Crônicas do Sínodo – O fator Kasper.

Por Hermes Rodrigues Nery | correspondente de FratresInUnum.com em Roma – Na terça-feira, 6 de outubro, chegando à Praça de São Pedro e dirigindo-me à Porta S. Ufficio, que dá acesso à sala Paulo VI, onde ocorre o Sínodo da Família, enquanto caminhava pelas colunas, observei a movimentação de um bispo, que conversava com uma equipe da imprensa televisiva, dando entrevistas.

Conversando com o meu professor de Bioetica, o Cardeal Mons. Elio Sgreccia, e Walter Kasper, ao fundo, à esquerda.

Conversando com o meu professor de Bioetica, o Cardeal Mons. Elio Sgreccia, e Walter Kasper, ao fundo, à esquerda.

Estava sozinho, sem nenhum padre ou assessor por perto, muito menos qualquer cardeal. Com loquacidade, gesticulava dando explicações ao jornalista, estando muito bem a vontade para expor o que pensava naquele momento. Procurei saber quem era, mas, de imediato, não me veio à memória o nome do prelado. Passei então pela guarda suíça na entrada da Porta S. Ufficio, e depois de passar pela Congregação da Doutrina da Fé, fiquei próximo de outros jornalistas e assessores no saguão de entrada, por onde entravam e saiam os bispos e cardeais.

Era pouco antes do almoço, quando começaram a transitar pelo saguão várias autoridades episcopais, dentre eles, muito ativo, veio Walter Kasper, que ficou por ali um bom tempo, conversando com um, cumprimentando outro, chamando alguém para mais perto, sorrindo, dando coordenadas para outro e fazendo articulações. Quando aproximou-se dele aquele bispo que eu havia visto dando entrevistas nas colunas da Praça, demonstrando muita familiaridade com os jornalistas.

franciscoEnquanto eu estava ali muito próximo deles, conversando Cardeal Elio Sgreccia (que foi meu professor de Bioética), ia observando Kasper confabulando ininterruptamente com o bispo, em meio a sorrisos incontáveis. Dava a impressão de que o prelado relatava-lhe o sucesso da manhã, de que tudo estava sob controle, de que havia guarnecido a imprensa das informações convenientes. E enquanto conversavam muito alegremente, o papa Francisco apareceu no saguão, conversando em particular com um bispo, que o tomou pelo braço e caminhou tranquilamente com ele, descendo a pequena rampa à esquerda, em direção à Casa de Santa Marta. Somente ele e o bispo seguiram pela via.

Outros bispos e cardeais se aglomeram em volta de Kasper, no saguão, todos  contentes, enquanto pareciam ouvir dele novas recomendações. Naquele momento, ficou claro de que Kasper pontificava, e tinha em torno de si um bom número de apoiadores, que o cumprimentava como se fosse um anfitrião do evento, alguém a quem eles faziam questão de partilhar alguma opinião e, em seguida, entravam em suas vans e foram para o almoço. Era evidente que Kasper estava feliz da vida com o andamento das coisas, principalmente depois que aquele bispo veio lhe contar as novidades, o mesmo que vi aparecer, à noite, em jornal televisivo italiano, enquanto jantávamos no ristorante Il Pozzo.

O fato é que não se pode subestimar o poder de influência de Kasper, pelas reviravoltas que ele já deu em sua vida, e do papel decisivo que desempenhou no conclave que elegeu o papa Francisco. Conta o vaticanista Andreas Englisch que Walter Kasper havia completado “oitenta anos  em 5 de março de 2013”, e que “segundo a Constituição papal (Romano Pontifici eligendo), do papa Paulo VI, de 1975, os cardeais que já completaram oitenta anos ficam excluídos da eleição papal. Com isso Kasper não poderia participar”. Mas, Kasper encontrou a justificativa pela qual garantiu a sua participação no conclave: “a data limite, contudo, não é o dia do início do conclave, mas sim o dia do início da sé vacante, o momento a partir do qual o trono está vazio. E Bento XVI havia determinado que a sé vacante teria início a partir de 28 de fevereiro, às 20h. Àquela altura, Kasper tinha 79 anos”.

