Padre Pedro Stepien recebe ameaças.

Por Hermes Rodrigues Nery | FratresInUnum.comPe. Pedro Stepien acolhe, há vários meses, em sua paróquia em Novo Gama, uma família de perseguidos por milicianos do Rio de Janeiro, e recebeu ontem a seguinte mensagem pelo whatsapp:

aba7aabd-af5c-40ae-b2be-611e76cba1e9

Pe. Pedro Stepien

Leia com bastante atençao , temos seu telefone celelar , seu telefone de casa ______________ zap de Roberto , telefone de Rosana e Carla grampeados , nos lemos e ouvimos tudo que e falado, estamos de olho em sua casa e desta vez viemos em mais soldados nao seremos presos,queremos somente levar conosco Roberto e familia, Rosana, e Djanira e vamos levar , sabemos que estao perto de sua igreja Roberto e inteligente mais vai falhar , estamos a partir de agora vigiando tudo , entao peço que o senhor me diga por aqui como chegamos as casas que eles estao e tudo termina rapido , nao substime nossa inteligencia , policia nao vai adiantar pois estamos de olho em tudo , aguardo sua resposta que ela seja positiva , caso seja negativa tomaremos outras providencias ,
Obss: Deputados e Senadores nos devem muitos favores entao nao perca o seu e o nosso tempo, A Liga.”

Diz Pe. Pedro Stepien:

Ele me ameaçou!

Amigos este carro vectra cinza com placa do Rio de Janeiro LNN 9131 e outro vectra cinza escuro quase preto placas do Rio de Janeiro LCT 1591, estão rodando Lago azul e Novo Gama a procura de familias fugitivas da milicia do Rio de Janeiro,peço ajuda de todos que divulguem ,e peço aos nossos valorosos Policiais Civis e Militares do estado de Goias e DF que abordem com cautela estes carros e tentem identificar seus ocupantes, Rezo por nosso povo e Rezo por nossos policiais que nos protegem com tanto afinco,confiamos na rapida soluçao de tao grave situaçao,que Deus proteja a todos nos,Deus abençoe a todos.”

PS: liguei agora para o Senado para falar com a Dra. Damares Alves, que conhece bem essa situação, enquanto aguardamos, acompanhando o caso, em oração.

Tags:

10 Comentários to “Padre Pedro Stepien recebe ameaças.”

  1. Gravíssimo isso! O clero fiel está à mercê de um estado tomado por uma quadrilha assassina.

  2. Prezados,

    já vivemos sob o regime da máfia comunista, vejam aqui: http://www.sacralidade.com/igreja2008/0178.castigos.html

    Só resta mesmo a proteção direta da Mãe de Deus, pois aguardar proteção estatal dos políticos dos quais os que não são comunistas são maçons cuja ideologia que os move é a mesma, seria mais um tolo que acreditasse que Putin seria o novo “Carlos Magno” e os maçons os da “Ordem Templária”.

    Eu ainda acredito na polícia militar, nos soldados e nos oficiais de carreira mas ficando vigilante com as cúpulas.

    Quanto ao judiciário e todo o teatro que há dez anos se faz do “mensalão”, dispenso comentários.

  3. Oremos todos.

  4. Talvez um disque-denúncia às polícias rodoviária federal e estaduais de MT, GO, MG e do próprio RJ (eles terão que passar lá como caminho mais curto – senão, terão que voltar por MS e SP). Pessoal desses estados, tomem providências contra aqueles terroristas!

  5. Os que estiverem envolvidos em defesa das familias, não como os ideologistas se propagam como defensores dos mais fracos, como se propagam, embora saibamos que seja ao contrario, aqueles serão perseguidos, e eis o resultado do silencio de muitos da Igreja, de figurões da Alta Hierarquia por seguidas décadas, apenas assistindo ao caos se instalando, doravante em pleno desabrochar, trazido por elas e nem ao menos as denunciar por tais desmandos!
    De quando em tempo aparece um ou outro eclesiástico, mas em números tão diminutos que praticamente pouca diferença fazem no já instalado lamaçal!
    Seriam também as placas dos veículos baixadas ou furtadas para despistar?

  6. Caro Pe. Pedro Stepien, paz e bem!

    Além de pedir a proteção do anjo da guarda (aliás, todo sacerdote possui dois), sugiro que você entre em contato com as autoridades civis (PM-DF, Polícia Civil de Brasilia, Polícia Federal, Procuradoria da República e promotoria do Distrito Federal..), bem como as autoridades eclesiásticas (bispos de Brasilia).

    Sugiro, ainda, o contato pessoal com as seguintes autoridades civis (e católicos praticantes):

    – LUIS EDUARDO YATSUDA ARIMA (juiz da 2a. vara criminal de Brasilia) – Tel: (61) 3103-6688
    ou 3103-7159
    Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios
    Palácio da Justiça – Localização: bloco b, 7º andar, ala c, sala 728
    Praça Municipal, lote 01
    CEP 70094-900, Brasília – DF

    – ROBERVAL CASEMIRO BELINATI (Desembargador do Tribunal de Justiça do DF)
    Assessora: Andrea Leonardo Coimbra
    Telefones: 31030266, 31037229, 31037664
    palácio da justiça rui barbosa – bloco c – brasília, bloco c, 4º andar, sala 4.95

    Por fim, no Brasil, existe a Lei Federal (Lei 9.807/99), que trata da Proteção Especial a vítimas e a Testemunhas ameaçadas, disponível:
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9807.htm

    “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”

  7. ROBSON-DF, neste link poderá ver a audiência pública na Câmara dos Deputados, em que o Padre Pedro Stepien expôs esta situação: https://www.youtube.com/watch?v=8ZhQnhkIJFg

  8. Que país é este???
    Em plena capital da República do Brasil (Brasília), sede da CNBB, cujo presidente é o arcebispo de Brasília (D. Sérgio), um padre santo e atuante,do Movimento Pró-vida, pede SOCORRO e PASMEM:
    um usuário frequente deste site (leia-se Sr. Robson-DF), por sinal de Brasília, ao invés de oferecer ajuda ao padre polonês Pedro Stepien (que todo mundo conhece em Brasília), fica questionando e colocando sob suspeita o grito de socorro.
    Realmente, Jesus proferiu uma máxima: “Santo de casa não faz milagre”.
    E a sabedoria popular: “Casa de ferreiro, espeto de pau”.
    Tristes tempos!

  9. Sr. Nathan, o sr. Robson só quer entender o que está acontecendo, natural não? Eu também quero.Obrigada pelo link professor Hermes e o que precisamos. E quanto ao sr. Nathan que tal ser menos passional e agir com um mínimo de racionalidade?

  10. Padre Stepien esteve com Levy Fidelix em Brasília: