Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: “Minha Igreja”.

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

“… Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja…” (S. Mateus, XVI, 18)

Tencionamos, hoje, provar a unidade da Santa Madre Igreja. Tomamos deste texto para nossas reflexões, apenas as palavras: “MINHA IGREJA”.

São PedroTodo este texto e contexto, serão empregados alhures, se Deus quiser, para provar o primado do Apóstolo Pedro.

“A unidade é o caráter insigne de verdade e do invencível poder, que o Autor divino da Igreja imprimiu para sempre na sua obra… Quando Jesus Cristo fala deste edifício místico, menciona apenas uma única Igreja, a que ele chama Sua: edificarei a MINHA Igreja… Não sendo fundada por Jesus Cristo, qualquer outra que quisessem imaginar fora dessa, não pode ser a verdadeira Igreja de Jesus Cristo” (Enc. “Satis Cognitum”, intr. e nº 70).

“Nos últimos tempos”, diz Isaías, “a montanha que é a casa do Senhor será preparada no cume das montanhas. Elevar-se-á sobre os outeiros e todas as nações concorrerão a ela. Irão muitos povos e dirão: vinde, subamos ao monte do Senhor e à casa de Deus de Jacó, e ele nos ensinará os seus caminhos, e nós andaremos pelas suas veredas, porque de Sião sairá a lei e de Jerusalém a palavra do Senhor” (Isaías, II, 2 e 3). E assim comenta o grande Padre da Igreja, o Bispo Santo Optato de Milevo: “Não é, pois, da montanha material de Sião que Isaías avista o vale, mas sim da montanha santa que é a Igreja, e que enchendo o mundo romano todo, eleva seu cimo até o céu… A verdadeira Sião espiritual é, pois a Igreja, na qual Jesus Cristo foi estabelecido Rei por Deus Pai, e que está no mundo inteiro, o que só é verdade da Igreja Católica”.

Diz também São Paulo: “Deus estabeleceu-O (Jesus Cristo), chefe sobre toda a Igreja que é o seu corpo” (Efésios, I, 22 e 23). E na Primeira Epístola aos Coríntios XII, 12 diz: “Todos os membros do corpo, embora numerosos, não são, entretanto, senão um só corpo: assim é Cristo”. E é por isso que nos diz ele ainda: “Cristo é a cabeça em virtude da qual todo corpo unido e ligado por todas as juntas, que se prestam mútuo socorro, consoante, uma operação proporcionada a cada membro” (Efésios, IV, 15 e 16). E assim comenta São Cipriano: “Há um só Deus, um só Cristo, uma só Igreja de Cristo, uma só fé, um só povo, que pelo vínculo da concórdia é estabelecido na unidade sólida de um mesmo corpo. A unidade não pode ser cindida: um corpo que permanece único não pode dividir-se pelo fracionamento do seu organismo… Ela (a Igreja) não pode ser dispersada em pedaços pela dilaceração de seus membros e de suas entranhas. Tudo o que for separado do centro da vida não mais poderá viver à parte nem respirar”.

Eis o comentário tão claro quão eloquente de Santo Agostinho: “Vede em que é que deveis tomar cuidado, vede por que é que deveis velar, vede o que é que deveis temer. Às vezes, corta-se um membro do corpo humano, ou, antes, separa-se esse membro do corpo: uma mão, um dedo, um pé. Acaso a alma segue o membro cortado? Quando ele estava no corpo, vivia; cortado, perde a vida. Assim o homem, enquanto vive no corpo da Igreja, é cristão católico; separado dele, torna-se herege. A alma não segue o membro amputado”. Sobre o mesmo assunto, comenta São Cipriano: “Quem quer que se separe da igreja para se unir a uma esposa adúltera, abdica também as promessas feitas à Igreja. Quem quer que abandone a Igreja de Cristo não chegará às recompensas de Cristo… Quem quer que não guarde essa unidade não guarda a lei de Deus, não guarda a fé do Pai e do Filho, não guarda a vida nem a salvação”.

Nosso Senhor Jesus Cristo, dirigindo-se ao Pai, assim falou: “Assim como vós me enviastes ao mundo, eu também os enviei pelo mundo (Jo XVII, 18). “Ora, está na missão de Cristo, comenta Leão XIII, redimir da morte e salvar “o que perecera”, isto é, não somente algumas nações ou algumas cidades, senão a universalidade do gênero humano todo, sem
distinção alguma nem no espaço nem no tempo. “O Filho do Homem veio… para que o mundo seja salvo por ele” (Jo III, 17). “Porque nenhum outro nome sob o céu foi dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (At IV, 12). A missão da Igreja é, pois, espalhar ao longe entre os homens e estender a todas as idades a salvação operada por Jesus Cristo, e todos os benefícios que dela decorrem. É por isso que, consoante a vontade de seu Fundador, necessário se torna que ela seja única em toda a extensão do mundo, em toda a duração dos tempos”. (“SATIS COGNITUM”).

