Duplo padrão na seleção dos membros do Sínodo? Os casos curiosos do Cardeal Tong Hon e do Arcebispo Cordileone.

Por Rorate Caeli | Tradução: Teresa Maria Freixinho – FratresInUnum.com

1 – Será que o Vaticano mentiu ao excluir o Cardeal Tong Hon?

A lista final dos membros do Sínodo dos Bispos de 2015 inclui um bom número de prelados que já passaram da “idade da renúncia” (75), incluindo um punhado de cardeais octogenários: Tettamanzi (81), Kasper (82), Danneels (82), Sgreccia (87) e Sodano (88 em novembro deste ano). Muitos outros estão na faixa de 75 a 80, como, por exemplo, o Cardeal Damasceno Assis (um dos quatro Delegados-Presidentes do Sínodo, que está com 77 anos), os chefes de dicastério da Cúria, Cardeais Coccopalmerio (77), Amato (77) e Veglio (77), bem como muitos outros. Sem cair na fé cega em uma “solução biológica” contra o liberalismo — pois, afinal de contas, há um bom número de teólogos liberais e prelados em seus 40, 50 e início dos 60 anos – devemos observar que o “campo Kasperiano” tem, dentre seus líderes e promotores mais proeminentes, cardeais com mais de 70 e 80 anos de idade, incluindo a maioria dos prelados mencionados acima. (Sgreccia e Amato são conservadores convictos em questões morais, assim como o  Cardeal Carlo Caffarra de Bologna, que tem 77 anos de idade.)

Então, por que o Cardeal John Tong Hon, Arcebispo de Hong Kong, com 76 anos, um dos três Delegados-Presidentes do Sínodo sobre a Nova Evangelização de 2012 e delegado nomeado pelo papa para o Sínodo de 2014, ouviu do Vaticano que ele não poderia participar do Sínodo deste ano porque era velho demais? A agência asiática de notícias católicas UCANews divulgou em primeira mão, no dia 31 de agosto, a seguinte notícia:

O Cardeal Tong, de Hong Kong, diz que não foi convidado para o Sínodo sobre a Família.

A maior diocese chinesa não poderá ser representada no encontro do Vaticano

O chefe da maior diocese católica chinesa do mundo estará ausente do Sínodo Mundial dos Bispos em outubro porque foi considerado muito idoso.

O Cardeal John Tong Hon, de Hong Kong, não foi convidado para participar do sínodo deste ano, que tratará da família, porque ele tem mais de 75 anos.

“Agora sei que não vou ao sínodo,” disse o cardeal de 76 anos à ucanews.com em uma entrevista no final de agosto.

O cardeal contou ter sido informado por um representante do Vaticano que o Vaticano “não quer fazer quaisquer exceções” com relação à idade.

O Cardeal Tong disse que não sabia se outro representante de Hong Kong havia sido escolhido em seu lugar. Ele só sabia que havia sido “desqualificado por causa da idade,” disse, rindo.

“Eles encontrarão alguém… se precisarem de alguém,” disse o cardeal.

Em geral, os participantes do Sínodo são eleitos por conferências de bispos locais. Por razões históricas, Hong Kong, uma antiga colônia britânica e a maior diocese chinesa do mundo, com população católica de 560.000 pessoas, continua sendo área de missão e não tem sua própria conferência episcopal.

Alguns católicos de Hong Kong expressaram seu descontentamento porque a diocese não poderá ser representada no sínodo.

“É uma pena que ninguém de Hong Kong vá”, disse Francis Law, membro de uma página chinesa do Facebook chamada “Catholic Parents”, à ucanews.com.

Law disse que os católicos de Hong Kong poderiam contribuir com as discussões no sínodo, expressando preocupações sobre os acontecimentos recentes no mundo todo a respeito das uniões de pessoas do mesmo sexo, particularmente, nos Estados Unidos, que legalizou o casamento de pessoas do mesmo sexo em junho.

“Esses tipos de relatos precisam ser levadas ao Sínodo,” disse Law, que é membro da Comissão da Juventude Diocesana.

