Visões heterodoxas (e outras) florescem na Igreja Católica.

Por Maike Hickson – Corrispondenza Romana | Tradução: FratresInUnum.com – Na sequência do Sínodo dos Bispos sobre o matrimônio e a família realizado em outubro de 2014 e a escandalosa “relazione” de meio termo, que promoveu atitudes mais relaxadas e ostensivamente mais liberais a respeito dos divorciados recasados e homossexuais, a Igreja Católica se encontra em uma situação em que cada vez mais se vê obrigada a confrontar bispos e prelados que apoiam um programa liberal inovador no que diz respeito ao ensino moral tradicional da Igreja.

E foi exatamente nessas últimas semanas que se sucederam alguns eventos que nos levam a refletir: um arcebispo alemão declarou publicamente seu apoio aos homossexuais; um bispo espanhol permitiu que uma transexual seja a madrinha de Batismo de seu sobrinho; um bispo suíço foi denunciado por uma organização homossexual por uma suposta “incitação ao ódio”, ao ter citado literalmente o Antigo Testamento; e um dos conselheiros mais próximos do Papa realizou um importante discurso em uma conferência em Roma com vários oradores marcadamente progressistas.

Mas entremos nos detalhes.

No dia 1 de agosto de 2015, o arcebispo de Hamburgo, Stefan Hesse, se expressou publicamente em favor de uma atitude mais permissiva para com casais “homossexuais” e “divorciados recasados”. O órgão oficial da Conferência Episcopal Alemã, katholisch.de, relatou o seguinte:

“Embora ele [Mons. Hesse] se mostre ainda um pouco reticente quanto à concessão de um casamento homossexual”, ele também disse: “Mas quando essas pessoas tentam estar perto de nós, então nós, como Igreja, temos que estar abertos para eles. O que mais? A Igreja deve considerar bem se nos relacionamentos homossexuais é possível encontrar valores como lealdade e confiabilidade. Para mim, isso não minimiza o amor e a fidelidade entre duas pessoas”, disse Hesse. Ele também deseja para os divorciados recasados “formas possíveis de reconhecimento e apoio por parte da Igreja às pessoas divorciadas, sem sacrificar o ideal do casamento.”

Com esta saída, o Arcebispo Hesse revela concretamente o perfil de alguém que mina o ensinamento de Cristo sobre o casamento, ao ignorar o fato de que ambos os grupos — homossexuais praticantes e divorciados “recasados” – vivem objetivamente, na maioria dos casos, em estado de pecado.

No dia 8 de agosto, saiu outra notícia: um bispo espanhol anunciou que irá permitir que um transexual se torne o padrinho em um batizado iminente. O órgão oficial da Conferência Episcopal da Suíça kath.ch, noticiou que o Bispo de Cádiz, na Espanha, Dom Rafael Zornoza Boy, concedeu permissão ao transexual de 21 anos de idade, Alex Salinas, para se tornar a madrinha de Batismo de seu sobrinho. Salinas nasceu mulher, mas agora afirma ser um homem.

Esta decisão saiu depois de forte pressão popular através de uma petição nacional lançada em defesa de Salinas, que a princípio tinha tido a permissão negada por não viver de acordo com o ensinamento moral da Igreja. Mais de 35.000 pessoas assinaram a petição em favor de Salinas. Então a diocese resolveu mudar de idéia, conforme relatado kath.ch, e disse abertamente que “ser uma transexual não constitui motivo de exclusão do papel de padrinho”. Salinas comentou a nova decisão, segundo o jornal espanhol El País, da seguinte forma:

“Eu não sei se o Papa havia visto minha petição, não tenho conhecimento sobre isso, mas é claro que toda a Igreja está mudando. Na verdade, ele apenas disse que católicos divorciados não estão excomungados, e eu acho maravilhoso que a Igreja esteja tomando uma nova rota”. [Ndr: em outra reviravolta, mais tarde,  o bispo da Cádiz declarou ter havido um mal entendido, proibindo novamente essa aberração]

