Igreja dos mártires, Igreja do sangue.

“O nome da nossa igreja é Igreja dos mártires, Igreja do sangue. Antes de 2003, no Iraque, havia mais de 2 milhões de cristãos, hoje somos pouco mais de 200.000. Eu não estou aqui para incentivar o ódio contra o Islã, estou aqui para representar o meu povo e eu lhes digo que se há alguém aqui que ainda pensa que o ISIS não representa o Islã, está muito enganado: o ISIS é o Islã 100 por cento.

Menino iraquiano cristão que fugiu com a família da vila de Hamdania- província de Mosul.

Menino iraquiano cristão que fugiu com a família da vila de Hamdania- província de Mosul.

Nasci entre muçulmanos, tenho mais amigos entre muçulmanos do que cristãos, mas não posso deixar de dizer o mesmo que Papa Francisco: o que está ocorrendo não é apenas um conflito, existe um genocídio em curso […] Os cristãos no Oriente Médio sofrem tudo isso. Quando eu estava acorrentado [na prisão], minha corrente tinha 10 anéis e um grande bloqueio: eu usei-a como um rosário, rezando uma Ave Maria para cada anel e o Pai Nosso para o bloqueio. Eu não estou com medo, eu não sou um herói, e eu não estou reclamando do que me aconteceu. Nós carregamos a cruz e seguimos a cruz de Jesus. Eu sei que a última palavra será nossa, porque Jesus nos salvou. Estou aqui para dizer a vocês: sejam a nossa voz, falem e despertem. O câncer está às vossas portas e vos destruirá. Os cristãos no Oriente Médio, no Iraque, são o único grupo que viu de perto a face do mal: o islã.

Orem pelo meu povo, ajudem o meu povo, salvem meu povo. Por que deixar as ovelhas jogadas em meio aos lobos? Eu sou apenas um sacerdote, em breve, provavelmente, irão me matar e nos destruirão. Mas nós pertencemos a Jesus, Jesus é a nossa terra prometida. Mas, vocês, porém, devem agir, obrigado”.

Palavras de Padre Douglas Al Bazi, pároco de Erbil (Kurdistão iraquiano), no Meeting de Rimini [Congresso do movimento Comunhão e Libertação na Itália], no mês passado, ao falar da situação dramática dos cristãos perseguidos no Oriente Médio.

O sacerdote, há um ano, viu chegar em sua paróquia mais de 120.000 cristãos em fuga do Estado islâmico, não mede palavras ao descrever o seu calvário e o de seu povo. O pastor de Erbil também contou a sua história, sobre a sua igreja bombardeada por terroristas, o sequestro que ele sofreu nas mãos de extremistas muçulmanos com torturas que se prolongaram por nove dias, enquanto seus algozes ouviam na televisão as leituras do Corão. 

Tradução: Gercione Lima | FratresInUnum.com

Tags:

16 Comentários to “Igreja dos mártires, Igreja do sangue.”

  1. A Europa só se abriu agora para receber muçulmanos que não são perseguidos e fazem sim uma invasão orquestrada. Quanto aos cristãos, nada se fez.

    Aí se vê a guerra psicológica revolucionária utilizada pelas forças secretas para fazer o ocidente cristão abaixar as armas ante ao perigo do comunismo e da invasão islâmica.

    • Lucas, mate a Cristandade na sua origem (o Oriente) e todo o resto se perde, ainda mais rapidamente.

      A Igreja persistirá até o fim dos tempos, sem dúvida.

      Mas o mundo – em especial o Ocidente arrogante e “autossuficiente – já paga por esse desprezo.

  2. O testemunho do Padre Douglas pode ser lido na íntegra aqui na Corrispondenza Romana:
    http://www.corrispondenzaromana.it/notizie-dalla-rete/padre-douglas-al-bazi-lislam-moderato-non-esiste/

  3. São Nimtallah Kassab, Pai Espiritual de São Charbel Makhlouf, rogai pela Santa Igreja e pelos teus filhos mais sofridos, perseguidos e desprezados.

