Bergogliada do dia: uma situação embaraçosa. Um bispo de Roma totalmente inadequado.

Por Antonio Socci | Tradução: FratresInUnum.com – O discurso bergogliano de Florença destruiu, de uma só vez, todo o pontificado de João Paulo II e Bento XVI, jogando de novo a Igreja italiana no devastante marasma clérico-progressista dos anos setenta, justo nos anos em que Paulo VI – isolado e ignorado – denunciava a “fumaça de satanás”, que entrara no templo de Deus, e a fúria autodemolidora desencadeada na Igreja. Aqueles foram os anos mais tétricos da Igreja italiana (ndt, e também da Igreja no Brasil), e estamos voltando a estes.

Bergoglio, além disso, é de tal modo raquítico de referenciais culturais e privado de sólidas bases teológicas que, naquele discurso florentino, cometeu imprecisões inacreditáveis. Eu já assinalei aquela sobre “don Camilo” de Guareschi, um desastrado gol-contra.

O professor Pietro De Marco (publicado por Sandro Magister com uma breve introdução), mostra, também, como as suas referências polêmicas à gnose e ao pelagianismo foram não apenas erradas, mas o exato contrário da realidade.

Passam alguns dias, e acontece o atentado em Paris…

Depois da embaraçosa entrevistinha telefônica sobre o massacre parisiense que Bergoglio fez à TV2000 (disponibilizaram-lhe um péssimo serviço… Mas, quando é que um papa já se prestou ao papel de um “achista” no telefone?), na qual disse que “estas coisas são difíceis de entender” (na realidade, bastaria perguntar a qualquer cidadão comum, e este lhe poderia explicar, mas talvez o problema seja quem NÃO QUER ENTENDER), tornou a dizer, depois, que “não é necessário construir muros”, ligando esta ideia ao atentado de Paris.

É evidente para qualquer pessoa que o problema de Paris e da França (que tem seis milhões de muçulmanos em casa), como também da Europa, deriva, pelo contrário, de ter abolido os muros, deriva da dramática dificuldade de integrar o Islã nas sociedades democráticas e da falência do multiculturalismo.

Mas, Bergoglio não escuta as razões de ninguém e continua com a sua ideia de derrubar de modo indiscriminado e generalizado todas as fronteiras da Europa (foi também por isso que ele repreendeu os bispos eslovacos que alegavam a necessidade de defender a identidade do seu País das ondas migratórias dos muçulmanos).

Qualquer um pode ver, nestes dias, o que isso significa.

Não contente com isso, horas depois, Bergoglio foi ao encontro dos Luteranos e – como explica Sandro Magister – fez uma outra confusão… E sobre uma questão central da verdade católica: a Eucaristia, que é o coração da vida da Igreja, e com a qual o papa argentino tem uma atitude que nos deixa, para dizer pouco, inquietos (vejam, também, o que aconteceu no Sínodo, mas não apenas)…

Não sei se e quanto Bergoglio conheça Lutero, que definia a Igreja como “a cloaca na qual o Espírito Santo está encarcerado”. Evito comentários sobre o que disse Bergoglio aos luteranos porque são coisas inauditas e, por agora, bastam as palavras de Magister… Mas, me pergunto: já não é evidente para todos a incompetência deste “bispo de Roma”?

A barca de Pedro está navegando em trevas densas e a água está entrando por todos os lados, arriscando o afundamento…

Perdeu-se totalmente a rota, tanto no plano doutrinal como no plano pastoral (Bergoglio desarmou e amordaçou a Igreja ante a pesada agressão ideológica do laicismo), inclusive no plano diplomático, no qual a Igreja quase desapareceu no que diz respeito à defesa de igrejas inteiras, perseguidas e ameaçadas de serem fisicamente eliminadas.

A única coisa que funciona é a máquina de propaganda pessoal do “Bergoglio-Star”, um astro moderno, aplaudido e exaltado, não sem motivo, pelos inimigos de sempre, inimigos de Cristo e da Igreja, que estão muito felizes com o trabalho papal.

