Francisco: Eucaristia para luteranos?

Fonte: FSSPX USA – Tradução: Dominus Est

No domingo, 15 de novembro de 2015, o Papa Francisco visitou a Igreja Evangélica Luterana de Roma, onde participou de uma sessão Q & A (Perguntas e Respostas). No final da visita, Francisco ofereceu um cálice para os luteranos.

Aqui estão alguns trechos da recente visita do Santo Padre à comunidade luterana de Roma. Papa Francisco disse que católicos e luteranos devem procurar o perdão pelas perseguições passadas. No final de uma oração conjunta, ele disse: “Basta pensar nas perseguições, entre nós que temos o mesmo batismo. Pense em todas as pessoas que foram queimadas vivas… Temos que pedir perdão um ao outro por isso, pelo escândalo da divisão“.

screen_shot_2015-11-15_at_7.35.20_pmO papa respondeu perguntas da congregação. Em particular, uma mulher Luterana casada com um católico italiano falou. Ela expressou sua dor em não ser capaz de receber a Comunhão: “A dor que sentimos juntos devido a uma diferença na fé” e questionou o papa sobre a possibilidade “de finalmente participarem juntos da comunhão“.

Na frente de três cardeais (Walter Kasper, Kurt Koch e Agostino Vallini) e da multidão de participantes, em sua maioria Suiços/Alemães, o papa deixou a resposta na consciência da mulher.

O papa começou com uma piada: “A questão sobre a partilha da Ceia do Senhor não é fácil para mim responder, sobretudo na frente de um teólogo como o Cardeal Kasper – Estou com medo!”

Em seguida, ele passou a explicar por que ela não podia, dando o fundamento doutrinário desta proibição. Ao contrário, no entanto, ele insistiu em uma realidade prática diferente, que ele alegou ser a mesma:

É verdade que, em certo sentido, compartilhar significa que não há diferenças entre nós, que temos a mesma doutrina – ressaltando essa palavra, uma palavra difícil de compreender. Mas eu me pergunto: mas não temos o mesmo Baptismo? Se temos o mesmo Batismo, não deveríamos estar caminhando juntos?

Quando você se sente uma pecadora – e eu sou muito mais que um pecador – quando seu marido sente que ele pecou: ​​você vai diante do Senhor e pede perdão, seu marido faz o mesmo e também vai ao padre e pede a absolvição… Quando você ensina seus filhos sobre quem é Jesus? Por que Jesus veio? O que Jesus faz por nós?… vocês estão fazendo a mesma coisa, quer na linguagem luterana quer na católica, mas é o mesmo.

A questão… A ceia? Há perguntas que somente se alguém é sincero consigo mesmo e tem uma pequena luz teológica, pode responder por conta própria. Veja por si mesmo…

É um problema que cada um deve responder [para si] …

Um pastor-amigo me disse uma vez que: “Acreditamos que o Senhor está presente lá, ele está presente’- você acredita que o Senhor está presente. E qual é a diferença? Há explicações, interpretações, mas a vida é maior do que explicações e interpretações. Sempre refira-se ao seu batismo – uma só fé, um só batismo, um só Senhor…

Eu nunca me atreveria dar permissão para fazer isso, porque não é de minha competência. Um só batismo, um só Senhor, uma só fé. Fale com o Senhor e, em então, vá adiante. [Pausa] E eu não me atreveria – Não me atrevo a dizer nada mais”.

O movimento luterano, é claro, nasceu da rebelião de Martinho Lutero, que pregou suas 95 teses criticando a doutrina católica na porta de uma igreja em Wittenberg, Alemanha, em 1517. O Papa Leão X, em 1520, condenou a ideia de Lutero como “herética, escandalosa, falsa, ofensiva aos ouvidos pios e sedutora de mentes simples (ingênuas), e contra a fé Católica.”

A “reforma” que se seguiu com a revolução de Lutero dividiu a Igreja e desencadeou guerras entre protestantes e católicos.

