Sínodo. Trabalhos discretos em curso.

Amanhã serão revelados os novos procedimentos para o Sínodo sobre a Família, programado para outubro; e, segundo o que escreve Edward Pentin, não esperem muita transparência. Enquanto isso, há um grupo trabalhando na maior discrição…

Por Marco Tosatti – La Stampa | Tradução: Gercione Lima – FratresInUnum.com: Amanhã serão revelados os novos procedimentos para o Sínodo sobre a Família, programado para outubro; e, segundo o que escreve Edward Pentin, não se pode esperar por muita transparência: as intervenções dos padres sinodais não deverão se tornar públicas, como foi o caso no ano passado, uma ruptura total com a prática de sempre, até os trabalhos dos círculos menores serão ou resumidos e filtrados pelos assessores de imprensa.

Pentin escreve também que não haverá nenhum documento intermediário nem uma mensagem final. “O papa não quer nada escrito pelos Padres sinodais”. Talvez para que ele possa ficar o mais livre possível para poder decidir, sem qualquer tipo de vínculo ou sugestão. Um pouco como aconteceu com o Motu Proprio sobre os processos de nulidade, onde os departamentos competentes da Santa Sé não foram sequer consultados.

Neste contexto, nos chega a notícia de que nos últimos doze dias, cerca de trinta pessoas, a maioria deles Jesuítas, com algum argentino no meio, estão trabalhando em torno dos temas do Sínodo, de um modo bem discreto e sob a coordenação do Padre Antonio Spadaro, diretor da revista Civiltà Cattolica, que passa muito tempo em Santa Marta, em consulta com o Papa.

A discrição no trabalho se estende também aos Jesuítas da mesma Casa, a mansão-sede da Civiltà Cattolica, em Villa Malta, no Pincio, onde está sendo desenvolvida uma parte do trabalho. Uma hipótese é que a “força-tarefa” trabalha para fornecer ao Papa as ferramentas para um possível documento pós-sinodal relativo à Eucaristia para os divorciados recasados, pessoas que convivem sem casar e “casais do mesmo sexo”.

Anúncios

14 Comentários to “Sínodo. Trabalhos discretos em curso.”

  1. Tá mais para a folia e barda do clube do bolinha. Queria ver um Gregório Magno colocar ordem nesta casa! Ia sair cobras e lagartos escondidos por baixo desses panos… Enquanto isso, a gente come esse angú tomando cuidado para não se afogar com os caroços.
    Onde vamos parar?

  2. Fico pensando se adiantaram as súplicas, as assinaturas, os clamores, os apelos da Igreja aflita(do reduzido rebanho) ao papa Bergóglio ou se tudo já é decidido no juízo desse papa.

    Nossa Senhora, auxílio dos cristãos!
    Rogai por todos nós.

  3. Quem ainda é Católico na Igreja Católica ????

  4. Lembro-me de uma descrição do modus operandi decisório do Papa Francisco quando era Dom Bergoglio: consultava muito, mas no final traçava a diretriz operacional sozinho, pela sua cabeça.
    Pelo visto nada mudou…

  5. Esse pragmatismo na governança da Igreja tem como efeito colateral o lastro do mundanismo: a Barca de Pedro aderna sob o peso da mundanidade…

  6. Se a situação não era nada interessante para a Igreja antes do Vaticano II – os 10 últimos papas até Bento XVI incomodavam-se muito com o avanço e sedimentação do modernismo e da peste comunista – para não dizer que da Revolução Francesa adiante é que a deterioração geral e o consequente caos se tornou mais visível.
    Evidentemente que funcionou, persiste a tese e prática de infiltração para implosão da Igreja, que tem dado imensos resultados, e ainda mais com os avanços tecnológicos da Informação, a qual justamente é controlada pelos globalistas, parecendo ser o que lhes faltava para dominarem os povos via desinformações e montagens de intrigas contra a Igreja, deturpando-lhe sua atuação e pervertendo as mentes dos incautos!
    “Aproveitem” – resta-lhes pouco tempo de aparente domínio – período esse que lhes foi concedido pelo Senhor Deus para que, meio às tribulações, destacassem os que continuariam a se manterem firmes na fé!

