Líderes Pró-vida dizem que o novo departamento do Vaticano ‘rebaixa’ a vida e a família.

Por LifeSiteNews, 23 de outubro de 2015 | Tradução: Teresa Maria Freixinho – FratresInUnum.com: O Papa Francisco fundiu os atuais departamentos do Vaticano, ou dicastérios, para a vida, a família e o laicato, uma medida que dois proeminentes líderes católicos pró-vida acreditam ser um “rebaixamento” para as questões relacionadas à vida e à família.

O Papa Francisco fez um comunicado divulgado ontem (22): “Decidi criar um novo Dicastério com competência para os Leigos, a Família e a Vida, que substituirá o Pontifício Conselho para os Leigos e o Pontifício Conselho para a Família”. Posteriormente, ele acrescentou a Pontifícia Academia para a Vida ao novo dicastério. Essa decisão segue as recomendações de um Conselho de Cardeais relativamente novo, criado por Francisco para enxugar a administração do Vaticano.

John Smeaton, chefe da Society for the Protection of the Unborn Child (SPUC), com sede em Londres, e cofundador da Voice on the Family, que está em Roma por ocasião do Sínodo sobre a Família, descreveu a medida como “um incidente particular em uma guerra mundial.”

Smeaton advertiu o LifeSiteNews, dizendo: “Há uma guerra mundial contra a vida e a família deflagrada pelos políticos e organizações mais poderosos do mundo.” E digo mais, “um grupo pequeno, porém altamente influente, no nível mais elevado na estrutura da Igreja Católica, parece estar desmontando o edifício das instituições e doutrinas que defendem a família e a vida. Parece muito provável que a fusão de três dicastérios, de uma maneira ou de outra, está relacionada ao programa maior que descrevi.”

Entretanto, um líder leigo teve um ponto de vista diferente, alegando que a reorganização é um passo positivo em direção a uma operação mais eficiente. “É preciso olhar para essa medida nesse contexto,” Henry Capello, Presidente da Caritas in Veritas International, uma aliança de grupos católicos de evangelização de jovens, contou ao LifeSiteNews.

Por exemplo, espera-se que os Conselhos Pontifícios para a Justiça e Paz, para os Migrantes e o Cor Unum sejam unificados. Capello disse que os dicastérios para os leigos e a família tinham funções justapostas. A fusão deles em uma única entidade atenderia à “necessidade de ser mais coordenada” e economizar dinheiro através do redimensionamento da administração. “Tenho grandes expectativas,” disse Capello.

Entretanto, Steven Mosher, Presidente do Population Research Institute, uma organização com sede na Virgínia, dedicada à oposição de programas de controle de população, reiterou os receios de Smeaton.

“Essa medida é um rebaixamento,” disse Mosher, cientista social, que se converteu ao catolicismo em idade adulta, ao LifeSiteNews. “Entendo de burocracias e sei como elas funcionam e, portanto, tenho que encarar essa decisão como uma medida na direção errada. Trata-se de uma queda na hierarquia para a vida e a família, uma redução da influência delas em dois terços.”

Mosher explicou que sob a estrutura anterior os chefes dos dicastérios responsáveis pela vida e a família tinham “acesso direto ao Santo Padre.” Porém, agora, aqueles que atuam nessas questões terão acesso somente a um responsável [chefe de dicastério], que divide seus interesses em três áreas.

Nesse ínterim, o Vaticano criou novos secretariados para “a Economia” e “as Comunicações”, comentou Mosher. “Isso reflete diretamente o que é percebido como importante e o que não é.”

O assessor de imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, apresentou um ponto de vista diferente, afirmando que “o conselho [de cardeais] também está planejando dar mais atenção a questões relacionadas ao laicato, de modo que essa dimensão da vida da Igreja seja reconhecida de maneira mais apropriada e eficaz e seguida pelo governo da Igreja.”

Anúncios