Kasper havia trabalhado muito para reverter a sua situação e assumir uma posição de influência, para advogar sua tese que hoje busca fazer prevalecer no Sínodo, desde 1993, como lembra Englisch, quando ele havia feito “uma declaração a respeito dos divorciados que se casam novamente.” Junto com Karl Lehman, “ambos questionaram a regra da Igreja que proíbe a essas pessoas os sacramentos católicos, portanto, não permite outro matrimônio.” Ratzinger que, na época, era o Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, “então ordenou que os dois se abstivessem de fazer declarações e ainda aos obrigou a retirar tudo o que tinham dito na frente do púlpito”. Kasper e Lehman foram então “dois ferrenhos opositores de Ratzinger, mesmo que não tivessem admitido essa oposição publicamente”. E muitos dos problemas que Bento XVI teve em seu pontificado, foi por conta também da dura oposição de Kasper, Lehman, Godfried Danneels e outros que queriam intensificar um aggionamento acalentado por tantos desde o Vaticano II. E quando Ratzinger se tornou papa, Kasper se somou aos demais que agiram para isolá-lo cada vez mais, até o extenuamento que o levou à abdicação, como descreve Englisch:

“Eu presenciei como o Papa Bento XVI foi sendo cada vez mais segregado. Fui testemunha de seu enfraquecimento orquestrado. Ele se rebelou, chegou a ser o primeiro papa da história a escrever uma carta pessoal aos bispos, na qual perguntava como a Igreja tinha chegado àquele ‘morder e devorar’ e questionava por que eles o haviam atacado com tanta violência”.

E então, uma semana depois de completar 80 anos, os cardeais entraram para o conclave, cuja atuação de Kasper foi decisiva para a eleição de Francisco, tanto que o novo bispo de Roma veio a público, no seu primeiro Angelus, mencionar que estava lendo com muito proveito um livro de Walter Kasper sobre o tema da misericórdia, o que demonstrou o quanto Kasper tinha o seu respaldo para retomar à sua tese de 1993. Só que agora, vigorado na idade octogenária, pontificando no Sínodo da Família.

Anúncios

17 Comentários to “Crônicas do Sínodo – O fator Kasper.”

  1. Tenho uma esperança que tudo isso são grandes mal-entendidos e que no fim tudo vai dar certo.

    A esperança é a última que morre. É o que dizem. É verdade, não?

  2. Kasper, (et caterva), é viperino e ardiloso. Que Deus dê forças a Bento XVl e salve a Igreja dessa matilha

  3. Tomando como base os fatos observados pelo prof Hermes Nery, estaríamos apenas como plateia de algo que está pronto para nos mostrar – antecipadamente tudo estaria decidido.
    Se forem concedidas as “misericórdias” de acesso aos Sacramentos da S Comunhão e Penitencia aos homossexuais e separados em segundas uniões, ambos em atividades sexuais, “sem culpa”, além de serem ostensivas profanações de ambos Sacramentos, induziria os que se aventurassem nesses sacrílegos procedimentos a condená-los ao inferno, fazendo-os pertencer a um cisma ou mesmo a uma seita; patente perversão!
    A euforia e descontração com que se apresentam os recém saídos do armário Cardeais Kasper, Bruno Forte e outros similares progressistas, daria uma ideia que os planos estariam executados e o cronograma relativista se mantém segundo previsões!
    Aguardemos para ver se o papa Francisco refutará ou compartilhará das inovações!

  4. Eu tenho fé que a Igreja permanecerá imaculada, mesmo que volte para as catacumbas. Cardeal Kasper e todos os seus seguidores talvez não se importem mais com céu e inferno, mas o juízo virá… e que Deus tenha misericórdia de todas as ovelhas que andam confusas pelo mundo, correndo e caindo abismo abaixo.

    Se o Sínodo decidir ficar com a doutrina da Igreja, será porque Deus se apiedou de nós e nos deu um pouco mais de tempo para respirar… do contrário, não é preciso desespero, porque a Igreja continua firme, basta saber a quem recorrer, e aí também estará a misericórdia dEle.

    Que ao menos estes tempos sirvam para abrir os olhos de muitos que ainda insistem em defender o que (ou quem) não dá mais para defender há muito tempo… só precisa de um pouquinho de coragem para pisar fora da zona de conforto.

    O Imaculado Coração triunfará.

  5. A Igreja está tomada por marxistas revolucionários e só um cego não enxerga isso nas ações que o Vaticano vem tomando. Ademais, basta abrir a página da CNBB para ver o apoio a guerra no campo através do MST e constar que a CNBB não passa de um orgão oficial do Partido Comunista do Brasil.