(…)

Obviamente, alguém mentiu para o bom cardeal! O Papa tem a prerrogativa de nomear quem ele desejar, e se o cardeal tivesse simplesmente sido ignorado para o Sínodo deste ano não haveria problema. Infelizmente, ele, um Cardeal da Igreja Romana, ouviu uma mentira deslavada quanto ao motivo pelo qual ele não podia comparecer – o que isso diz a respeito do Vaticano atualmente? Ou alguém do Vaticano mentiu para ele, ou um padrão duplo escandaloso foi utilizado: prelados com mais de 75 anos são inaceitáveis como delegados do Sínodo, salvo se forem “progressistas” da Europa?

Ao que parece, o Cardeal Tong Hon é um homem profundamente interessado em promover a vida familiar cristã, como se depreende de sua carta pastoral por ocasião do Natal de 2012 (afirmando que o matrimônio deveria ser entre um homem e uma mulher) e sua Carta Pastoral de novembro de 2014 sobre o “Evangelho da Família”. Ele afirma de maneira gentil, porém inconfundível, em resposta ao Cardeal Baldisseri, a necessidade de evitar confusão com relação à doutrina da Igreja  sobre a família, especialmente, nesta mensagem (grifos nossos):

Da maneira como eu vejo essa questão, além de dar mais importância ao bem-estar de crianças inocentes, o Cardeal Baldisseri tocou em, pelo menos, dois princípios importantes da ação pastoral: o primeiro, “acompanhamento compassivo” e o segundo, “compatibilidade com a doutrina da Igreja.”

Gosto de pensar no primeiro princípio no sentido de exortar a Igreja e seus pastores a terem um “coração ouvinte” (1 Reis 3: 9) e a se aproximarem com solicitude, amor e compaixão da pessoa como sujeito e não mero objeto de zelo e preocupação pastoral, não para julgar ou condenar, mas para respeitar a liberdade e dignidade da pessoa e acompanhá-la ao longo do difícil caminho rumo à totalidade e plenitude da vida.

 A Igreja deve desenvolver uma sensibilidade que lhe permita ser capaz de perceber e responder até mesmo ao grito silencioso do coração humano.

O segundo exige fidelidade à doutrina da Igreja, compreendida da maneira apropriada. Assim, a adoção de uma “atitude não julgadora” não significa que o pastor não esteja preocupado com o que é bom ou mau, certo ou errado, virtude ou pecado.

O pastor precisará do dom do discernimento e conhecer os parâmetros do que está ou não de acordo com a mentalidade da Igreja ao buscar soluções práticas, mas baseadas em princípios.

Isso me leva a um terceiro princípio, em outras palavras: “uma dimensão essencial do cuidado pastoral autêntico é a identificação das causas da confusão com relação à doutrina da Igreja.”

Com frequência é preciso, não somente do ponto de vista doutrinal, mas também pastoral, afirmar e elucidar a doutrina da Igreja, de modo a antecipar ou dissipar mal-entendidos ou confusões. A maneira e a linguagem como a mensagem é redigida e transmitida importam enormemente. 

Não se trata de “equilibrar a verdade com a misericórdia”, mas sim de falar a verdade com amor e sensibilidade, agindo de maneira coerente, com a coragem e esperança que vêm da fé em Deus, que é “rico em misericórdia”.

De modo algum de maneira dura, mas definitivamente não da maneira “Kasperiana” quanto ao tom.

Além disso, o Cardeal presidiu o crescimento rápido de conversões em sua Arquidiocese (ele acolheu 3.600 novos católicos na Páscoa de 2015!) Em tempos normais ele teria sido quase uma “presença confirmada” como membro do Sínodo. Sua posição clara em face à perseguição dos cristãos em Pequim é extremamente exemplar para os clérigos de hoje.

2- Arcebispo Cordileone – escolhido para ser excluído?