  4. Há mais de 14 anos a Liga Cristã Mundial – LCM vem denunciando o que é o Islã. Essa entidade foi criada no Brasil,por um libanês cristão que veio para nosso país denunciando e prevenindo os brasileiros o que é verdadeiramente o Islã: terror e ódio contra a Fé Cristã. Por isso, após 14 anos de denuncias e lutas, essa ameaça se concretizou na Europa e agora está vindo para a America Latina, principalmente no Brasil. Chegou a hora de nós nos unirmos aos outros cristãos e nos defendermos contra o inimigo comum: o Islã.

  5. O padre foi ao ponto que ninguém quer falar: o ISIS é o islã em seu estado puro, a verdadeira ortodoxia da seita de Mohammed. Seus atos bárbaros coadunam-se à perfeição à longa história de atrocidades que marcam a expansão islâmica no Oriente Médio e no Norte da África. Não existe “Islã da Paz”, o islamismo é, em sua essência, uma manifestação religiosa violenta, o morticínio e o autoritarismo constituem a sua essência.

  6. Absolutamente falso. O ISIS não representa em nenhum sentido o Islã ou a comunidade muçulmana. O próprio dado apresentado por ele demonstra isso “até 2003 havia, no Iraque, mais de 2 milhões de cristãos”. Se o Islã fosse o ISIS a comunidade Cristã já teria sido extinta há mil anos em toda a região, no entanto prosperou até que as políticas desastrosas de países e políticos ocidentais deixasse países inteiros, vastas regiões, sob domínio de organizações criminosas. Aliás, há testemunhos de outros padres da região que dizem exatamente o contrário do que ele está dizendo, padres que não reconhecem o ISIS como algo fiel ao Islã. O fato é que todo muçulmano está – por uma ordem do profeta Maomé – obrigado a respeitar e PROTEGER os “povos do livro” no qual os cristãos estão incluídos. Prova disso é que SÃO MUÇULMANOS que protegem as comunidades cristãs sob ameaça de grupos criminosos, nem sempre essa proteção é possível pois as comunidades muçulmanas são proporcionalmente mais ameaçadas e violentadas de modo que nem sempre é humanamente possível fazer essa proteção. Os cristãos tinham uma comunidade próspera no Iraque, prosperidade que acabou com os erros crassos de Bush no pós-invasão. Líderes como o rei da Jordânia, Abdullah II, descendente direto do profeta Maomé PESSOALMENTE explicou o problema que estava sendo criado, o conselho foi ignorado e o Iraque ficou a mercê de grupos criminosos. Onde os cristãos buscaram refúgio? Na Síria. Foram acolhidos aos milhares pelo governo sírio e o país era um porto seguro para a comunidade Cristã nativa e refugiada até o momento em que países da OTAN (ou coligados com) passaram a financiar revolucionários (bandidos) na esperança de depor o Bashar al-Assad. Inicia a guerra civil (que não é exatamente uma guerra civil, pois há uma quantidade imensa de estrangeiros a assassinar sírios) e acaba o porto seguro dos cristãos e dos muçulmanos refugiados do Iraque. Quem protegeu as comunidades cristãs na Síria quando ameaçadas? MUÇULMANOS. Enfim, o testemunho desse padre não corresponde aos fatos e até desdiz o testemunho de outros padres. O Islã “domina” (é amplamente majoritário) a região há mais de 1200 anos e qualquer um que fizer um ‘tour’ mesmo que virtual verá que Igrejas, monumentos, comunidades, estão todas lá e só passaram a sofrer um processo de destruição sistematizado nesse milênio, é coisa muito recente.

    • É verdade o que escreve Francis. Freqüento um templo da FSSPX, não sou ecumenista, repudio essas “orações pela paz” com judeus e muçulmanos, não vejo o menor sentido no “diálogo” ou na busca de “pontos em comum” com outras fés. Mas também é falso que todo e qualquer muçulmano, simplemente por sê-lo, odeia e deseja exterminar os cristãos. Os fanáticos que operam no Iraque e Síria são wahhabitas, seita apoiada e financiada pelas monarquias do Golfo Pérscio e principalmente pela Arábia Saudita, sendo a “religião” oficial desse reino. Eles não só perseguem cristãos, mas também outros muçulmanos que não aderem à sua distorcida ideologia, como xiitas e alauitas. E Francis também tem razão ao apontar a OTAN como responsável por apoiar esses terroristas: é preciso lembrar que não só Bashar al-Assad defende os cristãos na Síria, também o fazia o derrocado Saddam Hussein no Iraque (que até tinha cristãos em altos cargos no seu governo, inclusive o ministro do exterior). São e eram ditadores, sem dúvida; mas prefiro muito mais tais ditadores, que perseguem sem piedade esses cães raivosos fundamentalistas e protegem as minorias cristãs, à “liberação” que propaga a OTAN nesses países, e que sempre leva à ascensão de fanáticos.

