A voz da África clama no deserto – a intervenção do Cardeal Sarah no Sínodo.

Temos a honra de divulgar a íntegra da intervenção do eminentíssimo Cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos — tradução de nossa colaboradora Teresa Maria Freixinho — na aula do Sínodo sobre a Família atualmente em curso em Roma (destaques do original).

Sua Santidade, Eminências, Excelências, participantes do Sínodo, proponho essas três reflexões:

1) Mais transparência e respeito entre nós

Sinto uma forte necessidade de invocar o Espírito da Verdade e do Amor, a fonte de parresia ao falar e humildade ao ouvir, o Único capaz de criar a verdadeira harmonia na pluralidade.

Digo francamente que no Sínodo anterior, sentia-se, em diversos temas, a tentação de ceder à mentalidade do mundo secularizado e do Ocidente individualista. Reconhecer as supostas “realidades da vida” como um locus theologicus [lugar teológico] significa desistir da esperança no poder transformador da fé e do Evangelho.

sarahO Evangelho que outrora transformava culturas agora está em perigo de ser transformado por elas. Além disso, alguns dos procedimentos utilizados não pareciam visar o enriquecimento da discussão e comunhão tanto quanto o fizeram para promover uma maneira de ver típica de certos grupos marginais das igrejas abastadas. Essa mentalidade é contrária a uma Igreja pobre e a um sinal alegremente evangélico e profético de contradição ao espírito do mundo. Não se pode compreender que algumas declarações que não encontram o consenso da maioria qualificada do último Sínodo ainda tenham entrado na Relatio e, em seguida, na Lineamenta e no Instrumentum laboris, enquanto outras questões candentes e muito atuais (como, por exemplo, a ideologia de gênero) foram ignoradas.

Portanto, a primeira esperança é que, em nosso trabalho, haja mais liberdade, transparência e objetividade. Por isso, seria proveitoso publicar os resumos das intervenções, para facilitar a discussão e evitar qualquer preconceito ou discriminação na aceitação dos pronunciamentos dos Padres Sinodais.

2) Discernimento da história e dos espíritos

Uma segunda esperança: Que o Sínodo honre a sua missão histórica e não se limite a falar somente sobre determinadas questões pastorais (como, por exemplo, a eventual comunhão aos divorciados e recasados), mas auxilie o Santo Padre a enunciar claramente determinadas verdades e dar orientação útil em nível global. Isso porque há novos desafios em relação ao sínodo celebrado em 1980. Um discernimento teológico nos permite ver em nosso tempo duas ameaças inesperadas (quase como duas “bestas do apocalipse”) localizadas em lados opostos: por um lado, a idolatria da liberdade ocidental; do outro, o fundamentalismo islâmico: secularismo ateísta versus fanatismo religioso. Para usar um slogan, encontramo-nos entre “a ideologia de gênero e o ISIS”. Massacres islâmicos e exigências libertárias normalmente disputam a primeira página dos jornais. (Lembremo-nos do que aconteceu no último dia 26 de junho!). Desses dois radicalismos surgem duas ameaças maiores para a família: sua desintegração subjetivista no Ocidente secularizado através do divórcio rápido e fácil, o aborto, as uniões homossexuais, a eutanásia, etc. (cf. Teoria de gênero, o ‘Femen’, o lobby LGBT, a IPPF…). Por outro lado, a pseudo-família do Islã ideologizado, que legitima a poligamia, a subserviência feminina, a escravidão sexual, o casamento infantil etc. (cf. Al Qaeda, Isis, Boko Haram ...)

Várias pistas nos possibilitam intuir a mesma origem demoníaca desses dois movimentos. Diversamente do Espírito da Verdade, que promove a comunhão na diversidade (perichoresis), esses movimentos estimulam a confusão (homo-gamy) ou subordinação (poly-gamy). Além disso, eles exigem uma regra universal e totalitária, são violentamente intolerantes, destruidores de famílias, da sociedade e da Igreja e são abertamente cristofóbicos.