No dia 10 de agosto, a Rosa Cruz (Pink Cross), uma organização de apoio aos homens homossexuais na Suíça, entrou com uma ação legal contra o bispo suíço Vitus Huonder, de Chur (Grisons), por ter citado o Antigo Testamento contra a homossexualidade de um modo que eles consideraram ofensivo. Em uma conferência em Fulda, Alemanha, no dia 31 de julho, Huonder havia citado partes essenciais da Escrituras Sagradas – Antigo e Novo Testamento – a fim de demonstrar o plano de Deus para o casamento e a família. Com relação à homossexualidade, o bispo Huonder citou duas partes pelo livro de Levítico dizendo: “Estas duas partes seriam suficientes para nos dar a direção certa em relação ao homossexualismo, à luz da nossa fé”. Ambas as citações mostram como a prática de todos os atos especificamente homossexuais é condenada nas Escrituras, a qual diz claramente que pessoas que cometem um crime tão grave são dignas de serem condenadas à morte. Huonder continuou afirmando que o simples fato de argumentar que existe uma variedade de modelos aceitáveis de casamento e família é já por si só “um ataque não só contra o Criador, mas também contra o Redentor e o Santificador, isto é, contra toda a  Santíssima Trindade”.

Depois que o protesto contra as declarações de Huonder explodiu na imprensa secular da Suíça, no dia 7 de agosto, o presidente da Conferência dos Bispos da Suíça, Dom Markus Büchel, de St. Gallen, publicou uma carta aberta demostrando grande simpatia e indulgência para com os casais do mesmo sexo. Dom Büchel, na verdade, preferiu tomar explicitamente distância de seu irmão no Episcopado, o Bispo de Chur. Ele chegou ao ponto de declarar, que a orientação sexual não importa contanto que você a viva “com responsabilidade”. Em sua declaração Büchel diz literalmente:

“Para promover o bem da pessoa é menos importante se uma pessoa tem uma inclinação heterossexual ou homossexual; mas é muito mais importante a abordagem responsável da sexualidade e de todas as outras dimensões de um relacionamento (como a atenção, respeito e fidelidade). Aqui nos é permitido, como fiéis católicos, confiar na consciência de cada um. Alegremo-nos com todos os tipos de relacionamentos em que as partes se aceitam uns aos outros como iguais, preciosos filhos amados de Deus, e que respeitam a dignidade do outro e promovem o bem-estar do povo!”

Dom Büchel prossegue observando que o respeito pela dignidade da pessoa humana “também significa não reduzir uma pessoa e seus relacionamentos a uma mera questão sexual”.

O ativista pró-vida e jornalista alemão Mathias von Gersdorff comentou esse pronunciamento em seu site, dizendo: “Com esta declaração, ele [Büchel] contradiz fortemente o ensinamento moral da Igreja católica sobre a sexualidade e, muito provavelmente, também seu ensinamento sobre antropologia cristã (ou seja, a doutrina sobre o homem)”.

Muito preocupante é o fato de que as afirmações deste bispo são validadas pelas palavras subversivas de outro prelado importante e membro da Conferência dos Bispos da Suíça, o abade Urban Federer, da Abadia de Einsiedeln, que declarou no dia 11 de agosto que “a Igreja não deve condenar os homossexuais, mas sim acolhê-los’. Federer disse: “a Igreja pode alegrar-se dos homossexuais como filhos de Deus!” Continuando, ele disse: “O Papa Francisco já não demonstrou como a Igreja deve tratar os homossexuais de modo justo? Em sua primeira conferência de imprensa como chefe da Igreja Católica, ele promoveu a idéia de não discriminar os homens e mulheres homossexuais. O Papa disse claramente: Quando uma pessoa é homossexual e busca Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgar?”

Além de todas estas visões (mais ou menos) heterodoxas e seu desenvolvimento consecutivo, para piorar, um assistente pessoal próximo do Papa (e membro do Conselho dos Cardeais) – o Cardeal Oscar Rodriguez Maradiaga, de Tegucigalpa, Honduras – foi anunciado como relator de uma próxima conferência progressista, a ser realizada no próximo mês, em Roma. Entre os dias 10-12 de setembro, a Academia Internacional para a Espiritualidade Conjugal, a INTAMS, com sede na Bélgica, estará promovendo uma conferência sobre as questões do próximo Sínodo de outubro. Entre os palestrantes estarão dois teólogos alemães progressistas, professores Eberhard Schockenhoff e Jochen Sautermeister. Ambos defendem a “Proposta Kasper” e promovem a liberalização da doutrina moral da Igreja. Schockenhoff propôs, em maio de 2015, que os casais homossexuais devem receber um reconhecimento oficial por parte da Igreja. Já Sautermeister escreveu em 2014 um artigo na revista católica alemã Herder Korrespondenz no qual ele abertamente promove a agenda Kasper.