A última “sacada” do Bergoglionismo de hoje foi o “jubileu aberto aos muçulmanos”. Que ideia! Aliás, ideia cujo significado não se entende… Esperemos que isso não signifique uma peregrinação bergogliana a Meca, depois do seu “momento de adoração”, voltado para Meca, na mesquita-azul de Istambul.

A gente não sabe se ri ou se chora!

Já está claro a todos aqueles que são bastante livres para reconhecer a realidade que Bergoglio é dramaticamente incompetente para este ministério, e causa danos enormes (entre aplausos dos inimigos de Jesus Cristo e da Igreja, que finalmente podem rir triunfalmente dos católicos).

Seria o caso de que os cristãos, os sacerdotes, os bispos e os cardeais que abriram os olhos comecem a dizer a verdade, a dizer em consciência aquilo que vêem e que pensam de verdade. Antes que Bergoglio, prosseguindo com nomeações episcopais à sua imagem e semelhança, e também com novas nomeações cardinalícias, comprometa até o futuro da Igreja.

Creio que Deus pedirá contas a cada um de nós de como assumimos as nossas responsabilidades neste momento terrível da história da Igreja. E julgará se vendemos a verdade à conveniência e ao oportunismo.

Anúncios

27 Comentários to “Bergogliada do dia: uma situação embaraçosa. Um bispo de Roma totalmente inadequado.”

  1. Esse Jubileu foi o primeiro da História da Igreja, em que não se celebra um fato da vida Jesus Cristo.
    Exemplo, o Jubileu dos 2000 da Encarnação do Verbo, seja ainda o Jubileu de 1983 – chamado de Ano Santo da Redenção.

    No 8 de dezembro próximo, se abre o Jubileu de Bergoglio, que será diferente por dois motivos:
    não remete a um fato da vida terrena do Salvador, e será “Aberto aos Mulçumanos”.

    É para rir ou chorar?

    (chorar.)

  2. Até agora, estou muito satisfeito com o Papado de Francisco!

  3. O Papa Pio XI em sua bela encíclica Quas Primas sobre Cristo Rei, percebendo no início do século XX de como o mal se alastrava como incendio devastador, pressentiu que densas nuvens acumulando-se estavam prestes a descarregarem sobre nós a tempestade, ajuntada de granizos, fulminantes raios e proclamou:
    “Não somente o desencadeamento de males invadiu o universo porque a maior parte dos homens baniu Jesus Cristo e sua lei sacrossanta de seus costumes e de sua vida particular como da sociedade familiar e do Estado, mas a esperança de uma paz duradoura entre os povos não brilhará jamais enquanto os indivíduos e as nações obstinadamente rejeitarem a autoridade de Nosso Salvador”.
    *”Assim, podemos ver como todos os erros estão entrelaçados uns com os outros: no liberalismo, naturalismo, racionalismo,, componente da Revolução, e onde a reta razão, esclarecida pela fé, vê somente harmonia e subordinação, a razão deificada cava abismos e levanta muralhas: a natureza sem a graça, a prosperidade material sem a procura dos bens eternos, o poder civil separado do poder eclesiástico, a política sem Deus nem Jesus Cristo, os direitos do homem contra os direitos de Deus , finalmente a liberdade sem a verdade.
    Posteriormente, deplorando a pouca atenção dispensada pelos governantes apesar de tantas advertências, Leão XIII constata os espantosos progressos da seita:
    “Vemos como resultado, que no período de um século e meio, a seita dos maçons fez incríveis progressos. Empregando simultaneamente a astúcia e a audácia, invadiu todos os setores da hierarquia social e começou a tomar, no interior dos Estados modernos, um poder que equivale à soberania”.
    O que ele diria hoje, quando todos os governos obedecem aos decretos das Lojas Maçônicas! Agora mesmo, no assalto à Hierarquia da Igreja, o espírito maçônico e a própria maçonaria progridem solidamente e já dá ordens. Voltaremos ao assunto.
    O que é então o espírito maçônico? Eis em poucas palavras o que diz o senador Goblet d’Aviello membro do Grande Oriente da Bélgica, falando na loja dos Amigos Filantrópicos de Bruxelas em 5 de Agosto de 1877:
    “Digam aos neófitos que a Maçonaria…é antes de tudo uma escola de vulgarização e aperfeiçoamento , uma espécie de laboratório onde as grandes idéias do momento vêm a se combinar e se firmar para se espalhar pelo mundo profano de uma forma palpavél e prática. Digam-lhes em uma palavra, que somos a Filosofia do Liberalismo”.
    Sem excluir os países comunistas, visto que os partidos esquerdistas são simplesmente sociedades maçônicas, com a única diferença que nestes países elas são “legais”.
    Reportemos a La Salette:
    Haverá um tempo em que não suportarão a sã doutrina, mas de acordo com seus próprios desejos, ajustarão mestres para si, tendo comichão nos ouvidos, e darão as costas à verdade, voltando-se às fábulas. 2 Tm. 4,3-4.
    Para responder a estas perguntas Nossa Senhora veio à montanha de La Salette e advertiu-nos:
    “No ano de 1864, Lúcifer, juntamente com um grande número de demônios, será solto do inferno. Eles vão pôr fim à fé pouco a pouco, mesmo naqueles que se dedicam a Deus. Eles irão cegá-los de tal maneira que, a menos que recebam uma graça especial, essas pessoas irão assumir o espírito desses anjos do inferno; várias instituições religiosas perderão toda a fé e perderão muitas almas.
    Livros maus serão abundantes na terra e os espíritos das trevas espalharão por toda parte um relaxamento universal em tudo que concerne ao serviço de Deus. Os chefes, os líderes do povo de Deus negligenciaram a oração e a penitência, e o demônio obscureceu sua inteligência. Eles tornaram-se estrelas errantes que o velho demônio arrastará com sua cauda para fazê-los perecer.
    Sim, os sacerdotes estão pedindo por vingança, e a vingança paira sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e pessoas consagradas a Deus, que por sua infidelidade e suas vidas perversas estão crucificando o meu Filho de novo!” (Virgem de La Salette, 19 de setembro de 1846).
    Tudo acima não é a somatoria do que sucede via apostasia e infestação da Igreja por forças estranhas, além de o clero vir do povo… E que povo em muitos locais desdirecionado da fé!
    * D Lefebvre.

  4. Bergoglio calado é um grande teólogo. Seu silêncio me faz lembrar as reflexões de Santo Agostinho.

    ——-

    “Até agora, estou muito satisfeito com o Papado de Francisco!” (Martinho Lutero)

  5. “Mas, me pergunto: já não é evidente para todos a incompetência deste “bispo de Roma”?

    A barca de Pedro está navegando em trevas densas e a água está entrando por todos os lados, arriscando o afundamento…”

    Palavras cristalinas que qualquer cristão medianamente racional enxerga…

  6. Jubileu aberto aos muçulmanos? Pergunta: Como farão eles para lucrar as indulgências? Poderiam colocar padres franceses para atender confissões deles!!!!!!!!!!!!! Que tal?!?!?!?!
    É o primeiro jubileu on-line onde temos de nos cadastrar para passar pela porta santa. Espero que instalem detectores de metais… vai que os muçulmanos levam suas armas por descuido!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  7. Nossa! Admiro muitíssimo o Antonio Socci, mas me pergunto: qual é a força dos artigos dele na Itália, e no Vaticano? Isso tudo que ele falou é muito forte. Parece-me que ele é muito amigo do Sandro Magister e provavelmente este também concorda com suas colocações. E que peso tem isso na Itália? eu gostaria de saber.
    Claro, ele pôs em dúvida a legitimidade do papado de Jorge Bergóglio naquele livro, mas apesar disso, não falou com certeza que Bergóglio não é verdadeiramente Papa. Ele apenas levantou uma hipótese plausível. Mas… e se ele é realmente Papa? esse artigo não é um pouco crítico demais de alguém que foi escolhido pelo Espírito Santo?
    Não que eu discorde do que ele disse, mas, não sei, fico confusa. Não teria coragem de falar assim de um escolhido de Deus.

    • teresa eu vivo na italia e decididamente o Antonio socci é considerado um falastrão e oportunista. ele no passado também falou mal de Bento XVI, ninguém leva ele a sério aqui…

  8. A Paz e a Graça de Jesus,

    Cara Teresa,
    Sigamos a recomendação do Apóstolo Paulo em Ts.5:17: “Orai sem cessar” e assim que tiver uma resposta nos comunique,
    Ab. Sebastião Carvalho

  9. Enquanto aprecio o artigo, acho partes dele muito incautas. Não cabe, pelo que eu entendo, a nós julgar se quer nosso pároco diocesano. Quanto menos o sucessor de Pedro. Não estou querendo dizer que não devemos corrigi-lo quando ele diz uma inverdade (gosto muito do site Denzinger-Bergolio por causa disto). Nem que não podemos chamar a atenção para o quão incauto são alguns dos seus pedidos e comandos.

    Porém, ele é o príncipe da Igreja, e cabe a nós obedecê-lo. Sim, é perigoso abrir os portões das nações para os imigrantes muçulmanos. De fato, esta seria a última coisa que eu faria se a decisão estivesse em meu poder. Mas se este é o comando do Papa, creio que é o melhor a ser feito, pois se assim o fizermos, estaremos colocando nossa obediência e fé em Deus, e mesmo que pelo aspecto humano tal decisão seja catastrófica, se é assim que Deus quer testar nossa obediência, com certeza é assim que obteremos o melhor resultado no final.

    Também acho muito perigoso chamar o Papa de incompetente. Não porque eu esteja satisfeito com seu pontificado. Mas porque ele é o Papa. De fato, mesmo pelo lado secular, é claro qual seria o preço a se pagar se aqueles que se dizem tradicionalistas, entre os quais eu alegremente me incluo, acabacem por negar pelas suas ações a supremacia da autoridade Papal. Quaisquer que sejam os “danos” que o Santo Padre possa causar a sua Igreja, nunca serão tão grandes que um bom e santo Papa futuro não possa consertar. Porém, se nos excluirmos da Igreja de Cristo por nossa desobediência, que garantia temos de que poderemos voltar?

  10. Não é dogma de fé que Nossa Senhora se manifestou a nós em La Sallete. Mas é uma proposição piedosa muito respeitável. Seguramente, NINGUÉM A OUVIU, DIRETAMENTE, MENTE A MENTE, COM O “OUVIDO” DO ESPÍRITO. Os “eus” dos que a viam e ouviam vivenciavam diretamente, está claro, como todos nós, suas PERCEPÇÕES PSICOLÓGICAS VISUAIS E AUDITIVAS, supostamente correspondentes a ALGO ocorrente ” lá fora”. Isto é fisiologia dos sentidos e psicologia das percepções e concepções. Admitindo que Ela tenha dito que, em 1864, Lúcifer seria solto do inferno, junto com asseclas, teríamos que perguntar: por quem? Quem tem poderes sobre tais portas? Por que e para que faria isto? Para nos atormentar e danar? No máximo, admitindo todos os “SE” piedosos, eu admitiria, confusa e nebulosamente, que tais palavras seriam, no modo distorcido de entender dos intermediários, uma profecia sobre tempos vindouros, que são os atuais, onde ocorreriam desvios e catástrofes, que seriam COMO SE Lúcifer tivesse sido solto em 1864, coisa que, aliás, ” bate” infelizmente com os fatos históricos. Quero apenas aflorar a questão, omitindo-me do necessário aprofundamento. Um detalhe: pronunciamentos de Papas como Pio IX, Pio X, Leão XIII, Pio XII, são claros, precisos, objetivos.Papas atuais se manifestam, falando ou por escrito, de modo cada vez mais nebuloso e ambíguo para mim.

  11. Prezados, respeito a posição de vocês! Mas é verdade, estou muito satisfeito com o Pontificado de Francisco.

    Um Papa simples, que fala simples.
    Combate o Liberalismo Econômico.
    Lançou a Laudato Si, importantíssima para mim.
    Um Papa ecumênico, segundo o conceito católico de ecumenismo.
    Um Papa gente boa.
    Um Papa que nos permite tentar construir um Novo Comunismo a partir do Evangelho. Aqui entrará o conceito católico de comunismo, em ruptura com o marxismo.
    Um Papa de elevada espiritualidade.
    Um Papa aberto a compreender as causas das desgraças dos outros.
    Um Papa que deseja uma igreja inclusiva e acolhedora.
    Um Papa em ruptura com o mundo e a ordem mundial do capeta que está regendo o ocidente.
    Um Papa que tem se mostrado mais corajoso que seus predecessores ao combater a atual ordem mundial, dominada pelas sociedades ocultas de magnatas e anticristos.
    Um Papa que zela pela Justiça Social, Econômica e Cultural.
    Um Papa que, só com suas atitudes, ainda que com poucos documentos, edifica a Doutrina Social da Igreja.
    Um Papa que se mortifica diante das adesões às modas pela massa. A Igreja não tem modas.
    Um Papa educado, mas não bajulador.
    Um Papa que se considera verdadeiramente pecador e mal, necessitando da oração constante dos fiéis.
    Um Papa que sabe ver uma centelha de bem no pior dos pecadores.
    Um Papa comprometido em derrubar o sistema político-econômico do capitalismo, que massacra a cada instante milhares de pessoas pelo mundo.
    Um Papa dos excluídos e rejeitados.
    Um Papa dos leprosos.
    Um Papa eficiente e eficaz em seu ministério petrino.
    Um Papa revolucionário e inimigo dos principados do mundo.
    Um Papa que está chamando a atenção, de modo especial, para a Lei da Consciência, princípio unificador da humanidade e Lei de Deus.
    Um Papa que abraça o pecador e desce à mansão de trevas, para compreender o que está por trás do mal, e assim, poder combatê-lo mais na raiz.
    Um Papa dos pobres, pecadores, doentes, massacrados etc.
    Um Papa que sente e procura sentir na pele os sofrimentos e desgraças dos outros – isto é amar.

    entre outras inúmeras qualidades que vejo na pessoa e no Pontificado dele.

    ————————————

    É lógico que não concordo com tudo dele, mas para mim, um Papa excelente.

    ————————————

    É bom lembrar que: A riqueza, a opulência e a dissipação de uns é a miséria, a carência, a tortura e a morte de muitos outros.

    Não interessa se o bem ou o ideal seja utópico ou impossível de se concretizar, mas interessa sim o que é e está sendo feito para se ter o bem concreto e o reinado de justiça plena, também neste mundo miserável. Esta é a direção do trabalho, em oposição aos conformismos iníquos e imorais daqueles que querem permanecer tirando proveito das desgraças dos outros.

    ————————————

    “Deve procurar-se que a repartição dos bens criados seja pautada pelas normas do bem comum e da justiça social. Hoje, porém, à vista do clamoroso contraste entre o pequeno número dos ultra-ricos e a multidão inumerável dos pobres, não há homem prudente que não reconheça os gravíssimos inconvenientes da atual repartição da riqueza” (Pio XI, Enc. Quadragesimo anno, n. 58 (15 mai. 1931)).

    Se não fosse citada a fonte, diriam que é coisa de Paulo VI, João Paulo II, Francisco etc, logo é heresia e espírito de apostasia, ruptura com a Tradição Católica. É claro que isso é e sempre será sustentado por quem está tirando muito proveito da miséria dos outros.

    No entanto, a descrição de Pio XI é ainda mais intensa e válida ao se referir aos presentes dias.

    ———————————–

    Sabem qual a diferença que a nova ordem proposta faz para meus familiares católicos tradicionalistas, inclusive para meus avós, que conheceram Dom Antônio de Castro Mayer? Nenhuma.