“Não estamos lutando contra a carne e o sangue…” Precisamos ser inclusivos e acolhedores a tudo o que é humano; mas o que vem do Inimigo não pode e não deve ser assimilado. Não se pode unir Cristo e Belial! As ideologias homossexuais e abortistas ocidentais e o fanatismo islâmico são hoje em dia o que o Nazi-fascismo e o Comunismo foram no século XX.

3) Proclamar e servir à beleza da Monogamia e da Família

Deparados com esses dois desafios mortais e sem precedentes (“homo-gamia” e “poli-gamia”) a Igreja precisa promover uma verdadeira “epifania da Família.” O Papa (como porta-voz da Igreja) pode contribuir para ambos, e os bispos e pastores do rebanho cristão podem fazê-lo individualmente: Ou seja, “a Igreja de Deus, que ele obteve com o seu próprio sangue” (Atos: 20:28).

Precisamos proclamar a verdade sem medo, ou seja, o Plano de Deus, que é a monogamia no amor conjugal aberto à vida. Tendo em mente a situação histórica que acabamos de recordar, é imperativo que a Igreja, em seu cume, declare de maneira definitiva a vontade do Criador a respeito do matrimônio. Quantas pessoas de boa vontade e senso comum se uniriam nesse ato luminoso de coragem conduzido pela Igreja!

Juntamente com uma Palavra forte e clara do Supremo Magistério, os Pastores têm a missão de auxiliar os nossos contemporâneos a descobrir a beleza da família cristã. Para lograr esse objetivo, é preciso promover tudo o que representa uma verdadeira Iniciação Cristã de adultos, uma vez que a crise no matrimônio é essencialmente uma crise de Deus, mas também uma crise de fé, e isso é uma iniciação cristã infantil. Em seguida, precisamos discernir aquelas realidades que o Espírito Santo já está suscitando para revelar a Verdade da Família como uma comunhão íntima na diversidade (homem e mulher), que é generosa no dom da vida. Nós, bispos, temos o dever urgente de reconhecer e promover os carismas, movimentos e realidades eclesiais em que a Família é verdadeiramente revelada, este prodígio de harmonia, amor de vida e esperança na Eternidade, esse berço de fé e escola de caridade. E há tantas outras realidades oferecidas pela Providência, juntamente com o Concílio Vaticano II, em que este milagre é oferecido.

21 Responses to “A voz da África clama no deserto – a intervenção do Cardeal Sarah no Sínodo.”

  1. Falou o próximo Vigário de Cristo, o “Papa Negro”, Petrus Romanus!

    • Deus te ouça, seria muito frutífero para a Igreja Católica, num próximo Conclave, um Papa do Africano como o Cardeal Sarah ou Nappier, enquanto o próximo Conclave não chega, vamos continuar pedindo a Deus pelo atual Pontificado e pelo atual Sínodo sobre a Família, que o Espírito Santo haja e que nada de espantoso seja oficializado.

    • Deus te ouça, Deus te ouça! Vida longa a esse homem extraordinário!

  2. Por favor, poderia nos dizer a fonte desta matéria?

  3. Enquanto uma voz clama no deserto, os demolidores usam de toda estratégia suja, apelam até para o sacrilégio para suscitar emoções.
    A história que foi contada diante do Papa durante a assembléia plenária do Sínodo, dizem que fez chorar até as paredes! E quem contou foi um Bispo que relatou que enquanto celebrava a missa de Primeira Comunhão em uma certa paróquia, um menino se aproximou com a mão em forma de “troninho” pra receber a hóstia consagrada, a partiu ao meio e ao invés de comungar, deu um pedaço a cada um de seus genitores que eram ambos divorciados e recasados e não poderiam receber das mãos do Bispo.
    Tudo isso foi revelado na conferência de imprensa por Dom Manuel Dorantesed, colaborador de língua espanhola do padre Federico Lombardi.
    Estão jogando cada dia mais sujo! Se o relato é mesmo verdadeiro, isso mostra a quantas anda a catequese nessas paróquias modernistas! O coitado já por ocasião de sua primeira comunhão cometeu dois sacrilégios graves e esses impostores ao invés de chorar por causa do sacrilégio e da profanação, se emocionam porque há gente na Igreja querendo impedir mais sacrilégios desse tipo!
    Preparem-se para o segundo capítulo dessa novela, que provavelmente será protagonizado pela cria de dois sodomitas.
    Simplemente demoníaco o que estamos presenciando nesse conciliábulo!!