O diálogo teológico entre Roma e luteranos começou no final de 1960 após o Concílio Vaticano II. Em outubro de 1999 a “Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação” foi assinada pelo cardeal australiano Cassidy na qualidade de Presidente do Pontifício Conselho do Vaticano para a Promoção da Unidade dos Cristãos. O documento erroneamente afirmou que católicos e luteranos tinham agora encontrado um acordo comum sobre detalhes doutrinários envolvidos na conversão e salvação.

Como os 500 anos da Reforma alemã está se aproximando, a USCCB (Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos) e a Igreja Evangélica Luterana da América emitiram recentemente uma declaração conjunta (Declaração a Caminho), para se prepararem para este evento.

Anúncios
Tags: ,

34 Comentários to “Francisco: Eucaristia para luteranos?”

  1. 1. O Papa poderia ter dito: Se o cardeal Kasper pode consagrar e comungar …

    2. Não tem competência para autorizar? E para definir?

    Seja sua linguagem sim, sim; não, não.

  2. Ao meu meu ver, acho muito boa a atitude.

    É uma estratégia de tentar convencer os luteranos a conservarem a Liturgia. É muito conveniente para a própria Igreja Católica que a Igreja Luterana conserve sua [da Igreja Luterana] Liturgia. Já para a Igreja Luterana, é uma oportunidade de escapar do naufrágio a que caíram os posteriores protestantes, que têm zero de Liturgia.

    É importante que se iniciem o mais rápido possível as tratativas, pelos menos com os luteranos interessados, para que a Igreja Luterana, pelo menos em parte, retorne à Igreja Católica. Isto é “impossível” de acontecer, mas a direção do trabalho ecumênico católico está correta.

    Independentemente do resultado, a direção e o sentido de trabalho é esta.

    • Não acredito que seja católico, Vitor. É apenas um semeador de joio.

      “Independentemente do resultado, a direção e o sentido de trabalho são estes.”

      Claro, para você, o “resultando-independentemente” seria termos luteranos mais luteranos e católicos mais luteranos.

      Por evasivas, Bergoglio vai relativizando a doutrina católica. E pensa ser isso diplomacia. Se Deus ainda nos providenciar um papa santo, alguém como você acharia uma maneira de depô-lo.

    • Meios de depor um papa santo também deve concorrer o “…sobretudo na frente de um teólogo como o Cardeal Kasper – Estou com medo!”

  3. “…porque meu povo se perde por falta de conhecimento; por teres rejeitado a instrução, excluir-te-ei de meu sacerdócio; já que esqueceste a lei de teu Deus, também eu me esquecerei dos teus filhos.
    Quanto mais se multiplicaram, mais pecaram contra mim, transformaram em infâmia o que era a sua glória. Eles se nutrem do pecado de meu povo, e são ávidos de suas iniqüidades. O sacerdote será tratado como o povo. Castigá-lo-ei pelo seu comportamento. Tratá-lo-ei segundo as suas obras.” (Oseias 4,6-9)

  4. Tudo na Doutrina Católica ensina “ser ou não ser”, sem meios termos ou atenuantes, diz o Magisterio e a biblia; no entanto, sob os parãmetros acima, na prática, dependendo do caso…
    Que v acha, que diz sua consciencia, concorda, não?
    Eis pois o que se pareceria nomear de a neo “Teologia da Dúvida”, aquela o que é, ao mesmo tempo poderia não ser, podendo ser comparada com a tal qual se adota nas seitas, tudo a criterio individual e particular de cada pastor ou pessoal.
    … “quando seu marido sente que ele pecou: ​​você vai diante do Senhor e pede perdão, seu marido faz o mesmo e também vai ao padre e pede a absolvição”…
    Nesse caso, foi omitida ou desnecessaria a mudança comportamental, exigencia de arrependimento, subtendendo que novamente incidirá no pecado?
    E a absolvição sem seria predispoção de evitar o pecado não seria inválida, ainda acrescentando mais pecados?
    … “A questão… A ceia? Há perguntas que somente se alguém é sincero consigo mesmo e tem uma pequena luz teológica, pode responder por conta própria. Veja por si mesmo”…
    Ou seja, v decide?“
    …”Fale com o Senhor e, em então, vá adiante. [Pausa] E eu não me atreveria – Não me atrevo a dizer nada mais”.
    Recordo aqui protestantes me dizendo com toda certeza que o “Senhor” lhe apareceu à noite em seu quarto, DE BRANCO, lhes revelando: “agora v está na verdadeira fé e Igreja”…
    … “A questão sobre a partilha da Ceia do Senhor não é fácil para mim responder, sobretudo na frente de um teólogo como o Cardeal Kasper – Estou com medo!”
    Realmente o Cardeal D Kasper & Ass.se pronunciarem a respeito da fé é algo temerario e amedrontador; prefiro nesse caso que se manifestem D Athanasius Schneider, D Leo Burke, D Velasio de Paolis, D Cafarra…
    Non possumus!