    • Caro Frnacis, estou estupefacto com esta análise simplicista, apologista de um culto satânico que nasceu do ódio de um homem.
      “todo muçulmano está – por uma ordem do profeta Maomé – obrigado a respeitar e PROTEGER os “povos do livro” no qual os cristãos estão incluídos. “. Isto é uma piada de mau gosto e não corresponde à verdade, o facto é que aos judeus e aos cristão é lhes permitido viver e na condição de se humilharem perante o poder islâmico e de pagarem um imposto especial. Os cristãos são tratados como semi-escravos pelo Islão e não têm quaisquer direitos, se estiver interessado em conhecer a verdade, fique a saber que o Islão impõe que os cristãos vestissem de forma diferente por forma a serem reconhecidos ao longe pelos muçulmanos , muito semelhante ao que Hitler fazia com os judeus e com certeza que foi buscar estas ideias ao Islão, seu amigo. E já agora diga o que o Islão faz ás pessoas das outras religiões, simplesmente as mata se não se converterem.
      “Se o Islã fosse o ISIS a comunidade Cristã já teria sido extinta há mil anos em toda a região, no entanto prosperou”. Outra falsidade, o cristianismo nunca prosperou em terras do Islão antes pelo contrário tem vindo sempre a diminuir, compare o norte de África de Santo Agostinho com a Líbia Marrocos, Argélia,Tunísia, Egipto de hoje onde está essa prosperidade cristã?
      “Prova disso é que SÃO MUÇULMANOS que protegem as comunidades cristãs sob ameaça de grupos criminosos, nem sempre essa proteção é possível pois as comunidades muçulmanas são proporcionalmente mais ameaçadas e violentadas de modo que nem sempre é humanamente possível fazer essa proteção.” Desculpe mas isto deve ser uma piada para chorar …conhece o genocídio Arménio, e o que está a acontecer no Paquistão e em geral nos países muçulmanos que não têm o ISIS?
      “Os cristãos tinham uma comunidade próspera no Iraque, prosperidade que acabou com os erros crassos de Bush no pós-invasão.” Com certeza que os cristãos eram uma comunidade prosperava simplesmente porque o sistema politico no Iraque era uma ditadura agnóstica, e por isso continha o ódio religioso muçulmano, e a prova disso é a matança indiscriminada entre sunitas e xiitas que hoje ocorre neste país. A violência Islâmica só é contida através da força nomeadamente de ditaduras. A prova deste facto é o que está a acontecer no Iraque, Líbia, Egipto e Síria onde só houve e há ordem porque as ditaduras colocadas pelo ocidente mantinham o horror muçulmano amordaçado.
      Por favor leia nas fontes do Islão o que o seu profeta fez,durante a sua vida, e verá ai o Islão. Já agora sabia que o norte de África, a Síria e a Turquia foram cristãs e que foi o Islão que quase dizimou estas populações Cristãs. Estude um pouco de história talvez fique a saber o mundo não começou com a guerra do Iraque.

    • Francis Lauer, você fala do que não sabe.

      Aliás, você somente deve saber ao que mostra a imprensa ocidental e se cega com teu bom mocismo ideológico.
      Recomendo que você vai até a Nossa Senhora do Paraíso e converse com os padres Zyad, Suhail, Stein e com dom Joséph, o bispo. Procure pelo arcebispo emérito, dom Fares.

      Pergunte a eles sua opinião a respeito.
      Pergunte aos refugiados que lá estão, sobre a “paz do islã”.

