Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: Tudo é do Cristão, mas ele mesmo é de Jesus Cristo.

“Todas as coisas são vossas, ou seja Paulo, ou seja Apolo, ou seja Cefas, ou seja o mundo,  ou seja a vida, ou seja a morte ou sejam as coisas presentes, ou sejam as futuras; tudo é vosso; mas vós (sois) de Cristo, e Cristo de Deus” (1 Coríntios. III, 22 e 23).

Por Padre Élcio Murucci | FratresInUnum.com

Estas palavras mostram-nos, no cristão, a mais gloriosa realeza e a mais nobre servidão. Tudo é seu: mas ele mesmo é de Jesus Cristo.

1 – Tudo é meu. – Quando Deus me adotou, na fonte do batismo, revestiu-me de uma admirável realeza, dizendo-me, pela boca do grande Apóstolo: Meu filho, tudo é teu: todas as coisas são vossas. Que imenso horizonte se descobre, aqui, aos olhos da minha fé! Desde o momento em que sou filho de Deus, tudo me pertence: em primeiro lugar, a Igreja, representada pelos homens apostólicos, ou Paulo, ou Apolo, ou Cefas. Sim, a Igreja é minha; a Igreja, com o esplendor dos seus mistérios, com as águas vivas de seus Sacramentos, a sua nuvem de mártires, ou testemunhas, de protetores e de modelos; com os seus tesouros de graças, verdadeiramente inesgotáveis. Os trabalhos dos Apóstolos e dos seus sucessores, a sua vida, a sua morte: tudo o que é da Igreja, é meu. Todos os seus ministros, todos os meios de santificação de que dispõe, não me pertencem menos que a luz e o orvalho do céu. Que cuidado devo ter em  aproveitar-me de tamanho tesouro! Uma alma ingrata não pode meditar, sem terror, estas palavras do Apóstolo: “A terra que absorve a chuva que cai muitas vezes sobre ela, e produz erva proveitosa a quem a cultiva, recebe a bênção de Deus. Mas, se ela produz espinhos e abrolhos, é reprovada e está perto
da maldição, e o seu fim é a queima” (Hebreus VI, 7 e 8).

tumblr_ntrvpnSawy1sknvnko1_500Mas, se a Igreja é minha, e o mundo é da Igreja, é, por conseguinte, meu o mundo, ou seja todas as coisas criadas, ou o mundo. Oh! quantas vozes me dão as criaturas, para me incitar a amar o meu Deus! Como se doem e gemem, quando faço violência à sua natureza, desviando-as do seu fim, empregando em ofender a Deus, o que me é dado para ajudar-me
a servi-Lo!

A vida é minha, ou a vida: sim, a vida, com todas as suas vicissitudes, tristezas, alegrias, dias belos e dias sombrios, tribulações e consolações. Diz a Sagrada Escritura que todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam ao Senhor (Cf. Romanos. VIII, 28): sim, a vida, que o Filho de Deus veio trazer à terra: Eu vim para que tenham a vida; e tenham-na com abundância” (S. João. X, 10). E não é Ele mesmo a vida?; ora, Jesus pertence-me: seu Pai deu-mo; Ele mesmo se deu, e se dá, ainda, a mim todos os dias, na qualidade de pão vivo e princípio de vida: “Eu sou o pão vivo que dá a vida aos homens” (S. João, VI, 48 e 51).

A morte é minha, ou a morte. Caríssimos, é verdade que não posso evitá-la, mas posso pôr-me em estado, não só de não a temer, mas, também, de a desejar, como dizia São Paulo: “Tenho o desejo de estar desatado e estar com Cristo” (Filipenses, I, 23). Desde que o meu Salvador venceu a morte, só de mim depende fazê-la minha serva, e tirar dela, grande utilidade; posso constrangê-la a abrir-me as portas da prisão, e a introduzir-me no Céu.

Tudo é, pois, meu: o futuro, assim como o presente; o bem, que Deus me faz, é um penhor seguro do que me prepara.