    http://www.repubblica.it/vaticano/2015/10/15/news/sinodo_un_vescovo_racconta_al_papa_un_bimbo_spezzo_l_ostia_per_darne_al_papa_risposato_-125136816/?ref=HRER3-1

  4. A intervenção no Sínodo do eminente Cardeal Sarah foi ao mesmo tempo correto de duros pronunciamentos, interpelações e chamados de atenção geral a quem couber por direito, e poderiam até ter respingado no papa Francisco, acaso confirmadas as suspeitas de bem informados que existiria um Sínodo paralelo na Casa Santa Marta com seu aval, com objetivos pré definidos em favor da “DITADURA DO RELATIVISMO”, obedecendo aos parãmetros ideológicos do execrável “POLITICAMENTE CORRETO”!
    Se ao final do Sínodo se confirmarem as suspeitas que seria uma ratificação de uma preparação das mentes para causar um menor impacto – tiveram um ano para irem dando as dicas na pretendida opção pela direção do “amor, misericordia, tolerância, acolhimento etc.” e que seriam o carro-chefe ao final, sem exigencias quaisquer; ter-se-ia erguido uma nova igreja do modelo sectario protestante ou do cisma ortodoxo!
    Aliás, certos procedimentos existentes na Igreja de alguns sacerdotes e até bispos em determinados comportamentos, há tempos já teríamos cismas e até mesmo heresias em certas paroquias e dioceses, não detectáveis por todos, a começar de locais em que as Santas Missas cujo sacerdote é o ator, o povo a plateia de torcedores ovacionando ao comando do padre, como num show altamente hilariante de auditório, que em determinados momentos transforma-se tal qual na histeria de seitas pentecostalistas protestantes, em que o exteriorismo do emocional-subjetivismo prevalecem!
    Se prevalecer o que se supõe ser o pré determinado, não me será surpresa alguma!

  5. Mas então o comunismo ficou no passado? A Rússia continuará a espalhar seus erros e seus erros não serão destruídos enquanto os prelados não fizerem a Consagração como pedido por Nossa Senhora em Fátima. O sínodo seria uma oportunidade, a exemplo que fizeram durante o CVII D. Sigaud e D. Mayer pedindo ao Santo Padre que fizesse a Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria.

    • Ah, pára com esse negócio. A Russia não assusta mais ninguem. Ela parece mais cristã que a América e a Europa.
      O Cardeal foi brilhante. As bestas do Apocalipse são outras agora.
      Não se trata de desprezar o pedido de N.Senhora mas de considerar que, ou já foi atendido, ou passou o tempo de sê-lo, os erros já foram espalhados e surgem com outras caras agora, e até já bem desvinculados da Rússia.
      Desculpe a franqueza.

    • É aí que você se engana, Teresa.
      Uma análise mais acurada dos fatos vai demonstrar
      que a Rússia continua representando uma ameaça
      ao Ocidente outrora cristão.

      Mas nesse Ocidente neopagão ainda existe
      aquele “pequeno resto” e, conforme as Escrituras,
      por amor a esse pequeno resto, Deus pode
      poupar-nos a todos (Gênesis, XVIII, 32).

