Abade em Conferência de Imprensa do Sínodo: a maioria apoia a ideia de permitir que as igrejas locais decidam como devem lidar com a homossexualidade.

Por Life Site News | Tradução: Teresa Maria Freixinho – FratresinUnum.com: ROMA, 13 de outubro de 2015 – Hoje a conferência de imprensa do Sínodo no Vaticano apresentou o Abade alemão Jeremias Schroder, Arquiabade Presidente da Congregação de Santa Otília. O Abade Schroder disse que a maioria dos Padres Sinodais apoia a ideia de permitir que as diversas regiões estabeleçam seus próprios caminhos para lidar com questões de consciência, como, por exemplo, a homossexualidade e o divórcio.

Respondendo a uma indagação sobre a unidade na diversidade, o Abade mencionou tanto “a aceitação do homossexualismo” e o atendimento a “pessoas divorciadas e recasadas” como exemplos “em que as conferências episcopais deveriam ter permissão para  formular respostas pastorais que estejam em sintonia com aquilo que pode ser pregado, anunciado e vivido em um contexto diferente.”

O Abade deu a entender que essa abordagem regional é apoiada pela maioria dos Padres Sinodais. “Isso já aconteceu muitas vezes, muitas intervenções na aula defenderam a ideia de que deveria haver uma delegação e autorização para lidar, ao menos pastoralmente, com questões de diversas maneiras, de acordo com as culturas”, ele disse. “Creio ter ouvido algo assim pelo menos umas trinta vezes nas intervenções, ao passo que somente cerca de duas ou três pessoas falaram contra essa proposta, afirmando que a unidade da Igreja precisa ser mantida também em todos esses aspectos e que seria doloroso recorrer a uma delegação de autoridade desse tipo.”

O Arcebispo da Filadélfia, Charles Chaput, que é um dos Padres Sinodais representando a América, abordou o tópico em suas observações na conferência de imprensa do Sínodo na última quarta-feira. Algumas práticas eclesiásticas podem ser adaptadas em níveis locais, “em diálogo entre a Santa Sé e a Igreja local,” disse. “Ao mesmo tempo, a diversidade está sempre a serviço da unidade na Igreja Católica.”

Assim, ele continuou, não seria “apropriado que as conferências episcopais individualmente decidam questões doutrinais. Temos que ser muitos cautelosos com essa questão, assim como também somos cuidadosos no respeito ao caráter individual da Igreja local.”

Anúncios

20 Responses to “Abade em Conferência de Imprensa do Sínodo: a maioria apoia a ideia de permitir que as igrejas locais decidam como devem lidar com a homossexualidade.”

  1. Pedra cantada por F. Colafemmina em 2013 no artigo “Evangelizzazione senza controllo”, onde escrevia:

    “Alcune chicche dall’esortazione al caos evangelico di Papa Francesco. Come ebbe a dire a Kiko Arguello poco dopo la sua elezione, il Papa sembra auspicare una Chiesa dove si faccia “casino”, dove non ci sia più una autorità centrale che “trattiene”. Dove si possano delegare alle Conferenze episcopali anche definizioni dottrinali, con il Papa ridotto a garante dell’ecumenismo, a saggio vegliardo che consiglia e guida. Magari il suo sistema funzionerà. Ma l’incognita è legata a questa azione del Papa che demolisce l’immagine, la struttura impalpabile del rapporto fra un Papa e la sua Chiesa così come l’abbiamo conosciuta”. https://anticattocomunismo.wordpress.com/2013/11/27/evangelizzazione-senza-controllo/

    Não dá para traduzir, porque estou em um tablet, mas resumindo (essa parte…), ele diz que o Papa quer uma Igreja onde não exista mais uma autoridade central. Onde se possa delegar as conferências episcopais o poder para fazer definições doutrinais e o Papa seria reduzido a garantir o ecumenismo, como um sábio conselheiro e guia. Em outras palavras é a consumação do discurso constante de descentralização do Vaticano feito pela teologia da libertação.

