O Papa “cancelou” Bagnasco, o patrocinador do evento Dia da Família.

Por Charles Tecce  – Fatto Quotidiano | Tradução: Gercione Lima – FratresInUnum.com: Francisco amanhã não se encontrará mais com o Presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI). Ele não gostou de ter sido enredado nos temas da política italiana. Jorge Mario Bergoglio eliminou o cardeal Angelo Bagnasco da agenda dos encontros oficiais. Nada de audiência amanhã pela manhã. O encontro privado, que tinha sido marcado há uma semana do Conselho Episcopal Permanente, apareceu e, em seguida, desapareceu do boletim interno com o timbre da “Prefeitura da Casa Pontifícia”.

angelobagnasco

Cardeal Angelo Bagnasco, arcebispo de Gênova e presidente da Conferência Episcopal Italiana.

Esse é o enésimo episódio e talvez o mais flagrante, que denuncia a distância entre a Igreja do Papa Francisco e a Igreja dos bispos italianos, presidida exatamente pelo Cardeal Bagnasco. O motivo: a “exposição do cardeal na mídia” – e, portanto, também dos demais bispos italianos –  por causa do Dia da Família, um evento agendado para o dia 30 de janeiro. O pontífice argentino não tolera mais o “ativismo político de uma CEI acostumada a promover emendas em textos legislativos e ficou furioso pelo fato de Bagnasco ter arrastado para a arena pública o debate contra as uniões civis entre homossexuais. O Papa não teria autorizado nem os protestos em praça pública e nem as pressões sobre o Parlamento.

Papa Francisco apoia a família tradicional, o casamento entre um homem e uma mulher, mas prefere não intervir com juízos severos e até mesmo ofensivos. É a linguagem da compreensão, aquela que trabalha para aproximar da Igreja os divorciados e homossexuais. Ninguém deve ser excluído ou rejeitado do rebanho de Cristo. O ex-Arcebispo de Buenos Aires não tem uma ideia diferente de família e reafirmou isso com insistência naquele tumultuado Sínodo de outubro, mas, por outro lado, está convencido de que os bispos são chamados para o papel de pastores, e não de senadores ou deputados auxiliares.

Não são necessárias interpretações para ilustrar a relação nada idílica entre os bispos de Bagnasco – um veterano da “era de Tarcisio Bertone” – e o Pontificado de Bergoglio: basta simplesmente se ater aos fatos. O primeiro: logo após ter sido eleito pelo Conclave (verão [europeu] de 2013), o Papa Francisco mudou o Secretário-Geral da CEI. Substituído por Nunzio Galantino, Mariano Crociata foi parar na Arquidiocese de Latina. O segundo: na assembléia de bispos, alguns meses mais tarde (maio de 2014), Bergoglio passou por cima de Bagnasco. O Papa argentino fez o discurso inaugural que abre os trabalhos e promoveu a candidatura à presidência de Gualtiero Bassetti. Comportamento idêntico em maio passado: “O Papa não fala por último”… mensagem ainda endereçada a Bagnasco. A terceira: Francisco participou da conferência de bispos italianos reunidos em Florença (Novembro de 2015) e, em seguida, demoliu as posições do eterno Camillo Ruini e do seu mais frágil sucessor Bagnasco: “Eu prefiro uma Igreja acidentada, ferida e suja por estar lá fora, nas ruas, do que uma Igreja doente pelo seu fechamento e comodismo ao se agarrar às suas próprias seguranças. Nós não devemos ser obcecados pelo poder, mesmo quando esse toma o rosto de um poder útil e funcional como imagem social da Igreja. Se a Igreja não assume os sentimentos de Jesus, se desorienta, ela perde o sentido”.

Naquela ocasião, diante de uma platéia de monsenhores um pouco hostis, Francisco chegou a explicar qual deveria ser a atitude tomada pela CEI: “dialogar não é negociar para ganhar sua própria fatia da torta comum. Dialogar é buscar o bem comum para todos, é discutir juntos e pensar quais seriam as soluções melhores para todos”.

Mesmo tentando ser o representante de uma Igreja dos conservadores que ainda resistem a Francisco, no próximo ano Bagnasco terminará seu mandato com um atraso considerável, pois no Vaticano esperaram em vão pelas renúncias, que eles teriam carimbado – que o diga o mais reformista – com entusiasmo.

A eleição do novo presidente da CEI será para os italianos uma sondagem conclusiva sobre pontificado de Bergoglio. Quem sabe o Vaticano será obrigado a perdoar Bagnasco e convidá-lo novamente ao palácio apostólico, ou será chamado a Santa Marta para uma repreensão?

A única certeza por agora é que amanhã, ao invés do Cardeal Bagnasco, Bergoglio receberá um núncio, como quem diz: a minha igreja é o mundo e a de vocês as assembléias da Câmara e do Senado.