      É verdade que Maria falou que chegaria
      um momento em que já seria tarde demais para
      fazer a Consagração, mas seria temerário não
      atender a um pedido explícito dos céus por simplesmente
      supor que já seja tarde.

      Creio que só será mesmo tarde quando a atual
      guerra fria entre Rússia e aliados contra EUA e cia
      deixar de ser fria e se tornar uma guerra quente
      de verdade.

      Obviamente que os EUA não são lá grandes coisas,
      mas se tem uma coisa pior do que a grande meretriz
      amante da “plena liberdade”, esse alguém é a Rússia
      anticristã e seus aliados (dentre os quais a China).

      “A Rússia não assusta mais ninguém”?
      Tem acompanhado a nova empreitada militar
      da Rússia sobre a Ucrânia, por exemplo?

      Sabia que o principal Patriarca Ortodoxo é ex-agente
      da KGB – tal como Putin – e que este patriarca é tão vendido
      ao governo Russo quanto o é a cúpula da CNBB
      em relação ao PT, ou talvez até mais?

      Que ambos (Patriarca e Governo)
      têm a intenção de restaurar a URSS?

      O Estado Islâmico, por pior ameaça que seja,
      ainda não se assemelha à Rússia, já que aquele
      só tem o poder das armas de fogo (geralmente financiadas
      pelos próprios governos ocidentais) e do fanatismo
      religioso, ao passo que a Rússia tem poder nuclear.

      E Nossa Senhora disse que “nações inteiras desaparecerão”.

      http://flagelorusso.blogspot.com.br/

    • Caro Lucas,

      Penso que vamos acabar mortos pelos liberais, sejam de direita ou de esquerda.

      Já pensou que a Igreja nunca confimou as aparições de Fatima? Mesmo tacitamente? Pelas canonizações dos pastorinhos? Ou pelas festas comemorativas das aparições?

      O que me pengunto: por que a Igreja não reconhece as aparições e ensina para toda a Igreja a devoção a elas? Onde está o reconhecimento solene?

      Faço estes questionamentos pelo fato do acontecimento das Bodas de Caná, onde Nosso Senhor Jesus Cristo, por apenas algumas palavras da Virgem Santíssima Maria, antecipou sua vida pública, fazendo o primeiro milagre – donde Nossa Senhora é a Onipotência Súplicante – a Quem tudo pode diante de Deus(lugar teologal deste insigne trabalho de Nossa Senhora que dar provas ao egrégio título).

      Então, me pergunto, por que a Igreja não obedece ao pedido de Nossa Senhora de Fátima se Nosso Senhor não negou jamais? Tampouco a Santíssima Trindade.

      Que povo de cabeça dura!

  6. Este homem – como muitos dos prelados africanos – está ensinando aos mornos europeus e americanos que é a verdadeira PARRESIA APOSTÓLICA e a verdadeira MISERICÓRDIA. É por isto que não precisamos nos preocupar, meus caros: a Igreja de Cristo é indestrutível e está sempre fazendo novos filhos. Seu grande bastião no presente é o continente africano. NON PRAEVALEBVNT!!!!

  7. O Senhor confiou ao bispo uma missão bastante importante: Pastor de ovelhas, sucessores dos apóstolos. Os apóstolos, alguns, não pecaram e não fizeram discursos contraditórios? em alguns momentos não pensaram e falaram coisas diferentes uns dos outros? Mas quando se reúnem em Sínodo, apresentam seus pensamentos e por fim discernirão o que sera melhor para a Igreja, por que que a guia é o espírito Santo. Fico com a Palavra Final da Igreja. O Cardeal se expressou muito bem e conto com ele. Apoio o que ele disse, porque é o que a Igreja ensina…. quem quiser que se converta.

