e pedir para eles ao Espírito Santo o dom da fortaleza para que sejam sempre capazes de defender a verdade e colocar os interesses de Deus acima de qualquer outro bem, e o dom da Sabedoria para saber como agir de modo a redundar na maior Glória de Deus e no bem e salvação das ovelhas que custaram o sangue de Cristo.

Pe. Rodrigo Maria

Tags:

19 Comentários to “Quando a autoridade está a serviço da impiedade.”

  1. Eis um alerta de um santo e PROFETA dos últimos tempos!

  2. Compartilho com grande satisfação , pois o que este texto , de leitura indispensável , reproduz é de interesse de todo fiel que seja realmente Católico. As heresias coniventes com o modernismo e relativismo religioso, também acontece em nossa paróquia, que como diz o Pe. Rodrigo neste texto, as vezes nos sentimos constrangidos por estarmos diferentes de toda Assembléia e que por muitos seremos julgados de “aparecidos” por querer praticar o que Igreja Sempre Ensinou em seu Infalível Magistério. Mas , infelizmente nem sempre temos oportunidade de por em prática nosso comportamento digno diante de Deus na Santa Missa, pois por vezes somos sim massacrados pelos “poderosos” que sempre estão com pressa de encerrar a Missa ou precisam de um pouco mais de espaço da mesma para falar de política, pedir dinheiro, ou falar de várias outras coisas , que raramente se inserem no contexto de uma Homilia, a qual deveria ter sempre como centro o entendimento daquilo que Deus quer de nós, como o centro de toda pregação. Que tristeza vive a Igreja. O Povo sendo pisoteado por seus sacerdotes para satisfazerem seus caprichos particulares. A IGREJA PARECE ESTAR SENDO DEMOLIDA.

  3. Não é de hoje que passo por este problema, em especial em Paróquias que nunca fui, quando estou em viagem, etc…Para mim ficou muito simples, sigo dois caminhos:
    1- Quando chego a tempo na Igreja, procuro o Sacerdote antes da Missa e lhe pergunto se ele me dará a Santa Comunhão de joelhos e na boca. Se ele disser que sim, participo da Missa e comungo. Não estou nem aí se ficam me olhando como se eu fosse um ET comungando. Porém se o Sacerdote me diz que não vai me dar a Santa Comunhão eu apenas o lembro que talvez nos vejamos no inferno, e que com toda certeza ele estará por lá primeiro.
    2- Quando não consigo saber do Sacerdote antes da Missa, aposto no poderá acontecer e me ajoelho com as mãos para trás. Aí o bicho pega!!!Já precisei lembrar alguns Sacerdotes, aos berros, suas obrigações e seus deveres.
    É uma pena ter que agir assim, mas raramente vou à Santa Missa e saio sem comungar, por um caminho ou por outro.

  4. Não conheço pessoalmente o Pe. Rodrigo Maria. Ouço falar dele por amigos que o conhecem.
    O que me alenta ao ler seu artigo é que, tudo indica, começa a aparecer sacerdotes, e quiçá bispos, etc., etc., que compreendem bem a obediência dentro da Igreja.
    Obediência não é abaixar a cabeça e levar pancada, deixar destruir obras altamente benéficas, por uma falsa noção de humildade e obediência.
    É hora de resistir mantendo-se fiel a Sagrada Tradição da Santa Igreja. A legitimidade desta resistência é nos dada pelo Apostolo São Paulo em sua famosa atitude de ter “resistido em face a São Pedro”.
    Vamos jogar o bastão da omissão e da covardia para o campo do adversário.
    Avante pe. Rodrigo.

  5. Não há nenhum exagero nas palavras do Padre Rodrigo Maria. Elas retratam a realidade. É o que sofri na minha própria pele. Pois, estando em viagem, entrei na fila de comunhão na paróquia salesiana de Santo Antonio, em Joinville, onde se comunga em pé, e ao me postar diante do sacerdote e aguardar a comunhão na boca, notei que ele não me dava, apenas meneava a cabeça negativamente em sinal de reprovação. Senti-me como se fosse um pecador público ao qual é negada a comunhão por sua indignidade. A violenta agressão moral que senti, permanece gravada na minha memória. Tenho pena dos que padecem a tirania desse pastor de almas que se comporta como déspota junto aos fiéis. Ali a lei é ele, e não as normas da Igreja que permitem a comunhão na boca. Oxalá o Padre Rodrigo Maria possa exercer seu ministério no Brasil e fazer o bem a incontáveis almas que estão órfãs espiritualmente.

