Foto da semana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Charlene de Monaco: Deus lhe deu a Fé.

A princesa se tornou uma católica fervorosíssima. Em visita oficial ao Vaticano, ao lado de seu marido, o príncipe Albert II, Charlene de Mônaco viveu sua conversão ao Catolicismo depois de cinco anos como uma revelação. A princesa teria encontrado na meditação e na oração o seu equilíbrio…

Por Gala.fr | Tradução: FratresInUnum.com – A princesa se tornou uma católica fervorosíssima.

Esses são seus pequenos encontros, se não secretos, discretos. Momentos de comunhão que transfiguram a máscara de timidez por detrás da qual ela se esconde…

Nesta segunda-feira, 18 de janeiro, a princesa Charlene de Mônaco acompanhou o Príncipe Albert II ao Vaticano. Que a esposa do chefe do principado, onde a religião católica prevalece como religião de estado, junte-se à visita oficial que comemora os laços muito estreitos entre Mônaco e a Santa Sé, segue, à primeira vista, uma lógica protocolar.

Em janeiro de 2013, menos de dois anos depois de seu casamento em julho de 2011, o herdeiro Grimaldi tinha já apresentado a princesa ao Papa Bento XVI, da mesma forma que seu pai, Rainier, apresentou Grace Kelly a Pio XII.

Em março de 2013, o novo casal real do Mônaco chegou a interromper uma estadia na região do Pacífico para participar da Missa inaugural do Papa Francisco, novo sumo pontífice do Vaticano.

Finalmente, em novembro passado, a princesa assegurou a promoção de sua fundação para o desenvolvimento das crianças através do esporte no coração da cidade papal.

Mas, hoje, há no assiduidade com que Charlene acorre às audiências com sua Santidade, o Papa Francisco, a manifestação de um verdadeiro fervor.

“Charlene abraçou a religião católica e está muito inspirada por ela. É uma fiel devota e muito praticante”, garantiu recentemente uma pessoa próxima à revista People.

Na verdade, nascida no Zimbábue e criada na África do Sul na religião protestante, a princesa se converteu ao catolicismo dois meses antes de seu casamento com Albert II, na primavera de 2011. “Uma conversão desejada”, assegurou no verão passado. “Porque o catolicismo é a religião de Estado em Mônaco”, mas também “porque” (ela) dá muita força”.

O nascimento prematuro dos príncipes gêmeos Gabriella e Jacques, em 10 de dezembro de 2014, teria contribuído para fortalecer sua fé católica. Uma das primeiras saídas de Charlene do serviço hospitalar neonata do hospital Princesa Grace teria sido motivada pela necessidade de rezar na capela da instituição.

“Criei o hábito de rezar por todos, mas eu queria agradecer ao Senhor de modo especial. Eu me sinto tão devedora, eu me casei com um homem maravilhoso e sou uma mãe de dois filhos saudáveis​”, confirmou ela alguns meses mais tarde essa informação de nossos colegas da Paris Match.

Seu envolvimento em todos os detalhes do batismo de Jacques e Gabriella, Catedral de Notre-Dame-Imaculée, em Mônaco, 10 de maio de 2015, foi ocasião para a princesa demonstrar a sua devoção. Ou seu proselitismo. Escolhida como padrinho de Jacques e Gabriella, Gareth Wittstock, irmão mais novo de Charlene, por sua vez, converteu-se ao catolicismo um mês antes dos gêmeos receberem seu primeiro sacramento.

Desde então, acompanhada de seu esposo e, mais recentemente, dos filhos, a princesa freqüenta regularmente a missa em um, por escolha, dos muitos edifícios religiosos de Mônaco. Sua preferência é a Catedral de Notre-Dame-Imaculée, onde a princesa, na maior discrição, muitas vezes deixa flores em memória do príncipe Rainier.

Para um “veterano de Mônaco”, como cita a revista People: “Ela adora ir à igreja. Esta espiritualidade faz parte de seu equilíbrio e enriquece a vida da princesa”.

Tags:

12 Comentários to “Foto da semana.”

  1. Especialmente reconfortante o retorno à Igreja de uma (até então natural) herdeira da religião protestante de hereges huguenotes (Gereformeerde Niederduitse Kerk, linhagem ultra-calvinista).

    Exemplo para o Brasil frouxo e aos brasileiros preguiçosos.

  2. Excelente exemplo de uma princesa que poderia usar de seu cargo e comparecer mais á vontade, quer dizer, mais modernista diante do papa Francisco, mas vestiu-se e comportou adequadamente, dando impressão que fora dessa ocasião seja bastante modesta.
    Enquanto isso…
    Recorrentemente, toda semana, sem falta, vejo á minha frente às S Missas algumas idosas – quem diria, mulheres escandalosas, péssimos exemplos para as mais jovens – vestidas com decotes exuberantes, com as costas de fora, vestido de alcinhas, roupas collants e muitos modelos indecorosos para qualquer lugar, máxime na Casa do Senhor Deus e, à medida que decrescem as idades, em muitas delas o despudoramento acentua-se!
    Nunca ouvi que recorde, infelizmente, nem em boletins paroquiais até hoje qualquer menção à modestia que devem observar em qualquer lugar; mais ainda ás celebrações litúrgicas, parecendo estarem anestesiados e/ou “nada” percebendo de anormal, nem mesmo vindo à recepção da S Comunhão, dada nas mãos, para piorar!
    Outro dia a metade de uma celebração estava dessa forma – fazia muito “calor” à hora…

  3. Antes do Concílio Vaticano II eram muito frequentes as conversões. Como esta, hoje ainda há conversões, apesar do malfadado ecumenismo. Isto prova que a Igreja é divina, o Espírito Santo é sua alma e nunca a abandona. Sendo divina haverá um dia o volta destas alegrias tão reconfortantes.