Uma outra sacudida que recebemos foi a notícia que saiu no dia 7 de agosto, na Catholic News Agency, que, segundo suas fontes, o Papa Francisco teria nomeado, como uma escolha pessoal, o bispo mais progressista dos Estados Unidos, o arcebispo Blaise Cupich. de Chicago, como membro do próximo Sínodo dos Bispos sobre a família. Para citar apenas uma desse prelado, Blaise Cupich recusou-se a negar a comunhão a políticos que promovem o aborto.

Todos estes sinais de um reforço cumulativo de elementos progressistas no seio da Igreja Católica – afinal de contas, nenhum deles, até agora, foi chamado a Roma por causa de suas declarações tendencialmente heterodoxas – ocorrem em um momento em que as forças anticristãs ao redor do mundo estão ganhando força e ao se tornarem cada vez mais fortes, tornam-se também muito mais ousadas, como demonstrou o incidente com o Bispo Huonder da Suíça. O ensinamento de Jesus Cristo está sendo cada vez mais isolado, jogado em um canto e grosseiramente ameaçado e reprimido. Possam os fiéis católicos, sacerdotes e leigos, encontrar agora forças para se erguerem em Sua defesa e assim combater, com inteligência e perseverança, contra este ataque concentrado, de modo a retomar as rédeas da situação, antes que seja tarde demais.

Anúncios

14 Comentários to “Visões heterodoxas (e outras) florescem na Igreja Católica.”

  1. “A Igreja nunca esteve tão bem!”

  2. “Por que os tradicionalistas não possam ser acolhidos?…” disse um padre no último domingo em sua homilia.

    “A Igreja” de vários rostos: TL, Focolares, Neocatecumenato, RCCs, IBP e, agora, a FSSPX – os irmãos separados cismáticos autocéfalos e protestantes(estes não fazem a menor questão de união com a Santa Sé).

    Se Sua Santidade pretende retirar de assalto um documento da especie “indulto” para os chamados “recasados”, como vão ficar os sacerdotes do IBP e da FSSPX quando forem administrar o sacramento da confissão para esses “casais-recasados”(que contradição: casais-recasados)? Poderão eles negar o acesso aos sacramentos aos casais-recasados? Como vai ser a orientação espiritual para os tais “casais” nestes dois institutos tradicionais? Poderão dizer que os casais-recasados estão em pecado grave?

    O “indulto” que o Papa prepara para sacar de assalto no Sínodo dos Bispos sobre a família dará acesso livre ao sacramento da Eucaristia, sem confissão? Como ficarão os tradicionalistas da FSSPX com as mercês da Santa Sé para com eles no Ano Santo da Misericórdia? E o IBP?

    E se houver uma determinação de acolhimeto aos “casamentos sodomitas”?

  3. Que triste ver q a nossa Igreja tá entupida de traidores miseráveis!! Lamentável ver tantos prelados e tantas autoridades eclesiásticas q viraram um monte de Judas, traidores de Cristo, da Igreja e das Escrituras! A única conclusão q podemos chegar é q hj nossa Igreja é sufocada por uma corja de porcos traidores q tentam apodrecê-la por dentro, Judas do Século XXI q não cansam de entregar o seu Mestre para que seja novamente crucificado, não em troca de 30 moedas de prata mas em troca de relativismo, comodismo, ideologias anticristãs, ecumenismo, “direitos humanos” e tantas outras mazelas!

  4. A igreja está sendo sufocada, se não tivermos pessoas com punhos de aço, ela inevitavelmente cairá na desgraça.
    Que Deus me perdoe, mas se no próximo sínodo eles aprovarem alguma dessas ridicularidades, haverá duas igreja, a católica e a outra.