    A reforma do processo de nulidade matrimonial, foi um primeiro passo em direção a essa descentralização. Me pergunto qual será o papel da Cúria e das Congregações Romanas neste “novo” cenário, porque obviamente o Papa não pode governar a Igreja com a Cúria e o Colégio dos Bispos. Quando a vontade de um se choca com a vontade de outro, o Papa precisa escolher. No caso dos esquemas preparatórios do Concílio, ele escolheu o Colégio dos Bispos que derrubaram os esquemas no primeiro ato de Colegialidade. E em relação ao Motu proprio, a Cúria sequer foi ouvida, bastou basear a decisão no Sínodo…

  2. Já não seremos mais “católicos”, segundo a totalidade, a integridade. Seremos segundo “as partes”. Meu Deus aonde vamos parar! Vamos perder a nossa identidade, vamos deixar de ser católicos e seremos um conglomerado ou confederação de igrejas nacionais ou regionais, no início com costumes e práticas pastorais próprias e, depois, pontos doutrinais e morais diferentes. Doutrina e moral são questões graves e centrais para nossa fé católica. Seremos uma espécie de Igreja Anglicana, com segmentos independentes. Tenho dúvida se nasci e fui batizado nessa igreja…

  3. Interessante… Então esse é o Plano B dos liberais.

    Como estão vendo que não vão conseguir o que querem em Roma, então vamos invocar a “subsidiariedade”…

  4. O problema é a relação entre a Igreja universal e as Igrejas locais, que foi abordado por Sandro Magister em 2013, leiam:

    Muy centralizador y poco colegial. Así lo ven los obispos
    http://chiesa.espresso.repubblica.it/articolo/1350685?sp=y

    La opción federal del obispo de Roma
    http://chiesa.espresso.repubblica.it/articolo/1350679?sp=y

    Chiesa universale e Chiese locali. Bergoglio “ratzingeriano”?http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/2013/12/21/chiesa-universale-e-chiese-locali-bergoglio-ratzingeriano/

    Una precisa reconstrucción de la disputa entre Joseph Ratzinger y Walter Kasper, por obra del archimandrita y teólogo griego ortodoxo Amphilochios Miltos, publicada en “Istina” 58 (2013) 1, 23-39 y en “Il Regno-Documenti” 17 (2013), 568-576:

    > Le Chiese locali e la Chiesa universale – italiano
    http://www.dehoniane.it/control/ilregno/articoloRegno?idInternal=9788810020425.52904

  5. Na verdade o que esses usurpadores querem, é transformar a Igreja Católica em uma Igreja de cunho protestante.Meio que no estilo da Igreja Anglicana.

    Dividir para enfraquecer.Igrejas separadas,sinônimo de igreja relativizada.Afinal,o que é a verdade aqui,pode não ser lá. É tudo uma questão de cultura de onde se vive.

    Por que então,alguém seguiria uma doutrina tão relativizada e desmoralizada?

    Plano bem diabólico o desse povo,hein!

  6. Já que a maioria dos padres sinodais apoiaria a ideia de permitir que as igrejas locais decidam como devem lidar com a homossexualidade – se corresponder à realidade, não propaganda para arrefecerem os opositores – assim como solucionar as questões de validade ou não do casamento, seria a instituição do relativismo a nível diocesano e universal!
    Sob os critérios acima, o papa dessa nova igreja seria como o patriarca ortodoxo, “unum inter pares”, ou seja, como sucede nas igrejas cismáticas sedizentes ortodoxas, no entanto, dissensas entre si com varios subcismas e independência entre as dioceses!
    Após instituído esse esquema, a antiga Igreja católica tradicional, de sempre, dos grandes santos, nessa nova versão modernista, de nada diferiria de uma das milhares de seitas protestantes!
    Porque não uma das ramificações da religião globalista?
    Nesse ambiente relativista “ortodoxo” nasceu o comunismo pois, como um terreno contaminado, facilitou o crescimento dos vírus e bactérias do alienante e pestilento marxismo!

  7. Igreja regional nunca foi católica (universal). Parabéns ao Paulo VI que instituiu as conferências episcopais (sindicatos ante Pedro)…. Ridículo… São Vicente de Lerins: “voltem à Tradição”.