  4. Não boto nenhuma fé nessa família Grimaldi. O que essa ex-atleta chama de “homem maravilhoso” é um marido que teve vários filhos fora do casamento e ainda foi forçado judicialmente a reconhecer algum deles. Segundo noticiários europeus, ele só se casou para satisfazer o protocolo real, pois do contrário estaria como as irmãs, vivendo maritalmente com uma parceira após o outra.
    Definitivamente não são exemplos pra ninguém que ostenta o nome de Católico. Praticamente TODOS naquela família vivem em estado de pecado público, dos mais velhos aos mais novos e ainda fazem questão de ostentar nos tablóides e revistas de celebridades européias.
    Quanto a essa princesa Charlene, parece muito triste em todas as fotos…talvez precise e muito de suporte espiritual pra viver no meio em que vive.

    • Prezada sra. Gercione,
      Intervenho fraternalmente com alguns parágrafos do Catecismo:

      “2477. O respeito pela reputação das pessoas proíbe toda e qualquer atitude ou palavra susceptíveis de lhes causar um dano injusto (236). Torna-se culpado:

      – de juízo temerário, aquele que, mesmo tacitamente, admite como verdadeiro, sem prova suficiente, um defeito moral do próximo;
      – de maledicência, aquele que, sem motivo objectivamente válido, revela os defeitos e as faltas de outrem a pessoas que os ignoram (237);

      2478. Para evitar o juízo temerário, cada um procurará interpretar em sentido favorável, tanto quanto possível, os pensamentos, as palavras e os actos do seu próximo:

      «Todo o bom cristão deve estar mais pronto a interpretar favoravelmente a opinião ou afirmação obscura do próximo do que a condená-la. Se de modo nenhum a pode aprovar, interrogue-se sobre como é que ele a compreende: se ele pensa ou compreende menos rectamente, corrija-o com benevolência; e se isso não basta, tentem-se todos os meios oportunos para que, compreendendo-a bem, ele regresse do erro são e salvo» (238).”

      Por favor, não entenda minha atitude como querer “ensinar o Pai Nosso pro vigário”, mas apenas como uma reflexão sobre seu comentário, que em nada serviu para a conversão da família Grimaldi.
      Cordialmente,
      Gustavo.

  5. O ato é campo e o exemplo é monte (provérbio suiço). Sabemos do hedonismo da família Grimaldi. Todavia, realmente a princesa, considerando sua posição, dá exemplo. E neste sentido recordo que durante o pontificado de Bento XVI vários anglicanos pretendiam que a sua igreja unisse à Igreja Católica, inclusive membros do clero. Que fim levou essa proposição. Creio que murchou, pois a atual disposição de Roma de considerar todas as religiões boas contribui para diminuir as conversões.

  6. Senhor Gustavo Silveira, sinceramente não sabia que a Casa de Grimaldi havia lhe nomeado como advogado e procurador, todavia o mesmo Catecismo que diz que “o respeito pela reputação das pessoas proíbe toda e qualquer atitude ou palavra susceptíveis de lhes causar um dano injusto”, também diz que o “escândalo é uma falta grave contra o Quinto Mandamento: “Não matar”. Ele consiste no mau comportamento de alguém que leva o outro a praticar o mal. Aquele que escandaliza se torna como que o tentador do outro. Atenta contra a virtude e a retidão; pode arrastar seu irmão à morte espiritual, daí a sua gravidade”.(CIC § 2284).
    Ora, que respeito pode- se exigir por alguém que não preza sua própria reputação, mas que faz de seus pecados públicos motivos de jactância e publicidade gratuíta? Eu não sei de pecado particular de ninguém e nem quero saber…me bastam os meus. Apenas me limito a comentar sobre o mal que alguns exibem publicamente como se fosse virtude.
    Definitivamente, NENHUM membro dessa família pode ser apresentado como exemplo Católico de virtude ou modéstia.

    • Sra. Gercione,

      Agradeço a resposta. Serviu-me para refrescar a memória quanto as obrigações cristãs.

      A sra. sempre demonstra amplo conhecimento da doutrina, e por isso o minúsculo trecho da obra “A bondade” do padre Faber talvez possa ser útil:

      “A bondade tem convertido mais pecadores do que o zelo, a eloquência ou a instrução; e estas três coisas jamais converteram alguém sem que a bondade tenha tido nisso alguma parte.”
      Padre William Faber, A Bondade: conferência espiritual. Typographia Lar Católico, 1935.

      Peço desculpas por tê-la importunado. Ah… e não sou nem advogado nem procurador da dita família.
      Conte com minhas orações.

      Cordialmente,
      Gustavo.

  7. Meu medo é que com Bergoglio até os convertidos acabem perdendo a fé.

  8. Meu caro, a bondade se aplica na prática e não na teoria. É muito fácil ser bonzinho com palavras como é Bergoglio e na prática deixar os cristãos serem martirizados sem levantar um dedo para socorrê-los.
    Essa bondade não converte ninguém. Muito pelo contrário!
    Agora mesmo eu estava traduzindo um texto que sugiro que você leia se souber italiano: “Quando a Igreja era acusada de ser impiedosa”. Vale a pena refletir:

    http://www.lanuovabq.it/it/articoli-quando-la-chiesa-veniva-accusata-di-essere-spietata-14994.htm

  9. Se depender de católicos como Gercione Lima, com certeza, muita gente que busca se aproximar da Fé vai se afastar.