Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: Falsas doutrinas sobre o Matrimônio Cristão.

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

“Não separe o homem o que Deus uniu” (S. Mateus XIX, 6)

Vou apenas transcrever alguns tópicos da Encíclica “ARCANUM” de Leão XIII:

“Jesus Cristo, Nosso Senhor, elevou o matrimônio à dignidade de sacramento e o matrimônio é o próprio contrato, se for celebrado segundo o direito. A isto acresce que o matrimônio é um sacramento, precisamente porque é um sinal sagrado que produz a graça e é a imagem da união mística de Jesus Cristo com a Igreja. Ora, a forma e a imagem desta união consistem precisamente no laço íntimo que une entre si o homem e a mulher e que outra coisa não é senão o mesmo matrimônio. De onde resulta que entre os cristãos todo o matrimônio legítimo é sacramento em si e por si, e que nada há mais contrário à verdade do que considerar o sacramento como um ornamento acessório ou como uma propriedade extrínseca, que a vontade do homem pode, por consequência, desunir e separar a seu arbítrio” (…)

“É fácil ver quantos males tem produzido a profanação do matrimônio, e com quantas calamidades ameaça no futuro a sociedade toda” (…) “Aqueles que negam que o matrimônio é sagrado e que, depois de o haverem despojado de toda a santidade, o metem no número das coisas profanas, subvertem os próprios fundamentos da natureza, contrariam os desígnios da Providência divina e destroem, tanto quanto deles depende, o que foi estabelecido por Deus sobre a terra” (…)

“Se se arrancar dos corações o santo e salutar temor de Deus, arranca-se-lhes igualmente a consolação no meio dos cuidados e pesares da vida, consolação que em nenhuma parte é maior e mais fecunda do que na Religião cristã; e muitíssimas vezes sucede, como que por declive natural, que os encargos e os deveres do matrimônio se antolham insuportáveis, e é grandíssimo o número daqueles que, considerando dependentes da sua vontade e de um direito puramente humano os laços que contraíram, experimentam desejos de quebrá-los, logo que a incompatibilidade do caráter, ou a discórdia, ou a  fé violada por um dos cônjuges, ou recíproco consentimento, ou outras razões os persuadam de que lhes é necessário recuperar a sua anterior liberdade. E se acaso a lei lhes proíbe que satisfaçam a intemperança de tais desejos, então clamam que a lei é iníqua, desumana e incompatível com o direito de cidadãos livres e que, por conseguinte, derrogadas essas leis obsoletas, deve decretar-se, por meio de uma lei mais suave e humana, a permissão do divórcio” (…)

“Concluem que é necessário contemporizar com a época e outorgar a faculdade do divórcio” (…) “Muitos há neste tempo que desejam renovar essas leis, porque querem expulsar a Deus, e arrancar a Igreja do meio da sociedade humana, julgando estultamente que é em leis de tal natureza que deve procurar-se o remédio para a corrupção crescente dos costumes.

“Em verdade, é custoso ter necessidade de dizer quantas consequências funestíssimas encerra em si o divórcio. Pelo divórcio as alianças matrimoniais tornam-se instáveis, enfraquece-se o mútuo afeto, a infidelidade recebe perniciosos incitamentos, ficam comprometidas a proteção e a educação dos filhos, proporciona-se ocasião de se dissolverem as sociedades domésticas, semeiam-se no seio das famílias os germes da discórdia, diminui-se e abate-se a dignidade da mulher, porque corre o perigo de ser abandonada, depois de ter servido às paixões do homem. – E como nada contribui mais para arruinar as famílias e para enfraquecer os Estados do que a corrupção dos costumes, fácil é de reconhecer que o divórcio é, sobretudo, o inimigo da prosperidade das famílias e dos povos, visto que, sendo a consequência dos costumes depravados, abre a porta, como a experiência o demonstra, a uma depravação, ainda mais profunda, dos costumes particulares e públicos. – Todos reconhecerão que estes males serão ainda muito maiores, se refletirem que, desde o momento em que o divórcio haja sido autorizado, não haverá freios bastantemente fortes para o manter dentro de limites fixos, que a princípio pudessem ser-lhe assinalados. – É muito grande a força do exemplo, maior ainda a das paixões; e, graças a estes incitamentos, forçosamente deve suceder que, tornando-se cada dia mais geral e profundo o desejo infrene do divórcio, invada maior número de almas como uma doença que se propaga pelo contágio, ou à maneira das águas acumuladas que, tendo triunfado dos diques que as sustinham, irrompem por todas as partes”

(…)

“E, para dizer tudo em poucas palavras, será certa a constância tranquila e pacífica dos casamentos, se os cônjuges nutrirem o seu espírito e a sua vida das virtudes da religião, que torna a alma valente e forte, que faz que os defeitos, se neles existem, a divergência de costumes e de caráter, o peso dos cuidados maternos, a ativa e laboriosa solicitude pela educação dos filhos, as fadigas companheiras da vida e adversidades sejam suportadas não só com paciência, mas ainda de bom grado”. (Excertos da Encíclica “ARCANUM” do Papa Leão XIII).

 Diz a Bíblia Sagrada que Judite foi uma mulher santa e temente a Deus. Foi santa antes do casamento, santa no casamento, deixando inclusive uma família numerosa, santa depois quando viúva. Vivia em oração com suas criadas, trazia um cilício sobre os seus rins, jejuava todos os dias de sua vida, exceto nos sábados, nas neomênias e nas festas da casa de Israel. Tinha muito temor de Deus e não havia ninguém  que dissesse dela uma palavra em desfavor. (Cf. Judite VIII).

Caríssimos, meditemos em algumas palavras onde Judite invoca a misericórdia de Deus: “Que palavra é esta, com a qual concordou Ozias [o rei], de entregar a cidade aos assírios, se dentro de cinco dias vos não viesse socorro? E quem sois vós, que tentais o Senhor? Não é esta uma palavra que excite a sua misericórdia, mas antes provoca a ira e acende o furor. Vós fixastes um prazo à misericórdia do Senhor e ao vosso arbítrio lhe assinastes o dia. Mas, porque o Senhor é paciente, arrependamo-nos disto mesmo, e derramando lágrimas, imploremos a sua misericórdia; porque Deus não ameaça como os homens, nem ele se inflama em ira como os filhos dos homens. Por isso humilhemos diante dele as nossas almas e postos num espírito de humildade, como seus servos, digamos ao Senhor com lágrimas, que use conosco da sua misericórdia segundo a sua vontade” (Judite, VIII, 10-16).

One Comment to “Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: Falsas doutrinas sobre o Matrimônio Cristão.”

  1. Grande ou a maior parte dos casamentos no presente estão em serias dificuldades pois os casais antecedentemente não eram bons cristãos, bem formados na fé católica, transparentes entre si desde o namoro e não se prepararam devidamente para um matrimonio sob a égide dos rigorosos preceitos evangélicos. Assim sendo, construiram suas bases familiares em terrenos movediços e praticamente já os fadaram ao fracasso desde seus primordios.
    Evidente que, além disso, poderiam ter se deixado levar pelos modernismos tão entronizados na midia geral e se contaminaram pelo “amor” das novelas e afins, significando apenas paixão carnal, oferecido por artistas e pessoas de destaque que influenciam demasiado as mentes e que possuiam péssimos comportamentos – trocam de “esposa e marido” como se fossem peças de vestuario!
    E mais: não tinham nenhum serio vínculo com a Igreja e, se propagassem como católicos, seria apenas pro forma, nada mais!
    No entanto, decorre disso que o casal deveria formar uma íntima comunhão de vida e de amor como o Criador predestinou e o submeteu às Suas leis e com consentimentos mutuos irrevogáveis. Porém, faltosos no item fidelidade à fé cristã, fatalmente o casamento desmorona-se, questão apenas de oportunidade!
    Todo esse processo de excelente formação aos nubentes é também dificultado por não poucos e maus clérigos de facções socialistas infiltrados na Igreja que, relativizados, condenam seus enlaces ao fracasso por os alienarem à doutrina católica de sempre, mas os “orientam” sob principios ideologistas, como temos hoje varios associados à TL e, para complicar ainda mais, católicos (des)governado por comunistas (do PT) que odeiam a familia!
    Apesar dos obstáculos, os jovens precisam se conscientizar de procurarem ser muito bem orientados sobre o compromisso que assumem por sacerdotes idoneos!
    Daí que a Igreja sempre dificultou os processos de separação do casamento e veta leis iniquas como a do divorcio, porta aberta ao concubinato e educação laica(ateia) para os filhos; as separações dentro de um lar prejudicam particularmente esses, as maiores vítimas; leve-se em conta que no momento existem varios infiltrados na Igreja travestidos de altos hierárquicos querendo destruí-lo!
    *”Quanto ao Sacramento do Matrimônio, que simboliza a união de Cristo com a Igreja, será atacado e profanado em toda a extensão da palavra. (…) Impor-se-ão leis iníquas com o objetivo de extinguir esse Sacramento, facilitando a todos viverem mal (5), propagando-se a geração de filhos malnascidos, sem a bênção da Igreja. Irá decaindo rapidamente o espírito cristão” II, VI.
    * N Senhora do Bom Sucesso.
    .