  5. “A questão sobre a partilha da Ceia do Senhor não é fácil para mim responder, sobretudo na frente de um teólogo como o Cardeal Kasper – Estou com medo!”…

    Não seria melhor Bergóglio ter dito, de um HEREGE como o cardeal Kasper que me faz fazer “teologia” de joelhos como sempre fiz na minha vida de mundanidade teológica, palavra tão adorada por ele? Afinal de contas em Buenos Aires Bergóglio sempre foi “papa”, se numa Paróquia um padre aconselhava um casal amancebado a não comungar ele aconselhava que este casal procurasse outra Paróquia que lhes desse a comunhão…

    “Fale com o Senhor e, em então, vá adiante.”…. QUE PALAVRAS DÚBIAS E HIPÓCRITAS PARA UM PAPA…..CRUZ CREDO……

    Comparado a Bergóglio Paulo VI é São Pio X…

    No encontro com os luteranos, o Bispo de Roma, para ser diferente, para agradar a gregos e troianos deu a bênção final sem traçar o sinal da cruz….MISERICÓRDIA!!!!!! Que homem que veio para confundir, que veio para nivelar tudo por baixo….

  6. Enquanto isso….. os católicos de verdade que se explodam….. e as portas da Igreja vão se abrindo para o Inferno….

  7. Inacreditável. Meu antigo pároco foi eleito papa? Por que estão todos calados? Onde estão as “vozes que clamam no deserto”? Como nenhuma autoridade fala nada diante de declarações temerárias e absurdas como essa, que Bergoglio continuamente anda dizendo?

    Esse homem é católico? Ele é verdadeiramente papa? Como pode dizer coisas tão absurdamente contrárias à fé?

  8. E aí, cleaners? Quem será o primeiro malabarista a explicar?

  9. Existe uma nova atitude por parte dos católicos que dizem que tudo está bem na Igreja Católica. Agora o que se lê para justificar a apostasia é que o papa não falou ex cathedra. Permite-se que haja um papa não católico que tenha as suas próprias convicções e contrárias à fé da Igreja Católica, ele pode dizer tudo o que lhe vem à cabeça. Ele pode dizer heresias, ir contra os interesses da Igreja, dos fieis e levar as pessoas para o inferno através da propagação do erro, tudo continua bem, porque o papa não ensinou ex cathedra, ele apenas expressou a sua opinião pessoal.

  10. João Paulo II aprovou um escândalo teológico: o famigerado Acordo Católico-Luterano sobre a justificação. O qual diz que tanto Lutero quanto Trento dizem, na verdade, a mesma coisa, diferença está apenas no acento!
    Agora, Francisco vai dando outros passos.
    Na realidade, o que se está programando é uma grande religião mundial sem dogmas.
    Leiam a Conjuração Anticristã de Mons. Henri Delassus e vão entender tudo.

    • Prezado S.B.