  7. Si cum Jesuitis,….

  8. Esta é a “teologia de joelhos” de Bergoglio:

    Num instante o demônio mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e disse:
    _ Eu lhe darei todo este poder e toda riqueza, pois tudo isto me foi dado e eu posso dar a quem quiser. Isto tudo será seu se você se ajoelhar diante de mim e me adorar.

    Resta saber se aqueles Bispos que ainda são fiéis a Jesus, responderão junto com o Mestre:

    _ “Adorarás o Senhor seu Deus e somente a ele servirás”.

    Mas afinal quem é essa personalidade parda chamada Antônio Spadaro?

    http://www.santalessandro.org/2015/05/padre-antonio-spadaro-parla-di-misericordia-incontro-nella-basilica-di-santa-maria-maggiore/#prettyPhoto/0/

    Um italiano da cidade de Messina, nascido em 1966, ou seja só conheceu mesmo a Igreja do Vaticano II, tornou-se padre trinta anos mais tarde e fez seus votos solenes na adulterada Companhia de Jesus em 2007. É um especialista em literatura mundana, tanto que se tornou por muitos anos professor no Instituto Maximus em Roma onde promovia entre outras coisas, livros de autores nada ortodoxos como Pier Vittorio Tondelli (conhecido em particular pelo romance Outros libertinos, um romance que inicialmente foi catalogado como obsceno e pornográfico. Mais tarde fundou um laboratório de literatura chamado BombaCarta e dedicado a um releitura da Bíblia ou ao cinema mundano. Mas foi, sem dúvida, a sua nomeação como diretor da revista Civilização Católica em 2011 que jogou padre Antonio, no lugar onde ele ama estar: no centro da mídia.
    A essa altura vocês devem estar se perguntando, o que teria levado um cara como esse, relativamente jovem, pelo menos mais novo que eu, versado em cultura mundana mas um analfabeto funcional em Doutrina da Igreja a ser catapultado pra uma posição tão alta?
    Bom, em tempos de modernismo, quanto mais moderno melhor. Ao lançar o livro “Cyberteologia. Pensare il cristianesimo al tempo della rete, anno domini 2012” ele se colocou à frente daqueles que querem uma Igreja por dentro das novas mídias e das redes sociais. Enfim, Spadaro está mais ligado a tablets, smartphones, facebook e twitter do que Summa Teológica.
    Com a saída inesperada de Ratzinger e a chegada do primeiro jesuíta no Pontificado Romano, a cotação de Spadaro também subiu. A revista dos jesuítas modernistas, Civilização Católica parece ter substituído o Osservatore Romano como órgão oficial da Igreja e rapidinho Spadaro se inseriu no filão dos “exegetas da transição” e da formação da imagem do novo Pontífice. Spadaro é o exegeta das palavras do papa sobre “Igreja hospital de campanha”, a “tendência irreversível” do Vaticano II, a Igreja “deve encontrar novas formas” e “não insista apenas em questões relacionadas ao aborto, casamento homossexual e uso de contraceptivos”.

    Fonte: http://www.formiche.net/2014/06/17/antonio-spadaro-bergoglio/

  9. Se o Bispo de Roma “permitir” a comunhão aos amancebados, recasados, sodomitas inveterados no pecado, haverá um cisma claro, não mais silencioso como até agora na Igreja; pelo menos, só aqui no Brasil, uns 60 Bispos e Arcebispos, não o seguirão na infidelidade a Nosso Senhor, imagine o Episcopado da África, uma parte do Americano, uma parte do Espanhol e muitos cardeais da Cúria, a começar por Muller…

    Bergóglio adora ser ovacionado, chamar a atenção, mas não é não burro….

    Sagrada Família Jesus Maria e José, rogai por nós!

  10. CORRIGINDO: “MAS NÃO É BURRO”.

  11. Impressionante o trabalho de destruição da Igreja que está em curso operado pelos seus próprios membros. Lutero não teria a astúcia e falta que pudor que hoje têm certos padres sinodais.

  12. O papa Francisco defendeu a indissolubilidade do casamento, condenou o divórcio e reiterou que, para a Igreja, a família é composta por um homem e uma mulher ao inaugurar o sínodo de bispos, neste domingo, no Vaticano.
    Este é o meu papa!