  8. Agora sim, vai ficar fácil. A gente só vai ter que escolher que diocese quer seguir. Que nem os protestantes escolhem onde vão agregar, com total liberdade. Escolhe e segue. Se não quiser continuar seguindo, muda. Bem fácil. Bem ao gosto do freguês. Mas será que entre tantas opções não vai haver também opção pro tradicionalismo? claro que vai. E de vários tipos: neo, rad… será que é por isso que já estão até permitindo que a FSSPX celebre numa paróquia? pra garantir espaço a todos os grupos e mostrar que todos tem lugar na nova Igreja?
    Agora falando sério: estou apavorada! “Quando se abalam os próprios fundamentos, que pode o justo fazer?”

  9. Aí há um problema filosófico principal que é o relativismo moral, originado do super eu transcendental. Isto aliado à colegiabilidade dos bispos, é o mesmo que jogar semente em terra fértil. No entanto, percebe-se isso nos velhos moldes da Igreja Católica. Ora, em um instante, todos são submissos ao papa, e o aplaudem como que um ícone, já que este alimenta a pluralidade da “verdade” defendida pelos bispados. Podem até conseguir domar a situação agora, mas sai Francisco e a história se repete, porque trata-se de uma tendência filosófica que alastrou-se no meio de todos os bispos. A resolução para esse problema parte da esterilidade vocacional nos seminários contaminados, e uma super abundância de vocações em meios tradicionais. Isso já ocorre, mas só vai ganhar força daqui uns 50 anos. Até lá muita coisa vai acontecer, e a Igreja obviamente vai vacilar muitas vezes.

  10. Até que uma igreja local decida ser radicalmente contra as mudanças heréticas para que o bispo de Roma, infalivelmente, intervenha para calá-la!

  11. Não tem jeito. Enquanto não se Consagrar a Rússia ao Imaculado Coração de Maria como fora pedido em Fátima por Nossa Senhora, continuaremos a ouvir somente disparates do clero que virou “cloaca de impurezas”.

  12. Não quero nem comentar. Estou aguardando.

  13. Aguardemos porque o plano Bergogliano de “a igreja nunca esteve tão bem” está caindo por terra…e ele está tremendo de medo…

    A carta dos cardeais, o vazamento desta carta, a confusão reinante na assembléia do tal sínodo está deixando o Bispo de Roma de orelha em pé…

    Se ele pensava que os Bispos seriam pegos, mesmo com a nomeações horrorosas dele para o sínodo, de calça curta como aconteceu no Concílio, ele se deu mau…

    Ele pode ser confuso, “artista”, déspota quando lhe convém, mas, burro ele não é; ele que é tão “ecumênico”, tão RELATIVISTA, tão SINCRETISTA, não está disposto a ser o responsável por mais um cisma, de fato, na Igreja, ele sabe que o número de Bispos e Cardeais CATÓLICOS, é respeitável…

    Quanto as falas dos cardeais do Brasil no sínodo, é melhor calar que dizer algo… CRUZ CREDO 1000 X, eles estão representando muito bem as assembleias anuais da dona cnbb com suas análises horripilantes e nojentas de tudo quanto é palhaçada, menos de FÉ…

    Santa Tereza de Ávila, rogai por nós!