  5. Salvo engano, um CISMA já está instalado na Igreja devido à heterodoxia de alguns revolucionarios eclesiásticos que deveriam ser altos dignitários da Igreja católica de sempre, mas pertencem mesmo é ao baixo clero dos “progressistas, politicamente corretos”!
    São grupos de infiltrados na Igreja passando-se por dissidentes católicos, encabeçados como pelos cardeais Kasper, Bruno Forte, Maradiaga, os citados acima e quantos tantos mais os apoiem nessa macabra empreitada de relativizar os incautos!
    Altos dignitários, sim, no entanto, só se pertencerem ao quadros hierárquicos da DITADURA DO RELATIVISMO ao apoiarem sem restrições de conduta, de forma heterodoxa os homossexuais e amasiados!
    Quiçá esses mesmos, preferindo permanecerem nos erros de forma patente e recorrente, nada mais instalam que nova heresia à margem da Igreja – faltando pouco para que se oficialize – bastando apenas no próximo Sínodo das Familias se manterem nessas posições heréticas!
    Dessa forma, em nada se diferem das milhares de seitas protestantes, algumas famosas delas ostensivamente mercantis, e essa dos acima seria a “IGREJA DA MISERICORDIA”, descompromissada com a verdade de Jesus, porém atrelada ao modernismo, em que cada facção oferece à clientela um cardápio religioso mais apetitoso que o outro!
    Será que a coisa já pegou? Edir Macedo-IURD já teria dito que os homossexuais são benvindos a suas igreja$…

  6. Fico pensando que tem gente acordando do coma agora.

    A mais de 50 anos essas “visões heterodoxas” estão espalhadas pela Igreja e os católicos permanecem como sapos mergulhados na água morna, com a lenha queimando abaixo.

    Mons Lefebvre, rogai por nós!

  7. A lei canônica diz que pessoas divorciadas “recasadas” não terão acesso à absolvição enquanto não viverem em castidade ou se separarem, pois o pecado é contínuo! Não há indulto que consiga desconsiderar tal regra! O mesmo pode ser dito dos pares gays… Assim, a FSSPX (e o irmão que lançou tal questionamento) podem dormir tranquilos! Dom Fellay não cairá nesta arapuca1

  8. Para nós católicos, que com a graça de Deus. Conservamos o que a Santa Igreja sempre ensinou. Não muda em nada a nossa atitude. Mas de um certo modo, esta atitude do Santo Padre, não deixa de ser louvável. Uma vez que os inimigos da nossa fé, certamente estão furiosos com esta pequena abertura para a Tradição. É interessante notar, que qualquer coisa que o Papa faça em benefício da verdadeira doutrina da Igreja. Logo causa uma repercussão positiva muito grande para os bons. E ao mesmo tempo aumenta o ódios dos maus. Certamente muitos perseguidores da nossa fé. Deve estar se perguntando? Para que o Papa fez isto? Agora, nós não podemos mais caluniar, mentir, maldizer estes seguidores da Tradição. Se a autoridade máxima da Igreja garantiu a validade, a liceidade dos Sacramentos para os fiéis que queira participar dos mesmos. Que cara os modernistas, os progressistas, os Rifanos…Terão para nos dizer: “Vocês estão excomungados! Estão fora da Igreja! Vocês não tem papa!… ” No meu caso que fui expulso da Congregação Mariana; a qual pertencia a mais de trinta anos. Por dar apoio a Fraternidade São Pio X. E discordar da nova mentalidade imposta pelo novo bispo, sucessor de Dom Licínio Rangel. Que cara este padre Everaldo vai me dizer, depois desta publicação?
    Joelson Ribeiro Ramos.

  9. O que há, na verdade, é uma terrível e maligna perseguição, descarada e hipócrita, contra a Igreja de Jesus Cristo. Esta não pode mais ser obediente ao seu Divino Mestre, acolhendo os seus ensinamentos, sob pena de ser encarada como odiosa com os recasados e homossexuais que não escolheram a santidade e a castidade.

    Estas questões morais não podem ser modificadas, mesmos que todos os “católicos” tenham arrefecido na fé e na moral católica. Recasados e homossexuais são chamados a viver a castidade. Já que não aceitam os preceitos católicos, o que os impede de aderir a alguma “religião” que admita estes pecados graves como aceitáveis. O que não pode é essa gente que não tem nada de católico fazer questão de bagunçar a Igreja, e o que é pior, isso tem contado com a ajuda de maus católicos e de falsos prelados, como os que foram mencionados, que, infelizmente, devem estar advogando em causa própria, porque talvez não queiram viver a castidade.