      Neste exato momento estou lendo a Conjuração Anti Cristã de Monsenhor Henri Delassus… acabo de passar da metade do livro (extenso e muito bem documentado) e não há como não concordar contigo: é como se me estivessem explicando em detalhes tudo o que está acontecendo com a Igreja – e mesmo com o mundo – nos dias atuais.
      No entanto, o mais assustador é o fato de que esse livro foi escrito em 1910… não há como não enxergar em tudo o que está passando a Igreja aquilo que fora predito no mencionado livro. Mas o que mais me assusta é estar vendo no Papa Francisco aquilo que o livro mostra como o plano dos inimigos da Igreja mas que pensava mons. Delassus ser algo impossível de acontecer…

      Disso verdadeiras e aterrorizantes conclusões se me apresentam (e não quero com elas contaminar os demais leitores):

      Será mesmo Papa Jorge Mario Bergoglio?

      Sinceramente, não consigo mais acreditar que sim…

  11. O mesmo batismo e mais 95 teses luteranas contra a Igreja Católica.

  12. Caramba , precisa dar um twist duplo carpado com mortal pra trás ,enrolar e não explicar simplesmente – ” porque você não crê na presença real de Cristo na hóstia consagrada” ????????

  13. Alguém pare esse homem!

  14. Guardadas as devidas proporções , suas explicações e teses me faz lembrar de uma certa presidenta ….
    …não me lembro o nome ….de nosso querido Brasil .

  15. Engraçado, vejo o Papa Francisco visitando luteranos, judeus, muçulmanos, “ortodoxos”; recebendo ateus e anticlericais em visitas particulares, agora, nunca o vi recebendo grupos de fiéis ligados à forma extraordinária do rito romano, ou indo visitar eventos e lugares destes fiéis… até na peregrinação Summorum Pontificum é sempre aquela notinha sem sal que sequer tem a assinatura dele (só a do secretário de Estado) e nunca é publicada nem no site do Vaticano. Será que o Papa não recebe convites de nossa parte ou os recusa? Será que está faltando misericórdia em algum dos dois lados?

  16. Primeiro foi a célula da Igreja, a família. Agora vai se o Santo Sacrifício da Missa, a presença real de Nosso Senhor Jesus Cristo no Sacramento da Eucaristia. E finalmente Lutero imporá sobre a Igreja suas heresias, tendo como protagonista o clero católico. Aguardem!
    Vem Senhor Jesus! Vem salvar Vossa Santa Igreja. Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!
    Salve Jesus e Maria!

  17. É uma ilusão imaginar que o Clero vai condenar a Eucaristia. Mas se vai bagatelizando-A como essa explanação de Francisco, de tal forma que o povo católico vai perdendo o afã, o elã, a disposição e o entusiasmo pelo sacramento. É assim que se mina a Igreja. Não é com heresias escancaradas. Essas servem apenas para abrir a estrada. O importante é relativizar, diminuir, bagatelizar. O povo como que percebe essa frouxidão e também fica frouxo.

  18. Prezado Amparo do Nascimento,

    Você tem razão quando diz que não sou um católico. Realmente não sou mais católico, nem cristão, desde abril/2015, por livre iniciativa minha. A partir de então sou um simpatizante do Catolicismo e nada mais. Podendo assim, ser designado como apóstata.

    Desliguei-me da Igreja Católica, da Administração Apostólica S. João Maria Vianney e da Paróquia Pessoal Nossa Senhora do Rosário de Fátima e Santo Antônio de Pádua, na qual fui batizado em 1988, primeira comunhão em 1995 e crisma em 1996 por Dom Licínio Rangel, onde fui membro da Cruzada Eucarística de 1995 a 2001, coroinha do Rito Tridentino desde 1999, Congregado Mariano desde 2010, presente na Congregação Mariana Paroquial de 2007 a 2015, Instrutor de Ouvintes e Aspirantes desta Congregação de 2012 a 2014.

    Mesmo assim continuo me declarando Congregado Mariano, por ter feito uma consagração perpétua e, independentemente do que digam o contrário.