  14. Deus fez um tratado com o ” coletivo dos diabos” para a regionalização da verdade?Aqui eutanásia é pecado, abaixo do Equador pode, acolá pode-se roubar o salário do trabalhador, ali a Eucaristia pode ser servida com molho e batatas fritas, pois somos uma Federação,e as várias regiões são soberanas, com direito à utilização de uma franquia, o uso da palavra Católico. Satanás é o Trono deste setor, Belzebu a Virtude daquele outro, Satã a Dominação de tal campo, Baal da Liturgia e Padres Cantores Sertanejos e assim por diante. Fica entretanto a recomendação de não explicar muito aos usuários o que significa Católico, Catolicidade, Catolicismo . Soberano, soberano mesmo, só o status da cultura e da diversidade . Isto não pode ser atingido, isto é cláusula pétrea!
    Acho que é a idade, mas estou sentindo uma crescente dificuldade de entender, de pensar, de distinguir categorias, de identificar os limites ou fins( de finire), de me expressar, seja em que idioma for.Como situar quilo que o Santo Bernadino de Siena disse, em uma homilia :Sabes de que precisas, Siena?De cacete, e muito cacete . Sim, não é brincadeira: a ponta de uma baioneta contém, numa forma não verbal, não conceitual, ou transverbal/conceitual um valor cosmovisional. Sabendo que toda formulação humana não é a Verdade ela mesma, mas no máximo, um modelo da Realidade-em-si, um M que tem com a R uma relação de maior ou menor aproximação, um Grau de Aderência à Realidade( GAR), de modo que um M com GAR superior a, digamos, 90%, pode ser chamado estatisticamente, de ” verdade”, qual é o GAR das proposições que dizem: pastoral é uma coisa, doutrina é outra, às vezes a Misericórdia( ???!!!) impõe que se proponha e pratique A, por razões ” pastorais”, mesmo que A seja ~B( negação de B) doutrinariamente? Sendo Doutrina (d) função ( Revelada) de Deus( D), se Misericórdia é mais imperativa que “d” ( Mi> d ), e sendo d= f( D), será que Mi > D( Misericórdia será um Ente maior que Deus)?Não será melhor dizer um palavrão? Sacar o revólver? Suicidar o oponente( porque não?Num espírito relativista, tudo dependendo da soberania da vontade designativa, chamo matar o oponente de suicida-lo e pronto!Vai encarar?).Acho que preciso ir de novo ao psicoterapeuta, já que os Diretores Espirituais estão excluídos do Estatuto da Inclusão Devocional.

  15. “É a Verdade determinada por um voto maioritário, apenas para uma nova ‘verdade’ ser ‘descoberta’ por uma nova maioria amanhã?”

    “A unidade [da Igreja] tem de acontecer na Verdade, e a verdade não pode ser requalificada. Ela tem um conteúdo objectivo, sendo uma das funções da Igreja ensinar esse conteúdo.”

    Joseph Aloisius Ratzinger em entrevista ao jornal irlandês “The Sunday Business Post” em 17 de dezembro de 1995

    https://web.archive.org/web/20050524071200/http://archives.tcm.ie/businesspost/2005/04/24/story4294.asp

  16. Bergoglio passa como um trator por sobre toda a dissidência: manda um cleaner botar a cara pra fora e dizer alguma coisa mais, digamos, concensual, unânime e planificadora para passar uma aparência de estabilidade espontânea e, nos bastidores, gerir com cetro de ferro o seu script pre-definido pelos verdadeiros comandantes dessa derrocada católica… Como disse a sua biografa-autorizada: ele ama o poder e ama exercê-lo…

  17. Se algum gay estiver lendo isso, é importante não se iludir. Mil Fábios de Melo não dirão tão diretamente, mas os leigos bem informados fazem o trabalho: Atos sexuais entre pessoas de mesmo sexo são pecado, sempre foram pecado e sempre serão pecado.
    Um pecado pode influenciar na salvação da sua alma. É possível viver na castidade, é possível abandonar certas práticas. Deve-se esquecer de como fomos e mudar o que seremos. A mudança de vida parece radical, mas não é. Deus nos vê lutar. Confissão frequente, terço diário, comunhão diária, adoração, leitura da vida de santos…

  18. Nenhum membro da igreja Católica tem o direito de ensinar o erro e muito menos de promover o pecado, nem mesmo o papa. Quem faz uso da sua autoridade para promover as suas visões pessoas e a heresia coloca-se fora da Igreja e está a usurpar a autoridade que foi conferida à igreja por Cristo para ensinar o evangelho.
    As palavras deste homem são mentirosas quando fala que a maioria dos padres é a favor da heresia, e a prova disso foi o último sínodo. Foi para darem estas entrevistas que estes senhores fecharam as portas deste sínodo para virem cá para fora dizer mentiras e criar um ambiente falso daquilo que se passa a às portas fechadas. À que mentir, o senhor destes homens dá o exemplo, Satanás pai da mentira.

  19. Oremos, não nos esqueçamos que o Espírito Santo assiste a Igreja.

Trackbacks