  6. “Porventura não sabeis que os injustos não possuirão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os fornicadores, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os que se dão à embriaguez, nem os maldizentes, nem os roubadores possuirão o reino de Deus” (I Coríntios 6, 9-10).

    “O pecado da homossexualidade é uma grave desordem cujo ato específico é colocado pela Sagrada Escritura entre os “pecados que clamam ao céu”, como o homicídio ou a opressão à viúva e ao órfão. Os pecados que clamam ao céu são aqueles cuja maldade, e particularmente a perturbação da ordem social que provocam, pedem, desde a terra, uma justa vingança da parte de Deus.”
    Padre Dominique Prümmer, O.P.: “Manual de teología moral”, Herder, 1961, tomo I, núm. 360.

    • Sou totalmente a favor a doutrina de sempre e rezo para que o sínodo afaste essas novas ideologias tanto no campo dos recasados como no campo da homossexualidade.
      Apenas critico alguns que aqui constantemente repetem atos de ataque contra os homossexuais. Não vejo caridade nos comentários. Nos comentários que alguns fazem, passa a impressão de que se a Igreja resolvesse partir para o genocídio dos homossexuais, esses aplaudiriam e se sentiriam satisfeitos. Católico que busca a santidade busca além da própria perfeição em sua conversão, busca também converter os seus pela caridade. Não se sentem superiores ou gente privilegiada, ao contrário, sentem se obrigados pela força da caridade a converter o irmão para leva lo consigo ao Céu.

  7. N. Oliveira, Nossa Senhora também sabia que no fim tudo ia dar certo. Antes, ela tinha certeza da Ressurreição, mas isso não a impediu de sofrer e chorar pelos sofrimentos de seu Filho durante a Paixão.
    Ao vê-lo agonizante, sendo zombado por seus algozes como na cena revoltante da coroação de espinhos, como doeu o Imaculado Coração:

    Ó vós todos que passais pelo caminho,
    atendei e vede se há dor semelhante à minha.

    No final o Coração Imaculado triunfou, porque Jesus Resuscitou. E triunfará novamente como ela disse em Fátima, mas antes disso a Paixão da Igreja também será (e já está sendo ) a paixão daqueles que ainda mantêm a fé.

  8. O que vejo por detrás de tudo o que passa nesse mundo de aberrações e desafios contra a fé católica, guerras internas e entre nações, as desgraças do comunismo não passam de resultante da apostasia de muitos membros da Igreja católica ao modernismo, a começar do topo!
    Bem tempos antes de S Pio X, santo Pontífice, que naquele tempo remoto escancarava sem meias palavras a Sodoma e Gomorra que se transformavam as nações e, se no seu tempo já estava assim, imaginemos aqui no presente, que nós temos uma zona boemia nas ruas de tantas mulheres quase peladas, governados por comunistas, sem reclamar do mal que fazem para a fé, eles comprando parlamentares na luz do dia para ajudarem a oprimir e os cidadãos vivendo mais parecendo pagãos (batizados)!

  9. Parece que o cardeal Marx anda muito contente com os trabalhos do sínodo, mudou de atitude desde a última vez que disse que a igreja da Alemanha “não era uma subsidiária de Roma”. Agora tornou-se católico do dia para a noite, declarando :
    “Temos de tentar permanecer juntos”, disse ele. “A Igreja é a única instituição no mundo que pode chegar a um acordo unânime. Graças a Deus temos o papa. Nós bispos não temos que decidir. A unidade da Igreja não está em perigo. E uma vez que o papa decidiu, vamos respeitar sua decisão “*.
    Para fazer tal afirmação só significa que teve a confirmação de que as suas propostas passarão e serão ratificadas pelo papa. A hipocrisia destes senhores não tem tamanho.
    *http://www.creativeminorityreport.com/2015/10/the-scariest-quote-of-synod.html

  10. “Apenas critico alguns que aqui constantemente repetem atos de ataque contra os homossexuais. Não vejo caridade nos comentários. Nos comentários que alguns fazem, passa a impressão de que se a Igreja resolvesse partir para o genocídio dos homossexuais, esses aplaudiriam e se sentiriam satisfeitos”.