    Não me arrependo nem um pouco de meu desligamento da Igreja Católica, e nem quero me arrepender. Na época lancei um comunicado de alcance a inúmeras pessoas falando sobre minha decisão no Facebook. E esta decisão se deve a inúmeros fatores pessoais meus, inclusive ao meu novo dogma:

    Deus é bom e mal, justo e injusto, misericordioso e rancoroso, calmo e colérico. Ora se manifesta de uma forma ora se manifesta o contrário.

    E não tenho o objetivo de te convencer nem convencer ninguém da minha opinião. Da mesma forma, espero que não tentem me convencer do contrário, pois não estou aberto a colóquios sobre isso. Não exitei em tratar com rigor e até mesmo com falta de educação às pessoas que tentaram me convencer do contrário e a voltar atrás.

    Por ora se mantém os dogmas do Catolicismo que não contrariem o primeiro dogma de minha nova religião.

    —————————————–

    Como você sabe, não tenho nenhuma autoridade para excomungar nem julgar ninguém. Minhas opiniões tanto em sites quanto nos meus próprios blogs são meras opiniões e comentários.

    Se sou semeador de joio, peço desculpas a quem eu possa estar prejudicando, mas minhas palavras são meros comentários e opiniões pessoais. Logicamente não devem ser tidas por argumentos de autoridade competente. Sou apenas um comentarista como qualquer outro, e isso vale também para meus comentários em sites e artigos em meus blogs.

    Att,

    • Com o perdão da palavra, Sr. Vitor José. Não se diga congregado mariano. Você traiu sua consagração com seu novo dogma, ridículo por sinal.

      Atte.

    • Você é apóstata. Não é designado um. E quando foi que uma pessoa pode se dizer simpatizante da honestidade, sendo honesto? Por certo não é honesto. E quando foi que você passou a vida sendo honesto em algumas coisas e outras não?Ora, se um dia foi realmente honesto e hoje é desonesto, então lamentável é seu crime. A sua decisão de ser criminoso e simpatizar-se pela honestidade não pode ser crível.

      Sabe que Deus é vencido pelo demonio. Como? Quando alguém desertar do bom combate – em vez de morrer em combate e guardar a fé – e perder a fé. Pois é. Mais uma baixa. Mais uma vitória do demonio. E Deus é derrotado em uma batalha.

      Com a sua retirada do combate declarada amplamente nos meios que vocẽ disse, não aplico faço mais a analogia do joio quanto a sua pessoa. Mas a malícia dele permanece:

      “Deus é bom e mal, justo e injusto, misericordioso e rancoroso, calmo e colérico. Ora se manifesta de uma forma ora se manifesta o contrário.”(você sabe muito bem

      Essa sua escrita é joio. Quer enganar quem? Você sabe muito bem o que é antropomorfismo em filosofia.

      Quanto as marcas de cristão indeléveis(batismo, crisma…) que você eventualmente tenha recebido não podem ser apagadas nem mesmo no inferno. Tal como um soldado de romano quando caia nas mãos do inimigos – por ter aquela marca do Império – era muito mais torturados que os outros. No inferno sua fama de amor a Santíssima Maria vai ecoar nos mais profundos escuros do inferno. Para que os demonios saibam que há um traidor ali.

      Quanto ao mais – pois que saiba ninguém é réprobo por dolo, mas por culpa -, eu que não quero ser seu exorcista. Puxar o rabo do demonio é só para quem tem autoridade mesmo.

  19. Que triste. Que época terrível para ser cristão… Misericórdia Senhor. Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós.