O Arcebispo Salvatore Cordileone, de San Francisco, não é apenas um conhecido “guerreiro da cultura”, mas também o Presidente do Sub-comitê para a Promoção e Defesa do Matrimônio da Conferência dos Bispos dos EUA. Não surpreende que ele tenha sido eleito por seus irmãos bispos americanos em novembro de 2014, como uma das duas “alternativas” [suplentes] de delegados para o Sínodo da conferência dos bispos americanos. O outro suplente era Blase Cupich, então época Arcebispo eleito de Chicago.

A lista final dos membros do Sínodo atualmente inclui 8 americanos: os quatro delegados eleitos pelos bispos dos EUA (Arcebispos Joseph Kurtz, Charles Chaput, Jose Gomez e o Cardeal Daniel DiNardo) e quatro nomeados pontifícios: Cardeais Timothy Dolan, Donald Wuerl, Arcebispo Blase Cupich e o Bispo George Murry SJ.

Não é interessante que dos seis bispos originalmente eleitos no ano passado pelos Bispos dos EUA para representá-los no Sínodo deste ano, seja como delegados seja como suplentes, o ÚNICO que não poderá comparecer é Salvatore Cordileone, que, na verdade, é o homem certo do episcopado americano no que tange à “promoção e defesa do matrimônio”?

Sua não nomeação fica mais acentuada pelo fato do Papa Francisco ter nomeado quatro prelados americanos, três dos quais haviam até mesmo sido eleitos por seus pares para representá-los no Sínodo deste ano. Não, ele não foi excluído porque não havia mais espaço para ele, nem poderia ter sido excluído por ser “desconhecido” – a posição dele como suplente, se não por outro motivo, certamente o teria colocado no escopo das atenções do Papa quando este (ou seus consultores mais próximos) estudasse quem mais deveria nomear para o Sínodo.

* * *

A exclusão desses dois prelados cheira a intriga indigna e a um jogo de poder no período de preparação para o Sínodo. Isso não nos surpreende mais, porém, é doloroso ver novas provas dessas coisas quase todo santo dia à medida que nos aproximamos de outubro.

* * *

Nota do Fratres – não surpreende, mas apenas registramos: Cardeal Burke não foi convocado para o Sínodo de 2015.

Anúncios

12 Comentários to “Duplo padrão na seleção dos membros do Sínodo? Os casos curiosos do Cardeal Tong Hon e do Arcebispo Cordileone.”

  1. EXPURGO é a palavra. E tem mais alguma coisa que surpreende nesse Pontificado filo-comunista? Esse Sínodo da Sodomia e do Adultério foi propositalmente elaborado em duas partes com uma finalidade bem específica.
    Na primeira fase, testar as águas pra detectar o grau de oposição e os opositores. Na segunda fase, depois do expurgo, obter maioria pra empurrar para os fiéis goela abaixo toda a sorte de abominação.
    Essas abominações já correm soltas em tudo que é paróquia modernista pelo mundo afora, mas agora corre-se o perigo que elas terão (depois do pseudo-sínodo) o aval da cúpula de impostores no vértice da Igreja. Eles não são a voz da Igreja, mas por falarem em nome da Igreja induzirão muitos ao erro e outros ao desespero.
    E os execrados e sacrílegos já não mais se escondem. Agora praticam seus sacrilégios à luz do dia e ainda publicam em redes sociais.
    Ainda ontem tomei conhecimento de que uma casta de demônios encarnados, sodomitas e sacrílegos estão ativos e ocupando cargos importantes em várias igrejas e órgãos da Diocese de Salvador. São acólitos, secretários e priores de Ordem Terceiras que vivem abertamente em relacionamentos sodomitas, comungam regularmente e fazem propaganda disso. As páginas abertas desses sacripantas no Facebook estão repletas das prova de seus crimes.
    Eles defendem toda a sorte de imundície: paganismo e satanismo em nome do ecumenismo, sodomia na forma de “casamento gay” e o comunismo do PT. Há pessoas que ainda vem me perguntar o que fazer, se deveriam escrever para o Bispo, para o Papa…etc.
    Eu porém apenas digo, bradem dos telhados, não tenham comunhão com as obras das trevas, antes denunciai-as abertamente, mas não esperem nada dessa hierarquia que tomou de assalto o controle da Igreja: seria o mesmo que denunciar o roubo ao chefe da quadrilha.