  7. E os muçulmanos ainda propagandeiam que Alá – porém, é a deusa da lua, lembrada no alto das mesquitas pelo quarto crescente – seja o mesmo Senhor Deus de Israel, quanta cara-de-pau e contradição!“
    Alguns versículos do pagão, intolerante e discriminador Alcorão:
    “Ó fiéis, não tomeis por amigos os judeus nem os cristãos; que sejam amigos entre si. Porém, quem dentre vós os tomar por amigos, certamente será um deles; e Alá não encaminha os iníquos.” Alcorão, Surata 5, 51.
    “São blasfemos aqueles que dizem: Deus é o Messias, filho de Maria. Dize-lhes: Quem possuiria o mínimo poder para impedir que Deus, assim querendo, aniquilasse o Messias, filho de Maria, sua mãe e todos os que estão na terra? Só a Deus pertence o reino dos céus e da terra, e tudo quanto há entre ambos. Ele cria o que Lhe apraz, porque é Onipotente.” Alcorão, 5ª Surata, 1
    “E por dizerem: Matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o Mensageiro de Deus, embora não sendo, na realidade, certo que o mataram, nem o crucificaram, senão que isso lhes foi simulado. E aqueles que discordam, quanto a isso, estão na dúvida, porque não possuem conhecimento algum, abstraindo-se tão-somente em conjecturas; porém, o fato é que não o mataram.” Alcorão, 4ª Surata,1577.
    “São blasfemos aqueles que dizem: Deus é um da Trindade!, portanto não existe divindade alguma além do Deus Único. Se não desistirem de tudo quanto afirmam, um doloroso castigo açoitará os incrédulos entre eles.” Alcorão, 5ª Surata,
    “O castigo, para aqueles que lutam contra Deus e contra o Seu Mensageiro e semeiam a corrupção na terra, é que sejam mortos, ou crucificados, ou lhes seja decepada a mão e o pé opostos, ou banidos. Tal será, para eles, um aviltamento nesse mundo e, no outro, sofrerão um severo castigo”. Alcorão 5,36 9:5 “… matai os idólatras, onde quer que os acheis; capturai-os, acossai-os e espreitai-os; porém, caso se arrependam…” Alcorão 9 Surata 5.
    O Islamismo, em suas diversas facções que se odeiam entre si, como sunitas x xiitas, é uma IDEOLOGIA TOTALITARISTA MATERIAL-ATEÍSTA ENVERNIZADA DE RELIGIÃO – também aliada dos comunistas – e seria o chicote com que o SENHOR quer castigar o Ocidente apóstata, muito merecidamente, caso Brasil e muitos mais governados, ora por partidos socialistas ou comunistas, do mesmo ideário NAZIFASCISTA – eram aliados de Hitler!
    Os diabólicos muçulmanos estão á espera do MAHDI, o “Libertador Universal” que é o anticristo!

  8. É incrível como uma pessoa sentada atrás do conforto de sua casa, na mais completa paz, que só consegue formular um raciocínio através de notícias pinçadas da internet de acordo com seu viés ideológico, tem a pachorra de vir aqui dizer que o testemunho de um mártir dessa guerra é falso!!
    Quer dizer que o Padre Douglas inventou tudo isso! Ele deve ter inventado também que ficou amarrado em correntes por dias seguidos, sem água e sem comida e que de vez enquando recebia de sobremesa uns chutes no rosto que lhe arrancaram alguns dentes!
    Padre Douglas conta em seu testemunho:

    “Quando l’islam vive in mezzo a voi, la situazione potrebbe apparire accettabile. Ma quando uno vive tra i musulmani, tutto diventa impossibile. Io qui non sono a spingervi all’odio verso l’islam. Io sono nato tra i musulmani, e tra essi ho più amici che tra i cristiani[…]
    Tutti i mezzi sono usati per costringerli a rinnegare la loro fede, compreso il rituale dello stupro collettivo, considerato in certi stati come una forma di sanzione penale. Possedere una Bibbia è diventato un crimine, proibita è la celebrazione del culto, si è tornati ai tempi delle messe nelle caverne e dei primi martiri”.

    Traduzindo: Quando o Islam vive no meio de vocês, a situação pode parecer aceitável. Mas quando um vive entre muçulmanos tudo se torna impossível. E eu aqui não estou pra incentivar o ódio contra o Islã. Eu nasci entre muçulmanos e entre esses tenho mais amigos do que entre cristãos.[…] Todos os meios são usados para forçar-nos a renegar a fé, incluindo o ritual do estupro coletivo, considerado em alguns estados como meio de sanção penal. Possuir uma Bíblia se tornou um crime, foi proibida a celebração do culto e se voltou aos tempos das missas nas cavernas e dos primeiros mártires”.

    Essa é a situação atual do Iraque. Há testemunhos de outros padres da região que dizem exatamente o contrário do que ele está dizendo? Então apresente esses testemunhos, porque pelo que eu li, o Padre Ibrahim al-Sabbagh, pároco de Aleppo, o Patriarca dos Católicos Caldeus Bispo Louis Raphael I Sako e também o Patriarca da Igreja Sírio- Católica Ignace Younan, endossam tudo que falou o Padre Douglas.

    A verdade é que independente do que se seguiu após a Guerra do Iraque, essa história é velha, já aconteceu várias vezes e em diferentes lugares e por algum motivo Deus está permitindo que ela se repita novamente. Basta ler sobre a queda de Jerusalém quando Saladino invadiu a Cidade Santa:

    “Assim, o povo, as leis, a religião, tudo estava mudado na infeliz Jerusalém. Enquanto nos santos lugares ressoavam hinos de culto estrangeiro, os cristãos afastavam-se tristemente, na mais profunda miséria e detestando a vida que os muçulmanos lhes haviam poupado.
    Repelidos por seus irmãos do Oriente, que os acusavam de ter entregado o Santo Sepulcro aos infiéis, eles erravam pela Síria, sem socorro e sem asilo; muitos morreram de fome e de dor; a cidade de Trípoli fechou-lhes as portas.
    No meio dessa multidão perdida, uma mulher levada pelo desespero atirou o filho ao mar, amaldiçoando a barbárie de seus irmãos cristãos.
    Os que foram para o Egito sentiram-se menos infelizes e comoveram o coração dos muçulmanos: muitos embarcaram para a Europa, onde foram com gemidos, relatar as desgraças de Jerusalém.
    Dizia-se então, entre os cristãos, que aquela cidade tinha caído como Nínive ou Babilônia: as crônicas contemporâneas, pelo menos, não explicam de outro modo esse fato, pois tudo então se explicava ou pela santidade ou pela corrupção dos fiéis”.
    http://ascruzadas.blogspot.ca/2015/08/islamicos-comemoram-invasao-perda-de.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+AsCruzadas+(As+Cruzadas).

    Veja aqui como o Estado Islâmico trata por uma ordem do profeta Maomé os “povos do livro” no qual os cristãos estão incluídos:

    “Combatei contra aqueles que não acreditam em Alá, que julgam lícito aquilo que Alá e seu profeta declararam ilícito, assim como contra aqueles dos povos do Livro’ que não praticam a religião verdadeira, até que paguem o tributo, humilhados e com suas próprias mãos” (IX, 29);

    E é isso que o ISIS tem feito, ou se paga a “jizya” pra terem o direito de continuar vivendo lá, ou se não tiverem dinheiro, que aceitem a morte ou busquem refúgio em outro lugar:
    http://www.tempi.it/siria-isis-costringe-i-cristiani-a-firmare-il-contratto-di-sottomissione#.VfF8-LTiCTZ

    O ISIS é a verdadeira face do Islamismo como sistema teocrático. Enquanto ditadores como Sadam Hussein controlavam as facções rivais com punho de aço e vara de ferro, a paz parecia reinar e as minorias eram protegidas, mas o Islã mesmo nunca protegeu ninguém. Na África existem vários países em que muçulmanos e cristãos coexistem pacificamente, como em Gâmbia. Mas isso só é possível porque há ali um ditador que mantém a ordem com vara de ferro.
    No Egito, enquanto Mubarak recebia bilhões dos americanos, ele segurava a onda dos fanáticos, mas bastou a Irmandade Islâmica tomar o poder pra começar o massacre dos Coptas. Graças a Deus os militares tomaram o poder novamente, porque senão teríamos no Egito o mesmo quadro do Iraque e da Síria.
    O Islamismo não conhece caridade e nem amor, só fanatismo e dor. Basta ver o que está acontecendo com essa crise dos refugiados. Nenhuma dessas teocracias islâmicas endinheiradas como Qatar, Emirados Árabes, Arábia Saudita etc, abriram as portas pra receber sequer os muçulmanos que estão fugindo do radicalismo e da violência do ISIS.