  8. Grande Cardeal! Não sei se esta geração ainda merece bispos come este…

  9. O Senhor poderia preparar um homem dessa estatura e nos dar de presente como Papa!

  10. “Não estamos lutando contra a carne e o sangue…” Precisamos ser inclusivos e acolhedores a tudo o que é humano; mas o que vem do Inimigo não pode e não deve ser assimilado. Não se pode unir Cristo e Belial! As ideologias homossexuais e abortistas ocidentais e o fanatismo islâmico são hoje em dia o que o Nazi-fascismo e o Comunismo foram no século XX.”
    Belo e corajoso pronunciamento. Deus proteja o Cardeal Sarah.

  11. Sinceramente o poder de síntese deste cardeal é fantástico! Conseguiu com poucas palavras fazer uma análise de conjuntura superior aos “intelectuais” do mundo “pós-civilizado”: América e Europa!
    Queira Deus que este homem lidere a Igreja um dia!!!

  12. Prezado Robson,
    obrigado pela indicação.
    Vou lê-lo na íntegra assim que possível.

    As investigações sobre esse abatimento do MH17
    continuam gerando conflito entre países dos dois polos.
    Recentemente (creio que esse mês), a Holanda
    anunciou ter chego a uma conclusão semelhante à dos EUA
    sobre o abate (de que teria provindo dos Russos).
    O que também não quer dizer grande coisa, já
    que são aliados e, quiçá, cúmplices.

    Não seria nenhuma surpresa se os próprios EUA (ou a
    própria Ucrânia) tivesse feito o abate mesmo, para
    colocar a culpa na Rússia.
    Inclusive, esse tipo de maquiavelismo é bem típico dos EUA.

    No entanto, se os ocidentais têm interesse em uma guerra,
    creio que a Rússia tem interesse ainda maior.
    Prova disso foi que ela nem deveria estar na Ucrânia
    para presenciar esse abate (foi ela que invadiu), não é mesmo?

    Para dizer a verdade, eu tendo mais a acreditar que essa guerra
    só não aconteceu ainda porque o ocidente teme uma guerra nuclear,
    e, se fosse por Putin, ela já teria começado.

    Ele assumiu o risco ao invadir a Ucrânia. Creio que esse
    simples fato seria motivo suficiente para punir a Rússia
    duramente, mas o que fizeram os governos ocidentais (ONU)…?
    Por incrível que pareça, eles “negociaram” com o Putin
    e disseram que está tudo bem, desde que
    ele não avance ainda mais:

    http://flagelo2.rssing.com/chan-17502925/all_p6.html
    (é a última notícia).

    Era tudo o que o a Rússia precisava ouvir, já que
    eles precisavam de um pouco de fôlego
    depois do conflito com a Ucrânia.

    Então alguns diriam:

    “Mas foram os EUA que tentaram instrumentalizar
    a Ucrânia antes disso, por meio de ‘revoluções pacíficas’,
    já que ela fica numa posição
    estratégia em relação à Rússia”.

    O que também seria bem típico dos norte-americanos.

    No entanto, não foi exatamente isso que os comunistas
    fizeram ao financiar a revolução cubana? Ficar bem perto
    dos EUA, e mediante uma revolução armada mesmo?

    Enfim, para saber quem começou tudo isso,
    creio que teríamos que voltar ao início da Guerra
    Fria, no século passado.
    Mas uma coisa é certa:
    Putin não é nenhuma marionete inocente nas mãos dos
    EUA.

  13. Prezado Duarte,

    o sr. fez uma narrativa lógica e coerente dos fatos sem cair no “baile de mascaras” feita pela Rússia, só acrescento a notícia abaixo do Putin exaltando as “virtudes humanistas do islã”:

    https://br.noticias.yahoo.com/presidente-russo-destaca-virtudes-humanistas-isl%C3%A3-ao-inaugurar-123707684.html

  14. Bravíssimo, Cardeal Sarah.

    Que o senhor “quero-ser-chamado-de-Jorge”, o Papa, reconheça os seus pedidos, Revmo. Cardeal Sarah. Faço deles as minhas orações.

Trackbacks