    Até agora não vi aqui ninguém atacando pessoas acometidas por essa maldição, pelo contrário, alguns indivíduos que aqui apareceram confessando essa tendência foram tratados com respeito e até solidariedade. Mas se você quiser uma lista de Santos da Igreja que não medem palavras contra os praticantes da sodomia, eu sugiro-lhe São João Crisóstomo, São Gregório de Nyssa, São Nicodemos Hagiorita, São Pedro Damião, Santa Catarina de Siena, São Boaventura, São Bernardino de Siena e por que não, o grande Apóstolo Paulo em sua Carta aos Romanos.
    São Paulo diz claramente que são dignos da morte eterna, tanto quem pratica tais atos como quem os aplaude. Portanto não precisa ser sodomita pra merecer a punição eterna! Aqueles que apóiam, defendem e aplaudem o que eles cometem entre si, também tem cadeira reservada no mesmo bonde para o inferno.

    • Já julgou e condenou!
      Cristo não teve essa atitude com Madalena.
      Não vejo caridade nos comentários.
      Há muitas citações de santos que com a caridade arrastam inúmeras pessoas consigo diferente desses discursos que apenas afastam.
      Há pessoais aqui que por presunção já se auto cororam com a coroa da justiça.
      A Igreja de sempre não é essa que vocês idealizam e moldam conforme seus gostos e interesses.
      Ao invés de apenas criticar e apontar os outros, comecem a rezar por elas, peçam a Deus a sua conversão e procurem arrastar mais pessoas com seus exemplo de amor e caridade.
      Vejam inúmeras citações no novo testamento onde Cristo corrige aqueles que levantam questões de desaprovação e Cristo sempre ensina algo mais.
      Será que todo homossexual é sodomita?
      Será que todo heterossexual é casto?
      Cuidado com os julgamentos humanos contra aqueles que são filhos de Deus.

    • Campos

      Não queira comparar Maria Madalena , que chorou amargamente seus numerosos pecados e deu uma reviravolta de 360o em sua vida, com os sodomitas modernos que pecam, porque são livres pra pecar e não almejam mudança real de vida, além de muitas vezes aprovarem e darem força aos que praticam semelhantes ações.
      E quem por aqui afirmou, que não pode ser casto uma pessoa que tem tendência homossexual?
      E quem por aqui afirmou também que os heterossexuais são sempre castos? Por gentileza, cite os nomes, as postagens e os horários.
      E o nome da prática homossexual é sodomia mesmo, tá lá, desde o Antigo Testamento. Se alguém se chagou ou achou duro demais, é só reclamar com Deus, argumentar com São Paulo, aquele? que foi escolhido a dedo por Nosso Senhor. Eu nunca vi ele alisar não só sodomitas, mas pecador inveterado nenhum. Tanto faz ladrão, bebedor de cachaça, adúltero, fornicador, feiticeiro, os que se dão às orgias, homicidas, mentirosos, caluniadores, infiéis e por aí vai.
      Nosso Senhor nunca pregou uma misericórdia facilitadora, mas uma misericórdia exigente. Quando na parábola, o filho prodigo cai em si é porque primeiro se arrepende de todo o coração e volta novamente pra Deus . Assim também como o ladrão Zaqueu que se arrependeu das suas relações fraudulentas com seu próximo e restituiu o quádruplo do valor roubado às pessoas lesadas. Não adianta falar de misericórdia, compaixão sem falar a verdade; se fizermos isso saímos da estrada. Não devemos ter medo nem adiar a verdade; ela é dura mas liberta.

  11. Sobre a sodomia, de fato os grandes santos sempre tiveram horror ao pecado, a todo tipo de pecado, até mesmo os mais leves. Tinham horror principalmente da miséria que viam neles próprios. Alguns, antes de entrar em uma cidade como missionários, pediam a Deus que não castigasse os habitantes por causa de sua presença. Mas estariam dispostos a morrer mil vezes se isso levasse à conversão e salvação de um sodomita ou qualquer outro pecador. A visão de padres e bispos entregues aos piores vícios suscita mesmo indignação, mas grande parte das pessoas comuns com tendências homossexuais só conheceu rejeição, zombarias e violência, até da própria família. Ouviram que são aberrações ou até mesmo malditos, como diz D Gercione, antes de ouvirem que Jesus os ama e que os convida a uma vida nova muito mais feliz. Eu dou aqui meu testemunho, tenho inclinação homossexual, mas pela graça de Deus tenho vivido em castidade. Diante do que tenho lido por aqui, concluo que Deus me livrou da maldição da sodomia, mas seguramente me livrou de maldição muito maior, que seria ter uma mãe como D Gercione. Que doce é pensar em minha doce mãe, que sempre rezou e sofreu por mim. Que doce é pensar na Virgem Santíssima, refúgio dos pecadores, que nos converte a Cristo com sua doçura e bondade. Dona Gercione não deseja salvar os homossexuais do poço de fezes, deseja lançá-los no abismo do inferno. graças a Deus pela Minha mãe, Dona Nadir.