2 – Sou de Jesus Cristo.  – Sou de Jesus Cristo, como preço da sua paixão e morte. Jesus fez a aquisição de todo o meu ser, entregando-se a si mesmo por mim. Não sou de mim mesmo; como custei caro ao meu amável Redentor! Pagando o meu resgate, e incorporando-me em si, pelo batismo, Jesus quis ter mais uma inteligência, para contemplar a seu Pai adorável, mais uma vontade, para O seguir com amor, mais um coração, para o amar, mais uma boca, para cantar eternamente os seus louvores. Ser de Jesus Cristo é o meu título de nobreza. Mas cumpre não esquecer que  – Nobreza, obriga. Para ser de Jesus Cristo, é necessário ter o seu Espírito: “Se alguém não tem o Espírito de Cristo, este não é d’Ele” (Romanos VIII, 9).

Terminemos com Santo Ambrósio: “Os homens do mundo têm tantos senhores como paixões. A luxúria vem, e diz: Sois meu, porque cobiçais os prazeres da carne. A avareza vem, e diz: Sois meu; o ouro e a prata, que possuís, são o preço da vossa liberdade. Vêm todos os vícios, e cada um diz: Sois meu. Não pode ser inteiramente de Jesus Cristo, senão aquele que está livre de todo o apego culpável, e mostra sempre, com o seu procedimento, que é servo deste adorável Senhor”.

Sou vosso, ó Jesus: isto explica os cuidados paternais da vossa Providência a meu respeito e nisto fundo a esperança da minha salvação. E poderia eu perder-me nas vossas mãos? Não, Senhor; e, salvando-me, será um bem vosso que salvareis. Arrependo-me e espero vossa misericórdia, ó Jesus, por tantas e tantas vezes que ousei dispor de mim, em detrimento dos vossos direitos mais incontestáveis: usando do meu espírito, do meu coração, do meu corpo, da minha saúde, do meu tempo, como se tudo isto me pertencesse; e que uso, meu Deus, fiz eu de tudo isto? Mas, pela vossa graça, tomo a resolução de combater, energicamente, tudo o que pode separar-me de Vós. Amém!

Anúncios

3 Comentários to “Reflexões sobre temas da Sagrada Escritura: Tudo é do Cristão, mas ele mesmo é de Jesus Cristo.”

  1. Padre Élcio, a sua bênção!
    Eu amo o Senhor como sacerdote!
    Estou dando os primeiros passos na fé, e o senhor, bem como os demais do Fratres, me ajudam bastante na minha infância espiritual.
    Muito obrigada!

    • Caríssima Daise Moreira, Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo e Salve Maria!
      Que Deus a abençoe copiosamente, conserve e aumente sempre mais a sua fé e o seu amor a Jesus e a Maria, Santíssima Mãe de Deus.

  2. Desde o sucedido no Éden, é inevitável que os seres humanos não se desviem das Leis do Senhor Deus, portanto, daí em diante licitamo-nos para pecar. Esse processo foi principiado ao nossos pais cederam à tentação do diabo de comerem do fruto proibido da árvore de todo o conhecimento, segundo ele, e essa falta infectou doravante toda a humanidade, em seguida compartilhando de todas as maldades que o diabólico mundanismo oferece e cedendo a elas.
    Mas o Senhor Deus enviou-nos Seu proprio Filho: Ele nos comprou com seu preciosíssimo sangue, daí que nós não poderemos dispor-nos de como queiramos, como propõem as ideologias “libertarias” – as mesmas em versões atualizadas do Éden – pois fomos resgatados como algo perdido e logo pelo Filho Unigênito do Senhor Deus, dessa forma, tendo sobre nós absolutos direitos!
    “Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” 1 Cor 6,20.
    O Senhor Jesus veio buscar e salvar o mais vil pecador, libertando da escravidão do pecado – fora dele, nada poderia dar essa compensação por nós – todas as outras formas eram reparadoras insuficientes, como sangue de animais e outros sacrificios, como os do AT!
    “Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” I Pd 1 18-19.
    Se ao acaso alguém disser que você não tem valor, recorde de sua pertença e de Quem o resgatou, a história do seu preço!
    “Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” I Cor.6:20.
    Assim, não procedamos como propõe o modernismo alienante, instigando-nos a agir conforme nossas paixões e desejos desordenados, trapaceando-nos com ideias que somos senhores de nossos corpos e destinos – caso das cínicas e conspiradoras feministas – repudiando pois a reedição desse sinistro golpismo!.
    Se o mundo passa pela atual crise, a causa é ter perdido a noção do valor individual, dos deveres para com quem pertencemos, e cedendo às tentações do diabo que é a versão humana do caos!