Tags:

8 Comentários to “O Papa “cancelou” Bagnasco, o patrocinador do evento Dia da Família.”

  1. E então, quando o clero, que cursou teologia vai encarar o problema de frente e criar uma polemica contra àqueles que como o arqui-demolidor Francisco, seguem a heresia modernista condenada por São Pio X?

    Vamos ficar então só no ponto de “favorecedor da heresia”? (https://fratresinunum.com/2016/01/13/a-fe-catolica-nao-e-ofendida-so-com-a-heresia/)

    E Bagnasco, se converterá por acaso em um “Anjo” anti-heresia modernista?

  2. A Igreja não deve se meter em questões políticas. Tudo bem. Mas se for contra o Livre Mercado, aí sim a coisa pega. São egoístas e excludentes e os sermões do Papa são precisos!

  3. Depois de terem “catapultado” as esquerdas ( eufemismo para comunismo) à tomada do poder em tudo que é parte do mundo, usando até nossas igrejas como palcos de comícios, esses impostores ainda tem a pachorra de dizer que “a Igreja não deve se meter em questões políticas” se os fiéis saem às ruas pra protestar contra os abusos e abominações promovidas por quem tomou o poder!!
    Não bastou terem ajudado o comunismo chegar ao poder, agora lutam para que ele seja mantido e consolidado!
    Estamos assistindo de camarote o mistério da iniquidade a todo vapor, promovido pela impostura religiosa que assaltou a Igreja!
    Eis porque Dom Bergoglio não esboçou nenhuma reação quando os Kirchners empurraram e aprovaram casamento gay na Argentina. Eis o motivo pelo qual a corja da CNBB jamais se aliará ao povo nos protestos contra o PT.
    E eis também o motivo pelo qual Monsenhor Gelatina…ooops Galantino, a mando de Bergoglio está promovendo total boicote contra as Sentinelas de Pé, Manif pour tous Italia e todos os grupos que lutam contra a aprovação das uniões entre sodomitas na Itália:
    https://anticattocomunismo.wordpress.com/2015/07/07/incontri-indiscreti-galantino-cirinna/
    Essa é a hora de apelar para a constância dos santos, daqueles que ainda guardam a Palavra de Deus, porque se depender dos sucessores de Judas, estamos todos com bilhete reservado e confirmado para o inferno.

  4. Forza Bagnasco!

  5. Acaso meter-se nas questões ambientais não é politica?

  6. CIC §2246: Faz parte da missão da Igreja “emitir juízo moral também sobre as realidades que dizem respeito à ordem política, quando o exijam os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas, empregando todos os recursos – e somente estes – que estão de acordo com o Evangelho e com o bem de todos, conforme a diversidade dos tempos e das situações”
    Dessa forma, a Igreja tem obrigação compulsoria de se imiscuir na política e anexos quando atenta contra as verdades da fé católica e aliena o povo, tenta escravizá-lo em ideologias, caso D Bagnasco na Italia, onde os vermelhos também estão bem sedimentados, ainda mais agora com a Secretaria de Estado do Vaticano que agiria sob o politicamente correto!!
    No caso Brasil, similarmente, se os comunistas estão no poder pilhando a nação e agravando o sofrimento justamente dos mais fragilizados, agradeceriam primordialmente aos da Igreja, mesmo de seitas protestantes que os apresentaram ao povo como amigos preferencialmente dos pobres!
    A CNBB, coligada com a esquerdista e falsaria Teologia da Libertação-TL desempenhou e se mantém no presente nesse mesmo esquema de promoção do perverso marxismo!
    Bem sabiam esses traidores da Igreja quem apresentavam e defendiam nos púlpitos e noutros locais, mas secretamente estavam associados a eles, todos uns maus elementos!
    Aliás, os comunistas por meio de alguns cabeças do partido reconhecem publicamente a prestimosa ajuda (dos Judas Iscariotes) da Igreja católica na ascensão deles ao poder; mesmo na França não é muito diferente daqui!!

  7. pensei que era missão da Igreja cristianizar o mundo…..inclusive s leis…..mas com bergolio o “Ide” é apenas um conselho?

  8. El Papa Francisco I parece que quer uma Igreja mínima num Estado máximo, talvez um supra Estado Mundial. Curioso! Temos vários estados confessionais no Mundo – a Inglaterra (anglicana), a Arábia Saudita (mafomética), o Japão (xintoísta) etc, mas a Igreja católica não pode dizer mais nada sobre a vida civil. Na verdade, segundo El Papa Francisco I, a Igreja pode dissertar sobre a importância escatológica dos veados, sapos, orogotangos e outras Bestas mais.