  12. Quem julga e condena é a Palavra de Deus:

    Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os que praticam o roubo herdarão o reino de Deus.
    (1 Coríntios 6:10)

    Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;
    Os quais, conhecendo o juízo de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também aplaudem aos que as fazem.
    (Romanos 1:31,32)

    Portanto proclamar dos telhados aquilo que o próprio Cristo ordenou que cada cristão fizesse, não é usurpar o julgamento de Deus pra si mesmo.
    O Julgamento pertence ao Filho e esse já foi feito. Jesus deixou claro que Ele veio para salvar, mas a Palavra que Ele anunciou, essa é que nos julgará no dia final.
    E isso é muito fácil de entender, pois da mesma forma que qualquer juiz nesse mundo, julga um réu com base na quebra de leis já estabelecidas, assim Deus julgará o homem por intermédio da Palavra que Cristo anunciou e que seus Apóstolos fielmente nos transmitiram.
    Aqueles que não tiveram a graça de conhecer a Palavra, ainda assim serão julgados pela Lei Moral e Natural que Deus inscreveu na consciência de cada homem. Portanto qualquer homossexual consciente sabe que aparelho excretor não é aparelho reprodutivo e sabe exztamente quais são as funções de cada um. Aliás, isso até os animais sabem por instinto. É a lei natural que o determina de modo claro e inequívoco.
    A única coisa que Deus como o justo juiz fará é que a justiça que está estabelecida através da sua eterna e imutável Palavra seja cumprida.
    Eis porque o Evangelho de São João é bem claro no tocante ao julgamento quando diz:

    “Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.
    Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele.
    Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado; por que não crê no nome do Filho único de Deus.
    Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más.
    Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.
    Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz. Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus”. ( João 3-18)

    Não existe um só versículo na Bíblia em que Jesus manda os Apóstolos omitirem sua Palavra pra não desagradar B ou C. Não existe um só versículo na Bíblia que Jesus manda adulterar sua Palavra pra que ela pareça mais fácil de engolir. Manipulação semântica no tocante à Palavra de Deus é ardil do demônio, porque o próprio Jesus foi enfático: “Seja, porém, o teu sim, sim! E o teu não, não! O que passar disso vem do Maligno”.

    • A senhora não entendeu nada do que eu disse ou se faz de desentendida para não reconhecer o óbvio. Chego a duvidar de que tenha lido meu comentário até o fim. Falo aqui de pessoas concretas que sofrem e precisam conhecer o amor de Deus para mudar de vida. Não se trata de omitir a verdade nem de aprovar o pecado, mas de usar de misericórdia para com o pecador, por quem Nosso Senhor morreu, mostrando o amor de Deus e apontando o caminho da salvação, que é Jesus Cristo. Também rezar por eles e ofereecer penitências e sacrifícios pela sua conversão, como certamente a plêiade de santos que mencionou no comentário anterior fazia. Usando um chavão simples, que qualquer neófito compreende, trata-se de odiar o pecado mas de amar o pecador.Em nenhum momento propus manipulação semântica da Palavra de Deus nem nenhum tipo de relativização. Em nenhum momento propus a aprovação do pecado. Fui claríssimo quanto à gravidade do pecado e à necessidade de dizer à verdade. Entretanto,anunciar a condenação a um pecador sem mostrar o amor e a misericórdia de Deus para que ele se converta e se salve não é Cristianismo, é qualquer outra coisa, Islamismo talvez.

  13. A Palavra de Deus condena homossexuais que PRATICAM os atos homossexuais, e não os homossexuais em si. Nenhum homossexual se condena por ser simplesmente assim, e sim pelas práticas.