    • Eu tenho muito receio de que os homossexuais celibatários, sobretudo os involuntariamente “afetados”, sejam duplamente perseguidos pela “casta de demônios encarnados, sodomitas e sacrílegos” e pelos fieis que os julgam sodomitas e sacrílegos sem o serem.

      Vocações religiosas e sacerdotais autênticas e aspirações de santidade na vida laical talvez têm sido frustradas porque ou fulano é homossexual e não se adéqua à agenda gay que se infiltrou em determinados meios da Igreja, através da militância gay e da prática homossexual assumida, do lado progressista, ou porque o julgam obstinado pecador grave em razão de suas maneiras espontaneamente afeminadas, do lado conservador.

      Como se fazem urgentemente necessários apostolados (ou medidas dentro de apostolados já existentes) de resgate espiritual para os homossexuais verdadeiramente católicos, que se comprometem com a abstinência sexual, de acordo com o que a Doutrina prevê para eles!!!

      Falo disso com “conhecimento de causa”. Como é mister para nós, “homossexuais evidentes”, “o apoio da amizade desinteressada”, de que o catecismo fala a nosso específico respeito, e não o olhar reprovador de alguns, toda vez que entramos numa igreja para rezar com sinceridade, porque “desmunhecamos”, como se isso fosse grande coisa, perto do que alguns homens de porte marcial devem têm de ruim no coração e na prática (até mesmo homossexual) de vida.

      Que estas admoestações, em nome da Santíssima Trindade, de Nossa Senhora e de todos os anjos e santos, sejam cumpridas no meio católico, a fim de que as almas dos homossexuais, na maioria dos casos muito solitários quando decidem lutar de fato contra as tendências ao pecado da sodomia e abandonar as más companhias, sejam salvas:

      “Esta propensão, objetivamente desordenada, constitui, para a maior parte deles, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á, em relação a eles, qualquer sinal de discriminação injusta” (Catecismo, § 2385).

  2. Alguém peça ao Cardeal Burke para ler São João de Santo Tomás porque, do contrário, até a alma do Cardeal Burke corre muito sério risco. Creio que, pelos fatos, Deus não quer mais discussões teóricas ou canônicas, mas quer atitudes decididas e decididas até à morte. Lembremos do Apocalipse. Jesus diz no Apocalipse: “feliz de quem se guia por este livro”. Não como os protestantes fatalistas histéricos que foram arte do demônio. Mas eles, os inimigos reunidos, estão cumprindo tudo que está lá: “apagar da memória o mínimo resquício de Deus (Jesus, exatamente)”. É a agenda deles. Vejam, o falso profeta já ajuda a besta e só o falso profeta é defendido como religião pelo laicismo. Vejam outro dado comprovante: por que, tendo invadido a Europa, o falso profeta não luta contra o gaysismo e vice-versa lá mesmo dentro da Europa? Não sabem que são aberta e mutuamente odiados um pelo outro? E, no entanto, estão de trégua e mutuamente defendidos pelo comunismo europeu e até vaticano! Porque a agenda única de agora já é excluir o catolicismo mesmo institucional e juridicamente e se ficarmos com coisas teológicas ou canônicas somente ajudaremos os inimigos. Vejam: Francisco se preocupou com o aspecto canônico ou jurídico nas suas decisões e permissões? NÃO! Eles não estão nem aí para o Direito ou para a Doutrina! Acorde Cardeal Burke! Acorde antes que seja tarde até para Vossa Excelência! Tenha a coragem de Moisés e pegue o seu povo e o leve para fora!

