FSSPX constrói igreja em Lisboa, Portugal.

Escreve o leitor Mário Machado: “A FSSPX Portugal está a fazer um apelo à generosidade dos fieis para colaborarem  na construção da futura igreja da FSSPX em Lisboa, dedicada a Nossa Senhora, Rainha de Portugal”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mais informações sobre como ajudar na página da FSSPX em Portugal:

Anúncios
Tags:

12 Comentários to “FSSPX constrói igreja em Lisboa, Portugal.”

  1. Excelente notícia, Portugal precisa de um lugar onde se celebre a Missa de sempre, a situação da tradição por lá chega a ser pior que o Brasil

    • Que diga a Tereza Moreno, do antigo site “Tradição Católica”. ela teve muitos embates nos blog e forum do site “paroquias.org”.
      alias, gostaria de saber como ela está e por onde anda. Ele era uma boa defensora da Tradição bimilenar da Igreja.

    • A população de Lisboa é menor do que a de Campinas.

  2. Que maravilha! Oxalá também tivéssemos aqui no Brasil a felicidade de ver a construção de [muitas] igrejas da Fraternidade São Pio X… Laudatus sit Dominus!

  3. Onde exactamente será esta igreja e para quando será a dedicação?

  4. È impressão minha ou a Fraternidade, no Brasil, não cresce??? Alguém pode me dizer algo? Agradeço.

    • Prezado Manoel Carlos,

      É impressão sua. Só no estado de São Paulo, temos o priorado na capital e missões nas seguintes cidades: Campinas, Jaguariuna, Itapetininga e onde frequento, Ribeirão Preto; somos novos na Fraternidade (apenas 2a2m) mas já estamos em campanha para construção da capela em Ribeirão Preto (link da campanha: http://catolicosribeiraopreto.com/capela-sao-pio-x/a-campanha/).

      Além do estado de São Paulo, a Fraternidade está presente nos seguintes estados: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Ceará, que eu me lembre.

      Att.,
      Vitor Martins

      P.S. Ajude-nos em nossa campanha através do link citado.

    • A Fraternidade no Brasil confiou muito nos “grupos amigos” – Sobretudo Campos e o Mosteiro da Santa Cruz, ambos que depois os deixaram, um para a igreja pós-conciliar, outro para D. Williamson. Não fazendo missões diretas aqui, enfraqueceram a possibilidade de apostolado, e depois que os acordos foram feitos, ficaram à margem da Tradição. Não se criou no Brasil um sentimento de resistência, mas apenas um “apego”,como muito diz D. Rifan, “com a Missa na Forma Extraordinária”. E se temos a Missa com certa facilidade – a maioria pensa – para que arrumar mais problemas? A resistência ao liberalismo hoje está reduzindo a um punhado de bons padres e fieis, muitos desses que buscam, com sinceridade, a santidade, muitos profundamente insolentes e perturbados – eu conheço vários que tem nos dado esse estereótipo.

      Alguns sermões e confissões que eu já presenciei em paróquias da Administração são a mesmíssima água com açúcar que temos em todas as paróquias liberais por aí. Aqui em S. Fidelis, sobretudo, tem-se feito coisas extraordinariamente liberais (sob direção do antigo reitor do seminário da AASJMV, o que talvez explique muita coisa). Não sei como é na FSSPX no Brasil, ainda não os conheci, mas se eles ficarem longe desse blábláblá e serem incisivos em matéria de doutrina, santidade e moral – e sobretudo oração – tenho certeza que a fidelidade à Tradição crescerá no Brasil, e a FSSPX crescerá junto com ela.

  5. Vitor Martins, há também uma Capela em Parnaíba-PI, sob orientação de Dom Lourenço, da Permanência, e aqui em Teresina-PI também existe um grupo de pessoas ligadas a ele.

    • Prezado Neilson,

      Foi por isso que eu disse “que eu me lembre”; e o mais correto seria “que eu saiba”, pois aí, eu desconhecia.

      A Fraternidade cresce a “olhos vistos” – Deo Gratias!

      Quanto a Dom Lourenço, vocês estão muito bem de padre! Tive a felicidade de encontrá-lo em duas ocasiões (peregrinação a Aparecida em 2014 e 2015).

      Att.,
      Vitor Martins

  6. Numa época que o povo Católico carece tanto de clareza, que bom ouvir um legítimo sucessor dos Apóstolos!

  7. Enquanto isso, a Bahia continua sem capela ou priorado… Muito triste isso…