  6. Santas palavras! Pe. Rodrigo Maria é um santo sacerdote. Avante!!!

  7. Lastimavelmente, a Igreja no Brasil é há décadas chagada pelo esquerdismo “católico”, que domina os seminários, as universidades católicas, as escolas católicas, as dioceses, enfim, quase toda a hierarquia eclesial. Os bispos, em geral, assim como o próprio Santo Padre, o Papa Francisco, se preocupam em molestar os bons padres, perseguir os leigos devotos, o que quer que seja feito verdadeiramente pelo bem da Igreja, por amor à Tradição, ao Sagrado Magistério.

    Na era pós-conciliar, tudo é permitido. Absolutamente tudo, menos ser verdadeira e autenticamente católico. Nunca fui próximo do Revmo. Padre Rodrigo Maria, no entanto, é doloroso ver um sacerdote ser perseguido de forma tão inquisitorial, (Que certamente não é entra em ação quando se trata dos progressistas, sobretudo dos comunistas de batina.) pelo simples fato de cumprir suas funções. Espero que continue no combate, e não desista, pois sua perseverança e honestidade não passarão despercebidas aos olhos da Santíssima Virgem, com a qual certamente o sr. Bispo há de se explicar. E certamente terá muito o que explicar…

  8. Enquanto isso…
    Após as sabias palavras do Pe Rodrigo, a quantidade de mulheres que vão ás S Missas como se estivessem em salões de baile são diversas -mocinhas mais jovens então… – assim como essas que entram durante o dia para suas preces; talvez se nem tivessem entrado, teria sido melhor; os padres nem tocam no assunto, nunca ouvi e ou vi, nem em folhetos paroquiais!
    As novelas, que são a transposição da boemia para seu lar – dá no mesmo se instruir nesse local ao vivo – nunca falam de foram contundente da matéria grave das cenas que apresentam, dos maus pensamentos gerados e possibilidade até de cometerem pecado mortal por irem de propósito, sabendo que equivale ir ao bordel assistir as cenas; os efeitos na alma são os mesmos; tal como acima!
    O escândalo e a perversão que trazem para a família particularmente ao filhos menores: isso é bom nem citar pois assunto gravíssimo perverterem as crianças; idem ao anterior, nunca ouvi nada disso!
    Parece que criam polêmicas com certas determinações esdrúxulas e seriam para desviarem as mentes da verdade, da doutrina da conversão, do pecado e ocupar as mentes com coisas secundarias para os cristãos só viverem de discussões – LUTAS DE CLASSES DENTRO DA IGREJA? – seriam ações da maçonaria dentro do Vaticano, ao que se parece, com os coniventes bispos das Conferencia Episcopais e sacerdotes associados, como os da TL e simpatizantes, infiltrados dentro da Igreja nessa função, criando um caos total, direcionando o povo para Sodoma e Gomorra, sem que perceba!
    Então na onda atual da “misericórdia, acolhimento e não sei mais o que relativista” sem exigências de conversão, mais lenha na fogueira acima!
    E o essencial e o primordial ficarem para dia de S Nunca!

  9. Uma passagem de Sto. Agostinho, no seu livro Cidade de Deus:

    Bem aventurados os que habitam na tua casa, eles louvar-te-ão pelos séculos dos séculos. (salmo 83, 5)

    “Lá é que estará a verdadeira glória, lá onde ninguém será louvado por erro ou por lisonja de quem louva; as verdadeiras honras não serão negadas aos que delas são merecedores, nem concedidas aos que delas são indignos; mas nem sequer a tal se apresentará um indigno, lá onde não é permitido que esteja senão o digno. Lá reinará a verdadeira paz, lá onde ninguém sofrerá qualquer adversidade provinda de si próprio ou de outrem…”