    O absurdo se assemelha a um torcedor do Palmeiras que quisesse se tornar sócio do Corintians sem deixar de lado a sua afeição ao primeiro clube, ou, assistir aos jogos na torcida do Corintians, se dizendo novo corintiano, mas sem deixar de lado a indumentária da “Mancha Verde”, nem os gritos de guerra desta torcida organizada!!! Ora, corintiano que vá para a “Gaviões”. Palmeirense, para a “Mancha Verde”.

    É o absurdo dessa gente se dizer católica sem deixar sua vida errada, suas convicções equivocadas e nada católicas, exigindo um tratamento como se direito fosse – ainda que acreditando em qualquer coisa e se comportando de qualquer maneira – de ter acesso aos sacramentos mesmo com a vida em confronto com a disciplina própria para recebê-los.

    Essa gente não é católica. Mas, e daí … Para eles, o negócio é bagunçar a Igreja, é persegui-la, é destruir a possibilidade de sociedades fortes, destruindo a possibilidade de famílias fortes, sendo a Igreja a instituição que mais favorece e fortalece a família e, por conseguinte, a sociedade. Famílias e sociedades fortes dificultam a opressão dos poderosos.

    É tudo o que os “donos” do mundo querem!!! Esses canalhas, autoritários, totalitários, comunistas, ateus, venais, materialistas … Vão ter o que merecem !!! O Senhor dos Senhores está voltando!!! O Rei dos Reis ainda está sendo contido pela Virgem Santíssima, mas, dependendo do que acontecer neste Sínodo de outubro, acredito que a “chapa” vai ferver para os mundanos, apóstatas, prelados e religiosos infiltrados e traidores de Jesus Cristo.

    Essa gente está mexendo com o que há de mais sagrado, querem dar acesso ao Sacramento da Comunhão de maneira indevida. Não se desrespeita o Santíssimo Sacramento !!!

    Que venha o Grande Aviso de Garabandal para que as consciências sejam corrigidas, e que todos aproveitemos esta última chance de Deus. Assim seja.

  10. Questões de fé e moral, quais são as do Sínodo dos bispos em outubro próximo, estão dentro do campo da infalibilidade pontifícia na hipótese de o Sumo Pontífice agir como doutor universal impondo para toda a Igreja, entrando em jogo inclusive, a salvação eterna das almas. . A infalibilidade pontifícia nestes casos é dogma de fé. Logo… se o papa Francisco aprovar (o que nem de longe acredito) algo contra a fé e/ou os costumes (o que Deus não permita) ele não seria Papa. Mas pode acontecer que ele se porte como um outro Honório I, e, então, é certo que um dia, como Honório, será anetematizado como favorecedor de heresias, pela sua negligência e/ou ambiguidades. E, se este for o caso ( o que Deus também não o permita), qual deverá será nossa atitude? Resposta: a mesma de São Máximo, o confessor. Rezemos para que estas meras hipóteses não se tornem realidades. Procuremos dar sempre testemunho de Nosso Senhor Jesus Cristo!
    Como a Igreja é divina, sempre haverá, outros Atanásios, Sofrônios, Máximos, e Leões etc.

    • Reverendíssimo pe. Elcio,

      Sou Católico, Apostólico e Romano e entendo o que diz o senhor quanto ás perspectivas do que está para acontecer e que, se se tornarem concretas, lançar-nos-iam em algo até agora inaudito; assim, gostaria de lhe perguntar, como um filho a seu Pai:

      Quais seriam as consequências do que o senhor mesmo coloca, aponta e previne ( “Questões de fé e moral, quais são as do Sínodo dos bispos em outubro próximo, estão dentro do campo da infalibilidade pontifícia na hipótese de o Sumo Pontífice agir como doutor universal impondo para toda a Igreja, entrando em jogo inclusive, a salvação eterna das almas. . A infalibilidade pontifícia nestes casos é dogma de fé. Logo… se o papa Francisco aprovar (o que nem de longe acredito) algo contra a fé e/ou os costumes (o que Deus não permita) ele não seria Papa”.), caso essas mesmas possibilidades se concretizem?