  3. Creio que os homens do avental estão dentro do Vaticano por meio de seus subsidiários locados na Alta Hierarquia – quantos não sei – mas que têm tido força suficiente para barrarem os “politicamente incorretos”, por certo.
    E dentre esses vetados estão o magnífico cardeal D Leo Burke, idem D Salvatore Cordileone e mesmo D Tong Hon que não aceitam se alienarem na fé para se adaptarem aos novos tempos, em promoverem as falsarias misericórdia, compreensão e tolerância descompromissadas com a Verdade de Jesus, já que internamente os supostos aliados da Regua e Compasso pleiteiam mesmo é a entronização dos arautos da DITADURA DO RELATIVISMO!
    Se as coisas continuarem nessa direção, os resultados seriam de confirmação das teorias paralelas cismáticas e/ou heréticas do Cardeais Kasper e Ass., já estando algo antecipadamente esperadas, em breve postas em prática noutra igreja similar à Igreja católica de sempre.
    Quem sabe, a criação oficial de + 1 igreja “ortodoxa”?
    Nesse ínterim, o papa Bento XVI vendo o caos contra o qual tanto se opôs, deve estar “apreciando” e como…

  4. Impressionante como prelados como Bruke e Léonard (Bruxelas) ficam de fora de Sínodo e são solenemente convidados outros como Daneels, Kasper e o bispo sem diocese e ghost-writer “Tucho” (aquele que escreveu o livro “Sáname con tu boca”). Quando não conseguem matar (como fizeram com Dom Rogélio), fazem de tudo para calar os que defendem a fé.

  5. 1-) Este sínodo convocado pelo Papa Francisco, assim como foi o Concílio Vaticano II, é um jogo de cartas marcadas. O que será feito lá é um teatro, “una drammatizzazione” diriam os italianos, onde quem perde ao final do espetáculo será a Igreja Católica Romana.

    2-)Tudo não passa de mais uma manobra da Guerra Psicológica Revolucionária empreendida pelos revolucionários para autodemolir a fé católica e preparar o reino do anti Cristo.

    3-) O efeito disto é que esta imensa quantidade de pessoas mundanas que não observam as regras da virtude e vivem nos vícios mais imundos, mais porcos, aplaudam o Papa Francisco com um “aplauso filial”. A nós, cabe oferecer o Rosário como pedido por Nossa Senhora em Fátima esperançosos na promessa de que o seu Imaculado Coração triunfará.

  6. O Papa Bento XVI jurou obediência ao Papa reinante, Francisco, correto? Lemos constantemente que é errado ficar calado em nome da obediência quando se vê algo contra os ensinamentos de Cristo e de Sua Igreja, mesmo quando feitos pelo clero.

    Por quê então o Papa Bento XVI está calado diante dessa situação? Será que a visão dele de obediência é a de se sujeitar ao seu superior mesmo quando há o erro?

    Amo o Papa Bento XVI mas acho estranho esse silêncio.. não me atrevo a julgá-lo por isso porque talvez ele esteja usando suas “armas” secretamente dentro do possível, mas talvez só saberemos disso no dia do juízo.

  7. Os lobos tomaram conta do redil dos cordeiros e não já têm vergonha de esconder as suas artimanhas, fazem tudo às claras. A partir de agora veremos a carnificina dos cordeiros, enquanto os verdadeiros pastores serão atacados.

  8. A anos atrás, percebi claramente o que estava acontecendo na Igreja por baixo dos panos. Comentava com um e outro, e fui chamado de louco, radical, endemoniado, fundador de ceita de Maria, de pé descalço, e outros adjetivos, fui impedido de ser padre, e perseguido de inúmeras formas, perdi tudo para ganhar a Deus. Então recentemente resolvi escrever um livro que denuncia toda esta trama diabólica, “O Mistério da Impiedade e a Demolição da Igreja”. Livro este, que poderá ser lido por qualquer um no meu site http://www.misteriofidei.com e como não poderia deixar de fazer, estou publicando a doutrina da Santa Igreja, ratificada no Concílio de Trento. Não bastava denunciar, mas, expor toda a Sã Doutrina em sua essência. Quem quiser e só acessar e copiar os arquivos que estão em PDF, a disposição dos fiéis. Tudo o que esta previsto nas Sagradas Escrituras, e em inúmeras profecias nestes dois mil anos, estão se cumprindo a risca. Rezemos para ficarmos de pé, diante da prova derradeira para a Igreja.
    Salve Jesus e Maria!