  9. Quem DÁ COBERTURA ao islamismo, ainda que seja sutil, seu caso, parece desconhecer muitas passagens do Alcorão, a “bibla do ódio” aos discordantes!
    Porque os governos muçulmanos proíbem com tanta veemência e até pena de morte a entrada do cristianismo, particularmente católico e açulam o povo contra eles, pela “bibla” deles, hem?
    E se um católico pedisse asilo a um governo muçulmano, que sucederia ao chegar lá, por cima portando a bíblia católica, hem?
    As centenas de grupos do Islã discordantes entre si e desde a fundação estão lutando em guerras fratricidas, sabia disso?
    Os grupos cristãos eram mantidos separados por meio de duras repressões de governos tipo Saddan Hussein, cada qual de seu lado, em seu lugar, sem se agredirem, mesmo na Libia com Khadafi, que também não era flor-que-se-cheire!
    V é chegado em Obama, aos comunistas em geral, sócios desses?

  10. O padre não disse o que aconteceu em 2003, ano que foi um divisor de águas na história do Iraque e a partir do qual os cristãos iraquianos passaram a viver em perigo. Por que será?

    O padre também não disse que o fim do Império Otomano, após a Primeira Guerra Mundial, resultou na partilha do seu território entre ingleses e franceses, sendo que o atual Iraque foi uma invenção da Inglaterra, que juntou num mesmo território curdos, sunitas e xiitas.

    O padre também não disse que Bashar Al-Assad, na Síria, só ainda não caiu porque conta com o apoio do Irã e da Rússia, sendo que o Irã é uma teocracia de muçulmanos xiitas. Por que será que muçulmanos xiitas apoiam um ditador sírio que defende cristãos, em vez de apoiar o ISIS?

    Ele é um padre, e não um neocon escondido nos cafundós da Virginia, que obteve de forma misteriosa um green card.

  11. Nesta triste história, da invasão dos Muçulmanos pelo mundo. Eles tem deixado um rastro de destruição por todos os lugares onde eles invadem. Nações inteiras, esfaceladas por sua tirania. Ninguém vê ou finge que não vê a causa de tantas guerras, matanças desde quando foi fundada por Maomé. Nos seus longos séculos de devastação. São milhões de cristãos que já foram mortos ou martirizados. Outrora, nós tínhamos um São Pio V. Que convocou um mini exército cristão; juntos com as autoridades de sua época. E os cristãos conseguiram uma vitória extraordinária, na famosa BATALHA DE LEPANTO. Foi a força do Rosário, foi as orações fervorosas de um Papa santo. Que atraiu do céu, esta vitória tão esplendorosa. Na história da humanidade, as grandes vitórias, estão sedimentadas na força da oração, no sobrenatural, no poder de Deus. O milagre do Rosário, enriqueceu o mundo de benção, de benefícios, e de graças. No caso da BATALHA DE LEPANTO, a Mãe de Deus, alcançou um milagre fulgurante. Com um “punhado” de soldado cristãos, arrasou com o exército Muçulmano. Não foi a forças das armas, não foi a coragem dos sodados cristãos, Mas sim! A força do Rosário! Vamos rezar para que Deus mande um novo São Pio V, um São Pio X. Para convocar os cristãos novamente a reza do Rosário. Só uma força sobrenatural, é capaz do triunfo da Santa Igreja e da humanidade.
    Joelson Ribeiro Ramos.

  12. A comunidade cristã do Iraque, aqui, nesta diocese, usa a paróquia portuguesa para seus serviços religiosos e sociais. Vários caldeus abriram negócio nesta cidade e defacto tenho muito contacto com este povo tão unido e cristão.
    A Senhora Gercione Lima acho que vive neste país e deve ter conhecimento.
    O Sr. Francis está a romantizar o horror da perseguição, igrejas bombardeadas, numa frase muito comum entre os Caldeus: “ fomos corridos a pontapé da nossa terra”.
    Realmente existem no Iraque islamitas só em nome o que posso comparar the católicos que vão à igreja uma vez por ano mas, quando leem o seu livro diabólico afastam-se dos cristãos e deixam de se falar e de seus olhos brilha ódio.
    Sr. Francis, Islã-Cristão são incompativéis em todos os níveis.