Padre Dariusz Oko responde ao ataque calunioso do “padre gay” Krzysztof Charamsa.

Por Toronto Catholic Witness | Tradução: Gercione Lima – FratresInUnum.com: Pe. Oko ganhou fama por seus escritos sobre a “homo-heresia”. Seu artigo “Com o Papa contra a homo-heresia” pode ser lido em Rorate Caeli. Lecionou e escreveu sobre a infiltração de homossexuais no sacerdócio. E os fatos provaram como ele está correto:

Dois anos atrás, o jornal católico polonês Fronda publicou um longo ensaio, o qual também foi publicado pela revista católica alemã Theologisches. O tema foi a “Homohäresie” e a existência de uma “máfia gay” operando dentro da Igreja Católica. O autor descreve a existência de uma rede de padres homossexuais em todos os níveis da hierarquia da Igreja, incluindo a Cúria Romana, que dão cobertura um ao outro….

Padre Dariusz Oko a respeito do Padre Charamsa: “em seu orgulho, ele se colocou acima da Igreja …”

Pe. Oko.

Pe. Oko.

Pergunta (Boguslaw Rapala): Padre Krzysztof Charamsa anunciou publicamente que é gay. E é você, Reverendo Padre Professor, que é o alvo dos ataques mais farpados por parte dele? Como o senhor reage a tudo isso? 

Pe. Dariusz Oko: Após o ataque contra mim, que foi lançado na quarta-feira (pelo jornal católico liberal Tygodnik Powszechny, ed. Barona), eu percebi que ele era gay e foi confirmado. Eu o adverti que ele poderia acabar como os padres Węcławski e Czajkowski e foi confirmado. Dá pra ver que ele nutre um ódio terrível contra mim e está vivenciando justamente o que ele atribui a mim. Mas, como cristão, eu o perdôo e oro por ele; eu convido-o a palestras e seminários. Posso ver nele sérios transtornos de personalidade, e que ele precisa de ajuda. Se ele precisa de um psiquiatra ou psicólogo, eu conheço alguns, e ele pode até mesmo ter o seu tratamento pago.

Q: O que significa “saída do armário”, no caso de um padre?

R: Após o seu discurso, qualquer um pode ver em pe. Charamsa uma personalidade perturbada, imatura e egoísta. É algo terrível, o fato de que ele coloca o sexo gay acima de Deus, por assim dizer. Mesmo que tivesse esses problemas, tais tendências, ele ainda é um sacerdote que está lá para servir o povo no que há de mais importante; ou seja, levar as almas ao céu. Para um sacerdote, esta é a tarefa mais importante, para o qual ele deve sacrificar tudo.

Q: Padre Oko, qual a sua opinião a respeito dos pontos de vista do Pe Charmasa quando ele fala dos problemas e desafios da Igreja e do mundo de hoje?

R: No artigo, no qual ele está me atacando, vê-se enormes lacunas de conhecimentos, cultura e metodologia. Ele não consegue sequer citar-me corretamente. Por exemplo, a declaração que ele atribui a mim, não é minha. Ele demonstra uma manifesta falta de educação. O que nos faz ver que além disso, ele é um sujeito mentalmente confuso. Ele coloca as Cruzadas no mesmo nível da jihad. Ele parece não entender que o Islã se espalhou pela violência e que é uma séria ameaça para todos nós. Ele continuamente fala de uma linguagem de paz, cultura – talvez ele tenha essa concepção teológica. Você pode visualizá-lo como se estivéssemos em 1920, quando os bolcheviques atacaram Varsóvia. Ele seria um que iria querer dialogar com eles e convidá-los para o chá. Ele não consegue diferenciar entre ateus, com quem pode se engajar em um debate, e aqueles que são inimigos mortais! E hoje, a ofensiva de gênero é uma ofensiva dos ateus que odeiam a Igreja e querem destruí-la, aniquilá-la! Ele é incapaz de compreender, parecendo um pouco infantil.

Ele ainda não saiu daquela noção infantil de um Deus que só acaricia e acalma. De alguma forma, ele se coloca acima do próprio Cristo, porque acha que não se pode usar uma linguagem dura e exigente, mas Jesus falou de “sepulcros caiados”, “assassinos dos profetas”. Se o Papa falar da teoria do gênero como se fosse um tsunami ou doença, ele também vai se opor a ele, e afirmar que ele não pode falar dessa maneira. Isso é imaturidade, uma concepção infantil da teologia. Este infantilismo o levou à perdição e tornou-se sua catástrofe pessoal. Pobre homem, eu sinto pena dele. Devemos rezar por ele, mas o seu caso em particular mostra o que a homossexualidade é, a que extensão de ódio um homossexual pode ir e quão gravemente isso pode distorcer a personalidade de uma pessoa.

Q: O Vaticano agora removeu Pe. Charamsa de suas funções.

