Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: “Que vos ouve, a Mim ouve”.

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

“Jesus, aproximando-se, falou-lhes, [aos 11 discípulos] dizendo: Foi-me dado todo o poder no céu e na terra. Ide, pois, ensinai todas as gentes, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinando-as a observar todas as coisas que vos mandei. Eu estarei convosco todos os dias, até ao fim do mundo” (S. Mateus, XXVIII, 18-20).

Realizada que foi na Cruz a obra da Redenção pela Misericórdia de Deus, havia mister uma sociedade externa, hierárquica para comunicar à almas até o fim do mundo, os tesouros da Redenção: é a Santa Madre Igreja. Depositária autêntica e fiel da Doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo, prolongamento natural de Sua missão na terra, ela será o órgão destinado a assegurar a salvação do homem e a imortalizar entre nós a presença do Redentor. Das obras da Sabedoria e do Amor de Deus, é a Igreja o mais belo remate. E quis seu Divino Fundador que entre os homens ela brilhasse com os resplendores de uma luz inconfundível: a INFALIBILIDADE.

Ouçamos o Papa Leão XIII:

“A doutrina celeste de Jesus Cristo, embora esteja em grande parte consignada nos livros inspirados por Deus, se tivesse sido entregue aos pensamentos dos homens, não podia por si mesma unir os espíritos. Com efeito, facilmente devia suceder incidir ela sob a ação de interpretações variadas e diferentes entre si, e isso não somente por causa da profundeza e mistérios dessa doutrina, como também por causa da diversidade das mentes dos homens e da perturbação que devia nascer do jogo e da luta das paixões contrárias. Da diferença de interpretação nasce necessariamente, dissensões, rixas, tais como as temos visto irromperem na Igreja desde a época mais próxima da sua origem. Eis o que escreve Santo Irineu falando dos hereges: “Eles confessam as Escrituras, mas lhes pervertem a interpretação”. E Santo Agostinho: “A origem das heresias e desses dogmas perversos que apanham as almas na armadilha e as precipitam no abismo é unicamente a de serem as Escrituras, que são boas, compreendidas de maneira que não é boa”. Para unir os espíritos, para criar e conservar o acordo dos sentimentos, importava, pois, necessariamente, apesar da existência das Escrituras divinas, um outro princípio”. (…)

…”Pela virtude dos seus milagres, Jesus Cristo prova a sua divindade e a sua missão divina; emprega-se em falar ao povo para instruí-lo nas coisas do céu, e exige absolutamente que se preste fé inteira ao seu ensino; exige-o sob a sanção de recompensas ou de penas eternas. ‘Se eu não faço as obras de meu Pai, não me creiais (Jo X, 37). Se eu não tivesse feito entre eles obras que nenhum outro fez, eles não teriam pecado’ (Jo XV, 24). ‘Mas, eu  faço tais obras e se não quereis crer em mim mesmo, crede ao menos nas minhas obras’ (Jo, X, 38). Tudo o que Ele ordena, ordena-o com a mesma autoridade; no assentimento de espírito que exige, Ele não excetua nada, não distingue nada. Portanto, os que escutavam Jesus, se queriam chegar à salvação, tinham o dever não somente de aceitar em geral toda a sua doutrina, mas de dar pleno assentimento da alma a cada uma das coisas que Ele ensinava. Com efeito, recusar crer, ainda que fosse num único ponto, em Deus que fala, é contrário à razão”.

“Na iminência de voltar aos céus, envia Ele [Jesus] seus apóstolos, revestindo-se do mesmo poder com que seu Pai a Ele mesmo enviou, e ordena-lhes espalharem e semearem por toda parte sua doutrina. ‘Todo poder me foi dado no céu e na terra. Ide, pois, e ensinai todas as nações… ensinando-as observar tudo o que eu vos ordenei’. Serão salvos todos os que obedecerem aos Apóstolos; os que não obedecerem perecerão. ‘Quem crer e for batizado será salvo; que não crer será condenado’ (S. Marcos XVI, 16, 16). E, como convém sumamente à Providência divina não encarregar alguém de uma missão, mormente se ela é importante e de alto valor, sem lhe dar ao mesmo tempo os meios de desobrigar-se dela como é mister, Jesus Cristo promete enviar aos seus discípulos o Espírito de verdade, que ficará neles eternamente. ‘Se eu for, vo-lo enviarei (o Paráclito)… e, quando esse Espírito de verdade vier, ensinar-vos-á toda a verdade’ (S. João, XVI, 7-13). ‘E eu rogarei a meu Pai, e Ele vos dará outro Paráclito, para que Ele fique sempre convosco; será o Espírito de verdade…’ (S. João, XIV, 16-17). ‘Ele é que dará testemunho de mim; e vós também dareis testemunho’ (S. João, XV, 26-27).

“Por conseqüência, Ele ordena aceitar religiosamente e observar santamente a doutrina dos Apóstolos como a sua própria. ‘Quem vos escuta, a mim escuta; quem vos despreza a mim despreza’ (S. Lucas, X, 16). Os Apóstolos são, pois, enviados por Jesus Cristo do mesmo modo que Ele próprio é enviado por seu Pai: ‘Assim como meu Pai me enviou, assim em vos envio’ (S. João, XX, 21) (…). ‘Por Ele (Jesus Cristo) foi que recebemos a graça e o apostolado para fazer obedecer à fé todas as nações em nome d’Ele’ (Romanos, I, 5). ‘E, tendo partido, eles pregaram por toda parte, cooperando o Senhor com eles e confirmando-lhes a palavra pelos milagres que a acompanhavam’ (S. Marcos, XVI, 20). De que palavra se trata? Evidentemente daquela que abrange tudo o que eles mesmos haviam aprendido de seu Mestre; porque eles atestam publicamente e em plena luz ser-lhes impossível calar o quer que seja de tudo o que viram e ouviram’. ( Excertos da Enc. “SATIS COGNITUM” do Papa Leão XIII).

Anúncios
Tags:

One Comment to “Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: “Que vos ouve, a Mim ouve”.”

  1. … “Da diferença de interpretação nasce necessariamente, dissensões, rixas, tais como as temos visto irromperem na Igreja desde a época mais próxima da sua origem. Eis o que escreve Santo Irineu falando dos hereges: “Eles confessam as Escrituras, mas lhes pervertem a interpretação”.
    O trechinho acima reflete as milhares de seitas protestantes existentes por aí que, além de dissensas entre si e se acusando de hereges, cada qual quer ser mais evangélica que a outra, nas quais cada pastor a seu modo se julga dono e portador da verdade!
    Aliás, as seitas no momento desviaram-se de tal forma do luteranismo inicial que mais de 90% delas incidem no pentecostalismo, o qual praticamente em nada se difere dos procedimentos cultuais de centros espíritas!
    O acima incide em: “Antes de mais nada sabei isso: que nenhuma profecia da escritura resulta de uma interpretação particular”, 2 Pd 1,20, ou seja, todos os desejosos de darem interpretações pessoais aos textos evangélicos divergentes do Magisterio da Igreja, à qual Jesus prometeu especial assistencia do Espírito Santo, devem ser rejeitados.
    Convém notar que dentro da Igreja no presente podemos evocar o acima – Sínodo das Familias – já que certas hostes internas, para atenderem ao modernismo e a outros interesses escusos querem instrumentalizar as S Escrituras para objetivos incondizentes com a doutrina tradicional da Igreja, adeptos do relativismo, referentes a concessões indevidas aos em segundas uniões, homossexuais e ao uso dos contraceptivos, devendo pois serem refutados!