  20. “Senhor, conservai e aumentai a minha fé!”. Falo com lágrimas, conheço outros casos como este tão chocante de Vitor José Faria de Oliveira. Fatos estes acontecidos depois da ereção da Administração Apostólica Pessoal S. João Maria Vianney. E até alguns piores: católicos que estavam unidos em defesa da fé, agora estão simplesmente sem fé. Não quero de modo nenhum dizer com isto que a culpa é da Administração Apostólica. Perante grandes teólogos tenho medo! E não é de minha competência. Também nestes 41 anos de sacerdócio conheço outros fatos semelhantes. Tudo será esclarecido no Juízo Final. Tomo sim a resolução de rezar mais, melhor e fazer mais penitência primeiro pelos meus próprios pecados, depois pelos dos demais.
    Tenho também uma convicção particular: A terceira parte do Segredo de Fátima ainda está para se realizar, e talvez não tardará.
    Repito: “A Igreja é Divina. Não sendo destruída, como não será, pela hierarquia modernista, será mais uma prova de sua divindade.

    • Prezado Pe. Elcio, sua bênção! Não há motivo para chorar. O que desejo é ser seu amigo espiritual como sempre fui, independentemente de nossas posições. Qualquer coisa, realmente somente Deus poderá te consolar, pois não há quem seja melhor do que ele.

      Salve Maria!

  21. Quero acrescentar o seguinte: “Deus só dá sua graça aos humildes e rejeita os soberbos”. Peçamos a verdadeira humildade; as outras virtudes virão juntamente com ela. O orgulhoso, estará sempre no perigo de abandonar a Nosso Senhor Jesus Cristo. Se o pecador se humilhar, se se arrepender e fizer penitência, Deus diz que não se lembrará mais dos seus pecados. Quantos exemplos na Bíblia! Acaz, Davi, todo o povo da cidade de Nínive etc, etc. Os Santos Evangelhos estão repletos destes exemplos que todos sabem.

    “DEUS TIRA SUA BONDADE DE SI PRÓPRIO, E A SUA JUSTIÇA DE MIM”.

    Eis o que me consola, e merece toda a minha atenção. Se eu sei usar da minha fé e aplicar bem os seus princípios, é a mesma justiça de Deus que me protege contra os temores que ela me causa. Na verdade, se eu quiser, a justiça do meu Pai que está no Céu, só será para comigo bondade, amor liberalidade. Porque enfim, não terá essa justiça, que me enche de temor, nenhum outro emprego senão o de me castigar? Não distribui também ela cem vezes com mais vontade, magníficas recompensas?

    Viva eu, ó meu Deus, submisso à vossa lei; dedique-me aos interesses da vossa glória, procure com amor cumprir fielmente os mandamentos e os deveres de meu estado! Então, poderei dizer com São Paulo, ao menos com relação ao tempo que ainda viver: “Combati o bom combate… guardei a fé; por isso tenho certeza que me está reservada a coroa da justiça, que me dará o justo Juiz (Confira II Tim. IV, 7 e 8).

    Sim, decerto, Deus é justo; e é a sua mesma justiça que, para ter uma satisfação digna d’Ele, levou o seu amor a dar-me na pessoa de Jesus Cristo um medianeiro, que suplica e é sempre atendido; um advogado, que pede para mim perdão com autoridade e com a certeza de o obter; um Salvador, finalmente, que dá SUPERABUNDANTEMENTE, o preço do meu resgate.

    Poço assim orar ao meu Pai do Céu: “Ouso apelar para a vossa mesma justiça. ó meu Deus, apresentando-Lhe o vosso Filho, que está em mim, pois mo destes e se entregou a si mesmo ; e por Ele e com Ele, oferecendo-Vos o meu coração culpado, mas arrependido, estou seguro da vossa misericórdia. Ouso ainda dizer-Vos: Feri-me, Senhor, se a bondade de Jesus não é infinitamente maior que a minha maldade, se o gozo que Vos dá a Sua santidade não é infinitamente maior que o horror que Vos causam os meus pecados. É portanto a vossa mesma justiça que me consola; é nela que se funda a minha esperança. Não, meu Deus, não serei confundido. É o que Vós mesmo me garantis no Salmo XXX, 2: “Em Ti, Senhor, esperei. Não permitas que eu seja jamais confundido. Livra-me segundo a tua justiça”.