    Att,

    • Daí sua decisão de servir ao “IE”. Não se engane não vai ser sheik e ter alguma benesse após a morte não. E depois não ponha a culpa em Bergoglio. Ou na Igreja Católica.

      Eu não padeço da ilusão liberal, tampouco da maldade do comunismo. Mas abandonar a fé católica por uma deturpação óbvia, o islã.

      Eu tive alguns amigos que se drogaram até a morte. E outros que conheci no hospital, mais outro monte nas ruas. Todos tinham uma estrutura linguística melancólica semelhante a sua quando estavam sob o efeito da droga ou na abstinência dela. E não é pecado buscar ajuda médica não.

      Não cai na armadilha “seja feliz como você” ou “Deus te ama assim mesmo”. Busque ajuda. O islã não tem a resposta para o seu caso e caso algum.

      Suicidas apenas encontram demonios após a morte.

  12. Quando Cristo estava pregado na cruz, parecia derrotado e acabado. Os discípulos, pessoas mais próximas e que mais conviveram com ele, estavam desesperados. Foi preciso esta suprema humilhação para se chegar à Glória da Ressurreição.

    Rezemos! O tempo é curto (por misericórdia de Deus) e precisamos “ser espertos como os filhos das trevas”.

    “Eu vos digo: fazei-vos amigos com a riqueza injusta, para que, no dia em que ela vos faltar, eles vos recebam nos tabernáculos eternos.” Não tenho autoridade religiosa nenhuma para interpretar, porém tenho lido este trecho pensando: “Sou um miserável pecador. Porém, posso rezar pela salvação das almas do purgatório e pela conversão dos pecadores (em especial a minha). Quando a riqueza injusta faltar (esta vida) que eu tenha amigos (santos) que me recebam nos tabernáculos eternos (céu).”

    É hora de rezar, pedir misericórdia e “lucrar amigos no céu”, ajudar almas do purgatório para que estas, livres das penas, possam interceder por nós quando tivermos que pagar as nossas.

  13. Se ninguem leva ele a serio porque ele continua escrevendo ? Obviamente ele fala coisas importantes, talvez ele nao agrade a maioria , mas o que realmente “pensa” a maioria nesta crise profunda que se agrava cada vez mais?

  14. O MAIS TERRÍVEL FLAGELO NA IGREJA
    O sacerdócio na Antiga Lei era apenas figura do sacerdócio deixado por Nosso Senhor Jesus na Sua Igreja. O que a Sagrada Escritura diz dos sacerdotes no Antigo Testamento muitas vezes se aplica também aos do Novo Testamento e, às vezes, até com mais propriedade. É o caso de que tratamos no presente artigo: o castigo da existência de pastores maus, escandalosos e omissos.

    Consideremos algumas passagens das Sagradas Escrituras: “Ouvi isto, ó sacerdotes, e tu, ó casa de Israel, ouve com atenção; escuta, ó casa real, porque sobre vós se vai exercer o juízo, pois, devendo ser sentinela, lhe tendes armado laços e sido para ele como uma rede estendida sobre o monte Tabor” (Oséias V, 1). Oh! Sacerdote de Jesus Cristo, oh! Pastor de almas, que terrível juízo sofrereis um dia! Oh! Eclesiásticos que escandalizais! Então vós, que sois os protetores natos da inocência, armais-lhe laços? Estendeis as vossas abomináveis redes sobre o mesmo Tabor, sobre esse monte santificado por tantos e tão veneráveis mistérios.

    “O meu povo tornou-se um rebanho perdido; os seus pastores enganaram-nos e fizeram-nos andar desgarrados pelos montes; dos montes passaram aos outeiros e esqueceram-se do lugar do seu repouso” (Jeremias L, 6).

    Assim, o mais terrível flagelo que Deus podia empregar para punir uma paróquia, uma diocese, uma província, um país e até todo orbe, seria permitir que lhes fossem enviados pastores escandalosos. Eis o que Deus mesmo diz por um profeta: Como castigarei os pecadores obstinados? Que novo golpe lhes infligirá a minha justiça indignada? Eis o castigo: “Os seus pastores enganaram-nos…” (Jeremias citado acima).