  10. A consequência disso tudo foi os erros que o CVII deixou que penetrasse na Igreja, desde a Nova Missa, até essa nova pastoral (que muitos tomam para si como uma teologia). Esses erros os modernistas tomam como verdade e, rotineiramente, usam disso para atacar quem quer ser católico. O jeito é resistir a tudo isso, não adianta querer nadar contra a maré tendo diálogos ou participações com esses modernistas, eles estão cegos e nenhum discurso irá mudar isso, apenas a oração. Já vi muitos leigos sucumbirem por estarem em paróquias modernistas, participando dessa nova missa, tendo a consciência de tudo o que há de errado na Igreja, e os pobres coitados perderam a fé. Não tiro a razão de que muitos Padres e Bispos tenham culpa nisso, mas se a pessoa sabe que ali é um local perigoso a sua fé por quê frequenta? Dom Lefebvre tinha razão quando dizia que, naquela época, quando ele ia conversar com algumas autoridades eclesiásticas ele estava lidando com uma falsa Igreja.
    O jeito é resistir, simples. Não aceito, não frequento pelo simples motivo de que eu tenho que zelar pela salvação da minha alma. E Deus pedirá contas disso. Não basta bradar contra, devemos nos opor!

  11. Com o Concílio Vaticano II surgiu nova liturgia, em que o sagrado é reduzido e o profano é promovido. Muitos pastores, como lobos em pele de cordeiro, descuidaram das ovelhas. Veio a crise de fé que provocou grande apostasia de padres e de leigos. Por isso é preciso revigorar a Resistência feita pelo Prof. Plínio Correa de Oliveira desde o reinado de Paulo VI, quando este fez a Ostpolitik Vaticana dando as mãos aos regimes comunistas. Para isso devemos nós, os leigos e os do clero, fazermos uma frutífera Resistência:

    1-) Apontar como o Concílio Vaticano II, que quis ser um concílio pastoral, descuidou completamente do cuidado dos fiéis, por não ter feito a condenação do comunismo, o maior flagelo de nossa época.

    2-) Seguir o antimodernismo de São Pio X e rejeitar os ensinamentos e práticas que se opõe à doutrina católica tradicional.

    3-) Com relação ao próximo Sínodo, devemos esperar que seja mantida a doutrina tradicional da Igreja sobre a família e o matrimônio cristão, e que a prática pastoral da Igreja siga rigorosamente esse ensino. Por fim, o Padre Rodrigo Maria é uma esperança para os fiéis que, por não aderirem a essa demolição da Igreja que está em curso, infelizmente sentem sobre si a crueldade de seus Pastores.

  12. È gigantesco esse Padre Rodrigo Maria! Chega a ser até comovente vê-lo lutar pela Igreja de Cristo! Os exemplos desse Padre arrastam multidões para Deus! E ao mesmo tempo me vem a pergunta: ” o que fizeram da Igreja de Cristo?”
    Até onde Deus permitirá que o diabo açoite a sia Igreja dessa forma?

  13. Belas e sábias palavras do Padre Rodrigo Maria, em quem tanto me espelho…Exerço o meu direito de receber a comunhão na boca SEMPRE,de joelho as vezes quando tenho onde me segurar pra levantar… Até hoje nenhum padre me negou. Uso também o véu pra confessar e comungar,não pergunto nada,nem observo se gostam ou se criticam…naquele momento é somente eu e ELE. Salve Maria Santíssima!!!

  14. Cansei de ir a cerimônias de casamento “católico” como “second shooter” ou fotógrafa auxiliar e me deparar com essas cenas de madrinhas a noivas com as costas peladas ou seios de fora. Cansei mesmo e não fotografo mais casamentos por dinheiro nenhum.

  15. Quem já leu o livro que escrevi, “O Mistério da Impiedade e a Demolição da Igreja”, agora disponível no site http://WWW.misteriofidei.com , testemunha a verdade que Pe. Rodrigo Maria nos relata. É o preço que pagam as almas, pelo afastamento da Sã Doutrina da Salvação enganadas pela grande maioria, daqueles que deveriam ser fieis.
    Salve Jesus e Maria!

  16. Pe. Rodrigo Maria é uma raridade. Padre assim nos enche de alegria e conforto. Que a Virgem Santíssima o cubra com o seu manto protetor!!!

  17. O melhor texto publicado no Fratres este ano!

  18. Belas palavras, padre. Mas…

    “A reforma litúrgica… não se enganem, eis onde começa a revolução.” (Dom Dwyer, Arcebispo de Birmingham, porta-voz do Sínodo Episcopal).