  22. Caro Padre Elcio Murucci, se eu pecador e que nem sacerdote sou , sinto dor no meu coração quando vejo o Corpo, Alma e Divindade de nosso Senhor Jesus Cristo a ser dada aos porcos, por aqueles que deveriam ser os guardadores e fiéis depositários das riquezas da Igreja, não acredito que fiéis e santos sacerdotes que todos os dias elevam o Santo Corpo de Cristo, durante a missa, não sintam também alguma dor. Mas também me faz pensar o porquê de uma total apatia por parte da maioria do clero, principalmente da parte dos bispos, a autoridade do bispo foi dada pela Igreja para defender a fé, não está subjugada às ideias pessoais de pessoa alguma, a não ser à pessoa de Cristo, por isso não entendo o silêncio dos bispos, parece que tudo está bem. Será que não há bispos que sofrem com esta situação? Será que pensam que devem ouvir e calar perante todas as palavras do papa? Será por cobardia? Será que lhes faltam os exemplos dos santos? O exemplo de Cristo? O será que já não têm fé na presença real de Cristo na Eucaristia? Será que não conseguem ver o alcance de tais declarações nas almas almas das pessoas? Será que a salvação das almas já era e que agora o que conta é a salvação do corpo? Será que a Igreja para este senhores passou a ser o comunismo reciclado por uma falsa fé em Crsito?
    O silêncio é perturbador, é um silêncio de cumplicidade, por isso dou-lhe Padre Elcio Murucci os meus parabéns por vir aqui, mostrar o seu desgosto perante esta e outras inúmeras lamentáveis situações, que vão contra a querida e divina Igreja de Cristo, que custou a Cristo a morte e morte de cruz. Por pouco que possa fazer perante a tragédia que assola a Igreja é reconfortante para nos fiéis, saber que há sacerdotes que ainda têm fé e que não se vergam.

  23. Caros Fratres,

    Façamos penitência e reparação às profanações do Corpo e da Casa de Nosso Senhor amanhã, Dia da Consciência Negra, por causa das malditas missas afros e outras aberrações litúrgicas.

  24. Prezado Sr. Santiago Lima.
    O problema do sedevacantismo, a meu ver, é não conseguir explicar como se assegurará o futuro da Igreja. Como poderá renascer a Igreja se a hierarquia desaparece? Há hierarquia embora não se lhe possa obedecer em tudo.
    Quanto ao problema da comunhão aos hereges ( não bastassem os adúlteros), se não estou enganado, João Paulo II chegou a conceder ao Príncipe Charles da Inglaterra, quando era casado com a saudosa Princesa Diana, a faculdade de receber a comunhão nas igrejas católicas. Um absurdo.

  25. Vítor, admito que também sofri tentações nesse sentido. Mas Deus sabendo de minha miséria fez com que eu encontrasse um sacerdote que muito me ajudou nesse momento de crise e com um conselho muito simples: manter tudo o que aprendemos e sempre estudar a Sã Doutrina da Igreja.

    Também fui (não sei se mereço assim me denominar) Congregado Mariano e Nossa Mãe do Céu nunca nos abandona. Rezemos para não cairmos!

  26. Caro amigo Vítor José Faria de Oliveira, Salve Maria!
    Do mais profundo de meu coração, envio-lhe a minha bênção sacerdotal. Vítor, tenho certeza que por este pouco de devoção à Santíssima Mãe de Deus que lhe resta na alma, Nossa Mãezinha do Céu dar-lhe-á a conversão. Maria Santíssima está dizendo-lhe: filhinho, fazei tudo o que meu Filho vos ensinou”. Deus fez de seu Filho uma demonstração de sua justiça, do horror que tem ao pecado. E Jesus deu a maior prova de amor por nós. Se não fosse ser ele a própria Bondade, estaríamos já todos consumidos. Caro amigo, nunca deixarei de rezar por você em todas as minhas Santas Missas.
    Vou postar agora no meu blog a conversão de Afonso Ratisbone. Gostaria que me desse a alegria de ler e dizer aqui se gostou ou não. Que Deus e sua Mãe Santíssima o abençoem!