      Caso o senhor não ache conveniente a resposta aqui neste espaço, escreva-me diretamente em meu e-mail: alepaideia@gmail.com

      Desde já agradeço e

      Salve Maria Puríssima, sem pecado concebida!

  11. Onde estão os canonistas de plantão?

    Ah, já sei… o tópico não fala sobre a FSSPX.

  12. Parte “conspiracionista” da terceira parte do Segredo de Fátima, publicada na década de 60 num jornal alemão que disse ter tido acesso ao Segredo, através de um cardeal. Esta Mensagem foi na altura censurada pelo Vaticano como não credível.

    «Também para a Igreja chegará o tempo das maiores provas. Cardeais opor-se-ão a cardeais, e bispos a bispos. Satanás caminhará por entre as suas fileiras, e em Roma haverá mudanças. O que está podre cairá e o que cair não se levantará jamais. A Igreja será ofuscada, e o mundo transtornado pelo terror. Tempo chegará em que nenhum rei, imperador, cardeal ou bispo, esperará Aquele que virá (…) Fumo e fogo cairão do Céu, as águas dos oceanos tornar-se-ão vapor e a espuma elevar-se-á revolvendo e inundando tudo. Milhões e milhões de Homens perecerão de hora em hora. Aqueles que fiquem com vida invejarão aos mortos. Para qualquer sítio onde se dirija o olhar haverá angústia, miséria e ruínas em todos os países.».

    Comparando:

    Excerto das confissões da Irmã Lúcia de Fátima, há pouco tempo divulgado em livro pelo Carmelo de Coimbra (onde viveu), com autorização da Santa Sé. Isto refere-se à angústia de Lúcia sobre se devia ou não escrever para o seu Bispo confessor o conteúdo do segredo. Tirem as vossas conclusões:

    «Senti então, que uma mão amiga, carinhosa e maternal me toca no ombro, levanto o olhar e vejo a querida Mãe do Céu:

    – Não temas, quis Deus provar a tua obediência, Fé e humildade, está em paz e escreve o que te mandam, NÃO PORÉM O QUE TE É DADO A ENTENDER do seu significado. E senti o espírito inundado por um mistério de luz que é Deus e N’Ele vi e ouvi:

    A ponta da lança como chama que se desprende, toca o eixo da terra. Ela estremece: montanhas, cidades, vilas e aldeias com os seus moradores são sepultados.

    O mar, os rios e as nuvens saem dos seus limites, transbordam, inundam e arrastam consigo num redemoinho, moradias e gente sem número que não se pode contar, é a purificação do mundo pelo pecado em que se mergulha. O ódio, a ambição provocam a guerra destruidora!

    Depois senti no palpitar acelerado do coração e no meu espírito o eco de uma voz suave que dizia:

    — No tempo, uma só Fé, um só Baptismo, uma só Igreja, Santa, Católica, Apostólica. Na eternidade, o Céu!

    “Esta palavra – “o Céu” – encheu a minha alma de paz e felicidade, de tal forma que quase sem me dar conta, fiquei repetindo por muito tempo:

    — “O Céu! o Céu!” (op. cit. p. 267).

    E segue-se a visão conhecida e oficial do Segredo.

    A edição do Carmelo de Coimbra reproduz ainda, na p. 269, o manuscrito da Irmã Lúcia em que se encontra o presente texto. Foi assim que a vidente recebeu forças para escrever o Terceiro Segredo.

    Alguma coisa a comentar?…

    André – Fátima, Portugal.

  13. Vamos fazer o quê com a cabeça de São João Batista? Jogar bolapé? E se a bola for pro mato? Problema, não; tem mais duas de reserva: a cabeça de Santo Tomás More e a cabeça de São João Fisher. Os três foram decapitados por não engolirem adultérios reais – as assim chamadas, pelos “teólogos”, uniões de fato -, cujos sujeitos eram realmente reis de verdade: os infames Herodes e Henrique VIII. Se apenas essas duplas em segunda união forem incensadas e aspergidas com a falsíssima misericórdia café com leite que se anuncia, quem vai advogar a causa do pessoal em terceira, quarta, quinta, sexta, sétima, oitava, etc, união de fato? Esse pessoal também é filho de Deus.