  9. “WORKS OF THE SERAPHIC FATHER ST. FRANCIS OF ASSISI”
    Capítulo XIII, página 248 – Algumas Profecias do Santo Pai S. Francisco.
    Pouco antes da morte do Pai santo, ele convocou os seus Filhos e alertou-os sobre os problemas que haviam de vir, dizendo:
    «Ajam com bravura, meus irmãos; ganhem coragem e confiem no Senhor. Em breve se aproxima o tempo no qual haverão grandes provas e aflições; perplexidades e discórdias, tanto espirituais como temporais, virão em abundância; a caridade de muitos esfriará, enquanto a malícia dos ímpios aumentará.
    Os diabos terão um poder fora do usual; a imaculada pureza de nossa Ordem, e de outras, será tão obscurecida, que haverá bem poucos Cristãos que obedecerão ao verdadeiro Soberano Pontífice e à Igreja Romana com corações leais e caridade perfeita. Nos tempos desta tribulação, um homem não canonicamente eleito será elevado ao Pontificado, que, com sua astúcia, empenhar-se-á em levar muitos ao erro e à morte.
    Então escândalos se multiplicarão, a nossa Ordem será dividida, e muitas outras serão totalmente destruídas, porque consentirão o erro em vez de o combater.
    Haverá uma tal diversidade de opiniões e cismas entre as pessoas, os religiosos e o clero, que, se aqueles dias não fossem abreviados, segundo as palavras do Evangelho, até os eleitos seriam levados ao erro, se não fossem guiados, no meio de tão grande confusão, pela imensa misericórdia de Deus.
    Então a nossa Regra e nosso modo de vida serão violentamente combatidos por alguns, e provas terríveis cairão sobre nós. Os que permanecerem fiéis receberão a coroa da vida; mas ai dos que, confiando somente em sua Ordem, caírem em mornidão, pois não serão capazes de suportar as tentações permitidas como teste para os eleitos.
    Os que perseverarem em seu fervor e mantiverem sua virtude com amor e zelo pela verdade sofrerão injúrias e perseguições como sendo rebeldes e cismáticos; pois os seus perseguidores, instigados por espíritos malignos, dirão que prestam um grande serviço a Deus, eliminando aqueles homens pestilentos da face da Terra; mas o Senhor será o refúgio dos aflitos, e salvará todos que nEle confiarem. E a fim de serem como o seu Mestre, estes, os eleitos, agirão com confiança e com sua morte obterão para si próprios a vida eterna; escolhendo obedecer a Deus e não aos homens, eles não temerão nada e preferirão perecer, do que aprovar a falsidade e a perfídia.
    Alguns pregadores manterão silêncio sobre a verdade, e outros a calcarão aos pés e a negarão. A santidade de vida será desprezada até pelos que exteriormente a professam, pois naqueles dias Nosso Senhor Jesus Cristo lhes mandará não um verdadeiro pastor, mas um destruidor»
    https://archive.org/stream/worksseraphicfa00frangoog/worksseraphicfa00frangoog_djvu.txt

  10. Permita-me caro amigo Marcos, copiar e publicar no meu site ( http://www.misteriofidei.com ), esta profecia de São Francisco. Só não enxerga quem não quer, pois o pior cego é aquele que não quer ver, ou são partidários de Satanás.
    Paz e bem!
    Salve Jesus e Maria!

  11. Enrico Maria Radaelli publicou este estudo no dia 18 de maio de 2013. Logo depois ele o apagou de seu site. Mas não a tempo de que ninguém o copiasse. Alguém poderia traduzi-lo para o Português?
    .
    http://www.unavox.it/ArtDiversi/DIV422_EMR_Ritirare_dimissioni.html