    Observemos que os Pastores na Igreja podem escandalizar também por omissão. Eis o que diz a Bíblia sobre eles: “As suas sentinelas estão todas cegas, todas se mostraram ignorantes; são cães mudos, que não podem ladrar, que vêem coisas vãs, que dormem, e que amam os sonhos. E estes cães tão sem-vergonha não podem saciar-se; os mesmos pastores não têm nenhuma inteligência; todos declinaram para o seu caminho, cada um para sua avareza, desde o mais alto até o mais baixo” (Isaías LVI, 10 e 11). E logo em seguida o profeta acrescenta: “O justo perece, e não há quem lhe dê atenção…” (Isaías LVII, 1).

    Caríssimos, temos que rezar muito e fazer penitências pelos eclesiásticos desde “o mais alto até o mais baixo”.

    Fala-se hoje em um “Deus das surpresas”. O próprio Deus, pela boca de São Paulo disse que “Jesus é sempre o mesmo, ontem, hoje e sempre”. Portanto, caríssimos, devemos rezar e fazer penitência para conseguirmos a graça da perseverança: seja nosso falar “Sim, sim; Não não”; e rejeitemos toda doutrina nova e estranha. Até as revelações particulares só são aprovadas pela Igreja se estiverem em consonância com a Revelação Pública que terminou com a morte do último Apóstolo. Não pode haver “surpresa” de novidades na doutrina. Como dizia São Vicente de Lérins: “Nove, non nova”, Não podem haver doutrinas novas na Igreja, embora possam ser apresentadas de maneira nova.

    Às invocações da ladainha de Bergoglio feita por Vitor José de Oliveira, uns responderão, ORA PRO NOBIS, outros dirão: LIBERA NOS, DOMINE. Hoje, ninguém convence ninguém, cada um tem sua opinião e pronto! Devemos, no entanto, dizer: O DIVINO MESTRE DISSE.

  15. Um Papa ecumênico, segundo o conceito católico de ecumenismo.
    É tudo que ele não é…

  16. Paulo VI isolado e ignorado? Por que? Expulsou da cúria e da hierarquia os melhores prelados que poderiam defender a fé católica.
    Isolado porque todo homem dado à amizade particular afasta de si os amigos leais e homens de bem. E Paulo VI era dado à amizade particular. A peste da vida religiosa, como ensina Santa Teresa de Jesus.

  17. Esse papa é o maior castigo que o Senhor poderia permitir à sua Igreja.

  18. “Francisco é o cara”!!!
    Ele é tão o cara que permite a qualquer um de nós escrever boçais como esse texto…
    Textos assim em nada colaboram com a Unidade da Igreja; e ajuda a reforçar a ideia de não levar a sério os ditos neo-conservadores.
    Lamentável; credibilidade zero; dessa forma não se vai a lugar algum!

  19. Lembrem-se que o flagelo Bergoglio só se tornou possível por causa da proliferação de “católicos” como o leitor Vitor José Faria de Oliveira. Ele não é o único! No mundo inteiro há multidões de “católicos” mais agarrados `a terra que os sapos, daí esta idolatria por ecologia, por comunismo, por “justiça social” que se resume na tríade: feminimo, gayzismo e racismo.
    Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em vez do Criador, que é bendito pelos séculos. Amém!
    Romanos 1:25

  20. Infelizmente as críticas são contundentes e bem fundamentadas. Digo infelizmente porque amo a Igreja e gostaria que não refletissem a realidade, mas acho que estamos nos aproximando de uma grande apostasia.

  21. OBEDIÊNCIA ao Papa, meus caros. Obediência. Essa animosidade para com o Santo Padre só pode ser inspirada pelo demónio…

  22. Não vejo Francisco como incompetente. Ele o seria se quisesse de fato conduzir a Igreja conforme deve ser conduzida. Mas não: desde o início ele deixou claro a que veio; veio para destruir. Nisso ele está sendo muito competente.