  27. Eu já disse aqui uma vez e torno a repetir: usar a Missa Tradicional como critério pra avaliar a santidade de cada um é no mínimo ridículo. Basta nos ater à simples formula da Consagração no rito tradicional onde está mais do que claro que a expressão “Pro Multis”, não faz significa “Por Todos”. O Sacrifício é oferecido por todos os homens mas, nem todos os homens se apropriam de seus benefícios.
    Lembrem-se que essa mesma Missa que forjou Santos era a mesma que celebravam os arquitetos da Revolução do Concílio Vaticano .
    Portanto, dizer que as pessoas tem que dar provas de santidade pessoal como testemunho da eficácia da Missa Tradicional é o mesmo que avaliar a eficácia da instituição da Eucaristia usando como parâmetro de avaliação o testemunho de Judas durante a Santa Ceia ou a infidelidade de Pedro após a mesma.
    Dito isso, o que eu vejo no testemunho do Vitor José Faria de Oliveira é nada mais do que o grito do suicida, que do alto da ponte brada que ninguém conseguirá fazê-lo mudar de idéia, mas ao mesmo tempo fica lá de cima só gritando e não tem coragem de pular.
    Aquele que realmente está decidido a se suicidar, o faz em silêncio, sem que ninguém o saiba. Ele não precisa de platéia, a não ser que se trate do suicida terrorista que quer levar muitos outros com ele.
    Se é mesmo verdade que ele não se arrepende nem um pouco de seu desligamento da Igreja Católica, e nem quer se arrepender, por que lançar um comunicado de alcance a inúmeras pessoas falando sobre essa decisão no Facebook?
    Por que vir a um fórum de discussão Católica apresentar suas mazelas como fazem aqueles mendigos nas esquinas tentando angariar simpatia?
    Novo dogma? E desde quando a mentira pode ser chamada de “dogma”? O grande teólogo italiano Romano Guardini explica com muita propriedade:

    “A Igreja sempre esteve disposta a perdoar tudo, menos um ataque direto à Verdade. Ela sabe que ainda que o homem caia, se ele deixar intacta a verdade, ele sempre encontrará seu caminho de volta. Mas se ele ataca o princípio vital, a ordem sagrada de sua vida spiritual é demolida”.

    Eis aí o motivo do andar cambaleante do suicida em seu caminho de auto-destruição. Os “vários fatores pessoais”, que eu diria, “pecados pessoais” do Vítor não são o que o levou a trilhar o mesmo caminho suicida de Judas, mas sim o seu ataque direto à Verdade que é Deus. Ao atribuir a Deus o espírito demoníaco de contradição e fazer dessa mentira seu novo dogma, ele perdeu completamente a graça da visão e agora tateia no escuro espalhando o odor putrefato de suas mazelas por onde passa. É um quadro triste e desolador!
    Daqui pra frente, se ele não tiver a graça do arrependimento, é queda livre em espiral contínua, pois como já dizia Santa Tereza de Avila, da alma que vive em pecado mortal devemos nos surpreender não com o que ela faz, mas com o que deixa de fazer. Rezemos por essa pobre alma! Que os sacerdotes que estão lendo esse grito de uma alma desesperada ofereçam o Santo Sacrifício na intenção desse pobre infeliz.

    Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria,
    que nunca se ouviu dizer
    que algum daqueles que têm recorrido à vossa proteção,
    implorado a vossa assistência,
    e reclamado o vosso socorro,
    fosse por Vós desamparado.
    Animado eu, pois, com igual confiança,
    a Vós, ó Virgem entre todas singular,
    como à Mãe recorro, de Vós me valho e,
    gemendo sob o peso dos meus pecados,
    me prostro a vossos pés.
    Não rejeiteis as minhas súplicas,
    ó Mãe do Verbo de Deus humanado,
    mas dignai-Vos de as ouvir propícia,
    e de me alcançar o que vos rogo.