A: Eu tenho que dizer que eu tenho um carisma na identificação de sacerdotes caídos. Um certo número de vezes quando tive algum conflito com um sacerdote, e fui criticado ou atacados por ele, em seguida, depois de alguns meses, veio à tona a revelação. Foi assim com Drewermann na Alemanha, quando eu disse que ele estava fora da Igreja, e depois de alguns meses, ele confessou ser budista. Dez anos atrás eu fui atacado por Bartos, Obirek, e mais tarde Padre Prusak e Padre Boniecki – todos eles abandonaram o sacerdócio ou foram suspensos . Padre Charamsa cometeu uma manipulação incrível, que fez com que todos pensassem que eu estava sendo criticado pela Congregação para a Doutrina da Fé (por causa dos artigos contra a máfia gay), e ainda assim ele estava fazendo isso como um oficial da Congregação, usando a Congregação para seus próprios fins. Além de me atacar, ele também atacou o episcopado, professores, teólogos e filósofos que me apoiam, ou pelo menos não me criticam. Em seu orgulho, ele colocou-se acima do episcopado, acima de professores, acima da Igreja. Sua pobre personalidade o levou ao desastre.

Q: Como se explica que um sacerdote com uma personalidade tão perturbada e uma concepção teológica tão infantil – como o senhor deixa especificado – pôde trabalhar por tantos anos nos altos escalões do Vaticano?

A: Do mesmo modo como, de uma forma semelhante, trabalharam os monsenhores Juliusz Petz e Jozef Wesolowski . É esta parte da Igreja que está doente. Da mesma forma, poderíamos nos perguntar como foi possível que Nosso Senhor Jesus Cristo tenha tolerado Judas no meio dos Apóstolos. Na esperança de que ele seria convertido? Judas, como um dos doze apóstolos, representava 8,3 por cento [de todos os apóstolos]. A Polônia, com um total de cerca de trinta mil sacerdotes, tem provavelmente uns dois mil e quinhentos que vivem como Judas, que cometem coisas terríveis, porque, infelizmente, essas coisas são possíveis. Mas devo enfatizar que a melhor e mais bela coisa que ainda temos é a Igreja. Este é o maior dom que Deus nos deu, pelo qual é preciso ser grato e viver do modo mais belo possível nesta Igreja.

Tags:

7 Comentários to “Padre Dariusz Oko responde ao ataque calunioso do “padre gay” Krzysztof Charamsa.”

  1. Show de entrevista! Show! Show! Golaço! Padre Hétero convicto e casto falando é outra história.

  2. Excelente entrevista! Em cada detalhe se percebe a clarividência e são despojamento do Sacerdote.

    Não li os tantos artigos de que ele fala na entrevista (e que teriam causado tanta perturbação nos padres hereges), mas já intuo que seria ótimo se fossem traduzidos para o português.

    Aos colegas com facilidade em traduzir fica a sugestão.

    Diogo dos Santos Ferreira

  3. Parabéns Pe Oko

  4. Boa Diogo,
    seria bom ter os artigos referidos (ataque) ao Padre Oko.
    AMDG,

  5. Quanta coragem e espírito profético!
    No Brasil, sugeriria ao Pe. Oko começar sua pesquisa a partir da CNBB, estendendo-a às maiores Arquidioceses desta “terra brasilis”.
    Com certeza se surpreenderia com a vastíssima quantidade de “material” para estudo…

  6. Extremamente lamentável a atitude de Krzysztof Charamsa! Ele não entendeu, de fato, o alcance do que significa ser “Padre”, na Igreja Católica!
    Ele, que deveria ser um exemplo de beatitude, de castidade, de recolhimento, de dedicação à Igreja, acabou revelando que é dedicado à sua causa sexual!
    O que ele queria, com sua atitude reprovável, foi atrair os holofotes da mídia… e conseguiu!
    Ao sair do armário, Charamsa não tentou ser discreto: concedeu longa entrevista publicada neste sábado no Il Corriere della Sera, jornal de maior circulação na Itália, em que convida a Igreja a aceitar plenamente os fieis homossexuais!!!!!
    Um padre que é oficial da Congregação para a Doutrina da Fé! Desde 2003!
    Tudo isso cheira muito mal!
    Apenas agora, com a ascenção do papa argentinho, o rei da liberalidade no Vaticano, é que ele “sai do armário”!!!???
    Infelizmente as coisas, na Igreja, estão indo de mal a pior, como tenho dito!

  7. Os sacerdotes comportando-se como o Pe Oko são espécies cada vez mais raras, pois a Igreja desde o século XIX, em particular, tem sido vítima de encarniçado assedio maçônico, a começar estrategicamente infiltrando os seminários e centros de formação religiosos, solapando suas bases com doutrinas relativistas por meio de seus infiltrados!
    Dessa forma, eis aí os subfrutos dessas seguidas atuações, como o lamentável caso do Pe Krzyzstof e doutros alienados na mesma direção, cada qual num front, mas todos no mesmo direcionamento de um catolicismo estilo socialista, protestantizado, relativista ou outros mais quanto as ideologias puderem subsidiar.
    Basta que se associem o seguinte: as projeções de N Senhora do Bom Sucesso para os sécs. XIX-XX, as de La Salette, a Revolução (maçonista) Francesa, caso papa Leão XIII – o diabo pede ao Senhor Deus a autorização para tentar destruir a Igreja – o prosseguimento do Master Plan de destruir a Igreja em plena execução, e o que se vê ostensivamente seus efeitos no dia a dia de receptividade de diversos eclesiásticos ao modernismo…
    A começar do topo!