Anúncios
Tags:

4 Comentários to “Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: “Minha Igreja”.”

  1. Diferindo-se radicalmente todas as igreja existentes, inclusive da mais aproximada à Igreja católica, a Ortodoxa, um cisma proveniente daquela, ao rebelar-se contra o primado de S Pedro mas que, afastando-se, mais ainda se distanciou do influxo do Espírito Santo, oportunizando abrigar muitas igrejas independentes anexas a ela – dezenas de facções cismáticas oriundas de um cisma – deteriorando o que não estava nada ortodoxo.
    Quanto aos mil anos e poucos anos de existência da igreja ortodoxa, nunca proporcionou um santo de envergadura, em seu ambiente o comunismo achou terreno fértil para prosperar, na Russia e se espalhar mundo afora como peste mortal como definiram de forma contundente vários papas, inclusive o emérito Bento XVI.
    Que igreja resistiria à implacável perseguição romana de mais de 300 anos cujos membros enfrentavam destemidamente as arenas e a espada? Se fosse como as tantas de outrora e atuais, teríamos apenas reminiscências de suas existências históricas ao máximo, nada mais.
    Uma das provas da particular divindade da Igreja católica é que as diabólicas ideologias presentes têm um ódio particular a ela, pois até agora tem sido o único obstáculo a implantarem o material-ateísmo no mundo, pois as facções protestantes dissensas entre si são facilmente cooptáveis – como algumas ostensivamente aderidas aos marxistas, caso da “evangélica” IURD-partido PRB e varias outras já associadas.
    “Ele é Cabeça da Igreja, que é o seu Corpo Cl 1,16, assim como em Cl 1,24, Ef 1 22-23; 1 Cor 12-12 + etc., além de ela ter resistido aos Judas que se introduziram nela durante sua existência, comprovando-nos que sua indestrutível estrutura está infinitamente além de meras projeções ou de garantias de bases humanas, como sucedem nas seitas e nas outras religiões, adaptaveis aos tempos, circunstancias e até aliadas a governos e movimentos espúrios, como a TL, dissimulada de católica, mas ao invés de sedizente de libertação como apregoa, é de escravização ao niilismo ideológico marxista!
    Pode ser que um dia suceda de quase todos se afastarem dela e serem subvertidos pelo mundanismo: nem por isso sua existência estará comprometida: ela é a extensão do proprio Jesus Cristo!

  2. Padre Elcio sempre muito claro em suas exposições e muito preciso nas interpretações que faz. Deus o conserve. Sua bênção.

  3. Tudo muito santo e muito correto, reverendíssimo Padre, porém, tudo condicionado ao conceito real de Igreja. O que é a Igreja? Onde está? Quais suas notas? São 4 (quatro): Una, Santa, Católica e Apostólica: Una (inclusive com uma Missa apenas para o mundo inteiro), Santa (assistida pelo Espírito Santo em especial via Magistério Infalível que requer Fé sobrenatural e corroborado pelos exemplos e milagres dos santos), Católica (que tem uma só Santa e Sagrada Doutrina imutável e fincada na Tradição), Apostólica (que segue o que disseram e escreveram os Apóstolos e que equivale à Tradição e repete o itinerário e o zelo dos Apóstolos pela fidelidade à Doutrina e o combate pela Verdade). Então, esta Igreja não é uma Instituição, nem mesmo seus edifícios, nem tampouco seus representantes jurídicos, mas o Seu Testemunho fidedigno da Verdadeira Fé que guarda integralmente o que disse Nosso Senhor e Seus Apóstolos como o que o Magistério Infalível confirmou como de acordo com a Tradição. Qualquer coisa regional não é universal e, portanto, não de Fé Católica. Acordemos para isso!
    “Lutemos o Bom Combate e guardemos a Fé”. Delimitar qualquer posição pela mera possibilidade humana sem a Graça não é de Fé e não é porque vemos como pecam que temos de nos habituar e contemporizar. Católico é aquele que nem quer ver o pecado para não se expor ao perigo. Coloquemos a cabeça debaixo da terra e não vejamos nada além do que nos Revelou Deus e a Igreja, porque Deus e a verdadeira Igreja que são a realidade que não passa! Santo Tomás dizia: “se não for para falar de Deus, não quero falar” e, por isso, era chamado “Boi Mudo”. Mas eu pergunto: que padre nos falou como Santo Tomás? Fiquemos com Deus e deixemos o mundo! “Saiamos do meio deles!”.

  4. Com a graça de Deus, quero sempre procurar unicamente a maior glória de Deus; e transmitindo o que o Magistério Autêntico, vivo, Perene e Infalível sempre ensinou, procuro não novidades, mas a doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é o alimento salutar das almas. Entendo muito bem o que é a VERDADE ETERNA, mas não posso entender o que seja “NOVIDADE ETERNA”. Seria, talvez, evolução contínua e enculturada dos dogmas? Isto, no entanto, é a quintessência do Modernismo. Escreveu o Apóstolo São Paulo: “Jesus Cristo é sempre o mesmo, ontem, hoje e para sempre; por isso, rejeitai toda doutrina nova e estranha”. Já preparei um artigo sobre este tema bíblico.
    Caríssimo Vitor Zanetti, muito obrigado! Que Deus o abençoe copiosamente!
    Caríssimo Leonardo, gostei das suas observações. ´Claro que não é possível escrever tudo de uma vez, a menos que fosse um livro. Mas dentro dos estreitos limites de um artigo, isto é inviável. Peço a compreensão dos caríssimos leitores, porque estou primeiro, fazendo algumas reflexões basilares, para sabermos com certeza o que é a verdadeira Palavra de Deus, a verdadeira Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo. Em alguns artigos sequentes, se Deus quiser, falarei sobre a Infalibilidade. Como disse no primeiro artigo: Nenhum homem tem direito de se impor a outro homem. Provada que for a lídima palavra de Deus, diante dela, aí sim, todo homem deve se curvar.
    Peço do fundo do coração e encarecidamente as valiosas orações de todos para que este pobre e insignificante instrumento nas mãos de Jesus possa fazer bem às almas.
    Na impossibilidade de escrever tudo de uma vez, fico muito contente com os acréscimos feitos, como foi o caso do caríssimo Isaías, ao qual fico muito grato.